Relatório da visita de estudo joana c.

3.026 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.026
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
23
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
18
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Relatório da visita de estudo joana c.

  1. 1. Relatório da Visita de Estudo “NAVEGAR - Camões, Pessoa e o V Império” e “Percurso Pessoano” No dia 30 de Janeiro de 2012, as turmas A e B do 12º ano, deslocaram-se a Lisboa para uma visita enriquecedora para os seus conhecimentos sobre as obras estudadas. Saímos de Arraiolos e dirigimo-nos a Lisboa, mais concretamente ao Mosteiro dos Jerónimos, onde assistimos ao espectáculo “NAVEGAR - Camões, Pessoa e o V Império” representado por actores reconhecidos do público português como Rogério Jacques (Camões), Paulo Pinto (Pessoa), Filipe Araújo (Sebastião) e Suzana Branco (Inês)os quais, de forma brilhante, nos levaram ao encontro de Camões e Pessoa. Camões cantava a glória dos portugueses n’Os Lusíadas, enquanto Pessoa traduzia a decadência do Império na Mensagem. Mas entre eles um ponto em comum: ambos defendiam o V Império: Camões, o territorial; Pessoa, o império da língua e da cultura. Todo este espectáculo maravilhoso envolvendo músicas violentas e enquadradas no tema. Após o espectáculo, saímos do Mosteiro e almoçámos no jardim situado mesmo à sua frente. Seguidamente, já do autocarro, observámos a Torre de Belém e o Padrão dos Descobrimentos, sendo estes alguns exemplos de património arquitectural e cultural de Lisboa na época dos Descobrimentos. A este respeito, recorde-se que n’Os Lusíadas, no canto IV - Episódio ‘O Velho do Restelo’, no momento em que as naus de Vasco da Gama se despediam do porto de Belém, um ancião, o Velho do Restelo, elevando a voz, manifestou a sua oposição à viagem para a Índia. A sua fala pode ser interpretada como a sobrevivência da mentalidade agrária, oposta ao expansionismo e às navegações, que configuravam os interesses da burguesia e da monarquia. É a expressão rigorosa do conservadorismo. Certo é que Camões, mesmo numa epopeia que se propõe a exaltar as Grandes Navegações, dá a palavra aos que se opõem ao projecto expansionista. Note-se pois como O Velho do Restelo representa a oposição passado vs presente, antigo vs novo. Com efeito, o ancião chama de vaidoso aqueles que, por cobiça ou ânsia de glória, por sua audácia ou coragem, se lançam às aventuras ultramarinas. Simboliza assim, a preocupação daqueles que antevêem um futuro sombrio para a Pátria Portuguesa. Passado algum tempo, dirigimo-nos para a Baixa Pombalina, onde iniciámos o nosso percurso Pessoano a pé. 1 - Bilhete que nos deram para assistirmos ao espectáculo.2 - Rua onde fomos deixados pelo autocarro e que descemos com vista para o Rio Tejo. 3 - Tivemos oportunidade de passar pela estátua de Luís Vaz de Camões, no Largo Camões.
  2. 2. 5 – Uma foto tirada no interior do Café “A Brasileira”, 4 - Logo a seguir, encontrámos que F. Pessoa frequentava assiduamente. uma estátua em bronze de Fernando Pessoa, sentado à mesa do café “A Brasileira”. 7 – No Rossio, deparámo-nos com a estátua de D. Pedro IV, vigésimo-oitavo rei de Portugal e primeiro 6 –Descendo o Largo do Chiado, passámos por ruas imperador do Brasil independente. Na sua base, as cheias de lojas e vimos os famosos ‘Armazéns do quatro figuras femininas são alegorias à Justiça, à Chiado’. Sabedoria, à Força e à Moderação, qualidades atribuídas ao Rei-Soldado.8 - Na estação de comboios do Rossio, comprámosbebidas e até observámos os painéis, como se vê nafigura 9. 9 - Painel - ‘D. Sebastião: O Encoberto’. Entretanto, esperámos pacientemente por alguns colegas que não podiam andar e poroutros um pouco despistados e seguimos para oTerreiro do Paço. Aí, entrámos para o CaféRestaurante “Martinho da Arcada”, ondeFernando Pessoa passava muito do seu tempo. 10 - Imagens observadas no Café Restaurante.
  3. 3. 11 - Revista Orpheu e Jornal Tabacaria. 12 - Bilhete de identidade de Fernando Pessoa. 13 - Por fim, um postal de Fernando Pessoa à porta do Café Restaurante “Martinho da Arcada”, oferta do empregado do restaurante que nos recebeu com toda a simpatia. Esta viagem trouxe-nos um maior enriquecimento a nível da matéria dada nas aulas dadisciplina de Português. Pois eu fiquei a ter a certeza que um escritor espectacular comoFernando Pessoa está verdadeiramente perto de nós, ao fim ao cabo ele é português, comonós, falava a nossa língua e até estivemos onde ele esteve. Por exemplo, às vezes quandoestamos a ver um filme, imaginamos como seria se já tivéssemos estado com aquele actor ouaté mesmo nos sítios onde ele pudesse ter estado. Neste caso, acontece o mesmo mas aomesmo tempo torna-se diferente. Não estamos fisicamente com o poeta, todavia andamospelos seus passos e conhecemos as suas rotinas. E, principalmente, partilhamos aquilo que elemais gostava, as letras, as palavras, a Literatura. Joana Carona, nº11, 12ºA

×