SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 14
INSTITUTO METROPOLITANO DE ENSINO
          FACULDADE METROPOILITANA DE MANAUS




Qualidade de Vida no Trabalho

                            Mariany Moura



                      CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

                                               1
Você chega com satisfação
                                             e quando sai, se senti
                                             provavelmente cansado,
                                             mas em quase 100% dos
                                             dias, realizado e
Você trabalha com prazer?                    agradecido?
Se senti bem mesmo tendo
que fazer o que não esta           Seu ambiente de trabalho é
com vontade?                       limpo, adequado, sem ruídos?

   Você tem bom relacionamento
   entre os diversos níveis, tem          Você senti muito prazer e
   comunicação clara e objetiva,          pouco incômodo em trabalhar,
   recebe incentivo das chefias,          sendo reconhecido e
   para o alcance de metas?               valorizado?



            Tem remuneração adequada? Tem um emprego seguro?
            Suas opiniões/sugestões são reconhecidas ?

                                                                         2
A empresa que você trabalha
  adota o programa QVT ?




                              3
Qualidade de Vida no Trabalho
               QVT
   Segundo a Organização Mundial da Saúde, Qualidade de Vida
é um conjunto de percepções individuais de vida no contexto
dos sistemas de cultura e de valores em que vivem, e em relação
a suas metas, expectativas, padrões e preocupações.

    “Qualidade de vida no trabalho (QVT) é o conjunto das
ações de uma empresa que envolvem a implantação de
melhorias e inovações gerencias e tecnológicas no ambiente de
trabalho. A construção da qualidade de vida no trabalho ocorre
a partir do momento em que se olha a empresa e as pessoas
como um todo, o que chamamos de enfoque biopsicossocial.”
                                              França
(1997:80)
                                                                  4
Conforme RODRIGUES (1999), com outros títulos e em outros
contextos, mas sempre voltada para facilitar ou trazer satisfação e
bem-estar ao trabalhador na execução de suas tarefas, a
qualidade de vida sempre foi objeto de preocupação da
humanidade.
              Pensador                            Princípios
Euclides (300 a.C.)                 Princípios da geometria
Arquimedes (287 a.C.)               Lei das Alavancas
Helton Mayo (década de 1920)        Experiência de Hawthorne
Abrahan H. Maslow                   Hierarquia das necessidades
Douglas McGregor (década de 1950)   Teoria X
Frederick Herzberg                  Fatores higiênicos e motivadores
                                                                       5
Qualidade de Vida no Trabalho
             QVT
   O propósito do programa QVT é apoiar novos hábitos e estilos
de vida que promovam saúde e bem estar entre os funcionários
durante sua vida profissional.
      Objetiva facilitar mudanças no estilo de vida, combinando
ações e campanhas para consciência, comportamento e
envolvimento, que suportem suas práticas e previna doenças.
      Para se ter sucesso na implantação do programa QVT, é
necessário haver envolvimento e participação dos funcionários
atuando com satisfação e motivação para a realização de suas
atividades.
                                                                  6
Qualidade de Vida no Trabalho
               QVT
  A Qualidade de Vida no Trabalho (QVT), de acordo com Chiavenato
(1999, 391) “ representa em que graus os membros da organização
são capazes de satisfazer suas necessidades pessoais através do seu
trabalho na organização”.
  Chiavenato destaca também os fatores envolvidos na QVT, que
são:
  a satisfação com o trabalho executado,
  o reconhecimento pelos resultados alcançados,
  o salário recebido,
  os benefícios auferidos,
  o ambiente psicológico e físico do trabalho,
  a liberdade e responsabilidade de decidir e as possibilidades de
participar.
                                                                      7
   Para a empresa:
       Fator de efetividade organizacional, contribuindo para reduzir
    indicadores negativos como erros, retrabalho, perda de material,
    danificação de equipamentos, queda de produtividade e perda de
    qualidade nos serviços prestados e etc.
    Benefícios:
   Menos absenteísmo
   Redução do turnover
   Melhoria da Produtividade
   Baixas taxas de enfermidade
   Melhoria da Imagem Corporativa
   Empregados mais alertos e motivados
   Melhoria nas relações humanas e industriais.
                                                                        8
   Para os empregados:

      Satisfação no trabalho e impulsionadores de auto-estima,
    contribuindo para reduzir indicadores negativos como
    acidentes, doenças do trabalho, licenças-saúde e
    aposentadorias precoces.

   Para os clientes:

       Fator de exercício de cidadania, reduzindo indicadores
    negativos como queixas, reclamações e insatisfação.

                                                                 9
1.    Whirlpool Latin America (eletrodomésticos )
2.    Volvo (Caminhões)
3.    Caterpillar (máquinas para a construção civil e mineração)
4.    BV Financeira ( mercado financeiro)
5.    Sama ( mineração)
6.    Laboratorio Sabin ( saude)
7.    Gazin (moveis)
8.    Eurofarma ( medicamento)
9.    Coelce (energia eletrica)
10.   Dupont (produtos quimicos, produtos agricolas
                                                                   10
Exemplos de ações de QVT
As empresas estão cada vez
mais investindo em:
• atividades com yoga, shiatsu, e
alongamentos;
•programa      de       reeducação
alimentar,      tratamento       de
combate        ao        tabagismo,
orientação nutricional;
•academias,             massagens,
ginástica laboral, tai chin chuan;
•violão, dança de salão, capoeira
exibições de filmes nacionais,
etc.

                                      11
Outras Atividades:
• Implantação do Programa 5S.
•   SEIRI – DESCARTE
   SEITON – ARRUMAÇÃO
   SEISSO – LIMPEZA
   SEIKETSU – SAÚDE
   SHITSUKE – DISCIPLINA


• CIPA – Comissão Interna de Prevençäo
  de Acidentes.
    O objetivo básico é fazer com que os empre-
gados e empregadores trabalhem conjuntamente
na tarefa de prevençao dos acidentes de trabalho, das
condiçoes de ambiente e de todos os aspectos que
afetam sua saude e segurança.                           12
Conclusão
   Hoje os profissionais estão submetidos à pressão, com
o aumento da competitividade provocada pela
transformação     da    economia     mundial,   inovações
tecnológicas e globalização dos mercados, visando
melhorar cada vez mais a lucratividade e qualidade dos
produtos e serviços. Favorecer o desenvolvimento de um
perfil humano consiste em construir os alicerces para uma
organização inteligente e inovadora.
   Respeitar o trabalhador como “ser humano” significa
contribuir para a construção de um mundo mais humano,
investindo no progresso da sociedade e da economia
global.
                                                       13
"Aquele que não tem inclinação para
aprender mais, será capaz de pensar que
sabe                          bastante."
Powell




              OBRIGADA!
                                       14

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Gestão da qualidade - ISO 9001:2015
Gestão da qualidade - ISO 9001:2015Gestão da qualidade - ISO 9001:2015
Gestão da qualidade - ISO 9001:2015Alisson Sena, MBA
 
Risco psicossocial (stress)
Risco psicossocial (stress)Risco psicossocial (stress)
Risco psicossocial (stress)Patrícia Morais
 
Práticas de Recursos Humanos - Aula 1 a 10
Práticas de Recursos Humanos - Aula 1 a 10Práticas de Recursos Humanos - Aula 1 a 10
Práticas de Recursos Humanos - Aula 1 a 10Wandick Rocha de Aquino
 
Relacionamento Interpessoal no Ambiente de Trabalho
Relacionamento Interpessoal no Ambiente de TrabalhoRelacionamento Interpessoal no Ambiente de Trabalho
Relacionamento Interpessoal no Ambiente de TrabalhoLuis Paulo Barros
 
Slide - Qualidade de vida
Slide - Qualidade de vidaSlide - Qualidade de vida
Slide - Qualidade de vidaMariana Freire
 
Aula 2 - Normas Regulamentadoras
Aula 2 - Normas RegulamentadorasAula 2 - Normas Regulamentadoras
Aula 2 - Normas RegulamentadorasGhiordanno Bruno
 
Relacionalmento interpessoal
Relacionalmento interpessoalRelacionalmento interpessoal
Relacionalmento interpessoalLeandro Lopes
 
Descrição de Cargos, Competência e Treinamento
Descrição de Cargos, Competência e TreinamentoDescrição de Cargos, Competência e Treinamento
Descrição de Cargos, Competência e TreinamentoTemplum Consultoria Online
 
Saúde e qualidade de vida
Saúde e qualidade de vidaSaúde e qualidade de vida
Saúde e qualidade de vidamainamgar
 
NR 17 - Ergonomia
NR 17 - ErgonomiaNR 17 - Ergonomia
NR 17 - ErgonomiaAmanda Dias
 

Mais procurados (20)

O que é qualidade de vida
O que é qualidade de vidaO que é qualidade de vida
O que é qualidade de vida
 
Doenças ocupacionais
Doenças ocupacionaisDoenças ocupacionais
Doenças ocupacionais
 
Gestão da qualidade - ISO 9001:2015
Gestão da qualidade - ISO 9001:2015Gestão da qualidade - ISO 9001:2015
Gestão da qualidade - ISO 9001:2015
 
Qualidade de vida
Qualidade de vidaQualidade de vida
Qualidade de vida
 
Aula 1 - Higiene e Segurança do Trabalho
Aula 1 - Higiene e Segurança do TrabalhoAula 1 - Higiene e Segurança do Trabalho
Aula 1 - Higiene e Segurança do Trabalho
 
Risco psicossocial (stress)
Risco psicossocial (stress)Risco psicossocial (stress)
Risco psicossocial (stress)
 
Práticas de Recursos Humanos - Aula 1 a 10
Práticas de Recursos Humanos - Aula 1 a 10Práticas de Recursos Humanos - Aula 1 a 10
Práticas de Recursos Humanos - Aula 1 a 10
 
Relacionamento Interpessoal no Ambiente de Trabalho
Relacionamento Interpessoal no Ambiente de TrabalhoRelacionamento Interpessoal no Ambiente de Trabalho
Relacionamento Interpessoal no Ambiente de Trabalho
 
Slide - Qualidade de vida
Slide - Qualidade de vidaSlide - Qualidade de vida
Slide - Qualidade de vida
 
Aula 2 - Normas Regulamentadoras
Aula 2 - Normas RegulamentadorasAula 2 - Normas Regulamentadoras
Aula 2 - Normas Regulamentadoras
 
Comportamento e Postura Profissional
Comportamento e Postura ProfissionalComportamento e Postura Profissional
Comportamento e Postura Profissional
 
Relacionalmento interpessoal
Relacionalmento interpessoalRelacionalmento interpessoal
Relacionalmento interpessoal
 
Descrição de Cargos, Competência e Treinamento
Descrição de Cargos, Competência e TreinamentoDescrição de Cargos, Competência e Treinamento
Descrição de Cargos, Competência e Treinamento
 
Saúde e qualidade de vida
Saúde e qualidade de vidaSaúde e qualidade de vida
Saúde e qualidade de vida
 
Postura profissional
Postura profissionalPostura profissional
Postura profissional
 
Recursos humanos
Recursos humanosRecursos humanos
Recursos humanos
 
Slide ler/dort
Slide ler/dortSlide ler/dort
Slide ler/dort
 
NR 17 - Ergonomia
NR 17 - ErgonomiaNR 17 - Ergonomia
NR 17 - Ergonomia
 
Acolhimento e Integração
Acolhimento e IntegraçãoAcolhimento e Integração
Acolhimento e Integração
 
Ética e Responsabilidade Social
Ética e Responsabilidade SocialÉtica e Responsabilidade Social
Ética e Responsabilidade Social
 

Semelhante a Qualidade de Vida no Trabalho

Como viver com qualidade parte 2/3
Como viver com qualidade   parte 2/3Como viver com qualidade   parte 2/3
Como viver com qualidade parte 2/3ABCursos OnLine
 
Qualidade de viva do trabalhador
Qualidade de viva do trabalhadorQualidade de viva do trabalhador
Qualidade de viva do trabalhadorisisdeca
 
Recruit module 6 inclus online
Recruit module 6 inclus onlineRecruit module 6 inclus online
Recruit module 6 inclus onlinecaniceconsulting
 
Qualidade de Vida no Trabalho
Qualidade de Vida no TrabalhoQualidade de Vida no Trabalho
Qualidade de Vida no TrabalhoHenrique Abrantes
 
Qualidade de Vida no Trabalho
Qualidade de Vida no TrabalhoQualidade de Vida no Trabalho
Qualidade de Vida no TrabalhoJornal Santuario
 
Saude nas organizações - Coaching e Counselling Biográfico
Saude nas organizações - Coaching e Counselling Biográfico Saude nas organizações - Coaching e Counselling Biográfico
Saude nas organizações - Coaching e Counselling Biográfico Myrthes Lutke
 
Pt recruit module 6-inclusiveness in workplace_online
Pt   recruit module 6-inclusiveness in workplace_onlinePt   recruit module 6-inclusiveness in workplace_online
Pt recruit module 6-inclusiveness in workplace_onlinecaniceconsulting
 
Curso de gestão de pessoal parte 1/5
Curso de gestão de pessoal   parte 1/5Curso de gestão de pessoal   parte 1/5
Curso de gestão de pessoal parte 1/5ABCursos OnLine
 
Saúde Mental e Relações Interpessoais no Ambiente de.pptx
Saúde Mental e Relações Interpessoais no Ambiente de.pptxSaúde Mental e Relações Interpessoais no Ambiente de.pptx
Saúde Mental e Relações Interpessoais no Ambiente de.pptxpsicologiainside
 
Gestão da Qualidade Total
Gestão da Qualidade TotalGestão da Qualidade Total
Gestão da Qualidade TotalKelen Mendes
 
Dianova Rumo a Sustentabilidade Psicologia 2009
Dianova Rumo a Sustentabilidade Psicologia 2009Dianova Rumo a Sustentabilidade Psicologia 2009
Dianova Rumo a Sustentabilidade Psicologia 2009Dianova
 
Gestão de Qualidade em Serviços de Saúde
Gestão de Qualidade em Serviços de SaúdeGestão de Qualidade em Serviços de Saúde
Gestão de Qualidade em Serviços de SaúdeAlex Eduardo Ribeiro
 
Trab. a caminho da qualidade de vida no trabalho (geral) defint
Trab. a caminho da qualidade de vida no trabalho (geral) defintTrab. a caminho da qualidade de vida no trabalho (geral) defint
Trab. a caminho da qualidade de vida no trabalho (geral) defintHENRIQUE MESQUITA
 

Semelhante a Qualidade de Vida no Trabalho (20)

Slide share 1 contato
Slide share 1 contatoSlide share 1 contato
Slide share 1 contato
 
Como viver com qualidade parte 2/3
Como viver com qualidade   parte 2/3Como viver com qualidade   parte 2/3
Como viver com qualidade parte 2/3
 
Artigo qualidade de vida no trabalho pdf
Artigo qualidade de vida no trabalho pdfArtigo qualidade de vida no trabalho pdf
Artigo qualidade de vida no trabalho pdf
 
Qualidade de viva do trabalhador
Qualidade de viva do trabalhadorQualidade de viva do trabalhador
Qualidade de viva do trabalhador
 
Recruit module 6 inclus online
Recruit module 6 inclus onlineRecruit module 6 inclus online
Recruit module 6 inclus online
 
Qualidade de Vida no Trabalho
Qualidade de Vida no TrabalhoQualidade de Vida no Trabalho
Qualidade de Vida no Trabalho
 
Qualidade de Vida no Trabalho
Qualidade de Vida no TrabalhoQualidade de Vida no Trabalho
Qualidade de Vida no Trabalho
 
5, 6, 7, 9 e 10S
5, 6, 7, 9 e 10S5, 6, 7, 9 e 10S
5, 6, 7, 9 e 10S
 
Saude nas organizações - Coaching e Counselling Biográfico
Saude nas organizações - Coaching e Counselling Biográfico Saude nas organizações - Coaching e Counselling Biográfico
Saude nas organizações - Coaching e Counselling Biográfico
 
Pt recruit module 6-inclusiveness in workplace_online
Pt   recruit module 6-inclusiveness in workplace_onlinePt   recruit module 6-inclusiveness in workplace_online
Pt recruit module 6-inclusiveness in workplace_online
 
2011 mauricio mesquitalima
2011 mauricio mesquitalima2011 mauricio mesquitalima
2011 mauricio mesquitalima
 
Curso de gestão de pessoal parte 1/5
Curso de gestão de pessoal   parte 1/5Curso de gestão de pessoal   parte 1/5
Curso de gestão de pessoal parte 1/5
 
qualidade de vida
qualidade de vida qualidade de vida
qualidade de vida
 
Saúde Mental e Relações Interpessoais no Ambiente de.pptx
Saúde Mental e Relações Interpessoais no Ambiente de.pptxSaúde Mental e Relações Interpessoais no Ambiente de.pptx
Saúde Mental e Relações Interpessoais no Ambiente de.pptx
 
Gestão da Qualidade Total
Gestão da Qualidade TotalGestão da Qualidade Total
Gestão da Qualidade Total
 
Apresentação Nestlé
Apresentação NestléApresentação Nestlé
Apresentação Nestlé
 
Dianova Rumo a Sustentabilidade Psicologia 2009
Dianova Rumo a Sustentabilidade Psicologia 2009Dianova Rumo a Sustentabilidade Psicologia 2009
Dianova Rumo a Sustentabilidade Psicologia 2009
 
Gestão de Qualidade em Serviços de Saúde
Gestão de Qualidade em Serviços de SaúdeGestão de Qualidade em Serviços de Saúde
Gestão de Qualidade em Serviços de Saúde
 
Trab. a caminho da qualidade de vida no trabalho (geral) defint
Trab. a caminho da qualidade de vida no trabalho (geral) defintTrab. a caminho da qualidade de vida no trabalho (geral) defint
Trab. a caminho da qualidade de vida no trabalho (geral) defint
 
10 Ss
10 Ss10 Ss
10 Ss
 

Último

HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAElianeAlves383563
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaHenrique Santos
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"Ilda Bicacro
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaCludiaRodrigues693635
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfmaria794949
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfssuser06ee57
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
Plano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola públicaPlano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola públicaanapsuls
 
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptxCONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptxLuana240603
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaIlda Bicacro
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptxlucioalmeida2702
 
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfssuser06ee57
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.pptAula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.pptParticular
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxRaquelMartins389880
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxIlda Bicacro
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
TIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptx
TIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptxTIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptx
TIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptxMarceloMonteiro213738
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorialNeuroppIsnayaLciaMar
 

Último (20)

HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
Plano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola públicaPlano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola pública
 
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptxCONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.pptAula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
 
TIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptx
TIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptxTIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptx
TIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptx
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
 

Qualidade de Vida no Trabalho

  • 1. INSTITUTO METROPOLITANO DE ENSINO FACULDADE METROPOILITANA DE MANAUS Qualidade de Vida no Trabalho Mariany Moura CURSO DE ADMINISTRAÇÃO 1
  • 2. Você chega com satisfação e quando sai, se senti provavelmente cansado, mas em quase 100% dos dias, realizado e Você trabalha com prazer? agradecido? Se senti bem mesmo tendo que fazer o que não esta Seu ambiente de trabalho é com vontade? limpo, adequado, sem ruídos? Você tem bom relacionamento entre os diversos níveis, tem Você senti muito prazer e comunicação clara e objetiva, pouco incômodo em trabalhar, recebe incentivo das chefias, sendo reconhecido e para o alcance de metas? valorizado? Tem remuneração adequada? Tem um emprego seguro? Suas opiniões/sugestões são reconhecidas ? 2
  • 3. A empresa que você trabalha adota o programa QVT ? 3
  • 4. Qualidade de Vida no Trabalho QVT Segundo a Organização Mundial da Saúde, Qualidade de Vida é um conjunto de percepções individuais de vida no contexto dos sistemas de cultura e de valores em que vivem, e em relação a suas metas, expectativas, padrões e preocupações. “Qualidade de vida no trabalho (QVT) é o conjunto das ações de uma empresa que envolvem a implantação de melhorias e inovações gerencias e tecnológicas no ambiente de trabalho. A construção da qualidade de vida no trabalho ocorre a partir do momento em que se olha a empresa e as pessoas como um todo, o que chamamos de enfoque biopsicossocial.” França (1997:80) 4
  • 5. Conforme RODRIGUES (1999), com outros títulos e em outros contextos, mas sempre voltada para facilitar ou trazer satisfação e bem-estar ao trabalhador na execução de suas tarefas, a qualidade de vida sempre foi objeto de preocupação da humanidade. Pensador Princípios Euclides (300 a.C.) Princípios da geometria Arquimedes (287 a.C.) Lei das Alavancas Helton Mayo (década de 1920) Experiência de Hawthorne Abrahan H. Maslow Hierarquia das necessidades Douglas McGregor (década de 1950) Teoria X Frederick Herzberg Fatores higiênicos e motivadores 5
  • 6. Qualidade de Vida no Trabalho QVT O propósito do programa QVT é apoiar novos hábitos e estilos de vida que promovam saúde e bem estar entre os funcionários durante sua vida profissional. Objetiva facilitar mudanças no estilo de vida, combinando ações e campanhas para consciência, comportamento e envolvimento, que suportem suas práticas e previna doenças. Para se ter sucesso na implantação do programa QVT, é necessário haver envolvimento e participação dos funcionários atuando com satisfação e motivação para a realização de suas atividades. 6
  • 7. Qualidade de Vida no Trabalho QVT A Qualidade de Vida no Trabalho (QVT), de acordo com Chiavenato (1999, 391) “ representa em que graus os membros da organização são capazes de satisfazer suas necessidades pessoais através do seu trabalho na organização”. Chiavenato destaca também os fatores envolvidos na QVT, que são: a satisfação com o trabalho executado, o reconhecimento pelos resultados alcançados, o salário recebido, os benefícios auferidos, o ambiente psicológico e físico do trabalho, a liberdade e responsabilidade de decidir e as possibilidades de participar. 7
  • 8. Para a empresa: Fator de efetividade organizacional, contribuindo para reduzir indicadores negativos como erros, retrabalho, perda de material, danificação de equipamentos, queda de produtividade e perda de qualidade nos serviços prestados e etc. Benefícios:  Menos absenteísmo  Redução do turnover  Melhoria da Produtividade  Baixas taxas de enfermidade  Melhoria da Imagem Corporativa  Empregados mais alertos e motivados  Melhoria nas relações humanas e industriais. 8
  • 9. Para os empregados: Satisfação no trabalho e impulsionadores de auto-estima, contribuindo para reduzir indicadores negativos como acidentes, doenças do trabalho, licenças-saúde e aposentadorias precoces.  Para os clientes: Fator de exercício de cidadania, reduzindo indicadores negativos como queixas, reclamações e insatisfação. 9
  • 10. 1. Whirlpool Latin America (eletrodomésticos ) 2. Volvo (Caminhões) 3. Caterpillar (máquinas para a construção civil e mineração) 4. BV Financeira ( mercado financeiro) 5. Sama ( mineração) 6. Laboratorio Sabin ( saude) 7. Gazin (moveis) 8. Eurofarma ( medicamento) 9. Coelce (energia eletrica) 10. Dupont (produtos quimicos, produtos agricolas 10
  • 11. Exemplos de ações de QVT As empresas estão cada vez mais investindo em: • atividades com yoga, shiatsu, e alongamentos; •programa de reeducação alimentar, tratamento de combate ao tabagismo, orientação nutricional; •academias, massagens, ginástica laboral, tai chin chuan; •violão, dança de salão, capoeira exibições de filmes nacionais, etc. 11
  • 12. Outras Atividades: • Implantação do Programa 5S. • SEIRI – DESCARTE  SEITON – ARRUMAÇÃO  SEISSO – LIMPEZA  SEIKETSU – SAÚDE  SHITSUKE – DISCIPLINA • CIPA – Comissão Interna de Prevençäo de Acidentes. O objetivo básico é fazer com que os empre- gados e empregadores trabalhem conjuntamente na tarefa de prevençao dos acidentes de trabalho, das condiçoes de ambiente e de todos os aspectos que afetam sua saude e segurança. 12
  • 13. Conclusão Hoje os profissionais estão submetidos à pressão, com o aumento da competitividade provocada pela transformação da economia mundial, inovações tecnológicas e globalização dos mercados, visando melhorar cada vez mais a lucratividade e qualidade dos produtos e serviços. Favorecer o desenvolvimento de um perfil humano consiste em construir os alicerces para uma organização inteligente e inovadora. Respeitar o trabalhador como “ser humano” significa contribuir para a construção de um mundo mais humano, investindo no progresso da sociedade e da economia global. 13
  • 14. "Aquele que não tem inclinação para aprender mais, será capaz de pensar que sabe bastante." Powell OBRIGADA! 14