Escola Secundária de Benavente                       Ano Letivo 2012/2013           A família e o casamento no antigo regi...
Escola Secundária de Benavente                  Ano Letivo 2012/2013indissolúvel, no entanto, os Protestantes, chegaram me...
Escola Secundária de Benavente            Ano Letivo 2012/2013o que influenciava a sua maneira de pensar e as suas relaçõe...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

A família e o casamento no antigo regime

2.041 visualizações

Publicada em

  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

A família e o casamento no antigo regime

  1. 1. Escola Secundária de Benavente Ano Letivo 2012/2013 A família e o casamento no antigo regime no âmbito do PEST(projeto de educação sexual de turma No antigo regime, o casamento tinha três funções essenciais – aprocriação, o seguimento da linhagem e o interesse económico. Aprimeira destas funções encontra-se diretamente ligada às outras pelanecessidade de existência de um filho varão que tomasse posse dasresponsabilidades económicas da família. Na sociedade do AntigoRegime, o casamento era um contrato estabelecido pelos pais de ambosos noivos, um acordo económico a fim de perpetuar os laços de sangue.Sendo que, a sociedade estava dividida em três estados fortementehierarquizados, considera-se que – no mundo rural, ou seja, ocasamento no povo, tinha um propósito reprodutivo e produtivo defilhos que seguissem o trabalho familiar. Para a burguesia, a união pormatrimónio servia de motor para a ascensão social e por fim, no topo dapirâmide, para a nobreza, o casamento significava a construção ousustentação da linhagem. Ao contrário de hoje, o matrimónio nosséculos XVII e XVIII, pouca ou nenhuma relação tinha com o amor; eraestritamente, uma relação económica ou de carácter reprodutivo. Nestaaltura, o casamento era precoce, sendo a idade autorizada para casar –aos doze anos, as mulheres e aos catorze anos, os homens. Nas classessociais mais privilegiadas, a idade poderia ser ainda mais precoce. Dentro do casamento, homem e mulher tinham posiçõesdiferentes. O marido tinha autoridade completa sobre a mulher eimpunha-lhe todas as suas condições – o seu nome, o seu domicílio, asua condição social e tinha controlo absoluto sobre os bens familiaresexceto os pertencentes ao dote da mulher. Esta não tinha sequer poderpara reivindicar os seus direitos. Esta situação estendeu-se desde oAntigo Regime até aos dias de hoje, onde continuamos a debater oassunto do “sexo mais fraco”. O homem detinha toda a autoridade narelação, ao passo que as tarefas eram repartidas. As tarefasprofissionais eram administradas ao homem enquanto as tarefasdomésticas, dadas à mulher. Dentro do casamento, a mulher tinha comofunções educar os filhos, preparar refeições, lavar a roupa e manter acasa limpa. O dinheiro da casa era administrado também pelo homem.Enquanto, para a religião católica, o matrimónio era um sacramento,para Lutero e Calvino, não o era. Geralmente, o casamento eraMariana Ramos (11ºE; nº11) 11 de Janeiro de 2013
  2. 2. Escola Secundária de Benavente Ano Letivo 2012/2013indissolúvel, no entanto, os Protestantes, chegaram mesmo a aceitar odivórcio. O chefe da família era a figura central; a mulher obedecia aohomem e em caso de alguma falha, este poderia ser o seu castigador – oque nos remete para casos de violência doméstica e maus tratos,presentes na sociedade da atualidade. As taxas de mortalidade eram muito elevadas. O nascimento deuma criança era motivo de celebração, no entanto, nos casos ondetodos os primogénitos morrem, procede-se à legitimação de bastardosdestinados a tomar o lugar dos filhos legítimos. A ligação das criançascom os pais era distante pois, estas ainda recém-nascidas eramentregues às amas-de-leite – mulheres de condição inferior que seocupavam das crianças enquanto bebés e em fase de aleitamento. Nocaso de a criança ser do sexo masculino, era entregue a um aio que seocupava da sua educação. No caso de ser do sexo feminino, teria umarelação mais estreita com a mãe sendo esta responsável pela suaeducação. Na alta sociedade, os rapazes aprendiam a ler e escrever (emcasa, num mosteiro ou num convento) e além da educação normal,realizavam ainda várias atividades próprias da nobreza como montar acavalo, a caça e o serviço militar. As raparigas eram educadas em casa,para serem futuras esposas e para saberem organizar festas. Para alémdessas obrigatoriedades, normalmente, aprendiam a ler, escrever, umalíngua estrangeira (o francês) e ainda a tocar piano. No meio rural, onúmero de filhos era superior e as crianças tinham outro destino.Enquanto as raparigas ficavam em casa a aprender as tarefasdomésticas, os rapazes partiam para o campo para trabalhar. Por voltados dezoito, dezanove anos, os rapazes eram recrutados para o serviçomilitar. Tanto rapazes como raparigas eram analfabetos. Hoje em dia, contamos com uma visão muito diferente do que é ocasamento. Na sociedade atual, o matrimónio visa a felicidade doscônjuges e só se realiza existindo amor e consentimento entre ambos.Dentro do casamento, o homem e a mulher representam papéis de igualpeso e nenhum é soberano perante o outro. Também a família daatualidade é diferente, onde as crianças têm ligações próximas comambos os pais e todas são educadas de igual forma. A sociedade do antigo regime tinha por base a hierarquização. Aspessoas eram julgadas e rotuladas consoante o seu prestígio e riqueza,Mariana Ramos (11ºE; nº11) 11 de Janeiro de 2013
  3. 3. Escola Secundária de Benavente Ano Letivo 2012/2013o que influenciava a sua maneira de pensar e as suas relaçõesinterpessoais.Mariana Ramos (11ºE; nº11) 11 de Janeiro de 2013

×