AcçãO deformaçãO Q T B

2.210 visualizações

Publicada em

professional nurse

Publicada em: Turismo, Tecnologia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.210
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
24
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
29
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • AcçãO deformaçãO Q T B

    1. 1. Acção de formação : execução de gesso Q.T.B suporte teórico Piedade Lourenço Enfª. Consulta Externa Ortopedia B e C
    2. 2. Introdução <ul><li>Esta formação pretende ser uma sessão informal, dinâmica e participativa. </li></ul><ul><li>Pretende-se dar a conhecer, ou relembrar, os passos na execução do Q.T.B, disponibilizando também algum suporte teórico. </li></ul><ul><li>Espera-se que seja um espaço de comunicação onde se possam trocar dúvidas e experiências e que ajude de alguma forma a integração de novos elementos no nosso serviço. </li></ul>
    3. 3. Plano da formação <ul><li>Definição do Q.T.B e suas indicações. </li></ul><ul><li>Numa primeira fase, vamos relembrar rapidamente algumas noções de anatomia do membro inferior, essenciais na confecção de gessos. </li></ul><ul><li>A seguir daremos então início à sessão prática, com ajuda do suporte teórico. </li></ul>
    4. 4. O Q.T.B. <ul><li>O Q.T.B. ou Quadrilateral Thigh Bearing (literalmente enfaixamento quadrilateral da coxa), é um gesso funcional. </li></ul><ul><li>Ou seja, trata-se de um gesso aplicado quando a fractura já tem uma certa estabilidade intrínseca. </li></ul><ul><li>Permite ao doente começar a fazer carga progressiva, assim como também alguma mobilidade das articulações. </li></ul><ul><li>É normalmente aplicado após fracturas do fémur e respectivo tratamento pré-funcional, cirúrgico ou conservador. </li></ul>
    5. 5. Noções básicas de anatomia do membro inferior <ul><li>O esqueleto do membro inferior : </li></ul><ul><li>O membro inferior divide-se em quatro segmentos : </li></ul><ul><li>anca, coxa, perna e pé ; </li></ul><ul><li>quatro articulações principais : coxo-femoral, joelho, </li></ul><ul><li>tibiotársica e falanges. </li></ul>
    6. 6. O esqueleto do membro inferior Articulação coxo-femoral (anca) e fémur.
    7. 7. Articulação do joelho e rótula O esqueleto do membro inferior
    8. 8. Tíbia e peróneo O esqueleto do membro inferior
    9. 9. Tibiotársica e pé O esqueleto do membro inferior
    10. 10. <ul><ul><li>O sistema muscular do membro inferior do membro inferior </li></ul></ul><ul><ul><li>Os principais músculos da coxa </li></ul></ul><ul><ul><li>Os principais músculos da perna </li></ul></ul>Noções básicas de anatomia do membro inferior
    11. 11. O sistema muscular do membro inferior <ul><ul><li>Os principais músculos da coxa (superficiais) </li></ul></ul><ul><ul><li>Psoas : </li></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Origem : faces laterais das vértebras lombares </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Inserção : pequeno trocanter do fémur. </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Função principal : flexão da coxa e rotação externa. </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><li>Os três adutores : </li></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Origem : crista púbica </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Inserção : fémur </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Função principal : adução da coxa </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><li>Tensor da fáscia lata : </li></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Origem : crista ilíaca </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Inserção : tuberosidade externa da tíbia, bordo esterno da rótula </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Função principal : flexão e abdução da coxa. </li></ul></ul></ul></ul>
    12. 12. O sistema muscular do membro inferior <ul><ul><li>Os principais músculos da coxa (superficiais) </li></ul></ul><ul><ul><li>Quadricípete femoral: constituído por dois músculos laterais, os vastos, interno, externo e anterior ; o crural, músculo profundo, contra o fémur. </li></ul></ul><ul><ul><ul><ul><ul><li>Origem : parte superior do fémur. </li></ul></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><ul><li>Inserção :confluem para um tendão único, o qual se insere na tíbia. Na espessura do tendão, pouco antes deste se inserir na tíbia, está incluída a rótula. </li></ul></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><ul><li>Principal função : è um potente extensor do joelho. </li></ul></ul></ul></ul></ul><ul><ul><li>O costureiro : </li></ul></ul><ul><ul><ul><ul><ul><li>Origem : espinha ilíaca, percorre toda a coxa obliquamente. </li></ul></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><ul><li>Inserção : tendão na região superior interna da tíbia. </li></ul></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><ul><li>Principal função : flexão da coxa, abdução e rotação externa. </li></ul></ul></ul></ul></ul><ul><ul><li>Bicípete femoral (posterior) : </li></ul></ul><ul><ul><ul><ul><ul><li>Origem : tuberosidade isquiática. </li></ul></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><ul><li>Inserção : cabeça do perónio. </li></ul></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><ul><li>Principal função : flexão da perna sobre a coxa, extensão da coxa sobre a bacia. </li></ul></ul></ul></ul></ul>
    13. 13. O sistema muscular do membro inferior <ul><ul><li>Os principais músculos da coxa (superficiais) </li></ul></ul><ul><ul><li>Semi-tendinoso e semi-membranoso : </li></ul></ul><ul><ul><ul><ul><ul><li>Origem : ísquio. </li></ul></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><ul><li>Inserção : tíbia. </li></ul></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><ul><li>Principal função : flexão e rotação interna da perna. </li></ul></ul></ul></ul></ul>
    14. 14. O sistema muscular do membro inferior <ul><li>Os principais músculos da perna (superficiais) </li></ul><ul><ul><li>Gémeos : </li></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Origem : côndilos externos e internos do fémur e cápsula articular do joelho. </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Inserção calcâneo pelo tendão de Aquiles. </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Principal função : Flexão do pé. </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><li>Tibial anterior : </li></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Origem : tuberosidade externa e diáfise tibial. </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Inserção : primeiro metatarsico e cuneiforme. </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Principal função : flexão e inversão do pé. </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><li>Peróneo lateral : </li></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Origem : cabeça do perónio e tuberosidade externa da tíbia. </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Inserção : primeiro metatársico e primeiro cuneiforme. </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Principal função : extensor e eversão do pé </li></ul></ul></ul></ul>
    15. 15. O sistema muscular do membro inferior
    16. 16. Sessão prática <ul><li>Material necessário para confecção do Q.T.B. </li></ul><ul><ul><li>Malha de elasticidade continua (ou joelheira elástica). </li></ul></ul><ul><ul><li>Malha tubular de jersey, extensível. </li></ul></ul><ul><ul><li>Pé elástico, ou malha de elasticidade contínua. </li></ul></ul><ul><ul><li>Ligaduras de algodão prensado. </li></ul></ul><ul><ul><li>Ligaduras de “gesso sintético”, tipo “Delta-cast”. </li></ul></ul><ul><ul><li>Pé plástico. </li></ul></ul><ul><ul><li>Alinhador das hastes policêntricas. </li></ul></ul>
    17. 17. <ul><li>Passos principais na execução do gesso Q.T.B. </li></ul><ul><ul><li>Posicionamento do doente em decúbito dorsal, com especial cuidado no alinhamento do membro. </li></ul></ul><ul><ul><li>Aplicação da malha de jersey semi-elástica, do pé até à raiz da coxa. </li></ul></ul><ul><ul><li>Aplicação do pé elástico ou tensoplast. </li></ul></ul><ul><ul><li>Aplicação da malha de jersey extensível. </li></ul></ul><ul><ul><li>Aplicação do algodão prensado na coxa, perna e pé, conforme técnica já dominada pela equipa. </li></ul></ul><ul><ul><li>imobilização da coxa com as ligaduras sintéticas, desde da raiz até 3 cm acima do pólo superior da rótula. Com especial atenção ao foco de fractura (manter alinhamento) e modelagem na raiz da coxa. Modelagem das faces interna e externa. </li></ul></ul>Sessão prática
    18. 18. Sessão prática <ul><li>Passos principais na execução do gesso Q.T.B. </li></ul><ul><ul><li>Imobilização da perna, desde a Tibiotársica, permitindo a mobilidade da mesma, até dois dedos acima do pólo superior da rótula. Modelagem da membrana interóssea, 1/3 superior dos gémeos, região supra condiliana da tíbia e tendão rotuliano. </li></ul></ul><ul><ul><li>Recortes a nível do joelho conforme P.T.B. (pólo superior da rótula e região poplítea tendo por referência a depressão do tendão rotuliano), de forma a permitir a flexão a 90º. </li></ul></ul><ul><ul><li>Aplicação das articulações policêntricas a nível do joelho fazendo coincidir o seu eixo com o tubérculo dos adutores. </li></ul></ul><ul><ul><li>Devem ser colocadas em paralelismo, pode-se para isso usar um alinhador próprio. </li></ul></ul><ul><ul><li>Podem-se então fixar as hastes com adesivo nas extremidades para evitar que se desloquem durante as manipulações. </li></ul></ul>
    19. 19. <ul><li>Passos principais na execução do gesso Q.T.B </li></ul><ul><ul><li>Nesta fase procede-se à fixação dos parafusos das hastes. Apertam-se bem os dois parafusos de cada haste e coloca-se depois o parafuso “travão”, enroscado ao máximo. Depois “libertam-se” os dois parafusos mais pequenos de ¼ a ½ volta, para permitir a articulação das hastes. </li></ul></ul><ul><ul><li>Pode-se então terminar a imobilização, fixando as hastes com as ligaduras sintéticas e fazendo os “debruados”. </li></ul></ul><ul><ul><li>Nesta fase procede-se à fixação do pé plástico, com o pé em posição neutra e guardando a distância de um dedo entre o calcâneo e o pé plástico. </li></ul></ul><ul><ul><li>Verifica-se a boa mobilidade das articulações e de maneira geral o conforto do doente relativamente à imobilização. </li></ul></ul><ul><ul><li>Fazem-se os devidos ensinos ao doente. </li></ul></ul>Sessão prática
    20. 20. Conclusão <ul><li>Espera-se que este suporte teórico contribua para relembrar noções simples de anatomia do membro inferior, com o objectivo de melhor entender os passos na execução do gesso Q.T.B. </li></ul><ul><li>Espera-se também que seja um documento que, conjuntamente com a sessão prática, permita ajudar na confecção de um gesso Q.T.B. Não sendo este um gesso de rotina, torna-se mais difícil a memorização de todos os passos. </li></ul>
    21. 21. Fontes <ul><li>http://calcadodesportivo.no.sapo.pt/ </li></ul><ul><li>http://pt.wikipedia.org </li></ul><ul><li>http://137.222.110.150/calnet/musculo/musculo.htm </li></ul><ul><li>http://www.ilguerriero.it/codinopreatle/anatomia/artoinferiore2.htm </li></ul><ul><li>http://www.scoi.com/anklanat.htm </li></ul><ul><li>http://www.medisite.fr/medisite/index.php </li></ul><ul><li>http://www.medecine-et-sante.com/anatomie/musclmbreinf.html </li></ul><ul><li>http://www.corpohumano.hpg.ig.com.br/sist_muscular/membros4.html </li></ul><ul><li>http://www.fmh.utl.pt/cinesiologia/JC/JC_aulas/files/aula9.pdf </li></ul><ul><li>Método “ortopédico-funcional” no tratamento de fracturas ( Adrião Proença, Jacinto Loureiro, Henrique Vilhena, Paulo Homen) – Hospitais da Universidade de Coimbra, Serviço de ortopedia e traumatologia. </li></ul><ul><li>http://www.iqb.es/diccio/m/musculos6.htm#muslo03 </li></ul><ul><li>Principes d’anatomie et de physilogie, Gerard J. Tortora e Nicholas P. Anagnostakos. </li></ul>

    ×