O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.

Música da època dos DEscobrimentos

1.404 visualizações

Publicada em

Música da Época dos Descobrimentos

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

Música da època dos DEscobrimentos

  1. 1. MÚSICA NA ÉPOCA DOS DESCOBRIMENTOS
  2. 2. A Corte portuguesa foi desde cedo um importante centro de atividade musical.
  3. 3. Contam-se: - as fanfarras de carácter militar ou cerimonial que marcavam os acontecimentos importantes, como a entrada ou saída do monarca, de um visitante importante, da abertura das cortes ou a chegada de um novo prato à mesa real durante um banquete.
  4. 4. Charamela Esta música era executada com instrumentos altos como charamelas , trompetes ou tímpanos. Trompete Tímpanos antigos (séc. XIX)
  5. 5. Atabale a.ta.ba.le [ɐtɐˈbal(ə)] nome masculino antiga designação do timbale Do árabe aT-Tabl, «tambor»
  6. 6. Os executantes estavam organizados em corporações de ministreis de tradição medieval, dirigidas por dignatários com títulos solenes como “rei das charamelas”; “rei dos trompetes” “rei dos ministreis”.
  7. 7. Damião de Góis, na Crónica do Rei D. Manuel diz que o rei quando estava em conselho, durante a sesta ou quando ia para a cama, ouvia música.
  8. 8. Aos domingos ou feriados almoçava e jantava ao som de música de charamelas , sacabuxas , cornetas, violinos, harpas e tambores. Em dias de festa, a refeição do rei era acompanhada por trombetas e tambores. sacabuxa Corneta
  9. 9. Havia, também, músicos mouros que cantavam e tocavam alaúdes e tambores bem como charamelas, harpas e violinos e os jovens nobres dançavam enquanto o rei comia.
  10. 10. A música vincava a importância social das pessoas. Os duques de Bragança usaram este meio para marcar a sua proeminência social.
  11. 11. Descrição do banquete do duque D. Teodósio em 1542 A abundância e delicadeza da comida servida a todos era grande. Ao mesmo tempo, ouviam-se trombetas, charamelas e menestréis e depois uma música de instrumentos e vozes de tal forma harmoniosa que a comida se tornava mais gostosa.
  12. 12. Saltério
  13. 13. Rakete
  14. 14. https://www.youtube.com/watch?v=k56fziINlE8 - COMO SOAM INSTRUMENTOS RENASCENTISTAS EXÓTICOS
  15. 15. Os instrumentos dos músicos da Casa Real raramente eram especificados nos documentos oficiais. No entanto, aparece, no reinado de D. Afonso V, um tocador de alaúde (Lopo de Condeixa) mencionado entre 1459 e 1464 e um mestre de órgãos ( Manuel Pires, o Rombo, mencionado entre 1453 e 1461 ( Viterbo, 1932:3-4, 136-138. 454-455).
  16. 16. Contudo, pensa-se que e os músicos que tocavam na capela do rei seriam frequentemente chamados para tocar no palácio, em diversas alturas.
  17. 17. No reinado de D. João II merecem destaque as referências musicais nas Crónicas de Garcia de Resende (também ele músico) onde se descreve um dos banquetes dados em Évora pelo rei: quando levavam à mesa del-Rei as iguarias principais […] “o estrondo das trombetas, atambores, charamelas e sacabuxas e de todolos menestreis era tamanho que se não ouviam, e isto se fazia cada vez que el-Rei, a Rainha, o Príncipe, a Princesa bebiam e vinham as primeiras iguarias à mesa”. Garcia de Resende.
  18. 18. De acordo com as ideias expressas por Castiglione em Il Corteggiano e posteriormente, por outras obras, por toda a península Ibérica, o duque D. Teodósio I de Bragança torna-se patrono na sua casa de “ lições de leitura, escrita, gramática, música, dança, esgrima e equitação.”
  19. 19. Entre as mulheres, a Infanta D. Maria, filha do rei D. Manuel I , mulher muito culta, teve como professora Ângela Sigéia, de grande erudição em línguas clássicas e literatura e “muito versada na arte da música e instrumentos de tal forma que podia competir com os mais eminentes professores”. A Infanta D. Catarina, duquesa de Bragança recebeu no seu palácio a celebrada embaixada japonesa que visitou a Europa entre 1584-85 “colocou os seus servos a tocar e a cantar música honesta, diante deles”.
  20. 20. Também as mulheres ligadas à corte, como a rainha D. Leonor, viúva de D. João II, dispunham de afamados músicos como Diogo Gonçalves ou Fernão Rodrigues e fez-se retratar como doadora no Panorama de Jerusalém, tábua oferecida pelo imperador Maximiliano I, com aerofones na cena de Cristo a caminho do Calvário (exposta no Museu Nacional do Azulejo); ou D. Leonor, 3.ª consorte de D. Manuel I, identificada como mulher de rara cultura que cantava e tocava alaúde e clavicórdio. A música fazia parte da educação e formação dos consortes e dos infantes.
  21. 21. Panorama de Jerusalém /Paixão de Cristo segundo Simão Pedro Museu Nacional do Azulejo
  22. 22. As fontes que chegaram até nós revelam a quase absoluta inexistência de manuscritos contendo tratados musicais [baseados em Boécio], antes de 1500 o que deixa adivinhar o grande peso da oralidade no ensino.
  23. 23. Enquanto os ministreis eram de origem humilde, em alguns casos, escravos negros ou mouros, os músicos da corte tinham origem nobre. Conhecemos Luís de Victoria “excelente tocador de viola” ao serviço de outro filho de D. Manuel, D. Luís. Era considerado por Pedro Andrade Caminha “ o melhor músico deste tempo e um notável poeta”. Alexandre de Aguiar servia a Casa Real e os seus dotes musicais granjearam-lhe o epíteto de “Orpheus e Amphion” deste tempo.
  24. 24. A figura do jovem pagem que toca viola, com maiores ou menores dotes, capaz de cantar fazendo-se acompanhar à viola tocada por si próprio com maiores ou menores dotes, é uma figura recorrente no teatro Vicentino.
  25. 25. Na verdade, a música era parte integrante do teatro, com destaque para o Vicentino. São conhecidas obras musicais como o vilancete do espanhol Penalosa, “Nina erguedme los ojos” e a obra prima como o romance “Nina era la Infanta” ambos mencionados em “ Cortes de Júpiter”. O vilancete “Nunca fué pena mayor” do compositor flamengo Juan de Urrede é citado em três peças de Gil Vicente, entre os quais na Barca da Glória ou o moteto “Clamabat autem mulier Cananea” de Pedro Escobar com o qual acaba o Auto da Cananeia.
  26. 26. Farsa de Inês Pereira LATÃO : Ora oivi, e oivireis. Escudeiro, cantareis Alguma boa cantadela. Namorai esta donzela e esta cantiga direis: Canta o Judeu «Canas do amor, canas, canas do amor Polo longo dum rio Canaval vi florido, Canas do amo.» Canta o Escudeiro o romance «Mal me quieren en Castilla» e diz Vidal: VIDAL:Latão, já o sono é comigo Como oivo cantar guaiado, Que não vai esfandegado... LATÃO :Esse é o Demo que eu digo! Viste cantar Dona Sol: Pelo mar voy a vela, Vela vay pelo mar? VIDAL: Filha Inês, assi vivais Que tomeis esse senhor Escudeiro cantador E caçador de pardais, Sabedor revolvedor Falador gracejador Afoitado pela mão, E sabe de gavião... Tomai-o por meu amor. Podeis topar um rabugento, Desmazelado, baboso, Descancarado, brigoso, Medroso, carapatento. Este escudeiro, aosadas, Onde se derem pancadas, Ele as há-de levar Boas, senão apanhar.. Nele tendes boas fadas.
  27. 27. MÃE : Quero rir com toda a mágoa Destes teus casamenteiros! Nunca vi Judeus ferreiros Aturar tão bem a frágoa. Não te é milhor mal por mal, Inês, um bom oficial, Que te ganhe nessa praça, Que é um escravo de graça, E mais casas com teu igual? LATÃO: Senhora, perdei cuidado: O que há-de ser há-de ser; E ninguém pode tolher O que está determinado. VIDAL: Assi diz Rabi Zarão. MÃE: Inês, guar'-te de rascão! Escudeiro queres tu? INÊS: Jesu, nome de Jesu! Quão fora sois de feição! Já minha mãe adivinha... Folgastes vós na verdade Casar à vossa vontade? Eu quero casar à minha. MÃE : Casa, filha, muit'embora. ESCUDEIRO: Dai-me essa mão, senhora. INÊS: Senhor de mui boa mente.
  28. 28. Há ainda referência a várias danças populares como a folia, a chacota, a baixa ou a alta das quais chegaram até nós várias versões com variedade vocal e diferentes combinações instrumentais. Através destas referencias depreendemos que Gil Vicente tinha vastos conhecimentos musicais.
  29. 29. D. Afonso V tinha vários músicos ao seu serviço: cantores, trombetas, charameleiros, tamborileiro, alaudista, citaleiro e um menestrel. Em 1463 foi nomeado para rei dos charamelas Johan de Reste e entre as suas obrigações contava-se ensinar e adestrar os moços na charamela, na viola de arco e noutros instrumentos.
  30. 30. • Os músicos da corte, por vezes, viajavam no séquito das princesas mas, outras vezes, também o faziam por vontade própria. • Nas festas e banquetes há ainda notícia de bailes com música de menestréis. • Música alta era a música ao ar livre, cerimonial e militar, com instrumentos mais sonoros, enquanto a música baixa era música de corte, particularmente de dança, com instrumentos mais suaves. • A música religiosa ocupava um papel preponderante nas instituições da corte.
  31. 31. • Nos finais do século XIV surgem ainda as capelas privativas de príncipes e grandes senhores. • A chancelaria de D. Afonso V refere a contratação de Manuel Pires como mestre de órgão e o envio de Álvaro Afonso a Inglaterra para obter uma cópia do regimento da Capela Real. • Há ainda referência a obras escritas por Álvaro Afonso, Gomes Aires, João de Lisboa e Tristiano de Silva. • No reinado de D. João II surgem referência à utilização de charamelas e sacabuxas nas igrejas para além dos órgãos. Órgão renascentista da Sé de Évora
  32. 32. • Temos notícia que em 1544 o nome do titular do cargo de professor de música era Mateus de Aranda.
  33. 33. • https://www.youtube.com/watch?v=1OzNCzmTs2Q Nina era la Infanta
  34. 34. • https://www.youtube.com/watch?v=-wq_RT1fJFk – três poemas de Gil Vicente. – Ro, Ro, Ro – Auto da sibila Cassandra, ato IV.
  35. 35. • https://www.youtube.com/watch?v=rF5XjYQAkUQ - Cuál Es la Niña Que Coge las Flores? Velho da Horta ( p. 200)
  36. 36. • https://www.youtube.com/watch?v=2fhaLqKL5Rg - Tres Poemas de Gil Vicente: I. Por Dó Pasaré la Sierra?
  37. 37. https://www.youtube.com/watch?v=NL1zngBYuRw - Vilancete Inoportuna - Sísifo
  38. 38. • https://www.youtube.com/watch?v=6YgjBh9wHHg - Canción tradicional Sefardí - " Morena " (Sephardic music)
  39. 39. https://www.youtube.com/watch?v=RdQIxQLly3U - Seis Canciones Populares Sefardíes: II. Adonenu, Elohenu (Tetuán) https://www.youtube.com/watch?v=YGUzbV6-2hs - Música Sefardí/Sephardic Music "Yo en estando"
  40. 40. Bibliografia: • Nery, Rui Vieira, Castro, Paulo Ferreira de Castro, History of music, synthesis of portuguese culture, Europália, 1991, Portugal, INCM • www.academia.edu/.../Iconografia_Musical_na_Pintura_Retabular_ e_M...
  41. 41. Maria de Fátima Isidro Martins Gomes

×