SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 61
Baixar para ler offline
A arte egípcia era monumental e de grande
beleza e está ligada à religião, ou seja, ao
culto dos deuses e dos mortos.
Arquitectura
A crença na imortalidade levou os
egípcios a construírem imponentes
túmulos; o facto de adorarem vários
deuses fê-los construir grandes templos.
Túmulos
Os primeiros foram
escavados no solo e
protegidos por uma
construção de tijolos de
terra seca :a mastaba.
Esta elevava-se por cima
da câmara funerária,
decorada com cenas da
vida do defunto, na qual
ficava a urna do faraó ou
de um grande senhor.
O arquitecto Imotep , em 2650 a.C construiu uma
pirâmide em pedra para o Faraó de Djoser.
Era uma sobreposição de mastabas, ou pirâmide
de degraus.
As pirâmides mais célebres ficam, no planalto de Guiza :
Khufu (Quéops), a do seu filho Khafré (Quéfren) e a do seu
neto Menkaur (Miquerinos). Junto desta pirâmide localiza-
se a grande esfinge, talhada na rocha.
A esfinge de Gizé fica neste complexo. É a maior
de todas do Egipto. Tem 73 metros de
comprimento e 20 de altura. Foi talhada
directamente na rocha, no reinado de Khafré. O seu
rosto tem os traços do faraó, toucado com menés e
simboliza a força e a potência. Guarda a entrada da
• A zona funerária compõe-se , também, de
pequenas pirâmides que guardam os restos
mortais das esposas dos faraós. Possui,
também, mastabas que guardam as múmias
dos nobres e dos grandes sacerdotes.
As pirâmides eram sempre construídas na
margem esquerda do Nilo e geralmente perto
deste para facilitar o transporte dos materiais.
Os arquitectos, os sacerdotes, astrónomos e
geómetras, delimitavam o local propício que os
operários iriam aplanar.
HIPOGEUS – Túmulos escavados na
rocha
Templo mortuário da rainha Hatshepsut, em
Deir el-Bahari – Associa um pilão e um pátio a
um santuário escavado na falésia
O Hipogeu de de
Tutankhamon,
descoberto em 1922, foi
encontrado
praticamente intacto. No
seu interior
encontravam-se jóias
valiosas, material de
escrita, instrumentos
musicais, roupas e
muitas mais coisas.
A múmia estava encerrada
em vários sarcófagos, uns
dentro dos outros. O último
era de ouro maciço, pesando
110 quilos. O rosto de
Tutankhamon estava coberto
com uma lindíssima máscara
de ouro, pasta de vidro e
lápis-lazúli.
TEMPLOS
O templo de Luxor é constituído por gigantescas
colunas, tem à entrada duas grandiosas estátuas
de Ramsés II.
Esquema de um templo.
Este inclui um lago.
Templo de Ramsés II em Abu Simbel
Como o Templo ia ser submerso com a
construção da barragem de Assuão foi
cortado ( tinha sido construído na pedra do
lugar) e reconstruído mais longe do rio.
ESCULTURA
Toda a escultura egípcia obedece à lei da
frontalidade
O BAIXO RELEVO
A arte egípcia emprega o baixo relevo
normal no qual se escava o fundo à volta das
figuras e o baixo relevo escavado. Os egípcios
observaram que num país, onde a
luminosidade é intensa os pormenores do
baixo relevo normal sobressaíam mal.
• Ptolomeu entre duas
deusas
• Setoiu I e Hórus (baixo
relevo escavado de
Abydos)
PINTURA
Grande parte da pintura egípcia encontra-se nas
paredes dos túmulos. Representam aspectos da
vida quotidiana ou cenas religiosas
Obedece a regras fixas: a cabeça , as pernas e os
pés aparecem de perfil; o olho e o tronco de frente
– é a lei da frontalidade.
AS ARTES DECORATIVAS
Fundidores
Nas artes
decorativas
destaca-se o
trabalho de
ourivesaria, como
comprovam as
inúmeras peças
encontradas nos
túmulos.
DIVERSÕES
Música e dança
Gostavam, também de jogos de tabuleiro,
como o Senet.
CIÊNCIA
MEDICINA
Os Egípcios elaboraram listas de remédios,
formando a primeira farmacopeia conhecida.
Trataram doenças de abdómen, da bexiga, do
recto, dos olhos e da pele, cabelo, unhas e
língua, tuberculose, cálculos biliares,
apendicites, gota, artrites e fizeram algumas
cirurgias.
Usavam amuletos quer contra o mal que os
podia afligir em vida, quer para os proteger na
sua viagem para o além.
Literatura
• A literatura egípcia desenvolveu-se nos
diversos géneros.
• Nas obras religiosas, destaca-se o "Hino ao
Sol", de Amenófis IV e o famoso "Livro dos
Mortos".
Uns dos mais belos poemas da literatura
egípcia foi redigido e criado por Akhenaton,
em honra ao Deus-Sol, Aton.
ESCRITA
Hieróglifos - um sistema de escrita complexo,
pictográfico, ou seja, baseiam-se em imagens;
ideográfico (representavam ideias) e fonético
(representavam sons) e sílabas. Existem cerca de 6
mil hieróglifos conhecidos.
Além da escrita hieroglífica, os Egípcios,
também usaram a escrita hierática, nos
documentos oficiais e a demótica, uma forma
mais simples, baseada em abreviaturas.
Escreviam sobre papiro ou pedaços de argila.
Matemática
Para construir as pirâmides, certamente, os
egípcios tiveram que desenvolver a
representação da quantidade de objectos de
uma colecção através de desenhos - os
símbolos.
O sistema de numeração egípcio baseava-se
em sete números-chave: 1 - 10 – 100 – 1000 –
10000 – 100000 – 1000000.
Inventaram a régua, tomando como unidade ,
a medida do comprimento de um antebraço.
Esta unidade chamava-se côvado. Existiam
dois côvados: o real (50cm e o pequeno
( 45cm). O côvado dividia-se em unidades
mais pequenas: os palmos e os dedos.
Inventaram o valor de como sendo de
3,16. Só mais tarde os romanos o mudaram
para 3,14.
Calcularam áreas; resolveram problemas
com fracções.
Organizaram um calendário solar com 365. O
ano começa a 19 de Julho. Está dividido em 12
meses de trinta dias, ou seja 360 dias. Os cinco
últimos dias são consagrados a Osíris, Hórus, Set;
Ísis e Néftis.
ASTRONOMIA
Identificaram a posição dos
astros e o seu movimento.
Descobriram um grande
número de estrelas, como a
polar e constelações de
estrelas, como a Ursa Menor
e Maior. Descobriram os
planetas visíveis sem luneta
como : Mercúrio; Vénus;
Marte; Júpiter e Saturno.
• Interrogaram-se sobre os
eclipses do Sol e da Lua.
OUTRAS INVENÇÕES
Bibliografia:
• A Mitologia, Descoberta do mundo em imagem,
Fleurus
• Ângela Mc Donald ( consultora), Caçadores de
Tesouros, Texto,
• Antigo Egipto, Descoberta do mundo em imagem,
Fleurus
• Atlas das Civilizações Antigas; Civilização
• Aude Gros de Beler, A Mitologia Egípcia, Gama
Editora
• Egiptologia, Editorial Caminho, Lisvoa 2001
• Émille Beaumont, O Antigo Egipto, Fleurus
• Fiona Macdonald, Antigos Egípcios, Mãos na
História,Juvenil Universal
• John Malam, Indiana Jones explora … O Antigo
Egipto, Campo das Letras
• Henry Martin (dir), L´art Égiptien, Flammarion
• História 7, Texto Editora
• Sinais da História 7, Ed. Asa
• O Egipto em 200 perguntas, Larrousse 2006
• khanelkhalili.com.br
• www.suapesquisa.com/egito/

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

História da Arte Brasileira (Pré Cabralino ao Academicismo): Introdução
História da Arte Brasileira (Pré Cabralino ao Academicismo): IntroduçãoHistória da Arte Brasileira (Pré Cabralino ao Academicismo): Introdução
História da Arte Brasileira (Pré Cabralino ao Academicismo): IntroduçãoPaula Poiet
 
Aula 10 arte e arquitetura romana [revisado em 180514]
Aula 10 arte e arquitetura romana [revisado em 180514]Aula 10 arte e arquitetura romana [revisado em 180514]
Aula 10 arte e arquitetura romana [revisado em 180514]glauci coelho
 
A civilização egipcia
A civilização egipciaA civilização egipcia
A civilização egipciaCarla Freitas
 
Arte grega: arquitetura, escultura e cerâmica
Arte grega: arquitetura, escultura e cerâmicaArte grega: arquitetura, escultura e cerâmica
Arte grega: arquitetura, escultura e cerâmicaSusana Simões
 
Os Templos Gregos
Os Templos GregosOs Templos Gregos
Os Templos GregosMariana1112
 
Egito história da arte 7º ano
Egito história da arte 7º anoEgito história da arte 7º ano
Egito história da arte 7º anojosivaldopassos
 
6o. ano texto -Arte na Grécia- 2-
6o. ano  texto -Arte na Grécia- 2-6o. ano  texto -Arte na Grécia- 2-
6o. ano texto -Arte na Grécia- 2-ArtesElisa
 
Cânones de proporções grego
Cânones de proporções gregoCânones de proporções grego
Cânones de proporções gregoDoug Caesar
 

Mais procurados (20)

Arquitetura Egipcia
Arquitetura EgipciaArquitetura Egipcia
Arquitetura Egipcia
 
História da Arte Brasileira (Pré Cabralino ao Academicismo): Introdução
História da Arte Brasileira (Pré Cabralino ao Academicismo): IntroduçãoHistória da Arte Brasileira (Pré Cabralino ao Academicismo): Introdução
História da Arte Brasileira (Pré Cabralino ao Academicismo): Introdução
 
Arte romana
Arte romana Arte romana
Arte romana
 
Aula 10 arte e arquitetura romana [revisado em 180514]
Aula 10 arte e arquitetura romana [revisado em 180514]Aula 10 arte e arquitetura romana [revisado em 180514]
Aula 10 arte e arquitetura romana [revisado em 180514]
 
Arte Egípcia
Arte EgípciaArte Egípcia
Arte Egípcia
 
Egito
EgitoEgito
Egito
 
A civilização egipcia
A civilização egipciaA civilização egipcia
A civilização egipcia
 
Arte grega: arquitetura, escultura e cerâmica
Arte grega: arquitetura, escultura e cerâmicaArte grega: arquitetura, escultura e cerâmica
Arte grega: arquitetura, escultura e cerâmica
 
Arte egípcia
Arte egípciaArte egípcia
Arte egípcia
 
Arte grega
Arte gregaArte grega
Arte grega
 
Arte Grega - 6º Ano E.F.
Arte Grega - 6º Ano E.F. Arte Grega - 6º Ano E.F.
Arte Grega - 6º Ano E.F.
 
Arte Romana
Arte RomanaArte Romana
Arte Romana
 
A arte no egito
A arte no egitoA arte no egito
A arte no egito
 
Os Templos Gregos
Os Templos GregosOs Templos Gregos
Os Templos Gregos
 
A arte egípcia
A arte egípciaA arte egípcia
A arte egípcia
 
Arte Grega
Arte GregaArte Grega
Arte Grega
 
Arte Egípcia
Arte EgípciaArte Egípcia
Arte Egípcia
 
Egito história da arte 7º ano
Egito história da arte 7º anoEgito história da arte 7º ano
Egito história da arte 7º ano
 
6o. ano texto -Arte na Grécia- 2-
6o. ano  texto -Arte na Grécia- 2-6o. ano  texto -Arte na Grécia- 2-
6o. ano texto -Arte na Grécia- 2-
 
Cânones de proporções grego
Cânones de proporções gregoCânones de proporções grego
Cânones de proporções grego
 

Semelhante a Egipto arte (20)

Arte Egípcia
Arte EgípciaArte Egípcia
Arte Egípcia
 
Arte Egípcia - Escola APP
Arte Egípcia - Escola APPArte Egípcia - Escola APP
Arte Egípcia - Escola APP
 
Revisão de História da Arte (01)
Revisão de História da Arte (01)Revisão de História da Arte (01)
Revisão de História da Arte (01)
 
Arte egípcia
Arte egípciaArte egípcia
Arte egípcia
 
Egito Antigo KA23
Egito Antigo KA23Egito Antigo KA23
Egito Antigo KA23
 
O Egito
O EgitoO Egito
O Egito
 
Arte egípcia,1
Arte egípcia,1Arte egípcia,1
Arte egípcia,1
 
2 arte egito 2020
2 arte egito 20202 arte egito 2020
2 arte egito 2020
 
Sete maravilhas da mundo antigo
Sete maravilhas da mundo antigoSete maravilhas da mundo antigo
Sete maravilhas da mundo antigo
 
Religião do Egipto
Religião do EgiptoReligião do Egipto
Religião do Egipto
 
Religião Egícia
Religião EgíciaReligião Egícia
Religião Egícia
 
Atividades com pintura artes1o ano 2009
Atividades  com pintura artes1o ano 2009Atividades  com pintura artes1o ano 2009
Atividades com pintura artes1o ano 2009
 
Aula 02- A história da astronomia (mundo antigo) -
Aula 02-  A história da astronomia  (mundo antigo) -Aula 02-  A história da astronomia  (mundo antigo) -
Aula 02- A história da astronomia (mundo antigo) -
 
Egito
EgitoEgito
Egito
 
Arte egípcia
Arte egípciaArte egípcia
Arte egípcia
 
Suméria, anunnaki, nefilins, planeta x, nibiru o que realmente é
Suméria, anunnaki, nefilins, planeta x, nibiru   o que realmente éSuméria, anunnaki, nefilins, planeta x, nibiru   o que realmente é
Suméria, anunnaki, nefilins, planeta x, nibiru o que realmente é
 
A ARTE NO EGITO - AULA 3
A ARTE NO EGITO - AULA 3A ARTE NO EGITO - AULA 3
A ARTE NO EGITO - AULA 3
 
Portefólio de Historia
Portefólio de HistoriaPortefólio de Historia
Portefólio de Historia
 
Arte egipicia 1° ano
Arte egipicia 1° anoArte egipicia 1° ano
Arte egipicia 1° ano
 
Astronomia 1 - A astronomia na Antigüidade
Astronomia 1 - A astronomia na AntigüidadeAstronomia 1 - A astronomia na Antigüidade
Astronomia 1 - A astronomia na Antigüidade
 

Mais de Maria Gomes

Salazar e os judeus
Salazar e os judeusSalazar e os judeus
Salazar e os judeusMaria Gomes
 
À descoberta do Foral de Gondomar webquest
À descoberta do Foral de Gondomar webquestÀ descoberta do Foral de Gondomar webquest
À descoberta do Foral de Gondomar webquestMaria Gomes
 
Foral de Gondomar 1515
Foral de Gondomar 1515Foral de Gondomar 1515
Foral de Gondomar 1515Maria Gomes
 
Foral de Gondomar 1515
Foral de Gondomar 1515Foral de Gondomar 1515
Foral de Gondomar 1515Maria Gomes
 
Foral de Gondomar
Foral de GondomarForal de Gondomar
Foral de GondomarMaria Gomes
 
Dança renascentista
Dança renascentista  Dança renascentista
Dança renascentista Maria Gomes
 
Música da època dos DEscobrimentos
Música da època dos DEscobrimentosMúsica da època dos DEscobrimentos
Música da època dos DEscobrimentosMaria Gomes
 
Trajesépocadescobrimentos
TrajesépocadescobrimentosTrajesépocadescobrimentos
TrajesépocadescobrimentosMaria Gomes
 
Instauraçãodo liberalismo
Instauraçãodo liberalismoInstauraçãodo liberalismo
Instauraçãodo liberalismoMaria Gomes
 
Conflito israelo-árabe: subsídios para a sua compreensão
Conflito israelo-árabe: subsídios para a sua compreensãoConflito israelo-árabe: subsídios para a sua compreensão
Conflito israelo-árabe: subsídios para a sua compreensãoMaria Gomes
 
Sociedade medieval14
Sociedade medieval14Sociedade medieval14
Sociedade medieval14Maria Gomes
 
Jogo domínio senhoria
Jogo domínio senhoriaJogo domínio senhoria
Jogo domínio senhoriaMaria Gomes
 
Domínio senhorial14a
Domínio senhorial14aDomínio senhorial14a
Domínio senhorial14aMaria Gomes
 
Crença na imortalidade
Crença na imortalidadeCrença na imortalidade
Crença na imortalidadeMaria Gomes
 
Antigo egito14geo
Antigo egito14geoAntigo egito14geo
Antigo egito14geoMaria Gomes
 
Resumo neolítico
Resumo neolíticoResumo neolítico
Resumo neolíticoMaria Gomes
 
Resumopaleolítico
ResumopaleolíticoResumopaleolítico
ResumopaleolíticoMaria Gomes
 
Resumopaleolítico
ResumopaleolíticoResumopaleolítico
ResumopaleolíticoMaria Gomes
 
Revolução soviética – ficha de trabalho e correção
Revolução soviética – ficha de trabalho  e correçãoRevolução soviética – ficha de trabalho  e correção
Revolução soviética – ficha de trabalho e correçãoMaria Gomes
 
REVOLUÇÃO SOVIÉTICA - ficha de trabalho
REVOLUÇÃO SOVIÉTICA - ficha de trabalhoREVOLUÇÃO SOVIÉTICA - ficha de trabalho
REVOLUÇÃO SOVIÉTICA - ficha de trabalhoMaria Gomes
 

Mais de Maria Gomes (20)

Salazar e os judeus
Salazar e os judeusSalazar e os judeus
Salazar e os judeus
 
À descoberta do Foral de Gondomar webquest
À descoberta do Foral de Gondomar webquestÀ descoberta do Foral de Gondomar webquest
À descoberta do Foral de Gondomar webquest
 
Foral de Gondomar 1515
Foral de Gondomar 1515Foral de Gondomar 1515
Foral de Gondomar 1515
 
Foral de Gondomar 1515
Foral de Gondomar 1515Foral de Gondomar 1515
Foral de Gondomar 1515
 
Foral de Gondomar
Foral de GondomarForal de Gondomar
Foral de Gondomar
 
Dança renascentista
Dança renascentista  Dança renascentista
Dança renascentista
 
Música da època dos DEscobrimentos
Música da època dos DEscobrimentosMúsica da època dos DEscobrimentos
Música da època dos DEscobrimentos
 
Trajesépocadescobrimentos
TrajesépocadescobrimentosTrajesépocadescobrimentos
Trajesépocadescobrimentos
 
Instauraçãodo liberalismo
Instauraçãodo liberalismoInstauraçãodo liberalismo
Instauraçãodo liberalismo
 
Conflito israelo-árabe: subsídios para a sua compreensão
Conflito israelo-árabe: subsídios para a sua compreensãoConflito israelo-árabe: subsídios para a sua compreensão
Conflito israelo-árabe: subsídios para a sua compreensão
 
Sociedade medieval14
Sociedade medieval14Sociedade medieval14
Sociedade medieval14
 
Jogo domínio senhoria
Jogo domínio senhoriaJogo domínio senhoria
Jogo domínio senhoria
 
Domínio senhorial14a
Domínio senhorial14aDomínio senhorial14a
Domínio senhorial14a
 
Crença na imortalidade
Crença na imortalidadeCrença na imortalidade
Crença na imortalidade
 
Antigo egito14geo
Antigo egito14geoAntigo egito14geo
Antigo egito14geo
 
Resumo neolítico
Resumo neolíticoResumo neolítico
Resumo neolítico
 
Resumopaleolítico
ResumopaleolíticoResumopaleolítico
Resumopaleolítico
 
Resumopaleolítico
ResumopaleolíticoResumopaleolítico
Resumopaleolítico
 
Revolução soviética – ficha de trabalho e correção
Revolução soviética – ficha de trabalho  e correçãoRevolução soviética – ficha de trabalho  e correção
Revolução soviética – ficha de trabalho e correção
 
REVOLUÇÃO SOVIÉTICA - ficha de trabalho
REVOLUÇÃO SOVIÉTICA - ficha de trabalhoREVOLUÇÃO SOVIÉTICA - ficha de trabalho
REVOLUÇÃO SOVIÉTICA - ficha de trabalho
 

Último

6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptxErivaldoLima15
 
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?MrciaRocha48
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxJMTCS
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Combinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptx
Combinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptx
Combinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxalessandraoliveira324
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosAntnyoAllysson
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
AULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptx
AULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptxAULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptx
AULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptxrenatacolbeich1
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdfDemetrio Ccesa Rayme
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfpaulafernandes540558
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 

Último (20)

6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
 
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
Combinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptx
Combinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptx
Combinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptx
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
AULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptx
AULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptxAULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptx
AULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptx
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 

Egipto arte

  • 1.
  • 2. A arte egípcia era monumental e de grande beleza e está ligada à religião, ou seja, ao culto dos deuses e dos mortos.
  • 3. Arquitectura A crença na imortalidade levou os egípcios a construírem imponentes túmulos; o facto de adorarem vários deuses fê-los construir grandes templos.
  • 4. Túmulos Os primeiros foram escavados no solo e protegidos por uma construção de tijolos de terra seca :a mastaba. Esta elevava-se por cima da câmara funerária, decorada com cenas da vida do defunto, na qual ficava a urna do faraó ou de um grande senhor.
  • 5. O arquitecto Imotep , em 2650 a.C construiu uma pirâmide em pedra para o Faraó de Djoser. Era uma sobreposição de mastabas, ou pirâmide de degraus.
  • 6. As pirâmides mais célebres ficam, no planalto de Guiza : Khufu (Quéops), a do seu filho Khafré (Quéfren) e a do seu neto Menkaur (Miquerinos). Junto desta pirâmide localiza- se a grande esfinge, talhada na rocha.
  • 7.
  • 8. A esfinge de Gizé fica neste complexo. É a maior de todas do Egipto. Tem 73 metros de comprimento e 20 de altura. Foi talhada directamente na rocha, no reinado de Khafré. O seu rosto tem os traços do faraó, toucado com menés e simboliza a força e a potência. Guarda a entrada da
  • 9. • A zona funerária compõe-se , também, de pequenas pirâmides que guardam os restos mortais das esposas dos faraós. Possui, também, mastabas que guardam as múmias dos nobres e dos grandes sacerdotes.
  • 10. As pirâmides eram sempre construídas na margem esquerda do Nilo e geralmente perto deste para facilitar o transporte dos materiais. Os arquitectos, os sacerdotes, astrónomos e geómetras, delimitavam o local propício que os operários iriam aplanar.
  • 11. HIPOGEUS – Túmulos escavados na rocha
  • 12. Templo mortuário da rainha Hatshepsut, em Deir el-Bahari – Associa um pilão e um pátio a um santuário escavado na falésia
  • 13.
  • 14. O Hipogeu de de Tutankhamon, descoberto em 1922, foi encontrado praticamente intacto. No seu interior encontravam-se jóias valiosas, material de escrita, instrumentos musicais, roupas e muitas mais coisas.
  • 15.
  • 16.
  • 17. A múmia estava encerrada em vários sarcófagos, uns dentro dos outros. O último era de ouro maciço, pesando 110 quilos. O rosto de Tutankhamon estava coberto com uma lindíssima máscara de ouro, pasta de vidro e lápis-lazúli.
  • 19.
  • 20. O templo de Luxor é constituído por gigantescas colunas, tem à entrada duas grandiosas estátuas de Ramsés II.
  • 21. Esquema de um templo. Este inclui um lago.
  • 22.
  • 23.
  • 24. Templo de Ramsés II em Abu Simbel
  • 25. Como o Templo ia ser submerso com a construção da barragem de Assuão foi cortado ( tinha sido construído na pedra do lugar) e reconstruído mais longe do rio.
  • 27.
  • 28. Toda a escultura egípcia obedece à lei da frontalidade
  • 29. O BAIXO RELEVO A arte egípcia emprega o baixo relevo normal no qual se escava o fundo à volta das figuras e o baixo relevo escavado. Os egípcios observaram que num país, onde a luminosidade é intensa os pormenores do baixo relevo normal sobressaíam mal.
  • 30. • Ptolomeu entre duas deusas • Setoiu I e Hórus (baixo relevo escavado de Abydos)
  • 32. Grande parte da pintura egípcia encontra-se nas paredes dos túmulos. Representam aspectos da vida quotidiana ou cenas religiosas Obedece a regras fixas: a cabeça , as pernas e os pés aparecem de perfil; o olho e o tronco de frente – é a lei da frontalidade.
  • 34.
  • 35. Nas artes decorativas destaca-se o trabalho de ourivesaria, como comprovam as inúmeras peças encontradas nos túmulos.
  • 37.
  • 38.
  • 39.
  • 40. Gostavam, também de jogos de tabuleiro, como o Senet.
  • 41.
  • 42. CIÊNCIA MEDICINA Os Egípcios elaboraram listas de remédios, formando a primeira farmacopeia conhecida.
  • 43. Trataram doenças de abdómen, da bexiga, do recto, dos olhos e da pele, cabelo, unhas e língua, tuberculose, cálculos biliares, apendicites, gota, artrites e fizeram algumas cirurgias.
  • 44. Usavam amuletos quer contra o mal que os podia afligir em vida, quer para os proteger na sua viagem para o além.
  • 45. Literatura • A literatura egípcia desenvolveu-se nos diversos géneros. • Nas obras religiosas, destaca-se o "Hino ao Sol", de Amenófis IV e o famoso "Livro dos Mortos".
  • 46. Uns dos mais belos poemas da literatura egípcia foi redigido e criado por Akhenaton, em honra ao Deus-Sol, Aton.
  • 47. ESCRITA Hieróglifos - um sistema de escrita complexo, pictográfico, ou seja, baseiam-se em imagens; ideográfico (representavam ideias) e fonético (representavam sons) e sílabas. Existem cerca de 6 mil hieróglifos conhecidos.
  • 48. Além da escrita hieroglífica, os Egípcios, também usaram a escrita hierática, nos documentos oficiais e a demótica, uma forma mais simples, baseada em abreviaturas. Escreviam sobre papiro ou pedaços de argila.
  • 49. Matemática Para construir as pirâmides, certamente, os egípcios tiveram que desenvolver a representação da quantidade de objectos de uma colecção através de desenhos - os símbolos.
  • 50. O sistema de numeração egípcio baseava-se em sete números-chave: 1 - 10 – 100 – 1000 – 10000 – 100000 – 1000000.
  • 51. Inventaram a régua, tomando como unidade , a medida do comprimento de um antebraço. Esta unidade chamava-se côvado. Existiam dois côvados: o real (50cm e o pequeno ( 45cm). O côvado dividia-se em unidades mais pequenas: os palmos e os dedos.
  • 52. Inventaram o valor de como sendo de 3,16. Só mais tarde os romanos o mudaram para 3,14.
  • 53. Calcularam áreas; resolveram problemas com fracções.
  • 54. Organizaram um calendário solar com 365. O ano começa a 19 de Julho. Está dividido em 12 meses de trinta dias, ou seja 360 dias. Os cinco últimos dias são consagrados a Osíris, Hórus, Set; Ísis e Néftis.
  • 55. ASTRONOMIA Identificaram a posição dos astros e o seu movimento. Descobriram um grande número de estrelas, como a polar e constelações de estrelas, como a Ursa Menor e Maior. Descobriram os planetas visíveis sem luneta como : Mercúrio; Vénus; Marte; Júpiter e Saturno. • Interrogaram-se sobre os eclipses do Sol e da Lua.
  • 57.
  • 58.
  • 59.
  • 60. Bibliografia: • A Mitologia, Descoberta do mundo em imagem, Fleurus • Ângela Mc Donald ( consultora), Caçadores de Tesouros, Texto, • Antigo Egipto, Descoberta do mundo em imagem, Fleurus • Atlas das Civilizações Antigas; Civilização • Aude Gros de Beler, A Mitologia Egípcia, Gama Editora • Egiptologia, Editorial Caminho, Lisvoa 2001 • Émille Beaumont, O Antigo Egipto, Fleurus
  • 61. • Fiona Macdonald, Antigos Egípcios, Mãos na História,Juvenil Universal • John Malam, Indiana Jones explora … O Antigo Egipto, Campo das Letras • Henry Martin (dir), L´art Égiptien, Flammarion • História 7, Texto Editora • Sinais da História 7, Ed. Asa • O Egipto em 200 perguntas, Larrousse 2006 • khanelkhalili.com.br • www.suapesquisa.com/egito/