SlideShare uma empresa Scribd logo
FACULDADE DE TECNOLOGIA DA PARAÍBA - FATEC/PB
CURSO DE TECNOLOGIA EM ESTÉTICA E COSMÉTICA
MARIA ELIZABETE DE LIMA MONTEIRO
FISSURA PLANTAR E O USO DE DERMOCOSMÉTICOS
COMO FORMA DE TRATAMENTO
CABEDELO
2015
MARIA ELIZABETE DE LIMA MONTEIRO
FISSURA PLANTAR E O USO DE DERMOCOSMÉTICOS COMO
FORMA DE TRATAMENTO
Relatório Técnico Científico para a obtenção do
Título de Tecnólogo em Estética e Cosmética pela
Faculdade de Tecnologia da Paraíba, FATEC-PB.
ORIENTADORA: Profª Ms Ana Margareth Marques Fonseca Sarmento.
CABEDELO
2015
Dados de acordo com: AACR2, CDU e Cutter
Biblioteca Central – SESP / PB
M772f Monteiro, Maria Elizabete de Lima
Fissura plantar e o uso de dermocosméticos como forma de
tratamento / Maria Elizabete de Lima Monteiro. – Cabedelo, PB:
[s.n], 2015.
20p.
Monografia (Graduação) – Faculdade de Tecnologia da Paraíba
(FATEC-PB) - Curso de Estética e Cosmética, 2015.
1. Estética e cosmética. 2. Fissura plantar. 3.
Dermocosméticos. 4. Tratamento estético - Pés. I. Título.
CDU 611.77
M772f Monteiro, Maria Elizabete de Lima
Fissura plantar e o uso de dermocosméticos como forma de
tratamento / Maria Elizabete de Lima Monteiro. – Cabedelo, PB:
[s.n], 2015.
SUMÁRIO
1- INTRODUÇÃO....................................................................................................................5
2-OBJETIVOS..........................................................................................................................6
2.1- OBJETIVOS GERAIS ....................................................................................................6
2.2- OBJETIVOS ESPECÍFICOS..........................................................................................6
3- METODOLOGIA ................................................................................................................6
4- FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA ......................................................................................6
4.1- Anatomia e fisiologia do sistema tegumentar .................................................................6
4.1.1- Camadas da pele.......................................................................................................7
4.2- FISSURA PLANTAR .......................................................................................................9
4.2.1- PRINCIPAIS CAUSAS .............................................................................................10
4.3- DOENÇAS DERMATOLÓGICAS QUE PODEM OCASIONAR AS FISSURAS .11
4.3.1- Dermatite de contato ..................................................................................................11
4.3.2- Disidrose ou eczema...................................................................................................11
4.3.3- Tinea corporis.............................................................................................................12
4.3.4- Psoríase ......................................................................................................................12
4.3.5- Paquioníquea congênita..............................................................................................13
4.4- CICATRIZAÇÃO...........................................................................................................14
4.4.1- FASES DA CICATRIZAÇÃO ..................................................................................14
4.4.2- Fase inflamatória........................................................................................................14
4.4.3 - Fase proliferativa.......................................................................................................14
4.4.4- Fase de reparo.............................................................................................................14
5- DERMOCOSMÉTICOS ...................................................................................................15
5.1- TRATAMENTOS SUGERIDOS..................................................................................16
5.1.1- Uréia...........................................................................................................................16
5.1.2- Alantoína....................................................................................................................17
5.1.3- Ácido salicílico...........................................................................................................17
6- CONSIDERAÇÕES FINAIS ............................................................................................17
REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA......................................................................................19
REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA ..................................................................................... 20
RESUMO
Observa-se pouco cuidado com a pele dos pés. É comum encontrarmos pés ressecados,
desidratados e com fissuras. Os nossos pés são membros que suportam o peso corpóreo, sofre
com sapatos apertados, ou está sempre exposto aos raios uvs, devido ao uso de sandálias abertas
na parte superior dos pés ou no calcanhar, dentre outros agravantes que afetam a saúde do tecido
plantar. As fissuras são finas lacerações lineares na epiderme, podendo aprofundar-se atingindo
a derme. Podem surgir de uma simples desidratação e ressecamento ou ser consequência de
patologias, dermatoses ou doenças crônicas a exemplo da psoríase. Uma importante observação
é para os pés diabéticos, são pés sensíveis e com pouca capacidade de cicatrização. Portanto a
prevenção é uma prática recomendada para todas as pessoas. Para amenizar o desconforto que
a aspereza provoca no dia a dia, as pessoas costumam fazer uso de lixas d’água, motores em
salões de beleza ou esfregaços em pedras ou calçadas em casa. Essa prática favorece a produção
desordenada da queratina estimulando o aparecimento da fissura. O organismo entende ser uma
agressão e logo envia mais células mortas para o local agredido no intento de se proteger. O
presente estudo apresenta os ativos uréia, alantoína e o ácido salicílico como forma de
tratamento para tais lesões dermatológicas, são ativos com ação hidratante, cicatrizante,
queratolítica, fungicida e bacteriostática. Considerando as porcentagens prescritas, dependendo
de cada caso
Palavras-chave: Fissuras Plantar; Dermocosméticos; Tratamentos.
5
1 INTRODUÇÃO
A pele é a maior forma de proteção dos nossos órgãos internos e sofre com agressões
ocasionadas por fatores intrínsecos e extrínsecos.
De acordo com Gomes e Damazio (2009), a pele é considerada o maior órgão do corpo
humano, formada pelas camadas: epiderme, derme e seus anexos. Suas estruturas, na maioria
das vezes funcionam de maneira sincronizada para garantir a homeostase.
A pele dos pés é espessa, varia de acordo com idade e sexo, sua espessura é em média
de 3,0 mm. Não possui hidratação natural, pois, é desprovida de glândulas sebáceas, o que
favorece a queratinização concentrada, originada da camada basal, classificada como pele
glabra por não possuir pêlos. Os pés possuem apenas as glândulas sudoríparas apoécrinas,
também denominadas de glândulas écrinas que recebem inervação adrenérgica, respondendo a
impulsos de origem emocional e não somente a temperatura corpórea (NOGUEIRA, 2003, p.
105).
A pele dos pés possui a camada córnea mais espessa e a encontramos na epiderme,
camada superficial da pele que está sub dividida em cinco camadas ou estratos: germinativa ou
basal, espinhosa , granulosa , lúcida e córnea. As células da camada basal dividem-se em um
ciclo de aproximadamente 19 dias e podem levar de 26 a 42 dias até atingir o estrato córneo. O
estrato lúcido está presente em áreas mais espessas, origina-se pela fricção e exerce a função de
proteção mecânica, portanto a encontramos na planta dos pés. As fissuras surgem nos pés
através da falta de hidratação, excesso de peso, hereditariedade, consequência de podopatias a
exemplo da tínea do pé, ou patologias como a psoríase, ou doenças que comprometem o sistema
imune, a exemplo da Diabetes mellitus. O nosso organismo produz esse excesso de queratina
como fonte de proteção.
O presente estudo tem como objetivo informar o que são fissuras, suas causas principais,
sugerindo uma forma de tratamento através de alguns dermocosméticos de ação emoliente,
hidratante e queratolíticos. Esses princípios ativos tem capacidade de permeação a nível derme-
epiderme, regenerando o tecido, onde a derme é a camada da pele responsável pela nutrição das
camadas sobrejacentes, pois é vascularizada e composta por estruturas e elementos importantes
para a manutenção das funções orgânicas da pele como as fibras de colágeno e elastina que
conferem a pele elasticidade e resistência (LEITE, 2003).
6
2 OBJETIVOS
2.1- OBJETIVOS GERAIS
 Analisar as causas que levam à fissura plantar, avaliando o mecanismo de ação e eficácia
dos princípios ativos utilizados para regeneração da pele, através de uma pesquisa
bibliográfica.
2.2- OBJETIVOS ESPECÍFICOS
 Colaborar junto a outras fontes de pesquisa para ampliar conhecimentos relacionados a
fissuras plantar;
 Verificar formas de prevenção e tratamentos para regeneração do tecido plantar.
 Abordar os dermocosméticos que têm maior eficácia no tratamento da fissura plantar
embasado em pesquisa bibliográfica.
METODOLOGIA
O presente estudo é uma revisão da literatura em base de dados dos sites SCIELO,
Dietmed, ABC.MED, Medicinanet, Portal e educação e de capítulos de livros sobre avaliação
de fissura Plantar, suas causas e tratamentos estéticos através do uso dos dermocosméticos,
abrangendo o período de 2003 a 2015. As palavras-chave utilizadas foram fissura plantar,
dermocosméticos e tratamentos. O nível desta pesquisa é explicativa, sendo este um nível de
busca e investigação, sobre as causas que levam o tecido plantar a ser lesionado causando a
fissura plantar e o uso dos dermocosméticos como forma de tratamento.
4 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA
4.1- Anatomia e fisiologia do sistema tegumentar
Compreendida como maior órgão do corpo humano, a pele exerce diferentes funções
em benefício ao nosso organismo, envolve o corpo determinando seu limite com o meio externo
e corresponde a 16% do peso corporal, divide-se em camadas estratificadas de células epiteliais
7
e basais: a epiderme, superficial, e a derme mais profunda subdividida em derme reticular e
derme papilar (Figura 1) (FERRAZ, 2001).
A pele pode exercer diferentes funções como: regulação térmica, defesa orgânica,
controle do fluxo sanguíneo, proteção contra diversos agentes do meio ambiente, funções
sensoriais (calor, frio, pressão, dor e tato) e metabolismo da vitamina D. A pele é um órgão
vital e, sem ela a sobrevivência seria impossível (CAMARGO, 2003).
Figura 1. Pele
Fonte:http://www.afh.bio.br/sentidos/sentidos10.asp
A figura 1 representa um corte de pele, onde sua estrutura é definida de acordo com as
camadas e subcamadas. A estrutura amarela são os adipócitos: células justapostas responsáveis
pela reserva de energia do organismo. Chamado de hipoderme, tecido adiposo ou tela
subcutânea, encontra-se logo abaixo da camada reticular, nela encontramos artérias e veias.
4.1.1- Camadas da pele
A pele é formada pelas camadas: epiderme e derme e seus anexos. A epiderme é a
camada mais externa da pele chamada de camada córnea, está subdividida em cinco camadas
ou estratos: germinativa ou basal, espinhosa, granulosa, lúcida e córnea (Figura 2), entre a
camada granulosa e córnea possui uma quinta camada, a lúcida, encontrada na palma das mãos
e planta dos pés, conferindo maior espessamento da pele, segundo (STANDARD, 2011. P. 09).
De acordo com Ferraz, professor da universidade de Recife/Pe (2006)” da profundidade
para a superfície as células sofrem diferenciação progressiva por estratificação em camadas, até
a morte e queratinização, no sentido de manter sempre renovada a barreira epitelial mecânica”.
8
Essa renovação epitelial acontece de forma natural e se intensifica no momento em que
faz-se o uso de esfoliação química ou física. Nesse caso seria um estímulo acelerando o
processo de revitalização da epiderme.
Destaca Milady's Standard, no livro: Fundamentos de estética (2011, p. 10-11) que:
Estrato córneo: Camada mais externa formada por fileiras de células mortas,
anucleadas e constituída por queratina. As fileiras mais superficiais estão em processo
de descamação contínua. Esta camada impede a entrada de microorganismos e agentes
tóxicos, retém água e os eletrólitos.
Estrato lúcido: Encontrado onde a pele é mais grossa, como a palma das mãos e a
planta dos pés. É a camada mais profunda da camada córnea. É acidófila e compacta.
Camada granulosa: É rica em enzimas. É constituída por grânulos de queratoialina.
Suas células não têm capacidade de divisão e tem a função de sintetizar queratina.As
três camadas, basal, espinhosa e granulosa, constituem juntas a chamada Camada de
Malphigi.
Camada espinhosa: Várias fileiras de células que se unem entre si, através de
organoides chamados desmossomas. Os desmossomas são espessamentos da
membrana celular e se unem, entre si, pelo cimento intercelular.
Entre as células espinhosas, encontram-se as células de Langerhans, que apresentam
em sua superfície receptores para IgE (imunoglobulina E) que captam antígenos
exteriores.
Camada basal ou germinativa: É a camada que dá suporte a epiderme e estabelece
a união com a derme, a mitose (divisão celular), acontece nesta camada.
A figura 2 mostra a sequência da subdivisão da epiderme detalhando o processo de
renovação celular e desprendimento da capa córnea.
Figura 2. Camadas da epiderme
Fonte: <http://natupharmus.blogspot.com.br/2010/06/como-manter-pele-saudavel.html>
A derme é a camada que nutre a epiderme constituída por tecido conjuntivo composto
por fibras de elastina e proteínas de colágeno, contém vasos linfáticos e sanguíneos que
9
fornecem a nutrição dentro da pele. Nela encontramos vasos capilares, glândulas sebáceas e
sudoríparas, nervos, receptores e músculos eretores do pelo (NOGUEIRA, 2003).
4.2- FISSURA PLANTAR
É comum encontrarmos pessoas com ressecamento e fissura nos pés. Observa-se uma
preocupação maior e mais intensa com os cabelos, corpo e pele facial. Porém a importância dos
cuidados com a pele dos pés é primordial, sabendo que o mesmo suporta o peso corporal, é
exposto aos raios uv’s, calçados inadequados para uso, produtos químicos, atrito e fricção o dia
inteiro.
A pele dos pés é extremamente ressecada, não possui fator de hidratação natural, não
possui glândulas sebáceas, apenas as glândulas sudoríparas écrinas, elas possuem um canal e
um poro, pelos quais as secreções são liberadas. São glândulas mais ativas quando submetidas
à altas temperaturas, a exemplo da prática de atividade física. Não produz odor ofensivo
(STANDARD, 2011. P. 16).
A fissura plantar, também chamada LED (lesão elementar dermatológica), ragádio,
greta ou cissura (Figura 3), definida como pequenas fendas ou rachaduras na pele dos pés, sendo
espessamentos da camada córnea, geralmente vem acompanhadas de desidratação na área
plantar, afirma Moreno (2003), professora e podóloga.
Para alguns autores, a fissura plantar se apresenta de diferentes formas, muitas vezes
associada a patologias ou simplesmente por falta de cuidados diários. Podendo estar associadas
ou não a hiperqueratose, queratodermia plantar (doença que produz a queratina
desordenadamente), nesse caso há dores e dificuldade de deambulação.
De acordo com Belo (2008) podem ser casos hereditários ou consequência da psoríase
ou diabetes mellitus e sempre provém do atrito. Pessoas com psoríase têm a pele muito sensível,
porém com alto grau de desidratação e descamação da camada córnea, assim como o diabético.
A atenção maior entre os dois casos seria para o diabético em virtude da pouca capacidade de
cicatrização. Outros fatores a serem observados, são os cuidados com a umidade dos pés no dia
a dia, após o banho ou depois de uma longa caminhada isso facilita a proliferação de fungos, a
exemplo dos fungos causadores da tínea pedis (dermatófitos das solas dos pés e os espaços
interdigitais) causada pelo trichophyton rubrum, também conhecido como pé de atleta ou frieira
e a bactéria que causa a erisipela (COUTINHO 2010).
10
Figura 3. Fissuras no calcanhar
http:// studossobresaude.com.br/fissuras-calcaneas-rachaduras-nos-pes/
As fissuras mostradas na figura 3 são consideradas fendas (rachaduras mais profundas
atingindo a camada basal da epiderme).
4.2.1 PRINCIPAIS CAUSAS
São fatores pré determinantes para o desenvolvimento da fissura plantar as seguintes
observações:
 Fricção constante;
 Defeitos ortopédicos;
 Micoses;
 Hereditariedade;
 Alterações climáticas;
 Psoríase;
 Doenças vasculares;
 Agressões químicas;
 Andar descalço;
 Calçados apertados e abertos no calcanhar;
 Problema hormonal;
 Alimentação;
 Obesidade;
 Excesso de lixamento;
 Umidade
De acordo com, Madella (2004) as fissuras aparecem devido à hereditariedade,
alterações climáticas, consequência da psoríase, diabetes mellitus, doenças vasculares, micoses,
agressões químicas, andar descalço e uso de calçados abertos nos calcanhares e abuso do
lixamento.
11
O espessamento da epiderme se intensifica mais com o lixamento. Em salões de beleza
é comum o uso de motores mecânicos e lixas manuais no intento de amenizar a aspereza da
planta do pé ou a calosidade, porém a ação de lixar agrava o quadro, o organismo entende ser
uma agressão e produz um aumento considerável de queratina.
4.3 DOENÇAS DERMATOLÓGICAS QUE PODEM OCASIONAR AS FISSURAS
Algumas doenças podem ser consequência para predominância da fissura, elas surgem
devido a processos alérgicos, micoses, hereditariedades ou disfunção na própria produção de
queratina do organismo.
4.3.1 Dermatite de contato
A dermatite de contato (ou eczema de contato) (figura 4), é uma reação inflamatória na
pele decorrente da exposição a um agente capaz de causar irritação ou alergia, cujos sintomas
de uma forma geral, são formação de bolhas, coceiras, inflamações e escamação da pele, afirma
(GONZALEZ 2013).
Figura 4. Dermatite de Contato
<http://podologacristina.blogspot.com.br/2013_09_01_archive.html>
4.3.2 Disidrose ou eczema
A disidrose é um eczema localizado em mãos e pés, surge primeiro o prurido (coceira)
que se segue do aparecimento de pequenas vesículas endurecidas esbranquiçadas ou
amareladas, atingindo principalmente a face lateral dos dedos, as palmas das mãos e as plantas
dos pés. Posteriormente, tendem a secar, ficando a pele espessada, endurecida, podendo
12
descamar ou rachar até o tecido mais profundo, ocasionando fissuras doloridas, (MORAIS
2008).
4.3.3- Tinea corporis
Doença que envolve os pés, especialmente os espaços interdigitais e plantas dos pés
(Figura 5). Esta é freqüentemente causada por um grupo de dermatófitos: Trichophyton rubrum,
T. mentagrophytes ou Epidermophyton floccosum, e caracterizada por lesões intensamente
pruriginosas (Dermatology Information Sistem).
Figura 5. Tínea do pé
http://alergodermatologia.blogspot.com.br/2009/05/tinea-corporis-infeccao-fungica-do.html
4.3.4 Psoríase
A psoríase é uma doença inflamatória da pele, crônica, não contagiosa (figura 6), que
afeta de 1 a 3% da população mundial. Caracterizada pela presença de manchas vermelhas,
espessadas e descamativas, (Psoríase Brasil).
13
Figura. 6. Pés com psoríase
<http://www.medicinanet.com.br/m/conteudos/acp-medicine/5738/psoriase.htm>
4.3.5- Paquioníquea congênita
A paquioníquia congênita (PC) é uma rara desordem genética da pele causada por uma
mutação em qualquer um dos quatro genes conhecidos como responsáveis pela formação da
queratina: K6a, K6b, K16 ou K17 (figura 7). A doença pode ser hereditária (herdada da mãe
que tem PC) ou pode ocorrer de forma espontânea devido a uma mutação genética durante a
formação do embrião. Afeta igualmente homens e mulheres e a manifestação mais frequente,
o espessamento das unhas, é notado desde o nascimento (LIMA 2007).
Figura 7. Paquioníquia Congênita
<http://dermatologyforyou.com/atlas/pachyonychia2.html
14
4.4- CICATRIZAÇÃO
A cicatrização é um processo natural de reparação de tecidos orgânicos lesados feitos
por meio das fibras colágenas derivadas dos miofibroblastos que migram para o local ferido.
Essas fibras recobrem a área lesada com tecido conjuntivo fibroso e, assim, o tecido epitelial
pré-existente fica temporária ou permanentemente substituído por ele. A perda da integridade
da pele e tecidos subcutâneos facilitam infecções. A bactéria que causa a erisipela
(streptococcus aureus) penetra no corpo por meio de pequenos ferimentos a exemplo da fissura
(ABC.MED.BR, 2013).
4.4.1 FASES DA CICATRIZAÇÃO
4.4.2 Fase inflamatória
Fase exsudativa com duração entre um e quatro dias (a depender da extensão da área a
ser cicatrizada e da natureza da lesão), caracterizada por dois processos que buscam limitar a
lesão tecidual: a hemostasia e a resposta inflamatória aguda (FERRAZ et. al 2001).
A hemostasia é a interrupção fisiológica do sangramento ou hemorragia. Acontece uma
vasoconstrição no local atingido.
4.4.3 Fase proliferativa
Fase regenerativa que pode durar entre cinco e vinte dias. É caracterizada pela
proliferação de fibroblastos, sob a ação de citocinas que dão origem a um processo denominado
fibroplasia. Os fibroblastos auxiliam na produção das proteínas colágeno e elastina. A
cicatrização acontece através do colágeno, proteína que confere 70% da derme. A elastina é
uma proteína considerada fibrosa que forma o tecido elástico e fornece elasticidade a pele
(MANDELBAUM 2003).
4.4.4 Fase de reparo
Fase de maturação inicia no 21º dia e podendo durar meses. É a última fase do processo
de cicatrização. A densidade celular e a vascularização da ferida diminuem, enquanto há a
maturação das fibras colágenas. Ocorre uma remodelação do tecido cicatricial formado na fase
anterior. O alinhamento das fibras é reorganizado a fim de aumentar a resistência do tecido e
diminuir a espessura da cicatriz, reduzindo a deformidade (PORTAL EDUCAÇÃO 2012).
15
A fissura plantar está relativamente ligada as fases de cicatrização da pele em virtude
da regeneração tecidual ser gradativa. Há o estímulo da cicatrização através da renovação
epidermal promovido naturalmente pelo próprio organismo e o auxílio de produtos específicos
para regeneração da pele, a exemplo da uréia.
5 DERMOCOSMÉTICOS
Os dermocosméticos ou cosmecêuticos, são cosméticos formulados para tratamentos
intensivos. Encontramos os dermocosméticos em diversidade para todos os tipos de tratamentos
preventivos em forma de desodorantes, shampoos, condicionadores, hidratantes, emolientes,
adstringentes, máscaras, fotoprotetores, produtos de regeneração tecidual, atuam como
rejuvenescedores, despigmentantes, antioxidantes, clareadores.
Também denominados cosmecêuticos são produtos cosméticos com ingredientes
bioativos e que, portanto, apresentam propriedades terapêuticas (podem ser utilizados em
tratamentos) segundo ARRUDA (2009).
A Anvisa lançou um parecer técnico em 2003 proibindo o uso da descrição nos rótulos
de produtos direcionados para fissuras e rachaduras nos pés como” forma de tratamento” em
virtude da Consequência de algumas patologias. Provavelmente tal produto não seria eficaz.
O profissional deve elaborar sua anamnese no intento de se inteirar do caso antes de
recomendar tal produto ou iniciar um tratamento. No caso de suspeita de patologias, deve-se
encaminhar ao dermatologista.
Parecer técnico nº 1, 23 de abril de 2003.
Tendo em vista a necessidade de avaliação da indicação de produtos cosméticos para
"rachaduras dos pés" e elaboração de parecer técnico, a Câmara Técnica de
Cosméticos (CATEC) apreciou o assunto em pauta e apresenta, a seguir, suas
considerações:
Considerando que "rachaduras" podem estar associadas à queratodermia palmo
plantares (distúrbio que provoca aumento da queratina, tornando o local espesso), que
são genodermatoses (doenças hereditárias causadas por predisposição genética)
complexas e de difícil abordagem(1,2,3,4.);
Considerando que "rachaduras" podem estar associadas a quadros de xerose (nome
dado ao ressecamento com certa intensidade quando aparece descamação e algum
grau de prurido) que acompanham quadros sistêmicos como atopia e mesmo a
menopausa; e que ainda podem estar associadas ao uso de medicamentos que
favoreçam as queratodermias (5,6);
Considerando que micoses superficiais e infecções bacterianas dos pés podem estar
associadas a "rachaduras" (7);
16
Considerando que "rachaduras" podem estar associadas a dermatoses onde ocorrem
distúrbios de queratinização como a psoríase, ictioses e pustuloses palmo plantares
(8,9);
Considerando que "rachaduras" podem acontecer, ainda, por dermatite de contato por
diversos contactantes tópicos (8,9);
Considerando que cremes hidratantes, a base de substâncias emolientes específicas
podem previnir o ressecamento e que, cremes a base de substâncias hidrofílicas e
higroscópicas são umectantes e portanto indicados para áreas mais secas da pele (10,
11).
A CATEC recomenda:
Que os produtos cosméticos não apresentem indicação de prevenção ou tratamento de
"rachaduras dos pés", referindo-se apenas ao ressecamento e aspereza da pele desta
região, pois, a "rachadura" poderá ter implicações mais sérias do que um mero
problema de pele muito seca. (ANVISA, 2003).
5.1- TRATAMENTOS SUGERIDOS
Alguns ativos são sugeridos em forma de cremes para prevenção e tratamento; com o
objetivo de amenizar o ressecamento e dependendo da concentração em porcentagem eliminar
o problema. É preciso uma boa ingesta de líquido, hidratar sempre as regiões propensas ao
ressecamento, evitar calçados apertados, muito folgados ou abertos no calcanhar. Os seguintes
ativos são encontrados de forma industrializada numa concentração de até 5%, acima dessa
porcentagem são prescritas por médicos dermatologistas associando um ativo ao outro ou não,
dependendo do caso e são manipuladados em farmácias de manipulação. Outra forma de
tratamento utilizado no dia a dia é o desbastamento com desbastador ou bisturi, em seguida usa-
se máscaras hidratantes ou parafina aquecida envolta por filme osmótico no intuito de
intensificar a hidratação local.
Esse tratamento geralmente é feito em consultórios de podologia. O profissional
esteticista pode atuar no problema intervindo com protocolos diferenciados sequenciais
seguindo o passo-a-passo de uma limpeza de pele, o popularmente chamado spa. O spa é um
tratamento preventivo e os seguintes ativos podem estar presentes nas máscaras ou hidratantes
convencionais.
5.1.1- Uréia
A uréia tem ação hidratante, queratolítica e antibacteriana, é estimulante da regeneração
celular (cicatrizante). Atua como hidratante em concentrações de até 10%, de 10 a 20% para
hiperqueratose, de 10 a 40% para psoríase (PEREIRA, 2013 pág. 353).
17
5.1.2- Alantoína
A alantoína (5-ureido-hidantoína) pode ser extraída de uma planta conhecida como
confrei (Symphytum officinale), possui excelente ação cicatrizante, pois favorece a proliferação
celular acelerando a regeneração da pele lesada. Sua ação hidratante é devido à capacidade de
ser hidrolisada em ureia na pele. Anti-Irritante, renovador celular e melhora a umectação da
pele. Atua sobre a pele áspera e rachada, tornando-a lisa e flexível, podendo ser aplicado em
peles sensíveis. Usada nas concentrações de 0,1 a 2% em pH 6,0 (FAGRON, 289 pdf).
5.1.3 Ácido salicílico
O Ácido Salicílico é um Beta-Hidroxiácido com propriedades queratolíticas e
antimicrobianas. Ação hidratante, cuja característica principal é a capacidade de penetração
nos poros ajudando na remoção da camada queratinizada, para uso médico, em concentração
de 10% para hiperqueratose e até 20% para tratamentos de verrugas e calosidades. Em
concentrações de 1 a 5 % tem ação bacteriostática e fungicida (PEREIRA, 2013 pág.427).
6 CONSIDERAÇÕES FINAIS
O tema fissura plantar e o uso de dermocosméticos como forma de tratamento, foi
abordado em função de ser um assunto pouco explorado. Houve um desafio em busca de
material bibliográfico, mas foi feito um levantamento também em bancos de dados online.
É comum acontecer ressecamento e desidratação nos pés, principalmente na região
calcânea. Porém a falta de cuidados agrava a situação, podendo cooperar para proliferação de
bactérias e fungos. A fissura plantar é considerada uma lesão dermatológica, provém de um
simples ressecamento e vai aprofundando-se, podendo chegar até a derme, sangrar e causar
sérias consequências, por exemplo: em um pé diabético, devido a dificuldade na cicatrização.
A sugestão dos ativos uréia, alantoína e ácido salicílico, vem como forma de prevenção
e tratamento, dentre outros, porque têm ação hidratante, emoliente, umectante, cicatrizante, e
queratolítico, bacteriostático e fungicida. Podendo ser usados isoladamente ou associados,
dependendo do caso. O profissional esteticista pode atuar intervindo com tratamentos
preventivos, usando protocolos de limpeza de pele seguindo o mesmo passo-a-passo, e
organizando os próprios protocolos dependendo da situação, essa prática já é muito utilizada
em salões de beleza, porém em forma de spa. O termo vem do latim e significa saúde pelas
18
águas. O spa como é oferecido em vários salões de beleza por algumas profissionais manicures
é entendido como forma de relaxamento e nem sempre sabem especificar detalhadamente o
verdadeiro objetivo de um spa como forma de prevenção e tratamento para ressecamento e
fissura. A esteticista pode ampliar seus conhecimentos cosmetológicos elaborando seus
próprios protocolos. O uso dos ativos até 5% é permitido para cabines estéticas e econtra-se de
forma industrializada. Acima de 5% é prescrito por médicos dermatologistas e pode ser
manipulados em farmácias homeopáticas.
19
REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA
GOMES, R Rosaline; DAMAZIO, G Marlene. Cosmetologia: Descomplicando os Princípios
Ativos. 3. ed. São Paulo: LPM, 2009.
HARRIS, Maria Inês Nogueira de Camargo. Pele: estruturas, propriedades envelhecimento:
colaboração:Maria Edwirges Hoffman e Adriane Cruvinel - Ed. São Paulo, Senac, 2003.
SOUZA, Valéria. Ativos Dermatológicos. Vol.1. São Paulo: Tecno Press. 2003.
PEREIRA, M. F. L. Cosmetologia. 1 ed. São Caetano do Sul. Difusão. 2014.
COUTINHO, Cleusa. Fissura Plantar. Disponível em: <(http://cleusacoutinho-
podologia.blogspot.com/2010/09/fissura-plantar.html)>, acesso em 05/10/2015 (03:19).
Farmacopeia Brasileira, ANVISA: Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Brasília,
2010.disponível em
(http://www.anvisa.gov.br/hotsite/cd_farmacopeia/pdf/volume1%2020110216.pdf).
PEREIRA, Maria de Fátima Lima. Cosmetologia, 1. ed.- São Caetano do Sul, SP: Difusão
Editora, 2013. (série curso de estética).
LIMA, Roberto Barbosa, Dermatologia. A Pele. Disponível em:
(http://www.dermatologia.net/a-pele/) acesso em: 25/10/2015.
Disponível em:
<http://googleweblight.com/?lite_url=http://doutissima.com.br/2014/06/25/rachaduras-pes-
conhecas-causas-e-tratamentos-do-problema> acesso em 31/10/2015 (23:51).
Disponível em: < http://www.sbd.org.br/doencas/dermatite-de-contato/> acesso em:
25/10/2015 (00:25).
MORAIS, Alisson Costa De disponível em:
<http://alergodermatologia.blogspot.com.br/2008/06/disidrose-eczema-disidrtico.html>
acesso em 31/10/2015.
Dermatoly Information Sistem disponível em:
<http://www.dermis.net/dermisroot/pt/15678/diagnose.htm> acesso em: 01/ 11/2015.
Psoríase Brasil disponível em: http://www.psoriase.org.br/o-que-e/ acesso em: 01/11/2015.
JUNIOR, Orlando Mandella 19/09/2015 disponível em:
<http://podologiabr.com/detalhes.asp?cod=52> acesso em 01/11/2015.
LOPES, Cristina (28/03/2007) <http://cabeleireiros.com/noticias/especialista-da-dicas-para-
tratar-fissuras-nos-pes> acesso em 02/11/2015.
GONZALES, Maria Cristina, 22/09/2013 disponível em:
<http://podologacristina.blogspot.com.br/2013_09_01_archive.html>acesso em 03/11/2015.
MORAIS, Alisson Costa de <http://alergodermatologia.blogspot.com.br/2009/05/tinea-
corporis-infeccao-fungica-do.html> acesso em 03/11/2015.
20
Psoriase, disponível em:
<http://www.medicinanet.com.br/m/conteudos/acp-medicine/5738/psoriase.htm> acesso em:
03/11/2015.
LEIE, Ricardo (2003). O sistema tegumentar. Disponível em:
< http://www.dietmed.pt/images/boletins/boletimpt_9.pdf>. Acesso em: 11 de nov. 2015.
ABC.MED.BR, 2001, disponível em:
<http://www.abc.med.br/p/pelesaudavel/504094/cicatrizacao+e+cicatrizes+quais+sao+as+fas
es+da+cicatrizacao+como+as+cicatrizes+sao+formadas+quais+os+cuidados+que+devemos+t
er+com+elas.htm>Acesso em 12/11/2015.
Mandelbaum, Samuel Henrique, Santis Érico Pampado Di, Maria Helena Sant'Ana
Mandelbaum, cicatrização conceitos atuais e recursos atuais: disponível
em<http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0365-
05962003000400002&lng=pt&nrm=iso&userID=-2> acesso em 12/11/2015.
PEREIRA, Maria de Fátima Lima, cosmetologia/1. Ed.- São Caetano do Sul,SP: difusão
Editora, 2013.- série curso de estética.
Disponível em: < http://www.portaleducacao.com.br/fisioterapia/artigos/40850/alantoina-o-
que-e > 2013 acesso em 12/11/2015.
CADEC disponível em:
http://portal.anvisa.gov.br/wps/portal/anvisa/anvisa/home/cosmeticos/!ut/p/c4/04_SB8K8xLL
M9MSSzPy8xBz9CP0os3hnd0cPE3MfAwMDMydnA093Uz8z00B_A3cvU_2CbEd.acesso
em 22/11/2015. (12:40.)
FAGRON Alantoína, disponível em:
<http://cdn.fagron.com.br/doc_prod/docs_3/doc_289.pdf> 20/11/20015. (22:15)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Doenças das unhas
Doenças das unhasDoenças das unhas
Doenças das unhas
LuisaArti
 
Doenças, Causas e Tratamentos do Pé
Doenças, Causas e Tratamentos do PéDoenças, Causas e Tratamentos do Pé
Doenças, Causas e Tratamentos do Pé
Cesar Russo
 
Guiadepatologiasungueasi 130418083834-phpapp02 (1)
Guiadepatologiasungueasi 130418083834-phpapp02 (1)Guiadepatologiasungueasi 130418083834-phpapp02 (1)
Guiadepatologiasungueasi 130418083834-phpapp02 (1)
Bete Omiya
 
Atlas podológico
Atlas podológicoAtlas podológico
Atlas podológico
Dione Jacomelli
 
Biomecânica e Cinesiologia Aplicados a Podologia
Biomecânica e Cinesiologia Aplicados a PodologiaBiomecânica e Cinesiologia Aplicados a Podologia
Biomecânica e Cinesiologia Aplicados a Podologia
Cíntia Luna
 
Doenças q podemos pegar na manicure
 Doenças q podemos pegar na manicure Doenças q podemos pegar na manicure
Doenças q podemos pegar na manicure
Samanta Da Silva Gomes
 
Curso de Podologia Ementas I
Curso de Podologia Ementas ICurso de Podologia Ementas I
Curso de Podologia Ementas I
MARIA ELIZABETE DE LIMA MONTEIRO
 
Ementas II
Ementas IIEmentas II
ESTRUTURA DA LÂMINA UNGUEAL
ESTRUTURA DA LÂMINA UNGUEALESTRUTURA DA LÂMINA UNGUEAL
ESTRUTURA DA LÂMINA UNGUEAL
MARIA ELIZABETE DE LIMA MONTEIRO
 
Atlas Podológico.pdf
Atlas Podológico.pdfAtlas Podológico.pdf
Atlas Podológico.pdf
CiroPinto3
 
E-book Procedimento Spa do Pé
E-book Procedimento Spa do PéE-book Procedimento Spa do Pé
E-book Procedimento Spa do Pé
Shinsei Cosmeticos
 
Abordagem terapêutica no tratamento das estrias - Edduc
Abordagem terapêutica no tratamento das estrias - EdducAbordagem terapêutica no tratamento das estrias - Edduc
Abordagem terapêutica no tratamento das estrias - Edduc
edduc
 
Biossegurança na Podologia
Biossegurança na PodologiaBiossegurança na Podologia
Biossegurança na Podologia
MARIA ELIZABETE DE LIMA MONTEIRO
 
Doenças de pele, unhas e cabelos
Doenças de pele, unhas e cabelosDoenças de pele, unhas e cabelos
Doenças de pele, unhas e cabelos
Patricia Prestes patyprestes
 
A Pele (2010)
A Pele (2010)A Pele (2010)
A Pele (2010)
markpt
 
O alta freqüência.
O alta freqüência.O alta freqüência.
O alta freqüência.
Míriam Ferreira
 
Aula limpeza de pele
Aula limpeza de peleAula limpeza de pele
Aula limpeza de pele
Dry Rodrigues
 
A eletroterapia aplicada na estética facial
A eletroterapia aplicada na estética facialA eletroterapia aplicada na estética facial
A eletroterapia aplicada na estética facial
Rosiane Bezerra
 
Ulcera De Pressao
Ulcera De PressaoUlcera De Pressao
Ulcera De Pressao
enfermeirostecnicos
 
Aula cosmetologia pele
Aula cosmetologia   peleAula cosmetologia   pele
Aula cosmetologia pele
Lucia Flegler
 

Mais procurados (20)

Doenças das unhas
Doenças das unhasDoenças das unhas
Doenças das unhas
 
Doenças, Causas e Tratamentos do Pé
Doenças, Causas e Tratamentos do PéDoenças, Causas e Tratamentos do Pé
Doenças, Causas e Tratamentos do Pé
 
Guiadepatologiasungueasi 130418083834-phpapp02 (1)
Guiadepatologiasungueasi 130418083834-phpapp02 (1)Guiadepatologiasungueasi 130418083834-phpapp02 (1)
Guiadepatologiasungueasi 130418083834-phpapp02 (1)
 
Atlas podológico
Atlas podológicoAtlas podológico
Atlas podológico
 
Biomecânica e Cinesiologia Aplicados a Podologia
Biomecânica e Cinesiologia Aplicados a PodologiaBiomecânica e Cinesiologia Aplicados a Podologia
Biomecânica e Cinesiologia Aplicados a Podologia
 
Doenças q podemos pegar na manicure
 Doenças q podemos pegar na manicure Doenças q podemos pegar na manicure
Doenças q podemos pegar na manicure
 
Curso de Podologia Ementas I
Curso de Podologia Ementas ICurso de Podologia Ementas I
Curso de Podologia Ementas I
 
Ementas II
Ementas IIEmentas II
Ementas II
 
ESTRUTURA DA LÂMINA UNGUEAL
ESTRUTURA DA LÂMINA UNGUEALESTRUTURA DA LÂMINA UNGUEAL
ESTRUTURA DA LÂMINA UNGUEAL
 
Atlas Podológico.pdf
Atlas Podológico.pdfAtlas Podológico.pdf
Atlas Podológico.pdf
 
E-book Procedimento Spa do Pé
E-book Procedimento Spa do PéE-book Procedimento Spa do Pé
E-book Procedimento Spa do Pé
 
Abordagem terapêutica no tratamento das estrias - Edduc
Abordagem terapêutica no tratamento das estrias - EdducAbordagem terapêutica no tratamento das estrias - Edduc
Abordagem terapêutica no tratamento das estrias - Edduc
 
Biossegurança na Podologia
Biossegurança na PodologiaBiossegurança na Podologia
Biossegurança na Podologia
 
Doenças de pele, unhas e cabelos
Doenças de pele, unhas e cabelosDoenças de pele, unhas e cabelos
Doenças de pele, unhas e cabelos
 
A Pele (2010)
A Pele (2010)A Pele (2010)
A Pele (2010)
 
O alta freqüência.
O alta freqüência.O alta freqüência.
O alta freqüência.
 
Aula limpeza de pele
Aula limpeza de peleAula limpeza de pele
Aula limpeza de pele
 
A eletroterapia aplicada na estética facial
A eletroterapia aplicada na estética facialA eletroterapia aplicada na estética facial
A eletroterapia aplicada na estética facial
 
Ulcera De Pressao
Ulcera De PressaoUlcera De Pressao
Ulcera De Pressao
 
Aula cosmetologia pele
Aula cosmetologia   peleAula cosmetologia   pele
Aula cosmetologia pele
 

Semelhante a FISSURA PLANTAR E O USO DE DERMOCOSMÉTICOS COMO FORMA DE TRATAMENTO

Sistema tegumentar
Sistema tegumentarSistema tegumentar
Sistema tegumentar
Maisa Bruna
 
Apost sistema tegumentar humano parte 4
Apost sistema tegumentar humano parte 4Apost sistema tegumentar humano parte 4
Apost sistema tegumentar humano parte 4
André Fidelis
 
1. Anatomia e Fisiologia da Pele.pdf
1. Anatomia e Fisiologia da Pele.pdf1. Anatomia e Fisiologia da Pele.pdf
1. Anatomia e Fisiologia da Pele.pdf
AndressaLeite22
 
ANATOMIA E FISIOLOGIA DA PELE - SISTEMA TEGUMENTAR
ANATOMIA E FISIOLOGIA DA PELE - SISTEMA TEGUMENTARANATOMIA E FISIOLOGIA DA PELE - SISTEMA TEGUMENTAR
ANATOMIA E FISIOLOGIA DA PELE - SISTEMA TEGUMENTAR
MagaliCristina1
 
Incontinencia e ulceras por pressao
Incontinencia e ulceras por pressaoIncontinencia e ulceras por pressao
Incontinencia e ulceras por pressao
GNEAUPP.
 
Estrias atróficas
Estrias atróficas  Estrias atróficas
Estrias atróficas
Tatiane F. S. Medeiros
 
Aula 04.pdf
Aula 04.pdfAula 04.pdf
Aula 04.pdf
ValldineyCruz
 
Apostila curso limpeza de pele e tratamento de acne - edduc
Apostila curso limpeza de pele e tratamento de acne - edducApostila curso limpeza de pele e tratamento de acne - edduc
Apostila curso limpeza de pele e tratamento de acne - edduc
edduc
 
Microdermoabrasão e Ácido Glicólico nas Cicatrizes de Acne
Microdermoabrasão e Ácido Glicólico nas Cicatrizes de AcneMicrodermoabrasão e Ácido Glicólico nas Cicatrizes de Acne
Microdermoabrasão e Ácido Glicólico nas Cicatrizes de Acne
Helen H
 
Treinamento Nivea Visage
Treinamento Nivea VisageTreinamento Nivea Visage
Treinamento Nivea Visage
CiaPromo Comunicação Integrada
 
Técnica de indução de colágeno
Técnica de indução de colágeno Técnica de indução de colágeno
Técnica de indução de colágeno
Amanda Hamaue
 
Epilação e depilação
Epilação e depilaçãoEpilação e depilação
Epilação e depilação
Teresa Castilho
 
67 -tratamento_de_marcas_de_express_yo_em_mulheres_acima_de_40_anos_utilizan...
67  -tratamento_de_marcas_de_express_yo_em_mulheres_acima_de_40_anos_utilizan...67  -tratamento_de_marcas_de_express_yo_em_mulheres_acima_de_40_anos_utilizan...
67 -tratamento_de_marcas_de_express_yo_em_mulheres_acima_de_40_anos_utilizan...
Ligia Maria Moura
 
-efeitos_fisiol._da_endermot._combinados_a_massagem_modeladora_no_tto_de_gord...
-efeitos_fisiol._da_endermot._combinados_a_massagem_modeladora_no_tto_de_gord...-efeitos_fisiol._da_endermot._combinados_a_massagem_modeladora_no_tto_de_gord...
-efeitos_fisiol._da_endermot._combinados_a_massagem_modeladora_no_tto_de_gord...
Rafael Thamiris Calegari
 
Apostila Peeling de Verão - Edduc
Apostila Peeling de Verão - EdducApostila Peeling de Verão - Edduc
Apostila Peeling de Verão - Edduc
edduc
 
Anatomia da estrutura da pele
Anatomia da estrutura da peleAnatomia da estrutura da pele
Anatomia da estrutura da pele
MAYCONABENICIO
 
MINISTÉRIO IPCA. ESCOLA DE SEMINÁRIOS TEOLÓGICOS DE CURSOS LIVRES PROFISSIONA...
MINISTÉRIO IPCA. ESCOLA DE SEMINÁRIOS TEOLÓGICOS DE CURSOS LIVRES PROFISSIONA...MINISTÉRIO IPCA. ESCOLA DE SEMINÁRIOS TEOLÓGICOS DE CURSOS LIVRES PROFISSIONA...
MINISTÉRIO IPCA. ESCOLA DE SEMINÁRIOS TEOLÓGICOS DE CURSOS LIVRES PROFISSIONA...
MINISTERIO IPCA.
 
REvitalização CutâneaCamila Godoi Garcia e Tatiani Aurelio.pdf
REvitalização CutâneaCamila Godoi Garcia e Tatiani Aurelio.pdfREvitalização CutâneaCamila Godoi Garcia e Tatiani Aurelio.pdf
REvitalização CutâneaCamila Godoi Garcia e Tatiani Aurelio.pdf
Monica G.R dos Santos, MBA
 
Dermatologia completa
Dermatologia   completaDermatologia   completa
Dermatologia completa
Jucie Vasconcelos
 
Avaliacao estetica
Avaliacao esteticaAvaliacao estetica
Avaliacao estetica
ICosmetologia Educacional
 

Semelhante a FISSURA PLANTAR E O USO DE DERMOCOSMÉTICOS COMO FORMA DE TRATAMENTO (20)

Sistema tegumentar
Sistema tegumentarSistema tegumentar
Sistema tegumentar
 
Apost sistema tegumentar humano parte 4
Apost sistema tegumentar humano parte 4Apost sistema tegumentar humano parte 4
Apost sistema tegumentar humano parte 4
 
1. Anatomia e Fisiologia da Pele.pdf
1. Anatomia e Fisiologia da Pele.pdf1. Anatomia e Fisiologia da Pele.pdf
1. Anatomia e Fisiologia da Pele.pdf
 
ANATOMIA E FISIOLOGIA DA PELE - SISTEMA TEGUMENTAR
ANATOMIA E FISIOLOGIA DA PELE - SISTEMA TEGUMENTARANATOMIA E FISIOLOGIA DA PELE - SISTEMA TEGUMENTAR
ANATOMIA E FISIOLOGIA DA PELE - SISTEMA TEGUMENTAR
 
Incontinencia e ulceras por pressao
Incontinencia e ulceras por pressaoIncontinencia e ulceras por pressao
Incontinencia e ulceras por pressao
 
Estrias atróficas
Estrias atróficas  Estrias atróficas
Estrias atróficas
 
Aula 04.pdf
Aula 04.pdfAula 04.pdf
Aula 04.pdf
 
Apostila curso limpeza de pele e tratamento de acne - edduc
Apostila curso limpeza de pele e tratamento de acne - edducApostila curso limpeza de pele e tratamento de acne - edduc
Apostila curso limpeza de pele e tratamento de acne - edduc
 
Microdermoabrasão e Ácido Glicólico nas Cicatrizes de Acne
Microdermoabrasão e Ácido Glicólico nas Cicatrizes de AcneMicrodermoabrasão e Ácido Glicólico nas Cicatrizes de Acne
Microdermoabrasão e Ácido Glicólico nas Cicatrizes de Acne
 
Treinamento Nivea Visage
Treinamento Nivea VisageTreinamento Nivea Visage
Treinamento Nivea Visage
 
Técnica de indução de colágeno
Técnica de indução de colágeno Técnica de indução de colágeno
Técnica de indução de colágeno
 
Epilação e depilação
Epilação e depilaçãoEpilação e depilação
Epilação e depilação
 
67 -tratamento_de_marcas_de_express_yo_em_mulheres_acima_de_40_anos_utilizan...
67  -tratamento_de_marcas_de_express_yo_em_mulheres_acima_de_40_anos_utilizan...67  -tratamento_de_marcas_de_express_yo_em_mulheres_acima_de_40_anos_utilizan...
67 -tratamento_de_marcas_de_express_yo_em_mulheres_acima_de_40_anos_utilizan...
 
-efeitos_fisiol._da_endermot._combinados_a_massagem_modeladora_no_tto_de_gord...
-efeitos_fisiol._da_endermot._combinados_a_massagem_modeladora_no_tto_de_gord...-efeitos_fisiol._da_endermot._combinados_a_massagem_modeladora_no_tto_de_gord...
-efeitos_fisiol._da_endermot._combinados_a_massagem_modeladora_no_tto_de_gord...
 
Apostila Peeling de Verão - Edduc
Apostila Peeling de Verão - EdducApostila Peeling de Verão - Edduc
Apostila Peeling de Verão - Edduc
 
Anatomia da estrutura da pele
Anatomia da estrutura da peleAnatomia da estrutura da pele
Anatomia da estrutura da pele
 
MINISTÉRIO IPCA. ESCOLA DE SEMINÁRIOS TEOLÓGICOS DE CURSOS LIVRES PROFISSIONA...
MINISTÉRIO IPCA. ESCOLA DE SEMINÁRIOS TEOLÓGICOS DE CURSOS LIVRES PROFISSIONA...MINISTÉRIO IPCA. ESCOLA DE SEMINÁRIOS TEOLÓGICOS DE CURSOS LIVRES PROFISSIONA...
MINISTÉRIO IPCA. ESCOLA DE SEMINÁRIOS TEOLÓGICOS DE CURSOS LIVRES PROFISSIONA...
 
REvitalização CutâneaCamila Godoi Garcia e Tatiani Aurelio.pdf
REvitalização CutâneaCamila Godoi Garcia e Tatiani Aurelio.pdfREvitalização CutâneaCamila Godoi Garcia e Tatiani Aurelio.pdf
REvitalização CutâneaCamila Godoi Garcia e Tatiani Aurelio.pdf
 
Dermatologia completa
Dermatologia   completaDermatologia   completa
Dermatologia completa
 
Avaliacao estetica
Avaliacao esteticaAvaliacao estetica
Avaliacao estetica
 

Mais de MARIA ELIZABETE DE LIMA MONTEIRO

Elizabete monteiro estética e micropigmentação
Elizabete monteiro estética e micropigmentaçãoElizabete monteiro estética e micropigmentação
Elizabete monteiro estética e micropigmentação
MARIA ELIZABETE DE LIMA MONTEIRO
 
Cosmeticos livres dos_xenobioticos
Cosmeticos livres dos_xenobioticosCosmeticos livres dos_xenobioticos
Cosmeticos livres dos_xenobioticos
MARIA ELIZABETE DE LIMA MONTEIRO
 
MANUAL DE CONTROLE NOS PROCESSOS DE ESTERILIZAÇÃO- MODELO
MANUAL DE CONTROLE NOS PROCESSOS DE ESTERILIZAÇÃO- MODELOMANUAL DE CONTROLE NOS PROCESSOS DE ESTERILIZAÇÃO- MODELO
MANUAL DE CONTROLE NOS PROCESSOS DE ESTERILIZAÇÃO- MODELO
MARIA ELIZABETE DE LIMA MONTEIRO
 
PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO
PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃOPROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO
PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO
MARIA ELIZABETE DE LIMA MONTEIRO
 
Manicure e Pedicure; SENAC-PB: Projeto da planta Física da Esmalteria Bellas...
 Manicure e Pedicure; SENAC-PB: Projeto da planta Física da Esmalteria Bellas... Manicure e Pedicure; SENAC-PB: Projeto da planta Física da Esmalteria Bellas...
Manicure e Pedicure; SENAC-PB: Projeto da planta Física da Esmalteria Bellas...
MARIA ELIZABETE DE LIMA MONTEIRO
 
MANICURE E PEDICURE: PROJETO - PLANO DE NEGÓCIO E PLANTA FÍSICA
MANICURE E PEDICURE: PROJETO - PLANO DE NEGÓCIO E PLANTA FÍSICAMANICURE E PEDICURE: PROJETO - PLANO DE NEGÓCIO E PLANTA FÍSICA
MANICURE E PEDICURE: PROJETO - PLANO DE NEGÓCIO E PLANTA FÍSICA
MARIA ELIZABETE DE LIMA MONTEIRO
 
PODOLOGIA FINALIZAÇÃO PAULISTA CURSOS-PARAÍBA 2016.1
PODOLOGIA FINALIZAÇÃO PAULISTA CURSOS-PARAÍBA 2016.1PODOLOGIA FINALIZAÇÃO PAULISTA CURSOS-PARAÍBA 2016.1
PODOLOGIA FINALIZAÇÃO PAULISTA CURSOS-PARAÍBA 2016.1
MARIA ELIZABETE DE LIMA MONTEIRO
 
DESIGNER DE SOBRANCELHA
DESIGNER DE SOBRANCELHA DESIGNER DE SOBRANCELHA
DESIGNER DE SOBRANCELHA
MARIA ELIZABETE DE LIMA MONTEIRO
 
PÉS DIABÉTICOS
PÉS DIABÉTICOSPÉS DIABÉTICOS
BIOSSEGURANÇA NA ESTÉTICA
BIOSSEGURANÇA NA ESTÉTICABIOSSEGURANÇA NA ESTÉTICA
BIOSSEGURANÇA NA ESTÉTICA
MARIA ELIZABETE DE LIMA MONTEIRO
 

Mais de MARIA ELIZABETE DE LIMA MONTEIRO (10)

Elizabete monteiro estética e micropigmentação
Elizabete monteiro estética e micropigmentaçãoElizabete monteiro estética e micropigmentação
Elizabete monteiro estética e micropigmentação
 
Cosmeticos livres dos_xenobioticos
Cosmeticos livres dos_xenobioticosCosmeticos livres dos_xenobioticos
Cosmeticos livres dos_xenobioticos
 
MANUAL DE CONTROLE NOS PROCESSOS DE ESTERILIZAÇÃO- MODELO
MANUAL DE CONTROLE NOS PROCESSOS DE ESTERILIZAÇÃO- MODELOMANUAL DE CONTROLE NOS PROCESSOS DE ESTERILIZAÇÃO- MODELO
MANUAL DE CONTROLE NOS PROCESSOS DE ESTERILIZAÇÃO- MODELO
 
PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO
PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃOPROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO
PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO
 
Manicure e Pedicure; SENAC-PB: Projeto da planta Física da Esmalteria Bellas...
 Manicure e Pedicure; SENAC-PB: Projeto da planta Física da Esmalteria Bellas... Manicure e Pedicure; SENAC-PB: Projeto da planta Física da Esmalteria Bellas...
Manicure e Pedicure; SENAC-PB: Projeto da planta Física da Esmalteria Bellas...
 
MANICURE E PEDICURE: PROJETO - PLANO DE NEGÓCIO E PLANTA FÍSICA
MANICURE E PEDICURE: PROJETO - PLANO DE NEGÓCIO E PLANTA FÍSICAMANICURE E PEDICURE: PROJETO - PLANO DE NEGÓCIO E PLANTA FÍSICA
MANICURE E PEDICURE: PROJETO - PLANO DE NEGÓCIO E PLANTA FÍSICA
 
PODOLOGIA FINALIZAÇÃO PAULISTA CURSOS-PARAÍBA 2016.1
PODOLOGIA FINALIZAÇÃO PAULISTA CURSOS-PARAÍBA 2016.1PODOLOGIA FINALIZAÇÃO PAULISTA CURSOS-PARAÍBA 2016.1
PODOLOGIA FINALIZAÇÃO PAULISTA CURSOS-PARAÍBA 2016.1
 
DESIGNER DE SOBRANCELHA
DESIGNER DE SOBRANCELHA DESIGNER DE SOBRANCELHA
DESIGNER DE SOBRANCELHA
 
PÉS DIABÉTICOS
PÉS DIABÉTICOSPÉS DIABÉTICOS
PÉS DIABÉTICOS
 
BIOSSEGURANÇA NA ESTÉTICA
BIOSSEGURANÇA NA ESTÉTICABIOSSEGURANÇA NA ESTÉTICA
BIOSSEGURANÇA NA ESTÉTICA
 

Último

higienização de espaços e equipamentos
higienização de espaços    e equipamentoshigienização de espaços    e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
Manuel Pacheco Vieira
 
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdfMedicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
jhordana1
 
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptxA-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
walterjose20
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de    espaços e equipamentoshigienização de    espaços e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
Manuel Pacheco Vieira
 
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagemSistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
BarbaraKelle
 
AULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao Facia
AULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao  FaciaAULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao  Facia
AULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao Facia
AntonioXavier35
 
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
jhordana1
 
VIAS+E+ADMINISTRAÇÃO+DE+MEDICAMENTOS-+AULA+03 (2).pdf
VIAS+E+ADMINISTRAÇÃO+DE+MEDICAMENTOS-+AULA+03 (2).pdfVIAS+E+ADMINISTRAÇÃO+DE+MEDICAMENTOS-+AULA+03 (2).pdf
VIAS+E+ADMINISTRAÇÃO+DE+MEDICAMENTOS-+AULA+03 (2).pdf
kailanejoyce4
 
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Lenilson Souza
 

Último (9)

higienização de espaços e equipamentos
higienização de espaços    e equipamentoshigienização de espaços    e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
 
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdfMedicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
 
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptxA-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de    espaços e equipamentoshigienização de    espaços e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
 
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagemSistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
 
AULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao Facia
AULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao  FaciaAULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao  Facia
AULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao Facia
 
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
 
VIAS+E+ADMINISTRAÇÃO+DE+MEDICAMENTOS-+AULA+03 (2).pdf
VIAS+E+ADMINISTRAÇÃO+DE+MEDICAMENTOS-+AULA+03 (2).pdfVIAS+E+ADMINISTRAÇÃO+DE+MEDICAMENTOS-+AULA+03 (2).pdf
VIAS+E+ADMINISTRAÇÃO+DE+MEDICAMENTOS-+AULA+03 (2).pdf
 
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
 

FISSURA PLANTAR E O USO DE DERMOCOSMÉTICOS COMO FORMA DE TRATAMENTO

  • 1. FACULDADE DE TECNOLOGIA DA PARAÍBA - FATEC/PB CURSO DE TECNOLOGIA EM ESTÉTICA E COSMÉTICA MARIA ELIZABETE DE LIMA MONTEIRO FISSURA PLANTAR E O USO DE DERMOCOSMÉTICOS COMO FORMA DE TRATAMENTO CABEDELO 2015
  • 2. MARIA ELIZABETE DE LIMA MONTEIRO FISSURA PLANTAR E O USO DE DERMOCOSMÉTICOS COMO FORMA DE TRATAMENTO Relatório Técnico Científico para a obtenção do Título de Tecnólogo em Estética e Cosmética pela Faculdade de Tecnologia da Paraíba, FATEC-PB. ORIENTADORA: Profª Ms Ana Margareth Marques Fonseca Sarmento. CABEDELO 2015
  • 3. Dados de acordo com: AACR2, CDU e Cutter Biblioteca Central – SESP / PB M772f Monteiro, Maria Elizabete de Lima Fissura plantar e o uso de dermocosméticos como forma de tratamento / Maria Elizabete de Lima Monteiro. – Cabedelo, PB: [s.n], 2015. 20p. Monografia (Graduação) – Faculdade de Tecnologia da Paraíba (FATEC-PB) - Curso de Estética e Cosmética, 2015. 1. Estética e cosmética. 2. Fissura plantar. 3. Dermocosméticos. 4. Tratamento estético - Pés. I. Título. CDU 611.77 M772f Monteiro, Maria Elizabete de Lima Fissura plantar e o uso de dermocosméticos como forma de tratamento / Maria Elizabete de Lima Monteiro. – Cabedelo, PB: [s.n], 2015.
  • 4. SUMÁRIO 1- INTRODUÇÃO....................................................................................................................5 2-OBJETIVOS..........................................................................................................................6 2.1- OBJETIVOS GERAIS ....................................................................................................6 2.2- OBJETIVOS ESPECÍFICOS..........................................................................................6 3- METODOLOGIA ................................................................................................................6 4- FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA ......................................................................................6 4.1- Anatomia e fisiologia do sistema tegumentar .................................................................6 4.1.1- Camadas da pele.......................................................................................................7 4.2- FISSURA PLANTAR .......................................................................................................9 4.2.1- PRINCIPAIS CAUSAS .............................................................................................10 4.3- DOENÇAS DERMATOLÓGICAS QUE PODEM OCASIONAR AS FISSURAS .11 4.3.1- Dermatite de contato ..................................................................................................11 4.3.2- Disidrose ou eczema...................................................................................................11 4.3.3- Tinea corporis.............................................................................................................12 4.3.4- Psoríase ......................................................................................................................12 4.3.5- Paquioníquea congênita..............................................................................................13 4.4- CICATRIZAÇÃO...........................................................................................................14 4.4.1- FASES DA CICATRIZAÇÃO ..................................................................................14 4.4.2- Fase inflamatória........................................................................................................14 4.4.3 - Fase proliferativa.......................................................................................................14 4.4.4- Fase de reparo.............................................................................................................14 5- DERMOCOSMÉTICOS ...................................................................................................15 5.1- TRATAMENTOS SUGERIDOS..................................................................................16 5.1.1- Uréia...........................................................................................................................16 5.1.2- Alantoína....................................................................................................................17 5.1.3- Ácido salicílico...........................................................................................................17 6- CONSIDERAÇÕES FINAIS ............................................................................................17 REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA......................................................................................19 REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA ..................................................................................... 20
  • 5. RESUMO Observa-se pouco cuidado com a pele dos pés. É comum encontrarmos pés ressecados, desidratados e com fissuras. Os nossos pés são membros que suportam o peso corpóreo, sofre com sapatos apertados, ou está sempre exposto aos raios uvs, devido ao uso de sandálias abertas na parte superior dos pés ou no calcanhar, dentre outros agravantes que afetam a saúde do tecido plantar. As fissuras são finas lacerações lineares na epiderme, podendo aprofundar-se atingindo a derme. Podem surgir de uma simples desidratação e ressecamento ou ser consequência de patologias, dermatoses ou doenças crônicas a exemplo da psoríase. Uma importante observação é para os pés diabéticos, são pés sensíveis e com pouca capacidade de cicatrização. Portanto a prevenção é uma prática recomendada para todas as pessoas. Para amenizar o desconforto que a aspereza provoca no dia a dia, as pessoas costumam fazer uso de lixas d’água, motores em salões de beleza ou esfregaços em pedras ou calçadas em casa. Essa prática favorece a produção desordenada da queratina estimulando o aparecimento da fissura. O organismo entende ser uma agressão e logo envia mais células mortas para o local agredido no intento de se proteger. O presente estudo apresenta os ativos uréia, alantoína e o ácido salicílico como forma de tratamento para tais lesões dermatológicas, são ativos com ação hidratante, cicatrizante, queratolítica, fungicida e bacteriostática. Considerando as porcentagens prescritas, dependendo de cada caso Palavras-chave: Fissuras Plantar; Dermocosméticos; Tratamentos.
  • 6. 5 1 INTRODUÇÃO A pele é a maior forma de proteção dos nossos órgãos internos e sofre com agressões ocasionadas por fatores intrínsecos e extrínsecos. De acordo com Gomes e Damazio (2009), a pele é considerada o maior órgão do corpo humano, formada pelas camadas: epiderme, derme e seus anexos. Suas estruturas, na maioria das vezes funcionam de maneira sincronizada para garantir a homeostase. A pele dos pés é espessa, varia de acordo com idade e sexo, sua espessura é em média de 3,0 mm. Não possui hidratação natural, pois, é desprovida de glândulas sebáceas, o que favorece a queratinização concentrada, originada da camada basal, classificada como pele glabra por não possuir pêlos. Os pés possuem apenas as glândulas sudoríparas apoécrinas, também denominadas de glândulas écrinas que recebem inervação adrenérgica, respondendo a impulsos de origem emocional e não somente a temperatura corpórea (NOGUEIRA, 2003, p. 105). A pele dos pés possui a camada córnea mais espessa e a encontramos na epiderme, camada superficial da pele que está sub dividida em cinco camadas ou estratos: germinativa ou basal, espinhosa , granulosa , lúcida e córnea. As células da camada basal dividem-se em um ciclo de aproximadamente 19 dias e podem levar de 26 a 42 dias até atingir o estrato córneo. O estrato lúcido está presente em áreas mais espessas, origina-se pela fricção e exerce a função de proteção mecânica, portanto a encontramos na planta dos pés. As fissuras surgem nos pés através da falta de hidratação, excesso de peso, hereditariedade, consequência de podopatias a exemplo da tínea do pé, ou patologias como a psoríase, ou doenças que comprometem o sistema imune, a exemplo da Diabetes mellitus. O nosso organismo produz esse excesso de queratina como fonte de proteção. O presente estudo tem como objetivo informar o que são fissuras, suas causas principais, sugerindo uma forma de tratamento através de alguns dermocosméticos de ação emoliente, hidratante e queratolíticos. Esses princípios ativos tem capacidade de permeação a nível derme- epiderme, regenerando o tecido, onde a derme é a camada da pele responsável pela nutrição das camadas sobrejacentes, pois é vascularizada e composta por estruturas e elementos importantes para a manutenção das funções orgânicas da pele como as fibras de colágeno e elastina que conferem a pele elasticidade e resistência (LEITE, 2003).
  • 7. 6 2 OBJETIVOS 2.1- OBJETIVOS GERAIS  Analisar as causas que levam à fissura plantar, avaliando o mecanismo de ação e eficácia dos princípios ativos utilizados para regeneração da pele, através de uma pesquisa bibliográfica. 2.2- OBJETIVOS ESPECÍFICOS  Colaborar junto a outras fontes de pesquisa para ampliar conhecimentos relacionados a fissuras plantar;  Verificar formas de prevenção e tratamentos para regeneração do tecido plantar.  Abordar os dermocosméticos que têm maior eficácia no tratamento da fissura plantar embasado em pesquisa bibliográfica. METODOLOGIA O presente estudo é uma revisão da literatura em base de dados dos sites SCIELO, Dietmed, ABC.MED, Medicinanet, Portal e educação e de capítulos de livros sobre avaliação de fissura Plantar, suas causas e tratamentos estéticos através do uso dos dermocosméticos, abrangendo o período de 2003 a 2015. As palavras-chave utilizadas foram fissura plantar, dermocosméticos e tratamentos. O nível desta pesquisa é explicativa, sendo este um nível de busca e investigação, sobre as causas que levam o tecido plantar a ser lesionado causando a fissura plantar e o uso dos dermocosméticos como forma de tratamento. 4 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA 4.1- Anatomia e fisiologia do sistema tegumentar Compreendida como maior órgão do corpo humano, a pele exerce diferentes funções em benefício ao nosso organismo, envolve o corpo determinando seu limite com o meio externo e corresponde a 16% do peso corporal, divide-se em camadas estratificadas de células epiteliais
  • 8. 7 e basais: a epiderme, superficial, e a derme mais profunda subdividida em derme reticular e derme papilar (Figura 1) (FERRAZ, 2001). A pele pode exercer diferentes funções como: regulação térmica, defesa orgânica, controle do fluxo sanguíneo, proteção contra diversos agentes do meio ambiente, funções sensoriais (calor, frio, pressão, dor e tato) e metabolismo da vitamina D. A pele é um órgão vital e, sem ela a sobrevivência seria impossível (CAMARGO, 2003). Figura 1. Pele Fonte:http://www.afh.bio.br/sentidos/sentidos10.asp A figura 1 representa um corte de pele, onde sua estrutura é definida de acordo com as camadas e subcamadas. A estrutura amarela são os adipócitos: células justapostas responsáveis pela reserva de energia do organismo. Chamado de hipoderme, tecido adiposo ou tela subcutânea, encontra-se logo abaixo da camada reticular, nela encontramos artérias e veias. 4.1.1- Camadas da pele A pele é formada pelas camadas: epiderme e derme e seus anexos. A epiderme é a camada mais externa da pele chamada de camada córnea, está subdividida em cinco camadas ou estratos: germinativa ou basal, espinhosa, granulosa, lúcida e córnea (Figura 2), entre a camada granulosa e córnea possui uma quinta camada, a lúcida, encontrada na palma das mãos e planta dos pés, conferindo maior espessamento da pele, segundo (STANDARD, 2011. P. 09). De acordo com Ferraz, professor da universidade de Recife/Pe (2006)” da profundidade para a superfície as células sofrem diferenciação progressiva por estratificação em camadas, até a morte e queratinização, no sentido de manter sempre renovada a barreira epitelial mecânica”.
  • 9. 8 Essa renovação epitelial acontece de forma natural e se intensifica no momento em que faz-se o uso de esfoliação química ou física. Nesse caso seria um estímulo acelerando o processo de revitalização da epiderme. Destaca Milady's Standard, no livro: Fundamentos de estética (2011, p. 10-11) que: Estrato córneo: Camada mais externa formada por fileiras de células mortas, anucleadas e constituída por queratina. As fileiras mais superficiais estão em processo de descamação contínua. Esta camada impede a entrada de microorganismos e agentes tóxicos, retém água e os eletrólitos. Estrato lúcido: Encontrado onde a pele é mais grossa, como a palma das mãos e a planta dos pés. É a camada mais profunda da camada córnea. É acidófila e compacta. Camada granulosa: É rica em enzimas. É constituída por grânulos de queratoialina. Suas células não têm capacidade de divisão e tem a função de sintetizar queratina.As três camadas, basal, espinhosa e granulosa, constituem juntas a chamada Camada de Malphigi. Camada espinhosa: Várias fileiras de células que se unem entre si, através de organoides chamados desmossomas. Os desmossomas são espessamentos da membrana celular e se unem, entre si, pelo cimento intercelular. Entre as células espinhosas, encontram-se as células de Langerhans, que apresentam em sua superfície receptores para IgE (imunoglobulina E) que captam antígenos exteriores. Camada basal ou germinativa: É a camada que dá suporte a epiderme e estabelece a união com a derme, a mitose (divisão celular), acontece nesta camada. A figura 2 mostra a sequência da subdivisão da epiderme detalhando o processo de renovação celular e desprendimento da capa córnea. Figura 2. Camadas da epiderme Fonte: <http://natupharmus.blogspot.com.br/2010/06/como-manter-pele-saudavel.html> A derme é a camada que nutre a epiderme constituída por tecido conjuntivo composto por fibras de elastina e proteínas de colágeno, contém vasos linfáticos e sanguíneos que
  • 10. 9 fornecem a nutrição dentro da pele. Nela encontramos vasos capilares, glândulas sebáceas e sudoríparas, nervos, receptores e músculos eretores do pelo (NOGUEIRA, 2003). 4.2- FISSURA PLANTAR É comum encontrarmos pessoas com ressecamento e fissura nos pés. Observa-se uma preocupação maior e mais intensa com os cabelos, corpo e pele facial. Porém a importância dos cuidados com a pele dos pés é primordial, sabendo que o mesmo suporta o peso corporal, é exposto aos raios uv’s, calçados inadequados para uso, produtos químicos, atrito e fricção o dia inteiro. A pele dos pés é extremamente ressecada, não possui fator de hidratação natural, não possui glândulas sebáceas, apenas as glândulas sudoríparas écrinas, elas possuem um canal e um poro, pelos quais as secreções são liberadas. São glândulas mais ativas quando submetidas à altas temperaturas, a exemplo da prática de atividade física. Não produz odor ofensivo (STANDARD, 2011. P. 16). A fissura plantar, também chamada LED (lesão elementar dermatológica), ragádio, greta ou cissura (Figura 3), definida como pequenas fendas ou rachaduras na pele dos pés, sendo espessamentos da camada córnea, geralmente vem acompanhadas de desidratação na área plantar, afirma Moreno (2003), professora e podóloga. Para alguns autores, a fissura plantar se apresenta de diferentes formas, muitas vezes associada a patologias ou simplesmente por falta de cuidados diários. Podendo estar associadas ou não a hiperqueratose, queratodermia plantar (doença que produz a queratina desordenadamente), nesse caso há dores e dificuldade de deambulação. De acordo com Belo (2008) podem ser casos hereditários ou consequência da psoríase ou diabetes mellitus e sempre provém do atrito. Pessoas com psoríase têm a pele muito sensível, porém com alto grau de desidratação e descamação da camada córnea, assim como o diabético. A atenção maior entre os dois casos seria para o diabético em virtude da pouca capacidade de cicatrização. Outros fatores a serem observados, são os cuidados com a umidade dos pés no dia a dia, após o banho ou depois de uma longa caminhada isso facilita a proliferação de fungos, a exemplo dos fungos causadores da tínea pedis (dermatófitos das solas dos pés e os espaços interdigitais) causada pelo trichophyton rubrum, também conhecido como pé de atleta ou frieira e a bactéria que causa a erisipela (COUTINHO 2010).
  • 11. 10 Figura 3. Fissuras no calcanhar http:// studossobresaude.com.br/fissuras-calcaneas-rachaduras-nos-pes/ As fissuras mostradas na figura 3 são consideradas fendas (rachaduras mais profundas atingindo a camada basal da epiderme). 4.2.1 PRINCIPAIS CAUSAS São fatores pré determinantes para o desenvolvimento da fissura plantar as seguintes observações:  Fricção constante;  Defeitos ortopédicos;  Micoses;  Hereditariedade;  Alterações climáticas;  Psoríase;  Doenças vasculares;  Agressões químicas;  Andar descalço;  Calçados apertados e abertos no calcanhar;  Problema hormonal;  Alimentação;  Obesidade;  Excesso de lixamento;  Umidade De acordo com, Madella (2004) as fissuras aparecem devido à hereditariedade, alterações climáticas, consequência da psoríase, diabetes mellitus, doenças vasculares, micoses, agressões químicas, andar descalço e uso de calçados abertos nos calcanhares e abuso do lixamento.
  • 12. 11 O espessamento da epiderme se intensifica mais com o lixamento. Em salões de beleza é comum o uso de motores mecânicos e lixas manuais no intento de amenizar a aspereza da planta do pé ou a calosidade, porém a ação de lixar agrava o quadro, o organismo entende ser uma agressão e produz um aumento considerável de queratina. 4.3 DOENÇAS DERMATOLÓGICAS QUE PODEM OCASIONAR AS FISSURAS Algumas doenças podem ser consequência para predominância da fissura, elas surgem devido a processos alérgicos, micoses, hereditariedades ou disfunção na própria produção de queratina do organismo. 4.3.1 Dermatite de contato A dermatite de contato (ou eczema de contato) (figura 4), é uma reação inflamatória na pele decorrente da exposição a um agente capaz de causar irritação ou alergia, cujos sintomas de uma forma geral, são formação de bolhas, coceiras, inflamações e escamação da pele, afirma (GONZALEZ 2013). Figura 4. Dermatite de Contato <http://podologacristina.blogspot.com.br/2013_09_01_archive.html> 4.3.2 Disidrose ou eczema A disidrose é um eczema localizado em mãos e pés, surge primeiro o prurido (coceira) que se segue do aparecimento de pequenas vesículas endurecidas esbranquiçadas ou amareladas, atingindo principalmente a face lateral dos dedos, as palmas das mãos e as plantas dos pés. Posteriormente, tendem a secar, ficando a pele espessada, endurecida, podendo
  • 13. 12 descamar ou rachar até o tecido mais profundo, ocasionando fissuras doloridas, (MORAIS 2008). 4.3.3- Tinea corporis Doença que envolve os pés, especialmente os espaços interdigitais e plantas dos pés (Figura 5). Esta é freqüentemente causada por um grupo de dermatófitos: Trichophyton rubrum, T. mentagrophytes ou Epidermophyton floccosum, e caracterizada por lesões intensamente pruriginosas (Dermatology Information Sistem). Figura 5. Tínea do pé http://alergodermatologia.blogspot.com.br/2009/05/tinea-corporis-infeccao-fungica-do.html 4.3.4 Psoríase A psoríase é uma doença inflamatória da pele, crônica, não contagiosa (figura 6), que afeta de 1 a 3% da população mundial. Caracterizada pela presença de manchas vermelhas, espessadas e descamativas, (Psoríase Brasil).
  • 14. 13 Figura. 6. Pés com psoríase <http://www.medicinanet.com.br/m/conteudos/acp-medicine/5738/psoriase.htm> 4.3.5- Paquioníquea congênita A paquioníquia congênita (PC) é uma rara desordem genética da pele causada por uma mutação em qualquer um dos quatro genes conhecidos como responsáveis pela formação da queratina: K6a, K6b, K16 ou K17 (figura 7). A doença pode ser hereditária (herdada da mãe que tem PC) ou pode ocorrer de forma espontânea devido a uma mutação genética durante a formação do embrião. Afeta igualmente homens e mulheres e a manifestação mais frequente, o espessamento das unhas, é notado desde o nascimento (LIMA 2007). Figura 7. Paquioníquia Congênita <http://dermatologyforyou.com/atlas/pachyonychia2.html
  • 15. 14 4.4- CICATRIZAÇÃO A cicatrização é um processo natural de reparação de tecidos orgânicos lesados feitos por meio das fibras colágenas derivadas dos miofibroblastos que migram para o local ferido. Essas fibras recobrem a área lesada com tecido conjuntivo fibroso e, assim, o tecido epitelial pré-existente fica temporária ou permanentemente substituído por ele. A perda da integridade da pele e tecidos subcutâneos facilitam infecções. A bactéria que causa a erisipela (streptococcus aureus) penetra no corpo por meio de pequenos ferimentos a exemplo da fissura (ABC.MED.BR, 2013). 4.4.1 FASES DA CICATRIZAÇÃO 4.4.2 Fase inflamatória Fase exsudativa com duração entre um e quatro dias (a depender da extensão da área a ser cicatrizada e da natureza da lesão), caracterizada por dois processos que buscam limitar a lesão tecidual: a hemostasia e a resposta inflamatória aguda (FERRAZ et. al 2001). A hemostasia é a interrupção fisiológica do sangramento ou hemorragia. Acontece uma vasoconstrição no local atingido. 4.4.3 Fase proliferativa Fase regenerativa que pode durar entre cinco e vinte dias. É caracterizada pela proliferação de fibroblastos, sob a ação de citocinas que dão origem a um processo denominado fibroplasia. Os fibroblastos auxiliam na produção das proteínas colágeno e elastina. A cicatrização acontece através do colágeno, proteína que confere 70% da derme. A elastina é uma proteína considerada fibrosa que forma o tecido elástico e fornece elasticidade a pele (MANDELBAUM 2003). 4.4.4 Fase de reparo Fase de maturação inicia no 21º dia e podendo durar meses. É a última fase do processo de cicatrização. A densidade celular e a vascularização da ferida diminuem, enquanto há a maturação das fibras colágenas. Ocorre uma remodelação do tecido cicatricial formado na fase anterior. O alinhamento das fibras é reorganizado a fim de aumentar a resistência do tecido e diminuir a espessura da cicatriz, reduzindo a deformidade (PORTAL EDUCAÇÃO 2012).
  • 16. 15 A fissura plantar está relativamente ligada as fases de cicatrização da pele em virtude da regeneração tecidual ser gradativa. Há o estímulo da cicatrização através da renovação epidermal promovido naturalmente pelo próprio organismo e o auxílio de produtos específicos para regeneração da pele, a exemplo da uréia. 5 DERMOCOSMÉTICOS Os dermocosméticos ou cosmecêuticos, são cosméticos formulados para tratamentos intensivos. Encontramos os dermocosméticos em diversidade para todos os tipos de tratamentos preventivos em forma de desodorantes, shampoos, condicionadores, hidratantes, emolientes, adstringentes, máscaras, fotoprotetores, produtos de regeneração tecidual, atuam como rejuvenescedores, despigmentantes, antioxidantes, clareadores. Também denominados cosmecêuticos são produtos cosméticos com ingredientes bioativos e que, portanto, apresentam propriedades terapêuticas (podem ser utilizados em tratamentos) segundo ARRUDA (2009). A Anvisa lançou um parecer técnico em 2003 proibindo o uso da descrição nos rótulos de produtos direcionados para fissuras e rachaduras nos pés como” forma de tratamento” em virtude da Consequência de algumas patologias. Provavelmente tal produto não seria eficaz. O profissional deve elaborar sua anamnese no intento de se inteirar do caso antes de recomendar tal produto ou iniciar um tratamento. No caso de suspeita de patologias, deve-se encaminhar ao dermatologista. Parecer técnico nº 1, 23 de abril de 2003. Tendo em vista a necessidade de avaliação da indicação de produtos cosméticos para "rachaduras dos pés" e elaboração de parecer técnico, a Câmara Técnica de Cosméticos (CATEC) apreciou o assunto em pauta e apresenta, a seguir, suas considerações: Considerando que "rachaduras" podem estar associadas à queratodermia palmo plantares (distúrbio que provoca aumento da queratina, tornando o local espesso), que são genodermatoses (doenças hereditárias causadas por predisposição genética) complexas e de difícil abordagem(1,2,3,4.); Considerando que "rachaduras" podem estar associadas a quadros de xerose (nome dado ao ressecamento com certa intensidade quando aparece descamação e algum grau de prurido) que acompanham quadros sistêmicos como atopia e mesmo a menopausa; e que ainda podem estar associadas ao uso de medicamentos que favoreçam as queratodermias (5,6); Considerando que micoses superficiais e infecções bacterianas dos pés podem estar associadas a "rachaduras" (7);
  • 17. 16 Considerando que "rachaduras" podem estar associadas a dermatoses onde ocorrem distúrbios de queratinização como a psoríase, ictioses e pustuloses palmo plantares (8,9); Considerando que "rachaduras" podem acontecer, ainda, por dermatite de contato por diversos contactantes tópicos (8,9); Considerando que cremes hidratantes, a base de substâncias emolientes específicas podem previnir o ressecamento e que, cremes a base de substâncias hidrofílicas e higroscópicas são umectantes e portanto indicados para áreas mais secas da pele (10, 11). A CATEC recomenda: Que os produtos cosméticos não apresentem indicação de prevenção ou tratamento de "rachaduras dos pés", referindo-se apenas ao ressecamento e aspereza da pele desta região, pois, a "rachadura" poderá ter implicações mais sérias do que um mero problema de pele muito seca. (ANVISA, 2003). 5.1- TRATAMENTOS SUGERIDOS Alguns ativos são sugeridos em forma de cremes para prevenção e tratamento; com o objetivo de amenizar o ressecamento e dependendo da concentração em porcentagem eliminar o problema. É preciso uma boa ingesta de líquido, hidratar sempre as regiões propensas ao ressecamento, evitar calçados apertados, muito folgados ou abertos no calcanhar. Os seguintes ativos são encontrados de forma industrializada numa concentração de até 5%, acima dessa porcentagem são prescritas por médicos dermatologistas associando um ativo ao outro ou não, dependendo do caso e são manipuladados em farmácias de manipulação. Outra forma de tratamento utilizado no dia a dia é o desbastamento com desbastador ou bisturi, em seguida usa- se máscaras hidratantes ou parafina aquecida envolta por filme osmótico no intuito de intensificar a hidratação local. Esse tratamento geralmente é feito em consultórios de podologia. O profissional esteticista pode atuar no problema intervindo com protocolos diferenciados sequenciais seguindo o passo-a-passo de uma limpeza de pele, o popularmente chamado spa. O spa é um tratamento preventivo e os seguintes ativos podem estar presentes nas máscaras ou hidratantes convencionais. 5.1.1- Uréia A uréia tem ação hidratante, queratolítica e antibacteriana, é estimulante da regeneração celular (cicatrizante). Atua como hidratante em concentrações de até 10%, de 10 a 20% para hiperqueratose, de 10 a 40% para psoríase (PEREIRA, 2013 pág. 353).
  • 18. 17 5.1.2- Alantoína A alantoína (5-ureido-hidantoína) pode ser extraída de uma planta conhecida como confrei (Symphytum officinale), possui excelente ação cicatrizante, pois favorece a proliferação celular acelerando a regeneração da pele lesada. Sua ação hidratante é devido à capacidade de ser hidrolisada em ureia na pele. Anti-Irritante, renovador celular e melhora a umectação da pele. Atua sobre a pele áspera e rachada, tornando-a lisa e flexível, podendo ser aplicado em peles sensíveis. Usada nas concentrações de 0,1 a 2% em pH 6,0 (FAGRON, 289 pdf). 5.1.3 Ácido salicílico O Ácido Salicílico é um Beta-Hidroxiácido com propriedades queratolíticas e antimicrobianas. Ação hidratante, cuja característica principal é a capacidade de penetração nos poros ajudando na remoção da camada queratinizada, para uso médico, em concentração de 10% para hiperqueratose e até 20% para tratamentos de verrugas e calosidades. Em concentrações de 1 a 5 % tem ação bacteriostática e fungicida (PEREIRA, 2013 pág.427). 6 CONSIDERAÇÕES FINAIS O tema fissura plantar e o uso de dermocosméticos como forma de tratamento, foi abordado em função de ser um assunto pouco explorado. Houve um desafio em busca de material bibliográfico, mas foi feito um levantamento também em bancos de dados online. É comum acontecer ressecamento e desidratação nos pés, principalmente na região calcânea. Porém a falta de cuidados agrava a situação, podendo cooperar para proliferação de bactérias e fungos. A fissura plantar é considerada uma lesão dermatológica, provém de um simples ressecamento e vai aprofundando-se, podendo chegar até a derme, sangrar e causar sérias consequências, por exemplo: em um pé diabético, devido a dificuldade na cicatrização. A sugestão dos ativos uréia, alantoína e ácido salicílico, vem como forma de prevenção e tratamento, dentre outros, porque têm ação hidratante, emoliente, umectante, cicatrizante, e queratolítico, bacteriostático e fungicida. Podendo ser usados isoladamente ou associados, dependendo do caso. O profissional esteticista pode atuar intervindo com tratamentos preventivos, usando protocolos de limpeza de pele seguindo o mesmo passo-a-passo, e organizando os próprios protocolos dependendo da situação, essa prática já é muito utilizada em salões de beleza, porém em forma de spa. O termo vem do latim e significa saúde pelas
  • 19. 18 águas. O spa como é oferecido em vários salões de beleza por algumas profissionais manicures é entendido como forma de relaxamento e nem sempre sabem especificar detalhadamente o verdadeiro objetivo de um spa como forma de prevenção e tratamento para ressecamento e fissura. A esteticista pode ampliar seus conhecimentos cosmetológicos elaborando seus próprios protocolos. O uso dos ativos até 5% é permitido para cabines estéticas e econtra-se de forma industrializada. Acima de 5% é prescrito por médicos dermatologistas e pode ser manipulados em farmácias homeopáticas.
  • 20. 19 REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA GOMES, R Rosaline; DAMAZIO, G Marlene. Cosmetologia: Descomplicando os Princípios Ativos. 3. ed. São Paulo: LPM, 2009. HARRIS, Maria Inês Nogueira de Camargo. Pele: estruturas, propriedades envelhecimento: colaboração:Maria Edwirges Hoffman e Adriane Cruvinel - Ed. São Paulo, Senac, 2003. SOUZA, Valéria. Ativos Dermatológicos. Vol.1. São Paulo: Tecno Press. 2003. PEREIRA, M. F. L. Cosmetologia. 1 ed. São Caetano do Sul. Difusão. 2014. COUTINHO, Cleusa. Fissura Plantar. Disponível em: <(http://cleusacoutinho- podologia.blogspot.com/2010/09/fissura-plantar.html)>, acesso em 05/10/2015 (03:19). Farmacopeia Brasileira, ANVISA: Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Brasília, 2010.disponível em (http://www.anvisa.gov.br/hotsite/cd_farmacopeia/pdf/volume1%2020110216.pdf). PEREIRA, Maria de Fátima Lima. Cosmetologia, 1. ed.- São Caetano do Sul, SP: Difusão Editora, 2013. (série curso de estética). LIMA, Roberto Barbosa, Dermatologia. A Pele. Disponível em: (http://www.dermatologia.net/a-pele/) acesso em: 25/10/2015. Disponível em: <http://googleweblight.com/?lite_url=http://doutissima.com.br/2014/06/25/rachaduras-pes- conhecas-causas-e-tratamentos-do-problema> acesso em 31/10/2015 (23:51). Disponível em: < http://www.sbd.org.br/doencas/dermatite-de-contato/> acesso em: 25/10/2015 (00:25). MORAIS, Alisson Costa De disponível em: <http://alergodermatologia.blogspot.com.br/2008/06/disidrose-eczema-disidrtico.html> acesso em 31/10/2015. Dermatoly Information Sistem disponível em: <http://www.dermis.net/dermisroot/pt/15678/diagnose.htm> acesso em: 01/ 11/2015. Psoríase Brasil disponível em: http://www.psoriase.org.br/o-que-e/ acesso em: 01/11/2015. JUNIOR, Orlando Mandella 19/09/2015 disponível em: <http://podologiabr.com/detalhes.asp?cod=52> acesso em 01/11/2015. LOPES, Cristina (28/03/2007) <http://cabeleireiros.com/noticias/especialista-da-dicas-para- tratar-fissuras-nos-pes> acesso em 02/11/2015. GONZALES, Maria Cristina, 22/09/2013 disponível em: <http://podologacristina.blogspot.com.br/2013_09_01_archive.html>acesso em 03/11/2015. MORAIS, Alisson Costa de <http://alergodermatologia.blogspot.com.br/2009/05/tinea- corporis-infeccao-fungica-do.html> acesso em 03/11/2015.
  • 21. 20 Psoriase, disponível em: <http://www.medicinanet.com.br/m/conteudos/acp-medicine/5738/psoriase.htm> acesso em: 03/11/2015. LEIE, Ricardo (2003). O sistema tegumentar. Disponível em: < http://www.dietmed.pt/images/boletins/boletimpt_9.pdf>. Acesso em: 11 de nov. 2015. ABC.MED.BR, 2001, disponível em: <http://www.abc.med.br/p/pelesaudavel/504094/cicatrizacao+e+cicatrizes+quais+sao+as+fas es+da+cicatrizacao+como+as+cicatrizes+sao+formadas+quais+os+cuidados+que+devemos+t er+com+elas.htm>Acesso em 12/11/2015. Mandelbaum, Samuel Henrique, Santis Érico Pampado Di, Maria Helena Sant'Ana Mandelbaum, cicatrização conceitos atuais e recursos atuais: disponível em<http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0365- 05962003000400002&lng=pt&nrm=iso&userID=-2> acesso em 12/11/2015. PEREIRA, Maria de Fátima Lima, cosmetologia/1. Ed.- São Caetano do Sul,SP: difusão Editora, 2013.- série curso de estética. Disponível em: < http://www.portaleducacao.com.br/fisioterapia/artigos/40850/alantoina-o- que-e > 2013 acesso em 12/11/2015. CADEC disponível em: http://portal.anvisa.gov.br/wps/portal/anvisa/anvisa/home/cosmeticos/!ut/p/c4/04_SB8K8xLL M9MSSzPy8xBz9CP0os3hnd0cPE3MfAwMDMydnA093Uz8z00B_A3cvU_2CbEd.acesso em 22/11/2015. (12:40.) FAGRON Alantoína, disponível em: <http://cdn.fagron.com.br/doc_prod/docs_3/doc_289.pdf> 20/11/20015. (22:15)