A pequena lagarta vê passar
O Outono sem pressa
De se tornar borboleta

(Matsuo Bashô)
Vento de Outono —
até as pedras do Monte Assama
voam
(Matsuo Bashô)
Cai uma castanha...
Calam-se de súbito os insetos
entre as ervas.
(Matsuo Bashô)
Trevos roxos ondulam
Sem deixar cair
Uma só gota de orvalho.
(Matsuo Bashô)
Na escuridão do mar
Brancos gritos
De gaivota

(Matsuo Bashô)
Acabou-se o óleo da lamparina
Mas eis a Lua
Que entra pela janela

(Matsuo Bashô)
Outono
Empoleirado num ramo seco
Um corvo
(Matsuo Bashô)
Admirável aquele
Cuja vida é um contínuo
Relâmpago

(Matsuo Bashô)
Feliz Outono

Estes poemas foram selecionados da obra "O Gosto Solitário do Orvalho" de
Matsuo Bashô, Editora Assírio e Al...
O outono
O outono
O outono
O outono
O outono
O outono
O outono
O outono
O outono
O outono
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

O outono

1.039 visualizações

Publicada em

  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

O outono

  1. 1. A pequena lagarta vê passar O Outono sem pressa De se tornar borboleta (Matsuo Bashô)
  2. 2. Vento de Outono — até as pedras do Monte Assama voam (Matsuo Bashô)
  3. 3. Cai uma castanha... Calam-se de súbito os insetos entre as ervas. (Matsuo Bashô)
  4. 4. Trevos roxos ondulam Sem deixar cair Uma só gota de orvalho. (Matsuo Bashô)
  5. 5. Na escuridão do mar Brancos gritos De gaivota (Matsuo Bashô)
  6. 6. Acabou-se o óleo da lamparina Mas eis a Lua Que entra pela janela (Matsuo Bashô)
  7. 7. Outono Empoleirado num ramo seco Um corvo (Matsuo Bashô)
  8. 8. Admirável aquele Cuja vida é um contínuo Relâmpago (Matsuo Bashô)
  9. 9. Feliz Outono Estes poemas foram selecionados da obra "O Gosto Solitário do Orvalho" de Matsuo Bashô, Editora Assírio e Alvim.

×