Os sentidos da comunicação

1.061 visualizações

Publicada em

Os sentidos da comunicação

  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Os sentidos da comunicação

  1. 1. Os sentidos da comunicação Profa. Dra. Rosane Borges Universidade Estadual de Londrina (UEL) – PR Aparecida – SP Julho de 2012
  2. 2. PARA INICIARMOSO termo comunicação recobre um conjuntoamplo e heterogêneo de perspectivas e noções.Qual o sentido da comunicação que nosinteressa e nos orienta?
  3. 3. Relação IndissociávelA informação e a comunicação são inseparáveis da história da emancipação do homem. Foi por meio da liberdade de informação que o conhecimento do mundo e o espírito crítico desenvolveram-se. Foi graças à comunicação que a igualdade entre os indivíduos e a legitimidade do diálogo se impuseram. São as duas faces da grande questão da emancipação. Serão salvas ou perdidas juntas.
  4. 4. Comunicação # Informação•Século XIX caracterizou-se pela revolução da informação com aconquista das liberdades essenciais. O século XX foi marcado pelavitória da informação e da tecnologia graças ao fenômeno dacomunicação ao alcance de todos. O século XXI será da convivência nosentido da geração de condições para a coabitação possível entrepontos de vista diferentes, num mundo cada vez menor onde osindivíduos sabem tudo e do qual não se pode escapar.•Precisamos repensar a comunicação no momento do triunfo dainformação e das tecnologias que a acompanham.Repensando conceitos eterritórios
  5. 5.  Repensar o estatuto da comunicação sob o signo das três rupturas acontecidas em 50 anos: a vitória da informação, o triunfo das tecnologias, com a integraçãoDesafios da Pascom das telecomunicações, da informática e do audiovisual; e a globalização.  Tirar a informação e a comunicação do império da tecnologia, que acaba por frear a reflexão sobre a comunicação na medida em que a performance das ferramentas apaga ou encobre os fracassos inevitáveis da comunicação humana e social. Pensar a passagem da informação à comunicação significa “destecnologizar” a comunicação, recolocando a técnica do seu devido lugar.
  6. 6. Desafios da Pascom Perpetuar, num mundo saturado de informação, de comunicação e de tecnologia, o valor da emancipação, que sempre as regeu desde o século XVI. É preciso impedir que a informação e a comunicação, até ontem fatores de aproximação, tornem-se aceleradores de incompreensão e de ódio justamente por serem visíveis todas as diferenças e toda alteridade.
  7. 7. Vínculo - Relação A revolução do século XXI não é a da informação, mas a da comunicação. Não é a da mensagem, mas a da relação. Não é a da produção e da distribuição da informação por meio de tecnologias sofisticadas, mas a das condições de sua aceitação ou de sua recusa pelos milhões de pessoas, todas sempre diferentes e raramente em sintonia com os produtores.
  8. 8. Fundamentos Os fundamentos teóricos da comunicação à luz da Pastoral da Comunicação: a Pastoral da Comunicação deve estar afinada com as reflexões e teorias da comunicação, pensando, primordialmente, nas orientações e documentos da Igreja. É fundamental que as ações da Pascom seja suportadas por fundamentos teóricos e éticos que orientem o agente de pastoral a ser um gestor importante dos processos comunicativos na comunidade;
  9. 9. Orientações teóricas Como conviver pacificamente num universo onde todo mundo vê tudo e sabe tudo e onde as diferenças são mais visíveis e menos negociáveis?A comunicação envolve três dimensões: tecnológica, cultural e econômica – base reflexiva e teórica Pensar a comunicação a partir dessas dimensões possibilita pensar globalmente nos eventos comunicativos contemporâneos. Uma teoria da comunicação deve, portanto, firmar-se na busca de convivência, uma convite à experiência e à tolerância.
  10. 10.  O bios midiático, essa intervenção da tecnologia do ver e da tecnologia do sentir na vida nua, na vida crua dos indivíduos, obriga a todos nós, agentes de comunicação e de pastorais, aUm imperativo repensarmos na forma de vida que estamos ingressando, não apenas como forma de vida afetada por invenções tecnológicas que vão se acumulando e que nos usamos comodamente. É preciso pensar na radicalidade desse uso da técnica. É preciso pensarmos com coração nesse novo modo de compreensão e ação do mundo que se insinua junto com a emergência do bios midiático
  11. 11. Noção radical de vínculo Se a comunicação é vínculo, é quando nos juntamos ao outro, é quando olhamos para o outro, que nós fazemos a diferença. E só uma coisa pode dar nome bom para essa junção, é o amor. Segundo o filósofo Karl Jaspers a comunicação é, nesse sentido, emancipatória quando ela não é apenas um dispositivo técnico, ou meios técnicos de colocar produtos, mas quando ela é uma dolorosa e recíproca interrogação sobre si mesma e sobre o outro.

×