SlideShare uma empresa Scribd logo

Informativo das CEBs - julho 2010

Informativo das CEBs - julho 2010

1 de 8
Baixar para ler offline
CEBs - Informação e Formação para animadores                                           1



                               Lá vem o Trem das CEBs...
                               Formação e Informação para animadores
                         Diocese de São José dos Campos - SP - Informativo das CEBs - Ano VI - Julho de 2010 - Nº 58




                                                                                                                                                Foto: Bernadete Mota
         CEBs do Estado de São Paulo realizam encontro de
          Assessores na Diocese de São José dos Campos
                                               Vem aí a barraca das CEBs                                             :: Índice ::
                                                                                                      Página 02 - Palavra do Assessor
                                                na 21ª Festa nas Colinas
Foto: Maria Matsutacke




                                                                                                      Página 03 - Identidade das CEBs
                                               A Diocese de São José dos Campos se prepara para       Página 04 - A Bíblia nos Interpela
                                               a 21ª FESTA NAS COLINAS, que será realizada no dia
                                              15 de agosto, domingo, das 9 às 21 horas, no pátio da   Página 06 - Formação Paróquia como
                                                                                                                  Rede de Comunidades
                                              Paróquia Coração de Jesus, no Bosque dos Eucaliptos,
                                                       Zona Sul de São José dos Campos.               Página 07 - Memória da Caminhada
                                                                                                      Página 08 - Aconteceu/Irá Acontecer
2                                                             CEBs - Informação e Formação para animadores

                                                                   Palavra do Assessor
                                                                                                                                                Foto: Bernadete Mota

                                             Brasil Verde e Amarelo: Pão e Circo?
   Estimado(a) animador(a) das           copa e estou torcendo para que o           estamos em época de eleições,
Comunidades, olá!                        Brasil conquiste o hexa, mas não           algo que devemos nos preocupar
    Estamos vivendo uma época de         podemos nos deixar enganar com             para que nosso voto consciente e
festa e emoções: a Copa do Mun-          a história política e social que nos       responsável seja uma “arma” para
do. Em todo lugar vemos verde e          rodeia, que faz parte de nós. Na           vencer toda injustiça e uma política
amarelo, e com razão. Nós, como          Roma Antiga tivemos a expressão            que gera morte, não defende bem e
povo brasileiro, somos festivo,          “Pão e circo”, que levava o povo           não promove o povo sobretudo os
alegre, otimista, pra frente... Aqui     a ficar sem pensar e agir, confor-         menos favorecidos. Vejo que, em
mesmo, aonde moro, no Campo              mados com aquilo que a política            se tratando de política e eleições,
dos Alemães e bairros vizinhos (em       oferecia: o que comer e beber e            nosso povo, de modo geral, não se
São José dos Campos) temos uma           alegria demasiada. Este “pão e cir-        interessa. É por isso que não culti-
população que faz muita festa.           co” era (e é) para enganar o povo,         vamos muito bem o potencial que
Ruas lotadas a qualquer hora do          como se tudo estivesse bem, sem            nosso País possui. Poucos mandam
dia, muitas crianças brincando e         problemas, fazendo esquecer as             e nos deixamos ser mandados por
pessoas conversando e passeando          dificuldades ou conformar-se com           estes poucos.                                                  Felicidades!
pelas ruas... E isso é muito bom! É      elas. Muito há que vivermos e fa-             Meu convite? Alegrar-nos sem-                                Pe. Ronildo
claro que aqui temos muitos traba-       zermos para construir um País mais         pre com a vida e ficarmos atentos              Assessor Diocesano das CEBs
lhadores...                              justo e solidário.                         às necessidades reais do ser huma-
   Estive vidrado na abertura da             Chamo ainda a atenção, porque          no.

                                                                  Religiosidade Popular
                                                                                                                                               Fotos: Bernadete Mota

                                                    “Nossa Mãezinha Aparecida”
                                         Como explicar a fidelidade de tantas                                                devoção acontece e se torna con-
                                         romarias todos os anos de todos os                                                  creta nos cânticos conhecidos por
                                         lugares deste nosso Brasil à cidade de                                              todos: Maria de Nazaré., Viva a Mãe
                                         Aparecida conhecida ainda por muita                                                 de Deus, Daí-nos a Benção... O padre
                                         gente “Aparecida do Norte ”?                                                        animador vai conduzindo e entre um
                                            Participamos de romarias há mui-                                                 cântico e outro reza-se a Ave Maria e
                                         to tempo, a última dia 27 de abril                                                  se dão vivas. É uma resposta só, e to-
                                         pelas CEBs. Logo após a a celebração                                                dos numa só voz respondem “Viva”,
                                         eucarística, resolvemos ir à Basílica                                               mas não é um viva qualquer é um
                                         antiga, e lá fomos pela passarela com                                               VIVA que vem do coração quando ex-
                                         aquele mundaréu de devotos de Nos-                                                  travasa todo aquele sentimento que
                                         sa Senhora, várias pessoas de joelhos                                               muitas vezes está represado aguar-
                                         na passarela pagando suas promes-                                                   dando o momento de ser liberado. E
                                         sas, e o que nos chamou a atenção                                                   lá vamos todos agora por outra por-
   “ Nossa Mãezinha Aparecida “          é que a maioria eram jovens, o que                                                  ta, a da saída para sermos aspergidos
                                         nos leva a crer que a devoção con-         lizado e tecnologicamente intenso        por dois seminaristas, a água benta
   A devoção popular ou religiosida-                                                em que vivemos, ainda percebemos
de popular, tem uma forte presença       tinua muito forte, sendo assumida                                                   molha o corpo e lava a alma, percebe-
                                         também pelas novas gerações.               gestos simples, nas mãos maquetes        se isto na reação das pessoas como
na nossa Igreja, desde o Brasil Colô-                                               de casas, fotos da família, a reverên-
nia entrando pelo século XX, sobre-         O respeito pelo sagrado permane-                                                 algo esperado e que completa a ca-
                                         ce e o que nos chama a atenção até         cia ao sagrado, tirar o chapéu como      minhada. Finalmente lá vamos nós ,
viveu ao Concilio Vaticano II e agora                                               gesto de saudação, permanecer por
em pleno século XXI, mantém-se viva      para as coisas que no mundo globa-                                                  para fazer a viagem de retorno certos
                                                                                    longo tempo em filas imensas para        da missão cumprida.
nas romarias, rezas de terço, novenas                                               passar em frente à imagem e poder
para os santos padroeiros, tridos, la-                                                                                           Este jeito de expressar a fé, de-
                                                                                    dizer “Mãe estou aqui, obrigado por      monstra o quanto é preciso que a
dainhas etc... Esta fé informal mistu-                                              tudo” e nos olhos um choro inconti-
rada ao formal continua arraigada no                                                                                         Igreja olhe com mais carinho por todo
                                                                                    do revelam o quanto Nossa Senhora        este povo que mantém viva a sua de-
meio do povo.                                                                       se faz presente no coração de todos.
   Queremos nos ater às romarias                                                                                             voção a Nossa Senhora e a seus San-
                                                                                    É emoção pura a visita à sala dos mi-    tos padroeiros , nos grotões e perife-
em Aparecida, que vale uma reflexão                                                 lagres para constatar com os próprios
porque mexe com a cabeça da gente,                                                                                           rias deste nosso Brasil.
                                                                                    olhos quantos e quantas foram aten-
como se explica a visitação a este lu-                                              didos em suas preces.
gar de milhares de pessoas de todas                                                                                                                 Luiz Marinho
                                                                                         Na Basílica Velha presenciamos                   Equipe de Comunicação
as camadas sociais, com forte predo-                                                depois de entrarmos com muita di-
minância das pessoas mais pobres?                                                                                                                        das CEBs
                                                                                    ficuldade em seu interior, como esta
CEBs - Informação e Formação para animadores                                                                     3
                                                                  Identidade das CEBs
                                                                                                                                                      Foto: Bernadete Mota



                                                CEBs Justiça e Profecia na Cidade
                                                                                    construtora da Justiça e como voz pro-        é pontual o protagonismo dos (as)
                                                                                    fética de denúncia a todo sistema que         leigos (as), a formação dos discípulos
                                                                                    gera morte-exclusão e de anúncio do           (as) missionários (as), a ministerialida-
                                                                                    Reino onde a ternura, a solidariedade,        de, a vivência martirial, o ecumenis-
                                                                                    a inclusão, a defesa da vida e do meio        mo, o compromisso do cuidado com a
                                                                                    ambiente são sinais do mundo que              vida dos seres humanos e com todas
                                                                                    queremos e sonhamos.                          as formas de vida.
                                                                                        Fomos interpelados a planejar nos-            As CEBs são redes de comunidades
                                                                                    sas ações com estratégias para que a          que na escuta da Palavra de Deus, nas
                                                                                    nossa ação missionária seja eficaz. No        relações mais fraternas, vão assumin-
                                                                                    caminhar do encontro aprofundamos             do o compromisso de transformação
                                                                                    o Documento da CNBB sobre as CEBs             da sociedade. Desafios não nos faltam
                                                                                    o qual reafirma que elas são dom para         neste momento nos quais vivemos a
                                                                                    a Igreja no Brasil, sinal de esperança        mudança de época, para tanto se faz
                                                                                    deste novo modo de ser Igreja. São            mais do que necessário, que as CEBs
                                                                                    fermento de renovação em nossa so-            inspiradas na vivência das primeiras
                                                                                    ciedade e sinal de vitalidade da Igreja.      comunidades sejam ação evangeliza-
                                                                                        Nas CEBs, a fidelidade ao segui-          dora no campo e na cidade.
   Na ternura e na Profecia estivemos    19 e 20 de Junho de 2010, na Diocese       mento a Jesus de Nazaré, a partilha da
reunidos e reunidas em 33 assessores     de São José dos Campos.                    Eucaristia, a liturgia, a diaconia, a Pala-          Pe. Felix Manoel dos Santos, fc
e assessoras de vários cantos do esta-       Diante de tantos clamores e desa-      vra de Deus são fundantes para o seu                      Liz Mari da Silva Marques
do de São Paulo, para o 2º. Encontro     fios da cidade fomos convidados (as) a     caminhar e seu compromisso na prá-                     Colegiada Estadual das CEBs
de Assessores (as) das CEBs nos dias     refletir sobre a missão das CEBs como      tica da Justiça e da profecia. Nas CEBs

                                                                  Espaço do Animador
                                                                                                                                                     Fotos: Bernadete Mota


                  Festa do Jubileu de Prata da Paróquia Coração de Jesus - Bosque




    Foi uma grande festa em que          bingos e como sempre com grande            evangelizando e construindo comu-             rais e movimentos que se doaram a
toda a comunidade paroquial par-         participação, sorteio de um auto-          nidades”, muita gente compareceu,             serviço da Igreja e na construção do
ticipou. Momento esperado por to-        móvel Gol zero km e mais nove prê-         ganhou de lembrança uma caneca                Reino de Deus.
dos que se colocaram a serviço para      mios, com a renda destinada para a         registrando o Jubileu, bolo, refrige-             A História continua a ser escrita
que tudo pudesse acontecer. Com o        nossa Casa de Retiros. Shows, entre        rante e por fim, assistiram a uma             por estas e outras pessoas que ao
tema: “NO ANO SACERDOTAL, COM            eles, Pe. Zezinho que nos visitou e        linda queima de fogos. E, dia 19 de           longo destes 25 anos transformaram
O CORAÇÃO DE JESUS, PROCLAMA-            fez acontecer um belo momento de           junho, aconteceu o baile de aniver-           sonhos em gestos concretos e conti-
MOS O TEMPO DA GRAÇA EM NOS-             evangelização, com seus cânticos           sário no Luso Brasileiro aguardado            nuarão sonhando e realizando. Que
SA PARÓQUIA”, aprofundado na tre-        proféticos que nos levaram a fazer         por todos e que sem dúvida coroou             o Coração de Jesus continue aco-
zena tendo a participação de padres      reflexão. Tivemos ainda a participa-       este nosso Jubileu.                           lhendo a todos e abençoando nos-
que já serviram a esta comunidade        ção de milhares de pessoas de várias           Agradecemos aos Pe. Rogério               sas famílias.
e de nossa região pastoral, também       paróquias demonstrando muita ale-          Felix e Pe. Alexsandro, e a todos os
contamos com a presença na aber-         gria, o que nos deixou imensamente         padres que contribuíram para que                                    Luiz Marinho
tura de Dom Euzébio e no encerra-        felizes.                                   nossa comunidade do Coração Jesus                          Coordenador Paroquial
mento com Dom Moacir.                        No dia 16, missa em Ação de            pudesse chegar até aqui, e a todos                      Paróquia Coração de Jesus
    Tivemos quermesses, almoço,          Graças pelo aniversário “25 anos           os animadores e animadoras, pasto-
4                                                                                                         CEBs - Informação e Formação para animadores

                                                                                                             A Bíblia nos Interpela
    Carlos Mesters
    Francisco Orofino                  Formação: Leitura Popular da Bíblia
               2ª PARTE:                                                            Na América Latina, nos anos 60 e 70,          novada, através do uso da Bíblia na língua      no meio dos pobres e surgiram as Comu-
          UM POUCO DE HISTÓRIA                                                  o compromisso político de muitos cristãos         vernácula, trouxe uma aproximação maior         nidades Eclesiais de Base. De fato, naque-
                                                                                repercutiu e continua repercutindo pro-           da Bíblia com o povo.                           la situação de perseguição e de controle
    Tudo isso que hoje está acontecen-                                          fundamente na maneira de se ler e de se               2 - O trabalho pioneiro do biblista frei    ideológico, as igrejas surgiram como um
do nas Comunidades Eclesiais de Base                                            interpretar a Bíblia. A desumanidade das          João José Pedreira de Castro, OFM. Na-          possível espaço de articulação da oposi-
tem uma história vinda de longe. Muitos                                         ditaduras militares, algumas delas feitas         queles anos 50, ele captou os Sinais dos        ção, onde se podia ainda trabalhar com
fatores contribuíram para que se chegas-                                        com apoio velado de autoridades ecle-             Tempos e sentiu a necessidade de provo-         certa liberdade. Por isso mesmo, elas so-
se a esse tipo de leitura da Bíblia. Desta-                                     siásticas ou em nome da assim chamada             car uma aproximação maior entre a Bíblia        freram e foram vítimas da repressão po-
caremos três fatores que não podem ser                                          tradição cristã, provocou e despertou as          e o povo. Em vista disso traduziu a Bíblia      lítica. Basta lembrar os nomes de Dom
ignorados para se entender a atual con-                                         pessoas mais conscientes para uma nova            de Maredsous para o português, hoje com         Helder Câmara, Dom Pedro Casaldáliga,
juntura. Há um quarto fator que não pode                                        leitura da Bíblia em defesa da vida. Uma          mais de 150 edições sucessivas, conhecida       padre Henrique, Santo Dias, Margarida
ser avaliado nem verificado. Em seguida,                                        leitura mais libertadora e mais ecumênica,        como Bíblia da Ave Maria.                       Alves e tantas outras lideranças, religiosas
veremos as três etapas que marcaram e                                           impedindo que a Palavra de Deus fosse                  3 - O trabalho da LEB, Liga dos Estudos    e leigas, perseguidas, presas, torturadas e
continuam marcando este processo histó-                                         manipulada para legitimar a opressão e a          Bíblicos. Seus membros chegaram a fazer         assassinadas.
rico da leitura popular da Bíblia.                                              exploração do povo.                               uma tradução da Bíblia diretamente dos               A partir dessa necessidade de um
                                                                                                                                  textos originais, atualmente publicadas         trabalho pastoral mais respeitoso e mais
               TRÊS FATORES                                                         2. A renovação das Igrejas leva a um          pela         Editora Loyola. Os membros da      capilar, foram surgindo em toda parte os
    1. Uma nova maneira de se ver a reve-                                       interesse renovado pela Bíblia                    LEB têm, além disso, o mérito de terem in-      assim chamados Círculos Bíblicos. O méto-
lação de Deus e a Bíblia                                                                                                          centivado a realização de semanas bíblicas      do usado nos Círculos Bíblicos, como que
                                                                                  A partir do terremoto das duas guerras          em todo canto.                                  naturalmente, levava em, de um lado, a
    As grandes mudanças produzidas na                                           mundiais, 1914 a 1918 e 1939 a 1945, a                4 - A entrada das igrejas evangélicas de    experiência adquirida nos grupos de Ação
humanidade a partir dos séculos XIX e                                                                                                                  missão no Brasil na pri-   Católica com o seu método Ver - Julgar -
XX levaram os cristãos das várias igrejas a                                                                                                            meira metade do sécu-      Agir e os ensinamentos de Paulo Freire so-
olhar a realidade e a Bíblia com um olhar                                                                                                              lo XX, vindas, sobretu-    bre a pedagogia do oprimido e, de outro
diferente. Por exemplo, na Alemanha, a                                                                                                                 do dos Estados Unidos,     lado, a tradição dos próprios evangelhos.
experiência de R. Bultmann nas trincheiras                                                                                                             divulgou e intensificou    Ou seja, a maneira de se ler a Bíblia nas
como capelão militar, durante a primeira                                                                                                               a leitura da Bíblia. Sua   Comunidades Eclesiais de Base imitava de
                                               Foto: Pedro Henrique Luvizotto




guerra mundial, 1914 a 1918, levou-o a                                                                                                                 ação evangelizadora        perto o método sugerido pelo Evangelho
uma nova abordagem da Bíblia que in-                                                                                                                   contribuiu para que,       de Lucas na descrição da caminhada dos
fluenciou a *exegese bíblica do século XX                                                                                                              na igreja católica, mui-   discípulos de Emaús, onde o próprio Jesus
em praticamente todas as Igrejas.                                                                                                                      ta gente despertasse       aparece interpretando a Escritura para
    Na Bélgica a crise entre as duas guerras                                                                                                           para a importância         os seus amigos (Lc 24,13-35). O processo
e a convivência com os operários levaram                                                                                                               da Palavra de Deus.        de interpretação seguido por Jesus tem
o padre J. Cardijn a criar o método Ver-                                                                                                               Inicialmente, era um       os mesmos três passos que caracterizam
Julgar- Agir que influenciou os vários se-                                                                                                             despertar reacionário      também o método adotado pelos pobres
tores da Ação Católica e trouxe uma nova                                                                                                               de defesa contra o que     nos Círculos Bíblicos das Comunidades
maneira de se considerar e experimentar                                                                                                                alguns chamavam de         Eclesiais de Base.
a ação reveladora de Deus na história. An-                                                                                                             “ameaça protestante”.           1º Passo: partir da realidade (Lc 24,13-
tes de se procurar saber o que Deus falou                                                                                                              Pouco a pouco, porém,      24) Jesus encontra os dois amigos numa si-
no passado, procura-se Ver a situação do                                                                                                               acabou sendo vista         tuação de medo e dispersão, de descrença
povo hoje, os seus problemas. Em segui-                                                                                                                como uma das maiores       e desespero. Eles estavam fugindo. As for-
da, com a ajuda de textos da Bíblia e da                                        maioria das igrejas entrou num processo           graças de Deus.                                 ças de morte, a cruz, tinham matado neles
tradição das igrejas, procura-se Julgar esta                                    de conversão e de mudança. As circuns-                                                            a esperança. Jesus se aproxima e caminha
situação. Isto faz com que, aos poucos, a                                       tâncias novas em que se encontrava a                  3. A situação do povo, o golpe militar      com eles, escuta a conversa e pergunta:
fala de Deus já não vem só da Bíblia, mas                                       humanidade deixaram claro que era ne-             e o surgimento dos círculos bíblicos            “De que estão falando?” A ideologia do-
também e, sobretudo dos próprios fatos                                          cessária uma releitura das coisas da fé em                                                        minante impedia-os de enxergar e de ter
iluminados pela Bíblia e pela tradição. E                                       vista da nova experiência de Deus e da                A situação do povo era (e continua          consciência crítica. “Nós esperávamos que
são eles, os fatos, que assim se tornam                                         vida que estava surgindo. Esta mudança            sendo) de abandono, de opressão e de            ele fosse o libertador, mas...” (Lc 24,21).
os transmissores da Palavra e do apelo de                                       ou diferente nas várias igrejas e nos vários      exploração. Por isso, havia todo um traba-           O primeiro passo é este: aproximar-se
Deus e que levam a Agir de maneira nova.                                        países.                                           lho político de conscientização para poder      das pessoas, escutar a realidade, os pro-
Este método ver – julgar - agir teve uma in-                                        Na igreja católica do Brasil, por exem-       provocar uma mudança. Membros dos               blemas; ser capaz de fazer perguntas que
fluência muito grande nos movimentos de                                         plo, o Documento Dei Verbum do Concílio           vários setores da Ação Católica participa-      ajudem a olhar a realidade com um olhar
renovação da igreja católica no Brasil dos                                      Vaticano II e a sua releitura para América        vam ativamente neste trabalho de cons-          mais crítico.
anos 50 e 60, particularmente nos vários                                        Latina através das Assembléias Episcopais         cientização. Chegaram a formar um gru-               2º Passo: usar o texto da Bíblia (Lc
setores da Ação Católica, JOC, JEC, JUC e                                       de Medellin e Puebla consagraram essa             po, Ação Popular, que teve uma atuação          24,25-27) Jesus usa a Bíblia não para dar
JAC. Foi provocando uma mudança na ma-                                          nova maneira de se ver a ação reveladora          política muito importante. Porém, o golpe       uma aula sobre a Bíblia, mas para iluminar
neira de se buscar conhecer a vontade de                                        de Deus de que falamos anteriormente. A           militar de 1964 mostrou, indiretamente,         o problema que fazia sofrer seus dois ami-
Deus e abriu para uma atitude mais ecu-                                         saber, Deus continua falando hoje, dirigin-       que o trabalho de conscientização política      gos e, assim, esclarecer a situação que eles
mênica e menos confessional.                                                    do-nos a sua Palavra através dos fatos e          junto do povo não tinha sido aquilo que a       estavam vivendo. Com a ajuda da Bíblia,
    Nos Estados Unidos, o engajamento                                           das pessoas, e nós conseguimos descobrir          vanguarda da oposição política imaginava        ele os situa dentro do projeto de Deus e
político de N.K. Gottwald na luta contra                                        esta fala divina com a ajuda da Palavra es-       e esperava. Não houve a reação esperada         mostra que a história não tinha escapado
a guerra no Vietnam teve uma influência                                         crita de Deus na Bíblia.                          do levante popular contra os militares.         da mão de Deus.
profunda na sua maneira de reler e inter-                                           A partir do Concílio Vaticano II, foi cres-   Pelo contrário. Percebeu-se a necessidade            O segundo passo é este: com a ajuda
pretar a origem e a formação do Povo de                                         cendo o interesse do povo católico pela           de um trabalho muito mais capilar e mais        da Bíblia, iluminar a situação e transfor-
Deus. Seus escritos, sobretudo o livro The                                      Bíblia e, através de vários canais, a Bíblia      paciente junto do povo, respeitando me-         mar a cruz, sinal de morte, em sinal de
Tribes of Jahweh, tiveram muita influência                                      foi chegando cada vez mais nas mãos do            lhor a sua religião, a sua cultura e a sua      vida e de esperança. Assim, aquilo que
nos estudiosos da Bíblia no Brasil, princi-                                     povo. Entre muitos outros, convém desta-          caminhada.                                      impedia de enxergar, torna-se agora luz e
palmente na maneira de abordar e inter-                                         car os seguintes canais:                              Assim, a partir da metade dos anos 60,      força na caminhada.
pretar o Êxodo.                                                                     1 - A renovação litúrgica. A liturgia re-     começou um trabalho renovado de base
CEBs - Informação e Formação para animadores                                                                       5
    3º Passo: celebrar e partilhar na co-                            três aspectos da mesma atitude interpre- cas populares, difusão da Bíblia em língua            para ler os livros sobre a Bíblia, os pobres
munidade (Lc 24,28-32)                                               tativa do povo frente à Bíblia. Eles indicam vernácula, cursos, encontros, treinamen-          nas suas comunidades e nos círculos bí-
    A Bíblia, ela por si, não abre os olhos.                         os três objetivos distintos, que estão pre- tos, inúmeros grupos e círculos bíblicos,          blicos começaram a ler a Bíblia a partir do
Mas faz arder o coração! (Lc 24,32). O que                           sentes e misturados, às vezes conflitantes, mês da Bíblia, movimento da Boa Nova:              único critério de que dispunham, a saber,
abre os olhos e faz os dois amigos perce-                            no uso popular da Bíblia.                       tudo isto produziu um fervilhar comunitá-      a sua vida de fé, vivida em comunidade, e
berem a presença de Jesus, é o partir do                                                                             rio muito grande em torno da Palavra de        a sua vida sofrida de povo oprimido. Len-
pão, o gesto comunitário da partilha, a ce-                              1. Conhecer a Bíblia - Instruir             Deus.                                          do assim a Bíblia, descobriam o óbvio que
lebração. No momento em que é reconhe-                                   O processo de conhecer melhor a Bí-             O movimento da renovação litúrgica         não conheciam: uma história de opressão
cido, Jesus desaparece. Pois eles mesmos                             blia começou já no século XIX com o tra- fez com que se multiplicassem e se inten-             igual à que eles mesmos sofriam, uma his-
experimentam a ressurreição, renascem e                              balho renovador dos exegetas da Europa, sificassem as celebrações da Palavra.                  tória de luta pelos mesmos valores que
caminham por si.                                                     tanto evangélico como católicos. As novas           Foram surgindo e crescendo as Comu-        eles perseguem até hoje: terra, justiça,
    O terceiro passo é este: saber criar um                          descobertas trouxeram novos conheci- nidades Eclesiais de Base que por sua vez                 partilha, fraternidade, vida de gente. O re-
ambiente orante de fé e de fraternidade,                             mentos, abriam uma nova janela sobre suscitavam, em todo canto, os círculos bí-                sultado desta prática libertadora foi expli-
onde possa atuar o Espírito que nos faz                              o texto bíblico e sobre o contexto da sua blicos, grupos de reflexão, grupos de evan-          citado na Teologia da Libertação que tenta
entender o sentido das coisas que Jesus                              origem.                                         gelho, grupos de oração. No começo dos         sistematizar a vivência nova que está ocor-
falou. É sobretudo neste ponto da cele-                                  A vontade de conhecer a Bíblia esti- anos 70, temos a iniciativa dos Encontros             rendo nas comunidades.
bração, que a prática das comunidades                                mulou muita gente a uma leitura mais fre- Intereclesiais das Comunidades de Base,                  É o período em que começa a ser acen-
                                                                                                                                                                    tuada a dimensão política da fé. Na Igreja
ajudou a reencontrar o antigo poço da Tra-                           qüente.                                         que foram acontecendo periodicamente           Católica, desde o Concílio Vaticano II e so-
dição para beber da sua água.                                            Na igreja católica, a renovação da exe- e que no ano 2000 celebraram o 10º In-             bretudo desde a conferência episcopal de
                                                                     gese, as encíclicas de Leão XIII, Bento XV tereclesial em Porto Seguro, Bahia, por             Medellin (1968), ocorreu uma evolução
    O resultado: ressuscitar e voltar para                           e Pio XII, as novas traduções da Bíblia e o ocasião da comemoração dos 500 anos                importante. Diante da situação dramática
Jerusalém (Lc 24,33-35)                                              trabalho de divulgação dos exegetas leva- da vinda dos europeus para o Continente              dos índios, criou-se o CIMI (Conselho In-
    Tudo mudou nos dois discípulos. Eles                             ram a Bíblia para mais perto do povo. Além Latino Americano. A dimensão comuni-                digenista Missionário). Diante da situação
mesmos ressuscitam, criam coragem e                                  disso, no Brasil, como já mencionamos, o tária chegou a renovar várias paróquias               cada vez pior dos agricultores, criou-se a
voltam para Jerusalém, onde continuam                                                                                                    que passaram a se          CPT (Comissão Pastoral da Terra). Diante
ativas as forças de morte que mataram Je-                                                                                                organizar como uma         da situação dos operários, criou-se a CPO
sus, mas onde agora se manifestam as for-                                                                                                comunidade de comu-        (Comissão Pastoral dos Operários).
ças de vida na partilha da experiência de                                                                                                nidades.                       Diante da situação dos pescadores,
ressurreição. Coragem, em vez de medo.                                                                                                        Aqui convém cha-      criou-se a CPP (Comissão Pastoral dos Pes-
Retorno, em vez de fuga. Fé, em vez de                                                                                                   mar mencionar o fe-        cadores). São instrumentos novos de pas-
descrença. Esperança, em vez de desespe-                                                                                                 nômeno intrigante da       toral que ajudam estas classes e grupos de
ro. Consciência crítica, em vez de fatalis-                                                                                              evasão em massa dos        pessoas a defenderem melhor sua vida,
                                                Foto: Maria Matustacke




mo frente ao poder. Liberdade, em vez de                                                                                                 fiéis das igrejas tradi-   sua terra, seus direitos, sua identidade.
opressão. Numa palavra: vida, em vez de                                                                                                  cionais para as igrejas        Eles têm em comum o seguinte: surgi-
morte! Em vez da má noticia da morte de                                                                                                  pentecostais, que tem      ram por causa da fé renovada em Jesus e,
Jesus, a Boa Notícia da sua Ressurreição!                                                                                                a ver com a mudança        como Jesus defendem a vida, são ecumê-
    O resultado da leitura da Bíblia deve                                                                                                socioeconômica ha-         nicos, incomodam a sociedade estabeleci-
ser este: experimentar a presença viva de                                                                                                vida nos últimos 50        da, provocam polêmica. Tudo isto revela
Jesus e do seu Espírito, presente no meio                                                                                                anos. Na metade do         a evolução que está ocorrendo na consci-
de nós. É ele que abre os olhos sobre a Bí-                                                                                              século XX, em torno de     ência que as igrejas têm de si mesmas e
blia e sobre a Realidade e leva a partilhar                                                                                              75% da população bra-      da sua missão: lutar pela defesa da vida
a experiência de Ressurreição, como até                                                                                                  sileira vivia no campo,    ameaçada do povo. É neste mesmo perí-
hoje acontece nos encontros comunitá-                                                                                                    área rural. A industria-   odo dos anos 70 que surge o CEBI, o Cen-
rios.                                                                                                                                    lização e o êxodo rural    tro Ecumênico de Estudos Bíblicos para a
                                                                                                                                         produziu um mudança        Pastoral Popular que tem como objetivo
   4. A ação do Espírito Santo                                                                                                           radical. No censo de       articular, explicitar, aprofundar, divulgar e
                                                                     que ajudou a provocar nos católicos um 2001, 82% da população vive na cidade                   legitimar a leitura da Bíblia que o povo vi-
     São estes os três fatores que ajudam                            interesse maior pela Bíblia foi o vigor mis- e somente 18% no campo. Ora, o que an-            nha fazendo nas suas comunidades.
a entender a conjuntura atual. Como dis-                             sionário das igrejas evangélicas de missão. tes parecia impossível, hoje tornou-se um               Aqui devem ser lembrados os márti-
                                                                                                                                                                    res, os testemunhos da fé, essa “nuvem de
semos, há um quarto fator, o mais impor-                                 Foram surgindo, em todo canto, as se- fato normal: antes, a autoridade moral               testemunhas ao nosso redor” (Hb 12,1),
tante de todos, que não pode ser avaliado                            manas bíblicas, cursos bíblicos, escolas e maior que, no Brasil, norteava as consci-           que deram a sua vida pela causa da liber-
nem verificado, mas que atua através de                              escolinhas bíblicas, gincanas e maratonas ências era a Igreja Católica. Nas pequenas           dade, da justiça e da fraternidade. Assim
todos os outros fatores. É a ação do Espíri-                         bíblicas, e tantos outros movimentos e ini- cidades do interior, o vigário exercia um          como o autor da carta aos hebreus faz a
to Santo, que nunca foi pego em flagrante,                           ciativas para divulgar a Bíblia e estimular poder sagrado muito forte. Dificilmente,           memória dos testemunhos da fé (Hb 11,1-
mas que, invisivelmente, atua nesta cami-                            a sua leitura como, por exemplo, o assim o povo tinha coragem de enfrentar ou de               40), a Agenda Latino Americana, cada ano
nhada e a conduz. “Quem tem ouvidos,                                 chamado Mês da Bíblia, que foi celebrado romper com este sistema secular. Hoje,                de novo, faz a memória dos milhares e
ouça o que o Espírito diz às igrejas!” (Ap                           durante mais de 25 anos e continua até em nome de uma experiência comunitá-                    milhares de mártires latino-americanos,
2,7.11,17.29; 3,6.13.22)                                             hoje em muitos lugares, ou o Movimento ria nos grupos pentecostais das periferias              homens e mulheres, leigos e religiosos,
     Assim, a partir dos anos 60 e 70, o povo                        da Boa Nova (MOBON). Este surgiu, inicial- das grandes cidades, milhões de brasilei-           conhecidos e anônimos, que imitaram a
começou a ler a Bíblia. Os Círculos Bíblicos                         mente, como um movimento mais apolo- ros rompem com aquela que antes era a                     Jesus que disse: “Eu vim para que todos te-
tiveram uma expansão muito rápida. Em                                gético de defesa do catolicismo contra a maior autoridade moral. Por mais contra-              nham vida e a tenham em abundância”(Jo
poucos anos se divulgaram em todo o Bra-                             influência crescente das igrejas evangéli- ditório e ambivalente que possa parecer             10,10).
sil. Sinal de que estavam respondendo a                              cas. Atualmente, é um dos movimentos de este fato, ele não deixa de ter um aspecto
uma exigência real. Ninguém sabe quan-                               evangelização libertadores mais difundi- positivo: em nome da Palavra de Deus e                         Fonte: Centro de Estudos Bíblicos
tos são atualmente os Círculos Bíblicos.                             dos que anima mais de 15.000 grupos em de um encontro com Jesus, o povo tem
Só mesmo o Espírito Santo. Eles foram e                              vários Estados do Brasil. Difícil de lembrar coragem de romper e de entrar por cami-
continuam sendo a raiz de um novo modo                               e enumerar todas as iniciativas que a cria- nhos novos que talvez não sejam novos,                Continua no próximo Informativo
de ser igreja.                                                       tividade popular inventou para divulgar a mas que são diferentes e têm uma dimen-                         com a 3ª Parte.
                                                                     leitura e o conhecimento da Bíblia.             são comunitária muito profunda.
       2. TRÊS ETAPAS, TRÊS ASPECTOS                                                                                                                                               Vocabulário:
    No decorrer desses anos todos, foram                                 2. Criar Comunidade - Celebrar                 3. Servir ao povo – Transformar
aparecendo três aspectos da interpreta-                                  Na medida em que a Palavra começava            Sobretudo a partir de 1968, foi dado        *Exegese é a interpretação profunda de
ção popular, aspectos simultâneos, mistu-                            a ser conhecida, ela produzia os seus fru-     um passo a mais. O conhecimento da Bí-          um texto bíblico, jurídico ou literário.
rados entre si. Ao longo dos anos, cada um                           tos.                                           blia e a preocupação comunitária encon-
deles foi tendo o seu momento privilegia-                                O primeiro fruto foi aglutinar as pes-     traram o seu objetivo que é o serviço ao        **Vernáculo é o nome que se dá à língua
do. São como que três etapas. Trata-se dos                           soas e criar comunidade. Semanas bíbli-        povo. Não tendo dinheiro nem tempo              nativa de um país ou de uma localidade.
6                                                              CEBs - Informação e Formação para animadores

                                              Formação Paróquia como Rede de Comunidades
                                                                                 Região Pastoral III e IV
                         Na busca do conhecimento, 150          explorou o tema: “Rede de Comuni-          vídeos que enriqueceram a sua expla-      forma branda e alimentadas com in-
                      animadores da CEBs, participaram da       dades”, em um primeiro momento e           nação e expressaram mensagens cap-        centivo; o entusiasmo deve estar pre-
                      formação regional das regiões III e IV    num segundo momento aplicou uma            tadas por todos: em nossa caminhada       sente em nossa vida de animadores,
                      no dia 30 de maio, na sede da SSVP        dinâmica em grupo à qual todos par-        devemos ser surdos para com os in-        só assim será contagiante. A animação
                      no Jardim Paulista. O encontro foi as-    ticiparam com muito entusiasmo. Em         centivadores negativos: as mudanças       ficou por conta de Serginho e Elcio
                      sessorado por Pe. Ronildo Rosa que        sua didática, Pe. Ronildo fez uso de       devem acontecer paulatinamente, de        que com muita alegria contagiaram a
                                                                                                                                                     todos. A cozinha, Edmar e sua equipe
                                                                                                                                                     do bairro Galo Branco nos serviram
                                                                                                                                                     um delicioso café, visto que a forma-
                                                                                                                                                     ção foi meio período.
Fotos: Pe. Ronildo




                                                                                                                                                          Nossos agradecimentos a todos!

                                                                                                                                                            Maria das Graças Bustamante
                                                                                                                                                            Secretária diocesana das CEBs
                                                                                                                                                               Santuário São Judas Tadeu



                                             Região Pastoral V                                                                Região Pastoral VI e VII
                         A formação da RPV aconteceu no         dade. 2º momento: a sabedoria da co-          Foi reaprender a experiência das          Fomos chamados a viver nosso
                      dia 30/05/2010, assessorada por Ni-       munidade para buscar novos lugares,        CEBs, reencontrar a prática de Jesus e    protagonismo “no Projeto - processo
                      valdo, com o tema: PARÓQUIA EM            quando encontrar dificuldade nos tra-      seu sonho: reconstruir uma Igreja da      mais amplo de uma Igreja dos Pobres”
                      REDE DE COMUNIDADES, na paróquia          balhos de evangelização, não desistir,     misericórdia, que faz descer da cruz os   e contribuir para a construção de no-
                      São José Operário em Jacareí. Estive-     não acomodar ou perder tempo em
                      ram presentes 115 animadores (as)         conflitos, mas ir em frente na busca       crucificados e que se torna co-respon-    vas relações sociais entre as pessoas
                      Coord. da RPV, coord. paroquiais e de     dos campos livres abrindo novos po-        sável na construção de uma solidarie-     e os diferentes grupos humanos, para
                      setores. Tudo começou com a Comuni-       ços. (Gn 26,12-26).                        dade universal sobretudo com os po-       a construção de uma sociedade mais
                      dade São Lucas da paróquia N. Sra. de         O que pudemos sentir que é preci-      bres e excluídos. A procurar descobrir    equilibrada, fraterna e solidária, onde
                      Lourdes, abrindo espaço para que as       so aprofundar o nosso conhecimento,        quem está sendo excluído das comuni-      acontecem as antecipações do Reino.
                      comunidades de nossa região pastoral      continuar sonhando e acreditar que         dades em nossas realidades.                  Fomos chamados a profetizar e
                      pudessem aprofundar este tema.            é em comunidade que encontramos               Fomos chamados a redescoberta          não a “pastoralizar” as comunidades.
                         O encontro teve inicio com a ora-      e levamos o outro também a fazer a
                      ção inicial e o acolhimento de todas      experiência com o nosso Deus que li-       da solidariedade, da compaixão, da
                      as paróquias ali reunidas pedindo ao      berta e salva.                             misericórdia em nosso agir como co-                         Maria Matsutacke
                      Senhor da Vida que nos ajudassem na-          Agradecemos ao Nivaldo que nos         munidade e como rede de comunida-                          Coordenadora RP VI
                      quela manhã a compreender melhor          motivou com o seu jeito simples, pro-      des!
                      o que nós animadores e animadoras         fético e sereno facilitando a nossa
                      comprometidos com o Reino de Deus         reflexão, e também ao Pe. Antonio
                      precisamos para nos motivarmos a le-      - vigário da paróquia Nossa Sra. de
                      var a Boa Nova, descobrir novos luga-     Lourdes que acolheu e participou na
                      res aonde possamos abrir novos poços      partilha do lanche.
                      e mais pessoas tenham oportunidade            Por fim, obrigado a todos que nos
                      de beber de sua água.                     proporcionaram este momento de re-
                         Este é o desafio proposto pelo nos-    flexão. Valeu, foi um grande encontro
                      so assessor, que dividiu o encontro em    que nos deixou cada vez mais com a
                      dois momentos o 1º: Rede de Comuni-       certeza que estamos no caminho cer-
                      dades, solução para a Igreja se inserir   to.
                      na sociedade levando a mensagem de
                      Jesus. Atentar para que a rede não se                            Luiz Marinho
                      desgaste rompendo seus nós por cau-                     Equipe deComunicação
                      sa dos contra valores dentro da socie-                     Diocesana das CEBs




                                                                                                                                                                                               Fotos: Maria Matustacke
Fotos: Luiz Marinho

Recomendados

Informativo das CEBs/ dezembro 2010
Informativo das CEBs/  dezembro 2010Informativo das CEBs/  dezembro 2010
Informativo das CEBs/ dezembro 2010Bernadetecebs .
 
Informativo das CEBs - Diocese de São José dos Campos - SP
Informativo das CEBs - Diocese de São José dos Campos - SPInformativo das CEBs - Diocese de São José dos Campos - SP
Informativo das CEBs - Diocese de São José dos Campos - SPBernadetecebs .
 
Informativo das CEBs, julho 2011
Informativo das CEBs, julho 2011Informativo das CEBs, julho 2011
Informativo das CEBs, julho 2011Bernadetecebs .
 
Jornal Diálogo - Ano I - 3ª Edição Junho/Julho/2012
Jornal Diálogo -  Ano I - 3ª Edição Junho/Julho/2012Jornal Diálogo -  Ano I - 3ª Edição Junho/Julho/2012
Jornal Diálogo - Ano I - 3ª Edição Junho/Julho/2012pascomsantoantonio
 
Informativo das CEBs junho 2010 - nº 57
Informativo das CEBs   junho 2010 - nº 57Informativo das CEBs   junho 2010 - nº 57
Informativo das CEBs junho 2010 - nº 57Bernadetecebs .
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (20)

Informativo São Judas Edição 01 Out_2011
Informativo São Judas Edição 01 Out_2011Informativo São Judas Edição 01 Out_2011
Informativo São Judas Edição 01 Out_2011
 
Boletim Semanal 482
Boletim Semanal 482Boletim Semanal 482
Boletim Semanal 482
 
Boletim 478
Boletim 478Boletim 478
Boletim 478
 
Boletim 257 - 25/09/11
Boletim 257 - 25/09/11Boletim 257 - 25/09/11
Boletim 257 - 25/09/11
 
Informativo Celsai No 08 Mar 2010 Ver02
Informativo Celsai No 08 Mar 2010 Ver02Informativo Celsai No 08 Mar 2010 Ver02
Informativo Celsai No 08 Mar 2010 Ver02
 
Aliança_ed_novembro
Aliança_ed_novembroAliança_ed_novembro
Aliança_ed_novembro
 
Jornal sg mai 2012
Jornal sg mai 2012Jornal sg mai 2012
Jornal sg mai 2012
 
Boletim Semanal 481
Boletim Semanal 481Boletim Semanal 481
Boletim Semanal 481
 
Jornalito fev. 2011
Jornalito fev. 2011Jornalito fev. 2011
Jornalito fev. 2011
 
Jornal sg jun 2012
Jornal sg jun 2012Jornal sg jun 2012
Jornal sg jun 2012
 
Jornal evangelizar outubro de 2011
Jornal evangelizar  outubro de 2011 Jornal evangelizar  outubro de 2011
Jornal evangelizar outubro de 2011
 
Boletim 281 - 15/04/12
Boletim 281 - 15/04/12Boletim 281 - 15/04/12
Boletim 281 - 15/04/12
 
BOLETIM Nº 2
BOLETIM Nº 2BOLETIM Nº 2
BOLETIM Nº 2
 
Para todos maio 2010
Para todos maio 2010Para todos maio 2010
Para todos maio 2010
 
Boletim esperança 26
Boletim esperança 26Boletim esperança 26
Boletim esperança 26
 
Jornal sg nov. 2012
Jornal sg nov. 2012Jornal sg nov. 2012
Jornal sg nov. 2012
 
Jornal sg mar
Jornal sg marJornal sg mar
Jornal sg mar
 
Jornal a "Chama" - Novembro 2009
Jornal a "Chama" - Novembro 2009Jornal a "Chama" - Novembro 2009
Jornal a "Chama" - Novembro 2009
 
Jornal de Fevereiro!
Jornal de Fevereiro!Jornal de Fevereiro!
Jornal de Fevereiro!
 
Boletim 251 - 14/08/11
Boletim 251 - 14/08/11Boletim 251 - 14/08/11
Boletim 251 - 14/08/11
 

Destaque (20)

Mamãenãotemnamorado/Elaine/ColôniasEspirituais
Mamãenãotemnamorado/Elaine/ColôniasEspirituaisMamãenãotemnamorado/Elaine/ColôniasEspirituais
Mamãenãotemnamorado/Elaine/ColôniasEspirituais
 
Despedida Do Curso De QualificaçãO Digital
Despedida Do Curso De QualificaçãO DigitalDespedida Do Curso De QualificaçãO Digital
Despedida Do Curso De QualificaçãO Digital
 
Tutorial Slideshare
Tutorial SlideshareTutorial Slideshare
Tutorial Slideshare
 
Auto control gubernamental
Auto control gubernamentalAuto control gubernamental
Auto control gubernamental
 
O meu ji paraná
O meu ji  paranáO meu ji  paraná
O meu ji paraná
 
Outdoors da Vida
Outdoors da VidaOutdoors da Vida
Outdoors da Vida
 
Personalidad
PersonalidadPersonalidad
Personalidad
 
Revista Vitória - novembro 2012
Revista Vitória - novembro 2012Revista Vitória - novembro 2012
Revista Vitória - novembro 2012
 
O credo de Aparecida
O credo de AparecidaO credo de Aparecida
O credo de Aparecida
 
CCCC01
CCCC01CCCC01
CCCC01
 
CCCC 19
CCCC 19CCCC 19
CCCC 19
 
CCCC 27
CCCC 27 CCCC 27
CCCC 27
 
Treselle Systems - CIO Story Award 2015
Treselle Systems - CIO Story Award 2015Treselle Systems - CIO Story Award 2015
Treselle Systems - CIO Story Award 2015
 
Lana Albano Resume
Lana Albano ResumeLana Albano Resume
Lana Albano Resume
 
3E Showbook
3E Showbook3E Showbook
3E Showbook
 
Pearson y sperman
Pearson y spermanPearson y sperman
Pearson y sperman
 
Conservación de aimentos
Conservación de aimentosConservación de aimentos
Conservación de aimentos
 
Sistemas drocioe impresion nuevo
Sistemas  drocioe impresion  nuevoSistemas  drocioe impresion  nuevo
Sistemas drocioe impresion nuevo
 
Alternativa viable en la solucion del problema del
Alternativa viable en la solucion del problema delAlternativa viable en la solucion del problema del
Alternativa viable en la solucion del problema del
 
TECHCARE GROUP
TECHCARE GROUPTECHCARE GROUP
TECHCARE GROUP
 

Semelhante a Informativo das CEBs - julho 2010

Informativo das CEBs - Diocese de São José dos Campos - SP
Informativo das CEBs - Diocese de São José dos Campos - SPInformativo das CEBs - Diocese de São José dos Campos - SP
Informativo das CEBs - Diocese de São José dos Campos - SPBernadetecebs .
 
Informativo das CEBs - Diocese de São José dos Campos SP
Informativo das CEBs - Diocese de São José dos Campos SPInformativo das CEBs - Diocese de São José dos Campos SP
Informativo das CEBs - Diocese de São José dos Campos SPBernadetecebs .
 
Jornal evangelizar dezembro de 2011
Jornal evangelizar  dezembro de 2011 Jornal evangelizar  dezembro de 2011
Jornal evangelizar dezembro de 2011 Caminhos2012
 
Informativo das CEBs - Outubro 2012
Informativo das CEBs - Outubro 2012Informativo das CEBs - Outubro 2012
Informativo das CEBs - Outubro 2012Bernadetecebs .
 
Agape 13 outubro 2011
Agape 13   outubro 2011Agape 13   outubro 2011
Agape 13 outubro 2011jornalagape
 
Jornal a estação das CEBs
Jornal a estação das CEBsJornal a estação das CEBs
Jornal a estação das CEBsBernadetecebs .
 
Boletim 252 - 24/08/11
Boletim 252 - 24/08/11Boletim 252 - 24/08/11
Boletim 252 - 24/08/11stanaami
 
Informativo das CEBs - setembro 2010
Informativo das CEBs - setembro 2010Informativo das CEBs - setembro 2010
Informativo das CEBs - setembro 2010Bernadetecebs .
 
Jornal das CEBs - Diocese de São josé dos Campos - SP
Jornal das CEBs - Diocese de São josé dos Campos - SPJornal das CEBs - Diocese de São josé dos Campos - SP
Jornal das CEBs - Diocese de São josé dos Campos - SPBernadetecebs .
 
Mensageiro da carioca 1ª edição
Mensageiro da carioca 1ª ediçãoMensageiro da carioca 1ª edição
Mensageiro da carioca 1ª ediçãoRodolfobraga
 
Mensageiro da carioca
Mensageiro da cariocaMensageiro da carioca
Mensageiro da cariocaRodolfobraga
 
Mensageiro da carioca 1ª edição
Mensageiro da carioca 1ª ediçãoMensageiro da carioca 1ª edição
Mensageiro da carioca 1ª ediçãoRodolfobraga
 
Informativo das CEBs - Diocese de São José dos Campos - SP
Informativo das CEBs - Diocese de São José dos Campos - SPInformativo das CEBs - Diocese de São José dos Campos - SP
Informativo das CEBs - Diocese de São José dos Campos - SPBernadetecebs .
 
Boletim 234 27/03/11
Boletim 234 27/03/11Boletim 234 27/03/11
Boletim 234 27/03/11stanaami
 
Informativo Comunidade No 01-2009 Julho-2009
Informativo Comunidade No 01-2009 Julho-2009Informativo Comunidade No 01-2009 Julho-2009
Informativo Comunidade No 01-2009 Julho-2009luteranasantoamaro
 

Semelhante a Informativo das CEBs - julho 2010 (20)

Informativo das CEBs - Diocese de São José dos Campos - SP
Informativo das CEBs - Diocese de São José dos Campos - SPInformativo das CEBs - Diocese de São José dos Campos - SP
Informativo das CEBs - Diocese de São José dos Campos - SP
 
Informativo das CEBs - Diocese de São José dos Campos SP
Informativo das CEBs - Diocese de São José dos Campos SPInformativo das CEBs - Diocese de São José dos Campos SP
Informativo das CEBs - Diocese de São José dos Campos SP
 
Jornal evangelizar dezembro de 2011
Jornal evangelizar  dezembro de 2011 Jornal evangelizar  dezembro de 2011
Jornal evangelizar dezembro de 2011
 
Jornal sg ago 2013
Jornal sg ago 2013Jornal sg ago 2013
Jornal sg ago 2013
 
Informativo das CEBs - Outubro 2012
Informativo das CEBs - Outubro 2012Informativo das CEBs - Outubro 2012
Informativo das CEBs - Outubro 2012
 
Agape 13 outubro 2011
Agape 13   outubro 2011Agape 13   outubro 2011
Agape 13 outubro 2011
 
403
403403
403
 
Partilhando Outubro 2011
Partilhando Outubro 2011Partilhando Outubro 2011
Partilhando Outubro 2011
 
Jornal a estação das CEBs
Jornal a estação das CEBsJornal a estação das CEBs
Jornal a estação das CEBs
 
Boletim 252 - 24/08/11
Boletim 252 - 24/08/11Boletim 252 - 24/08/11
Boletim 252 - 24/08/11
 
Informativo das CEBs - setembro 2010
Informativo das CEBs - setembro 2010Informativo das CEBs - setembro 2010
Informativo das CEBs - setembro 2010
 
Jornal das CEBs - Diocese de São josé dos Campos - SP
Jornal das CEBs - Diocese de São josé dos Campos - SPJornal das CEBs - Diocese de São josé dos Campos - SP
Jornal das CEBs - Diocese de São josé dos Campos - SP
 
Mensageiro da carioca 1ª edição
Mensageiro da carioca 1ª ediçãoMensageiro da carioca 1ª edição
Mensageiro da carioca 1ª edição
 
Mensageiro da carioca
Mensageiro da cariocaMensageiro da carioca
Mensageiro da carioca
 
Mensageiro da carioca 1ª edição
Mensageiro da carioca 1ª ediçãoMensageiro da carioca 1ª edição
Mensageiro da carioca 1ª edição
 
Livreto Páscoa 2013
Livreto Páscoa 2013Livreto Páscoa 2013
Livreto Páscoa 2013
 
Festa da ..
Festa da ..Festa da ..
Festa da ..
 
Informativo das CEBs - Diocese de São José dos Campos - SP
Informativo das CEBs - Diocese de São José dos Campos - SPInformativo das CEBs - Diocese de São José dos Campos - SP
Informativo das CEBs - Diocese de São José dos Campos - SP
 
Boletim 234 27/03/11
Boletim 234 27/03/11Boletim 234 27/03/11
Boletim 234 27/03/11
 
Informativo Comunidade No 01-2009 Julho-2009
Informativo Comunidade No 01-2009 Julho-2009Informativo Comunidade No 01-2009 Julho-2009
Informativo Comunidade No 01-2009 Julho-2009
 

Mais de Bernadetecebs .

Livreto Novena Natal 2021
Livreto Novena Natal 2021Livreto Novena Natal 2021
Livreto Novena Natal 2021Bernadetecebs .
 
Vida Pastoral - março-abril de 2021 – ano 62 – número 338
Vida Pastoral - março-abril de 2021 – ano 62 – número 338Vida Pastoral - março-abril de 2021 – ano 62 – número 338
Vida Pastoral - março-abril de 2021 – ano 62 – número 338Bernadetecebs .
 
A Palavra de Deus na Vida do Povo
A Palavra de Deus na Vida do PovoA Palavra de Deus na Vida do Povo
A Palavra de Deus na Vida do PovoBernadetecebs .
 
Livreto Novena de Natal das CEBs 2018
Livreto Novena de Natal das CEBs  2018Livreto Novena de Natal das CEBs  2018
Livreto Novena de Natal das CEBs 2018Bernadetecebs .
 
livreto Campanha da Fraternidade 2018
livreto Campanha da Fraternidade 2018 livreto Campanha da Fraternidade 2018
livreto Campanha da Fraternidade 2018 Bernadetecebs .
 
Vida pastoral-setembro-outubro
Vida pastoral-setembro-outubroVida pastoral-setembro-outubro
Vida pastoral-setembro-outubroBernadetecebs .
 
Ofício Divino da Romaria - Paróquia N. Sra. do Bonsucesso - Monteiro lobato - SP
Ofício Divino da Romaria - Paróquia N. Sra. do Bonsucesso - Monteiro lobato - SPOfício Divino da Romaria - Paróquia N. Sra. do Bonsucesso - Monteiro lobato - SP
Ofício Divino da Romaria - Paróquia N. Sra. do Bonsucesso - Monteiro lobato - SPBernadetecebs .
 
Campanha da Fraternidade 2017 -
  Campanha da Fraternidade 2017 -    Campanha da Fraternidade 2017 -
Campanha da Fraternidade 2017 - Bernadetecebs .
 
Novena de natal 2016 diocese de são José dos Campos - SP
Novena de natal 2016   diocese de são José dos Campos - SPNovena de natal 2016   diocese de são José dos Campos - SP
Novena de natal 2016 diocese de são José dos Campos - SPBernadetecebs .
 
Novena Missionária 2016
Novena Missionária 2016Novena Missionária 2016
Novena Missionária 2016Bernadetecebs .
 
EXORTAÇÃO APOSTÓLICA PÓS-SINODAL AMORIS LÆTITIA DO SANTO PADRE FRANCISCO
EXORTAÇÃO APOSTÓLICA PÓS-SINODAL AMORIS LÆTITIA DO SANTO PADRE FRANCISCOEXORTAÇÃO APOSTÓLICA PÓS-SINODAL AMORIS LÆTITIA DO SANTO PADRE FRANCISCO
EXORTAÇÃO APOSTÓLICA PÓS-SINODAL AMORIS LÆTITIA DO SANTO PADRE FRANCISCOBernadetecebs .
 
Oração das Missões no setor 01 das CEBs
Oração das Missões no setor 01 das CEBs Oração das Missões no setor 01 das CEBs
Oração das Missões no setor 01 das CEBs Bernadetecebs .
 
Oração das Missões no Setor 26 das CEBs
 Oração das Missões no Setor 26 das CEBs Oração das Missões no Setor 26 das CEBs
Oração das Missões no Setor 26 das CEBsBernadetecebs .
 
Novena de Natal 2015 «MISERICÓRDIA EU QUERO, NÃO SACRIFÍCIOS» (Mt 9,13)
Novena de Natal 2015 «MISERICÓRDIA EU QUERO, NÃO SACRIFÍCIOS» (Mt 9,13)Novena de Natal 2015 «MISERICÓRDIA EU QUERO, NÃO SACRIFÍCIOS» (Mt 9,13)
Novena de Natal 2015 «MISERICÓRDIA EU QUERO, NÃO SACRIFÍCIOS» (Mt 9,13)Bernadetecebs .
 
Novena de Natal 2015 - diocese de Jundiaí
Novena de Natal 2015 - diocese de JundiaíNovena de Natal 2015 - diocese de Jundiaí
Novena de Natal 2015 - diocese de JundiaíBernadetecebs .
 
Ser acolhedor como_jesus_cristo
Ser acolhedor como_jesus_cristoSer acolhedor como_jesus_cristo
Ser acolhedor como_jesus_cristoBernadetecebs .
 
Novena de Natal 2015 CEBs - Diocese de São josé dos Campos - SP
Novena de Natal 2015 CEBs - Diocese de São josé dos Campos - SPNovena de Natal 2015 CEBs - Diocese de São josé dos Campos - SP
Novena de Natal 2015 CEBs - Diocese de São josé dos Campos - SPBernadetecebs .
 

Mais de Bernadetecebs . (20)

Livreto Novena Natal 2021
Livreto Novena Natal 2021Livreto Novena Natal 2021
Livreto Novena Natal 2021
 
Vida Pastoral - março-abril de 2021 – ano 62 – número 338
Vida Pastoral - março-abril de 2021 – ano 62 – número 338Vida Pastoral - março-abril de 2021 – ano 62 – número 338
Vida Pastoral - março-abril de 2021 – ano 62 – número 338
 
A Palavra de Deus na Vida do Povo
A Palavra de Deus na Vida do PovoA Palavra de Deus na Vida do Povo
A Palavra de Deus na Vida do Povo
 
Livreto Novena de Natal das CEBs 2018
Livreto Novena de Natal das CEBs  2018Livreto Novena de Natal das CEBs  2018
Livreto Novena de Natal das CEBs 2018
 
livreto Campanha da Fraternidade 2018
livreto Campanha da Fraternidade 2018 livreto Campanha da Fraternidade 2018
livreto Campanha da Fraternidade 2018
 
Vida pastoral-setembro-outubro
Vida pastoral-setembro-outubroVida pastoral-setembro-outubro
Vida pastoral-setembro-outubro
 
Ofício Divino da Romaria - Paróquia N. Sra. do Bonsucesso - Monteiro lobato - SP
Ofício Divino da Romaria - Paróquia N. Sra. do Bonsucesso - Monteiro lobato - SPOfício Divino da Romaria - Paróquia N. Sra. do Bonsucesso - Monteiro lobato - SP
Ofício Divino da Romaria - Paróquia N. Sra. do Bonsucesso - Monteiro lobato - SP
 
Campanha da Fraternidade 2017 -
  Campanha da Fraternidade 2017 -    Campanha da Fraternidade 2017 -
Campanha da Fraternidade 2017 -
 
Novena de natal 2016 diocese de são José dos Campos - SP
Novena de natal 2016   diocese de são José dos Campos - SPNovena de natal 2016   diocese de são José dos Campos - SP
Novena de natal 2016 diocese de são José dos Campos - SP
 
Novena Missionária 2016
Novena Missionária 2016Novena Missionária 2016
Novena Missionária 2016
 
EXORTAÇÃO APOSTÓLICA PÓS-SINODAL AMORIS LÆTITIA DO SANTO PADRE FRANCISCO
EXORTAÇÃO APOSTÓLICA PÓS-SINODAL AMORIS LÆTITIA DO SANTO PADRE FRANCISCOEXORTAÇÃO APOSTÓLICA PÓS-SINODAL AMORIS LÆTITIA DO SANTO PADRE FRANCISCO
EXORTAÇÃO APOSTÓLICA PÓS-SINODAL AMORIS LÆTITIA DO SANTO PADRE FRANCISCO
 
Oração das Missões no setor 01 das CEBs
Oração das Missões no setor 01 das CEBs Oração das Missões no setor 01 das CEBs
Oração das Missões no setor 01 das CEBs
 
Oração das Missões no Setor 26 das CEBs
 Oração das Missões no Setor 26 das CEBs Oração das Missões no Setor 26 das CEBs
Oração das Missões no Setor 26 das CEBs
 
Novena de Natal 2015 «MISERICÓRDIA EU QUERO, NÃO SACRIFÍCIOS» (Mt 9,13)
Novena de Natal 2015 «MISERICÓRDIA EU QUERO, NÃO SACRIFÍCIOS» (Mt 9,13)Novena de Natal 2015 «MISERICÓRDIA EU QUERO, NÃO SACRIFÍCIOS» (Mt 9,13)
Novena de Natal 2015 «MISERICÓRDIA EU QUERO, NÃO SACRIFÍCIOS» (Mt 9,13)
 
Novena de Natal 2015 - diocese de Jundiaí
Novena de Natal 2015 - diocese de JundiaíNovena de Natal 2015 - diocese de Jundiaí
Novena de Natal 2015 - diocese de Jundiaí
 
Novena Natal PJMP_2015
Novena Natal PJMP_2015Novena Natal PJMP_2015
Novena Natal PJMP_2015
 
Ser acolhedor como_jesus_cristo
Ser acolhedor como_jesus_cristoSer acolhedor como_jesus_cristo
Ser acolhedor como_jesus_cristo
 
Novena de Natal 2015 CEBs - Diocese de São josé dos Campos - SP
Novena de Natal 2015 CEBs - Diocese de São josé dos Campos - SPNovena de Natal 2015 CEBs - Diocese de São josé dos Campos - SP
Novena de Natal 2015 CEBs - Diocese de São josé dos Campos - SP
 
vida.pastoral 305
 vida.pastoral 305 vida.pastoral 305
vida.pastoral 305
 
Subsidio DNJ 2015
Subsidio  DNJ 2015Subsidio  DNJ 2015
Subsidio DNJ 2015
 

Último

2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...azulassessoriaacadem3
 
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;azulassessoriaacadem3
 
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...azulassessoriaacadem3
 
Sendo assim, desenvolva um breve texto que possa evidenciar a importância da ...
Sendo assim, desenvolva um breve texto que possa evidenciar a importância da ...Sendo assim, desenvolva um breve texto que possa evidenciar a importância da ...
Sendo assim, desenvolva um breve texto que possa evidenciar a importância da ...excellenceeducaciona
 
O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!
O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!
O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!Psyc company
 
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...excellenceeducaciona
 
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...azulassessoriaacadem3
 
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...azulassessoriaacadem3
 
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...azulassessoriaacadem3
 
A hermenêutica jurídica envolve diversos métodos e técnicas interpretativas, ...
A hermenêutica jurídica envolve diversos métodos e técnicas interpretativas, ...A hermenêutica jurídica envolve diversos métodos e técnicas interpretativas, ...
A hermenêutica jurídica envolve diversos métodos e técnicas interpretativas, ...excellenceeducaciona
 
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;azulassessoriaacadem3
 
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...excellenceeducaciona
 
Discorra sobre a classificação da interpretação jurídica quanto à sua origem ...
Discorra sobre a classificação da interpretação jurídica quanto à sua origem ...Discorra sobre a classificação da interpretação jurídica quanto à sua origem ...
Discorra sobre a classificação da interpretação jurídica quanto à sua origem ...excellenceeducaciona
 
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.azulassessoriaacadem3
 
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...AaAssessoriadll
 
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...azulassessoriaacadem3
 
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptxSlides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd
004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd
004820000101011 (15).pdffdfdfddddddddddddddddddddddddddddddddddddRenandantas16
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...azulassessoriaacadem3
 
B) Discorra sobre o que contempla cada uma das cinco dimensões da sustentabil...
B) Discorra sobre o que contempla cada uma das cinco dimensões da sustentabil...B) Discorra sobre o que contempla cada uma das cinco dimensões da sustentabil...
B) Discorra sobre o que contempla cada uma das cinco dimensões da sustentabil...azulassessoriaacadem3
 

Último (20)

2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
 
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
 
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
 
Sendo assim, desenvolva um breve texto que possa evidenciar a importância da ...
Sendo assim, desenvolva um breve texto que possa evidenciar a importância da ...Sendo assim, desenvolva um breve texto que possa evidenciar a importância da ...
Sendo assim, desenvolva um breve texto que possa evidenciar a importância da ...
 
O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!
O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!
O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!
 
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
 
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
 
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
 
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
 
A hermenêutica jurídica envolve diversos métodos e técnicas interpretativas, ...
A hermenêutica jurídica envolve diversos métodos e técnicas interpretativas, ...A hermenêutica jurídica envolve diversos métodos e técnicas interpretativas, ...
A hermenêutica jurídica envolve diversos métodos e técnicas interpretativas, ...
 
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
 
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
 
Discorra sobre a classificação da interpretação jurídica quanto à sua origem ...
Discorra sobre a classificação da interpretação jurídica quanto à sua origem ...Discorra sobre a classificação da interpretação jurídica quanto à sua origem ...
Discorra sobre a classificação da interpretação jurídica quanto à sua origem ...
 
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
 
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
 
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
 
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptxSlides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
 
004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd
004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd
004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
 
B) Discorra sobre o que contempla cada uma das cinco dimensões da sustentabil...
B) Discorra sobre o que contempla cada uma das cinco dimensões da sustentabil...B) Discorra sobre o que contempla cada uma das cinco dimensões da sustentabil...
B) Discorra sobre o que contempla cada uma das cinco dimensões da sustentabil...
 

Informativo das CEBs - julho 2010

  • 1. CEBs - Informação e Formação para animadores 1 Lá vem o Trem das CEBs... Formação e Informação para animadores Diocese de São José dos Campos - SP - Informativo das CEBs - Ano VI - Julho de 2010 - Nº 58 Foto: Bernadete Mota CEBs do Estado de São Paulo realizam encontro de Assessores na Diocese de São José dos Campos Vem aí a barraca das CEBs :: Índice :: Página 02 - Palavra do Assessor na 21ª Festa nas Colinas Foto: Maria Matsutacke Página 03 - Identidade das CEBs A Diocese de São José dos Campos se prepara para Página 04 - A Bíblia nos Interpela a 21ª FESTA NAS COLINAS, que será realizada no dia 15 de agosto, domingo, das 9 às 21 horas, no pátio da Página 06 - Formação Paróquia como Rede de Comunidades Paróquia Coração de Jesus, no Bosque dos Eucaliptos, Zona Sul de São José dos Campos. Página 07 - Memória da Caminhada Página 08 - Aconteceu/Irá Acontecer
  • 2. 2 CEBs - Informação e Formação para animadores Palavra do Assessor Foto: Bernadete Mota Brasil Verde e Amarelo: Pão e Circo? Estimado(a) animador(a) das copa e estou torcendo para que o estamos em época de eleições, Comunidades, olá! Brasil conquiste o hexa, mas não algo que devemos nos preocupar Estamos vivendo uma época de podemos nos deixar enganar com para que nosso voto consciente e festa e emoções: a Copa do Mun- a história política e social que nos responsável seja uma “arma” para do. Em todo lugar vemos verde e rodeia, que faz parte de nós. Na vencer toda injustiça e uma política amarelo, e com razão. Nós, como Roma Antiga tivemos a expressão que gera morte, não defende bem e povo brasileiro, somos festivo, “Pão e circo”, que levava o povo não promove o povo sobretudo os alegre, otimista, pra frente... Aqui a ficar sem pensar e agir, confor- menos favorecidos. Vejo que, em mesmo, aonde moro, no Campo mados com aquilo que a política se tratando de política e eleições, dos Alemães e bairros vizinhos (em oferecia: o que comer e beber e nosso povo, de modo geral, não se São José dos Campos) temos uma alegria demasiada. Este “pão e cir- interessa. É por isso que não culti- população que faz muita festa. co” era (e é) para enganar o povo, vamos muito bem o potencial que Ruas lotadas a qualquer hora do como se tudo estivesse bem, sem nosso País possui. Poucos mandam dia, muitas crianças brincando e problemas, fazendo esquecer as e nos deixamos ser mandados por pessoas conversando e passeando dificuldades ou conformar-se com estes poucos. Felicidades! pelas ruas... E isso é muito bom! É elas. Muito há que vivermos e fa- Meu convite? Alegrar-nos sem- Pe. Ronildo claro que aqui temos muitos traba- zermos para construir um País mais pre com a vida e ficarmos atentos Assessor Diocesano das CEBs lhadores... justo e solidário. às necessidades reais do ser huma- Estive vidrado na abertura da Chamo ainda a atenção, porque no. Religiosidade Popular Fotos: Bernadete Mota “Nossa Mãezinha Aparecida” Como explicar a fidelidade de tantas devoção acontece e se torna con- romarias todos os anos de todos os creta nos cânticos conhecidos por lugares deste nosso Brasil à cidade de todos: Maria de Nazaré., Viva a Mãe Aparecida conhecida ainda por muita de Deus, Daí-nos a Benção... O padre gente “Aparecida do Norte ”? animador vai conduzindo e entre um Participamos de romarias há mui- cântico e outro reza-se a Ave Maria e to tempo, a última dia 27 de abril se dão vivas. É uma resposta só, e to- pelas CEBs. Logo após a a celebração dos numa só voz respondem “Viva”, eucarística, resolvemos ir à Basílica mas não é um viva qualquer é um antiga, e lá fomos pela passarela com VIVA que vem do coração quando ex- aquele mundaréu de devotos de Nos- travasa todo aquele sentimento que sa Senhora, várias pessoas de joelhos muitas vezes está represado aguar- na passarela pagando suas promes- dando o momento de ser liberado. E sas, e o que nos chamou a atenção lá vamos todos agora por outra por- “ Nossa Mãezinha Aparecida “ é que a maioria eram jovens, o que ta, a da saída para sermos aspergidos nos leva a crer que a devoção con- lizado e tecnologicamente intenso por dois seminaristas, a água benta A devoção popular ou religiosida- em que vivemos, ainda percebemos de popular, tem uma forte presença tinua muito forte, sendo assumida molha o corpo e lava a alma, percebe- também pelas novas gerações. gestos simples, nas mãos maquetes se isto na reação das pessoas como na nossa Igreja, desde o Brasil Colô- de casas, fotos da família, a reverên- nia entrando pelo século XX, sobre- O respeito pelo sagrado permane- algo esperado e que completa a ca- ce e o que nos chama a atenção até cia ao sagrado, tirar o chapéu como minhada. Finalmente lá vamos nós , viveu ao Concilio Vaticano II e agora gesto de saudação, permanecer por em pleno século XXI, mantém-se viva para as coisas que no mundo globa- para fazer a viagem de retorno certos longo tempo em filas imensas para da missão cumprida. nas romarias, rezas de terço, novenas passar em frente à imagem e poder para os santos padroeiros, tridos, la- Este jeito de expressar a fé, de- dizer “Mãe estou aqui, obrigado por monstra o quanto é preciso que a dainhas etc... Esta fé informal mistu- tudo” e nos olhos um choro inconti- rada ao formal continua arraigada no Igreja olhe com mais carinho por todo do revelam o quanto Nossa Senhora este povo que mantém viva a sua de- meio do povo. se faz presente no coração de todos. Queremos nos ater às romarias voção a Nossa Senhora e a seus San- É emoção pura a visita à sala dos mi- tos padroeiros , nos grotões e perife- em Aparecida, que vale uma reflexão lagres para constatar com os próprios porque mexe com a cabeça da gente, rias deste nosso Brasil. olhos quantos e quantas foram aten- como se explica a visitação a este lu- didos em suas preces. gar de milhares de pessoas de todas Luiz Marinho Na Basílica Velha presenciamos Equipe de Comunicação as camadas sociais, com forte predo- depois de entrarmos com muita di- minância das pessoas mais pobres? das CEBs ficuldade em seu interior, como esta
  • 3. CEBs - Informação e Formação para animadores 3 Identidade das CEBs Foto: Bernadete Mota CEBs Justiça e Profecia na Cidade construtora da Justiça e como voz pro- é pontual o protagonismo dos (as) fética de denúncia a todo sistema que leigos (as), a formação dos discípulos gera morte-exclusão e de anúncio do (as) missionários (as), a ministerialida- Reino onde a ternura, a solidariedade, de, a vivência martirial, o ecumenis- a inclusão, a defesa da vida e do meio mo, o compromisso do cuidado com a ambiente são sinais do mundo que vida dos seres humanos e com todas queremos e sonhamos. as formas de vida. Fomos interpelados a planejar nos- As CEBs são redes de comunidades sas ações com estratégias para que a que na escuta da Palavra de Deus, nas nossa ação missionária seja eficaz. No relações mais fraternas, vão assumin- caminhar do encontro aprofundamos do o compromisso de transformação o Documento da CNBB sobre as CEBs da sociedade. Desafios não nos faltam o qual reafirma que elas são dom para neste momento nos quais vivemos a a Igreja no Brasil, sinal de esperança mudança de época, para tanto se faz deste novo modo de ser Igreja. São mais do que necessário, que as CEBs fermento de renovação em nossa so- inspiradas na vivência das primeiras ciedade e sinal de vitalidade da Igreja. comunidades sejam ação evangeliza- Nas CEBs, a fidelidade ao segui- dora no campo e na cidade. Na ternura e na Profecia estivemos 19 e 20 de Junho de 2010, na Diocese mento a Jesus de Nazaré, a partilha da reunidos e reunidas em 33 assessores de São José dos Campos. Eucaristia, a liturgia, a diaconia, a Pala- Pe. Felix Manoel dos Santos, fc e assessoras de vários cantos do esta- Diante de tantos clamores e desa- vra de Deus são fundantes para o seu Liz Mari da Silva Marques do de São Paulo, para o 2º. Encontro fios da cidade fomos convidados (as) a caminhar e seu compromisso na prá- Colegiada Estadual das CEBs de Assessores (as) das CEBs nos dias refletir sobre a missão das CEBs como tica da Justiça e da profecia. Nas CEBs Espaço do Animador Fotos: Bernadete Mota Festa do Jubileu de Prata da Paróquia Coração de Jesus - Bosque Foi uma grande festa em que bingos e como sempre com grande evangelizando e construindo comu- rais e movimentos que se doaram a toda a comunidade paroquial par- participação, sorteio de um auto- nidades”, muita gente compareceu, serviço da Igreja e na construção do ticipou. Momento esperado por to- móvel Gol zero km e mais nove prê- ganhou de lembrança uma caneca Reino de Deus. dos que se colocaram a serviço para mios, com a renda destinada para a registrando o Jubileu, bolo, refrige- A História continua a ser escrita que tudo pudesse acontecer. Com o nossa Casa de Retiros. Shows, entre rante e por fim, assistiram a uma por estas e outras pessoas que ao tema: “NO ANO SACERDOTAL, COM eles, Pe. Zezinho que nos visitou e linda queima de fogos. E, dia 19 de longo destes 25 anos transformaram O CORAÇÃO DE JESUS, PROCLAMA- fez acontecer um belo momento de junho, aconteceu o baile de aniver- sonhos em gestos concretos e conti- MOS O TEMPO DA GRAÇA EM NOS- evangelização, com seus cânticos sário no Luso Brasileiro aguardado nuarão sonhando e realizando. Que SA PARÓQUIA”, aprofundado na tre- proféticos que nos levaram a fazer por todos e que sem dúvida coroou o Coração de Jesus continue aco- zena tendo a participação de padres reflexão. Tivemos ainda a participa- este nosso Jubileu. lhendo a todos e abençoando nos- que já serviram a esta comunidade ção de milhares de pessoas de várias Agradecemos aos Pe. Rogério sas famílias. e de nossa região pastoral, também paróquias demonstrando muita ale- Felix e Pe. Alexsandro, e a todos os contamos com a presença na aber- gria, o que nos deixou imensamente padres que contribuíram para que Luiz Marinho tura de Dom Euzébio e no encerra- felizes. nossa comunidade do Coração Jesus Coordenador Paroquial mento com Dom Moacir. No dia 16, missa em Ação de pudesse chegar até aqui, e a todos Paróquia Coração de Jesus Tivemos quermesses, almoço, Graças pelo aniversário “25 anos os animadores e animadoras, pasto-
  • 4. 4 CEBs - Informação e Formação para animadores A Bíblia nos Interpela Carlos Mesters Francisco Orofino Formação: Leitura Popular da Bíblia 2ª PARTE: Na América Latina, nos anos 60 e 70, novada, através do uso da Bíblia na língua no meio dos pobres e surgiram as Comu- UM POUCO DE HISTÓRIA o compromisso político de muitos cristãos vernácula, trouxe uma aproximação maior nidades Eclesiais de Base. De fato, naque- repercutiu e continua repercutindo pro- da Bíblia com o povo. la situação de perseguição e de controle Tudo isso que hoje está acontecen- fundamente na maneira de se ler e de se 2 - O trabalho pioneiro do biblista frei ideológico, as igrejas surgiram como um do nas Comunidades Eclesiais de Base interpretar a Bíblia. A desumanidade das João José Pedreira de Castro, OFM. Na- possível espaço de articulação da oposi- tem uma história vinda de longe. Muitos ditaduras militares, algumas delas feitas queles anos 50, ele captou os Sinais dos ção, onde se podia ainda trabalhar com fatores contribuíram para que se chegas- com apoio velado de autoridades ecle- Tempos e sentiu a necessidade de provo- certa liberdade. Por isso mesmo, elas so- se a esse tipo de leitura da Bíblia. Desta- siásticas ou em nome da assim chamada car uma aproximação maior entre a Bíblia freram e foram vítimas da repressão po- caremos três fatores que não podem ser tradição cristã, provocou e despertou as e o povo. Em vista disso traduziu a Bíblia lítica. Basta lembrar os nomes de Dom ignorados para se entender a atual con- pessoas mais conscientes para uma nova de Maredsous para o português, hoje com Helder Câmara, Dom Pedro Casaldáliga, juntura. Há um quarto fator que não pode leitura da Bíblia em defesa da vida. Uma mais de 150 edições sucessivas, conhecida padre Henrique, Santo Dias, Margarida ser avaliado nem verificado. Em seguida, leitura mais libertadora e mais ecumênica, como Bíblia da Ave Maria. Alves e tantas outras lideranças, religiosas veremos as três etapas que marcaram e impedindo que a Palavra de Deus fosse 3 - O trabalho da LEB, Liga dos Estudos e leigas, perseguidas, presas, torturadas e continuam marcando este processo histó- manipulada para legitimar a opressão e a Bíblicos. Seus membros chegaram a fazer assassinadas. rico da leitura popular da Bíblia. exploração do povo. uma tradução da Bíblia diretamente dos A partir dessa necessidade de um textos originais, atualmente publicadas trabalho pastoral mais respeitoso e mais TRÊS FATORES 2. A renovação das Igrejas leva a um pela Editora Loyola. Os membros da capilar, foram surgindo em toda parte os 1. Uma nova maneira de se ver a reve- interesse renovado pela Bíblia LEB têm, além disso, o mérito de terem in- assim chamados Círculos Bíblicos. O méto- lação de Deus e a Bíblia centivado a realização de semanas bíblicas do usado nos Círculos Bíblicos, como que A partir do terremoto das duas guerras em todo canto. naturalmente, levava em, de um lado, a As grandes mudanças produzidas na mundiais, 1914 a 1918 e 1939 a 1945, a 4 - A entrada das igrejas evangélicas de experiência adquirida nos grupos de Ação humanidade a partir dos séculos XIX e missão no Brasil na pri- Católica com o seu método Ver - Julgar - XX levaram os cristãos das várias igrejas a meira metade do sécu- Agir e os ensinamentos de Paulo Freire so- olhar a realidade e a Bíblia com um olhar lo XX, vindas, sobretu- bre a pedagogia do oprimido e, de outro diferente. Por exemplo, na Alemanha, a do dos Estados Unidos, lado, a tradição dos próprios evangelhos. experiência de R. Bultmann nas trincheiras divulgou e intensificou Ou seja, a maneira de se ler a Bíblia nas como capelão militar, durante a primeira a leitura da Bíblia. Sua Comunidades Eclesiais de Base imitava de Foto: Pedro Henrique Luvizotto guerra mundial, 1914 a 1918, levou-o a ação evangelizadora perto o método sugerido pelo Evangelho uma nova abordagem da Bíblia que in- contribuiu para que, de Lucas na descrição da caminhada dos fluenciou a *exegese bíblica do século XX na igreja católica, mui- discípulos de Emaús, onde o próprio Jesus em praticamente todas as Igrejas. ta gente despertasse aparece interpretando a Escritura para Na Bélgica a crise entre as duas guerras para a importância os seus amigos (Lc 24,13-35). O processo e a convivência com os operários levaram da Palavra de Deus. de interpretação seguido por Jesus tem o padre J. Cardijn a criar o método Ver- Inicialmente, era um os mesmos três passos que caracterizam Julgar- Agir que influenciou os vários se- despertar reacionário também o método adotado pelos pobres tores da Ação Católica e trouxe uma nova de defesa contra o que nos Círculos Bíblicos das Comunidades maneira de se considerar e experimentar alguns chamavam de Eclesiais de Base. a ação reveladora de Deus na história. An- “ameaça protestante”. 1º Passo: partir da realidade (Lc 24,13- tes de se procurar saber o que Deus falou Pouco a pouco, porém, 24) Jesus encontra os dois amigos numa si- no passado, procura-se Ver a situação do acabou sendo vista tuação de medo e dispersão, de descrença povo hoje, os seus problemas. Em segui- como uma das maiores e desespero. Eles estavam fugindo. As for- da, com a ajuda de textos da Bíblia e da maioria das igrejas entrou num processo graças de Deus. ças de morte, a cruz, tinham matado neles tradição das igrejas, procura-se Julgar esta de conversão e de mudança. As circuns- a esperança. Jesus se aproxima e caminha situação. Isto faz com que, aos poucos, a tâncias novas em que se encontrava a 3. A situação do povo, o golpe militar com eles, escuta a conversa e pergunta: fala de Deus já não vem só da Bíblia, mas humanidade deixaram claro que era ne- e o surgimento dos círculos bíblicos “De que estão falando?” A ideologia do- também e, sobretudo dos próprios fatos cessária uma releitura das coisas da fé em minante impedia-os de enxergar e de ter iluminados pela Bíblia e pela tradição. E vista da nova experiência de Deus e da A situação do povo era (e continua consciência crítica. “Nós esperávamos que são eles, os fatos, que assim se tornam vida que estava surgindo. Esta mudança sendo) de abandono, de opressão e de ele fosse o libertador, mas...” (Lc 24,21). os transmissores da Palavra e do apelo de ou diferente nas várias igrejas e nos vários exploração. Por isso, havia todo um traba- O primeiro passo é este: aproximar-se Deus e que levam a Agir de maneira nova. países. lho político de conscientização para poder das pessoas, escutar a realidade, os pro- Este método ver – julgar - agir teve uma in- Na igreja católica do Brasil, por exem- provocar uma mudança. Membros dos blemas; ser capaz de fazer perguntas que fluência muito grande nos movimentos de plo, o Documento Dei Verbum do Concílio vários setores da Ação Católica participa- ajudem a olhar a realidade com um olhar renovação da igreja católica no Brasil dos Vaticano II e a sua releitura para América vam ativamente neste trabalho de cons- mais crítico. anos 50 e 60, particularmente nos vários Latina através das Assembléias Episcopais cientização. Chegaram a formar um gru- 2º Passo: usar o texto da Bíblia (Lc setores da Ação Católica, JOC, JEC, JUC e de Medellin e Puebla consagraram essa po, Ação Popular, que teve uma atuação 24,25-27) Jesus usa a Bíblia não para dar JAC. Foi provocando uma mudança na ma- nova maneira de se ver a ação reveladora política muito importante. Porém, o golpe uma aula sobre a Bíblia, mas para iluminar neira de se buscar conhecer a vontade de de Deus de que falamos anteriormente. A militar de 1964 mostrou, indiretamente, o problema que fazia sofrer seus dois ami- Deus e abriu para uma atitude mais ecu- saber, Deus continua falando hoje, dirigin- que o trabalho de conscientização política gos e, assim, esclarecer a situação que eles mênica e menos confessional. do-nos a sua Palavra através dos fatos e junto do povo não tinha sido aquilo que a estavam vivendo. Com a ajuda da Bíblia, Nos Estados Unidos, o engajamento das pessoas, e nós conseguimos descobrir vanguarda da oposição política imaginava ele os situa dentro do projeto de Deus e político de N.K. Gottwald na luta contra esta fala divina com a ajuda da Palavra es- e esperava. Não houve a reação esperada mostra que a história não tinha escapado a guerra no Vietnam teve uma influência crita de Deus na Bíblia. do levante popular contra os militares. da mão de Deus. profunda na sua maneira de reler e inter- A partir do Concílio Vaticano II, foi cres- Pelo contrário. Percebeu-se a necessidade O segundo passo é este: com a ajuda pretar a origem e a formação do Povo de cendo o interesse do povo católico pela de um trabalho muito mais capilar e mais da Bíblia, iluminar a situação e transfor- Deus. Seus escritos, sobretudo o livro The Bíblia e, através de vários canais, a Bíblia paciente junto do povo, respeitando me- mar a cruz, sinal de morte, em sinal de Tribes of Jahweh, tiveram muita influência foi chegando cada vez mais nas mãos do lhor a sua religião, a sua cultura e a sua vida e de esperança. Assim, aquilo que nos estudiosos da Bíblia no Brasil, princi- povo. Entre muitos outros, convém desta- caminhada. impedia de enxergar, torna-se agora luz e palmente na maneira de abordar e inter- car os seguintes canais: Assim, a partir da metade dos anos 60, força na caminhada. pretar o Êxodo. 1 - A renovação litúrgica. A liturgia re- começou um trabalho renovado de base
  • 5. CEBs - Informação e Formação para animadores 5 3º Passo: celebrar e partilhar na co- três aspectos da mesma atitude interpre- cas populares, difusão da Bíblia em língua para ler os livros sobre a Bíblia, os pobres munidade (Lc 24,28-32) tativa do povo frente à Bíblia. Eles indicam vernácula, cursos, encontros, treinamen- nas suas comunidades e nos círculos bí- A Bíblia, ela por si, não abre os olhos. os três objetivos distintos, que estão pre- tos, inúmeros grupos e círculos bíblicos, blicos começaram a ler a Bíblia a partir do Mas faz arder o coração! (Lc 24,32). O que sentes e misturados, às vezes conflitantes, mês da Bíblia, movimento da Boa Nova: único critério de que dispunham, a saber, abre os olhos e faz os dois amigos perce- no uso popular da Bíblia. tudo isto produziu um fervilhar comunitá- a sua vida de fé, vivida em comunidade, e berem a presença de Jesus, é o partir do rio muito grande em torno da Palavra de a sua vida sofrida de povo oprimido. Len- pão, o gesto comunitário da partilha, a ce- 1. Conhecer a Bíblia - Instruir Deus. do assim a Bíblia, descobriam o óbvio que lebração. No momento em que é reconhe- O processo de conhecer melhor a Bí- O movimento da renovação litúrgica não conheciam: uma história de opressão cido, Jesus desaparece. Pois eles mesmos blia começou já no século XIX com o tra- fez com que se multiplicassem e se inten- igual à que eles mesmos sofriam, uma his- experimentam a ressurreição, renascem e balho renovador dos exegetas da Europa, sificassem as celebrações da Palavra. tória de luta pelos mesmos valores que caminham por si. tanto evangélico como católicos. As novas Foram surgindo e crescendo as Comu- eles perseguem até hoje: terra, justiça, O terceiro passo é este: saber criar um descobertas trouxeram novos conheci- nidades Eclesiais de Base que por sua vez partilha, fraternidade, vida de gente. O re- ambiente orante de fé e de fraternidade, mentos, abriam uma nova janela sobre suscitavam, em todo canto, os círculos bí- sultado desta prática libertadora foi expli- onde possa atuar o Espírito que nos faz o texto bíblico e sobre o contexto da sua blicos, grupos de reflexão, grupos de evan- citado na Teologia da Libertação que tenta entender o sentido das coisas que Jesus origem. gelho, grupos de oração. No começo dos sistematizar a vivência nova que está ocor- falou. É sobretudo neste ponto da cele- A vontade de conhecer a Bíblia esti- anos 70, temos a iniciativa dos Encontros rendo nas comunidades. bração, que a prática das comunidades mulou muita gente a uma leitura mais fre- Intereclesiais das Comunidades de Base, É o período em que começa a ser acen- tuada a dimensão política da fé. Na Igreja ajudou a reencontrar o antigo poço da Tra- qüente. que foram acontecendo periodicamente Católica, desde o Concílio Vaticano II e so- dição para beber da sua água. Na igreja católica, a renovação da exe- e que no ano 2000 celebraram o 10º In- bretudo desde a conferência episcopal de gese, as encíclicas de Leão XIII, Bento XV tereclesial em Porto Seguro, Bahia, por Medellin (1968), ocorreu uma evolução O resultado: ressuscitar e voltar para e Pio XII, as novas traduções da Bíblia e o ocasião da comemoração dos 500 anos importante. Diante da situação dramática Jerusalém (Lc 24,33-35) trabalho de divulgação dos exegetas leva- da vinda dos europeus para o Continente dos índios, criou-se o CIMI (Conselho In- Tudo mudou nos dois discípulos. Eles ram a Bíblia para mais perto do povo. Além Latino Americano. A dimensão comuni- digenista Missionário). Diante da situação mesmos ressuscitam, criam coragem e disso, no Brasil, como já mencionamos, o tária chegou a renovar várias paróquias cada vez pior dos agricultores, criou-se a voltam para Jerusalém, onde continuam que passaram a se CPT (Comissão Pastoral da Terra). Diante ativas as forças de morte que mataram Je- organizar como uma da situação dos operários, criou-se a CPO sus, mas onde agora se manifestam as for- comunidade de comu- (Comissão Pastoral dos Operários). ças de vida na partilha da experiência de nidades. Diante da situação dos pescadores, ressurreição. Coragem, em vez de medo. Aqui convém cha- criou-se a CPP (Comissão Pastoral dos Pes- Retorno, em vez de fuga. Fé, em vez de mar mencionar o fe- cadores). São instrumentos novos de pas- descrença. Esperança, em vez de desespe- nômeno intrigante da toral que ajudam estas classes e grupos de ro. Consciência crítica, em vez de fatalis- evasão em massa dos pessoas a defenderem melhor sua vida, Foto: Maria Matustacke mo frente ao poder. Liberdade, em vez de fiéis das igrejas tradi- sua terra, seus direitos, sua identidade. opressão. Numa palavra: vida, em vez de cionais para as igrejas Eles têm em comum o seguinte: surgi- morte! Em vez da má noticia da morte de pentecostais, que tem ram por causa da fé renovada em Jesus e, Jesus, a Boa Notícia da sua Ressurreição! a ver com a mudança como Jesus defendem a vida, são ecumê- O resultado da leitura da Bíblia deve socioeconômica ha- nicos, incomodam a sociedade estabeleci- ser este: experimentar a presença viva de vida nos últimos 50 da, provocam polêmica. Tudo isto revela Jesus e do seu Espírito, presente no meio anos. Na metade do a evolução que está ocorrendo na consci- de nós. É ele que abre os olhos sobre a Bí- século XX, em torno de ência que as igrejas têm de si mesmas e blia e sobre a Realidade e leva a partilhar 75% da população bra- da sua missão: lutar pela defesa da vida a experiência de Ressurreição, como até sileira vivia no campo, ameaçada do povo. É neste mesmo perí- hoje acontece nos encontros comunitá- área rural. A industria- odo dos anos 70 que surge o CEBI, o Cen- rios. lização e o êxodo rural tro Ecumênico de Estudos Bíblicos para a produziu um mudança Pastoral Popular que tem como objetivo 4. A ação do Espírito Santo radical. No censo de articular, explicitar, aprofundar, divulgar e que ajudou a provocar nos católicos um 2001, 82% da população vive na cidade legitimar a leitura da Bíblia que o povo vi- São estes os três fatores que ajudam interesse maior pela Bíblia foi o vigor mis- e somente 18% no campo. Ora, o que an- nha fazendo nas suas comunidades. a entender a conjuntura atual. Como dis- sionário das igrejas evangélicas de missão. tes parecia impossível, hoje tornou-se um Aqui devem ser lembrados os márti- res, os testemunhos da fé, essa “nuvem de semos, há um quarto fator, o mais impor- Foram surgindo, em todo canto, as se- fato normal: antes, a autoridade moral testemunhas ao nosso redor” (Hb 12,1), tante de todos, que não pode ser avaliado manas bíblicas, cursos bíblicos, escolas e maior que, no Brasil, norteava as consci- que deram a sua vida pela causa da liber- nem verificado, mas que atua através de escolinhas bíblicas, gincanas e maratonas ências era a Igreja Católica. Nas pequenas dade, da justiça e da fraternidade. Assim todos os outros fatores. É a ação do Espíri- bíblicas, e tantos outros movimentos e ini- cidades do interior, o vigário exercia um como o autor da carta aos hebreus faz a to Santo, que nunca foi pego em flagrante, ciativas para divulgar a Bíblia e estimular poder sagrado muito forte. Dificilmente, memória dos testemunhos da fé (Hb 11,1- mas que, invisivelmente, atua nesta cami- a sua leitura como, por exemplo, o assim o povo tinha coragem de enfrentar ou de 40), a Agenda Latino Americana, cada ano nhada e a conduz. “Quem tem ouvidos, chamado Mês da Bíblia, que foi celebrado romper com este sistema secular. Hoje, de novo, faz a memória dos milhares e ouça o que o Espírito diz às igrejas!” (Ap durante mais de 25 anos e continua até em nome de uma experiência comunitá- milhares de mártires latino-americanos, 2,7.11,17.29; 3,6.13.22) hoje em muitos lugares, ou o Movimento ria nos grupos pentecostais das periferias homens e mulheres, leigos e religiosos, Assim, a partir dos anos 60 e 70, o povo da Boa Nova (MOBON). Este surgiu, inicial- das grandes cidades, milhões de brasilei- conhecidos e anônimos, que imitaram a começou a ler a Bíblia. Os Círculos Bíblicos mente, como um movimento mais apolo- ros rompem com aquela que antes era a Jesus que disse: “Eu vim para que todos te- tiveram uma expansão muito rápida. Em gético de defesa do catolicismo contra a maior autoridade moral. Por mais contra- nham vida e a tenham em abundância”(Jo poucos anos se divulgaram em todo o Bra- influência crescente das igrejas evangéli- ditório e ambivalente que possa parecer 10,10). sil. Sinal de que estavam respondendo a cas. Atualmente, é um dos movimentos de este fato, ele não deixa de ter um aspecto uma exigência real. Ninguém sabe quan- evangelização libertadores mais difundi- positivo: em nome da Palavra de Deus e Fonte: Centro de Estudos Bíblicos tos são atualmente os Círculos Bíblicos. dos que anima mais de 15.000 grupos em de um encontro com Jesus, o povo tem Só mesmo o Espírito Santo. Eles foram e vários Estados do Brasil. Difícil de lembrar coragem de romper e de entrar por cami- continuam sendo a raiz de um novo modo e enumerar todas as iniciativas que a cria- nhos novos que talvez não sejam novos, Continua no próximo Informativo de ser igreja. tividade popular inventou para divulgar a mas que são diferentes e têm uma dimen- com a 3ª Parte. leitura e o conhecimento da Bíblia. são comunitária muito profunda. 2. TRÊS ETAPAS, TRÊS ASPECTOS Vocabulário: No decorrer desses anos todos, foram 2. Criar Comunidade - Celebrar 3. Servir ao povo – Transformar aparecendo três aspectos da interpreta- Na medida em que a Palavra começava Sobretudo a partir de 1968, foi dado *Exegese é a interpretação profunda de ção popular, aspectos simultâneos, mistu- a ser conhecida, ela produzia os seus fru- um passo a mais. O conhecimento da Bí- um texto bíblico, jurídico ou literário. rados entre si. Ao longo dos anos, cada um tos. blia e a preocupação comunitária encon- deles foi tendo o seu momento privilegia- O primeiro fruto foi aglutinar as pes- traram o seu objetivo que é o serviço ao **Vernáculo é o nome que se dá à língua do. São como que três etapas. Trata-se dos soas e criar comunidade. Semanas bíbli- povo. Não tendo dinheiro nem tempo nativa de um país ou de uma localidade.
  • 6. 6 CEBs - Informação e Formação para animadores Formação Paróquia como Rede de Comunidades Região Pastoral III e IV Na busca do conhecimento, 150 explorou o tema: “Rede de Comuni- vídeos que enriqueceram a sua expla- forma branda e alimentadas com in- animadores da CEBs, participaram da dades”, em um primeiro momento e nação e expressaram mensagens cap- centivo; o entusiasmo deve estar pre- formação regional das regiões III e IV num segundo momento aplicou uma tadas por todos: em nossa caminhada sente em nossa vida de animadores, no dia 30 de maio, na sede da SSVP dinâmica em grupo à qual todos par- devemos ser surdos para com os in- só assim será contagiante. A animação no Jardim Paulista. O encontro foi as- ticiparam com muito entusiasmo. Em centivadores negativos: as mudanças ficou por conta de Serginho e Elcio sessorado por Pe. Ronildo Rosa que sua didática, Pe. Ronildo fez uso de devem acontecer paulatinamente, de que com muita alegria contagiaram a todos. A cozinha, Edmar e sua equipe do bairro Galo Branco nos serviram um delicioso café, visto que a forma- ção foi meio período. Fotos: Pe. Ronildo Nossos agradecimentos a todos! Maria das Graças Bustamante Secretária diocesana das CEBs Santuário São Judas Tadeu Região Pastoral V Região Pastoral VI e VII A formação da RPV aconteceu no dade. 2º momento: a sabedoria da co- Foi reaprender a experiência das Fomos chamados a viver nosso dia 30/05/2010, assessorada por Ni- munidade para buscar novos lugares, CEBs, reencontrar a prática de Jesus e protagonismo “no Projeto - processo valdo, com o tema: PARÓQUIA EM quando encontrar dificuldade nos tra- seu sonho: reconstruir uma Igreja da mais amplo de uma Igreja dos Pobres” REDE DE COMUNIDADES, na paróquia balhos de evangelização, não desistir, misericórdia, que faz descer da cruz os e contribuir para a construção de no- São José Operário em Jacareí. Estive- não acomodar ou perder tempo em ram presentes 115 animadores (as) conflitos, mas ir em frente na busca crucificados e que se torna co-respon- vas relações sociais entre as pessoas Coord. da RPV, coord. paroquiais e de dos campos livres abrindo novos po- sável na construção de uma solidarie- e os diferentes grupos humanos, para setores. Tudo começou com a Comuni- ços. (Gn 26,12-26). dade universal sobretudo com os po- a construção de uma sociedade mais dade São Lucas da paróquia N. Sra. de O que pudemos sentir que é preci- bres e excluídos. A procurar descobrir equilibrada, fraterna e solidária, onde Lourdes, abrindo espaço para que as so aprofundar o nosso conhecimento, quem está sendo excluído das comuni- acontecem as antecipações do Reino. comunidades de nossa região pastoral continuar sonhando e acreditar que dades em nossas realidades. Fomos chamados a profetizar e pudessem aprofundar este tema. é em comunidade que encontramos Fomos chamados a redescoberta não a “pastoralizar” as comunidades. O encontro teve inicio com a ora- e levamos o outro também a fazer a ção inicial e o acolhimento de todas experiência com o nosso Deus que li- da solidariedade, da compaixão, da as paróquias ali reunidas pedindo ao berta e salva. misericórdia em nosso agir como co- Maria Matsutacke Senhor da Vida que nos ajudassem na- Agradecemos ao Nivaldo que nos munidade e como rede de comunida- Coordenadora RP VI quela manhã a compreender melhor motivou com o seu jeito simples, pro- des! o que nós animadores e animadoras fético e sereno facilitando a nossa comprometidos com o Reino de Deus reflexão, e também ao Pe. Antonio precisamos para nos motivarmos a le- - vigário da paróquia Nossa Sra. de var a Boa Nova, descobrir novos luga- Lourdes que acolheu e participou na res aonde possamos abrir novos poços partilha do lanche. e mais pessoas tenham oportunidade Por fim, obrigado a todos que nos de beber de sua água. proporcionaram este momento de re- Este é o desafio proposto pelo nos- flexão. Valeu, foi um grande encontro so assessor, que dividiu o encontro em que nos deixou cada vez mais com a dois momentos o 1º: Rede de Comuni- certeza que estamos no caminho cer- dades, solução para a Igreja se inserir to. na sociedade levando a mensagem de Jesus. Atentar para que a rede não se Luiz Marinho desgaste rompendo seus nós por cau- Equipe deComunicação sa dos contra valores dentro da socie- Diocesana das CEBs Fotos: Maria Matustacke Fotos: Luiz Marinho
  • 7. CEBs - Informação e Formação para animadores 7 Memória da Caminhada A Barraca das CEBs na Festa das Colinas trabalhos das comunidades. http://www.youtube.com/watch?v=ZYFeYaOGpeE) Acreditamos que através dos encon- Este ano, mais uma vez na Barraca tros das CEBs, onde se partilha a vida, das CEBs contamos com a presença dos Foto: Bernadete Mota a Eucaristia, é possível concentrar diver- coordenadores (as), dos animadores Foto: Bernadete Mota sas ações evangelizadoras e pastorais da (as) das CEBs, das Cebinhas, das pasto- Igreja, como a leitura refletida e Orante rais, dos movimentos , da Juventude e da Bíblia, a catequese com adultos, o todas as espiritualidades, nesta grande aprofundamento da fé, o despertar de festa da diocese, que será na paróquia vocações e ministérios, a formação de Coração de Jesus, no Bosque dos Euca- lideranças, a prática concreta do amor, a liptos, no dia 15 de agosto. solução de conflitos pessoais e grupais. A barraca das CEBs na Festa das sinal da vitalidade da Igreja e de sua irra- Mª Bernadete de P. Mota Oliveira É um modo de catequese permanente Colinas foi uma iniciativa da Equipe de diação missionária. Equipe de Comunicação das CEBs com adultos, crianças e jovens, um es- Paróquia Coração de Jesus Comunicação, no ano de 2006, com a fi- No ano passado, padre Rogério Au- paço onde todos aprendem e ensinam, nalidade de divulgar o trabalho de Evan- gusto passou pela barraca e comentou gelização nas Comunidades Eclesiais de que era a barraca mais colorida da fes- Base em nossa Diocese. Foi uma alegria ta e disse que era muito bom encontrar muito grande quando padre Rogério Au- a representação das CEBs, pois ela é a Foto: Bernadete Mota gusto das Neves, reitor do seminário na igreja viva nas comunidades e é o nosso época, aceitou a nossa proposta. povo. A festa é uma promoção vocacio- No dia da festa, a equipe de comuni- nal, ele agradeceu a presença da coor- cação junto com os coordenadores (as) denação das CEBs e todos os participan- e animadores (as) das Regiões Pastorais tes das Comunidades que acompanham passam o dia divulgando o material das as CEBs. (Assista o vídeo da mensagem CEBs, trocando idéias e experiência dos do Pe. Rogério no YouTube: Foto: Maria Matustacke SOS Nordeste Fique Ligado! Nota às Paróquias da Diocese de São José dos Campos Ficha Limpa Vem Ai! Reverendíssimos Senhores Essa é a primeira Próximo Livreto Párocos e Vigários Paroquiais: vez na his- Foi lançada no dia 23 de junho a “Campanha SOS Per- tória bra- sileira que das CEBs nambuco e Alagoas” pela Cári- uma lei é tas Brasileira Regional Nordes- sanciona- te 2 e pelo Regional Nordeste 2 da, sem vetos, por um presidente, e que foi en- da CNBB em favor das vítimas cabeçada pela população. Isso porque das chuvas nos estados de Per- mais de 1,6 milhões de pessoas assina- nambuco e Alagoas. ram tal solicitação, que foi protocolada Como todos sabem, as na Câmara dos Deputados Federais chuvas da última semana co- Banco do Brasil em novembro passado e só em maio, locaram várias cidades destes Estados Agência 3505-X recente, votada. “Estou otimista com em situação de extrema emergência. essa sanção, pois é histórica. Trata-se Conta Corrente 5821-1 de um avanço, resultado de opinião Há dezenas de mortos e centenas de pessoas desaparecidas e desalojadas. pública. As pessoas querem essa or- Para efetuar um DOC ou TED, o CNPJ dem na democracia”. Além das nossas orações, é importan- da Cáritas é 33.654.419/0001-16. (mais As CEBs participaram ativamente te, neste momento, um gesto concreto informações no site: www.cnbb.org.br) do Ficha Limpa em nossa diocese, co- de solidariedade em favor dos nossos Na certeza de poder contar com a letando assinaturas e também envian- irmãos nordestinos. colaboração e a solidariedade dos Se- do cartas pressionando a Câmara dos Assim, solicito aos senhores párocos nhores e de suas comunidades, perma- Deputados para a votação; depois de e vigários paroquiais que incentivem os neçamos unidos em preces pelo povo aprovada pelos parlamentares envia- fiéis de suas comunidades a manifes- nordestino. mos também carta ao presidente Lula tarem sua solidariedade, colaborando solicitando o sancionamento da Lei. através de doações financeiras que Dom Moacir Silva - Bispo Diocesano podem ser feitas por meio de depósito São José dos Campos, 25 de junho de 2010 Maria Matsutacke bancário na seguinte conta: Fonte:SitedaDiocesedeSãoJosédosCampos Equipe de Comunicação das CEBs
  • 8. 8 CEBs - Informação e Formação para animadores Aconteceu! Irá Acontecer! APOIO AO PLEBISCITO Baile das CEBs POPULAR PELO LIMITE DA PROPRIEDADE DA TERRA E AO 16º GRITO DOS EXCLUÍDOS Reunidas em Brasília, nos dias 14, 15 e 16 de Junho, as coorde- nações regionais e nacionais das 1ª Semana Social Paróquia Pastorais Sociais e Organismos da Comissão Episcopal Pastoral para São José Operário o Serviço da Caridade, da Justi- ça e da Paz da CNBB, assumem o JACAREÍ - Tel: 3953-8080 compromisso de participar do 16⁰ Tema: “Direito à Memória e à Verdade” Grito dos Excluídos e da organiza- Data: De 8 a 11 de julho – 2010 ção do Plebiscito Popular por um Local: Centro de Formação D. Pedro Limite da Propriedade da Terra no 30 de Julho de 2010 Casaldáliga Horário: a partir das 21h Brasil. Local: Nova Era Av. 23 de Maio, 95 - Vila Maria No dia 25 de Junho aconteceu a ordenação Diaconal dos Seminaristas Sínodo Diocesano São José dos Campos - SP Fabiano Kleber e Luciano na Paróquia São José Operário - Vila Paiva Celebração Eucarística de XX Seminário Estadual das CEBs Encerramento Data: 24 e 25 de julho de 2010 Data: 16 de julho de 2010 Tema: CEBs: Justiça e Profecia na Cidade Local: Paróquia São José Horário: 19h30 Rua João Jacinto de Mendonça, 134 Local: Catedral São Dimas Perus - São Paulo - SP Fotos: Bernadete Mota Expediente: Publicação Mensal das Comunidades Eclesiais de Base (CEBs) da Diocese de São José dos Campos – Diretor: Dom Moacir Silva – Diretor Técnico: Pe.Ronildo Aparecido da Rosa - Jornalista Responsável: Ana Lúcia Zombardi - Mtb 28496 – Equipe de Comunicação: Coordenador: Luis Mario Marinho - Integrantes: Celso Corrêa e Maria Aparecida Matsutacke - Colaboradora: Madalena das Graças Mota - Diagramação: Maria Bernadete de Paula Mota Oliveira - Correção: Sandra Memari Trava - Revisão: Pe. Ronildo - Arte Final, Editoração e Impressão: Katú Editora Gráfica - Tiragem: 6.200 Exemplares Sugestões, críticas, artigos, envie para Bernadete. Fale com a Redação... Av. Ouro Fino, 1.840 - Bosque dos Eucalíptos CEP 12.233-401 - S. J. Campos - SP Esperamos seu contato! E-mail do informativo: tremdascebs@diocesesjc.org.br