SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 2
Baixar para ler offline
Acção de Formação: Auto-avaliação das Bibliotecas Escolares


                                                              DRELVT, Turma 9
                               Tarefa 2 – 2.ª Parte




                          Breve comentário à análise do Modelo feita pela
                                     colega Maria Antónia do Carmo




A análise do Modelo de Auto-avaliação das Bibliotecas Escolares
encontra-se estruturada de acordo com os aspectos indicados na
proposta da actividade.


A   colega    refere     com     objectividade   os    pontos      principais      que
fundamentam         a    afirmação    do   Modelo      como     um      importante
instrumento pedagógico, impulsionador da melhoria sistemática da
qualidade     das       aprendizagens,     identificando      os     pressupostos
conceptuais que lhe subjazem.


Justifica a pertinência da existência de um Modelo de Avaliação,
enquanto documento orientador das diferentes BEs na senda da
excelência, o qual implica uma abordagem reflexiva induzida pela
recolha     sistemática     de     evidências    “Evidence-based         practice”.
Descreve genericamente a organização estrutural e funcional do
documento em análise, não deixando de salientar a necessidade de
atender      aos    factores     propiciadores    da    sua        flexibilidade     e
exequibilidade, de forma a evitar a sua burocratização. Menciona
alguns constrangimentos que poderão surgir na sua aplicação,
designadamente: a dificuldade em provar as evidências, seja por falta
de registo, seja por falta de tempo, ou por outros motivos de
etiologia diversa.


Reconhece o impacto positivo da integração do Modelo na escola e
salienta a continuidade que deve ser impressa a todo o processo de
avaliação.   Embora,   como   afirma,   o   seu   desenvolvimento      vá
processar-se por etapas, ao longo de quatro anos, prevê que os
procedimentos se vão tornando mais densos e complicados, o que
poderá ter implicações na gestão diária da BE.


Enumera as competências do PB, segundo o constante no ponto 3, do
Art.º 9, do Despacho 19 117/ 2008 (estão mais amplamente referidas
no Art.º 3.º da Portaria n.º 756/2009) que completa referindo
Eisenberg e Miller (2002). Finalmente focaliza-se na necessidade de
colaboração dos órgãos de gestão e na mais-valia que representa
uma equipa coesa, motivada e informada.




                                                  Margarida Carvalho




                                                                        2

Mais conteúdo relacionado

Destaque

Mandamentos Bodylogistic
Mandamentos BodylogisticMandamentos Bodylogistic
Mandamentos BodylogisticBodylogistic
 
Tutorial de blogger
Tutorial de bloggerTutorial de blogger
Tutorial de bloggerAMAZONIA
 
Edith métodos arte y diseño en la actualidad
Edith métodos arte y diseño en la actualidadEdith métodos arte y diseño en la actualidad
Edith métodos arte y diseño en la actualidadEdithdlCruz
 
Portafolio evaluación sem3
Portafolio evaluación sem3Portafolio evaluación sem3
Portafolio evaluación sem3Misael78
 
Fuentes Del Derecho Internacional Privado, Domicilio
Fuentes Del Derecho Internacional Privado, Domicilio Fuentes Del Derecho Internacional Privado, Domicilio
Fuentes Del Derecho Internacional Privado, Domicilio anabelriera
 
Actividad De Aprendizaje #4
Actividad De Aprendizaje #4Actividad De Aprendizaje #4
Actividad De Aprendizaje #4Demetrio Silva
 
evaluación simce c. naturales iii 6° AÑO
 evaluación simce c. naturales iii  6° AÑO evaluación simce c. naturales iii  6° AÑO
evaluación simce c. naturales iii 6° AÑO7z7z1541
 
FELIZ DIA DE AMOR Y AMISTAD
FELIZ DIA DE AMOR Y AMISTAD FELIZ DIA DE AMOR Y AMISTAD
FELIZ DIA DE AMOR Y AMISTAD sergiocolina
 

Destaque (20)

RedaçãO
RedaçãORedaçãO
RedaçãO
 
Sessao Tabagismo
Sessao TabagismoSessao Tabagismo
Sessao Tabagismo
 
Mandamentos Bodylogistic
Mandamentos BodylogisticMandamentos Bodylogistic
Mandamentos Bodylogistic
 
Ada 3 bloque 2
Ada 3 bloque 2Ada 3 bloque 2
Ada 3 bloque 2
 
Act2 sudb
Act2 sudbAct2 sudb
Act2 sudb
 
Equipo 4
Equipo 4Equipo 4
Equipo 4
 
Tutorial de blogger
Tutorial de bloggerTutorial de blogger
Tutorial de blogger
 
software libre
software libresoftware libre
software libre
 
Edith métodos arte y diseño en la actualidad
Edith métodos arte y diseño en la actualidadEdith métodos arte y diseño en la actualidad
Edith métodos arte y diseño en la actualidad
 
Mi proyecto de vida
Mi proyecto de vidaMi proyecto de vida
Mi proyecto de vida
 
Universidad católica de cuenca
Universidad católica de cuencaUniversidad católica de cuenca
Universidad católica de cuenca
 
Daniel zamora on line 2
Daniel zamora on line 2Daniel zamora on line 2
Daniel zamora on line 2
 
Jornal Catarina
Jornal CatarinaJornal Catarina
Jornal Catarina
 
Ada 3 bloque 2
Ada 3 bloque 2Ada 3 bloque 2
Ada 3 bloque 2
 
Portafolio evaluación sem3
Portafolio evaluación sem3Portafolio evaluación sem3
Portafolio evaluación sem3
 
Fuentes Del Derecho Internacional Privado, Domicilio
Fuentes Del Derecho Internacional Privado, Domicilio Fuentes Del Derecho Internacional Privado, Domicilio
Fuentes Del Derecho Internacional Privado, Domicilio
 
Dhtics equipo 3
Dhtics equipo 3Dhtics equipo 3
Dhtics equipo 3
 
Actividad De Aprendizaje #4
Actividad De Aprendizaje #4Actividad De Aprendizaje #4
Actividad De Aprendizaje #4
 
evaluación simce c. naturales iii 6° AÑO
 evaluación simce c. naturales iii  6° AÑO evaluación simce c. naturales iii  6° AÑO
evaluación simce c. naturales iii 6° AÑO
 
FELIZ DIA DE AMOR Y AMISTAD
FELIZ DIA DE AMOR Y AMISTAD FELIZ DIA DE AMOR Y AMISTAD
FELIZ DIA DE AMOR Y AMISTAD
 

Semelhante a Avaliação de Bibliotecas Escolares

Comentario Ao Trabalho Colega Anabela Aguiar
Comentario Ao Trabalho Colega Anabela AguiarComentario Ao Trabalho Colega Anabela Aguiar
Comentario Ao Trabalho Colega Anabela AguiarManuela Varejao
 
Sessão 2 análise crítica ao modelo de auto-avaliação
Sessão 2 análise crítica ao modelo de auto-avaliaçãoSessão 2 análise crítica ao modelo de auto-avaliação
Sessão 2 análise crítica ao modelo de auto-avaliaçãoguest1d174ffe
 
2_Tarefa_TeresaMaia
2_Tarefa_TeresaMaia2_Tarefa_TeresaMaia
2_Tarefa_TeresaMaiaTeresa Maia
 
Sintese4 Metodologias Operacionalizacao Parte I Drealg T2 Dez09
Sintese4  Metodologias Operacionalizacao Parte I Drealg T2 Dez09Sintese4  Metodologias Operacionalizacao Parte I Drealg T2 Dez09
Sintese4 Metodologias Operacionalizacao Parte I Drealg T2 Dez09Ana Cristina Matias
 
Intro e-guia-aval-part ii-nov2010[1]
Intro e-guia-aval-part ii-nov2010[1]Intro e-guia-aval-part ii-nov2010[1]
Intro e-guia-aval-part ii-nov2010[1]ddfdelfim
 
Intro e-guia-aval-part ii-nov2010
Intro e-guia-aval-part ii-nov2010Intro e-guia-aval-part ii-nov2010
Intro e-guia-aval-part ii-nov2010ddfdelfim
 
Tarefa 2 Analise Critica Mod Auto Av
Tarefa 2   Analise Critica Mod Auto AvTarefa 2   Analise Critica Mod Auto Av
Tarefa 2 Analise Critica Mod Auto Avaevisobibliovis
 
Sintese5 Metodologias Parte Ii Drealg Turma2 Dez09
Sintese5  Metodologias Parte Ii Drealg Turma2 Dez09Sintese5  Metodologias Parte Ii Drealg Turma2 Dez09
Sintese5 Metodologias Parte Ii Drealg Turma2 Dez09Ana Cristina Matias
 
Análise crítica ao Modelo de Auto-Avaliação
Análise crítica ao Modelo de Auto-AvaliaçãoAnálise crítica ao Modelo de Auto-Avaliação
Análise crítica ao Modelo de Auto-Avaliaçãomariaemilianovais
 
Análise Crítica do Modelo de Auto-Avaliação
Análise Crítica do Modelo de Auto-AvaliaçãoAnálise Crítica do Modelo de Auto-Avaliação
Análise Crítica do Modelo de Auto-Avaliaçãomariaemilianovais
 
2ª SessãO ComentáRio CríTico Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be
2ª SessãO ComentáRio CríTico Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be2ª SessãO ComentáRio CríTico Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be
2ª SessãO ComentáRio CríTico Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Da Bebeloule
 
2ª SessãO ComentáRio CríTico Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be
2ª SessãO ComentáRio CríTico Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be2ª SessãO ComentáRio CríTico Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be
2ª SessãO ComentáRio CríTico Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Da Bebeloule
 
Sessão 2 análise crítica ao modelo de avaliação
Sessão 2  análise crítica ao modelo de avaliaçãoSessão 2  análise crítica ao modelo de avaliação
Sessão 2 análise crítica ao modelo de avaliaçãoguest1d174ffe
 
AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Das Be
AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Das BeAnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Das Be
AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Das Beguest7716cf
 
AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Das Be
AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Das BeAnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Das Be
AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Das Beanamariabpalma
 
S2 T2 Analise Critica Ao Modelo De Autoavaliacao Eunice Pinho V1 10 Nov
S2 T2 Analise Critica Ao Modelo De Autoavaliacao Eunice Pinho V1 10 NovS2 T2 Analise Critica Ao Modelo De Autoavaliacao Eunice Pinho V1 10 Nov
S2 T2 Analise Critica Ao Modelo De Autoavaliacao Eunice Pinho V1 10 Novbiblioteclar
 
Sintese sessao 3
Sintese sessao 3Sintese sessao 3
Sintese sessao 3Anaigreja
 
Análise crítica do modelo de auto-avaliação das Bibliotecas Escolares
Análise crítica do modelo de auto-avaliação das Bibliotecas EscolaresAnálise crítica do modelo de auto-avaliação das Bibliotecas Escolares
Análise crítica do modelo de auto-avaliação das Bibliotecas EscolaresMargarida Botelho da Silva
 

Semelhante a Avaliação de Bibliotecas Escolares (20)

Comentario Ao Trabalho Colega Anabela Aguiar
Comentario Ao Trabalho Colega Anabela AguiarComentario Ao Trabalho Colega Anabela Aguiar
Comentario Ao Trabalho Colega Anabela Aguiar
 
Sintese da sessao_3-_drelvt3
Sintese da sessao_3-_drelvt3Sintese da sessao_3-_drelvt3
Sintese da sessao_3-_drelvt3
 
Sessão 2 análise crítica ao modelo de auto-avaliação
Sessão 2 análise crítica ao modelo de auto-avaliaçãoSessão 2 análise crítica ao modelo de auto-avaliação
Sessão 2 análise crítica ao modelo de auto-avaliação
 
Tarefa 2 Parte1 Act2
Tarefa 2 Parte1 Act2Tarefa 2 Parte1 Act2
Tarefa 2 Parte1 Act2
 
2_Tarefa_TeresaMaia
2_Tarefa_TeresaMaia2_Tarefa_TeresaMaia
2_Tarefa_TeresaMaia
 
Sintese4 Metodologias Operacionalizacao Parte I Drealg T2 Dez09
Sintese4  Metodologias Operacionalizacao Parte I Drealg T2 Dez09Sintese4  Metodologias Operacionalizacao Parte I Drealg T2 Dez09
Sintese4 Metodologias Operacionalizacao Parte I Drealg T2 Dez09
 
Intro e-guia-aval-part ii-nov2010[1]
Intro e-guia-aval-part ii-nov2010[1]Intro e-guia-aval-part ii-nov2010[1]
Intro e-guia-aval-part ii-nov2010[1]
 
Intro e-guia-aval-part ii-nov2010
Intro e-guia-aval-part ii-nov2010Intro e-guia-aval-part ii-nov2010
Intro e-guia-aval-part ii-nov2010
 
Tarefa 2 Analise Critica Mod Auto Av
Tarefa 2   Analise Critica Mod Auto AvTarefa 2   Analise Critica Mod Auto Av
Tarefa 2 Analise Critica Mod Auto Av
 
Sintese5 Metodologias Parte Ii Drealg Turma2 Dez09
Sintese5  Metodologias Parte Ii Drealg Turma2 Dez09Sintese5  Metodologias Parte Ii Drealg Turma2 Dez09
Sintese5 Metodologias Parte Ii Drealg Turma2 Dez09
 
Análise crítica ao Modelo de Auto-Avaliação
Análise crítica ao Modelo de Auto-AvaliaçãoAnálise crítica ao Modelo de Auto-Avaliação
Análise crítica ao Modelo de Auto-Avaliação
 
Análise Crítica do Modelo de Auto-Avaliação
Análise Crítica do Modelo de Auto-AvaliaçãoAnálise Crítica do Modelo de Auto-Avaliação
Análise Crítica do Modelo de Auto-Avaliação
 
2ª SessãO ComentáRio CríTico Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be
2ª SessãO ComentáRio CríTico Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be2ª SessãO ComentáRio CríTico Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be
2ª SessãO ComentáRio CríTico Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be
 
2ª SessãO ComentáRio CríTico Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be
2ª SessãO ComentáRio CríTico Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be2ª SessãO ComentáRio CríTico Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be
2ª SessãO ComentáRio CríTico Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be
 
Sessão 2 análise crítica ao modelo de avaliação
Sessão 2  análise crítica ao modelo de avaliaçãoSessão 2  análise crítica ao modelo de avaliação
Sessão 2 análise crítica ao modelo de avaliação
 
AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Das Be
AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Das BeAnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Das Be
AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Das Be
 
AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Das Be
AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Das BeAnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Das Be
AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Das Be
 
S2 T2 Analise Critica Ao Modelo De Autoavaliacao Eunice Pinho V1 10 Nov
S2 T2 Analise Critica Ao Modelo De Autoavaliacao Eunice Pinho V1 10 NovS2 T2 Analise Critica Ao Modelo De Autoavaliacao Eunice Pinho V1 10 Nov
S2 T2 Analise Critica Ao Modelo De Autoavaliacao Eunice Pinho V1 10 Nov
 
Sintese sessao 3
Sintese sessao 3Sintese sessao 3
Sintese sessao 3
 
Análise crítica do modelo de auto-avaliação das Bibliotecas Escolares
Análise crítica do modelo de auto-avaliação das Bibliotecas EscolaresAnálise crítica do modelo de auto-avaliação das Bibliotecas Escolares
Análise crítica do modelo de auto-avaliação das Bibliotecas Escolares
 

Mais de mariaantoniadocarmo

2ª ACTIVIDADE – distinguir enunciados gerais de específicos
2ª ACTIVIDADE – distinguir enunciados gerais de específicos2ª ACTIVIDADE – distinguir enunciados gerais de específicos
2ª ACTIVIDADE – distinguir enunciados gerais de específicosmariaantoniadocarmo
 
1ª ACTIVIDADE – distinguir descrição de avaliação
1ª ACTIVIDADE – distinguir descrição de avaliação 1ª ACTIVIDADE – distinguir descrição de avaliação
1ª ACTIVIDADE – distinguir descrição de avaliação mariaantoniadocarmo
 
O Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares: metodologias de operaci...
O Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares: metodologias de operaci...O Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares: metodologias de operaci...
O Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares: metodologias de operaci...mariaantoniadocarmo
 
O MODELO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA BE: METODOLOGIAS DE OPERACIONALIZAÇÃO (CONCLUSÃ...
O MODELO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA BE: METODOLOGIAS DE OPERACIONALIZAÇÃO (CONCLUSÃ...O MODELO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA BE: METODOLOGIAS DE OPERACIONALIZAÇÃO (CONCLUSÃ...
O MODELO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA BE: METODOLOGIAS DE OPERACIONALIZAÇÃO (CONCLUSÃ...mariaantoniadocarmo
 
O Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares: metodologias de operaci...
O Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares: metodologias de operaci...O Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares: metodologias de operaci...
O Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares: metodologias de operaci...mariaantoniadocarmo
 
O Modelo de Auto-avaliação das Bibliotecas Escolares: Metodologias de operaci...
O Modelo de Auto-avaliação das Bibliotecas Escolares: Metodologias de operaci...O Modelo de Auto-avaliação das Bibliotecas Escolares: Metodologias de operaci...
O Modelo de Auto-avaliação das Bibliotecas Escolares: Metodologias de operaci...mariaantoniadocarmo
 
Comentário ao Trabalho em Power Point relativo ao Modelo de Auto Avaliação BE...
Comentário ao Trabalho em Power Point relativo ao Modelo de Auto Avaliação BE...Comentário ao Trabalho em Power Point relativo ao Modelo de Auto Avaliação BE...
Comentário ao Trabalho em Power Point relativo ao Modelo de Auto Avaliação BE...mariaantoniadocarmo
 
Modelo de Auto Avaliação da Biblioteca Escolar no Contexto Escola/Agrupamento
Modelo de Auto Avaliação da Biblioteca Escolar no Contexto Escola/AgrupamentoModelo de Auto Avaliação da Biblioteca Escolar no Contexto Escola/Agrupamento
Modelo de Auto Avaliação da Biblioteca Escolar no Contexto Escola/Agrupamentomariaantoniadocarmo
 
Comentário Fundamentado à Análise Crítica do Modelo de Auto Avaliação - Maria...
Comentário Fundamentado à Análise Crítica do Modelo de Auto Avaliação - Maria...Comentário Fundamentado à Análise Crítica do Modelo de Auto Avaliação - Maria...
Comentário Fundamentado à Análise Crítica do Modelo de Auto Avaliação - Maria...mariaantoniadocarmo
 
Análise do Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares
Análise do Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas EscolaresAnálise do Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares
Análise do Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolaresmariaantoniadocarmo
 

Mais de mariaantoniadocarmo (16)

Análise síntese final
Análise síntese finalAnálise síntese final
Análise síntese final
 
Comentario Tarefa 3 - 2ª parte
Comentario Tarefa 3 - 2ª parteComentario Tarefa 3 - 2ª parte
Comentario Tarefa 3 - 2ª parte
 
2ª ACTIVIDADE – distinguir enunciados gerais de específicos
2ª ACTIVIDADE – distinguir enunciados gerais de específicos2ª ACTIVIDADE – distinguir enunciados gerais de específicos
2ª ACTIVIDADE – distinguir enunciados gerais de específicos
 
1ª ACTIVIDADE – distinguir descrição de avaliação
1ª ACTIVIDADE – distinguir descrição de avaliação 1ª ACTIVIDADE – distinguir descrição de avaliação
1ª ACTIVIDADE – distinguir descrição de avaliação
 
O Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares: metodologias de operaci...
O Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares: metodologias de operaci...O Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares: metodologias de operaci...
O Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares: metodologias de operaci...
 
O MODELO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA BE: METODOLOGIAS DE OPERACIONALIZAÇÃO (CONCLUSÃ...
O MODELO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA BE: METODOLOGIAS DE OPERACIONALIZAÇÃO (CONCLUSÃ...O MODELO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA BE: METODOLOGIAS DE OPERACIONALIZAÇÃO (CONCLUSÃ...
O MODELO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA BE: METODOLOGIAS DE OPERACIONALIZAÇÃO (CONCLUSÃ...
 
O Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares: metodologias de operaci...
O Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares: metodologias de operaci...O Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares: metodologias de operaci...
O Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares: metodologias de operaci...
 
Acções Futuras D1
Acções Futuras D1Acções Futuras D1
Acções Futuras D1
 
Tabela B1
Tabela B1Tabela B1
Tabela B1
 
O Modelo de Auto-avaliação das Bibliotecas Escolares: Metodologias de operaci...
O Modelo de Auto-avaliação das Bibliotecas Escolares: Metodologias de operaci...O Modelo de Auto-avaliação das Bibliotecas Escolares: Metodologias de operaci...
O Modelo de Auto-avaliação das Bibliotecas Escolares: Metodologias de operaci...
 
Comentário ao Trabalho em Power Point relativo ao Modelo de Auto Avaliação BE...
Comentário ao Trabalho em Power Point relativo ao Modelo de Auto Avaliação BE...Comentário ao Trabalho em Power Point relativo ao Modelo de Auto Avaliação BE...
Comentário ao Trabalho em Power Point relativo ao Modelo de Auto Avaliação BE...
 
Modelo de Auto Avaliação da Biblioteca Escolar no Contexto Escola/Agrupamento
Modelo de Auto Avaliação da Biblioteca Escolar no Contexto Escola/AgrupamentoModelo de Auto Avaliação da Biblioteca Escolar no Contexto Escola/Agrupamento
Modelo de Auto Avaliação da Biblioteca Escolar no Contexto Escola/Agrupamento
 
Comentário Fundamentado à Análise Crítica do Modelo de Auto Avaliação - Maria...
Comentário Fundamentado à Análise Crítica do Modelo de Auto Avaliação - Maria...Comentário Fundamentado à Análise Crítica do Modelo de Auto Avaliação - Maria...
Comentário Fundamentado à Análise Crítica do Modelo de Auto Avaliação - Maria...
 
Análise do Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares
Análise do Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas EscolaresAnálise do Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares
Análise do Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares
 
Crítica
CríticaCrítica
Crítica
 
Tabela
TabelaTabela
Tabela
 

Avaliação de Bibliotecas Escolares

  • 1. Acção de Formação: Auto-avaliação das Bibliotecas Escolares DRELVT, Turma 9 Tarefa 2 – 2.ª Parte Breve comentário à análise do Modelo feita pela colega Maria Antónia do Carmo A análise do Modelo de Auto-avaliação das Bibliotecas Escolares encontra-se estruturada de acordo com os aspectos indicados na proposta da actividade. A colega refere com objectividade os pontos principais que fundamentam a afirmação do Modelo como um importante instrumento pedagógico, impulsionador da melhoria sistemática da qualidade das aprendizagens, identificando os pressupostos conceptuais que lhe subjazem. Justifica a pertinência da existência de um Modelo de Avaliação, enquanto documento orientador das diferentes BEs na senda da excelência, o qual implica uma abordagem reflexiva induzida pela recolha sistemática de evidências “Evidence-based practice”. Descreve genericamente a organização estrutural e funcional do documento em análise, não deixando de salientar a necessidade de atender aos factores propiciadores da sua flexibilidade e exequibilidade, de forma a evitar a sua burocratização. Menciona alguns constrangimentos que poderão surgir na sua aplicação, designadamente: a dificuldade em provar as evidências, seja por falta
  • 2. de registo, seja por falta de tempo, ou por outros motivos de etiologia diversa. Reconhece o impacto positivo da integração do Modelo na escola e salienta a continuidade que deve ser impressa a todo o processo de avaliação. Embora, como afirma, o seu desenvolvimento vá processar-se por etapas, ao longo de quatro anos, prevê que os procedimentos se vão tornando mais densos e complicados, o que poderá ter implicações na gestão diária da BE. Enumera as competências do PB, segundo o constante no ponto 3, do Art.º 9, do Despacho 19 117/ 2008 (estão mais amplamente referidas no Art.º 3.º da Portaria n.º 756/2009) que completa referindo Eisenberg e Miller (2002). Finalmente focaliza-se na necessidade de colaboração dos órgãos de gestão e na mais-valia que representa uma equipa coesa, motivada e informada. Margarida Carvalho 2