SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 6
Baixar para ler offline
O Modelo de Auto-avaliação das Bibliotecas Escolares:
    Metodologias de operacionalização (parte1)


          PLANO DE AVALIAÇÃO DA BIBLIOTECA ESCOLAR



       Informação, motivação e empenho de toda a equipa da Biblioteca, o
envolvimento dos órgãos de gestão da Escola/Agrupamento são pressupostos
inerentes à implementação/aplicação do modelo de auto-avaliação da Biblioteca
Escolar.

Do envolvimento da comunidade educativa dependerá o sucesso da aplicação do
modelo. De acordo com uma calendarização adequada, é fundamental comunicar ao
Conselho Pedagógico, o processo e o modo como cada agente educativo será nele
envolvido e respectivas implicações dos resultados.

       O plano apresentado resulta da análise dos documentos e daquilo que me
parece ser essencial para o colocar em prática.




Selecção de um domínio


A selecção recai no domínio B – Leitura e literacia, alicerçado nas metas do Projecto
Educativo de Escola/Agrupamento - diminuir o insucesso escolar e porque
consideramos que o desenvolvimento das competências de leitura e literacia é a base
de qualquer construção de conhecimento, nos mais variados suportes, lúdica,
formativa ou informativa, sendo a actividade chave de uma biblioteca, numa escola
promotora do sucesso educativo para todos.


Selecção de dois indicadores do domínio B


B.1 - Trabalho da BE ao serviço da promoção da leitura (indicador de Processo)

B.3 - Impacto do trabalho da BE nas atitudes e competências dos alunos, no âmbito da
leitura e das literacias. (Indicador de Impacto/outcome)

A BE/CRE tem desenvolvido diversas actividades de promoção de leitura e literacia,
particularmente este ano lectivo decidiu investir mais nesta área, já que a leitura é o
suporte do progresso de todas as competências que se pretende que os alunos
desenvolvam.
A avaliação deste domínio servirá para medir o impacto da BE na melhoria das
competências dos alunos e das suas aprendizagens.




Para delinear um plano de avaliação podemos ter em conta as considerações-chave
do documento ” Basic Guide To Program Evaluation” de Carter Mac Namara , que
apresento:


      Os motivos que levam ao implemento dessa avaliação;

      A quem interessam os resultados dessa avaliação;

      O que devo avaliar, em termos de inputs, processos, outputs, ou os outcomes.
       Pontos fortes e fracos. Falhas e impedimentos;

      Fontes de informação (utilizadores, equipa, documentos…etc);

      Métodos de recolha de evidências (questionários, entrevistas, análise da
       documentação, observação directa, etc.);

      Calendarização para a recolha da informação;

      Recursos para a recolha de informação;

      A análise crítica e o tratamento dos dados;

      Relatório de Avaliação dos resultados/ Acções para a melhoria;

      A divulgação dos resultados;
Sensibilização da Comunidade Educativa para o Modelo de Auto-
avaliação das Bibliotecas Escolares



Etapas                       Formalização de                 Calendarização
                             Procedimentos


Motivação e compromisso      - Reunião do Professor
Institucional dos órgãos     Bibliotecário com o
de gestão pedagógica e
                             Conselho Directivo
executiva da Escola com o
processo      de     auto-   - Apresentação do Modelo
avaliação da BE              de Auto-Avaliação em
                             Conselho        Pedagógico
                             (powerpoint)

                                                             Setembro
Apresentação aos             - Reunião com Equipa /
Professores, do propósito    Colaboradores da BE
e metodologia de auto-
                             - Sensibilização dos            Outubro
avaliação para
co-responsabilização         professores dos vários
/envolvimento de todos       Departamentos
os intervenientes


Constituição do Grupo        - Reunião com Equipa /
responsável pela             Colaboradores da BE-
aplicação/condução do
                             Definir as tarefas a realizar
processo de avaliação
                             por     cada     um      dos
                             elementos      responsáveis
                             pela avaliação.




Outubro - Fazer um levantamento dos métodos e instrumentos a utilizar na recolha
de evidências. Aferir da necessidade de se efectuarem outros registos fundamentais
para a recolha de evidências relativas ao domínio a avaliar.

Preparação dos instrumentos de avaliação (questionários para alunos e professores,
grelhas de observação, …).
Novembro a Maio - Recolha de evidências. Paralelamente, (sempre que possível)
realizar-se-á o tratamento dos dados, não deixando acumular para o final do ano.

Junho - Análise de resultados, identificação do nível de desempenho e planeamento
de acções para melhoria;

Divulgação dos resultados - O relatório final da Avaliação, com as conclusões,
elaborado no final do ano lectivo, será apresentada em Julho no Conselho Pedagógico
(PowerPoint). As conclusões serão igualmente divulgadas nos vários Departamentos da
escola.



Acções para a melhoria:
No mês de Julho serão realizadas as reuniões necessárias com a equipa da BE e com os
Coordenadores de Departamento, para elaboração do Plano Anual de Actividades do
ano seguinte tendo como base a reflexão dos pontos fracos a desenvolver, os
inexistentes a promover e os fortes a continuar, com vista a melhoria e o sucesso dos
alunos e da Escola.




Domínio B – Leitura e Literacia
O que se avalia/ Como se avalia

Indicadores                  Factores críticos de         Evidências
                             sucesso


                             -A BE disponibiliza uma      - Estatísticas de requisição,
                             colecção variada e           circulação na Escola e uso
B.1 Trabalho da BE ao        adequada aos gostos,         de recursos relacionados
serviço da promoção da       interesses e necessidades    com a leitura.
leitura na escola/           dos utilizadores.
agrupamento.                                              - Estatísticas de utilização
(Processo)                   - A BE promove acções        informal da BE.
                             formativas que ajudem a
                             desenvolver as                - Estatísticas de utilização
                             competências na área da      da BE para actividades de
                             leitura.                     leitura programada/
                                                          articulada com outros
                                                          docentes.
-A BE incentiva o            - Registos de projectos
                             empréstimo domiciliário.     desenvolvidos no âmbito
                                                          da promoção da leitura.
                             - A BE está informada        (Concursos, feira do livro,
                             relativamente às linhas de   encontros com escritores,
                             orientação e actividades     ilustradores, sessões de
                             propostas pelo PNL e         leitura, encontros de
                             desenvolve as acções         leitura, exposições
                             implicadas na sua            temáticas)
                             implementação.
                                                          - Questionários aos
                                                          docentes (QD2)
                             - A BE promove encontros
                             com escritores ou outros     - Questionário aos alunos
                             eventos culturais que        (QA2)
                             aproximem os alunos dos
                             livros ou de outros          - Registos de Observação
                             materiais/ambientes e        (O3)
                             incentivem o gosto pela
                             leitura.




                             - Os alunos usam o livro e   - Estatísticas de utilização
                             a BE para ler de forma       da BE para actividades de
                             recreativa, para se          leitura - (Registo de
                             informar ou para realizar    presenças onde está
B3 – Impacto do trabalho     trabalhos escolares.         especificada a área a
da BE nas atitudes e                                      utilizar)
competências dos alunos,     - Os alunos, de acordo com
no âmbito da leitura e das   o seu ano/ciclo de           - Estatísticas de requisição
literacias (Outcome)         escolaridade, manifestam     domiciliária. (impresso
                             progressos nas               próprio que se preenche
                             competências de leitura,     na altura da requisição)
                             lendo mais.
                                                          - Observação da utilização
                             - Os alunos participam       na BE. (grelha de
                             activamente em diferentes    observação O4)
                             actividades associadas
                             à promoção da leitura:       - Questionários a
                             hora do conto/animação       professores. (QD2)
                             de leitura, fóruns, …etc.
                                                          - Questionários a alunos.
                                                          (QA2)
Constrangimentos

     O tempo

     A sobrecarga de trabalho com a aplicação do modelo;

     Eventual dificuldade em envolver todos os intervenientes;

     Dificuldade em registar todas as evidências (nem tudo se regista…);

     Falta de preparação para o tratamento de dados;

     …




                                                            Maria Antónia do Carmo

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Plano De Avaliacao Dominio C
Plano De  Avaliacao  Dominio  CPlano De  Avaliacao  Dominio  C
Plano De Avaliacao Dominio CGloria Lopes
 
MAFSessao5 Tarefa
MAFSessao5 TarefaMAFSessao5 Tarefa
MAFSessao5 Tarefaameliafig
 
Tarefa 2
Tarefa 2Tarefa 2
Tarefa 2BE/CRE
 
Plano de ação be 2011 2013 pdf
Plano de ação be 2011 2013 pdfPlano de ação be 2011 2013 pdf
Plano de ação be 2011 2013 pdfbeazeitao
 
Plano De AvaliaçãO Da Be 4ª SessãO
Plano De AvaliaçãO Da Be   4ª SessãOPlano De AvaliaçãO Da Be   4ª SessãO
Plano De AvaliaçãO Da Be 4ª SessãO1000a
 
SessãO4 Plano De Avaliacao Manuela Varejao
SessãO4 Plano De Avaliacao Manuela VarejaoSessãO4 Plano De Avaliacao Manuela Varejao
SessãO4 Plano De Avaliacao Manuela VarejaoManuela Varejao
 
4sessão domínios B1 B3
4sessão domínios B1 B34sessão domínios B1 B3
4sessão domínios B1 B3martamedeiros
 
Joao Reis Workshopformativo SessãO2
Joao Reis Workshopformativo SessãO2Joao Reis Workshopformativo SessãO2
Joao Reis Workshopformativo SessãO2João Alves Dos Reis
 
Auto avaliação da BE
Auto avaliação da BEAuto avaliação da BE
Auto avaliação da BEAlcina Correia
 

Mais procurados (15)

Plano De Avaliacao Dominio C
Plano De  Avaliacao  Dominio  CPlano De  Avaliacao  Dominio  C
Plano De Avaliacao Dominio C
 
Tarefa 4 dominío b
Tarefa 4  dominío bTarefa 4  dominío b
Tarefa 4 dominío b
 
Tarefa4
Tarefa4Tarefa4
Tarefa4
 
MAFSessao5 Tarefa
MAFSessao5 TarefaMAFSessao5 Tarefa
MAFSessao5 Tarefa
 
GestãO Da Be
GestãO Da BeGestãO Da Be
GestãO Da Be
 
Tarefa 2
Tarefa 2Tarefa 2
Tarefa 2
 
Plano de ação be 2011 2013 pdf
Plano de ação be 2011 2013 pdfPlano de ação be 2011 2013 pdf
Plano de ação be 2011 2013 pdf
 
Plano de avaliação
Plano de avaliaçãoPlano de avaliação
Plano de avaliação
 
Plano de avaliaçaobe abilio
Plano de avaliaçaobe abilioPlano de avaliaçaobe abilio
Plano de avaliaçaobe abilio
 
Plano De AvaliaçãO Da Be 4ª SessãO
Plano De AvaliaçãO Da Be   4ª SessãOPlano De AvaliaçãO Da Be   4ª SessãO
Plano De AvaliaçãO Da Be 4ª SessãO
 
SessãO4 Plano De Avaliacao Manuela Varejao
SessãO4 Plano De Avaliacao Manuela VarejaoSessãO4 Plano De Avaliacao Manuela Varejao
SessãO4 Plano De Avaliacao Manuela Varejao
 
4ªSessãO B1 B3
4ªSessãO B1 B34ªSessãO B1 B3
4ªSessãO B1 B3
 
4sessão domínios B1 B3
4sessão domínios B1 B34sessão domínios B1 B3
4sessão domínios B1 B3
 
Joao Reis Workshopformativo SessãO2
Joao Reis Workshopformativo SessãO2Joao Reis Workshopformativo SessãO2
Joao Reis Workshopformativo SessãO2
 
Auto avaliação da BE
Auto avaliação da BEAuto avaliação da BE
Auto avaliação da BE
 

Semelhante a O Modelo de Auto-avaliação das Bibliotecas Escolares: Metodologias de operacionalização (parte1)

Metodologias De Operacionalização
Metodologias De  OperacionalizaçãoMetodologias De  Operacionalização
Metodologias De Operacionalizaçãobeloule
 
Metodologias De OperacionalizaçãO
Metodologias De OperacionalizaçãOMetodologias De OperacionalizaçãO
Metodologias De OperacionalizaçãObeloule
 
Plano De Avaliacao Be Bairro Da Ponte
Plano De Avaliacao   Be Bairro Da PontePlano De Avaliacao   Be Bairro Da Ponte
Plano De Avaliacao Be Bairro Da PonteHélia Jacob
 
MAFSessao6 Tabela D.1
MAFSessao6 Tabela D.1 MAFSessao6 Tabela D.1
MAFSessao6 Tabela D.1 ameliafig
 
Microsoft Word Trabalho Da Sessão 5
Microsoft  Word    Trabalho Da Sessão 5Microsoft  Word    Trabalho Da Sessão 5
Microsoft Word Trabalho Da Sessão 5catiarodriguessousa
 
Microsoft Word Trabalho Da Sessão 5
Microsoft  Word    Trabalho Da Sessão 5Microsoft  Word    Trabalho Da Sessão 5
Microsoft Word Trabalho Da Sessão 5catiarodriguessousa
 
Microsoft Word Trabalho Da Sessão 5
Microsoft  Word    Trabalho Da Sessão 5Microsoft  Word    Trabalho Da Sessão 5
Microsoft Word Trabalho Da Sessão 5catiarodriguessousa
 
Microsoft Word Trabalho Da SessãO 5
Microsoft Word   Trabalho Da SessãO 5Microsoft Word   Trabalho Da SessãO 5
Microsoft Word Trabalho Da SessãO 5catiarodriguessousa
 
Microsoft Word Trabalho Da SessãO 5
Microsoft Word   Trabalho Da SessãO 5Microsoft Word   Trabalho Da SessãO 5
Microsoft Word Trabalho Da SessãO 5catiarodriguessousa
 
Plano De Auto AvaliaçãO Das Be Metodogias De OperacionalizaçãO Parte I
Plano De Auto  AvaliaçãO Das Be Metodogias De OperacionalizaçãO Parte IPlano De Auto  AvaliaçãO Das Be Metodogias De OperacionalizaçãO Parte I
Plano De Auto AvaliaçãO Das Be Metodogias De OperacionalizaçãO Parte Ianamariabpalma
 
Microsoft Word Plano De AvaliaçãO DomíNio B1 E B3 23 De Nov.
Microsoft Word   Plano De AvaliaçãO  DomíNio B1 E B3 23 De Nov.Microsoft Word   Plano De AvaliaçãO  DomíNio B1 E B3 23 De Nov.
Microsoft Word Plano De AvaliaçãO DomíNio B1 E B3 23 De Nov.guest3011a0
 
Microsoft Word Plano De AvaliaçãO DomíNio B1 E B3 23 De Nov.
Microsoft Word   Plano De AvaliaçãO  DomíNio B1 E B3 23 De Nov.Microsoft Word   Plano De AvaliaçãO  DomíNio B1 E B3 23 De Nov.
Microsoft Word Plano De AvaliaçãO DomíNio B1 E B3 23 De Nov.guest3011a0
 
A Auto AvaliaçãO Da Be E A AvaliaçãO Externa
A Auto AvaliaçãO Da Be E A AvaliaçãO ExternaA Auto AvaliaçãO Da Be E A AvaliaçãO Externa
A Auto AvaliaçãO Da Be E A AvaliaçãO Externaanamariabpalma
 
Maabe Metodologias De OperacionalizaçãO L
Maabe   Metodologias De OperacionalizaçãO LMaabe   Metodologias De OperacionalizaçãO L
Maabe Metodologias De OperacionalizaçãO Lmariamanel
 

Semelhante a O Modelo de Auto-avaliação das Bibliotecas Escolares: Metodologias de operacionalização (parte1) (20)

DomíNio B
DomíNio BDomíNio B
DomíNio B
 
Metodologias De Operacionalização
Metodologias De  OperacionalizaçãoMetodologias De  Operacionalização
Metodologias De Operacionalização
 
Metodologias De OperacionalizaçãO
Metodologias De OperacionalizaçãOMetodologias De OperacionalizaçãO
Metodologias De OperacionalizaçãO
 
Tarefa4
Tarefa4Tarefa4
Tarefa4
 
Plano De Avaliacao Be Bairro Da Ponte
Plano De Avaliacao   Be Bairro Da PontePlano De Avaliacao   Be Bairro Da Ponte
Plano De Avaliacao Be Bairro Da Ponte
 
MAFSessao6 Tabela D.1
MAFSessao6 Tabela D.1 MAFSessao6 Tabela D.1
MAFSessao6 Tabela D.1
 
Microsoft Word Trabalho Da Sessão 5
Microsoft  Word    Trabalho Da Sessão 5Microsoft  Word    Trabalho Da Sessão 5
Microsoft Word Trabalho Da Sessão 5
 
Microsoft Word Tabela D.2 Nova
Microsoft Word   Tabela D.2 NovaMicrosoft Word   Tabela D.2 Nova
Microsoft Word Tabela D.2 Nova
 
Microsoft Word Trabalho Da Sessão 5
Microsoft  Word    Trabalho Da Sessão 5Microsoft  Word    Trabalho Da Sessão 5
Microsoft Word Trabalho Da Sessão 5
 
Microsoft Word Trabalho Da Sessão 5
Microsoft  Word    Trabalho Da Sessão 5Microsoft  Word    Trabalho Da Sessão 5
Microsoft Word Trabalho Da Sessão 5
 
Microsoft Word Trabalho Da SessãO 5
Microsoft Word   Trabalho Da SessãO 5Microsoft Word   Trabalho Da SessãO 5
Microsoft Word Trabalho Da SessãO 5
 
Microsoft Word Trabalho Da SessãO 5
Microsoft Word   Trabalho Da SessãO 5Microsoft Word   Trabalho Da SessãO 5
Microsoft Word Trabalho Da SessãO 5
 
Plano De Auto AvaliaçãO Das Be Metodogias De OperacionalizaçãO Parte I
Plano De Auto  AvaliaçãO Das Be Metodogias De OperacionalizaçãO Parte IPlano De Auto  AvaliaçãO Das Be Metodogias De OperacionalizaçãO Parte I
Plano De Auto AvaliaçãO Das Be Metodogias De OperacionalizaçãO Parte I
 
Modelo De Auto
Modelo De AutoModelo De Auto
Modelo De Auto
 
Microsoft Word Plano De AvaliaçãO DomíNio B1 E B3 23 De Nov.
Microsoft Word   Plano De AvaliaçãO  DomíNio B1 E B3 23 De Nov.Microsoft Word   Plano De AvaliaçãO  DomíNio B1 E B3 23 De Nov.
Microsoft Word Plano De AvaliaçãO DomíNio B1 E B3 23 De Nov.
 
Microsoft Word Plano De AvaliaçãO DomíNio B1 E B3 23 De Nov.
Microsoft Word   Plano De AvaliaçãO  DomíNio B1 E B3 23 De Nov.Microsoft Word   Plano De AvaliaçãO  DomíNio B1 E B3 23 De Nov.
Microsoft Word Plano De AvaliaçãO DomíNio B1 E B3 23 De Nov.
 
A Auto AvaliaçãO Da Be E A AvaliaçãO Externa
A Auto AvaliaçãO Da Be E A AvaliaçãO ExternaA Auto AvaliaçãO Da Be E A AvaliaçãO Externa
A Auto AvaliaçãO Da Be E A AvaliaçãO Externa
 
Plano De AvaliaçãO
Plano De AvaliaçãOPlano De AvaliaçãO
Plano De AvaliaçãO
 
Unidade 5
Unidade 5Unidade 5
Unidade 5
 
Maabe Metodologias De OperacionalizaçãO L
Maabe   Metodologias De OperacionalizaçãO LMaabe   Metodologias De OperacionalizaçãO L
Maabe Metodologias De OperacionalizaçãO L
 

Mais de mariaantoniadocarmo

2ª ACTIVIDADE – distinguir enunciados gerais de específicos
2ª ACTIVIDADE – distinguir enunciados gerais de específicos2ª ACTIVIDADE – distinguir enunciados gerais de específicos
2ª ACTIVIDADE – distinguir enunciados gerais de específicosmariaantoniadocarmo
 
1ª ACTIVIDADE – distinguir descrição de avaliação
1ª ACTIVIDADE – distinguir descrição de avaliação 1ª ACTIVIDADE – distinguir descrição de avaliação
1ª ACTIVIDADE – distinguir descrição de avaliação mariaantoniadocarmo
 
O Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares: metodologias de operaci...
O Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares: metodologias de operaci...O Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares: metodologias de operaci...
O Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares: metodologias de operaci...mariaantoniadocarmo
 
O MODELO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA BE: METODOLOGIAS DE OPERACIONALIZAÇÃO (CONCLUSÃ...
O MODELO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA BE: METODOLOGIAS DE OPERACIONALIZAÇÃO (CONCLUSÃ...O MODELO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA BE: METODOLOGIAS DE OPERACIONALIZAÇÃO (CONCLUSÃ...
O MODELO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA BE: METODOLOGIAS DE OPERACIONALIZAÇÃO (CONCLUSÃ...mariaantoniadocarmo
 
O Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares: metodologias de operaci...
O Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares: metodologias de operaci...O Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares: metodologias de operaci...
O Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares: metodologias de operaci...mariaantoniadocarmo
 
Comentário ao Trabalho em Power Point relativo ao Modelo de Auto Avaliação BE...
Comentário ao Trabalho em Power Point relativo ao Modelo de Auto Avaliação BE...Comentário ao Trabalho em Power Point relativo ao Modelo de Auto Avaliação BE...
Comentário ao Trabalho em Power Point relativo ao Modelo de Auto Avaliação BE...mariaantoniadocarmo
 
Modelo de Auto Avaliação da Biblioteca Escolar no Contexto Escola/Agrupamento
Modelo de Auto Avaliação da Biblioteca Escolar no Contexto Escola/AgrupamentoModelo de Auto Avaliação da Biblioteca Escolar no Contexto Escola/Agrupamento
Modelo de Auto Avaliação da Biblioteca Escolar no Contexto Escola/Agrupamentomariaantoniadocarmo
 
Comentário Fundamentado à Análise Crítica do Modelo de Auto Avaliação - Maria...
Comentário Fundamentado à Análise Crítica do Modelo de Auto Avaliação - Maria...Comentário Fundamentado à Análise Crítica do Modelo de Auto Avaliação - Maria...
Comentário Fundamentado à Análise Crítica do Modelo de Auto Avaliação - Maria...mariaantoniadocarmo
 
Análise do Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares
Análise do Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas EscolaresAnálise do Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares
Análise do Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolaresmariaantoniadocarmo
 

Mais de mariaantoniadocarmo (16)

Análise síntese final
Análise síntese finalAnálise síntese final
Análise síntese final
 
Tarefa 2 - 2ª parte
Tarefa 2 - 2ª parteTarefa 2 - 2ª parte
Tarefa 2 - 2ª parte
 
Comentario Tarefa 3 - 2ª parte
Comentario Tarefa 3 - 2ª parteComentario Tarefa 3 - 2ª parte
Comentario Tarefa 3 - 2ª parte
 
2ª ACTIVIDADE – distinguir enunciados gerais de específicos
2ª ACTIVIDADE – distinguir enunciados gerais de específicos2ª ACTIVIDADE – distinguir enunciados gerais de específicos
2ª ACTIVIDADE – distinguir enunciados gerais de específicos
 
1ª ACTIVIDADE – distinguir descrição de avaliação
1ª ACTIVIDADE – distinguir descrição de avaliação 1ª ACTIVIDADE – distinguir descrição de avaliação
1ª ACTIVIDADE – distinguir descrição de avaliação
 
O Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares: metodologias de operaci...
O Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares: metodologias de operaci...O Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares: metodologias de operaci...
O Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares: metodologias de operaci...
 
O MODELO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA BE: METODOLOGIAS DE OPERACIONALIZAÇÃO (CONCLUSÃ...
O MODELO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA BE: METODOLOGIAS DE OPERACIONALIZAÇÃO (CONCLUSÃ...O MODELO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA BE: METODOLOGIAS DE OPERACIONALIZAÇÃO (CONCLUSÃ...
O MODELO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA BE: METODOLOGIAS DE OPERACIONALIZAÇÃO (CONCLUSÃ...
 
O Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares: metodologias de operaci...
O Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares: metodologias de operaci...O Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares: metodologias de operaci...
O Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares: metodologias de operaci...
 
Acções Futuras D1
Acções Futuras D1Acções Futuras D1
Acções Futuras D1
 
Tabela B1
Tabela B1Tabela B1
Tabela B1
 
Comentário ao Trabalho em Power Point relativo ao Modelo de Auto Avaliação BE...
Comentário ao Trabalho em Power Point relativo ao Modelo de Auto Avaliação BE...Comentário ao Trabalho em Power Point relativo ao Modelo de Auto Avaliação BE...
Comentário ao Trabalho em Power Point relativo ao Modelo de Auto Avaliação BE...
 
Modelo de Auto Avaliação da Biblioteca Escolar no Contexto Escola/Agrupamento
Modelo de Auto Avaliação da Biblioteca Escolar no Contexto Escola/AgrupamentoModelo de Auto Avaliação da Biblioteca Escolar no Contexto Escola/Agrupamento
Modelo de Auto Avaliação da Biblioteca Escolar no Contexto Escola/Agrupamento
 
Comentário Fundamentado à Análise Crítica do Modelo de Auto Avaliação - Maria...
Comentário Fundamentado à Análise Crítica do Modelo de Auto Avaliação - Maria...Comentário Fundamentado à Análise Crítica do Modelo de Auto Avaliação - Maria...
Comentário Fundamentado à Análise Crítica do Modelo de Auto Avaliação - Maria...
 
Análise do Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares
Análise do Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas EscolaresAnálise do Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares
Análise do Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares
 
Crítica
CríticaCrítica
Crítica
 
Tabela
TabelaTabela
Tabela
 

Último

PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...MANUELJESUSVENTURASA
 
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdfmúsica paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdfWALDIRENEPINTODEMACE
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evoluçãoprofleticiasantosbio
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfQueleLiberato
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTECAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTEJoaquim Colôa
 
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfLivro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfRafaela Vieira
 
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMNOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMHenrique Pontes
 
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfPARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfceajajacu
 
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Mary Alvarenga
 
Aula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdf
Aula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdfAula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdf
Aula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdfaulasgege
 
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita PhytonAlgumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita PhytonRosiniaGonalves
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREIVONETETAVARESRAMOS
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdfHORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdfSandra Pratas
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
 
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
 
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdfmúsica paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTECAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
 
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfLivro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
 
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMNOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
 
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfPARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
 
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
 
Aula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdf
Aula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdfAula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdf
Aula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdf
 
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita PhytonAlgumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdfHORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdf
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
 

O Modelo de Auto-avaliação das Bibliotecas Escolares: Metodologias de operacionalização (parte1)

  • 1. O Modelo de Auto-avaliação das Bibliotecas Escolares: Metodologias de operacionalização (parte1) PLANO DE AVALIAÇÃO DA BIBLIOTECA ESCOLAR Informação, motivação e empenho de toda a equipa da Biblioteca, o envolvimento dos órgãos de gestão da Escola/Agrupamento são pressupostos inerentes à implementação/aplicação do modelo de auto-avaliação da Biblioteca Escolar. Do envolvimento da comunidade educativa dependerá o sucesso da aplicação do modelo. De acordo com uma calendarização adequada, é fundamental comunicar ao Conselho Pedagógico, o processo e o modo como cada agente educativo será nele envolvido e respectivas implicações dos resultados. O plano apresentado resulta da análise dos documentos e daquilo que me parece ser essencial para o colocar em prática. Selecção de um domínio A selecção recai no domínio B – Leitura e literacia, alicerçado nas metas do Projecto Educativo de Escola/Agrupamento - diminuir o insucesso escolar e porque consideramos que o desenvolvimento das competências de leitura e literacia é a base de qualquer construção de conhecimento, nos mais variados suportes, lúdica, formativa ou informativa, sendo a actividade chave de uma biblioteca, numa escola promotora do sucesso educativo para todos. Selecção de dois indicadores do domínio B B.1 - Trabalho da BE ao serviço da promoção da leitura (indicador de Processo) B.3 - Impacto do trabalho da BE nas atitudes e competências dos alunos, no âmbito da leitura e das literacias. (Indicador de Impacto/outcome) A BE/CRE tem desenvolvido diversas actividades de promoção de leitura e literacia, particularmente este ano lectivo decidiu investir mais nesta área, já que a leitura é o
  • 2. suporte do progresso de todas as competências que se pretende que os alunos desenvolvam. A avaliação deste domínio servirá para medir o impacto da BE na melhoria das competências dos alunos e das suas aprendizagens. Para delinear um plano de avaliação podemos ter em conta as considerações-chave do documento ” Basic Guide To Program Evaluation” de Carter Mac Namara , que apresento:  Os motivos que levam ao implemento dessa avaliação;  A quem interessam os resultados dessa avaliação;  O que devo avaliar, em termos de inputs, processos, outputs, ou os outcomes. Pontos fortes e fracos. Falhas e impedimentos;  Fontes de informação (utilizadores, equipa, documentos…etc);  Métodos de recolha de evidências (questionários, entrevistas, análise da documentação, observação directa, etc.);  Calendarização para a recolha da informação;  Recursos para a recolha de informação;  A análise crítica e o tratamento dos dados;  Relatório de Avaliação dos resultados/ Acções para a melhoria;  A divulgação dos resultados;
  • 3. Sensibilização da Comunidade Educativa para o Modelo de Auto- avaliação das Bibliotecas Escolares Etapas Formalização de Calendarização Procedimentos Motivação e compromisso - Reunião do Professor Institucional dos órgãos Bibliotecário com o de gestão pedagógica e Conselho Directivo executiva da Escola com o processo de auto- - Apresentação do Modelo avaliação da BE de Auto-Avaliação em Conselho Pedagógico (powerpoint) Setembro Apresentação aos - Reunião com Equipa / Professores, do propósito Colaboradores da BE e metodologia de auto- - Sensibilização dos Outubro avaliação para co-responsabilização professores dos vários /envolvimento de todos Departamentos os intervenientes Constituição do Grupo - Reunião com Equipa / responsável pela Colaboradores da BE- aplicação/condução do Definir as tarefas a realizar processo de avaliação por cada um dos elementos responsáveis pela avaliação. Outubro - Fazer um levantamento dos métodos e instrumentos a utilizar na recolha de evidências. Aferir da necessidade de se efectuarem outros registos fundamentais para a recolha de evidências relativas ao domínio a avaliar. Preparação dos instrumentos de avaliação (questionários para alunos e professores, grelhas de observação, …).
  • 4. Novembro a Maio - Recolha de evidências. Paralelamente, (sempre que possível) realizar-se-á o tratamento dos dados, não deixando acumular para o final do ano. Junho - Análise de resultados, identificação do nível de desempenho e planeamento de acções para melhoria; Divulgação dos resultados - O relatório final da Avaliação, com as conclusões, elaborado no final do ano lectivo, será apresentada em Julho no Conselho Pedagógico (PowerPoint). As conclusões serão igualmente divulgadas nos vários Departamentos da escola. Acções para a melhoria: No mês de Julho serão realizadas as reuniões necessárias com a equipa da BE e com os Coordenadores de Departamento, para elaboração do Plano Anual de Actividades do ano seguinte tendo como base a reflexão dos pontos fracos a desenvolver, os inexistentes a promover e os fortes a continuar, com vista a melhoria e o sucesso dos alunos e da Escola. Domínio B – Leitura e Literacia O que se avalia/ Como se avalia Indicadores Factores críticos de Evidências sucesso -A BE disponibiliza uma - Estatísticas de requisição, colecção variada e circulação na Escola e uso B.1 Trabalho da BE ao adequada aos gostos, de recursos relacionados serviço da promoção da interesses e necessidades com a leitura. leitura na escola/ dos utilizadores. agrupamento. - Estatísticas de utilização (Processo) - A BE promove acções informal da BE. formativas que ajudem a desenvolver as - Estatísticas de utilização competências na área da da BE para actividades de leitura. leitura programada/ articulada com outros docentes.
  • 5. -A BE incentiva o - Registos de projectos empréstimo domiciliário. desenvolvidos no âmbito da promoção da leitura. - A BE está informada (Concursos, feira do livro, relativamente às linhas de encontros com escritores, orientação e actividades ilustradores, sessões de propostas pelo PNL e leitura, encontros de desenvolve as acções leitura, exposições implicadas na sua temáticas) implementação. - Questionários aos docentes (QD2) - A BE promove encontros com escritores ou outros - Questionário aos alunos eventos culturais que (QA2) aproximem os alunos dos livros ou de outros - Registos de Observação materiais/ambientes e (O3) incentivem o gosto pela leitura. - Os alunos usam o livro e - Estatísticas de utilização a BE para ler de forma da BE para actividades de recreativa, para se leitura - (Registo de informar ou para realizar presenças onde está B3 – Impacto do trabalho trabalhos escolares. especificada a área a da BE nas atitudes e utilizar) competências dos alunos, - Os alunos, de acordo com no âmbito da leitura e das o seu ano/ciclo de - Estatísticas de requisição literacias (Outcome) escolaridade, manifestam domiciliária. (impresso progressos nas próprio que se preenche competências de leitura, na altura da requisição) lendo mais. - Observação da utilização - Os alunos participam na BE. (grelha de activamente em diferentes observação O4) actividades associadas à promoção da leitura: - Questionários a hora do conto/animação professores. (QD2) de leitura, fóruns, …etc. - Questionários a alunos. (QA2)
  • 6. Constrangimentos  O tempo  A sobrecarga de trabalho com a aplicação do modelo;  Eventual dificuldade em envolver todos os intervenientes;  Dificuldade em registar todas as evidências (nem tudo se regista…);  Falta de preparação para o tratamento de dados;  … Maria Antónia do Carmo