O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.
Aula 5
Educação online, a
distância/sem distância,
blended: os diferentes
conceitos
O ensino de línguas mediado por novas
...
Texto 1 – Educação online para além da
EAD: um fenômeno da cibercultura
Edméa Santos
O Introdução
O A cibercultura e a eme...
Introdução
O Educação online como fenômeno de cibercultura;
O Cibercultura – cultura contemporânea estruturada
pelas tecno...
Introdução
O 5ª Geração
4ª geração (1995-2005)– correio eletrônico, chat,
computador, internet, transmissões em banda larg...
Introdução
O EAD para Online
O Migração de desenhos
O Mesma lógica comunicacional
O Mesmo paradigma – pedagogia da transmi...
A cibercultura e a emergência
da educação online
O Tecnologias digitais de informação e comunicação –
nova forma de materi...
A cibercultura e a emergência
da educação online
O O ciberespaço:
O surge da interconexão mundial entre os computadores
– ...
A cibercultura e a emergência
da educação online
O Tempo e espaço ganham novos arranjos -
diferentes sociabilidades
O Espa...
Questão Norteadora
O Santos, citando Serpa (2003) fala que
vivemos uma espacialização do tempo e
sincronicidade do espaço ...
A cibercultura e a emergência
da educação online
O Tecnologias Proposicionais – capacidade de
articulação e convergência c...
Especificidades da educação online
como um fenômeno da cibercultura
O É o conjunto de ações de ensino
aprendizagem ou atos...
Especificidades da educação online
como um fenômeno da cibercultura
O AVA – uma organização viva , em que seres
humanos e ...
Especificidades da educação online
como um fenômeno da cibercultura
O Potencializar:
O Ambientes hipertextuais que agregue...
Especificidades da educação online
como um fenômeno da cibercultura
O AVA – suas interfaces permitem a interatividade e
a ...
Questão Norteadora
Quando vi hoje (26/03) uma reportagem sobre o Ensino à Distância no Facebook,
uma coisa me chamou a ate...
Especificidades da educação online
como um fenômeno da cibercultura
O Potencialidades das TICs
Comunicação Leitura não lin...
Questão Norteadora
Segundo a autora, os sujeitos da
cibercultura vivem e lançam mão desses
fundamentos(a interatividade,o ...
Considerações Finais
O Educação a distância (EAD) X Educação Online
Auto-estudo , auto-
aprendizagem
Co-criação, interativ...
Questão Norteadora
O Em seu texto, Edméa Santos critica a "mídia
de massa" utilizada pelos ambientes virtuais
de aprendiza...
Questão Norteadora
O De acordo com Santos, “O AVA precisa ser uma obra aberta, na
qual a imersão, a navegação, a exploraçã...
Questão Norteadora
O texto de Santos (2009) complementa a
discussão sobre a autonomia, e indica como
duas das principais f...
Texto 2– The Technology of e-learning.
D. Randy Garrison – Terry Anderson
O Definir tecnologias educacionais
O Observar se...
Defining Education Technology
O 1994 – Association for Education
Communication and Technology (AECT)
– “Tecnologia Instruc...
Defining Education Technology
O Conceito de tecnologia com foco nas
ferramentas em oposição às técnicas.
O Define tecnolog...
Questão Norteadora
Ao falar sobre "Educational Technology", Garrison
discute o conceito e a função da educação: "discuss
e...
Generations of Distance
Education Technology
O As quatro gerações e as ferramentas
tecnológicas que apoiaram cada geração....
Generations of Distance
Education Technology
O Modelo industrial / Fordista
O Criação de cursos e programas de
qualidade
O...
Generations of Distance
Education Technology
O Teoria da Aprendizagem Cognitiva
O Tecnologias mais novas – transmissões vi...
Generations of Distance
Education Technology
O Teorias da aprendizagem ligadas ao
Construtivismo
O Tecnologias que possibi...
Generations of Distance
Education Technology
O Combina os primeiros três grandes
atributos da Net – recuperação de vasta
q...
Questão Norteadora
Garrison (2003) apresenta cinco gerações presentes
simultaneamente na web, cada uma com suas
peculiarid...
Questão Norteadora
Observe o excerto de Garrison (2003, p.39) a seguir:
The fifth generation, to summarize, adds artificia...
Questão Norteadora
Garrison e Anderson (2003) chamam a atenção para a
capacidade de processamento advinda na última das
ge...
The Net and distance education
The Net and distance education
O O surgimento da net como um meio de
comunicação adiciona a característica
mais crítica do...
Education Technology and
Interaction
O Dewey (1916) – define interação como
um componente do processo educacional
e ocorre...
Education Technology and
Interaction
O Michael Hannafin(1989) – cinco funções da interação
mediada pelas tecnologias no ap...
Education Technology and
Interaction
O Os autores adicionam uma sexta função: Prazer e
Motivação.
O O diagrama abaixo ilus...
The semantic network and
e-learning
ORede inteligente – desenvolvida
para uso do humanos e agentes
móveis
ORapidez de comu...
Questão Norteadora
Garrison e Anderson (2003) citam McLuhan no logo no
início do texto para destacar a importância do meio...
Texto 3 – Uso da internet em sala
de aula
José Armando Valente
O Introdução
O O que é internet
O As abordagens instrucioni...
O que é internet
O Extensa redes de computadores
O Oferta de diversas ferramentas de acesso à
informação
O Confusão entre ...
As abordagens instrucionistas
e construcionistas
O Abordagem Instrucionista – software
educacional do tipo tutorial, exerc...
As abordagens instrucionistas
e construcionistas
As abordagens instrucionistas
e construcionistas
O Abordagem Construcionista - usa as TIC como
máquina para ser ensinada –...
As abordagens instrucionistas
e construcionistas
Questões Norteadoras
O Em seu texto, Valente fala sobre a "abordagem
instrucionista". Seria ela uma alternativa ou um cami...
A internet (Web) e o
instrucionismo
O Não é muito diferente dos que acontece com
os tutoriais
O Ação de escolher entre as ...
A internet (Web) e o
instrucionismo
A internet (web) e o
construcionismo
O Duas maneiras de como a web pode ser usada na
construção do conhecimento:
1) O alun...
A internet (web) e o
construcionismo
O O aprendiz pode refletir sobre os resultados
obtidos ou receber feedbacks, depurá-l...
A internet (web) e o
construcionismo
A internet (web) e o
construcionismo
O Dificuldades:
- Alunos não envolvidos com a aprendizagem
- Cópia de informações par...
A internet e a educação a
distância
O Abordagem Broadcast – transmitir a
informação aos aprendizes – baseada na
ideia dos ...
A internet e a educação a
distância
O “Estar Junto Virtual” estabelece um ciclo que
mantem o aluno no processo de realizaç...
A internet e a educação a
distância
Questões Norteadoras
O A abordagem "estar junto virtual" a que o
autor defende (VALENTE, 2002, p. 143),
pelo que entendi, ...
Questões Norteadoras
O "Uma outra maneira (pela qual a Web pode auxiliar na
construção do conhecimento) é quando o aprendi...
Questões Norteadoras
O A análise dos diferentes usos da internet e do computador na
educação, permite-nos concluir dois re...
Questões Norteadoras
O "O aprendiz como um ser social, está
inserido em ambiente sociocultural,
constituído, mais localmen...
Texto 4 - Educação sem distância: as
tecnologias interativas na redução de
distâncias em ensino e aprendizagem
Romero Tori...
Educação: a distância ou sem
distância?
O EAD x ‘convencional’/’presencial’
O Não contribui para o avanço
O A especificaçã...
Blended Learning: Harmonizando
atividades virtuais e presenciais
O Técnicas de aprendizagem convencionais e
virtuais, com ...
Blended Learning: Harmonizando
atividades virtuais e presenciais
O Blended Learning como uma das dez maiores
tendências da...
Possibilidades oriundas da integração
do virtual com o presencial
O Como atividades presenciais podem ser
beneficiadas com...
Possibilidades oriundas da integração
do virtual com o presencial
O Substituição de aulas expositivas por material
interat...
Níveis de Aplicação (Grahan, 2005)
O Nível de Atividade – misturar elementos
presenciais e virtuais em uma mesma
atividade...
Questões Norteadoras
O Tori é mais um autor que propõe
a aprendizagem em uma mescla entre
atividades presenciais e a distâ...
Questões Norteadoras
O Tori (2010) afirma que “Assim como um aluno
pode se ausentar psicologicamente do
assunto tratado pe...
Questões Norteadoras
O O blended learning é uma proposta muito
interessante ao pensarmos que estamos
aproveitando o melhor...
Questões Norteadoras
Na página 31 ,encontramos uma definição
para Objetos de Aprendizagem:
que é qualquer entidade ,digita...
Bibliografia
GARRISON, D. R.; ANDERSON, T. The Technology of E-Learning. In:
GARRISON, D. R.; ANDERSON, T. E-Learning in t...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Educação online, a distância sem distância e blended: diferentes conceitos

143 visualizações

Publicada em

Apresentação durante as aulas da disciplina O ensino de Línguas mediado por novas de velhas tecnologias - Profª Drª Cibele Cecílio de Faria Rozenfeld - FCL Araraquara / UNESP - 1º sem. 2016

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

Educação online, a distância sem distância e blended: diferentes conceitos

  1. 1. Aula 5 Educação online, a distância/sem distância, blended: os diferentes conceitos O ensino de línguas mediado por novas e velhas tecnologias Profª Drª Cibele Cecílio de Faria Rozenfeld Maria Glalcy Fequetia Dalcim
  2. 2. Texto 1 – Educação online para além da EAD: um fenômeno da cibercultura Edméa Santos O Introdução O A cibercultura e a emergência da educação online O Especificidades de educação online como um fenômeno da cibercultura. O Considerações finais.
  3. 3. Introdução O Educação online como fenômeno de cibercultura; O Cibercultura – cultura contemporânea estruturada pelas tecnologias digitais. O Educação Online não é apenas uma evolução das gerações de EAD, mas um fenômeno da cibercultura. O As gerações da EAD – quinta geração?
  4. 4. Introdução O 5ª Geração 4ª geração (1995-2005)– correio eletrônico, chat, computador, internet, transmissões em banda larga, interação por vídeo e ao vivo, videoconferência, faz, papel impresso. Características : múltiplas tecnologias incluindo o começo das tecnologias computacionais de banda larga. Comunicação via computadores com sistema de resposta automatizada; acesso via portal a processos institucionais; aprendizagem flexível inteligente.
  5. 5. Introdução O EAD para Online O Migração de desenhos O Mesma lógica comunicacional O Mesmo paradigma – pedagogia da transmissão O Mídia de massa O Auto-aprendizagem O Tutoria reativa “ a educação online em sintonia com a dinâmica do ciberespaço é um fenômeno da cibercultura”
  6. 6. A cibercultura e a emergência da educação online O Tecnologias digitais de informação e comunicação – nova forma de materialização – a revolução digital. O “ a informação representa o principal ingrediente de nossa organização social , e os fluxos de mensagens e imagens entre as redes constituem o encadeamento básico de nossa estrutura social” (CASTELLS, 2005)
  7. 7. A cibercultura e a emergência da educação online O O ciberespaço: O surge da interconexão mundial entre os computadores – a internet O Reúne, integra e redimensiona uma infinidade de mídias O REDE – todo fluxo e feixe de relações entre seres humanos e as interfaces digitais / marca social em nosso tempo. O Relação híbrida = nova cultura = cibercultura.
  8. 8. A cibercultura e a emergência da educação online O Tempo e espaço ganham novos arranjos - diferentes sociabilidades O Espacialização do tempo e sincronicidade do espaço (SERPA, 2003) O Crise do “aqui e agora” O Computador – máquinas dionisíacas, efervescentes, orgiásticas, caóticas.
  9. 9. Questão Norteadora O Santos, citando Serpa (2003) fala que vivemos uma espacialização do tempo e sincronicidade do espaço (p. 5662). Gostaria de discutir esses conceitos e como são percebidos principalmente nos contextos da educação a distância. (Carol)
  10. 10. A cibercultura e a emergência da educação online O Tecnologias Proposicionais – capacidade de articulação e convergência com as tecnologias anteriores, seja no aspecto da linguagem, articulando a oralidade, a escrita e o próprio digital, seja no aspecto dos artefatos que convergem máquinas musculares, sensoriais e cerebrais.
  11. 11. Especificidades da educação online como um fenômeno da cibercultura O É o conjunto de ações de ensino aprendizagem ou atos de currículo mediados por interfaces digitais que potencializam práticas comunicacionais interativas e hipertextuais. AVA – Ambiente Virtual de Aprendizagem • Convergência de mídias • Interface para socialização de informações e conteúdos de ensino e aprendizagem • Interface de comunicação síncronas e assíncronas
  12. 12. Especificidades da educação online como um fenômeno da cibercultura O AVA – uma organização viva , em que seres humanos e objetos técnicos interagem num processo complexo que se auto-organiza na dialógica de suas redes de conexões (autoria e co-criação)
  13. 13. Especificidades da educação online como um fenômeno da cibercultura O Potencializar: O Ambientes hipertextuais que agreguem intertextualidade, intratextualidade, multivocalidade, navegabilidade, mixagem e multimídia. O Comunicação interativa síncrona, comunicação em tempo real e assíncrona O Atividades de pesquisa a partir de situações-problema O Ambientes para avaliação formativa O Disponibilização e o incentivo a conexões lúdicas, artísticas, navegações fluídas e simulações.
  14. 14. Especificidades da educação online como um fenômeno da cibercultura O AVA – suas interfaces permitem a interatividade e a aprendizagem colaborativa Aprende com o material didático e na dialógica com outros sujeitos envolvidos – novas possibilidades de socialização e aprendizagem
  15. 15. Questão Norteadora Quando vi hoje (26/03) uma reportagem sobre o Ensino à Distância no Facebook, uma coisa me chamou a atenção: o comentário (sobre a reportagem) a seguir: Mario Torri Neto Fiz engenharia química presencial e agora estou fazendo Licenciatura em Ciências na Universidade Virtual do Estado de São Paulo... O que posso dizer é que se engana quem acha que uma graduação EAD é um curso que exige pouca dedicação, pelo contrário, estudo muito mais agora do que estudei na minha graduação presencial, a única vantagem que se tem em um EAD é não ter que se deslocar... O curso exige do aluno muita responsabilidade e disciplina, pois, não é fácil de deixar de lado todo o aconchego que sua casa oferece para passar horas estudando. E ainda sobre o trecho de Santos (2009, p. 5668): O sujeito interage com o material e aprende por esta mediação. A aprendizagem colaborativa não é vivenciada pelo aprendente. Neste modelo a qualidade dos processos é centrada no desenho didático ou instrucional, geralmente instrucionistas. Em algumas aulas da graduação, não havia muito posicionamento ou mesmo participação dos alunos (realizar perguntas, comentários, etc.). Proponho uma discussão: será que com o aumento de pessoas em cursos de Educação à Distância online, crescerá também uma cultura de participação dos alunos também na sala de aula presencial (se os alunos também participarem desta última)? (Ana)
  16. 16. Especificidades da educação online como um fenômeno da cibercultura O Potencialidades das TICs Comunicação Leitura não linear Virtualização Interatividade Hipertexto Simulação Autoria Polifonia Criatividade Contribuições para a Educação Online
  17. 17. Questão Norteadora Segundo a autora, os sujeitos da cibercultura vivem e lançam mão desses fundamentos(a interatividade,o hipertexto e a simulação)em suas práticas sociais no ciberespaço; como transpor esses fundamentos para educação online já que os fundamentos da cibercultura são poucos conhecidos e difundidos na docência?( Vera)
  18. 18. Considerações Finais O Educação a distância (EAD) X Educação Online Auto-estudo , auto- aprendizagem Co-criação, interatividade Interação com o material Aprendizagem colaborativa Interação social um a um Interatividade Reprodutibilidade Construção dialógica Tutoria reativa Docência mediadora Textos Pré-textos
  19. 19. Questão Norteadora O Em seu texto, Edméa Santos critica a "mídia de massa" utilizada pelos ambientes virtuais de aprendizagem (AVA). Ela argumenta que tais ambientes poderiam e deveriam ser mais interativos, provocando o senso crítico dos discentes e também dos docentes. Proponho que pensemos no motivo pelo qual o AVA ainda não é tudo o que poderia ser. Será que os alunos e professores estão preparados e será que possuem autonomia suficiente para lidar com esse processo? (Larissa)
  20. 20. Questão Norteadora O De acordo com Santos, “O AVA precisa ser uma obra aberta, na qual a imersão, a navegação, a exploração e a conversação possam fluir na “lógica da completação” (SILVA, 2000, 2005). Isso significa que o AVA deve agregar a criação no devir, todos os participantes poderão contribuir no seu design e na sua dinâmica pedagógica” (SILVA, 2009, p.5665). A partir dessa citação, proponho a seguinte reflexão: como nós, professores, podemos promover e estimular a participação de nossos alunos no Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) conforme aponta Silva (2009), tendo em vista que ainda segue-se um currículo “engessado”, e muitas vezes, “preconizado”, no qual, o aluno, nem mesmo nas aulas presenciais, tem a oportunidade de contribuir, de “completar” a aula? Seria o meio virtual mais instigante, interessante para que o aluno passe a colaborar, construir a aula com o professor? Seria esse mesmo meio uma boa ferramenta para essa construção? (Bruna)
  21. 21. Questão Norteadora O texto de Santos (2009) complementa a discussão sobre a autonomia, e indica como duas das principais ferramentas do ciberespaço, a hipertextualidade e a interatividade. Proponho uma discussão sobre a hipertextualidade no ensino de línguas. Com o fácil acesso às informações, podemos estender o chamado input+1 (trazer um texto com poucas coisas a mais das que o aluno já sabe) para algo como input+2 ou +3? (Vitor)
  22. 22. Texto 2– The Technology of e-learning. D. Randy Garrison – Terry Anderson O Definir tecnologias educacionais O Observar seu crescente uso na educação / educação a distância – as quatro gerações O Discutir as tecnologias em relação a criação de três componentes da educação formal – a presença do professor, a presença social e a presença cognitiva O Observar o “currículo oculto” das tecnologias educacionais. We shape our tools, and thereafter our tools shape us” (McLuhan, 1995)
  23. 23. Defining Education Technology O 1994 – Association for Education Communication and Technology (AECT) – “Tecnologia Instrucional” – teoria e prática de design, desenvolvimento, utilização, gerenciamento e avaliação dos processos e recursos para aprendizagem. O Necessidade de uma definição com foco na tecnologia atual e sua aplicação no cenário educacional.
  24. 24. Defining Education Technology O Conceito de tecnologia com foco nas ferramentas em oposição às técnicas. O Define tecnologias educacionais como aquelas ferramentas usadas na prática educacional para disseminar, ilustrar, comunicar ou imergir aprendizes e professores em atividades propositadamente projetadas para induzir a aprendizagem.
  25. 25. Questão Norteadora Ao falar sobre "Educational Technology", Garrison discute o conceito e a função da educação: "discuss education as both an instructional and a learning event." (p.33) . Sugiro que pensemos sobre as mudanças recorrentes que as novas tecnologias trazem à educação e a influência que elas exercem no processo de ensino/aprendizagem, tanto no âmbito da formação cidadã do aluno quanto da construção do conhecimento. (Larissa)
  26. 26. Generations of Distance Education Technology O As quatro gerações e as ferramentas tecnológicas que apoiaram cada geração. O Não somente as ferramentas em si, mas como são usadas, os sistemas que definem “input” (entrada/absorção) e “outputs”(saída/produção/vazão) do uso dessas ferramentas e o que mais precisamente define os sistemas de educação a distância.
  27. 27. Generations of Distance Education Technology O Modelo industrial / Fordista O Criação de cursos e programas de qualidade O Textos impressos acompanhados de guias de estudo (aproximação conversacional entre o instrutor ausente e o estudante independente) O Abordagem behaviorista O Maximização da liberdade e independência Primeira Geração
  28. 28. Generations of Distance Education Technology O Teoria da Aprendizagem Cognitiva O Tecnologias mais novas – transmissões via rádio e televisão, uso de CD-ROM ou DVD, apoio por carta / telefone O O professor não era o criador do curso mas um tutor para apoiar e avaliar a realização das atividades dos alunos. O Destaque para as atividades assistidas pelo computador. O Alto custo Segunda Geração
  29. 29. Generations of Distance Education Technology O Teorias da aprendizagem ligadas ao Construtivismo O Tecnologias que possibilitam interação síncrona e assíncrona O Oportunizam a criação e recriação do conhecimento como indivíduos e membros de um grupo de aprendizagem O Conteúdos e projetos desenvolvidos com base na discussão na colaboração Terceira Geração
  30. 30. Generations of Distance Education Technology O Combina os primeiros três grandes atributos da Net – recuperação de vasta quantidade de conteúdo, comunicação mediada pelo computador e o poder da programação. O Taylor (2001) – quinta geração Quarta Geração
  31. 31. Questão Norteadora Garrison (2003) apresenta cinco gerações presentes simultaneamente na web, cada uma com suas peculiaridades, prós e contras, segundo o referido autor. Proponho que pensemos, mesmo que rapidamente, nessas cinco gerações, e escolhêssemos a que consideramos a que vai mais ao encontro da necessidade educacional atual. Particularmente, considero que a terceira geração vai mais ao encontro dessa necessidade, tendo em vista que ela é síncrona e assíncrona, e permite que o aluno construa e reconstrua o conhecimento. (Bruna)
  32. 32. Questão Norteadora Observe o excerto de Garrison (2003, p.39) a seguir: The fifth generation, to summarize, adds artificial intelligence to the Web or, as the original designer of the Web, Berners-Lee describes it, builds semantic meaning into the Web, such that it can be navigated and processed by both humans and nonhuman ‘autonomous agentes’ (Berners-Lee, Hendler, and Lassila 2001) Vocês acreditam que nós temos a 5ª geração de Taylor (2001) apud Garrison (2003) dentro do ambiente online de aprendizagem? Se sim, de que maneira ela se manifesta? (Ana)
  33. 33. Questão Norteadora Garrison e Anderson (2003) chamam a atenção para a capacidade de processamento advinda na última das gerações. Pelo que entendi, um exemplo dessa possibilidade em nossa área poderiam ser os tradutores digitais que processam nossas informações e nos respondem com outras. No entanto, sabemos dos problemas que existem nesses processadores e, com isso, proponho uma reflexão sobre os problemas que poderiam haver com a tentativa de se substituir um professor por uma máquina. (Vitor)
  34. 34. The Net and distance education
  35. 35. The Net and distance education O O surgimento da net como um meio de comunicação adiciona a característica mais crítica do processo de educação formal – a interação entre professores, alunos e o conteúdo.
  36. 36. Education Technology and Interaction O Dewey (1916) – define interação como um componente do processo educacional e ocorre quando estudantes transformam uma informação inerte passada a eles e a transformam em conhecimento com aplicações e valores pessoais.
  37. 37. Education Technology and Interaction O Michael Hannafin(1989) – cinco funções da interação mediada pelas tecnologias no apoio ao contexto educacional: 1) Pacing (ritmo)– sincronização e ação conjunta 2) Elaboration (elaboração) – desenvolve conexões entre um novo conteúdo e um esquema mental existente. 3) Confirmation (confirmação) – reforça e molda a aquisição de novas habilidades através de reforço seletivo 4) Navigation (navegação) – prescreve e guia o caminho no qual os alunos interagem com os outros e com o conteúdo. 5) Inquiry ( investigação) – quantidade e qualidade das investigações.
  38. 38. Education Technology and Interaction O Os autores adicionam uma sexta função: Prazer e Motivação. O O diagrama abaixo ilustra as múltiplas maneiras na qual a net pode apoiar a interação educacional
  39. 39. The semantic network and e-learning ORede inteligente – desenvolvida para uso do humanos e agentes móveis ORapidez de comunicação e no processamento de informação
  40. 40. Questão Norteadora Garrison e Anderson (2003) citam McLuhan no logo no início do texto para destacar a importância do meio na própria mensagem/conteúdo e trazem essa reflexão para o processo educacional. Sabemos (inclusive discutimos sobre isso na última aula) o quão impactante tem sido a internet nas relações sociais fora dela. No contexto educacional, quais mudanças realmente significativas podemos pontuar na estrutura de ensino/aprendizagem trazidos pelo uso das tecnologias? Isso tem refletido em nossas salas de aula? Quais outros aspectos poderiam ser radicalmente mudados? (Carol)
  41. 41. Texto 3 – Uso da internet em sala de aula José Armando Valente O Introdução O O que é internet O As abordagens instrucionista e construcionista O A internet (Web) e o instrucionismo O A internet (Web) e o construcionismo O A internet e a educação a distância O Conclusão
  42. 42. O que é internet O Extensa redes de computadores O Oferta de diversas ferramentas de acesso à informação O Confusão entre www e internet O Conteúdo disponibilizado em páginas O Discernimento e avaliação da informação obtida depende na ênfase do processo de ensino- aprendizagem: Instrucionismo Compreender (Piaget, 1978) Construcionismo (Papert, 1986)
  43. 43. As abordagens instrucionistas e construcionistas O Abordagem Instrucionista – software educacional do tipo tutorial, exercício-e-prática ou alguns jogos. O São organizados na forma de hipertextos (textos interligados) e permite a “navegação” entre eles. O Organização previamente definida da informação. O Comportamento não necessariamente passivo. O Não há pista do processamento da informação – não há meios para verificação.
  44. 44. As abordagens instrucionistas e construcionistas
  45. 45. As abordagens instrucionistas e construcionistas O Abordagem Construcionista - usa as TIC como máquina para ser ensinada – softwares abertos (linguagens de programação), processador de textos, construção de multimídias e páginas da internet. O O aluno tem que descrever os passos do processo de resolução, executar as ações que foram fornecidas, refletir sobre o que foi feito se o resultado não foi o esperado e depurar suas ideias. O Permite trabalhar conceitos de aprender a aprender ou sobre como pensar. O A interação aluno-computador necessita da intervenção de um profissional – agente de aprendizagem.
  46. 46. As abordagens instrucionistas e construcionistas
  47. 47. Questões Norteadoras O Em seu texto, Valente fala sobre a "abordagem instrucionista". Seria ela uma alternativa ou um caminho para que a atual sociedade da informação transforme-se na sociedade do conhecimento? (Larissa) O Em seu artigo, Valente (2002) apresenta duas abordagens: a instrucionista e a construcionista. A primeira abordagem citada, em linhas gerais, diz respeito à interação aprendiz e computador baseada pelas perguntas feitas pelo o aprendiz, e respondidas pelo computador. Valente (2002) critica tal abordagem quando afirma que, por meio da mesma, o professor não tem qualquer indício de que o aluno está processando a informação recebida bem como se ele está entendendo o que está fazendo. Questiono-me: essa abordagem “anula” a ação do professor? Uma possível autonomia pode ser alcançada pelo aluno, tendo em vista que nesse contexto, o aluno, aparentemente, não sabe se auto- avaliar, se questionar, apenas memoriza respostas? (Bruna)
  48. 48. A internet (Web) e o instrucionismo O Não é muito diferente dos que acontece com os tutoriais O Ação de escolher entre as opções oferecidas O O computador apresenta a informação disponível e o aprendiz reflete sobre a mesma O Pode selecionar outras opções, provocando idas e vindas – ação de Navegar na Web
  49. 49. A internet (Web) e o instrucionismo
  50. 50. A internet (web) e o construcionismo O Duas maneiras de como a web pode ser usada na construção do conhecimento: 1) O aluno está resolvendo um problema ou um projeto e necessita de informações – a construção do conhecimento ocorre quando o aprendiz ressignifica essas informações no contexto. 2) O aprendiz desenvolve seus projetos usando a própria web não só como fonte de informação, mas como veículo para representar e tornar disponível os resultados encontrados Download - Upload
  51. 51. A internet (web) e o construcionismo O O aprendiz pode refletir sobre os resultados obtidos ou receber feedbacks, depurá-los, apresentar de maneira coerente, analisar e criticar a informação apresentada. O Descrição – Execução – Reflexão – Depuração – Descrição O O estabelecimento do ciclo está relacionado com a adequação da representação da informação de forma coerente e de maneira significativa.
  52. 52. A internet (web) e o construcionismo
  53. 53. A internet (web) e o construcionismo O Dificuldades: - Alunos não envolvidos com a aprendizagem - Cópia de informações para produção de trabalho - Desenvolvimento de trabalhos esteticamente fantásticos mas sem compreensão do que foi realizado - Serviços de vendas de trabalho - Depuração de informações ou ideias construídas.
  54. 54. A internet e a educação a distância O Abordagem Broadcast – transmitir a informação aos aprendizes – baseada na ideia dos softwares educacionais O “Escola Virtual” – versão virtual da escola tradicional. O “Estar junto Virtual” – suporte ao processo de construção de conhecimento – acompanhamento e assessoramento constantes descrição-execução-reflexão-depuração- descrição
  55. 55. A internet e a educação a distância O “Estar Junto Virtual” estabelece um ciclo que mantem o aluno no processo de realização de atividades inovadoras, gerando conhecimento sobre como desenvolver essas ações, porém com suporte do professor. O As interações com o aprendiz devem enfatizar a participação do professor nas atividades de planejamento, observação, reflexão e análise do trabalho que o aluno está realizando.
  56. 56. A internet e a educação a distância
  57. 57. Questões Norteadoras O A abordagem "estar junto virtual" a que o autor defende (VALENTE, 2002, p. 143), pelo que entendi, muito se assemelha às práticas iniciais de pesquisa científica do ensino superior – a busca pela resolução de um problema com a orientação de um professor. Pensando nas diferenças contextuais de cada nível de ensino, a atividade na Educação Básica precisaria de que tipos de adaptações? (Vitor)
  58. 58. Questões Norteadoras O "Uma outra maneira (pela qual a Web pode auxiliar na construção do conhecimento) é quando o aprendiz desenvolve seus projetos usando a própria Web não só como fonte de informação, mas como veículo para representar e tornar disponível os resultados encontrados (FAGUNDES et al. 1999). Para tanto, o aluno deve elaborar páginas Web por intermédio de sistemas de autoria ou linguagens de programação de páginas e, neste sentido, o aluno está construindo uma sucessão de informações apresentadas por diferentes mídias [..]"(VALENTE, 2002, p. 140 - grifo meu). Ao ler sobre essa maneira de construção do conhecimento, considerei esse tipo de proposta bastante distante da realidade de sala de aula que encontramos nas escolas regulares. Quais outros projetos poderiam ser propostos que vocês julgariam mais viáveis para executarmos com alunos das escola regulares?(Carol)
  59. 59. Questões Norteadoras O A análise dos diferentes usos da internet e do computador na educação, permite-nos concluir dois resultados importantes. Primeiro, que a Internet pode tanto servir para passar informação ao aprendiz, quanto auxiliar o processo de construção do conhecimento e de compreensão do que fazemos. Segundo, que a maneira mais adequada de uso de internet ainda depende da intenção pedagógica do professor. (VALENTE, 2002, p. 144) O Desafios. Para Helena de Freitas, da Associação Nacional pela Formação dos Profissionais da Educação, a expansão veloz da EaD preocupa. “Na formação inicial, o ideal é fazer um curso presencial. O ensino a distância é mais adequado para a formação continuada (como especializações e pós-graduações).”. Grande parte desses cursos online, segundo Helena, tem más condições. “Há poucos docentes com dedicação integral e que se empenham na investigação científica. Nem todos tem o número necessário de tutores ou uma biblioteca disponível, mesmo que seja virtual.”. (ESTADÃO, 25 de março de 2016 http://educacao.estadao.com.br/noticias/geral,curso-de- formacao-docente-a-distancia-ja-concentra-metade-dos- calouros,10000023088 ). O Para contextualizar: A matéria de ontem do citado jornal mostra que 49,8% das matrículas de licenciatura em Letras, História ou Matemática aconteceram em ambiente de EaD. O Proponho uma discussão da opinião de Helena de Freitas, pensando no texto de Valente (2002) e no aumento de alunos da EaD. (Ana)
  60. 60. Questões Norteadoras O "O aprendiz como um ser social, está inserido em ambiente sociocultural, constituído, mais localmente ,por colegas e, mais globalmente, por pais, amigos ou pela comunidade em que vive...“ Proponho uma discussão sobre essa interação e o sistema EAD,será que a educação online tem essa visão?( Vera)
  61. 61. Texto 4 - Educação sem distância: as tecnologias interativas na redução de distâncias em ensino e aprendizagem Romero Tori O Educação: a distância ou sem distância? O Blended Learning: Harnomizando atividades virtuais e presenciais  A convergência entre virtual e presencial  Possibilidades oriundas da integração do virtual com o presencial  Níveis de aplicação;
  62. 62. Educação: a distância ou sem distância? O EAD x ‘convencional’/’presencial’ O Não contribui para o avanço O A especificação do método é mais apropriada quando nos referimos a uma determinada atividade de aprendizagem dentro de um programa. O Colocar os protagonistas “juntos”
  63. 63. Blended Learning: Harmonizando atividades virtuais e presenciais O Técnicas de aprendizagem convencionais e virtuais, com a apoio de tecnologias interativas, podem se beneficiar mutuamente dos pontos fortes, compensando ao mesmo tempo, os pontos fracos. O Educação convencional sempre lançou mão de atividades “a distância” O As tecnologias interativas conseguem minimizar os efeitos da distância na aprendizagem O Qualidade é muito mais importante para a aprendizagem do que quantidade ou frequência.
  64. 64. Blended Learning: Harmonizando atividades virtuais e presenciais O Blended Learning como uma das dez maiores tendências da indústria do conhecimento. (Grahan, 2005)
  65. 65. Possibilidades oriundas da integração do virtual com o presencial O Como atividades presenciais podem ser beneficiadas com o apoio de recursos virtuais e vice-versa? O Mistura harmônica de atividades de aprendizagem realizadas em espaços e tempos variados. O Ainda sofremos influência do modelo fordista O Retomada das “aulas magnas” O Educação virtual e interativa (EVI)
  66. 66. Possibilidades oriundas da integração do virtual com o presencial O Substituição de aulas expositivas por material interativo online, complementado por aulas presenciais. O Aulas magnas oferecidas via teleconferência O Gravações de aulas magnas e material de apoio O Criação de fóruns de discussão O Monitoria online O Laboratórios virtuais O Conta para acesso, via internet, a área em disco virtual, a conteúdos ambientes virtuais como recursos de apoio
  67. 67. Níveis de Aplicação (Grahan, 2005) O Nível de Atividade – misturar elementos presenciais e virtuais em uma mesma atividade de aprendizagem. O Nível da Disciplina – mescla de atividades puramente a distância com outras exclusivamente presenciais. O Nível de Curso – grade curricular composta por disciplinas presenciais e não presenciais. O Nível Institucional – incorporado ao projeto pedagógico institucional – planejamento.
  68. 68. Questões Norteadoras O Tori é mais um autor que propõe a aprendizagem em uma mescla entre atividades presenciais e a distância. Sua proposição questiona muito a necessidade de manter os alunos em um prédio escolar, quando poderiam realizar muitas das atividades em uma "escola virtual". Em que medida esse novo modelo de escola funcionaria no Brasil, visto que, pela realidade sócio-econômica atual, tem-se aumentado o número de escolas de período integral? (Vitor)
  69. 69. Questões Norteadoras O Tori (2010) afirma que “Assim como um aluno pode se ausentar psicologicamente do assunto tratado pelo professor em sala de aula, é possível que esse mesmo estudante se mostre presente e envolvido em interações e bate-papos via internet” (TORI, 2010, p.26). Baseando-me nessa citação do autor, proponho a seguinte reflexão: Por que nossos alunos, segundo Tori (2010) se envolvem mais nas “interações virtuais” do que nas “reais”? Seria a sala de aula um local desestimulante e opressor que afasta o aluno da interação? (Bruna)
  70. 70. Questões Norteadoras O O blended learning é uma proposta muito interessante ao pensarmos que estamos aproveitando o melhor de duas realidades: a presencial e a virtual. Pensando na parte mais prática, vocês acreditam que há alguma limitação (faixa etária, por exemplo) para a utilização desse tipo de processo no planejamento de um professor? (Ana)
  71. 71. Questões Norteadoras Na página 31 ,encontramos uma definição para Objetos de Aprendizagem: que é qualquer entidade ,digital ou não ,que possa ser referenciado e reutilizado em atividades de aprendizagem. As escolas e os educadores estão preparados para a inclusão da tecnologia ,uso e reaproveitamento como apoio na aprendizagem? (Vera)
  72. 72. Bibliografia GARRISON, D. R.; ANDERSON, T. The Technology of E-Learning. In: GARRISON, D. R.; ANDERSON, T. E-Learning in the 21st Century: A Framework for Research and Practice, London and New York: Routledge Falmer, 2003.p. 32- 41. SANTOS,E. Educação online para além da EAD: um fenômeno da cibercultura. In: Anais do X Congresso Internacional Galego-Português de Psicopedagogia, Braga: Universidade do Minho, 2009. p.5658-5671.Disponível em: http://www.educacion.udc.es/grupos/gipdae/documentos/congreso/Xcongreso/pd fs/t12/t12c427.pdf. Acesso em 15/01/2014 TORI, R. Educação sem distância: as tecnologias interativas na redução de distâncias em ensino e aprendizagem. São Paulo: Editora São Paulo, 2010. P. 25-35 VALENTE, J.A. O uso da internet em sala de aula. Educar em Revista,. n.19 Curitiba, 2002. Disponível em http://educa.fcc.org.br/scielo.php?pid=S0104- 40602002000100010&script=sci_arttext. Acesso em 16/01/2014.

×