Novas instituições democráticas

5.862 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
5.862
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
21
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
72
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Novas instituições democráticas

  1. 1. Ano Lectivo 2010/2011<br />As Novas Instituições Democráticas<br />
  2. 2. Introdução<br />Este trabalho está inserido na disciplina de História, e tem como finalidade conhecer mais sobre “As novas Instituições Democráticas” do nosso país. Nele, vamos dar maior destaque ao Estado Novo, à Constituição de 1976 e à entrada de Portugal na Comunidade Europeia. <br />Para a elaboração deste trabalho utilizamos o nosso manual e a internet, apesar desta ter sido pouco utilizada. <br />Os subtemas do trabalho são: “O estabelecimento dos direitos fundamentais”; “Os órgãos do poder”; “O peso da Europa na Economia Portuguesa” e “A Integração de Portugal na União Europeia”.<br />2<br />
  3. 3. O Estado Novo e a Constituição de 1976<br />O Estado Novo foi um regime muito conservador e repressivo, implantado pela Constituição de 1933. Este é caracterizado pela autoridade excessiva, pela falta de liberdade de expressão, as eleições não livres, nem todos tinham direito ao voto, não havia direito à greve, não havia sindicatos livres, a censura predominava nos meios de comunicação (jornais, televisão e rádio) e ainda os opositores a este regime eram perseguidos, julgados e presos em prisões políticas.<br />3<br />
  4. 4. Durante o Estado Novo, surgiu a ideia de construir um “espaço único português”, este seria constituído pelas colónias portuguesas, que eram as grandes responsáveis pelo comércio de Portugal. Esta, não foi concretizada pois as relações comerciais com a Europa eram mais importantes, visto que esta era a nossa maior fornecedora e o principal destino das nossas exportações. <br />Em 1959, Portugal aderiu à EFTA e assinou um tratado com a CEE que permitiu aumentar as trocas comercias com a Europa.<br />Os últimos anos do Estado Novo foram muito complicados, pois Portugal atravessou uma grave crise financeira que se veio a agravar bastante com o 25 de Abril e com a instabilidade política que o país estava a passar. Por isso, em 1978/79 e 1983/84 tivemos de recorrer ao FMI (Fundo Monetário Internacional). <br />4<br />O Peso da Europa na Economia Portuguesa<br />EFTA – é uma organização europeia constituída por países que não aderiram à Comunidade Económica Europeia. Os países fundadores eram: Reino Unido, Portugal, Áustria, Dinamarca, Suécia e Suíça, actualmente é só constituída pela Suíça, Liechtenstein e Islândia.<br />
  5. 5. Com o restabelecimento da democracia, a 25 de Abril de 1974, foi elaborada a Constituição de 1976 que estabeleceu os direitos e os deveres dos cidadãos portugueses, os órgãos de soberania e poder (Presidente da República, Assembleia da República, Governo, entre outros). E ainda instituiu o regime parlamentar (onde o poder executivo depende de um parlamento) e o regime Pluripartidário (sistema onde três ou mais partidos políticos assumem o governo).<br />5<br />
  6. 6. Alguns direitos da Constituição de 1976: <br /><ul><li>Igualdade de todos perante a lei;
  7. 7. Direito à liberdade e à segurança;
  8. 8. Liberdade de expressão, de informação e de reunião;
  9. 9. Liberdade de associação e direito de voto;
  10. 10. Liberdade sindical e direito à greve;
  11. 11. Direito ao trabalho, à segurança social e à protecção da saúde;
  12. 12. Direito à educação e à cultura;
  13. 13. Direito à habitação e a um ambiente higiénico;
  14. 14. Etc.</li></ul>Alguns deveres da Constituição de 1976:<br /><ul><li>Votar para escolher os nossos governantes e os nossos representantes nos poder executivo e legislativo;
  15. 15. Cumprir todas as leis da constituição;
  16. 16. Respeitar os direitos de todos os cidadãos;
  17. 17. Educar e proteger nossos semelhantes;
  18. 18. Proteger a natureza;
  19. 19. Proteger o património comunitário, público e social do país;
  20. 20. Colaborar com as autoridades ;
  21. 21. Entre outros.</li></ul>6<br />
  22. 22. 7<br /> Órgãos de Soberania<br />
  23. 23. A Integração de Portugal na União Europeia <br />Ficando sem as suas colónias, que ganharam a sua independência, e com a perda dos seus mercados, Portugal virou-se definitivamente para a Europa. Em 1986, após longas negociações Portugal juntou-se à Comunidade Europeia, a actual União Europeia.<br />Com esta entrada Portugal teve de aceitar certas medidas:<br /><ul><li>A nível económico e social: tinha de cumprir as cláusulas dos tratados da União Europeia (livre circulação de produtos, capitais e pessoas, moeda única, pacto de estabilidade e crescimento, etc.);
  24. 24. A nível político: tinha de criar um regime democrático parlamentar.</li></ul>8<br />
  25. 25. Portugal, depois de entrar na Comunidade Europeia, começou a receber fundos do Quadro Comunitário de Apoio (plano de financiamento com o objectivo de apoiar os Estados-membros carenciados).<br />Com esta ajuda, Portugal aproximou-se do nível de vida dos muitos países da União Europeia, apesar de que nos últimos tempos, Portugal entrou em grandes dificuldades económicas e sociais. <br />9<br />
  26. 26.  Conclusão<br />Com a elaboração deste trabalho podemos dizer que ficamos a conhecer mais sobre as instituições democráticas, o Estado Novo, a Constituição de 1976 e a entrada de Portugal na actual União Europeia. Ficamos a saber mais sobre o Estado Novo e as dificuldades vividas neste tempo; aprendemos o que é a constituição de 1976 e quais os seus objectivos; ficamos a conhecer melhor os órgãos de soberania do nosso país e ainda o peso que a Europa teve na economia de Portugal. <br />10<br />Trabalho Realizado Por:<br />Rita Medeiros – 9ºA – Nº 15 - 9ºA<br />Vânia Ferreira – 9ºA – Nº 17<br />Vera Ferreira – 9ºA – Nº 18<br />

×