Os Movimentos de Independência<br />
Recusa da independência das colónias<br />Após a 2ª Grande Guerra, as potências europeias concederam a independência às su...
Como consequência destas tomadas de posição, as potências coloniais europeias, concederam,  pouco a pouco, a independência...
Guerra Colonial<br />Perante a política rígida de Salazar, formaram-se nas colónias portuguesas movimentos independentista...
A política colonial portuguesa levou ao isolamento do país a nível internacional. Os organismos internacionais condenaram ...
O Marcelismo<br />
Marcello Caetano no poder<br />		Em 1968, Salazar foi vítima de uma hemorragia cerebral e ficou incapacitado para governar...
A obra de Marcello Caetano<br />		A política seguida por Marcello Caetano não alterou substancialmente a situação política...
		No decorrer da sua governação, Marcello Caetano procurou desenvolver o país:<br />● No plano económico: Portugal abriu-s...
		No que respeita à política colonial, nada mudou – as tropas portuguesas continuaram a combater em Angola, Guiné e Moçamb...
Trabalho elaborado por: <br />Diana Pereira<br />					     Diogo Baldaia<br />                             Helena Magalhãe...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Movimentos de independência

8.827 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
4 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
8.827
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
19
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
130
Comentários
0
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Movimentos de independência

  1. 1. Os Movimentos de Independência<br />
  2. 2. Recusa da independência das colónias<br />Após a 2ª Grande Guerra, as potências europeias concederam a independência às suas colónias. Salazar não o fez. Vamos ver os argumentos e as consequências dessa política.<br /> A ONU, logo após a sua criação em 1945, consagrou o direito dos povos à autodeterminação e à independência. Isto em 1955 foi reforçado, na conferência de Bandung, onde 29 países do Terceiro Mundo condenaram o colonialismo e manifestaram o apoio aos movimentos de libertação. <br />
  3. 3. Como consequência destas tomadas de posição, as potências coloniais europeias, concederam, pouco a pouco, a independência ás suas coloniais, mas, Portugal teve uma atitude diferente.<br /> Salazar entendia que as colónias portuguesas faziam parte complementar de Portugal. Em 1951 as colónias eram consideradas províncias ultramarinas e não precisavam de se tornar independentes. Esta posição política era propagandeada pelo regime que considerava Portugal um país pluricontinental e multicultural.<br />
  4. 4. Guerra Colonial<br />Perante a política rígida de Salazar, formaram-se nas colónias portuguesas movimentos independentistas como: na Angola, MPLA (1956); na Guiné, o PAIGC (1960); em Moçambique, a FRELIMO (1962). Em 1961, deram-se as primeiras revoltas em Angola, 1963 na Guiné e em 1964, Moçambique.<br /> Assim, Portugal foi obrigado a enviar tropas para África e entre 1961 e 1974 forma mobilizados mais de 900 000 portugueses, que se juntaram às tropas recrutadas.<br /> Esta guerra que durou cerca de 13 anos provocou nas tropas portuguesas inúmeros mortos, feridos e deficientes. De igual modo, as despesas da guerra foram elevadas, limitando assim o desenvolvimento do país.<br />
  5. 5. A política colonial portuguesa levou ao isolamento do país a nível internacional. Os organismos internacionais condenaram a posição de Portugal e muitos Estados afro-asiáticos cortaram relações diplomáticas com o nosso país. Mesmo assim, Salazar continuou a defender a sua política colonialista. <br />
  6. 6. O Marcelismo<br />
  7. 7. Marcello Caetano no poder<br /> Em 1968, Salazar foi vítima de uma hemorragia cerebral e ficou incapacitado para governar o país. Assim, foi substituído por Marcello Caetano, nomeado pelo Presidente da República Américo Tomás.<br /> Marcello Caetano, na chefia do governo, procurou liberalizar o regime: concedeu alguma liberdade de expressão, permitiu o regresso de exilados políticos e, em 1969, admitiu a entrada de deputados liberais na Assembleia Geral. Estes deputados , que constituíam a “Ala Liberal”, apresentaram numerosos projectos de lei, procurando alterar o regime, mas estas propostas encontraram constante oposição por parte dos deputados conservadores que dominavam a Assembleia Nacional.<br />
  8. 8. A obra de Marcello Caetano<br /> A política seguida por Marcello Caetano não alterou substancialmente a situação política. As instituições repressivas mudaram de nome, como por exemplo, a PIDE que passou a chamar-se DGS (Direcção-Geral de Segurança), a Censura passou a Exame Prévio, entre outras. Por outro lado, os cidadãos continuaram privados de liberdade e de outros direitos fundamentais e os partidos políticos continuaram a ser proibidos.<br />
  9. 9. No decorrer da sua governação, Marcello Caetano procurou desenvolver o país:<br />● No plano económico: Portugal abriu-se às multinacionais e aos capitais estrangeiros; a indústria desenvolveu-se, expandiram-se os bancos e as seguradoras; a economia cresceu mas passou a ser controlada por um reduzido número de grupos financeiros.<br />● No domínio social: alargou a assistência do Estado aos funcionários públicos e aos rurais e empreendeu uma importante reforma do ensino.<br />
  10. 10. No que respeita à política colonial, nada mudou – as tropas portuguesas continuaram a combater em Angola, Guiné e Moçambique, enquanto o Governo recusava qualquer negociação tendente à resolução do problema.<br /> A política de Marcello Caetano não deu os resultados esperados – não liberalizou o regime, nem pôs termo à guerra colonial.<br />
  11. 11. Trabalho elaborado por: <br />Diana Pereira<br /> Diogo Baldaia<br /> Helena Magalhães<br /> 9ºB<br />

×