O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.

Antiepiléticos - Caso Clínico

3.027 visualizações

Publicada em

Caso clínico de uma grávida com epilepsia mioclónica juvenil, a ser medicada com valproato de sódio.

Publicada em: Saúde e medicina
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Antiepiléticos - Caso Clínico

  1. 1. ANTIEPILÉTICOS – TP2 PROBLEMA 2 Margarida Fernandes Bárbara Ferreira Brandon Allan Francisco Costa Universidade da Madeira Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa Neurofarmacologia ANO LETIVO 2014/2015 PROFESSORA HELENA CALDEIRA
  2. 2. • Uma mulher de 29 anos, com epilepsia mioclónica juvenil desde os 15 anos de idade, controlada com valproato de sódio 500mg 12/12h, está grávida de 5 semanas e consulta-o para saber o que fazer em relação ao antiepiléctico. Problema 2
  3. 3. • Caracterização clínica: crises mioclónicas, crises tónico-clónica generalizadas e ausências. • Surge na puberdade. • Valproato de Sódio é o fármaco de primeira linha para o tratamento de EMJ. Epilepsia Mioclónica Juvenil
  4. 4. Valproato de Sódio Classificação Ácido monocarboxílico simples Mecanismo de Acção - Aumento dos níveis de GABA - Efeitos sobre a excitabilidade das membranas - Bloqueia resposta NMDA ao glutamato Farmacocinética - Boa absorção no tracto gastrointestinal - Biodisponibilidade superior a 80% - 90% liga-se a proteínas plasmáticas - Semi-vida de 9h a 18h - 80% metabolização hepática Inibe o citocromo P450! Interacções medicamentosas  metabolização hepática fenobarbital, fenitoína, carbamazepina
  5. 5. Efeitos indesejáveis dose dependente  GI: epigastralgias, náuseas, vómitos  tremor fino   peso,  apetite, alopécia idiossincráticas  hepatotoxicidade (grave)  trombocitopénia  teratogenicidade VALPROATO DE SÓDIO OU ÁCIDO VALPRÓICO
  6. 6. Problema 2 P1. O que aconselharia à doente? Tendo em conta os efeitos adversos causados pelo valproato de sódio (teratogenicidade), aconselhá-la-ia, na maioria dos casos, a deixar de tomar este medicamento.
  7. 7. “ (…) na epilepsia, o tratamento com valproato não deve ser descontinuado sem que seja feita uma reavaliação da relação risco/benefício. Se, após avaliação cuidadosa dos benefícios e dos riscos e, se chegar à conclusão que o tratamento com valproato deve ser continuado durante a gravidez, é recomendável que valproato seja usado em doses repartidas ao longo do dia na sua dose mínima efetiva. O uso de formas farmacêuticas de libertação prolongada é preferível relativamente às restantes formas de tratamento.” Taxa de malformações: cerca de 3% • frequentemente associado a malformações craniofaciais, particularmente ao nível do coeficiente de inteligência (QI) verbal.
  8. 8. PERGUNTA 2 Se decidisse mudar para outro antiepiléptico, por qual optaria? a) Topiramato b) Carbamazepina c) Lamotrigina d) Fenobarbital e) Fenitoína
  9. 9. Topimarato Mecanismo de Acção: • bloqueia canais de Na+ dependentes da voltagem • potencializa acção de GABAA • bloqueia os receptores AMPA  Efeitos adversos: • sonolência, fadiga, tonturas, lentificação cognitiva, miopatia aguda, glaucoma e urolitíase • Teratogenicidade • interage com contraceptivos orais Farmacocinética: • absorção GI 80% • t1/2 = 20-30 h • metabolização hepática • excreção urinária Indicações clínicas: • monoterapia e adjuvante em crises focais e generalizadas • síndromes de West e de Lennox-Gestaut
  10. 10. Carbamazepina  Mecanismo de Acção: • altera a condutância de Na+ Farmacocinética: • absorção GI +-100% • t1/2 = 20 h • metabolização hepática • excreção urinária Efeitos indesejáveis: • sedação, ataxia, diplopia, alterações GI, hiponatrémia, depressão da medula óssea com neutropenia, exantema… • Pode piorar crises mioclónicas • Interacções medicamentosas - indutor de enzimas microssomais hepáticas Indicações clínicas: • Doença bipolar • Neuralgia do trigémio • Crises focais, secundariamente generalizadas e tónico- clónico generalizadas
  11. 11. Lamotrigina  Mecanismo de Acção: • diminui condutância de canais Na+ dependentes da voltagem • modulação da activação de canais Ca2+ dependentes da voltagem • inibe libertação de glutamato Indicações clínicas: • Doença bipolar • Crises focais: monoterapia ou adjuvante • Crises generalizadas: ausências, mioclónicas Efeitos adversos: • Dose dependente: diplopia, ataxia, sintomas GI, hiponatrémia • Idiossincráticos: discrasias sanguíneas e exantema Farmacocinética: • absorção GI +-100% • t1/2 = 24 h • metabolização hepática • excreção urinária
  12. 12. Fenobarbital  Mecanismo de Acção: • prolonga tempo de abertura de canais Cl- do receptor GABAA • bloqueia activação do receptor AMPA pelo glutamato • diminui condutância dos canais Na+ e Ca2+ dependentes da voltagem Efeitos adversos: • Sedação, hiperreactividade e irritabilidade, depressão cárdio-respiratória e interferência no desenvolvimento cognitivo • Teratogenicidade Indicações clínicas: • crises focais e generalizadas (criança) • Agrava: ausências, crises atónicas, S. West. Farmacocinética: - absorção GI +-100% - t1/2 = 4-5 dias - metabolização hepática - excreção renal (aumenta com alcalinização da urina)
  13. 13. FENITOÍNA Mecanismo de Acção: • Altera a condutância de Na+, K+ e Ca2+ Efeitos adversos: • Agudos: nistagmo, diplopia, ataxia, sedação • Crónicos: hiperplasia gengival, hirsutismo, osteomalácia • Idiossincráticos: exantema, febre, linfadenopatias, agranulocitose, teratogenicidade (S. da hidantoína fetal) Indicações clínicas: • Crises focais, generalizadas (tónico-clónicas) e secundariamente generalizadas Farmacocinética: - absorção GI +-100% - t1/2 aumenta com o aumento da dose (média 24h) - metabolização hepática - excreção urinária
  14. 14. PERGUNTA 2 Se decidisse mudar para outro antiepiléptico, por qual optaria? a) Topiramato b) Carbamazepina c) Lamotrigina d) Fenobarbital e) Fenitoína
  15. 15. Pergunta 3 Dois anos após o parto, e medicada com valproato de sódio, a doente teve uma pneumonia da comunidade, tendo sido medicada com amoxicilina+ácido clavulânico. Enquanto fazia esta terapêutica, teve uma crise epiléptica, tendo sido levada ao serviço de urgência. O que poderá ter ocorrido para tal acontecer?
  16. 16. Pergunta 3 S. pneumoniae H. influenzae S. aureus Moraxella catarrhalis Amoxicilina + Ácido Clavulânico Absorção G.I: 85% Pico da dose: 1h a 2h Ligação a proteínas plasmáticas : 20% Semi-vida: 1h Excreção renal Valproato de Sódio Absorção G.I: 80% Pico da dose: 2h Ligação a proteínas plasmáticas: 90% Semi-vida: 9h-18h Metabolismo Hepático: 80%
  17. 17. Pergunta 3 Neurotransmissores do SNC Excitatórios: Glutamato Inibitórios: GABA e Glicina Receptores GABA Ionotrópicos: GABAA Metabolotropicos: GABAB Bicuculina Amoxicilina+ácido clavulânico Antagonista dos recetores GABAA Causa convulsões generalizadas Penicilina de largo espectro + inibidor das β-lactamases
  18. 18. Pergunta 3 Menor ligação do NT GABA ao seu receptor Diminuição do efeito inibitório do SNC CRISE EPILÉPTICA Amoxicilina + Ácido clavulânico Inibição do receptor GABAA Valproato metabolizado por citocromo P450 • Eliminação + rápida • Diminuição de antiepilético • Crise epilética
  19. 19. Pergunta 3 • Sobrecarga do citocromo  aumento da semivida do valproato • “Estou a tomar antibióticos, não posso tomar outra medicação!”

×