SlideShare uma empresa Scribd logo
ESCOLA MUNICIPALESCOLA MUNICIPAL
PRESIDENTE TANCREDO DEPRESIDENTE TANCREDO DE
ALMEIDA NEVESALMEIDA NEVES
PROJETO SALA DERECURSOSPROJETO SALA DERECURSOS
PROFESSORASPROFESSORAS
CLEIDIMAR BRAZ SILVA DE TOLEDOCLEIDIMAR BRAZ SILVA DE TOLEDO
MARIA DIVINA BANDEIRAMARIA DIVINA BANDEIRA
20122012
O QUE É SALA DE RECURSOS?
É um ambiente de natureza pedagógica, orientado por professor
especializado, que suplementa (no caso dos superdotados) e complementa (para
os demais alunos) o atendimento educacional realizado em classes comuns da
rede regular de ensino. Esse serviço realiza-se em escolas, em local dotado de
equipamentos e recursos pedagógicos adequados às necessidades educacionais
especiais dos alunos, podendo estender-se a alunos de escolas próximas, nas
quais ainda não exista esse atendimento. Pode ser realizado individualmente ou
em pequenos grupos, para alunos que apresentem necessidades educacionais
especiais, em horário diferente daquele em que freqüentam a classe comum.
Fonte: MEC – Secretaria de Educação Especial
QUE ALUNOS PODEM FREQUENTAR A SALA DE RECURSOS?
Alunos que apresentam necessidades educacionais especiais.
QUE ALUNOS SÃO CONSIDERADOS PORTADORES DE NEE?
Conforme previsto no Art.3º da DELIBERAÇÃO CEE Nº 68/2007 e
INDICAÇÃO CEE Nº 70/2007 CBE – PUBLICAÇÃO NO doe de 19/7/2007 – Normas
para a Educação Especial, alunos com NEE são:
I – alunos com deficiência física, mental, sensorial e múltipla, que demandem
atendimento educacional especializado;
II – alunos com altas habilidades, superdotação e grande facilidade de
aprendizagem, que os levem a dominar, rapidamente, conceitos, procedimentos e
atitudes;
III – alunos com transtornos invasivos de desenvolvimento;
IV – alunos com outras dificuldades ou limitações acentuadas no processo de
desenvolvimento, que dificultam o acompanhamento das atividades curriculares e
necessitam de recursos pedagógicos adicionais.
A Sala de Recursos é um espaço de investigação e
compreensão dos processos cognitivos, sociais e emocionais, visando a
superação das dificuldades de aprendizagem
e o desenvolvimento de diferentes possibilidades dos sujeitos. O professor deverá
apoiar
e orientar o professor da classe comum quanto às adaptações curriculares,
avaliativas e metodológicas que poderão ser desenvolvidas na sala de aula a fim de
um melhor atendimento aos alunos com NEE ( necessidades educacionais
especiais).
A Sala de Recursos destina-se aos alunos que apresentam problemas de
aprendizagem com atraso acadêmico significativo, distúrbios de aprendizagem e/ou
deficiência mental, e que necessitam de apoio especializado complementar. O
trabalho desenvolvido em sala de recursos não deve ser confundido com reforço
escolar. O ingresso do aluno em sala de recursos dar-se-á após Avaliações
Pedagógicas, realizadas por profissionais especializados ( professores das salas de
recursos ou se necessário, equipe multiprofissional e especialistas da área da
saúde).Seu atendimento dar-se-á de forma individual ou em pequenos grupos,
obedecendo a um cronograma previamente estabelecido, de acordo com a
necessidade.
Nas salas de recursos, o professor prepara o aluno para desenvolver habilidades e
utilizar instrumentos de apoio que facilitem o aprendizado nas aulas regulares. O
trabalho é realizado com ênfase na área do desenvolvimento cognitivo, sócio-
afetivo, emocional e motor; na área do conhecimento, da linguagem oral, da
escrita, dos cálculos matemáticos fundamentados na metodologia da ludicidade, ou
seja, através de jogos, brincadeiras, competições e jogos interativos que podem
ser um elemento poderoso de motivação no ambiente de aprendizado com o uso
de Multimídia interativa.
Para o trabalho em sala de recursos, o planejamento é individualizado, de
acordo com as necessidades apontadas na ficha de encaminhamento do
professor da classe comum, na Avaliação Pedagógica, na Avaliação Educacional
no Contexto sobre o aluno, bem como, as necessidades percebidas pelo professor
especializado.
OBJETIVO GERAL
Atender o aluno com necessidades educacionais especiais em sua especificidade
com o intuito de aprimorar o seu processo de ensino aprendizagem e sanar
dificuldades dos anos anteriores.
OBJETIVOS ESPECÍFICOS
*Oferecer um atendimento diferenciado ao aluno das classes de Ensino Regular,
pelo enriquecimento de recursos, pela variedade de procedimentos e pela
individualização do ensino.
*Promover o protagonismo do aluno, como agente de sua aprendizagem, pela
valorização de sua identidade e pela consciência do valor do conhecimento para
uma vida mais plena.
*Produzir recursos pedagógicos considerando as necessidades específicas dos
alunos.
*Promover a valorização de outras habilidades e potencialidades da criança, bem
como a questão da afetividade e de outros caminhos que tragam felicidade,
autonomia e realização para o aluno.
*Auxiliar os professores em busca de alternativas para realizar um bom trabalho aos
alunos com NEE (necessidades educacionais especiais).
*Atender individualmente os alunos com NEE para melhorar seu desempenho em
sala de aula.
*Realizar um trabalho coletivo com todo grupo escolar para que se efetive a inclusão.
METODOLOGIA
O planejamento para o trabalho com cada criança é traçado a partir de uma
avaliação diagnóstica, realizada de maneira interventiva, objetivando a percepção
das potencialidades do aluno, de acordo com suas reações, sem mediação e,
posteriormente, com mediação.
Todo trabalho é centrado na realidade da criança, em sua identidade, seu
nome, sua família, suas motivações, no que ela já sabe, em seu repertório de
competências, em suas habilidades, em sua singularidade.
A partir desse espírito de acolhimento e respeito, cria–se uma abertura para
o diálogo, abrindo-se para o novo, para o outro e para o entorno.
Trabalhando-se sempre o cognitivo junto com o afetivo, criam-se vínculos
que facilitarão e darão maior sabor à aprendizagem.
Através do uso de várias atividades adequadas ao momento da criança, é
possível ajudá-la a ter consciência de como ela aprende, como é capaz e o quanto
o aprender é gratificante.
Através do jogo, da história, de atividades criativas, de novas descobertas, vai
se dando significado e o prazer de conhecer ressignificado.
É necessário oferecer caminhos alternativos para a aprendizagem, bem
como fazer com que essas experiências estejam contextualizadas.
ESTRATÉGIAS DE TRABALHO
*Criar condições para que o trabalho da Sala de Recursos seja diferente do da sala de
aula.
*Resgatar o prazer de aprender e, ao mesmo tempo, valorizar a importância do
esforço e da perseverança no trabalho.
*Ouvir o aluno e, através dessa escuta, descobrir o melhor caminho a ser seguido.
*Identificar e utilizar tudo o que é motivador para esse aluno.
*Ajudar o aluno a descobrir como ele aprende e como deve estudar para obter
sucesso na escola.
*Criar o hábito da auto-avaliação constante, revendo tudo o que é realizado
(elaboração mental).
*Contar com material variado que ajude na leitura.
*Ler muito para a criança (variados e significativos tipos de textos).
*Estimular trabalhos que envolvam criatividade.
*Resgatar sempre a auto estima, mostrando para a criança seus avanços,
incentivando-a a prosseguir, melhorando seu desempenho, quer de hábitos sociais,
quer de conteúdos previstos.
*Família e aluno devem assinar um compromisso de trabalho com a Sala de Recursos
envolvendo a questão da freqüência e pontualidade.
AVALIAÇÃO
A avaliação deverá ser dinâmica, interventiva, centrada na aprendizagem do
aluno. Seus progressos e defasagens deverão ser observados, analisados e
orientados no processo de aprendizagem. Assim, o professor atuante participa,
intervindo quando necessário, adaptando técnicas e metodologias de ensino para que
a aprendizagem aconteça com qualidade. O acompanhamento pedagógico do aluno
deverá ser registrado semestralmente, devendo ser registrados os avanços e
situações que ocorreram nesse período. O aluno frequentará a sala pelo tempo
necessário para a superação das dificuldades e obtenção de êxito no processo de
aprendizagem na classe comum.
MENSAGEMMENSAGEM
A aprendizagem é concebida como processo deA aprendizagem é concebida como processo de
interlocução das pessoas com o mundo, no qualinterlocução das pessoas com o mundo, no qual
educar passa a ser fundamentalmente movimento eeducar passa a ser fundamentalmente movimento e
relação. Nesse contexto, quem ensina aprende aorelação. Nesse contexto, quem ensina aprende ao
ensinar, e quem aprende ensina ao aprender.ensinar, e quem aprende ensina ao aprender.
Educador e educando tornam-se cúmplices na grandeEducador e educando tornam-se cúmplices na grande
e desafiadora aventura de viver, reinventando a cadae desafiadora aventura de viver, reinventando a cada
dia a alegria e o prazer de aprender / ensinar, dedia a alegria e o prazer de aprender / ensinar, de
conhecer / recriar o mundo e a si mesmos comoconhecer / recriar o mundo e a si mesmos como
cristãos construtores do reino de Deus na Terra.cristãos construtores do reino de Deus na Terra.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O Atendimento Educacional Especializado- AEE nas Escolas
O Atendimento Educacional Especializado- AEE nas EscolasO Atendimento Educacional Especializado- AEE nas Escolas
O Atendimento Educacional Especializado- AEE nas Escolas
guest3d615bd
 
Documento orientador do programa implantação de salas de recursos
Documento orientador do programa implantação de salas de recursosDocumento orientador do programa implantação de salas de recursos
Documento orientador do programa implantação de salas de recursos
Carlos Junior
 
Ed inclusiva
Ed inclusivaEd inclusiva
Ed inclusiva
weleslima
 

Mais procurados (19)

Salas de Recursos Multifuncionais
Salas de Recursos Multifuncionais Salas de Recursos Multifuncionais
Salas de Recursos Multifuncionais
 
Sala de recursos aee
Sala de recursos   aeeSala de recursos   aee
Sala de recursos aee
 
O Atendimento Educacional Especializado- AEE nas Escolas
O Atendimento Educacional Especializado- AEE nas EscolasO Atendimento Educacional Especializado- AEE nas Escolas
O Atendimento Educacional Especializado- AEE nas Escolas
 
Documento orientador do programa implantação de salas de recursos
Documento orientador do programa implantação de salas de recursosDocumento orientador do programa implantação de salas de recursos
Documento orientador do programa implantação de salas de recursos
 
AEE
AEEAEE
AEE
 
Aee mostra 2013
Aee mostra 2013Aee mostra 2013
Aee mostra 2013
 
ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO- AEE
ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO- AEEATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO- AEE
ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO- AEE
 
Atendimento educacional especializado na
Atendimento educacional especializado naAtendimento educacional especializado na
Atendimento educacional especializado na
 
Conheça a Aee
Conheça a AeeConheça a Aee
Conheça a Aee
 
Professor de aee
Professor de aeeProfessor de aee
Professor de aee
 
Aee apresentacao completa_01_03_2008
Aee apresentacao completa_01_03_2008Aee apresentacao completa_01_03_2008
Aee apresentacao completa_01_03_2008
 
Plano de trabalho em ed especial 2011 (relatório da demanda)
Plano de trabalho em ed especial   2011 (relatório da demanda)Plano de trabalho em ed especial   2011 (relatório da demanda)
Plano de trabalho em ed especial 2011 (relatório da demanda)
 
Manual orientacao programa_implantacao_salas_recursos_multifuncionais
Manual orientacao programa_implantacao_salas_recursos_multifuncionaisManual orientacao programa_implantacao_salas_recursos_multifuncionais
Manual orientacao programa_implantacao_salas_recursos_multifuncionais
 
Salas de Recursos Multifuncionais
Salas de Recursos MultifuncionaisSalas de Recursos Multifuncionais
Salas de Recursos Multifuncionais
 
Educação Especial
Educação EspecialEducação Especial
Educação Especial
 
Atendimento Educacional Especializado
Atendimento Educacional EspecializadoAtendimento Educacional Especializado
Atendimento Educacional Especializado
 
Como desenvolver o AEE
Como desenvolver o AEEComo desenvolver o AEE
Como desenvolver o AEE
 
Deficiência Física
Deficiência Física Deficiência Física
Deficiência Física
 
Ed inclusiva
Ed inclusivaEd inclusiva
Ed inclusiva
 

Destaque

Aee apresentacao
Aee apresentacaoAee apresentacao
Aee apresentacao
luiscmf
 
Plano de Ação do AEE
Plano de Ação do AEEPlano de Ação do AEE
Plano de Ação do AEE
Patricia Bampi
 
Relatorio de acompanhamento do professor do aee e sala regular
Relatorio de acompanhamento do professor do aee e sala regularRelatorio de acompanhamento do professor do aee e sala regular
Relatorio de acompanhamento do professor do aee e sala regular
Nethy Marques
 
Sala de recursos 2011
Sala de recursos 2011Sala de recursos 2011
Sala de recursos 2011
emersonp68
 
Atendimento Educacional Especializado
Atendimento Educacional EspecializadoAtendimento Educacional Especializado
Atendimento Educacional Especializado
ceciliaconserva
 
Os nossos filhos_sao_diferentes
Os nossos filhos_sao_diferentesOs nossos filhos_sao_diferentes
Os nossos filhos_sao_diferentes
FilipAna
 
Síndrome de down
Síndrome de down Síndrome de down
Síndrome de down
nereo_o
 
Síndrome de down
Síndrome de downSíndrome de down
Síndrome de down
PTAI
 
SíNdrome De Down
SíNdrome De DownSíNdrome De Down
SíNdrome De Down
Anghela Paz
 
Aluna com dificuldade e baixo rendimento escolar1
Aluna com dificuldade e baixo rendimento escolar1Aluna com dificuldade e baixo rendimento escolar1
Aluna com dificuldade e baixo rendimento escolar1
SimoneHelenDrumond
 

Destaque (20)

Aee apresentacao
Aee apresentacaoAee apresentacao
Aee apresentacao
 
Plano de Ação do AEE
Plano de Ação do AEEPlano de Ação do AEE
Plano de Ação do AEE
 
Reunião pedagógica AEE
Reunião pedagógica AEEReunião pedagógica AEE
Reunião pedagógica AEE
 
Relatorio de acompanhamento do professor do aee e sala regular
Relatorio de acompanhamento do professor do aee e sala regularRelatorio de acompanhamento do professor do aee e sala regular
Relatorio de acompanhamento do professor do aee e sala regular
 
E%20 quando%20atendemos%20crian%c3%a7as%20diferentes%e2%80%a6
E%20 quando%20atendemos%20crian%c3%a7as%20diferentes%e2%80%a6E%20 quando%20atendemos%20crian%c3%a7as%20diferentes%e2%80%a6
E%20 quando%20atendemos%20crian%c3%a7as%20diferentes%e2%80%a6
 
Sala de recursos 2011
Sala de recursos 2011Sala de recursos 2011
Sala de recursos 2011
 
Sala de recurso
Sala de recursoSala de recurso
Sala de recurso
 
Atendimento Educacional Especializado
Atendimento Educacional EspecializadoAtendimento Educacional Especializado
Atendimento Educacional Especializado
 
Como atuar com o AEE
Como atuar com o AEEComo atuar com o AEE
Como atuar com o AEE
 
Modelos de relatórios de alunos simone helen drumond
Modelos de relatórios de alunos simone helen drumondModelos de relatórios de alunos simone helen drumond
Modelos de relatórios de alunos simone helen drumond
 
Os nossos filhos_sao_diferentes
Os nossos filhos_sao_diferentesOs nossos filhos_sao_diferentes
Os nossos filhos_sao_diferentes
 
Sindrome de down
Sindrome de downSindrome de down
Sindrome de down
 
Síndrome de down
Síndrome de down Síndrome de down
Síndrome de down
 
Síndrome de Down
Síndrome de DownSíndrome de Down
Síndrome de Down
 
Síndrome de down
Síndrome de down Síndrome de down
Síndrome de down
 
Slide educação especial
Slide educação especialSlide educação especial
Slide educação especial
 
Síndrome de down
Síndrome de downSíndrome de down
Síndrome de down
 
SíNdrome De Down
SíNdrome De DownSíNdrome De Down
SíNdrome De Down
 
Síndrome de Down
Síndrome de DownSíndrome de Down
Síndrome de Down
 
Aluna com dificuldade e baixo rendimento escolar1
Aluna com dificuldade e baixo rendimento escolar1Aluna com dificuldade e baixo rendimento escolar1
Aluna com dificuldade e baixo rendimento escolar1
 

Semelhante a Slides sala de recursos 2012

1 aula escola, ensino-aprendizagem do deficiente
1 aula   escola, ensino-aprendizagem do deficiente1 aula   escola, ensino-aprendizagem do deficiente
1 aula escola, ensino-aprendizagem do deficiente
FAMETRO/SEDUC
 
Trablho pnaic inclusão
Trablho pnaic inclusãoTrablho pnaic inclusão
Trablho pnaic inclusão
Caroll Lima
 
Aee fechamento marta_mello
Aee fechamento marta_melloAee fechamento marta_mello
Aee fechamento marta_mello
martamello
 
Orientações Pedagógicas: Deficiências
Orientações Pedagógicas: Deficiências Orientações Pedagógicas: Deficiências
Orientações Pedagógicas: Deficiências
Jardeane Fontenele
 
Aprendizagem slhideshera3
Aprendizagem slhideshera3Aprendizagem slhideshera3
Aprendizagem slhideshera3
ALICEDAVIZ
 

Semelhante a Slides sala de recursos 2012 (20)

1 aula escola, ensino-aprendizagem do deficiente
1 aula   escola, ensino-aprendizagem do deficiente1 aula   escola, ensino-aprendizagem do deficiente
1 aula escola, ensino-aprendizagem do deficiente
 
1 aula escola, ensino-aprendizagem do deficiente
1 aula   escola, ensino-aprendizagem do deficiente1 aula   escola, ensino-aprendizagem do deficiente
1 aula escola, ensino-aprendizagem do deficiente
 
Inclusão na escola avancos e difivculdades
Inclusão na escola avancos e difivculdadesInclusão na escola avancos e difivculdades
Inclusão na escola avancos e difivculdades
 
Educacao inclusiva numa_ perspectiva_curricular
Educacao inclusiva numa_ perspectiva_curricularEducacao inclusiva numa_ perspectiva_curricular
Educacao inclusiva numa_ perspectiva_curricular
 
Aula 3 EE e EI
Aula 3 EE e EIAula 3 EE e EI
Aula 3 EE e EI
 
Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda
Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma todaSugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda
Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda
 
Aula1
Aula1Aula1
Aula1
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 1
 
Ensinar e aprender na escola
Ensinar e aprender na escolaEnsinar e aprender na escola
Ensinar e aprender na escola
 
Trablho pnaic inclusão
Trablho pnaic inclusãoTrablho pnaic inclusão
Trablho pnaic inclusão
 
ppt-formao-educao-especial-2 (5).ppt
ppt-formao-educao-especial-2 (5).pptppt-formao-educao-especial-2 (5).ppt
ppt-formao-educao-especial-2 (5).ppt
 
Inclusão escolar fundamentos
Inclusão escolar fundamentosInclusão escolar fundamentos
Inclusão escolar fundamentos
 
Heterogeneidade nos anos iniciais
Heterogeneidade nos anos iniciaisHeterogeneidade nos anos iniciais
Heterogeneidade nos anos iniciais
 
Heterogeneidade nos anos iniciais
Heterogeneidade nos anos iniciaisHeterogeneidade nos anos iniciais
Heterogeneidade nos anos iniciais
 
Trabalho da dona elena
Trabalho da dona elenaTrabalho da dona elena
Trabalho da dona elena
 
Aee fechamento marta_mello
Aee fechamento marta_melloAee fechamento marta_mello
Aee fechamento marta_mello
 
sd-m4
sd-m4sd-m4
sd-m4
 
Orientações Pedagógicas: Deficiências
Orientações Pedagógicas: Deficiências Orientações Pedagógicas: Deficiências
Orientações Pedagógicas: Deficiências
 
Aprendizagem slhideshera3
Aprendizagem slhideshera3Aprendizagem slhideshera3
Aprendizagem slhideshera3
 
Capacitação de Ciências - 2ª parte
Capacitação de Ciências - 2ª parteCapacitação de Ciências - 2ª parte
Capacitação de Ciências - 2ª parte
 

Mais de margaretreis

Mais de margaretreis (7)

Jogos Virtuais
Jogos VirtuaisJogos Virtuais
Jogos Virtuais
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
 
Projeto Jogos Virtuais
Projeto Jogos VirtuaisProjeto Jogos Virtuais
Projeto Jogos Virtuais
 
Projeto Água
Projeto ÁguaProjeto Água
Projeto Água
 
Chapeuzinho Vermelho
Chapeuzinho VermelhoChapeuzinho Vermelho
Chapeuzinho Vermelho
 
Projeto da cadeia produtiva da cana de-aã§ucar
Projeto  da cadeia produtiva da cana de-aã§ucarProjeto  da cadeia produtiva da cana de-aã§ucar
Projeto da cadeia produtiva da cana de-aã§ucar
 
Projeto da cadeia produtiva da cana de-aã§ucar
Projeto  da cadeia produtiva da cana de-aã§ucarProjeto  da cadeia produtiva da cana de-aã§ucar
Projeto da cadeia produtiva da cana de-aã§ucar
 

Slides sala de recursos 2012

  • 1. ESCOLA MUNICIPALESCOLA MUNICIPAL PRESIDENTE TANCREDO DEPRESIDENTE TANCREDO DE ALMEIDA NEVESALMEIDA NEVES PROJETO SALA DERECURSOSPROJETO SALA DERECURSOS PROFESSORASPROFESSORAS CLEIDIMAR BRAZ SILVA DE TOLEDOCLEIDIMAR BRAZ SILVA DE TOLEDO MARIA DIVINA BANDEIRAMARIA DIVINA BANDEIRA 20122012
  • 2. O QUE É SALA DE RECURSOS? É um ambiente de natureza pedagógica, orientado por professor especializado, que suplementa (no caso dos superdotados) e complementa (para os demais alunos) o atendimento educacional realizado em classes comuns da rede regular de ensino. Esse serviço realiza-se em escolas, em local dotado de equipamentos e recursos pedagógicos adequados às necessidades educacionais especiais dos alunos, podendo estender-se a alunos de escolas próximas, nas quais ainda não exista esse atendimento. Pode ser realizado individualmente ou em pequenos grupos, para alunos que apresentem necessidades educacionais especiais, em horário diferente daquele em que freqüentam a classe comum. Fonte: MEC – Secretaria de Educação Especial
  • 3. QUE ALUNOS PODEM FREQUENTAR A SALA DE RECURSOS? Alunos que apresentam necessidades educacionais especiais. QUE ALUNOS SÃO CONSIDERADOS PORTADORES DE NEE? Conforme previsto no Art.3º da DELIBERAÇÃO CEE Nº 68/2007 e INDICAÇÃO CEE Nº 70/2007 CBE – PUBLICAÇÃO NO doe de 19/7/2007 – Normas para a Educação Especial, alunos com NEE são: I – alunos com deficiência física, mental, sensorial e múltipla, que demandem atendimento educacional especializado; II – alunos com altas habilidades, superdotação e grande facilidade de aprendizagem, que os levem a dominar, rapidamente, conceitos, procedimentos e atitudes; III – alunos com transtornos invasivos de desenvolvimento; IV – alunos com outras dificuldades ou limitações acentuadas no processo de desenvolvimento, que dificultam o acompanhamento das atividades curriculares e necessitam de recursos pedagógicos adicionais.
  • 4. A Sala de Recursos é um espaço de investigação e compreensão dos processos cognitivos, sociais e emocionais, visando a superação das dificuldades de aprendizagem e o desenvolvimento de diferentes possibilidades dos sujeitos. O professor deverá apoiar e orientar o professor da classe comum quanto às adaptações curriculares, avaliativas e metodológicas que poderão ser desenvolvidas na sala de aula a fim de um melhor atendimento aos alunos com NEE ( necessidades educacionais especiais). A Sala de Recursos destina-se aos alunos que apresentam problemas de aprendizagem com atraso acadêmico significativo, distúrbios de aprendizagem e/ou deficiência mental, e que necessitam de apoio especializado complementar. O trabalho desenvolvido em sala de recursos não deve ser confundido com reforço escolar. O ingresso do aluno em sala de recursos dar-se-á após Avaliações Pedagógicas, realizadas por profissionais especializados ( professores das salas de recursos ou se necessário, equipe multiprofissional e especialistas da área da saúde).Seu atendimento dar-se-á de forma individual ou em pequenos grupos, obedecendo a um cronograma previamente estabelecido, de acordo com a necessidade.
  • 5. Nas salas de recursos, o professor prepara o aluno para desenvolver habilidades e utilizar instrumentos de apoio que facilitem o aprendizado nas aulas regulares. O trabalho é realizado com ênfase na área do desenvolvimento cognitivo, sócio- afetivo, emocional e motor; na área do conhecimento, da linguagem oral, da escrita, dos cálculos matemáticos fundamentados na metodologia da ludicidade, ou seja, através de jogos, brincadeiras, competições e jogos interativos que podem ser um elemento poderoso de motivação no ambiente de aprendizado com o uso de Multimídia interativa. Para o trabalho em sala de recursos, o planejamento é individualizado, de acordo com as necessidades apontadas na ficha de encaminhamento do professor da classe comum, na Avaliação Pedagógica, na Avaliação Educacional no Contexto sobre o aluno, bem como, as necessidades percebidas pelo professor especializado.
  • 6. OBJETIVO GERAL Atender o aluno com necessidades educacionais especiais em sua especificidade com o intuito de aprimorar o seu processo de ensino aprendizagem e sanar dificuldades dos anos anteriores. OBJETIVOS ESPECÍFICOS *Oferecer um atendimento diferenciado ao aluno das classes de Ensino Regular, pelo enriquecimento de recursos, pela variedade de procedimentos e pela individualização do ensino. *Promover o protagonismo do aluno, como agente de sua aprendizagem, pela valorização de sua identidade e pela consciência do valor do conhecimento para uma vida mais plena. *Produzir recursos pedagógicos considerando as necessidades específicas dos alunos. *Promover a valorização de outras habilidades e potencialidades da criança, bem como a questão da afetividade e de outros caminhos que tragam felicidade, autonomia e realização para o aluno. *Auxiliar os professores em busca de alternativas para realizar um bom trabalho aos alunos com NEE (necessidades educacionais especiais). *Atender individualmente os alunos com NEE para melhorar seu desempenho em sala de aula. *Realizar um trabalho coletivo com todo grupo escolar para que se efetive a inclusão.
  • 7. METODOLOGIA O planejamento para o trabalho com cada criança é traçado a partir de uma avaliação diagnóstica, realizada de maneira interventiva, objetivando a percepção das potencialidades do aluno, de acordo com suas reações, sem mediação e, posteriormente, com mediação. Todo trabalho é centrado na realidade da criança, em sua identidade, seu nome, sua família, suas motivações, no que ela já sabe, em seu repertório de competências, em suas habilidades, em sua singularidade. A partir desse espírito de acolhimento e respeito, cria–se uma abertura para o diálogo, abrindo-se para o novo, para o outro e para o entorno. Trabalhando-se sempre o cognitivo junto com o afetivo, criam-se vínculos que facilitarão e darão maior sabor à aprendizagem. Através do uso de várias atividades adequadas ao momento da criança, é possível ajudá-la a ter consciência de como ela aprende, como é capaz e o quanto o aprender é gratificante. Através do jogo, da história, de atividades criativas, de novas descobertas, vai se dando significado e o prazer de conhecer ressignificado. É necessário oferecer caminhos alternativos para a aprendizagem, bem como fazer com que essas experiências estejam contextualizadas.
  • 8. ESTRATÉGIAS DE TRABALHO *Criar condições para que o trabalho da Sala de Recursos seja diferente do da sala de aula. *Resgatar o prazer de aprender e, ao mesmo tempo, valorizar a importância do esforço e da perseverança no trabalho. *Ouvir o aluno e, através dessa escuta, descobrir o melhor caminho a ser seguido. *Identificar e utilizar tudo o que é motivador para esse aluno. *Ajudar o aluno a descobrir como ele aprende e como deve estudar para obter sucesso na escola. *Criar o hábito da auto-avaliação constante, revendo tudo o que é realizado (elaboração mental). *Contar com material variado que ajude na leitura. *Ler muito para a criança (variados e significativos tipos de textos). *Estimular trabalhos que envolvam criatividade. *Resgatar sempre a auto estima, mostrando para a criança seus avanços, incentivando-a a prosseguir, melhorando seu desempenho, quer de hábitos sociais, quer de conteúdos previstos. *Família e aluno devem assinar um compromisso de trabalho com a Sala de Recursos envolvendo a questão da freqüência e pontualidade.
  • 9. AVALIAÇÃO A avaliação deverá ser dinâmica, interventiva, centrada na aprendizagem do aluno. Seus progressos e defasagens deverão ser observados, analisados e orientados no processo de aprendizagem. Assim, o professor atuante participa, intervindo quando necessário, adaptando técnicas e metodologias de ensino para que a aprendizagem aconteça com qualidade. O acompanhamento pedagógico do aluno deverá ser registrado semestralmente, devendo ser registrados os avanços e situações que ocorreram nesse período. O aluno frequentará a sala pelo tempo necessário para a superação das dificuldades e obtenção de êxito no processo de aprendizagem na classe comum.
  • 10. MENSAGEMMENSAGEM A aprendizagem é concebida como processo deA aprendizagem é concebida como processo de interlocução das pessoas com o mundo, no qualinterlocução das pessoas com o mundo, no qual educar passa a ser fundamentalmente movimento eeducar passa a ser fundamentalmente movimento e relação. Nesse contexto, quem ensina aprende aorelação. Nesse contexto, quem ensina aprende ao ensinar, e quem aprende ensina ao aprender.ensinar, e quem aprende ensina ao aprender. Educador e educando tornam-se cúmplices na grandeEducador e educando tornam-se cúmplices na grande e desafiadora aventura de viver, reinventando a cadae desafiadora aventura de viver, reinventando a cada dia a alegria e o prazer de aprender / ensinar, dedia a alegria e o prazer de aprender / ensinar, de conhecer / recriar o mundo e a si mesmos comoconhecer / recriar o mundo e a si mesmos como cristãos construtores do reino de Deus na Terra.cristãos construtores do reino de Deus na Terra.