A CONSTRUÇÃO DA PRESENÇA EM AMBIENTES DIGITAIS:
OPORTUNIDADE E DESAFIO PARA ALUNOS E INSTITUIÇÕES
Mónica Aresta
Luís Pedro...
Challenges 2013: Aprender a qualquer hora e em qualquer lugar, learning anityme anywhere
1262
convergem e interagem e onde...
A CONSTRUÇÃO DA PRESENÇA EM AMBIENTES DIGITAIS:
OPORTUNIDADE E DESAFIO PARA ALUNOS E INSTITUIÇÕES
1263
com a tecnologia) d...
Challenges 2013: Aprender a qualquer hora e em qualquer lugar, learning anityme anywhere
1264
e em ambientes digitais (Boy...
A CONSTRUÇÃO DA PRESENÇA EM AMBIENTES DIGITAIS:
OPORTUNIDADE E DESAFIO PARA ALUNOS E INSTITUIÇÕES
1265
conteúdos pelo util...
Challenges 2013: Aprender a qualquer hora e em qualquer lugar, learning anityme anywhere
1266
institucionalmente e aquela ...
A CONSTRUÇÃO DA PRESENÇA EM AMBIENTES DIGITAIS:
OPORTUNIDADE E DESAFIO PARA ALUNOS E INSTITUIÇÕES
1267
apresentado no Quad...
Challenges 2013: Aprender a qualquer hora e em qualquer lugar, learning anityme anywhere
1268
Gestão da Privacidade [GP]
S...
A CONSTRUÇÃO DA PRESENÇA EM AMBIENTES DIGITAIS:
OPORTUNIDADE E DESAFIO PARA ALUNOS E INSTITUIÇÕES
1269
objetivos que orien...
Challenges 2013: Aprender a qualquer hora e em qualquer lugar, learning anityme anywhere
1270
Quando construindo uma ident...
A CONSTRUÇÃO DA PRESENÇA EM AMBIENTES DIGITAIS:
OPORTUNIDADE E DESAFIO PARA ALUNOS E INSTITUIÇÕES
1271
própria qualidade, ...
Challenges 2013: Aprender a qualquer hora e em qualquer lugar, learning anityme anywhere
1272
Buckingham (Ed.), Youth, Ide...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

A construção da presença em ambientes digitais - oportunidade e desafio para alunos e instituições

373 visualizações

Publicada em

Aresta, M., Pedro, L., Santos, C. e Moreira, A. (2013). A construção da identidade em ambientes digitais - oportunidade e desafio para alunos e instituições. Actas da VIII Conferência Internacional de TIC na Educação: Challenges 2013. (pp. 1262-1273). Universidade do Minho. Braga.

0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
373
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A construção da presença em ambientes digitais - oportunidade e desafio para alunos e instituições

  1. 1. A CONSTRUÇÃO DA PRESENÇA EM AMBIENTES DIGITAIS: OPORTUNIDADE E DESAFIO PARA ALUNOS E INSTITUIÇÕES Mónica Aresta Luís Pedro Carlos Santos António Augusto Moreira Universidade de Aveiro, Portugal Resumo: Com o desenvolvimento da Web social, a Internet assume-se como uma plataforma assente na criação, partilha e transformação de conteúdos. Mais do que um curriculum vitae, a construção de uma presença na rede pode revelar à comunidade o conjunto das experiências e capacidades dos indivíduos. Partindo da reflexão sobre o conceito de literacia digital e do papel da rede enquanto espaço de construção de identidade, este trabalho apresenta os principais resultados de um estudo de caso desenvolvido na Universidade de Aveiro, com o objetivo de analisar a identidade online de um grupo de alunos de Mestrado numa plataforma suportada institucionalmente (SAPO Campus) e em dois espaços online informais (Facebook e Twitter). Quando a presença e participação na rede se inicia cada vez mais cedo, este trabalho poderá contribuir para a análise e reflexão sobre os processos de construção da identidade na rede e da sua importância para alunos e instituições. Palavras-chave: Identidade online, literacias digitais, modelo de análise, SAPO Campus Abstract: With the development of the social Web, the Internet emerges as a platform based on the creation, sharing and remaking of content. More than a curriculum vitae, online presence can reveal to the community the sum of the individual’s experiences and capabilities. Starting from a reflection on the concept of digital literacy and the role of the Web as a space of identity construction, this paper presents the main results of a case study developed at the University of Aveiro, aiming to analyse the online identity constructed by a group of students from a Master Degree Course in an institutionally supported platform (SAPO Campus) and two informal online spaces (Facebook and Twitter). When the presence and participation in online environments starts increasingly earlier, this paper may contribute to the discussion, analysis and reflection about the processes of online identity construction and its importance to students and institutions. Keywords: Online identity, digital literacy, analysis model, SAPO Campus A rede, cenário de manifestação de competências e de construção de identidade Com o desenvolvimento da Web social, a Internet evoluiu de um meio veiculador de informação para uma plataforma assente na criação, partilha e transformação de conteúdos. Num contexto caraterizado pela ligação entre sistemas e utilizadores, a rede assume-se como um espaço onde pessoas e comunidades
  2. 2. Challenges 2013: Aprender a qualquer hora e em qualquer lugar, learning anityme anywhere 1262 convergem e interagem e onde a identidade do indivíduo, enquanto aprendente, se estende ao seu percurso de vida e aos diferentes espaços por onde e através dos quais constrói a sua aprendizagem. Em contexto educativo, o software social encontra aplicações ao nível da comunicação e interação entre indivíduos ou grupos, incentivando a construção do conhecimento para além do currículo e a sua partilha com a comunidade. O incentivo à mestria tecnológica e ao domínio das ferramentas cede assim lugar à promoção de competências digitais orientadas para o desenvolvimento de consciência crítica em relação ao conteúdo criado e utilizado (Ala-Mutka et al., 2008), ou seja, ao desenvolvimento de literacias digitais. O conceito de literacia na sociedade digital No campo da investigação, têm sido várias as tentativas de expandir o conceito de “literacia” para além do seu significado inicial, i.e., a capacidade de ler e escrever. Surgindo muitas vezes como um conceito umbrella que engloba diferentes aspetos da integração e utilização da tecnologia na vida dos indivíduos e instituições, a literacia digital – defendida como a capacidade de compreender e utilizar a informação em múltiplos formatos, a partir de uma grande variedade de fontes e quando apresentada através de computadores (Gilster, 1997, citado por Goodfellow, 2011 e Martin, 2008) – poderá abranger: - práticas socialmente situadas suportadas por competências, estratégias e posturas que incentivam e apoiam a capacidade de um indivíduo para representar e compreender ideias, utilizando várias modalidades e ferramentas digitais (O’Brien e Scharber, 2008, citado por McLoughlin, 2011); - a utilização criativa das tecnologias, incluindo a utilização das ferramentas para satisfazer necessidades pessoais e profissionais (Martin, 2008; SNOCUL, 2006, citado por Bawden, 2008); - o conhecimento necessário à gestão dos espaços digitais públicos e privados que possibilita a construção de uma identidade capaz de traduzir o perfil e o percurso dos indivíduos, integrando assim as dimensões académicas e profissionais das suas vidas (Costa e Torres, 2011). Apresentando literacia como uma ideia adaptável e evolutiva, Martin (2008) defende que este conceito – quando aplicado aos computadores e ao digital – terá ao longo das últimas décadas compreendido três níveis: um primeiro, técnico e assente na mestria tecnológica, centrado no saber trabalhar com a tecnologia (até aos anos 80); o segundo, da utilização crítica e contextualizada das ferramentas, ligações e recursos digitais (anos 80-90); e o terceiro, da reflexão crítica, concretizada na compreensão do impacto transformativo humano e social das ações digitais (após os anos 90; nesta fase, as competências específicas são substituídas por competências genéricas ou meta-skills, tais como a capacidade de aceder, de gerir e avaliar a informação de forma a participar efetivamente na sociedade). Segundo o autor, a competência digital (i.e. o saber trabalhar
  3. 3. A CONSTRUÇÃO DA PRESENÇA EM AMBIENTES DIGITAIS: OPORTUNIDADE E DESAFIO PARA ALUNOS E INSTITUIÇÕES 1263 com a tecnologia) deverá ser compreendida como um percursor e um pré-requisito para a literacia digital, só se podendo falar verdadeiramente de literacia digital quando abordando os segundos e terceiros níveis. A rede, espaço de construção da identidade Quando a tecnologia possibilita ao aprendente a aquisição e desenvolvimento de competências ajustadas às suas necessidades e às necessidades dos contextos em que se insere, a Web assume-se como um espaço favorável à participação e à interação, um ambiente onde o aprendente pode construir uma identidade plena e que engloba as presenças, aprendizagens e competências desenvolvidas ao longo do seu percurso pessoal, académico e profissional. Compreendida como um conceito que engloba a autenticação – a informação que valida a identidade dos indivíduos nos sistemas digitais (Boyd, 2002; Clement, 2002; McAlpine, 2005) – e o conteúdo – a informação que o indivíduo partilha na rede de forma a comunicar e interagir com os outros – a presença digital dos indivíduos na rede pode ser reconhecida e traduzida na publicação de conteúdo (Coiro et al., 2008; Zhao et al., 2008; Greenhow e Robelia, 2009; Greenhow et al., 2009; Costa e Torres, 2011); na criação de perfis (Boyd, 2008; Greenhow e Robelia, 2009); e na tipologia de participação (Fraser, 2008). Vista como um continuum (Warburton et al., 2010), a dimensão digital da identidade poderá assim ser entendida como o total da informação referente ao indivíduo e publicada na rede, um conjunto que se estende desde as credenciais electrónicas que permitem o acesso a sistemas fechados até à representação complexa do “eu” num espaço digital. A representação do indivíduo em ambientes digitais Online, os indivíduos representam-se através de dados e informação. No intuito de estabelecerem e se definirem enquanto elementos de uma ou mais comunidades, poderão optar pela inclusão de informação relativa à família ou grupo de amigos, profissão, organização ou instituição a que pertencem. Para além deste tipo de informação (usualmente solicitada e adicionada aos perfis de utilizador de diferentes espaços online) a identidade do indivíduo poderá ainda englobar o tipo de conteúdos que associa aos seus espaços e a forma como se manifesta e traduz a sua presença. Num ambiente onde os conteúdos publicados permanecem para além do tempo de vida esperado ou percebido pelo utilizador, os indivíduos possuem pouco controlo sobre a forma como a sua identidade é apresentada na rede. Entre as principais diferenças entre a representação dos indivíduos em ambientes físicos
  4. 4. Challenges 2013: Aprender a qualquer hora e em qualquer lugar, learning anityme anywhere 1264 e em ambientes digitais (Boyd, 2002), encontram-se a persistência da informação; a facilidade de procura, ou searchabillity; a replicabilidade dos conteúdos publicados; e a existência de audiências invisíveis. De forma a controlar a permeabilidade caraterística dos ambientes online, os indivíduos poderão recorrer a estratégias assentes no anonimato ou, em alternativa, à criação e gestão de diferentes contas de e-mail ou usernames para diferentes plataformas ou sistemas (Boyd, 2002), numa tentativa de a agregação automática da sua informação. Será nesse sentido que, na rede, alguns utilizadores – designados por White (2008) por visitantes – poderão optar pela criação de diferentes identidades, outros – os residentes (White, 2008) – poderão sentir a necessidade e o desejo de construir uma identidade mais sólida e consistente, estabelecendo através dela as bases para a construção de uma reputação na rede. Neste cenário, a identidade online dos indivíduos surge como uma forma de revelar a soma das suas experiências, as suas competências e capacidades, a sua forma de comunicar, interagir e partilhar no espaço online. Mais do que um curriculum vitae, a identidade online dos indivíduos poderá revelar a amigos, pares e comunidade o seu percurso enquanto pessoa, bem como a soma das suas experiências pessoais, académicas e profissionais. A construção da identidade em ambientes digitais A existência de uma identidade na rede tornou-se um fenómeno impossível de contornar, quer por indivíduos quer por instituições. Numa economia do conhecimento onde a capacidade de pesquisar, avaliar, criar e partilhar informação e sintetizar conhecimento adquirem cada vez maior importância (Margaryan et al., 2008), os alunos olham para as escolas e universidades como espaços capazes de suportar a criação de comunidades de aprendizagem, espaços onde podem aprender a aprender, e onde a criatividade e a inovação são trabalhadas e incentivadas (Anderson, 2007) de forma a desenvolverem novas formas e competências relacionadas com a aprendizagem, passíveis de serem aplicadas ao longo das suas vidas. Estudo de caso - Metodologia No âmbito do programa doutoral em Multimédia em Educação (Universidade de Aveiro), e no sentido de perceber como é que se constrói, gere e percepciona a presença construída em ambientes digitais, desenvolveu-se um estudo de caso onde se analisou a identidade construída e manifestada por um grupo de alunos do Mestrado em Comunicação Multimédia (MCMM) numa plataforma suportada institucionalmente e em dois espaços informais. Tendo como campo de estudo a presença manifestada no SAPO Campus (plataforma integrada de serviços Web 2.0 desenvolvida na Universidade de Aveiro e baseada na criação de
  5. 5. A CONSTRUÇÃO DA PRESENÇA EM AMBIENTES DIGITAIS: OPORTUNIDADE E DESAFIO PARA ALUNOS E INSTITUIÇÕES 1265 conteúdos pelo utilizador e que faculta, aos seus utilizadores, uma infraestrutura tecnológica de suporte ao desenvolvimento de competências ao nível da colaboração, partilha e comunicação e da construção da identidade) e no Facebook e Twitter, o estudo de caso procurou identificar os aspetos que caraterizam a identidade construída na rede e avaliar a importância (percebida por alunos, instituição e comunidade) da identidade online enquanto meio de manifestação e divulgação de competências. Para o estudo, foram consideradas como técnicas de recolha de dados o inquérito por questionário, a observação direta não participante e o inquérito por entrevista. A aplicação de questionários aos participantes (n=13, amostra por conveniência) possibilitou a identificação dos contextos de utilização das ferramentas do software social. A observação direta não participante contemplou a análise dos conteúdos publicados pelos 13 participantes no SAPO Campus, no Facebook e no Twitter durante um período de dez meses (correspondentes a um ano letivo), analisados e codificados segundo a tipologia de conteúdo (i.e. conteúdo de caráter pessoal, social, académico, profissional e organizacional) e segundo o formato (i.e. mensagens de texto, partilha de ligações, conteúdos áudio/vídeo e partilha de fotos). Foi analisado um total de 3692 publicações, distribuídas da seguinte forma: SAPO Campus, 347 publicações; Facebook, 1249 publicações; Twitter, 2096 publicações. A realização de entrevistas (semiestruturadas, em profundidade) aos participantes possibilitou a caraterização, pelos próprios, da identidade construída na rede, das motivações para a construção dessa identidade, a identificação dos mecanismos de gestão adotados na gestão da presença online e a avaliação do potencial e/ou real impacto da identidade construída na rede. Resultados Partindo da informação recolhida pela aplicação dos questionários, pela observação direta e pela realização de entrevistas, verificou-se que no SAPO Campus os participantes constroem uma identidade assente na partilha de conteúdos de teor académico, sobretudo mensagens de texto. Entre as principais razões para esta situação, encontra-se a associação entre a plataforma e a Universidade de Aveiro – e consequente associação da sua presença à imagem da Universidade – terá exercido influência ao nível da seleção, teor e publicação dos conteúdos, nomeadamente na adoção de um discurso mais profissional, estruturado e direcionado para o universo académico e de investigação. Referindo-se especificamente à importância de construir uma identidade associada à identidade online da instituição, a maioria dos participantes aponta a transferência ou repercussão da credibilidade institucional como uma das maiores vantagens na construção de uma identidade no SAPO Campus. Quanto aos aspetos que caraterizam a identidade online construída na plataforma suportada
  6. 6. Challenges 2013: Aprender a qualquer hora e em qualquer lugar, learning anityme anywhere 1266 institucionalmente e aquela construída em ambientes informais, verificou-se que enquanto no SAPO Campus a presença é maioritariamente académica e assente em mensagens de texto (posts), nas redes informais a presença é sobretudo social. No Facebook, 82% dos conteúdos publicados pelos participantes foram incluídos nesta categoria, e a maioria das publicações registadas (56%) consistiram na partilha de conteúdos áudio/vídeo, seguidas de ligações para outros espaços. No Twitter, segunda rede analisada, 81% dos conteúdos são de teor social, com predominância da partilha de ligações; de realçar, contudo, a presença de 10% de conteúdos de caráter académico, composto na sua maioria pela partilha de ligações. No que se refere à gestão da identidade – i.e., às medidas adotadas para a gestão da presença na rede –, o cuidado prévio na publicação de conteúdos surge como a medida mais indicada pelos participantes, que referem ainda a edição e seleção prévia de conteúdos, a não publicação de conteúdos de caráter pessoal, a adequação dos conteúdos ao espaço onde serão publicados como sendo as principais formas de gestão da sua presença na rede. Questionados quanto à importância da identidade online, os participantes reconhecem a relevância da presença construída na rede enquanto forma de demonstração das capacidades adquiridas e desenvolvidas ao longo do percurso académico e profissional e não apenas como espaço social, apontando. Não obstante, do total de conteúdos analisados (3692 publicações) apenas 3,3% foi codificado em “profissional”, i.e., publicações relacionadas com a atividade profissional ou que traduzissem as competências dos indivíduos. A análise da presença construída em ambientes digitais Durante as entrevistas, quando solicitados a refletir sobre a presença que constroem na rede, os participantes no estudo abordaram a construção da identidade online do ponto de vista pessoal, caraterizando o tipo de presença manifestada, descrevendo os processos de seleção e gestão dos conteúdos e ligações que associam à sua identidade, e refletindo sobre o real e/ou potencial impacto dessa mesma presença. No decorrer do tratamento e análise das transcrições, foram identificadas três grandes áreas em redor das quais os participantes descreviam e caraterizavam a sua forma de estar na rede, e que poderão ser entendidas como três eixos em redor dos quais se construirá a identidade online: a representação digital (a informação e os conteúdos que o indivíduo publica e partilha na rede e que concretizam a dimensão digital da sua identidade); a gestão da privacidade (os mecanismos ou estratégias a que o indivíduo recorre de forma a ter um maior controlo e gerir a sua representação na rede); e a reputação (o impacto real ou potencial da identidade online construída pelo indivíduo). Cruzando essa informação com os resultados da análise das participações e perfil dos participantes, desenhou-se a proposta de Modelo para Análise da Identidade Online (Aresta, 2013),
  7. 7. A CONSTRUÇÃO DA PRESENÇA EM AMBIENTES DIGITAIS: OPORTUNIDADE E DESAFIO PARA ALUNOS E INSTITUIÇÕES 1267 apresentado no Quadro 1, e ao qual foram associadas subcategorias, estabelecidos os objetos de análise e definidos os indicadores. Quadro 1 Modelo para a Análise da Identidade Online (Aresta, 2013) Representação Digital [RD] Subcategoria Objeto de análise Indicadores Elementos de Identificação [RD/EI] Nome de utilizador e.g. escolha do nome real, nickname como nome digital Imagem de perfil e.g. seleção de retrato, avatar, como imagem de representação Informação Adicional [RD/IA] Informação biográfica e.g. partilha de informação referente a nome, data de nascimento, profissão Informação de contacto e.g. partilha de informação referente a endereço postal, endereço de e-mail Mote, Interesses e preferências e.g. informação referente a interesses, preferências, mote pessoal Relação com a comunidade e.g. informação que evidencia a ligação com a comunidade Ligação para outros espaços e.g. informação que estabelece a ligação com outros espaços onde o indivíduo constrói a sua presença Conteúdo [RD/C] Tópicos e.g. seleção de tópicos de acordo com as caraterísticas do espaço online onde o conteúdo é publicado (espaço pessoa, profissional) Seleção de tópicos de acordo com as preferências do indivíduo, independentemente do espaço online onde o conteúdo é publicado Estrutura do discurso Adequação do discurso ao espaço online onde o conteúdo é publicado Partilha de conteúdo independentemente do espaço online onde é publicado Tipologia de conteúdo Seleção e partilha de conteúdo (pessoal, social, académico, profissional, organizacional) de acordo com ou ajustado ao espaço online onde é publicado Tipologia de conteúdo independente do espaço online Formato do conteúdo Seleção e partilha de conteúdo (mensagem de texto, ligação, vídeo/áudio, foto) de acordo com ou ajustado ao espaço online onde é publicado Formato do conteúdo independente do espaço online onde é publicado
  8. 8. Challenges 2013: Aprender a qualquer hora e em qualquer lugar, learning anityme anywhere 1268 Gestão da Privacidade [GP] Subcategoria Objeto de análise Indicadores Processo de Registo [P/PR] E-mail de registo ou nome de utilizador e.g. utilização de diferentes contas de e-mail ou nomes de utilizador aquando do registo em diferentes espaços online; mesmo endereço de e-mail e/ou do mesmo nome de utilizador no registo em diferentes espaços online Gestão de Contactos [P/GC] Rede de contactos (friends, followers) e.g. associação ou segregação de contactos de acordo com o espaço online onde a identidade é construída; associação de contactos independentemente do espaço online onde a identidade é construída Gestão de Contextos [P/GCtx] Conteúdo republicado entre espaços e.g. sincronização automática de conteúdo entre plataformas, estabelecendo ligação entre espaços diferentes; republicação de conteúdo em plataformas diferentes daquelas onde foi inicialmente publicado Reputação [R] Subcategoria Objeto de análise Indicadores Demonstração de competências ou capacidades [R/DCC] Conteúdo publicado e.g. seleção e partilha de conteúdo com a finalidade de demonstrar ou revelar a existência de competências gerais ou específicas Visibilidade e Exposição [R/VE] Conteúdo reproduzido (entre plataformas) e.g. partilha de conteúdo em plataformas ou espaços diferentes daqueles onde foi inicialmente publicado, aumentando a visibilidade e exposição dos conteúdos produzidos Interação com pares e/ou especialistas e.g. contacto e interação com colegas e/ou especialistas, divulgando trabalhos ou partilhando opinião em determinados ou vários campos de conhecimento Ligação à Identidade Institucional [R/LII] Referência, menção ou ligação à identidade online da instituição e.g. reprodução de conteúdo publicado pela instituição; partilha de informação referente ao cargo, emprego ou papel na instituição Nesta proposta, a representação digital do indivíduo na rede é entendida como toda a informação e conteúdo que este partilha de forma a criar uma identidade online, organizada em três subcategorias: elementos de identificação (informação adicionada pelo indivíduo como forma de representação), informação adicional (informação que o indivíduo partilha de forma a contextualizar a sua presença nos espaços onde constrói a sua identidade) e conteúdo (publicações partilhadas pelo indivíduo nos seus espaços online e que contribuirão para a definição e construção da sua identidade). No que se refere à gestão da privacidade, esta engloba os mecanismos e estratégias adotados pelo indivíduo para a gestão da sua identidade online, passíveis de serem analisadas em três vertentes: processo de registo, gestão de contactos e gestão de contextos. Por fim, e relativamente à reputação, esta é considerada do ponto de vista do indivíduo, i.e., da finalidade ou
  9. 9. A CONSTRUÇÃO DA PRESENÇA EM AMBIENTES DIGITAIS: OPORTUNIDADE E DESAFIO PARA ALUNOS E INSTITUIÇÕES 1269 objetivos que orientam a construção da sua presença na rede, articulando-se entre: a demonstração de capacidades ou competências (a forma como o indivíduo utiliza a presença na rede para revelar a pares e/ou à comunidade as suas capacidades e/ou competências); a visibilidade e exposição da presença construída na rede (aumentada pela reprodução de conteúdos entre plataformas e/ou pela interação com pares e especialistas, de forma a trabalhar a sua reputação em determinada área); e o apoio ou ligação a identidades online institucionais (um cenário onde a presença construída pelo indivíduo é associada à presença da instituição que frequenta/na qual trabalha). A figura 1 procura representar, de forma gráfica, a organização das diferentes dimensões e as relações e associações passíveis de existir entre cada uma delas. Figura 1 Dimensões do Modelo para a Análise da Identidade Online Definidas as categorias e os parâmetros, o Modelo para a Análise da Identidade Online foi novamente aplicado à informação referente a cada um dos participantes no estudo, revelando pontos comuns que, sistematizados e organizados, resultaram no desenho de dois tipos de perfis passíveis de descrever a identidade construída na rede: identidade orientada pelo contexto; e identidade orientada pelo utilizador.
  10. 10. Challenges 2013: Aprender a qualquer hora e em qualquer lugar, learning anityme anywhere 1270 Quando construindo uma identidade online orientada para o contexto, os participantes revelam ter cuidado na seleção e produção dos conteúdos a publicar, adequando o tipo de discurso, tópicos abordados e tipologia de conteúdo ao contexto ou plataforma (e.g. conteúdos académicos na plataforma académica, conteúdos sociais nas redes informais); quanto à identidade orientada pelo conteúdo, esta traduz uma presença orientada pelos interesses do utilizador, um reflexo da sua identidade real, e não as caraterísticas ou particularidades dos espaços online. De acordo com a finalidade com que constroem a sua presença, os participantes incluídos no primeiro grupo foram ainda divididos em dois subgrupos: aqueles que constroem uma identidade assente na publicação de conteúdos que tornam visível a sua presença na rede mas que não revelam demasiado sobre a sua identidade; e aqueles que utilizam a rede de forma assumida e intencional para trabalhar uma identidade orientada para a construção de uma reputação enquanto alunos e profissionais. Quanto à identidade orientada pelo utilizador – e ainda que utilizem a rede como espaço de divulgação de competências e construção de uma reputação profissional – os participantes incluídos neste grupo afiram publicar conteúdo de acordo com as suas preferências, não se coibindo de abordar temáticas mais sensíveis como questões políticas, ideológicas ou sociais. Não adotando medidas especiais ao nível da gestão da privacidade, não assumem cuidados particulares ao nível da gestão de contactos e, conscientes da visibilidade e exposição da sua presença, adotam a reprodução de conteúdo entre plataformas e a interação com pares e especialistas como forma de divulgar os trabalhos desenvolvidos. Considerações finais Ao refletir sobre os processos de construção da identidade na rede, o estudo apresentado poderá ser entendido como uma abordagem e um ponto de partida para a exploração do fenómeno e da importância da presença na rede. Quando o conceito de literacia digital engloba o conhecimento necessário à compreensão do impacto transformativo e social das ações digitais (Martin, 2008) e à gestão dos espaços digitais públicos e privados onde o indivíduo constrói a sua identidade (Costa e Torres, 2011), a consciência relativamente à importância da dimensão digital da identidade poderá ter como consequência a alteração da forma como alunos e instituições olham para os papéis que desempenham no sistema e contexto educativos. No que diz respeito aos alunos, ao considerarem a instituição que frequentam como um espaço onde podem desenvolver a sua autonomia e trabalhar uma identidade forte, poderão estabelecer, desde muito cedo, uma base para a construção de uma reputação que os acompanhará ao longo do seu percurso académico e profissional. As instituições de ensino, por seu lado, deveriam considerar os seus alunos como promotores ativos da sua
  11. 11. A CONSTRUÇÃO DA PRESENÇA EM AMBIENTES DIGITAIS: OPORTUNIDADE E DESAFIO PARA ALUNOS E INSTITUIÇÕES 1271 própria qualidade, oferecendo-lhes não só as condições para o desenvolvimento do seu currículo académico (do nível básico ao superior) mas também da sua identidade e presença digital, apresentando os seus alunos não como produtos padrão mas como entidades singulares e com as competências adequadas e que refletem as necessidades atuais. Quando a presença e participação na rede se inicia cada vez mais cedo (de acordo com os dados Eurostat de 05/11/2012, em Portugal, 72% dos indivíduos entre os 16 e 24 anos utiliza a internet para fins pessoais), a reflexão sobre a construção da identidade em ambientes digitais deverá fazer parte das preocupações e programas de indivíduos e instituições, e não apenas das de Ensino Superior. Num cenário em que a contextualização de dados e informação assume uma importância crescente, este estudo de caso – e consequente discussão – poderá trazer alguma informação sobre a forma como os alunos constroem a sua presença na rede, e assim refletir sobre a forma como as questões da identidade online poderão ser discutidas e incluídas na planificação de atividades e na exploração e construção da presença em ambientes digitais. Agradecimentos Os autores gostariam de agradecer ao Labs.sapo/UA e à equipa do SAPO Campus pelo apoio a esta investigação. Trabalho realizado com o apoio financeiro da FCT e do FSE no âmbito do II Quadro Comunitário de apoio (ref. SFRH/BD/70474/2010). Referências Ala-Mutka, K., Punie, Y., & Redecker, C. (2008). Digital competence for lifelong learning. Institute for Prospective Technological Studies (IPTS), European Commission, Joint Research Centre. Anderson, P. (2007) : What is Web 2.0? Ideas, technologies and implication for education. Acedido em fevereiro 2, 2011, de http://www.jisc.ac.uk/media/documents/techwatch/tsw0701b.pdf. Aresta, M. (2013). Tese de Doutoramento: A construção da identidade em ambientes digitais. Universidade de Aveiro. Bawden, D. (2008). Origins and Concepts of Digital Literacy. In C. Lankshear & M. Knobel (Ed.), Digital Literacies, Concepts, Policies and Practices (pp. 17-32). Peter Lang Publishing, Inc. NY. Boyd, D. (2002). Faceted id/entity: Managing representation in a digital world. Dissertação de Mestrado em Master of Science in Media Arts and Sciences, Massachusetts Institute of Technology, Massachusetts Boyd, D. (2008). Why youth ♥ social network sites: The role of networked publics in teenage social life. In D.
  12. 12. Challenges 2013: Aprender a qualquer hora e em qualquer lugar, learning anityme anywhere 1272 Buckingham (Ed.), Youth, Identity, and Digital Media (pp. 119-142). Cambridge, MA. doi: 10.1162/dmal.9780262524834.119. Clement, A. (2002). Digital identity constructions. Proposal: INE Research Grants Program of the Social Sciences and Humanities Research Council (SSHRC). Coiro, J., Knobel, M. Lankshear C., & Leu, D. (2008). Central issues in new literacies and new literacies research. In J. Coiro, M. Knobel, C. Lankshear, & D. Leu (Ed.), Handbook of research on new literacies (pp. 1–21), New York: Lawrence Erlbaum Costa, C., & Torres, R. (2011, Abril). To be or not to be, the importance of digital identity in the networked society. Educação, Formação e Tecnologia (número extra), pp. 47-53. Acedido em http://eft.educom.pt/index.php/eft/article/view/216 Eurostat (2012). Individuals using the Internet for participating in social networks. Dados Eurostat de 05 de novembro de 2012. Acedido dezembro 20, 2012, de http://epp.eurostat.ec.europa.eu/portal/page/portal/product_details/dataset?p_product_code=TIN0 0127. Fraser, Josie. (2009, junho 20). Personal - Professional - Organisational: three basic online identities. SocialTech | This is the Beta Generation. Acedido em novembro 20, 2010, de http://fraser.typepad.com/socialtech/2009/07/personal-professional-organisational-three-basic- online-identities.html. Goodfellow, R. (2011). Literacy, literacies, and the digital in higher education. Teaching in Higher Education, 16(1),131–144. Greenhow, C., & Robelia, B. (2009, junho 23). Informal learning and identity formation in online social networks. Learning, Media and Technology, 34(2), 119-140. Acedido em http://www.tandfonline.com/doi/abs/10.1080/17439880902923580#.UbGiu5XOnfh. doi: 10.1080/17439880902923580. Greenhow, C., Robelia, B., & Hughes, J. (2009, maio). Learning, teaching, and scholarship in a digital age. Educational Researcher, 38(4), 246-259. Acedido em http://edr.sagepub.com/content/38/4/246.short . doi: 10.3102/0013189x09336671. Margaryan, A., Nicol, D., Littlejohn, A., Trinder, K., Luca, J., & Weippl, E. (2008). Students’ use of technologies to support formal and informal learning. Paper presented at the World Conference on Educational Multimedia, Hypermedia and Telecommunications 2008. Martin, A. (2008) ‘Digital Literacy and the “Digital Society’. In C. Lankshear and M. Knobel (Ed.) Digital Literacies: Concepts, Policies and Practices (pp. 151-176). Oxford: Peter Lang. McAlpine, M. (2005). E-portfolios and digital identity: Some issues for discussion. E-Learning and Digital Media,

×