Marcos_Antonio_V_Oliveira_TCC_Apr_Final

129 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
129
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Marcos_Antonio_V_Oliveira_TCC_Apr_Final

  1. 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC - UFABC Curso de Especialização em Tecnologias e Sistemas de Informação CRITÉRIOS PARA A ESCOLHA DE UMA FERRAMENTA DE GERENCIAMENTO DE RECURSOS DE ARMAZENAMENTO Marcos Antonio Ventura de Oliveira São João da Boa Vista, SP 2015
  2. 2. Monografia intitulada “Critérios para a escolha de uma ferramenta de gerenciamento de recursos de armazenamento” de autoria de Marcos Antonio Ventura de Oliveira, aprovada pela banca examinadora constituída pelos professores: ----------------------------------------------------------- Prof. Jose Artur Quilici Gonzalez Orientador ----------------------------------------------------------- Prof. Dr. Guiou Kobayashi Coordenador do Programa de Pós-Graduação em Tecnologias e Sistemas de Informação UFABC Marcos Antonio Ventura de Oliveira São João da Boa Vista, SP 2015
  3. 3. CRITÉRIOS PARA A ESCOLHA DE UMA FERRAMENTA DE GERENCIAMENTO DE RECURSOS DE ARMAZENAMENTO Monografia apresentada ao Curso de Especialização da Universidade Federal do ABC, como requisito parcial à obtenção do título de Especialista em Tecnologia e Sistemas de Informação. Orientador: Professor Jose Artur Quilici Gonzalez São João da Boa Vista, SP Universidade Federal do ABC
  4. 4. RESUMO Muitas empresas que utilizam soluções de armazenamento tais como Redes de acesso a Storage (SAN – Storage Area Network), Subsistemas de Discos, soluções de Backup e soluções de virtualização de servidores necessitam de ferramentas de gerenciamento que consigam consolidar as informações dos recursos de armazenamento, que normalmente se originam de fornecedores de hardware e software distintos, considerando um contexto de um ambiente computacional conhecido como "Open Systems", onde os servidores utilizam sistemas operacionais Windows e distribuições de Linux e Unix. Com a disponibilização das informações dos recursos utilizados em armazenamento, torna-se possível fazer uma gestão de capacidade adequada às necessidades de desempenho e atendimento a níveis de serviço (SLA – Service Level Agreement), além de possibilitar o planejamento de aquisições de equipamentos e insumos. Neste contexto, é importante definir quais devem ser os critérios para a escolha de uma ferramenta conhecida como SRM (Storage Resource Management) entre as várias disponíveis atualmente no mercado de software que seja apta a disponibilizar um gerenciamento consolidado desses recursos de armazenamento. Este trabalho foi desenvolvido em uma empresa brasileira e como resultado foi possível identificar os principais critérios que devem ser utilizados para a produção posterior de um documento conhecido como "Request for Proposal" que será enviado a todos os fornecedores de soluções de SRM atuantes no mercado brasileiro. Palavras-chave: Gerenciamento de Recursos de Armazenamento, SRM (Storage Resource Management), Storage.
  5. 5. FIGURAS Fig. 1 - Comparação entre TB armazenados versus recurso dedicado....................................2 Fig. 2 - Topologia de Switches modelo “Core-Edge Topology”.............................................9 Fig. 3 – Desafios enfrentados no Gerenciamento da Infraestrutura ......................................11 Fig. 4 – Como funciona o SMI-S em uma coleta (modelo Cliente-servidor)........................12 Fig. 5 – Estrutura da Pesquisa................................................................................................18 Fig. 6 – Abrangência dos trabalhos........................................................................................19 Fig. 7 – Parque de equipamentos instalados na empresa SuperBank.....................................20 Fig. 8 – Processos identificados nas reuniões das áreas envolvidas com Storage..................21 Fig. 9 – Controles identificados nas reuniões das áreas envolvidas com Storage..................21 Fig. 10 – Questões identificadas (parte 1)………………………………….....….....……….22 Fig. 11 – Questões identificadas (parte 2)…………………………………....……......…….23 Fig. 12 – HP Storage Essentials. Fonte: Fornecedor HP (2014)..............................................30 Fig. 13 – IBM Tivoli Storage Productivity Center Fonte: Fornecedor IBM (2014) …...........31 Fig. 14 – HDS StorageViewer – Arquitetura. Fonte: Fornecedor HDS (2014).......................33 Fig. 15 – HDS StorageViewer – Amplo suporte a diferentes tecnologias...............................34 Fig. 16 – HDS StorageViewer (Workflow utomation)……………..…….………….………34 Fig. 17 - Solução apresentada com maior aderência aos requisitos..........................................36 Fig. 18 - Item 7 – ChargeBack. Fonte: Empresa SuperBank....................................................37
  6. 6. Fig. 19 – Relatório: Charge Back Array Capacity………………………….……………….37 Fig. 20 – Item 8 – Planejamento e Gerenciamento de Capacidade.........................................38 Fig. 21 - Relatório: Previsão: Alocado X Disponível..............................................................38 PLANILHAS Planilha 1 – Planilha de Requisitos para uma solução SRM....................................................28 Planilha 2 - Pontuação sugerida para itens da planilha de requisitos........................................41 SUMÁRIO CAPÍTULO 1 ........................................................................................................................ 1 1.INTRODUÇÃO.................................................................................................................. 1 1.1 Justificativa...................................................................................................................... 1 1.2 Objetivos.......................................................................................................................... 3 1.2.1 Objetivo Geral............................................................................................................... 3 1.2.2 Objetivos Específicos.................................................................................................... 3 1.3 Metodologia..................................................................................................................... 3 1.4 Organização do Trabalho ................................................................................................. 5 CAPÍTULO 2 ........................................................................................................................ 6 2. Fundamentação Teórica ..................................................................................................... 6 2.1 Rede de Armazenamento de Dados e seu Gerenciamento................................................ 6 2.2 SAN – Storage Area Network ......................................................................................... 6 2.3 O fomento para o surgimento do SRM (Storage Resource Management).......................... 9 2.4 A SNIA e a busca pela padronização no ambiente de SAN............................................. 11 2.5 SRM – Storage Resource Management .......................................................................... 14
  7. 7. 2.5.1 O que é um software de SRM...................................................................................... 14 2.6 O novo perfil esperado dos Gestores da área de Armazenamento ................................... 15 CAPÍTULO 3 ...................................................................................................................... 17 3. A Pesquisa ....................................................................................................................... 17 3.1 O Cliente........................................................................................................................ 17 3.1.1 O interesse por uma solução de SRM pela empresa SuperBank ................................... 17 3.2 A estrutura da Pesquisa .................................................................................................. 18 3.3 Mapeamento dos processos e controles existentes .......................................................... 19 3.4 Questões identificadas.................................................................................................... 22 3.5 Identificação dos requisitos desejados para uma solução de SRM................................... 23 3.6 Apresentação das soluções de SRM pelos Fornecedores................................................. 28 3.6.1 Solução HP - HP Storage Essentials ............................................................................ 29 3.6.2 Solução IBM – Tivoli Storage Productivity Center...................................................... 31 3.6.3 Solução Hitachi Data Systems – HDS StorageViewer (powered by Aptare) ................ 32 3.7 Análise dos requisitos e comparação das soluções apresentadas ..................................... 36 CAPÍTULO 4 ...................................................................................................................... 40 4.1 CONCLUSÃO............................................................................................................... 40 4.2 Confronto com os objetivos propostos............................................................................ 40 4.3 Melhorias propostas ....................................................................................................... 41 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS.................................................................................. 42
  8. 8. 1 CAPÍTULO 1 1.INTRODUÇÃO Um dos grandes desafios encontrados atualmente na área de gerenciamento de infraestrutura de TI é conseguir consolidar as informações dos recursos de armazenamento existentes, que normalmente se originam de fornecedores de hardware e software distintos em um ambiente computacional conhecido como "Open Systems" - sistemas operacionais Windows e Linux/Unix. Com base nesse contexto, quais devem ser os critérios para a escolha de uma solução de Gerenciamento de Recursos de Armazenamento? Para conseguir responder esse questionamento torna-se necessário entender os principais desafios encontrados no gerenciamento de armazenamento (Storage). O volume de dados armazenados tem aumentado drasticamente nos últimos anos e as empresas necessitam de ferramentas de auxílio no gerenciamento das atividades relacionadas a esses ambientes que sejam mais eficientes que as tradicionais planilhas utilizadas nesse tipo de controle. Além disso, com o avanço das ofertas de armazenamento em nuvem (Cloud Computing) as empresas necessitam ter os seus recursos de armazenamento com um nível esperado de disponibilidade de utilização, desempenho e com um custo acessível e com isso torna-se necessário algum tipo de camada de software que seja encarregada de organizar os recursos de armazenamento em discos e fitas. 1.1 Justificativa
  9. 9. 2 Um tema muito em pauta nas grandes corporações é a procura contínua da eficiência operacional e nesse contexto, ao se implantar uma solução de gerenciamento de recursos de armazenamento, o gestor pode identificar oportunidades de melhorias como a migração para fita de áreas em disco ociosas ou a consolidação de subsistemas de discos possibilitando a redução da área utilizada no Data Center e redução do consumo de eletricidade e necessidades de refrigeração. Além disso, um aspecto muito importante a ser ressaltado é o aumento substancial da quantidade de TB de armazenamento sendo gerenciado por um profissional de TI. Segundo o estudo de Guevara e Hall “IT Key Metrics Data 2014 - Key Infrastructure Measures - Storage Analysis- Multiyear” da Consultoria Gartner Group (2013), a métrica atual utilizada nas empresas é de 201TB de dados sob a responsabilidade de cada profissional de TI dedicado à administração de Storage (Storage FTE1 ), e fica evidente que esse montante de armazenamento é muito difícil de ser gerenciado apenas através de planilhas e controles manuais. Fig.1. Comparação entre TB armazenados versus recurso dedicado a gerenciamento de Storage. Fonte: Gartner Consultoria (2013) “IT Key Metrics Data 2014 - Key Infrastructure Measures - Storage Analysis- Multiyear – 2013”. 1 Storage FTE: Acrônimo para Full Time Employee, ou seja, um recurso dedicado para Armazenamento alocado em tempo integral.
  10. 10. 3 Por esse motivo, uma solução de SRM (Storage Resource Management) pode endereçar essas necessidades, desde que seja adequada com relação ao custo versus benefício e que complemente as demais camadas de gerenciamento existentes, agregando valor à administração desse ambiente de armazenamento. Dentro deste contexto esse trabalho pode ser utilizado por pesquisadores e consultores que atuam no segmento de tecnologia de Armazenamento de Dados para definirem as linhas mestras para uma análise das soluções de Ferramentas de Gerenciamento e utilizarem os critérios apontados como sugestão para uma análise de uma solução a ser adotada. 1.2 Objetivos 1.2.1 Objetivo Geral Esta monografia tem por objetivo geral fazer um levantamento de requisitos para a seleção de um Software para o Gerenciamento de Recursos de Armazenamento, conhecido como SRM (Storage Resource Management) que seja apropriado para empresas que já contam com soluções de armazenamento em disco em ambiente "Open Systems" - Windows e Linux/Unix. 1.2.2 Objetivos Específicos - Identificar as áreas e departamentos da empresa SuperBank envolvidos com os recursos de armazenamento digital, como por exemplo: área de compras, arquitetura de TI, gerenciamento de capacidade, gestão de recursos de Storage, entre outras. - Identificar os controles utilizados atualmente pela empresa SuperBank para gerenciar os recursos de armazenamento digital, como por exemplo planilhas utilizadas, softwares de gerenciamento e monitoração, controles efetuados pela gerência de mudanças, entre outros. - Apresentação de conceitos e tecnologias, com o intuito de auxiliar o Cliente na definição da abrangência de captura de dados da solução e na definição das características mandatórias e desejadas da solução ideal e suas funcionalidades principais. 1.3 Metodologia
  11. 11. 4 A metodologia científica utilizada neste trabalho foi o estudo de caso, pois essa abordagem permite capturar as características significativas dos eventos da vida real, permitindo uma maior familiaridade com o problema em questão, com o objetivo de torná-lo explícito e possível de se construir hipóteses. Para isso houve a necessidade de identificação de material bibliográfico referente ao assunto, levantamento de recomendações de consultorias e análise de exemplos práticos ocorridos no Cliente para a devida compreensão do assunto. Atividades realizadas: - Pesquisa bibliográfica com relação aos tópicos relacionados à gestão de recursos de armazenamento digital para a identificação de tecnologias disponíveis, melhores práticas, e recomendações de empresas de consultoria sobre o tema. - Análise dos documentos utilizados pelo Cliente SuperBank para o gerenciamento de armazenamento. - Análise dos processos utilizados pelo Cliente SuperBank para o gerenciamento de armazenamento. - Identificação dos controles utilizados pelo Cliente SuperBank para o gerenciamento de armazenamento. - Participação consultiva na criação da planilha de requisitos desejados para uma solução de SRM junto ao time de Arquitetura do Cliente SuperBank - Coleta de informações junto ao time de implantação do piloto do produto SRM HDS Aptare no cliente SuperBank. - Análise das apresentações de soluções de SRM realizadas pelos fornecedores ao Cliente SuperBank. - Participação junto ao time de Arquitetura do Cliente SuperBank na análise do atendimento aos itens da planilha de cada solução de SRM apresentada pelos fornecedores. - Desenvolvimento da monografia a partir dos estudos realizados e da experiência adquirida junto ao Cliente SuperBank.
  12. 12. 5 1.4 Organização do Trabalho O trabalho está apresentado em quatro capítulos, sendo o primeiro com o objetivo de elencar as motivações que levaram ao estudo do tema, os objetivos do trabalho e a metodologia para atingir os objetivos apresentados. O segundo capítulo mostra a fundamentação teórica utilizada para o tema do trabalho. Neste capítulo estão descritos o funcionamento de uma rede de armazenamento de dados (SAN) e seus componentes, a necessidade de gerenciamento de uma rede SAN, o surgimento dos padrões e entidades como o SNIA, o conceito apresentado a respeito de um software de Gerenciamento de recursos de Armazenamento (SRM), os componentes utilizados em uma solução SRM e os benefícios alcançados no uso de um SRM. O segundo capítulo comenta a importância do novo perfil esperado pelo mercado para os Gestores de Sistemas de armazenamento, suas novas responsabilidades e desafios. O terceiro capítulo se inicia com a pesquisa efetuada, o Cliente escolhido e o seu interesse por uma solução SRM. Este capítulo mostra a estrutura da pesquisa realizada com a realização do mapeamento dos processos e controles existentes no Cliente para a administração e gerenciamento dos recursos de Storage, a identificação das questões a serem tratadas e a possibilidade de identificação dos requisitos desejados para uma solução SRM. Nesse capítulo é apresentada a planilha de requisitos contando com 23 funcionalidades esperadas, totalizando 162 itens a serem analisados em uma solução de SRM. O terceiro capítulo apresenta as soluções de SRM dos fornecedores convidados que foram: HP, IBM e Hitachi Data Systems e termina com a apresentação da solução com maior aderência aos requisitos das funcionalidades mapeadas na planilha, sem identificar qual foi o fornecedor dessa solução, atendendo à uma solicitação do Cliente. O quarto e último capítulo mostra a conclusão do Cliente a respeito das soluções SRM apresentadas, os benefícios esperados com a sua adoção e mostra como foram alcançados o objetivo geral e os objetivos específicos definidos para esse trabalho. O quarto capítulo aborda também melhorias a serem adotadas.
  13. 13. 6 CAPÍTULO 2 2. Fundamentação Teórica Este capítulo apresenta a fundamentação teórica que norteou o trabalho, trazendo os conceitos fundamentais para o entendimento e sua realização. Na seção 2.1 comentamos o uso habitual de planilhas como ferramenta de gerenciamento das Redes de Armazenamento de dados. Na seção 2.2 apresentamos o conceito da uma SAN, seus componentes principais, um exemplo de topologia e o uso da topologia conhecida como Core-Edge. Na seção 2.3 abordamos as necessidades de ferramentas de administração de uma SAN que fomentou a criação das soluções de SRM (Storage Resource Management). Na seção 2.4 apresentamos a entidade SNIA e a importância da utilização de padrões no ambiente SAN. Na seção 2.5 apresentamos o conceito de uma solução SRM, seus componentes e os profissionais alocados na sua administração. Para encerrar o capítulo, temos a seção 2.6 que aborda o novo perfil esperado dos gestores da área de Armazenamento. 2.1 Rede de Armazenamento de Dados e seu Gerenciamento O Gerenciamento eficiente das redes de armazenamento se constitui em um dos grandes desafios encontrados pelas empresas nos últimos anos. Em boa parte das empresas o gerenciamento é feitos através do uso de planilhas Excel, contendo informações recebidas de softwares de gerência de subsistemas de discos, de sistemas de controles de mudanças, ou com informações de usuários das diversas áreas envolvidas como a Implantação de Sistemas, ou Gerência de Capacidade. Para o desenvolvimento desse tema torna-se necessário descrever alguns conceitos envolvidos no ambiente de armazenamento de dados em discos e fitas. 2.2 SAN – Storage Area Network Quando abordamos o assunto gerenciamento de armazenamento temos que incluir nessa análise a rede de armazenamento que é conhecida como SAN (Storage Area Network). Uma SAN se caracteriza como sendo uma rede dedicada ao armazenamento de dados, que conecta os servidores de uma empresa aos dispositivos de armazenamento de discos rígidos
  14. 14. 7 conhecidos por Subsistemas Controladores de Discos ou “Disk Arrays” e também a outros dispositivos como Bibliotecas de Fita e servidores da rede. Essa tecnologia está sendo amplamente utilizada no mundo corporativo desde o final dos anos 90 e se tornou um padrão por ser uma infraestrutura que permite que diversos servidores tenham acesso a discos externos de modo rápido e confiável. Definição de SAN: De acordo com Pouton (2014), uma SAN FC é composta por uma série de componentes chaves, sendo alguns físicos e outros lógicos. Podemos elencar os seguintes componentes: • Implantação de uma infraestrutura de componentes de hardware Fibre Channel2 , que é uma tecnologia de rede que utiliza o protocolo FC rodando em cabos óticos de fibra ou cabos seriais de cobre de alto-desempenho; • Subsistemas ou Controladoras de Discos (Disk Arrays) com portas FC para a conexão de HBAs de servidores e portas de switches da SAN; • HBA (Host Bus Adapter3 ), que são placas instaladas nos servidores que conectam esses servidores à rede SAN; • Switches, Directors, Gateways e Routers4 ), que constroem a rede SAN; 2 Fibre Channel: A mais recente implementação da Tecnologia FC de 16GFC disponibiliza uma transmissão de 3.200 MB/s (16Gbits/s). Para efeito de comparação a interface Ultra640 SCSI disponibiliza uma taxa de transmissão de 640MB/s. 3 HBA: Acrônimo para Host Bus Adapter. A melhor tradução seria: Adaptador de barramento de Host e são as placas instaladas no barramento de um servidor com a função de conectar um host a uma infraestrutura de armazenamento ou de rede. As placas HBAs tem evoluído ao longo do tempo para serem utilizadas nos mais modernos barramentos utilizados pelos servidores e já existem placas HBAs conhecidas como convergentes que são capazes de se conectar a uma infraestrutura de rede e armazenamento, suportando os protocolos Ethernet e Fibre Channel. 4 Switches, Directors, Gateways e Routers: São componentes de hardware que compõem uma SAN. Directors são gabinetes compostos por vários switches FC que contam com fontes de alimentação, ventiladores e módulos de controle redundantes tornando o Director um componente com alta disponibilidade, permitindo o gerenciamento centralizado de centenas de portas de conexão FC e pode ser considerado como o “coração” de uma grande SAN.
  15. 15. 8 • Software de gerenciamento da SAN que são utilizados pelos servidores, subsistemas de discos, HBAs e switches componentes dessa rede; • Configurações lógicas efetuadas nesse infraestrutura como: zoning, FC addressing e tecnologias de SAN virtuais (VSANs); Exemplo de topologia de SAN: Uma rede SAN é composta por dispositivos conhecidos como switches SAN que possibilitam a conectividade entre HBAs FC de um servidor a portas FC de um subsistema de discos. Os switches FC podem ter 16, 32, 48 ou mais portas FC e um gabinete composto por vários switches FC é chamado de director. Um director FC se posiciona como um equipamento de alto desempenho e robustez com características de construção de hardware que implementam uma série de componentes redundantes tais como fontes de alimentação, unidades de refrigeração e unidades de processamento. Esses equipamentos contam com recursos avançados de firmware e software que possibilitam a utilização em alta disponibilidade, ou seja, praticamente sem parada para manutenção. Seguindo as recomendações de melhores práticas, uma topologia de rede SAN deve ser composta na verdade por duas "nuvens SAN" independentes e não interligadas: SAN Par e SAN Ímpar. Com esse tipo de implantação podemos garantir a redundância esperada de acessos evitando pontos únicos de falha. Sendo assim um servidor para estar conectado na SAN deverá ter duas HBAs: HBA0 conectada na SAN Par e HBA1 conectada na SAN Ímpar. A topologia de uma SAN de uma grande empresa pode ser composta por centenas ou até milhares de portas FC e para otimizar o desempenho dos acessos normalmente se emprega o conceito de agrupar os switches ou directors em dois níveis: Core e Edge. Os conjunto de switches do nível Core será responsável pela conectividade com os equipamentos de armazenamento (subsistemas de discos, unidades de fita). O conjunto de switches Edge será responsável pela conectividade com os servidores. No desenho de uma topologia Core-Edge são reservadas as portas de interconexão entre os equipamentos Core e Edge e a quantidade de portas utilizadas para interconexão vai depender da quantidade de switches ou directors utilizados e do tráfego de acesso de dados dessa SAN.
  16. 16. 9 De acordo com a EMC² (2012) “Curso Information Storage and Management v2 Student Guide”, a figura 2 mostra os três benefícios obtidos na utilização de uma topologia Core- Edge: alta disponibilidade, escalabilidade considerada média e facilidade de conectividade considerada de média para máxima. O crescimento de uma SAN pode ocorrer devido ao incremento de servidores acessando a rede e por incremento de subsistemas de discos instalados na SAN. Fig.2 - Topologia de Switches modelo “Core-Edge Topology”. Fonte: Fornecedor EMC² (2012) “Curso Information Storage and Management v2 Student Guide”, página 28, módulo 5. 2.3 O fomento para o surgimento do SRM (Storage Resource Management) Os desafios de gerenciar a SAN através de uma interface única que faça a integração de todos os componentes fomentaram o desenvolvimento de ferramentas conhecidas como SRM (Storage Resource Management) – gerenciamento de recursos de armazenamento.
  17. 17. 10 O desenvolvimento dessas ferramentas é direcionado pela necessidade cada vez maior do conhecimento do que se está gerenciando: • Qual recurso de armazenamento está disponível; • Como esse recurso está sendo utilizado; • Quem está utilizando esse recurso; • Quanto custa esse recurso; • Quais aplicações consomem mais recursos; Outro ponto importante é o tipo de recurso de armazenamento, que pode estar sendo feito em um subsistema de discos de alto desempenho ou em um subsistema de discos com desempenho menor, porém com maior capacidade de armazenamento. Outro recurso de armazenamento utilizado é a fita magnética, que apesar de inapropriada para a maioria dos acessos de alto desempenho, apresenta uma capacidade de armazenamento significativo com relação ao seu custo e o disponibiliza o maior prazo de retenção de todas as mídias existentes. As ferramentas de SRM tornam possível a análise da capacidade real (alocada e utilizada) que está sendo utilizada por uma aplicação ou servidor. Essas análises produzem relatórios que informam o administrador do ambiente de armazenamento sobre as escolhas que podem ser feitas para a tomada de decisões sobre níveis de utilização, planejamento de capacidade e precificação do ambiente de armazenamento. Segundo a empresa EMC² (2012) “Curso Information Storage and Management v2 Student Guide”, os desafios enfrentados atualmente pelo gerenciamento da infraestrutura de armazenamento estão situados em um contexto de necessidade de abranger múltiplos fornecedores de Hardware (controladoras de Discos, Switches FC, etc) e Software (software de proteção de dados, de replicação, de Backup, etc) como ilustrado na figura 3.
  18. 18. 11 Fig.3 - Desafios enfrentados no Gerenciamento da Infraestrutura de Armazenamento. Fonte: Fornecedor EMC² (2012) “Curso Information Storage and Management v2 Student Guide”, página 30, módulo15. Na figura 3 temos diferentes tipos de subsistemas de discos (NAS – Network Attached Storage, DAS – Direct Attached Storage, SAN, entre outros) de vários fornecedores: EMC², NetApp, IBM, Hitachi, HP e Sun. Temos também os tipos de servidores e sistemas operacionais existentes: Windows, UNIX/Linux e Mainframe, as aplicações e bancos de dados utilizados por esses sistemas e finalmente a infraestrutura de componentes de rede FC composta por switches e directors de fornecedores como a Brocade e a Cisco. 2.4 A SNIA e a busca pela padronização no ambiente de SAN Para ajudar a regulamentar o uso desses componentes foi criada em 1997 a associação conhecida como SNIA. A SNIA - Storage Networking Industry Association - foi criada em Dezembro de 1997 e é uma organização sem fins lucrativos, formada por mais de 400 empresas e profissionais, que abrange todo o setor de armazenamento de informações. Os membros da SNIA compartilham a meta de fomentar a adoção da tecnologia SAN como solução completa e confiável.
  19. 19. 12 Segundo Pouton (2014), uma das realizações obtidas pelo SNIA no sentido de padronizar o acesso aos componentes de uma SAN foi a criação do SMI-S, um acrônimo para “Storage Management Initiative Specification”, que é um protocolo que define uma arquitetura e uma terminologia relacionada a sistemas de armazenamento conectados às redes SAN. O formato básico de arquitetura segue o modelo cliente-servidor. Nesse modelo os servidores são os dispositivos de armazenamento tais como Disk Arrays, Switches e placas HBAs. A camada Cliente do SMI-S é a ferramenta de gerenciamento que irá se comunicar com o componente de armazenamento. Em um artigo publicado na associação SNIA “Using SMI-S for Storage Performance Data Collection” de Agosto de 2010 da empresa IntelliMagic temos a apresentação de forma didática o modo de funcionamento do SMI-S em uma coleta utilizando o modelo Cliente – Servidor, como ilustrado na figura 4: Fig.4 – Como funciona o SMI-S em uma coleta (modelo Cliente-servidor) Fonte: Associação SNIA (2010). Documento “Using SMI-S for Storage Performance Data Collection” - IntelliMagic (2010) página 4. O objetivo com o uso do SMI-S é a criação de um único painel para o gerenciamento de plataformas heterogêneas de armazenamento. Apesar de ter sido lançado há alguns anos e ter o apoio do SNIA, o SMI-S ainda é timidamente utilizado pelos fornecedores e acaba sendo utilizado com mais ênfase para estabelecer conexões entre uma ferramenta SRM e softwares de gerência de switches FC ou gerência de subsistemas de discos.
  20. 20. 13 O SMI-S também pode ser utilizado para a conectividade dos softwares de virtualização com sistemas de armazenamento, especificamente pela solução de virtualização da Microsoft Virtual Machine Manager (SCVMM), como explicado no documento técnico Microsoft Technet (2013). A Associação SNIA tem ao longo dos anos apresentado em seus congressos vários trabalhos realizados no sentido de aprimorar as técnicas de gerenciamento sendo empregadas pelas empresas. Segundo o autor Jerry Duggan no trabalho "Storage Resource Management Managing SAN Cost & Complexity" apresentado em 2008 na associação SNIA referente ao tópico "SRM and SAN Management: Reducing Management Costs and Complexity" temos a observação: “Today's SRM and SAN Management solutions allow administrators to become more efficient at managing resources and consequently service levels, and provide the automated discovery, monitoring, reporting and policy-based actions needed to proactively manage a complex, multi-vendor storage network.” Traduzindo para o português, nos dias de hoje as soluções de SRM e Gerenciamento de SAN permitem aos administradores se tornarem mais eficientes no gerenciamento de recursos e dos níveis de serviço. As soluções SRM disponibilizam a descoberta automática, monitoração, geração de relatórios e realização de ações com base em políticas estabelecidas. Essas características são necessárias para o gerenciamento proativo de uma rede complexa e de múltiplos fornecedores de Storage.
  21. 21. 14 2.5 SRM – Storage Resource Management Segundo Gnanasundaram e Shrivastava (2012, p. 391) "SRM are applications that provide a unified solution to manage a multivendor storage infrastructure. It helps address the challenges to manage a large, complex storage environment that includes hosts, storage networks, storage, and virtualization across all the layers". Traduzindo para o português, SRM são aplicações que disponibilizam uma solução unificada para o gerenciamento de uma infraestrutura de armazenamento de múltiplos fornecedores. Elas ajudam a endereçar os desafios para gerenciar um ambiente amplo e complexo de armazenamento que inclui servidores, redes de armazenamento, controladoras de disco e virtualizações ao longo de todas as camadas. 2.5.1 O que é um software de SRM O livro de Pouton (2014) mostra um exemplo prático da dificuldade de gerenciamento de um ambiente heterogêneo. É citado um cenário de um cliente com os seguintes equipamentos de armazenamento: • 3 Disk Arrays EMC² VMX; • 2 Disk Arrays Dell Compellent; • 4 Switches FC Brocade. Para administrar um ambiente como esse são obrigatórias as seguintes ferramentas: • EMC VNX GUI (interface gráfica) ou CLI (Interface por linha de comando); • Dell Compelent GUI (interface gráfica) ou CLI (Interface por linha de comando); • Brocade GUI (interface gráfica) ou CLI (Interface por linha de comando); Em alguns casos pode ser necessário até o uso de múltiplas instâncias dessas ferramentas para poder fazer o gerenciamento e a administração adequada desses componentes e se pensarmos em empresas que possuem dezenas de subsistemas de discos de três ou até quatro fabricantes diferentes não é difícil imaginar a complexidade das tarefas do dia-a-dia para os administradores desse ambiente.
  22. 22. 15 Para simplificar essa administração surgiram as ferramentas de SRM – Storage Resource Management – que realizam coletas esparsas ao longo do dia através de recursos de conectividade do tipo SMI-S ou através do uso dos próprios softwares nativos dos componentes da SAN, minimizando o impacto nos componentes de Storage. As coletas de dados realizadas são armazenadas em um banco de dados do SRM que permite a criação de relatórios consolidados e possibilita o desenvolvimento de “queries” personalizadas. Convém ressaltar que as coletas devem adotar uma abordagem do tipo “agentless”, ou seja, que não requer a instalação de agentes do software SRM em cada componente a ser gerenciado, para minimizar o impacto da implantação do software e acelerar o tempo de adoção e abrangência de coleta dessa tecnologia. Ainda segundo Pouton (2014), uma solução SRM necessita ter: • Interface WEB; • Banco de dados dedicado para centralizar as coletas; • Servidores de Portal e Coletores dedicados à finalidade de SRM com recursos de CPU e memória suficientes para a tarefa de coletar os dados dos componentes da SAN; • Capacidade de realizar a coleta com o uso de ferramentas de acesso nativas plugadas no SRM; • Flexibilidade de opções de licenciamento do software; • Um ou mais especialistas dedicados ao gerenciamento da ferramenta, incluindo um desenvolvedor de queries SQL. 2.6 O novo perfil esperado dos Gestores da área de Armazenamento Segundo o estudo de Sheila e Alan (2013) “Best Practices for Storage Administrators: Staying Relevant in an Information-Centric Data Center” da Consultoria Gartner Group, a excelência a ser buscada por um time de gestores de armazenamento deve ir além de apenas gerenciar a capacidade do ambiente. Segundo a recomendação da Consultoria, os Gestores da área de Armazenamento devem assumir o desafio de trabalhar alinhados com o negócio da empresa
  23. 23. 16 para disponibilizar informação a respeito dos dados armazenados, forçando com isso a saírem de uma zona de conforto para ampliar a sua influência de atuação na corporação. Ainda de acordo com esse estudo, a maioria das organizações não implanta as iniciativas de governança por achar muito difícil entender os dados, tendo uma postura voltada a ignorar as questões de governança e garantir apenas o fornecimento perene de recursos solicitados de armazenamento acarretando com isso os frequentes estouros de provisionamento financeiro da área de TI, os chamados "estouros de Budget". Para enfrentar esses desafios os Gestores de armazenamento devem entender mais a área de negócios para poder atuar com as questões legais, as necessidades de aderência a atendimento de níveis de serviço e entender o impacto causado por um gerenciamento ineficiente que pode gerar situações de falta de disponibilidade de armazenamento ou falta de atendimento a níveis de desempenho previamente acordados. Um cenário ainda pior é a perda de informação, que poderá causar impacto direto à lucratividade do negócio. A postura do time deve ser proativa para criar as visões necessárias a respeito do conteúdo dos metadados (dados a respeito dos dados armazenados) e trabalhar com todas as unidades de negócio para definir políticas e planos para administrar os dados da empresa.
  24. 24. 17 CAPÍTULO 3 3. A Pesquisa O objetivo deste capítulo é descrever como o trabalho foi desenvolvido. Na seção 3.1 apresentamos o Cliente escolhido e o seu interesse por uma solução de SRM. Na seção 3.2 apresentamos a forma como a pesquisa foi desenvolvida, descrevendo cada uma das fases para a sua execução, desde o estudo do material teórico, passando pelas fases do Estudo de Caso até a conclusão com a recomendação dos requisitos esperados para uma solução de SRM. Na seção 3.3 temos o mapeamento dos processos e controles existentes, com as planilhas e documentos existentes na empresa. Na seção 3.4 temos a lista das questões identificadas com o uso dos processos e controles existentes. Na seção 3.5 identificação das questões dos problemas, o levantamento dos processos e controles existentes utilizados pelo Cliente, a identificação dos problemas existentes, a criação de uma planilha de requisitos desejáveis para uma solução de SRM, a observação das soluções de SRM apresentadas e a análise e mapeamento das soluções apresentadas com base na planilha dos requisitos desejáveis para uma solução de SRM. Na seção 3.6 temos a apresentação das soluções de SRM pelos Fornecedores e para finalizar a seção 3.7 a análise e comparação das soluções apresentadas. 3.1 O Cliente O desenvolvimento dessa monografia foi realizada em uma corporação brasileira do mercado financeiro que atua no segmento de banco de varejo e que necessitou desenvolver um documento identificando os critérios desejados para um software de SRM. O nome fictício dessa corporação adotado para fins de análise desse trabalho será SuperBank. 3.1.1 O interesse por uma solução de SRM pela empresa SuperBank Como abordado anteriormente pelo estudo de Sheila e Alan (2013) da Consultoria Gartner Group, o perfil esperado dos Gestores da área de Armazenamento está mudando para uma abordagem cada vez mais proativa e consultiva frente aos desafios de gerenciamento de
  25. 25. 18 grandes volumes de dados e para isso torna-se importante o uso de ferramentas apropriadas. Além do posicionamento da consultoria Gartner favorável à utilização de SRM, podemos mencionar o estudo da consultoria Technavio (2013) “Global Storage Resource Management Market 2012-2016” que identificou a adoção do SRM pelas corporações, com uma taxa anual prevista de 6,32% entre o período de 2012 a 2016, ressaltando que um dos fatores motivadores desse crescimento é o aumento significativo do volume de dados nas corporações e também a preocupação dos gestores em estarem preparados para a oferta de soluções de armazenamento no modelo “Cloud Computing”. Nesse estudo a consultoria Technavio identificou como sendo os principais fornecedores de soluções de SRM as empresas: EMC², HP, IBM e NetApp. Em um segundo plano se encontram as empresas: Symantec, Hitachi, SolarWinds, Cisco, Aptare e Brocade. A empresa SuperBank é antes de mais nada, um grande consumidor de recursos de armazenamento e em um trabalho de busca pela eficiência operacional na área de TI, identificou a necessidade de adquirir um software de SRM para endereçar esses pontos e obter algumas possibilidades de ganho operacional e redução de custo. 3.2 A estrutura da Pesquisa Seguindo as fases mencionadas por (Gouveia, 2011) a pesquisa foi dividida em duas etapas. A estruturação das duas etapas é ilustrada na figura 5 onde podemos observar a realização da primeira etapa, referente ao estudo do material teórico e a segunda etapa com as fases do estudo de caso. Fig 5 – Estrutura da Pesquisa.
  26. 26. 19 A primeira etapa da pesquisa foi desenvolvida em um período aproximado de três meses com a participação junto à área de Arquitetura do Cliente. Com isso foi possível obter o conhecimento técnico apropriado para iniciar as etapas do Estudo de Caso. A Etapa de Diagnóstico consumiu cerca de um mês com o mapeamento dos processos e controles existentes e com o levantamento das questões relacionadas ao tema. A Etapa da Proposição permitiu o desenvolvimento da planilha de requisitos desejados para uma solução de SRM e em paralelo foi feito o acionamento de fornecedores, o desenvolvimento do projeto piloto da HDS e foram realizadas as apresentações das soluções por parte dos três fornecedores, consumindo com isso cerca de três meses. A Etapa de avaliação das soluções apresentadas consumiu dois meses com a análise e comparação das soluções apresentadas e a apresentação dos resultados. 3.3 Mapeamento dos processos e controles existentes A área de Arquitetura de Sistemas foi designada pela direção da empresa para organizar e coordenar as reuniões com as demais áreas da empresa SuperBank para começar um trabalho de mapeamento dos processos relacionados à utilização de recursos de armazenamento, atuando também como mediadora em caso de possíveis conflitos, ou mal-entendidos surgidos durante o processo de busca pela eficiência operacional em Armazenamento de Dados. Fig.6 – Abrangência dos trabalhos em busca da eficiência operacional em TI na SuperBank Fonte: SuperBank (2014) - Apresentação da área de Arquitetura de Sistemas sobre Eficiência Operacional, página 6.
  27. 27. 20 O objetivo das reuniões foi documentar os processos realizados desde o disparo de uma solicitação de compra de um recurso de Storage e os controles utilizados nesses processos, sejam em formato de planilhas ou arquivos texto. As reuniões foram realizadas com as áreas de Gerência de Capacidade de armazenamento, Administração de Storage, Gerência de sistemas operacionais Windows e Linux e Gerência de Virtualização (VMware). Ficou definido ao longo das reuniões que o gerenciamento de Backup não deve fazer parte do escopo dessa análise, por ser um ambiente recentemente consolidado em uma única plataforma se caracterizando como um ambiente homogêneo, composto apenas pela solução de Backup da Symantec (NetBackup) e por esse motivo não irá usufruir das vantagens de uma solução integrada como o SRM. Foram mapeados os seguintes equipamentos de Storage atualmente utilizados pelo SuperBank: Fig.7 – Parque de equipamentos instalados na empresa SuperBank. Fonte: SuperBank (2014) Apresentação final dos trabalhos de busca de eficiência operacional em Processos de TI – área de Armazenamento, página 6. Nas reuniões houve a participação de todas as áreas e na reunião final o time de arquitetura apresentou a relação dos processos identificados.
  28. 28. 21 Fig.8 – Processos identificados nas reuniões das áreas envolvidas com Storage. Fonte: SuperBank (2014) Apresentação final dos trabalhos de busca de eficiência operacional em Processos de TI – área de Armazenamento, página 7. Nessa reunião final, foi apresentada a relação dos controles atualmente utilizados para administrar o Storage. Fig.9 – Controles identificados nas reuniões das áreas envolvidas com Storage.
  29. 29. 22 Fonte: SuperBank (2014), Apresentação final dos trabalhos de busca de eficiência operacional em Processos de TI – área de Armazenamento, página 8. Todo o trabalho produzido pelas reuniões foi validado e consistido pelas equipes envolvidas, sendo que os processos identificados foram documentados em formato de fluxograma. Foram estimados os tempos de execução, perfil dos profissionais envolvidos em cada atividade, nível de criticidade (risco de perda de dado) e identificadas todas as inter-relações entre os processos para que esse mapeamento possa ser utilizado na identificação de melhorias destes processos e sirvam também para nortear o trabalho de avaliação dos critérios desejados para uma ferramenta de SRM (Storage Resource Management). 3.4 Questões identificadas Durante a reunião de avaliação das apresentações os Gestores da SuperBank mapearam os pontos importantes que devem fazer parte de uma solicitação de fornecimento de uma solução de ferramenta de SRM (Storage Resource Management). As seguintes questões foram identificadas como possíveis problemas pela dificuldade em se obter respostas rápidas e precisas com as ferramentas e controles atuais: Fig.10 – Questões identificadas (parte 1). Fonte: SuperBank (2014)
  30. 30. 23 Fig.11 – Questões identificadas (parte 2). Fonte: SuperBank (2014) 3.5 Identificação dos requisitos desejados para uma solução de SRM Com base no conhecimento adquirido pelo mapeamento dos processos e controles existentes e pela análise das várias questões identificadas foi desenvolvida uma planilha de requisitos desejados para o atendimento de uma solução de SRM para a empresa SuperBank. Essa planilha em sua versão final conta com os seguintes requisitos: 1. Segurança 1.1 Gerenciamento de Chaves encriptadas (gerenciado pelo SRM) 1.2 Autenticação de usuários (integração com LDAP) 1.3 Movimentação de dados (controle de movimentação de LUNs entre discos) 2. Desenvolvimento
  31. 31. 24 2.1 Facilidade de instalação (sem a utilização de agentes) 2.2 Facilidade de desenvolvimento de consultas (queries) e aplicações 2.3 Ponto central de desenvolvimento (Portal WEB) 3. Console de administração 3.1 Console central de administração e gerenciamento 3.2 Visão de topologia de todos os componentes e relacionamento entre eles 3.3 Aplicação com base em solução WEB 3.4 Permite a definição de nível de acesso de usuários 3.5 Permite a visualização de recursos com base no perfil e credencial do usuário 4. Monitoramento e Geração de Relatórios 4.1 Relatórios em Tempo Real 4.2 Relatórios de informações históricas 4.3 Relatórios Customizados 4.4 Visualização de Relatórios 4.5 Relatórios dos horários de pico de carga e de alta utilização 4.6 Monitoramento de portas "Front End" 4.7 Monitoramento de portas "Back End" 4.8 Monitoramento de utilização de Processos ou nós 4.9 Monitoramento de utilização de Cache 4.10 Monitoramento de utilização de Fitas ou Discos 4.11 Monitoramento do Tempo de Resposta 4.12 Monitoramento de IOPS (Input/Output Operations per Second) 4.13 Monitoramento de gargalos 4.14 Monitoramento de replicações 4.15 Monitoramento de utilização de Banco de dados e de tabelas 4.16 Monitoramento de crescimento de Banco de dados e de tabelas 4.17 Monitoramento de utilização de Storage por VMs 4.18 Monitoramento do histórico de utilização de Storage por VMs 5. Análise de Causa-Raiz 5.1 Análise de eventos para determinar a causa raiz 5.2 Ações para automatizar a solução dos problemas 5.3 Análise da causa raiz através das várias camadas de virtualização 6. Automação com base em políticas 6.1 Automatização em ambientes virtualizados e em soluções de "Cloud Computing" 6.2 Resposta automática a solicitações de requisições ou a eventos
  32. 32. 25 6.3 Configuração automática de dispositivos de armazenamento 6.4 Atualização automática de Firmware 6.5 Disparo de ações automatizadas com base em eventos 6.6 Migração automática de Storage 6.7 Criação e disponibilização automática de armazenamento em nuvens internas 7. ChargeBack 7.1 Possibilidade de medir a alocação de recursos 7.2 Produzir Relatórios de consumo de recursos de armazenamento 7.3 Cobrança automática de usuários de nuvens internas 7.4 ChargeBack por linha de negócio (line of business) 7.5 ChargeBack por usuários 7.6 ChargeBack por espaço utilizado 7.7 ChargeBack por quantidade gravada em disco ou fita 7.8 ChargeBack por quantidade lida em disco ou fita 7.9 ChargeBack por quantidade atualizada em disco ou fita 7.10 ChargeBack pela quantidade de IOPS realizada 8. Planejamento e Gerenciamento de Capacidade 8.1 Relatório de consumo de Storage 8.2 Relatório de crescimento de consumo de Storage 8.3 Relatório de "Hot Spots" 8.4 Relatório de pontos de congestão 8.5 Relatório de espaço em disco a ser recuperado 8.6 Realização de análises de tendência de performance 8.7 Permite a realização de simulações 8.8 Permite a realização de modelagens 9. Análise e Design de SAN 9.1 Visão de topologia da SAN 9.2 Visão da configuração da SAN 9.3 Relatório de conexões de Fabric (conjunto de Switches) 9.4 Relatório de portas utilizadas e conexões existentes 9.5 Relatórios de análise de performance da SAN 9.6 Visão de SAN de múltiplos sites 9.7 Possibilidade de configuração de 3DC (Site A, Site B e Site de Disaster Recovery) 9.8 Suporte a dispositivos de armazenamento do tipo Block e File Based 9.9 Relatório de total de portas SAN instaladas (Site A, B e site DR) 9.10 Relatório de Portas SAN por fornecedor
  33. 33. 26 9.11 Relatório de Portas SAN por velocidade da porta 9.12 Relatório de Portas SAN utilizadas por site (site A, B e site de DR) 9.13 Relatório com as 10 maiores portas consumindo recursos (MB/s, IOPs) 10. Gerenciamento de Configuração 10.1 Monitoramento das mudanças realizadas no Storage 10.2 Mantém log das mudanças realizadas no Storage 10.3 Faz validação de configuração dos componentes alterados em uma mudança 10.4 Permite a configuração dos dispositivos de Storage (initiator e target) 10.5 Permite a configuração de dispositivos físicos e virtuais de Storage 10.6 Ferramenta SRM se integra com o CMDB 10.7 Gerencia tipos distintos de RAID de discos 10.8 Gerencia tipos distintos de drives de fitas 10.9 Gerencia portas SAN de velocidades distintas 11. Automação de “Work Flow” 11.1 Permite automatizar fluxos de trabalho 11.2 Permite automatizar atividades comuns relacionadas a Storage 11.3 Permite automatizar funções relacionadas a Storage 11.4 Permite automatizar processos relacionados a Storage 12. Gerenciamento de Quota 12.1 Permite o gerenciamento de quota 12.2 Efetua o monitoramento de linhas d'agua (thresholds) 12.3 Faz o acompanhamento dos thresholds 12.4 Implementa Quota por usuário 12.5 Implementa Quota por Grupo 12.6 Implementa Quota por Política 12.7 Implementa tipos de Quota (soft e hard) 13. Gerenciamento de Desempenho 13.1 Identifica gargalos de desempenho nos recursos de Storage 13.2 Faz gerenciamento de funções de balanceamento de carga nos Storages 13.3 Faz gerenciamento de funções de virtualização de recursos 13.4 Faz gerenciamento de funções de replicação de dados e DR (Disaster Recovery) 13.5 Monitora dispositivos de Storage 13.6 Monitora dispositivos do tipo Storage Appliances 13.7 Implementa ações corretivas no ambiente de forma transparente ao usuário 13.8 Monitora o tempo de resposta
  34. 34. 27 14. Gerenciamento de Eventos 14.1 Faz gerenciamento de eventos 14.2 Faz coleta de eventos 14.3 Armazena as informações coletadas em um repositório 14.4 Implementa o registro (log) dos eventos 14.5 Consolida a ocorrência de múltiplos eventos 14.6 Permite análises preditivas 15. Gerenciamento de Mudanças 15.1 Faz gerenciamento de Mudanças 15.2 Faz o controle das mudanças 15.3 Implementa funções de alerta de mudança 15.4 Permite a geração de relatórios de mudanças 15.5 Permite a implementação de Trilhas de Auditoria para uso de segurança (auditoria) 16. Provisionamento de recursos 16.1 Faz gerenciamento de provisionamento de recursos de Storage 16.2 Permite a inclusão de um provisionamento de recursos 16.3 Permite a modificação de um provisionamento de recursos 16.4 Permite a remoção de um provisionamento de recursos 16.5 Controla o provisionamento de recursos físicos e lógicos 16.6 Permite a geração de alertas de provisionamento de recursos de Storage 17. Descobrimento de recursos 17.1 Permite a coleta de informações sobre o ambiente de Storage 17.2 Permite a coleta de dados associados com o ambiente de Storage 17.3 Coleta informações históricas 18. Integração com outras ferramentas 18.1 Permite a interoperabilidade com todos os dispositivos de Storage 18.2 Suporte a SMI-S (SNIA Specifications) 18.3 Suporte a CDMI - Cloud Data Management Interface 19. Escalabilidade da Solução 19.1 Solução SRM deve garantir escalabilidade para suportar a operação 19.2 Solução SRM deve apresentar uma topologia com escalabilidade 19.3 Deve apresentar relatórios mostrando as funções de escalabilidade
  35. 35. 28 20. Suporte a Sistema Operacional e Aplicações 20.1 Solução SRM permite a operação de offload de CPU 20.2 Solução SRM permite a operação de offload de memória 20.3 Solução SRM habilita funções do tipo API para melhorar a eficiência do ambiente de Storage 20.4 Solução SRM do tipo "agentless" (implementada sem a instalação de agentes no Sistema Operacional) 21. Suporte a Protocolos e Dispositivos 21.1 Solução de SRM gerencia uma ampla variedade de protocolos e suporte a dispositivos 21.2 Suporte aos protocolos: FCP, iSCSI, FCoE, NFS, CIFS 22. Suporte a Elementos 22.1 Faz gerenciamento de discos do tipo SSD e Flash 22.2 Faz gerenciamento de fitas e dispositivos virtuais 22.3 Faz gerenciamento de SANs virtuais 22.4 Faz gerenciamento de Controladoras de discos 22.5 Faz gerenciamento de conexões internas dos dispositivos de Storage 22.6 Faz gerenciamento da infraestrutura de switches de SAN (conhecida como Fabric) 22.7 Permite o diagnóstico individual de elementos de uma solução de Storage 22.8 Permite a geração de relatórios a cerca de elementos de uma solução de Storage 23. Formas de Licenciamento do Software de SRM 23.1 Licenciamento por TB instalado 23.2 Licenciamento por TB Alocado 23.3 Licenciamento por TB instalado e arquivado 23.4 Licenciamento pelo número de processadores 23.5 Licenciamento pelo número de Servidores 23.6 Licenciamento do tipo "On Demmand" 23.7 Opção de locação do Software (valor fixo) 23.8 Opção de locação do Software do tipo "On Demmand" 23.9 Serviço do tipo "On Demmand" Planilha 1. Planilha de Requisitos para uma solução SRM. Fonte: Gerência de Arquitetura de Sistemas da SuperBank (2014) Com a criação da planilha de requisitos desejados para uma solução SRM, foi iniciada a fase de avaliação de soluções de ferramentas de SRM. 3.6 Apresentação das soluções de SRM pelos Fornecedores
  36. 36. 29 A Gerência de Arquitetura de Sistemas do SuperBank realizou o agendamento das apresentações das soluções de SRM pelos fornecedores disponíveis no mercado brasileiro. As apresentações foram feitas por alguns fornecedores que já atendem a essa empresa que foram: HP, IBM e Hitachi. Foi permitido a cada fornecedor o desenvolvimento de um projeto piloto com dados controlados fornecidos pelo Cliente a título de validação das funcionalidades esperadas para uma solução de SRM. 3.6.1 Solução HP - HP Storage Essentials A solução HP apresentada foi o HP Storage Essentials, que é uma evolução do produto de software da empresa APPIQ (adquirida pela HP em 2006). Trata-se de um produto robusto com mais de 10 anos de existência, com amplo suporte a plataformas heterogêneas e utilização em larga escala de conectividade com os dispositivos de armazenamento através de SMI-S. As características principais do produto HP Storage Essentials são: • Suporte a diferentes fornecedores de controladoras de discos, e componentes de armazenamento com o objetivo de reduzir ou até mesmo eliminar softwares de gerenciamento de diversos fornecedores tonando-se uma interface única de gerenciamento; • Visibilidade de topologia a partir de uma aplicação chegando ao dispositivo de armazenamento, mostrando a conectividade através da infraestrutura de SAN, NAS, DAS e infraestrutura de fitas; • Fácil customização e implantação das coletas de informações através de processos de descoberta sem agente (técnica conhecida como Agentless), com agente HP instalado e processos híbridos; • Permite a criação de relatórios e dashboards consolidados com informações de componentes de Storage de múltiplos fornecedores permitindo a visualização do nível de utilização do Storage por aplicação, servidor, switch FC e Controladora de discos. • Integração direta com o serviço HP de gerenciamento de negócios para suporte a gerenciamento de mudanças e gerenciamento pró-ativo do ambiente de Storage (conhecido como SAN health monitoring);
  37. 37. 30 Fig 12 – HP Storage Essentials. Fonte: Fornecedor HP (2014) Slide utilizado na apresentação da HP, produto HP Storage Essentials, página 10. A apresentação da HP foi apenas um resumo das funcionalidades do produto, listando as suas funcionalidades e produtos suportados (matriz de compatibilidade), sem entrar em uma abordagem consultiva e deixando com isso de endereçar as questões já identificadas pelas Gerências de TI da empresa SuperBank nas reuniões realizadas internamente.
  38. 38. 31 3.6.2 Solução IBM – Tivoli Storage Productivity Center A solução apresentada pela IBM foi o Tivoli Storage Productivity Center, que é um produto componente da família de software de gerenciamento Tivoli. O Tivoli Storage Productivity Center fornece um conjunto de ferramentas automatizadas direcionadas a políticas para gerenciar a capacidade de armazenamento, a disponibilidade, os eventos, o desempenho e os ativos no ambiente corporativo. O produto disponibiliza o gerenciamento de armazenamento do host e do aplicativo para o dispositivo de armazenamento de destino. Através da console do Tivoli Storage Productivity Center é possível realizar a configuração e o gerenciamento do sistema de disco, gerenciamento de desempenho, gerenciamento e configuração da malha da rede de área de armazenamento (SAN) e relatórios e monitoramento de uso. Fig.13– IBM Tivoli Storage Productivity Center (Enterprise-wide Summary) Fonte: Fornecedor IBM (2014), Slide utilizado na apresentação da IBM Tivoli Storage Productivity Center, página 28. Características principais do produto da IBM: • Realiza o processo de descoberta (discover) e com isso possibilita a visualização dos componentes da S.A.N. em uma topologia única para toda a infraestrutura;
  39. 39. 32 • Permite monitorar os recursos de storage por grupo, departamento, sistema de arquivo ou banco de dados; • Visualiza a conectividade e o desempenho das portas S.A.N. desde a porta utilizada no switch FC até a controladora de discos; • Permite a criação de linhas d`agua (thresholds) e permite estabelecer políticas para gerar alertas sobre a utilização e mudanças de desempenho; • Permite o disparo de comandos de configuração e alocação de LUNs (discos lógicos) viabilizando o uso de uma console única de administração do ambiente de Storage. A apresentação da IBM teve uma abordagem consultiva onde o ênfase foi dado nas possíveis soluções de problemas já identificados pelos gestores do SuperBank nas rotinas do dia-a-dia de administração e gerenciamento dos recursos de Storage. A IBM considera a sua solução como a mais apropriada para um Data Center Corporativo pela possibilidade de possuir uma console única para administrar um ambiente heterogêneo da Storage, a possibilidade de guardar dados históricos das controladoras e medir o desempenho do ambiente para identificar tendências de utilização dos recursos, por disponibilizar o registro das mudanças efetuadas nos componentes dentro do escopo da solução para permitir um apropriado gerenciamento de mudanças e a capacidade de interagir com os dispositivos disparando ações de configuração como a criação de LUNs e alocação de LUNs a partir de uma única console, minimizando o uso de ferramentas no ambiente de gerenciamento de Storage. 3.6.3 Solução Hitachi Data Systems – HDS StorageViewer (powered by Aptare) A solução apresentada pela HDS foi o produto desenvolvido pela empresa Aptare e que é revendido pela Hitachi com o nome de HDS StorageViewer. Esse produto já tem mais de dez anos de desenvolvimento e foi inicialmente criado para coletar dados de soluções de Backup e ao longo dos anos foi agregando novas funcionalidades. Atualmente o produto está na versão 9.1 e disponibiliza os seguintes módulos:
  40. 40. 33 • Storage Viewer for Capacity (monitora Disk Arrays e Servidores) • Storage Viewer for File Analytics (monitora acessos em sistemas de arquivos) • Storage Viewer for Virtual Servers (monitora VMware e IBM VIO) • Storage Viewer for SAN Fabrics (monitora SAN/Switches/Directors) • Storage Viewer for Backup (monitora soluções de Backup) • Replication Manager (monitora replicação do vendor NetApp) O produto se caracteriza por ser totalmente “agentless”, ou seja, não necessita a instalação de nenhum agente para a coleta de dados e por ser desenvolvido por uma empresa de software independente (Aptare), tem um amplo suporte a ambientes heterogêneos. O HDS StorageViewer tem um portal WEB, um banco de dados Oracle e conta com a utilização de servidores coletores que através de políticas de coleta definidas realizam a captura das informações enviando-as para o Portal que faz o armazenamento em uma estrutura de tabelas no Banco de Dados Oracle do produto. Fig.14 – HDS StorageViewer – Arquitetura. Fonte: Fornecedor HDS (2014) Slide utilizado na apresentação da HDS (Hitachi Data Systems), pág. 4.
  41. 41. 34 Fig.15 – HDS StorageViewer – Amplo suporte a diferentes tecnologias e fornecedores. Fonte: Fornecdor HDS (2014) Slide utilizado na apresentação da HDS (Hitachi Data Systems), pág. 5. A apresentação da HDS também teve uma abordagem consultiva com forte ênfase no tratamento dos processos e possibilidades de automatização e também na disponibilização de informações para a tomada de decisões para o Administrador de Storage nas tarefas do dia-a- dia do ambiente. Fig.16– HDS StorageViewer (Workflow Automation). Fonte: Fornecedor HDS (2014) Slide utilizado na apresentação da HDS (Hitachi Data Systems) pág. 13.
  42. 42. 35 A HDS apresentou esse slide considerando o processo de provisionamento de área em disco, que foi um dos processos mapeados pelo SuperBank. Partindo da premissa de uma solicitação de um provisionamento de 10TB temos as análises a serem realizadas: • Essa quantidade solicitada é justificável do ponto de vista do negócio? • Temos como disponibilizar esse montante? • Foi feita uma análise de tendência de crescimento dessa alocação? • As características de armazenamento são sensatas para o atendimento do negócio? Caso as quatro análises sejam atendidas a solicitação será aprovada e irá para o administrador de Storage que vai verificar as possíveis necessidades de cabeamento, criação de zoning de S.A.N., LUN Masking (configuração de acesso ao Disco Lógico) e com isso a solicitação será atendida. O produto da HDS pode auxiliar as etapas desse processo com o fornecimento de informações sobre as áreas disponíveis, nível de desempenho esperado, “tier” (camada) de armazenamento, pools (conjunto de recursos de armazenamento), portas de switches disponíveis e portas de Disk Arrays disponíveis. A HDS considera a sua solução como a mais apropriada para a empresa SuperBank por possibilitar a integração de todo o parque de equipamentos tornando o produto StorageViewer (Aptare) a console única de gerenciamento de Storage da empresa.
  43. 43. 36 3.7 Análise dos requisitos e comparação das soluções apresentadas Após a realização das três apresentações foi feita a análise do atendimento aos requisitos definidos na planilha. Foi permitida para esse trabalho a divulgação apenas do mapeamento da melhor solução, sem apontar qual foi o fornecedor em questão. O resumo dessa análise está ilustrado na figura a seguir. Fig.17 – Solução apresentada com maior aderência aos requisitos. Fonte: Empresa SuperBank. Entre os 23 requisitos macro mapeados, foram identificados dois requisitos considerados como mais importantes: “ChargeBack” e “Planejamento e Gerenciamento de Capacidade”. Através do “ChargeBack” conseguimos viabilizar a criação de relatórios de Rateio que são muito utilizados na cobrança às áreas que utilizam os recursos de Armazenamento.
  44. 44. 37 Fig.18 – Item 7 – ChargeBack. Fonte: Empresa SuperBank Um possível relatório gerado pelo SRM permite listar todos os sistemas de armazenamento e a sua real precificação, com base no seu nível de utilização e tipo de disco (FC, SAS, etc). Fig.19 – Relatório: Charge Back Array Capacity. Fonte: Empresa SuperBank Sem o recurso disponibilizado pelo SRM o relatório de “ChargeBack” necessita ser produzido de forma manual com a consulta a planilhas fornecidas pela Gerência de Sistemas Operacionais e pela Gerência de Storage e isso pode gerar situações de cobranças equivocadas devido a erros de operação e manipulação dos dados. Com uma captura automatizada através do SRM será possível a geração de diversos relatórios de “ChargeBack” que permitem listar todos os sistemas de armazenamento e a sua real precificação, com base no seu nível de utilização, tipo de disco (FC, SAS) e outras métricas que a empresa julgar importante.
  45. 45. 38 Um outro relatório importante para a Gerência de Capacidade é o relatório “Previsão de Alocado X Disponível”. Fig.20 – Item 8 – Planejamento e Gerenciamento de Capacidade. Fonte: Empresa SuperBank. Através de informações coletadas por um SRM poderá ser possível a geração de um relatório de Previsão de Alocado X Disponível de forma automatizada a partir das coletas efetuadas. Esse relatório será muito útil para a Gerência de Capacidade que necessita produzir posições mensais com as métricas de área em disco Alocada X Disponível, como mostra o relatório mensal produzido a partir de dados capturados manualmente e inseridos em uma planilha: Fig.21 – Relatório: Previsão: Alocado X Disponível. Fonte: Empresa SuperBank Para ser produzido de maneira manual esse relatório requer a consulta a ferramentas de gerência de Storage de fornecedores distintos (Dell, HP e HDS) e os dados coletados são digitados em planilhas. Com a implantação de uma ferramenta de SRM será muito mais fácil e rápida a obtenção dessa informação. O relatório “Previsão: Alocado X Disponível” permite a visualização da linha de tendência do consumo de recursos de Armazenamento ao longo do tempo, permitindo prever quando os recursos ficarão exauridos e auxiliando com isso o planejamento de aquisição de novos
  46. 46. 39 equipamentos. Além disso conseguimos identificar nesse relatório o reflexo de ações de expurgos de dados, desativação de equipamentos e inserção de novos recursos de armazenamento na linha do tempo.
  47. 47. 40 CAPÍTULO 4 4.1 CONCLUSÃO Após a apresentação das empresas fornecedoras e da identificação da solução com a maior aderência aos requisitos solicitados, ficou claro para os Gestores de TI da empresa SuperBank que o uso de uma ferramenta SRM poderá levar a governança de TI a um nível superior de maturidade apropriado para alcançar as metas de produtividade e eficiência operacional. A Empresa SuperBank ficou motivada a buscar um produto que efetivamente possa viabilizar a recuperação de áreas de armazenamento não utilizadas e descobrir outras oportunidades de melhorias e ganhos operacionais. A empresa tem uma meta de obter em no máximo dois anos, um ganho possível de recuperação de área de armazenamento ociosa em disco de cerca de 1,0 PetaByte (1000TB) e essa meta somente será atingida com o tratamento apropriado da taxa de ociosidade, da taxa de crescimento e da utilização de tecnologias como o SRM. 4.2 Confronto com os objetivos propostos Ao viabilizar a criação de uma planilha de requisitos para uma solução de SRM o objetivo geral do trabalho foi alcançado e para obter esse resultado tangível (planilha com 23 macro requisitos) foi necessário cumprir a etapa referente ao estudo do material e a etapa com as 3 fases do estudo de caso: • Diagnóstico (mapeamento dos processos e controles existentes); • Proposição (identificação dos requisitos desejados e apresentações de fornecedores); • Avaliação (Análise dos requisitos e comparação das soluções apresentadas). Com a realização das três fases do estudo de caso foram alcançados os objetivos específicos definidos para esse trabalho.
  48. 48. 41 4.3 Melhorias propostas Como melhoria podemos propor a definição de uma pontuação para cada item da planilha de requisitos, como o exemplo abaixo: 1. Segurança Pontuação Máxima 1.1 Gerenciamento de Chaves encriptadas (gerenciado pelo SRM) 100 1.2 Autenticação de usuários (integração com LDAP) 10 1.3 Movimentação de dados (controle de movimentação de LUNs entre discos) 50 2. Desenvolvimento 2.1 Facilidade de instalação (sem a utilização de agentes) 100 2.2 Facilidade de desenvolvimento de consultas (queries) e aplicações 50 2.3 Ponto central de desenvolvimento (Portal WEB) 100 Planilha 2. Pontuação sugerida para itens da planilha de requisitos. Fonte: SuperBank A pontuação poderá variar desde os requisitos não essenciais (10 pontos), passando pelos desejáveis (50 pontos) até chegar aos mais valorizados (100 pontos). Com isso a proposta com maior pontuação total vai compor a melhor solução para o atendimento das necessidades do cliente.
  49. 49. 42 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Childs Sheila, Dayley Alan. Best Practices for Storage Administrators: Staying Relevant in an Information-Centric Data Center. Documento publicado pela consultoria Gartner Group em 13 mar. 2013. Duggan Jerry. SNIA - Storage Resource Management Managing SAN Cost & Complexity. Disponível em:<http://www.snia.org/sites/default/education/tutorials/2008/spring/storage- management/Duggan-J_Storage_Resource_Management_SRM_SAN.pdf> Acesso em: 17 out. 2014. EMC² - Educational Services. Information Storage and Management v2 Student Guide. Edição 2012. ISBN: 978-0470294215. Gnanasundaram, Somasundaram e Shrivastava, Alok. Information Storage and management - Storing, Managing, adn Protecting Digital Information in Classic, Virtualized, and Cloud Envrironments. Edição 2012. ISBN: 978-1-118-09483-9. Gouveia, J. M. (Outubro de 2011). Um Estudo Sobre Melhoria de Processos de Suporte de TI no Centro de Informática da UFPE. Dissertação de Mestrado. Recife, Pernambuco. Disponível em <http://www.repositorio.ufpe.br/jspui/bitstream/123456789/2731/1/arquivo6859_1.pdf> Acesso em: 20 dez. 2014. Guevara Jamie K, Hall Linda, Stegman Eric. IT Key Metrics Data 2014 - Key Infrastructure Measures - Storage Analysis- Multiyear. Documento publicado pela consultoria Gartner Group em 10 out. 2013. IntelliMagic White Paper. Using SMI-S for Storage Performance Data Collection. Disponível em: <http://snia.org/sites/default/files/SMI-S_Data_Collection.pdf> Acesso em: 26 dez. 2014.
  50. 50. 43 Poulton, Nigel. Data Storage Networking, Real-World Skills for the CompTIA Storage+ Certification and Beyond. Editora Sybex - a Wiley Brand, edição 2014. ISBN: 1118763238. Technavio Analysts. Global Storage Resource Management Market 2012-2016. SKU: IRTNTR1926. Documento publicado pela consultoria Technavio em 29 jan. 2013. Disponível em: <http://www.technavio.com/report/global-storage-resource-management- market-2012-2016> Acesso em 13 out. 2014. Technet Microsoft. Como adicionar e classificar o SMI-S e dispositivos de armazenamento SMP no VMM. Disponível em: <http://technet.microsoft.com/pt-br/library/gg610563.aspx> Acesso em: 23 dez. 2014.

×