SlideShare uma empresa Scribd logo

3%20 ii%20sittrs%20 %20kompac

confidencial
confidencial
confidencial Senior Instrumentation Technician Air Liquide em confidencial

projeto de tratamento de residuos

3%20 ii%20sittrs%20 %20kompac

1 de 57
Baixar para ler offline
PROJETO RECIFE ENERGIAPROJETO ENERGIA1ªPlanta LIXO-ENERGIA do BrasilTermoelétrica a CDRDestinação Final dos Resíduos Urbanos de Recife29/04/2008Ricardo Augusto A Menezes, Ph.D
Ricardo A Menezes, Ph.D. - II SITTRS UFRJ 2 
Aspectos histAspectos históóricos do ricos destino do lixo do Recife Lixão de MuribecaMuribeca
Ricardo A Menezes, Ph.D. - II SITTRS UFRJ 3 
9Uso do lixão de Muribeca desde 1985 198719941990O lixão de Recife O --MuribecaMuribeca
Ricardo A Menezes, Ph.D. - II SITTRS UFRJ 4 
9Realidade da situação dos catadores no aterro em 1993O lixão de Recife O --MuribecaMuribeca
Ricardo A Menezes, Ph.D. - II SITTRS UFRJ 5 
9A falta de organização do trabalho dos catadores de rua provoca problemas de saúde pública e remuneração inadequada pelo material recicladoO lixão de Recife O --MuribecaMuribeca
Ricardo A Menezes, Ph.D. - II SITTRS UFRJ 6 
9A partir de 1994, Muribeca sofreu um processo de Recuperação Ambiental, tornando-se aterro controlado, sem no entanto resolver o problema socialAterroCelulare BioremediaçãoPátiode Catadorese DeposeirosO lixão de Recife O --MuribecaMuribeca
Anúncio

Recomendados

Art estudo de caso da utilização do rcd (resíduos de construção e demolição)...
Art  estudo de caso da utilização do rcd (resíduos de construção e demolição)...Art  estudo de caso da utilização do rcd (resíduos de construção e demolição)...
Art estudo de caso da utilização do rcd (resíduos de construção e demolição)...Petiano Camilo Bin
 
Manual de-gestao-de-residuos-solidos
Manual de-gestao-de-residuos-solidosManual de-gestao-de-residuos-solidos
Manual de-gestao-de-residuos-solidosRosangela Henauth
 
Debris and Demolition Waste Environmental Impacts
Debris and Demolition Waste Environmental ImpactsDebris and Demolition Waste Environmental Impacts
Debris and Demolition Waste Environmental ImpactsMarcel Fraga
 
Trabalho - Resíduos Sólidos da Construção Civil
Trabalho -  Resíduos Sólidos da Construção CivilTrabalho -  Resíduos Sólidos da Construção Civil
Trabalho - Resíduos Sólidos da Construção CivilTania Barboza
 
2º reciclagem de rejeitos da construção civil para uso em argamassas de baixo...
2º reciclagem de rejeitos da construção civil para uso em argamassas de baixo...2º reciclagem de rejeitos da construção civil para uso em argamassas de baixo...
2º reciclagem de rejeitos da construção civil para uso em argamassas de baixo...Petiano Camilo Bin
 
Gerenciamento de resíduos da construção civil e demolição estudo de caso da...
Gerenciamento de resíduos da construção civil e demolição   estudo de caso da...Gerenciamento de resíduos da construção civil e demolição   estudo de caso da...
Gerenciamento de resíduos da construção civil e demolição estudo de caso da...Miquéias Cassemiro
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Residuo construcaocivil
Residuo construcaocivil Residuo construcaocivil
Residuo construcaocivil Wagner Alves
 
Retrofit e recuperação de solos
Retrofit e recuperação de solosRetrofit e recuperação de solos
Retrofit e recuperação de solosThayris Cruz
 
Gerenciamento de Resíduos Sólidos
Gerenciamento de Resíduos SólidosGerenciamento de Resíduos Sólidos
Gerenciamento de Resíduos SólidosCA Tce Ifpb
 
Gestão residuos na constr civil e pnrs apostilha1
Gestão residuos na constr civil e pnrs   apostilha1Gestão residuos na constr civil e pnrs   apostilha1
Gestão residuos na constr civil e pnrs apostilha1cmoitinho
 
Residuos construcao civil alternativas
Residuos construcao civil alternativasResiduos construcao civil alternativas
Residuos construcao civil alternativasEymard Breda
 
Avaliação de uma área degradada e medidas de recuperação com base em diagnost...
Avaliação de uma área degradada e medidas de recuperação com base em diagnost...Avaliação de uma área degradada e medidas de recuperação com base em diagnost...
Avaliação de uma área degradada e medidas de recuperação com base em diagnost...CEP
 
Apresentação- Impactos da Mineração do Carvão
Apresentação- Impactos da Mineração do CarvãoApresentação- Impactos da Mineração do Carvão
Apresentação- Impactos da Mineração do CarvãoIvan Cardoso Martineli
 
Alphaville Dom Pedro 2 e 3-ata audiencia 4/9/08
Alphaville Dom Pedro 2 e 3-ata audiencia 4/9/08Alphaville Dom Pedro 2 e 3-ata audiencia 4/9/08
Alphaville Dom Pedro 2 e 3-ata audiencia 4/9/08resgate cambui ong
 
Apresentação - FITABES - Regulamentação do Reuso
Apresentação - FITABES - Regulamentação do ReusoApresentação - FITABES - Regulamentação do Reuso
Apresentação - FITABES - Regulamentação do ReusoFernando S. Marcato
 
FONSECA & SANTOS. Gestão de Resíduos na Construção Civil.
FONSECA & SANTOS. Gestão de Resíduos na Construção Civil.FONSECA & SANTOS. Gestão de Resíduos na Construção Civil.
FONSECA & SANTOS. Gestão de Resíduos na Construção Civil.Ana Bárbara Ivo Fonseca
 
Slides residuos jd juliana.1 .pptx
Slides residuos jd juliana.1 .pptxSlides residuos jd juliana.1 .pptx
Slides residuos jd juliana.1 .pptxLayara Malvestio
 
Edição 56 DO SERRANO ( ANO II)
Edição 56  DO SERRANO ( ANO II)Edição 56  DO SERRANO ( ANO II)
Edição 56 DO SERRANO ( ANO II)Ecos Alcântaras
 
A reciclagem de resíduos de construção e demolição no brasil 1986 2008 (panor...
A reciclagem de resíduos de construção e demolição no brasil 1986 2008 (panor...A reciclagem de resíduos de construção e demolição no brasil 1986 2008 (panor...
A reciclagem de resíduos de construção e demolição no brasil 1986 2008 (panor...Petiano Camilo Bin
 
Recuperação de Áreas Degradadas por Mineração
Recuperação de Áreas Degradadas por MineraçãoRecuperação de Áreas Degradadas por Mineração
Recuperação de Áreas Degradadas por MineraçãoLeandro A. Machado de Moura
 
Siderurgia e meio-ambiente
Siderurgia e meio-ambienteSiderurgia e meio-ambiente
Siderurgia e meio-ambienteIzaura Nogueira
 

Mais procurados (18)

Residuo construcaocivil
Residuo construcaocivil Residuo construcaocivil
Residuo construcaocivil
 
Retrofit e recuperação de solos
Retrofit e recuperação de solosRetrofit e recuperação de solos
Retrofit e recuperação de solos
 
Gerenciamento de Resíduos Sólidos
Gerenciamento de Resíduos SólidosGerenciamento de Resíduos Sólidos
Gerenciamento de Resíduos Sólidos
 
Gestão de resíduos da construção civil
Gestão de resíduos da construção civilGestão de resíduos da construção civil
Gestão de resíduos da construção civil
 
Gestão residuos na constr civil e pnrs apostilha1
Gestão residuos na constr civil e pnrs   apostilha1Gestão residuos na constr civil e pnrs   apostilha1
Gestão residuos na constr civil e pnrs apostilha1
 
Residuos construcao civil alternativas
Residuos construcao civil alternativasResiduos construcao civil alternativas
Residuos construcao civil alternativas
 
Avaliação de uma área degradada e medidas de recuperação com base em diagnost...
Avaliação de uma área degradada e medidas de recuperação com base em diagnost...Avaliação de uma área degradada e medidas de recuperação com base em diagnost...
Avaliação de uma área degradada e medidas de recuperação com base em diagnost...
 
Cartilha residuos baixa
Cartilha residuos baixaCartilha residuos baixa
Cartilha residuos baixa
 
Aula 3
Aula 3Aula 3
Aula 3
 
Apresentação- Impactos da Mineração do Carvão
Apresentação- Impactos da Mineração do CarvãoApresentação- Impactos da Mineração do Carvão
Apresentação- Impactos da Mineração do Carvão
 
Alphaville Dom Pedro 2 e 3-ata audiencia 4/9/08
Alphaville Dom Pedro 2 e 3-ata audiencia 4/9/08Alphaville Dom Pedro 2 e 3-ata audiencia 4/9/08
Alphaville Dom Pedro 2 e 3-ata audiencia 4/9/08
 
Apresentação - FITABES - Regulamentação do Reuso
Apresentação - FITABES - Regulamentação do ReusoApresentação - FITABES - Regulamentação do Reuso
Apresentação - FITABES - Regulamentação do Reuso
 
FONSECA & SANTOS. Gestão de Resíduos na Construção Civil.
FONSECA & SANTOS. Gestão de Resíduos na Construção Civil.FONSECA & SANTOS. Gestão de Resíduos na Construção Civil.
FONSECA & SANTOS. Gestão de Resíduos na Construção Civil.
 
Slides residuos jd juliana.1 .pptx
Slides residuos jd juliana.1 .pptxSlides residuos jd juliana.1 .pptx
Slides residuos jd juliana.1 .pptx
 
Edição 56 DO SERRANO ( ANO II)
Edição 56  DO SERRANO ( ANO II)Edição 56  DO SERRANO ( ANO II)
Edição 56 DO SERRANO ( ANO II)
 
A reciclagem de resíduos de construção e demolição no brasil 1986 2008 (panor...
A reciclagem de resíduos de construção e demolição no brasil 1986 2008 (panor...A reciclagem de resíduos de construção e demolição no brasil 1986 2008 (panor...
A reciclagem de resíduos de construção e demolição no brasil 1986 2008 (panor...
 
Recuperação de Áreas Degradadas por Mineração
Recuperação de Áreas Degradadas por MineraçãoRecuperação de Áreas Degradadas por Mineração
Recuperação de Áreas Degradadas por Mineração
 
Siderurgia e meio-ambiente
Siderurgia e meio-ambienteSiderurgia e meio-ambiente
Siderurgia e meio-ambiente
 

Destaque

Ethernet via explorer
Ethernet via explorerEthernet via explorer
Ethernet via explorerconfidencial
 
Treinamento – vfs15 pratica
Treinamento – vfs15 praticaTreinamento – vfs15 pratica
Treinamento – vfs15 praticaconfidencial
 
Documento scan plastic
Documento scan plasticDocumento scan plastic
Documento scan plasticconfidencial
 
Gea biodiesel lavagem e clarificação
Gea   biodiesel lavagem e clarificaçãoGea   biodiesel lavagem e clarificação
Gea biodiesel lavagem e clarificaçãoconfidencial
 
Gea 05 - esterificação
Gea   05 - esterificaçãoGea   05 - esterificação
Gea 05 - esterificaçãoconfidencial
 
Telas do vlt na rede devicenet ultimo
Telas do vlt na rede devicenet ultimoTelas do vlt na rede devicenet ultimo
Telas do vlt na rede devicenet ultimoconfidencial
 
Gea 04 - concentração de glicerina completa
Gea   04 - concentração de glicerina completaGea   04 - concentração de glicerina completa
Gea 04 - concentração de glicerina completaconfidencial
 
Clients pb dl03-web-v.4.8
Clients pb dl03-web-v.4.8Clients pb dl03-web-v.4.8
Clients pb dl03-web-v.4.8confidencial
 
Compensação de vazão
Compensação de vazãoCompensação de vazão
Compensação de vazãoconfidencial
 
Apresentação recife energia
Apresentação recife energiaApresentação recife energia
Apresentação recife energiaconfidencial
 
4.1 broken belt rev2 portugues
4.1 broken belt rev2 portugues4.1 broken belt rev2 portugues
4.1 broken belt rev2 portuguesconfidencial
 
Eip scan com ethernet
Eip scan com ethernetEip scan com ethernet
Eip scan com ethernetconfidencial
 
Gea 03 - cisão retificação tratamento completa
Gea   03 - cisão retificação tratamento completaGea   03 - cisão retificação tratamento completa
Gea 03 - cisão retificação tratamento completaconfidencial
 
Modulo 01 materia prima conceitos básicos
Modulo 01 materia prima  conceitos básicosModulo 01 materia prima  conceitos básicos
Modulo 01 materia prima conceitos básicosconfidencial
 

Destaque (20)

Ethernet via explorer
Ethernet via explorerEthernet via explorer
Ethernet via explorer
 
Treinamento – vfs15 pratica
Treinamento – vfs15 praticaTreinamento – vfs15 pratica
Treinamento – vfs15 pratica
 
Documento scan plastic
Documento scan plasticDocumento scan plastic
Documento scan plastic
 
Gea biodiesel lavagem e clarificação
Gea   biodiesel lavagem e clarificaçãoGea   biodiesel lavagem e clarificação
Gea biodiesel lavagem e clarificação
 
Gea 05 - esterificação
Gea   05 - esterificaçãoGea   05 - esterificação
Gea 05 - esterificação
 
Telas do vlt na rede devicenet ultimo
Telas do vlt na rede devicenet ultimoTelas do vlt na rede devicenet ultimo
Telas do vlt na rede devicenet ultimo
 
Gea 04 - concentração de glicerina completa
Gea   04 - concentração de glicerina completaGea   04 - concentração de glicerina completa
Gea 04 - concentração de glicerina completa
 
Clients pb dl03-web-v.4.8
Clients pb dl03-web-v.4.8Clients pb dl03-web-v.4.8
Clients pb dl03-web-v.4.8
 
Compensação de vazão
Compensação de vazãoCompensação de vazão
Compensação de vazão
 
Apresentação recife energia
Apresentação recife energiaApresentação recife energia
Apresentação recife energia
 
Mca121 ethernet ii
Mca121 ethernet iiMca121 ethernet ii
Mca121 ethernet ii
 
#4 modbus rtu tcp
#4 modbus rtu tcp#4 modbus rtu tcp
#4 modbus rtu tcp
 
4.1 broken belt rev2 portugues
4.1 broken belt rev2 portugues4.1 broken belt rev2 portugues
4.1 broken belt rev2 portugues
 
Eip scan com ethernet
Eip scan com ethernetEip scan com ethernet
Eip scan com ethernet
 
Modscan r0x
Modscan r0xModscan r0x
Modscan r0x
 
Explicit message
Explicit messageExplicit message
Explicit message
 
Ethernet ip r0
Ethernet ip r0Ethernet ip r0
Ethernet ip r0
 
Estrutura de rede
Estrutura de redeEstrutura de rede
Estrutura de rede
 
Gea 03 - cisão retificação tratamento completa
Gea   03 - cisão retificação tratamento completaGea   03 - cisão retificação tratamento completa
Gea 03 - cisão retificação tratamento completa
 
Modulo 01 materia prima conceitos básicos
Modulo 01 materia prima  conceitos básicosModulo 01 materia prima  conceitos básicos
Modulo 01 materia prima conceitos básicos
 

Semelhante a 3%20 ii%20sittrs%20 %20kompac

Resíduos sólidos: os projetos de gestão das cidades-sede, 16/04/2012 - Aprese...
Resíduos sólidos: os projetos de gestão das cidades-sede, 16/04/2012 - Aprese...Resíduos sólidos: os projetos de gestão das cidades-sede, 16/04/2012 - Aprese...
Resíduos sólidos: os projetos de gestão das cidades-sede, 16/04/2012 - Aprese...FecomercioSP
 
Marielene Ramos Politica Estadual De DestinaçãO De ResíDuos SóLidos
Marielene Ramos   Politica Estadual De DestinaçãO De ResíDuos SóLidosMarielene Ramos   Politica Estadual De DestinaçãO De ResíDuos SóLidos
Marielene Ramos Politica Estadual De DestinaçãO De ResíDuos SóLidosFórum de Desenvolvimento do Rio
 
Gestão de Residuos no canteiro de obra.
Gestão de Residuos no canteiro de obra.Gestão de Residuos no canteiro de obra.
Gestão de Residuos no canteiro de obra.Jonas Ramos
 
Projeto Usina Energia Renovável
Projeto Usina Energia RenovávelProjeto Usina Energia Renovável
Projeto Usina Energia RenovávelGisa Andrade
 
RECICLAGEM DO LIXO SÓLIDO.ppt
RECICLAGEM DO LIXO SÓLIDO.pptRECICLAGEM DO LIXO SÓLIDO.ppt
RECICLAGEM DO LIXO SÓLIDO.pptGiseleTavares18
 
Scott Wells Queiroz - Quebec Engenharia
Scott Wells Queiroz - Quebec EngenhariaScott Wells Queiroz - Quebec Engenharia
Scott Wells Queiroz - Quebec EngenhariaLilianMilena
 
U.R.E. - Usina de Recuperação de Energia | Biomassa - Lixo
U.R.E. - Usina de Recuperação de Energia | Biomassa - LixoU.R.E. - Usina de Recuperação de Energia | Biomassa - Lixo
U.R.E. - Usina de Recuperação de Energia | Biomassa - LixoLANA, Claudionor R
 
Apres dia 18 08 unigrandrio
Apres dia 18 08 unigrandrioApres dia 18 08 unigrandrio
Apres dia 18 08 unigrandrioMarcia Marques
 
Meio ambiente e desenvolvimento sustentável
Meio ambiente e desenvolvimento sustentávelMeio ambiente e desenvolvimento sustentável
Meio ambiente e desenvolvimento sustentávelRivaldo Cassimiro Júnior
 
Cubatão – da poluição ao exemplo de controle
Cubatão – da poluição ao exemplo de controleCubatão – da poluição ao exemplo de controle
Cubatão – da poluição ao exemplo de controleRafael Mossolim Moreira
 
Evte logistica reversa equip eletroeletronicos abrelpe
Evte logistica reversa equip eletroeletronicos abrelpeEvte logistica reversa equip eletroeletronicos abrelpe
Evte logistica reversa equip eletroeletronicos abrelpefpv_transilvania
 
Apresentação natal
Apresentação natalApresentação natal
Apresentação natalabntweb
 

Semelhante a 3%20 ii%20sittrs%20 %20kompac (20)

Resíduos sólidos: os projetos de gestão das cidades-sede, 16/04/2012 - Aprese...
Resíduos sólidos: os projetos de gestão das cidades-sede, 16/04/2012 - Aprese...Resíduos sólidos: os projetos de gestão das cidades-sede, 16/04/2012 - Aprese...
Resíduos sólidos: os projetos de gestão das cidades-sede, 16/04/2012 - Aprese...
 
Marielene Ramos Politica Estadual De DestinaçãO De ResíDuos SóLidos
Marielene Ramos   Politica Estadual De DestinaçãO De ResíDuos SóLidosMarielene Ramos   Politica Estadual De DestinaçãO De ResíDuos SóLidos
Marielene Ramos Politica Estadual De DestinaçãO De ResíDuos SóLidos
 
Gestão de Residuos no canteiro de obra.
Gestão de Residuos no canteiro de obra.Gestão de Residuos no canteiro de obra.
Gestão de Residuos no canteiro de obra.
 
Projeto Usina Energia Renovável
Projeto Usina Energia RenovávelProjeto Usina Energia Renovável
Projeto Usina Energia Renovável
 
RECICLAGEM DO LIXO SÓLIDO.ppt
RECICLAGEM DO LIXO SÓLIDO.pptRECICLAGEM DO LIXO SÓLIDO.ppt
RECICLAGEM DO LIXO SÓLIDO.ppt
 
Scott Wells Queiroz - Quebec Engenharia
Scott Wells Queiroz - Quebec EngenhariaScott Wells Queiroz - Quebec Engenharia
Scott Wells Queiroz - Quebec Engenharia
 
Solos cimento
Solos cimentoSolos cimento
Solos cimento
 
U.R.E. - Usina de Recuperação de Energia | Biomassa - Lixo
U.R.E. - Usina de Recuperação de Energia | Biomassa - LixoU.R.E. - Usina de Recuperação de Energia | Biomassa - Lixo
U.R.E. - Usina de Recuperação de Energia | Biomassa - Lixo
 
Prova 2-slides-6
Prova 2-slides-6Prova 2-slides-6
Prova 2-slides-6
 
Apres dia 18 08 unigrandrio
Apres dia 18 08 unigrandrioApres dia 18 08 unigrandrio
Apres dia 18 08 unigrandrio
 
Recife Energia
Recife EnergiaRecife Energia
Recife Energia
 
Energia e meio ambiente
Energia e meio ambienteEnergia e meio ambiente
Energia e meio ambiente
 
Energia e meio ambiente
Energia e meio ambienteEnergia e meio ambiente
Energia e meio ambiente
 
Meio ambiente e desenvolvimento sustentável
Meio ambiente e desenvolvimento sustentávelMeio ambiente e desenvolvimento sustentável
Meio ambiente e desenvolvimento sustentável
 
Cubatão – da poluição ao exemplo de controle
Cubatão – da poluição ao exemplo de controleCubatão – da poluição ao exemplo de controle
Cubatão – da poluição ao exemplo de controle
 
Evte logistica reversa equip eletroeletronicos abrelpe
Evte logistica reversa equip eletroeletronicos abrelpeEvte logistica reversa equip eletroeletronicos abrelpe
Evte logistica reversa equip eletroeletronicos abrelpe
 
Lodo beta
Lodo betaLodo beta
Lodo beta
 
Apresentação natal
Apresentação natalApresentação natal
Apresentação natal
 
Revista - Saneamento Ambiental
Revista - Saneamento AmbientalRevista - Saneamento Ambiental
Revista - Saneamento Ambiental
 
Revista - Saneamento Ambiental
Revista - Saneamento AmbientalRevista - Saneamento Ambiental
Revista - Saneamento Ambiental
 

Mais de confidencial

19 exercises v1.00_en
19 exercises v1.00_en19 exercises v1.00_en
19 exercises v1.00_enconfidencial
 
18 syntax rules v1.0
18 syntax rules v1.018 syntax rules v1.0
18 syntax rules v1.0confidencial
 
17 demonstration server client system-v1.00_en
17 demonstration server client system-v1.00_en17 demonstration server client system-v1.00_en
17 demonstration server client system-v1.00_enconfidencial
 
15 final steps of configuration v1.00_en
15 final steps of configuration v1.00_en15 final steps of configuration v1.00_en
15 final steps of configuration v1.00_enconfidencial
 
14 mass data engineering v1.00_en
14 mass data engineering v1.00_en14 mass data engineering v1.00_en
14 mass data engineering v1.00_enconfidencial
 
13 locking functions and operating modes v1.00_en
13 locking functions and operating modes v1.00_en13 locking functions and operating modes v1.00_en
13 locking functions and operating modes v1.00_enconfidencial
 
12 archiving system v1.00_en
12 archiving system v1.00_en12 archiving system v1.00_en
12 archiving system v1.00_enconfidencial
 
11 customizing the os v1.00_en
11 customizing the os v1.00_en11 customizing the os v1.00_en
11 customizing the os v1.00_enconfidencial
 
10 basics automatic mode control v1.00_en
10 basics automatic mode control v1.00_en10 basics automatic mode control v1.00_en
10 basics automatic mode control v1.00_enconfidencial
 
09 basics operating and monitoring v1.00_en
09 basics operating and monitoring v1.00_en09 basics operating and monitoring v1.00_en
09 basics operating and monitoring v1.00_enconfidencial
 
08 basics control functions v1.00_en
08 basics control functions v1.00_en08 basics control functions v1.00_en
08 basics control functions v1.00_enconfidencial
 
07 connection to the process v1.00_en
07 connection to the process v1.00_en07 connection to the process v1.00_en
07 connection to the process v1.00_enconfidencial
 
06 station and network configuration v1.00_en
06 station and network configuration v1.00_en06 station and network configuration v1.00_en
06 station and network configuration v1.00_enconfidencial
 
05 project setup v1.00_en
05 project setup v1.00_en05 project setup v1.00_en
05 project setup v1.00_enconfidencial
 
03 requirements and functional process description v1.00_en
03 requirements and functional process description v1.00_en03 requirements and functional process description v1.00_en
03 requirements and functional process description v1.00_enconfidencial
 
02 pcs 7 documentation and support v1.00 en
02 pcs 7 documentation and support v1.00 en02 pcs 7 documentation and support v1.00 en
02 pcs 7 documentation and support v1.00 enconfidencial
 
01 introduction v1.00_en
01 introduction v1.00_en01 introduction v1.00_en
01 introduction v1.00_enconfidencial
 
00 st pcs7-sys_v8.0_register 20 en
00 st pcs7-sys_v8.0_register 20 en00 st pcs7-sys_v8.0_register 20 en
00 st pcs7-sys_v8.0_register 20 enconfidencial
 
Fluxograma processo acucar_alcool_etanol_verde
Fluxograma processo acucar_alcool_etanol_verdeFluxograma processo acucar_alcool_etanol_verde
Fluxograma processo acucar_alcool_etanol_verdeconfidencial
 
01tiaportal handson-basicov11v2-140421084257-phpapp01
01tiaportal handson-basicov11v2-140421084257-phpapp0101tiaportal handson-basicov11v2-140421084257-phpapp01
01tiaportal handson-basicov11v2-140421084257-phpapp01confidencial
 

Mais de confidencial (20)

19 exercises v1.00_en
19 exercises v1.00_en19 exercises v1.00_en
19 exercises v1.00_en
 
18 syntax rules v1.0
18 syntax rules v1.018 syntax rules v1.0
18 syntax rules v1.0
 
17 demonstration server client system-v1.00_en
17 demonstration server client system-v1.00_en17 demonstration server client system-v1.00_en
17 demonstration server client system-v1.00_en
 
15 final steps of configuration v1.00_en
15 final steps of configuration v1.00_en15 final steps of configuration v1.00_en
15 final steps of configuration v1.00_en
 
14 mass data engineering v1.00_en
14 mass data engineering v1.00_en14 mass data engineering v1.00_en
14 mass data engineering v1.00_en
 
13 locking functions and operating modes v1.00_en
13 locking functions and operating modes v1.00_en13 locking functions and operating modes v1.00_en
13 locking functions and operating modes v1.00_en
 
12 archiving system v1.00_en
12 archiving system v1.00_en12 archiving system v1.00_en
12 archiving system v1.00_en
 
11 customizing the os v1.00_en
11 customizing the os v1.00_en11 customizing the os v1.00_en
11 customizing the os v1.00_en
 
10 basics automatic mode control v1.00_en
10 basics automatic mode control v1.00_en10 basics automatic mode control v1.00_en
10 basics automatic mode control v1.00_en
 
09 basics operating and monitoring v1.00_en
09 basics operating and monitoring v1.00_en09 basics operating and monitoring v1.00_en
09 basics operating and monitoring v1.00_en
 
08 basics control functions v1.00_en
08 basics control functions v1.00_en08 basics control functions v1.00_en
08 basics control functions v1.00_en
 
07 connection to the process v1.00_en
07 connection to the process v1.00_en07 connection to the process v1.00_en
07 connection to the process v1.00_en
 
06 station and network configuration v1.00_en
06 station and network configuration v1.00_en06 station and network configuration v1.00_en
06 station and network configuration v1.00_en
 
05 project setup v1.00_en
05 project setup v1.00_en05 project setup v1.00_en
05 project setup v1.00_en
 
03 requirements and functional process description v1.00_en
03 requirements and functional process description v1.00_en03 requirements and functional process description v1.00_en
03 requirements and functional process description v1.00_en
 
02 pcs 7 documentation and support v1.00 en
02 pcs 7 documentation and support v1.00 en02 pcs 7 documentation and support v1.00 en
02 pcs 7 documentation and support v1.00 en
 
01 introduction v1.00_en
01 introduction v1.00_en01 introduction v1.00_en
01 introduction v1.00_en
 
00 st pcs7-sys_v8.0_register 20 en
00 st pcs7-sys_v8.0_register 20 en00 st pcs7-sys_v8.0_register 20 en
00 st pcs7-sys_v8.0_register 20 en
 
Fluxograma processo acucar_alcool_etanol_verde
Fluxograma processo acucar_alcool_etanol_verdeFluxograma processo acucar_alcool_etanol_verde
Fluxograma processo acucar_alcool_etanol_verde
 
01tiaportal handson-basicov11v2-140421084257-phpapp01
01tiaportal handson-basicov11v2-140421084257-phpapp0101tiaportal handson-basicov11v2-140421084257-phpapp01
01tiaportal handson-basicov11v2-140421084257-phpapp01
 

3%20 ii%20sittrs%20 %20kompac

  • 1. PROJETO RECIFE ENERGIAPROJETO ENERGIA1ªPlanta LIXO-ENERGIA do BrasilTermoelétrica a CDRDestinação Final dos Resíduos Urbanos de Recife29/04/2008Ricardo Augusto A Menezes, Ph.D
  • 2. Ricardo A Menezes, Ph.D. - II SITTRS UFRJ 2 Aspectos histAspectos históóricos do ricos destino do lixo do Recife Lixão de MuribecaMuribeca
  • 3. Ricardo A Menezes, Ph.D. - II SITTRS UFRJ 3 9Uso do lixão de Muribeca desde 1985 198719941990O lixão de Recife O --MuribecaMuribeca
  • 4. Ricardo A Menezes, Ph.D. - II SITTRS UFRJ 4 9Realidade da situação dos catadores no aterro em 1993O lixão de Recife O --MuribecaMuribeca
  • 5. Ricardo A Menezes, Ph.D. - II SITTRS UFRJ 5 9A falta de organização do trabalho dos catadores de rua provoca problemas de saúde pública e remuneração inadequada pelo material recicladoO lixão de Recife O --MuribecaMuribeca
  • 6. Ricardo A Menezes, Ph.D. - II SITTRS UFRJ 6 9A partir de 1994, Muribeca sofreu um processo de Recuperação Ambiental, tornando-se aterro controlado, sem no entanto resolver o problema socialAterroCelulare BioremediaçãoPátiode Catadorese DeposeirosO lixão de Recife O --MuribecaMuribeca
  • 7. Ricardo A Menezes, Ph.D. - II SITTRS UFRJ 7 9Eficiência parcial no tratamento dos efluentes a partir de 2002O lixão de Recife O --MuribecaMuribeca
  • 8. Ricardo A Menezes, Ph.D. - II SITTRS UFRJ 8 9Construção do Galpão dos catadores -Maio/ 2001 9Associação dos Recicladores da Muribeca O lixão de Recife --MuribecaMuribeca
  • 9. Ricardo A Menezes, Ph.D. - II SITTRS UFRJ 9 9Retirada de famílias residentes na área do aterro, através de auxilio moradia e construção de casasO lixão de Recife O --MuribecaMuribeca
  • 10. Ricardo A Menezes, Ph.D. - II SITTRS UFRJ 10 9Projeto de Ampliação da vida útil do aterro unindo as células com deposição de resíduos –2001O lixão de Recife O --MuribecaMuribeca
  • 11. Ricardo A Menezes, Ph.D. - II SITTRS UFRJ 11 9Obras Emergenciais nas vias internas de acesso a área de descarrego, cobertura das células e drenagem de chorumeO lixão de Recife O --MuribecaMuribeca
  • 12. Ricardo A Menezes, Ph.D. - II SITTRS UFRJ 12 9Assinatura do Convênio “Gestão Compartilhada entre os Municípios e Recife, Jaboatão dos Guararapes e Governo do Estado -2001 9Captação de recursos do Governo Federal para ações de drenagem de águas pluviais, visando a melhoria da eficiência do tratamento de chorumeO lixão de Recife O --MuribecaMuribeca
  • 13. Ricardo A Menezes, Ph.D. - II SITTRS UFRJ 13 9Construçãoda Estaçãode Tratamentode Chorume –2002O lixão de Recife O --MuribecaMuribeca
  • 14. Ricardo A Menezes, Ph.D. - II SITTRS UFRJ 14 9Projeto de Ampliação do Aterro da Muribeca em 84 hec-GRS/UFPE 9Elaboração de EIA-RIMA -FADE/UFPEO lixão de Recife O --MuribecaMuribeca
  • 15. Ricardo A Menezes, Ph.D. - II SITTRS UFRJ 15 2006 A GUINADA QUEBRA DE PARADIGMA
  • 16. Ricardo A Menezes, Ph.D. - II SITTRS UFRJ 16 Novo destino para o lixo do RecifeNovo RecifeGeraGeraçção de Energiaão EnergiaLimpa e sustentLimpa sustentáávelvel
  • 17. Ricardo A Menezes, Ph.D. - II SITTRS UFRJ 17 •Março 2006 Prefeitura do Recife lança o E D I T A L DE CONCORRÊNCIA Nº. 01 / 2006 •CONCESSÃO PARA SERVIÇOS PÚBLICOS RELATIVOS A DESTINAÇÃO E TRATAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS E DE SERVIÇOS DE SAÚDE •Entrega de propostas -15 de maio de 2006 •Exigências (entre outras): –Redução de custos de destinação –Reciclagem intensiva –Compostagem –Aproveitamento energético do lixo –Outorga na comercialização de produtos e subprodutosDestino do lixo sustentDestino sustentáável vel --EDITALEDITAL
  • 18. Ricardo A Menezes, Ph.D. - II SITTRS UFRJ 18 •11 de setembro de 2007•HOMOLOGAÇÃO E ADJUDICAÇÃO DO PROCESSO LICITATÓRIO AO CONSÓRCIO RECIFE-ENERGIADestino do lixo sustentDestino sustentáável vel --HOMOLOGAHOMOLOGAÇÇÃOÃO
  • 19. Ricardo A Menezes, Ph.D. - II SITTRS UFRJ 19 •31/01/2008 PUBLICAÇÃO DO EXTRATO DO CONTRATON°23, FIRMADO EM 24 DE JANEIRO DE 2008. MODALIDADE: Processo Licitatório n°01/2006 •CONTRATANTES: MUNICÍPIO DO RECIFE/SECRETARIA DE SERVIÇOS PÚBLICOS E O CONSÓRCIO RECIFE ENERGIA. •OBJETO: A concessão para a execução dos serviços relativos àdestinação e tratamento dos resíduos sólidos urbanos ..........obedecendo as condições ..................que seja obrigatoriamente projetado para o aproveitamento energético dos resíduos..... Destino do lixo sustentDestino sustentáável vel --PUBLICAPUBLICAÇÇÃOÃO
  • 20. Ricardo A Menezes, Ph.D. - II SITTRS UFRJ 20 CaracterCaracteríísticas e conceitos do sticas projeto Recifeprojeto Recife--EnergiaEnergia
  • 21. Ricardo A Menezes, Ph.D. - II SITTRS UFRJ 21 •• Concessão por 20 anos anospara dar fim a todo o lixo do Recife. •Recepção do lixo de municípios vizinhos, elevando o volume total de lixo recebido a mais de 2.000 t/dia •O projeto RECIFE-ENERGIA envolveráa implantação de: –Planta de triagem e separação de recicláveis (em Recife); –Planta de preparação do combustível (CDR); –Planta Termoelétrica de cogeração envolvendo: •Caldeiras alimentadas com CDR •Turbo-geradoresde energia elétricas; •Máquinas de absorção para a produção de frio •A energia total seráequivalenteao consumo de mais de 153.000 residências, ou seja, capaz de atender a uma população superior a 610.000 pessoas. •Serão produzidos aproximadamente: 160 t/h de vapor, 24 MWe de energia el elétrica e 1.200 TR trica de frio frio. . •A fração compostável deveráser submetida àfermentação anaeróbica com a produção de gás metano, que alimentarámotores-geradores de energia elétrica. •O projeto geraráreceita adicional através da venda de créditos de carbono obtidos por projeto MDLCaracterCaracteríísticas principaissticas principais
  • 22. Ricardo A Menezes, Ph.D. - II SITTRS UFRJ 22 •O conceito básico da solução Lixo-Energia, Kompac, éa preparação de um combustível(CDR) a partir dos rejeitos da reciclagem; •O combustível alimenta uma planta Termoelétrica a CDR, similar àoutras de biomassas; •Éuma solução definitivapara o imenso problema de destinação do lixo gerado dia-a-dia pela população. Não exige a repetida implantação de novos aterrosa cada 10 ou 20 anos, a vida útil de um aterro; •Recupera até10 vezes mais energiado lixo em relação àgeração via gás de aterro; •Ocupa área correspondente a 3% a de um aterro, liberando estas áreas para usos mais nobres pela sociedade; •Envolve menores riscos ambientais, e produz 3 vezes menos emissões de gases de efeito estufa(CO2eq. por tonde lixo); •Elimina o risco da contaminação de solos e águas subterrâneaspelo chorume; •Não deixa herança de problemas em área degrada que se tornaria problema grave para as futuras gerações; •O aproveitamento energético via Lixo-Energia (waste-to-energy) cresce rapidamente no mundo desenvolvido. Conceito da soluConceito soluçção Lixoão Lixo--EnergiaEnergia
  • 23. Ricardo A Menezes, Ph.D. - II SITTRS UFRJ 23 META: disposição zero, emissões zero R. Menezes abr 2006 1Transporte do CDRGeração de vaporCogeraçãode energiaVENDAPlásticosMetais FerrososMetais Não-FerrososPapeisVidrosComposto OrgânicoCDRVENDAVaporÁgua QuenteEnergia ElétricaFrio324ReciclagemProdução de CDRRECUPERANDO MATERIAIS, ENERGIA E PESSOAS PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTADODESCARTE ZERO800 ºC1.200 ºC1.000 ºC950 ºC1.100 ºC Reator II Conceito da solusoluççaoaoLixoLixo--EnergiaEnergiaUSINA TERMOELÉTRICA
  • 24. Ricardo A Menezes, Ph.D. - II SITTRS UFRJ 24 CaboRecifeLOCALIZALOCALIZAÇÇÃOÃO
  • 25. Ricardo A Menezes, Ph.D. - II SITTRS UFRJ 25 População residente em 2000 ( Dados do IBGE) Município População Residente Cabo de Santo Agostinho 152.977 Camaragibe 128.702 Jaboatão dos Guararapes 581556 Recife 1.422.905 Olinda 367.902 Paulista 262.237 São Lourenço da Mata 90.402 LOCALIZALOCALIZAÇÇÃOÃO
  • 26. Ricardo A Menezes, Ph.D. - II SITTRS UFRJ 26 RecepRecepççãoão: 4.200 : t/diat/diaEnergiaEnergiaeleléétricatrica: 80 : MWeMWeAspecto visual de uma planta LixoAspecto Lixo--EnergiaEnergiaMiami-Dade County Resources Recovery Facility
  • 27. Ricardo A Menezes, Ph.D. - II SITTRS UFRJ 27 BRESCIA TERMOUTILIZZATORE -ITÁLIABRESCIA --ITITÁÁLIALIAProdução térmica: 102 MWth(DISTRICT HEATING) Energia elétrica: 45 MWeCapacidade nominal: 46 t/h (2x23 t/h) ProduProduçção tão téérmica: rmica: MWthMWth(HEATING)(elEnergia eléétrica: trica: MWeMWeCapacidade Capacidade Aspecto visual de uma planta LixoAspecto Lixo--EnergiaEnergia
  • 28. Ricardo A Menezes, Ph.D. - II SITTRS UFRJ 28 Cogeração Coca-Cola /SPAspecto visual de uma planta LixoAspecto Lixo--EnergiaEnergia
  • 29. Ricardo A Menezes, Ph.D. - II SITTRS UFRJ 29 O fluxo de produO produççãoão
  • 30. Ricardo A Menezes, Ph.D. - II SITTRS UFRJ 30 CompostoCDRProdução do CDRFermentaçãoAnaeróbicaCogeraçãoCaldeira Metais; vidros; plásticos; papel; etcTriagemReutilizaçãoVapor supersaturadoEnergia e Utilidades geradas para a indústriaFluxo LIXO Fluxo --ENERGIAENERGIAOrgânicoEnergiaRSURSUCinzasFÁBRICA DO COMBUSTÍVELTERMOELÉTRICA A CDRRejeitoMateriais recicláveis
  • 31. Ricardo A Menezes, Ph.D. - II SITTRS UFRJ 31 O combustO combustíível derivadovel derivadodos resdos resííduosduosCDRCDR
  • 32. Ricardo A Menezes, Ph.D. - II SITTRS UFRJ 32 ¨A composição aproxima se da mistura de hidrocarbonetos a seguir: Papel -C6H9,6O4,6N0,036S0,01Plásticos –C6H8,6O1,7Alimentos –C6H9,6N0,28S0,2Poda –C6H9,2O3,8N0,01S0,04 A composição varia para diferentes localidades e condições sociais Material RSU Orgânicos Resíduos de Alimentos 31,0% Papel 14,0% Papelão 5,0% Resíduos de Poda 9,5% Outros Orgânicos 0,5% Madeira 3,5% Plásticos 12,0% Tecidos 2,0% Borracha 1,5% Couro 3,0% Inorgânicos Vidros 6,0% Metais 5,0% Pedra e terra 4,0% Outros Materiais 3,0% Total 100,0% PCI (kcal/kg) 1800 Composição típica de RSURESRESÍÍDUOS URBANOSDUOS URBANOS
  • 33. Ricardo A Menezes, Ph.D. - II SITTRS UFRJ 33 Podae varreduraLixo domiciliarGeração de vaporPreparação do CDRGeração de energiaColetaColetaReciclagem e Reciclagem preparapreparaçção do CDRão CDRCOGERACOGERAÇÇÃOÃOCDRCDR
  • 34. Ricardo A Menezes, Ph.D. - II SITTRS UFRJ 34 Composição Média (Peso) MaterialRSUCDRResíduos de Alimentos31,0%10,0% Papel e Papelão29,0%47,0% Plasticos10,0%21,0% Tecidos2,0%5,0% Metais5,0% Madeira3,5%5,0% Resíduos de Poda5,5%9,0% Vidro6,0% Outros8,0%3,0% Total100,0%100,0% PCI (Kcal/Kg)18003.000 Composições típicas de RSU e de CDR CDR= Combustível Derivado dos ResíduosO grande diferencial estáno incremento do poder calorífico, com a redução da umidade, eliminação dos inertes e de frações de orgânicos de baixo PCIRSU RSU vsvsCDRCDR
  • 35. Ricardo A Menezes, Ph.D. - II SITTRS UFRJ 35 PreparaPreparaçção do Combustão Combustíível vel --CDRCDR
  • 36. Ricardo A Menezes, Ph.D. - II SITTRS UFRJ 36 TRANSPORTADOR DE CARREGAMENTO NA LINHATRANSPORTADORRASGA SACOSEXTRAÇÃO DE ORGANICOS PARA MATURAÇÃOPENEIRA DE DISCOSSEPARAÇÃO MANUALTRITURADORDESGARRADORESSAIDA CDR PRIMÁRIO SAIDA DE RECICLAVEIS PreparaPreparaçção do CDRão CDR
  • 37. Ricardo A Menezes, Ph.D. - II SITTRS UFRJ 37 A TermoelA Termoeléétrica com cogeratrica cogeraççãoão
  • 38. Ricardo A Menezes, Ph.D. - II SITTRS UFRJ 38 CombustívelCDREmissões LimpasVaporEnergia ElétricaRefrigeração Cogeração de EnergiaTratamento de GasesTratamento e Recirculação de Efluentes LíquidosCaldeiraCinzas e Inertes Reaproveitamentoou Aterro Sanitário Vapor Gases de combustãoGeraGeraçção de vapor e utilidadesão utilidades
  • 39. Ricardo A Menezes, Ph.D. - II SITTRS UFRJ 39 Clarificadores/ SedimentadoresChaminéde mergênciaContainerde lamaSodaNaOH@50%Soda@5% SopradorIndutordeTiragemAtmosferaLavadorAlcalinoDemisterReciclagemno Conversora PlasmaBombeamentoLeitede CalCa(OH)2MonitoramContínuoOCOe2 FiltrodeMangaFiltrodcarvãativadFosso 1Foso 2EscóriaTanque desuspensão de calRemovedorde cinzasPeneiraPoçoCisternaReservatóriosuperiorCinzasProcesameEquipamenResíduos W1 Conversora PlasmaAlimentaçãoElétricaGás(ar)ÁguadeRefrigeraçãoJATO DEPLASMA(20 - 50ºC)Silicatos fundidosMetais, sílica, . Pós-Comustão DissociaçãoeGaseificação15.0 ºCTOCHA .esJuo202 QuencherVenturi Galpão deTriagem eEstocagemDesenvolvendotecnolimpasparaum futuro CTR Macaé - RJ 50 t/diaCentro de Tratamento de ResíduoseGeraçãode Energia QuencherVenturi Clarificadores/ SedimentadoresChaminéde mergênciaContainerde lamaSodaNaOH@50%Soda@5% SopradorIndutordeTiragemAtmosferaLavadorAlcalinoDemisterReciclagemno Conversora PlasmaBombeamentoLeitede CalCa(OH)2MonitoramContínuoOCOe2 FiltrodeMangaFiltrodcarvãativadFosso 1Foso 2EscóriaTanque desuspensão de calRemovedorde cinzasPeneiraPoçoCisternaReservatóriosuperiorCinzasProcesameEquipamenResíduos Clases I, I 2 Caldeiras - 10t/h - 15 Conversor a Plasma 1 Recepçãode resíduosperigososBalançaGuindaste com pólipoGranelBombonasLíquidosBombeamentodeLíquidosCaregamentoManualReciclagemno DEPLASMAREATOR DECONVERSÃOA PLASMAProdutoFinalVitrificadoExaudeTra Turbo-GeradorEnergia ElétricaSeparadorCiclônico Galpão deTriagem eEstocagemDesenvolvendotecnolimpasparaum
  • 40. Ricardo A Menezes, Ph.D. - II SITTRS UFRJ 40 Combustível ReservaCaldeira ReservaVapor Baixa PressãoEnergia ElétricaINDUSTRIASVapor Alta Pressão7oCAbsorAbsorçção Duplo Efeitoão EfeitoGeraGeraçção de vapor e utilidadesão utilidades
  • 41. Ricardo A Menezes, Ph.D. - II SITTRS UFRJ 41 TermoelTermoeléétrica com trica cogeracogeraççãoão(utilidades)(utilidades)
  • 42. Ricardo A Menezes, Ph.D. - II SITTRS UFRJ 42 Triagem e Produção do CDRTriagem CDRColeta de LixoColeta LixoRecicladosRecicladosUsina Termelétrica com CogeraçãoUsina CogeraçãoPlanta junto ao consumidorTransportede CDRPlanta junto ao transbordoAbastecimento das plantasAbastecimento plantas CDR
  • 43. Ricardo A Menezes, Ph.D. - II SITTRS UFRJ 43 Emissões Limpas ••O controle das emissõesO emissões••O atendimento ààs normas ambientaiss ambientais
  • 44. Ricardo A Menezes, Ph.D. - II SITTRS UFRJ 44 •A tecnologia utilizada no processo a ser utilizado éconsiderado um dos sistemas mais limpos de geração de energia térmica •Lavadores de gases garantem a limpeza dos gases ácidos •Filtros de manga retiram todo o material particulado •As emissões aéreas se mantêm muito abaixo dos limites estabelecidos pelas normas internacionaisControle de emissõesControle emissõesEmissões limpasEmissões limpas
  • 45. Ricardo A Menezes, Ph.D. - II SITTRS UFRJ 45
  • 46. Ricardo A Menezes, Ph.D. - II SITTRS UFRJ 46 As relaAs relaçções de negões negóóciocio
  • 47. Ricardo A Menezes, Ph.D. - II SITTRS UFRJ 47 InvestidoresCOGERAÇÃOOrganismos de FinanciamentoReciclagem eFábrica de CDRPrefeituras MunicipaisCLIENTE ConsumidorCLIENTE Consumidor$ $ Venda de Utilidades Venda de Utilidades DebtEquityRetornoPPAJuros Contrato “Stand-by” Tratamento resíduos perigososVenda demateriais reciclados$ $ Concessionária local de Energia e GásConcessão de Destinação Final Contrato “Stand-by” RECIFE ENERGIA S.A. Fluxo de recursos e serviFluxo serviççosos
  • 48. Ricardo A Menezes, Ph.D. - II SITTRS UFRJ 48 SPE Recife Energia SAKogenergy/ KompacAssessoriaJurídicaAssessoriaFinanceiraEnergia ElétricaPrefeituraConcessão LixoPatentesProject DeveloperFundosOrganismos de financiamentoEPCO & MPPA´s de EnergiasVaporFrio, Água GeladaProdutos RecicladosProjeto Waste-to-Energy -Cogeração com CDRRECURSOSASSESSORIAS e CONSULTORIASCONTRATOSPRINCIPAISVENDA -GERAÇÃO DE RECURSOSCréditos de CarbonoLicensiamentoAmbientalConcessionária EnergiaConcessionária GásInvestidoresEngenharia de Projeto
  • 49. Ricardo A Menezes, Ph.D. - II SITTRS UFRJ 49 Os Produtos para a Venda
  • 50. Ricardo A Menezes, Ph.D. - II SITTRS UFRJ 50 ÄUtilidades geradas para as indústrias •Energia Elétrica •Água Quente •Vapor Superaquecido •Vapor Saturado •Água Gelada (5,5oC a 15oC) •Refrigeração (até-60oC) •Fabricação de Gelo •CO2com alta purezaProdutos para a vendaProdutos venda
  • 51. Ricardo A Menezes, Ph.D. - II SITTRS UFRJ 51 ¨Redução das emissões de dióxido de carbono (CO2equivalente) para atmosfera, proveniente da destinação final dos resíduos urbanos em aterros sanitários, 1 t de lixo em aterro3,2 a 4,1 t de CO2equiv. 1 t de lixo Processamento térmico 0,7 t de CO2 equiv. ReduReduçção de gases de efeito estufaão estufaCrCrééditos de carbonoditos carbono
  • 52. Ricardo A Menezes, Ph.D. - II SITTRS UFRJ 52 Clientes do EmpreendimentoClientes Empreendimento
  • 53. Ricardo A Menezes, Ph.D. - II SITTRS UFRJ 53 Consumidores de energia el elétrica e t trica térmica: rmica: –Grandes indústrias implantadas na região Clientes Recife EnergiaClientes Energia
  • 54. Ricardo A Menezes, Ph.D. - II SITTRS UFRJ 54 Benef Benefícios adicionais cios •Benefícios para a comunidade•Benefícios para as prefeituras•Benefícios para os clientes de energiaBenefBenefíícios do Recife Energiacios Energia
  • 55. Ricardo A Menezes, Ph.D. - II SITTRS UFRJ 55 •Redução drástica da quantidade de resíduos destinados àMuribecaprolongando sua vida útil em mais 30 anos; •Outorga sobre o valor da venda de energia avaliada em mais de R$ 2 milhões por ano; •Economia no transporte do lixo, que não mais serálevado atéMuribeca, valor estimado de economia de R$ 2,2 milhões•Com o projeto o município se beneficiarádo ICMS ambiental avaliado em R$ 2,4 milhões; BenefBenefíícios do Recife Energiacios EnergiaExemplos Exemplos
  • 56. Ricardo A Menezes, Ph.D. - II SITTRS UFRJ 56 Ricardo MenezesRicardo MenezesRmenezes@kompac.com.brRmenezes@br
  • 57. Ricardo A Menezes, Ph.D. - II SITTRS UFRJ 57 GRUPO KOMPAC Rua São Francisco Xavier 882Rua 882Tijuca Tijuca --Rio de Janeiro, RJ 20.550Rio 20.550--013 --BrazilBrazilTelTel: 21 3461: 3461--49494949Fax: 21 2284Fax: 2284--9293 www.kompac.com.br ee--mail: grupokompac@kompac.com.br SOLUSOLUÇÇÕES AMBIENTAIS COM ENERGIA RENOVÕES RENOVÁÁVELVEL