Direito das
Relações
Internacionais
Prof. Msc. Marcos Relvas
do Dia
a
Agend
Crimes virtuais e a ordem internacional

"Atos dirigidos contra um sistema de informática, tendo como subespécies atos
con...
Crimes virtuais e a ordem internacional
CRIMES VIRTUAIS PRÓPRIOS
Os crimes virtuais próprios são aqueles em que o sujeito ...
Crimes virtuais e a ordem internacional
CRIMES VIRTUAIS IMPRÓPRIOS
Os crimes virtuais denominados impróprios são aqueles r...
Crimes virtuais e a ordem internacional
Uma nova organização internacional, denominada Aliança Internacional de
Proteção à...
Crimes virtuais e a ordem internacional

Carl Segan:
Nós criamos uma civilização global em que elementos cruciais - como a...
Propriedade intelectual
Surgimento da propriedade intelectual
O direito de propriedade intelectual nasce no século XIX, ap...
Propriedade Intelectual
Internacionalização da proteção à propriedade intelectual
As primeiras tentativas de internacional...
Propriedade Intelectual
Criação da OMPI
Após a Segunda Guerra Mundial, as discussões de caráter internacional passaram
a s...
Arbitragem Internacional

Na esfera do Direito Internacional a atuação
da arbitragem data de longos séculos. Hoje
vem ela ...
Arbitragem internacional
Elementos fundamentais do DRI
Arbitragem
É a arbitragem uma solução de conflito
rápida e
especial...
Arbitragem Internacional
Nos últimos anos, a arbitragem adquiriu
inigualável prestígio fora do Continente
Europeu e da Amé...
Arbitragem Internacional

Não se pode ainda deixar de falar da
American Arbitration Association – AAA.
Para se ter idéia d...
Arbitragem Internacional

No Brasil, a arbitragem estava prevista desde
a Constituição Federal de 1824, mas não
tínhamos t...
Arbitragem Internacional

Contudo, com a complexidade das atividades do
Estado-Juiz e da burocratização do Judiciário, vol...
Arbitragem Internacional

Nesses últimos anos multiplicaram-se no Brasil as
cortes arbitrais e, na atualidade, não se tem ...
Arbitragem Internacional

Na atual performance da Lei 9.307/96 dispensa-se a
homologação do laudo arbitral, para só exigir...
Arbitragem Internacional

Pensou-se, em princípio, que a dispensa da jurisdição
formal vulnerava o inciso XXXVI do artigo ...
Arbitragem Internacional

Com efeito, o fundamento maior da arbitragem está
no prestígio que se dá à tendência crescente d...
Arbitragem Internacional

A definição serve para a arbitragem interna e
internacional, porquanto a diferença entre uma e o...
Arbitragem Internacional

A arbitragem pode ser ajustada pelas partes através
de metodologia própria, criada e adotada de ...
Arbitragem Internacional

Em 21 de junho de 1985 foi criado pela United
Nations Comission for Internacional Trade Law
(Com...
Arbitragem Internacional

É importante esclarecer que a entidade que
administra a arbitragem não a realiza, porque esta
co...
Arbitragem Internacional
1) a Corte Internacional de Arbitragem que data de 1923, com
sede em Paris, mas funcionando em tr...
Arbitragem Internacional

O Brasil retardou a implantação de uma justiça arbitral
efetiva por ausência de uma legislação a...
Arbitragem Internacional

Não se pode esquecer a chamada Corte Permanente
de Arbitragem. Na verdade, não se trata de uma
C...
Arbitragem Internacional

Em matéria de arbitragem internacional é importante
saber qual a legislação a ser aplicada, cuja...
Arbitragem Internacional

Uma tendência de maior liberalidade é notada em relação aos
processo nos países da common law na...
Arbitragem Internacional

Internamente não são poucos os focos de resistência,
ao argumento de que a Administração Pública...
Arbitragem Internacional

Felizmente, foi a emenda rejeitada, visto que acolhida proposta
do Senador Romeu Tuma – PFL/SP, ...
DÚVIDAS?
DÚVIDAS?
Indicação de estudo para a próxima aula

Nacionalidade,
naturalização

cidadania

Mar
territorial
e
Internacional Privado
...
amento
h
ara o fic
p
mentos
Ele
unto
ra o ass
ada pa
aula;
picos da
gica utiliz
1)Tó
etodoló
dagem m pessoal;
2)Abor
ção
e...
Maiores
Informações...

[66] 8109-3333

marcos@relvas.com.br

www.relvas.com.br
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Direito das Relações Internacionais - Indenização no Direito Internacional, extradição e testamento no direito internacional

1.276 visualizações

Publicada em

Apontamentos para a aula de Indenização pelo Estado no campo do Direito Internacional, Extradição, Testamento privado no campo do Direito Internacional.

www.relvas.com.br

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.276
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
116
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Direito das Relações Internacionais - Indenização no Direito Internacional, extradição e testamento no direito internacional

  1. 1. Direito das Relações Internacionais Prof. Msc. Marcos Relvas
  2. 2. do Dia a Agend
  3. 3. Crimes virtuais e a ordem internacional "Atos dirigidos contra um sistema de informática, tendo como subespécies atos contra o computador e atos contra os dados ou programas de computador. Atos cometidos por intermédio de um sistema de informática e dentro deles incluídos infrações contra o patrimônio; as infrações contra a liberdade individual e as infrações contra a propriedade imaterial.” (FERREIRA, Ivette Senise. Direito & Internet: Aspectos Jurídicos Relevantes. 2 ed. São Paulo: Quartier Latin , 2005, p.261)
  4. 4. Crimes virtuais e a ordem internacional CRIMES VIRTUAIS PRÓPRIOS Os crimes virtuais próprios são aqueles em que o sujeito se utiliza necessariamente do computador o sistema informático do sujeito passivo, no qual o computador como sistema tecnológico é usado como objeto e meio para execução do crime nessa categoria de crimes está não só a invasão de dados não autorizados mais toda a interferência em dados informatizados como, por exemplo, invasão de dados armazenados em computador seja no intuito de modificar, alterar, inserir dados falsos, ou seja, que atinjam diretamente o software ou hardware do computador e só podem ser concretizados pelo comutador ou contra ele e seus periféricos, para alguns doutrinadores como Marco Túlio Viana trata esse tipo de conduta como próprios: “São aqueles em que o bem jurídico protegido pela norma penal é a inviolabilidade das informações automatizadas (dados).”(Fundamentos de direito penal informático. Do acesso não autorizado a sistemas computacionais. Rio de Janeiro: Forense, 2003, p. 13-26) Nesse raciocínio se posiciona DAMÁSIO DE JESUS: “Crimes eletrônicos puros ou próprios são aqueles que sejam praticados por computador e se realizem ou se consumem também em meio eletrônico. Neles, a informática (segurança dos sistemas, titularidade das informações e integridade dos dados, da máquina e periféricos) é o objeto jurídico tutelado”.
  5. 5. Crimes virtuais e a ordem internacional CRIMES VIRTUAIS IMPRÓPRIOS Os crimes virtuais denominados impróprios são aqueles realizados com a utilização do computador, ou seja, por meio da máquina que é utilizada como instrumento para realização de condutas ilícitas que atinge todo o bem jurídico já tutelado, crimes, portanto que já tipificados que são realizados agora com a utilização do computador e da rede utilizando o sistema de informática seus componentes como mais um meio para realização do crime, e se difere quanto a não essencialidade do computador para concretização do ato ilícito que pode se dar de outras formas e não necessariamente pela informática para chegar ao fim desejado como no caso de crimes como: pedofilia. Assim corrobora DAMÁSIO: “....Já os crimes eletrônicos impuros ou impróprios são aqueles em que o agente se vale do computador como meio para produzir resultado naturalístico, que ofenda o mundo físico ou o espaço "real", ameaçando ou lesando outros bens, não-computacionais ou diversos da informática”. Essas classificações são eficazes didaticamente para se entender e classificar alguns crimes, mas por conta da rapidez na evolução e dinâmica da rede de computadores e internet fica quase impossível acompanhar e afirmar categoricamente que não há modalidades que não estejam elencadas nas classificações adotadas.
  6. 6. Crimes virtuais e a ordem internacional Uma nova organização internacional, denominada Aliança Internacional de Proteção à Cibersegurança (International Cyber Security Protection Alliance, ICSPA), reune governos, empresas multinacionais e escritórios da polícia para combater crimes online globais. “O objetivo da ICSPA é melhorar a capacidade internacional de aplicação da lei e a capacidade para ajudar a proteger os negócios e seus clientes contra esta ameaça sem precedentes”, declarou. O secretário de Estado britânico James Brokenshire destacou que, mesmo que a internet proporcione grandes oportunidades a pessoas e empresários, também permite que os delinquentes atuem além das fronteiras nacionais. “O crime cibernético é um problema verdadeiramente global e para erradicá-lo necessitamos de uma associação sólida entre países e entre setores públicos e privados”
  7. 7. Crimes virtuais e a ordem internacional Carl Segan: Nós criamos uma civilização global em que elementos cruciais - como as comunicações, o comércio, a educação e até a instituição democrática do voto dependem profundamente da ciência e da tecnologia. Também criamos uma ordem em que quase ninguém compreende a ciência e a tecnologia. É uma receita para o desastre. Podemos escapar ilesos por algum tempo, porém, mais cedo ou mais tarde, essa mistura inflamável de ignorância e poder vai explodir na nossa cara .
  8. 8. Propriedade intelectual Surgimento da propriedade intelectual O direito de propriedade intelectual nasce no século XIX, após a Revolução Industrial, permitindo às indústrias controlar tanto sua produção, através das patentes, quanto sua distribuição, através das marcas. Neste momento histórico não havia ainda um sistema internacional regulando o direito de propriedade industrial. Os países, individualmente, regulavam de forma rudimentar, através de sua legislação interna, como se dava o regime de propriedade intelectual, o que permitia uma aplicação industrial patenteada em um país ser apropriada por outro sem que isso fosse considerado um ilícito.
  9. 9. Propriedade Intelectual Internacionalização da proteção à propriedade intelectual As primeiras tentativas de internacionalizar a proteção à propriedade intelectual, criando um sistema internacional de propriedade intelectual se deram e 1883 e 1886, com a Convenção de Paris pela Proteção da Propriedade Industrial (CUP) e a Convenção de Berna pela Proteção do Trabalho Artístico e Literário (CUB), respectivamente. Em 1893 a CUP e a CUB unificaram seus escritórios dando origem ao BIRPI (Bureaux Internationaux Réunis pour la Protection de la Propriété Intellectuelle, acrônimo francês que significa Escritório Internacional Unificado pela Proteção da Propriedade Intelectual), que teria a função de administrar ambos os acordos.
  10. 10. Propriedade Intelectual Criação da OMPI Após a Segunda Guerra Mundial, as discussões de caráter internacional passaram a se dar no âmbito da ONU, que, criou, em 1967, na Convenção de Estocolmo, a Organização Mundial da Propriedade Intelectual (OMPI). A Convenção de Estocolmo estabeleceu os objetivos da OMPI e harmonizou os direitos de propriedade intelectual. A partir deste momento o BIRPI tornouse a Secretaria Internacional da OMPI. Desse modo, OMPI foi formalmente criada a partir da assinatura da Convenção para o Estabelecimento da Organização Mundial da Propriedade Intelectual, [2] assinada em 14 de julho de 1967.
  11. 11. Arbitragem Internacional Na esfera do Direito Internacional a atuação da arbitragem data de longos séculos. Hoje vem ela tomando corpo, por oferecer inúmeras vantagens sobre a jurisdição estatal.
  12. 12. Arbitragem internacional Elementos fundamentais do DRI Arbitragem É a arbitragem uma solução de conflito rápida e especializadíssima, pois os árbitros têm formação técnica profunda em sua área de atuação. Ademais, é a arbitragem atividade sigilosa, absolutamente imparcial, ostentando ainda neutralidade ideológica e baixos custos a médio prazo.
  13. 13. Arbitragem Internacional Nos últimos anos, a arbitragem adquiriu inigualável prestígio fora do Continente Europeu e da América do Norte, onde já estava consolidada desde o início do Século XX. A mais antiga e famosa Corte de Arbitragem, com uma formidável competência geográfica e material, está em Paris. Trata-se da Corte Internacional de Arbitragem, datada de 1923, um dos braços da Câmara de Comércio Internacional – CCI, esta de 1919.
  14. 14. Arbitragem Internacional Não se pode ainda deixar de falar da American Arbitration Association – AAA. Para se ter idéia da grandeza desta Corte, conta ela com cerca de 57.000 (cinqüenta e sete mil) árbitros, espalhados por 35 (trinta e cinco) sedes nos diversos Estados da América.
  15. 15. Arbitragem Internacional No Brasil, a arbitragem estava prevista desde a Constituição Federal de 1824, mas não tínhamos tradição na utilização da Justiça Arbitral, ficando a previsão constitucional, que se repetiu em outras Cartas, como letra morta.
  16. 16. Arbitragem Internacional Contudo, com a complexidade das atividades do Estado-Juiz e da burocratização do Judiciário, voltouse a pensar na utilização da arbitragem, concretizando o legislador a sua aplicação na Lei 9.307, de 23/09/96. O diploma, é bem verdade, foi discutido por cinco anos no Supremo Tribunal Federal, que completou o julgamento sem atingi-lo com a pecha de inconstitucionalidade em qualquer das disposições.
  17. 17. Arbitragem Internacional Nesses últimos anos multiplicaram-se no Brasil as cortes arbitrais e, na atualidade, não se tem dúvida de que, ao lado da mediação e dos juizados especiais, é a arbitragem a solução alternativa de conflito por excelência. O insucesso anterior da arbitragem no Brasil deveu-se principalmente à exigência de submeter a sentença ou laudo arbitral à homologação judicial o que, na prática, levava a dois rocedimentos, um arbitral e outro judicial.
  18. 18. Arbitragem Internacional Na atual performance da Lei 9.307/96 dispensa-se a homologação do laudo arbitral, para só exigir-se o exequatur, pelo Supremo Tribunal Federal, para as sentenças arbitrais proferidas fora do território nacional, como está explicitado no seu artigo 35. Mas foram os artigos 6º e 7º do novo diploma legal que levaram a Corte Suprema a debruçar-se sobre as determinações ali contidas, que tornam cogente a cláusula compromissória.
  19. 19. Arbitragem Internacional Pensou-se, em princípio, que a dispensa da jurisdição formal vulnerava o inciso XXXVI do artigo 5º da CF/88, que assegura a todos o direito de recorrer à Justiça. O entendimento do Supremo direcionou-se no sentido de não ver nas normas examinadas renúncia à tutela judicial. Expressam elas a consagração à liberdade de contratar livremente, garantida constitucionalmente aos cidadãos.
  20. 20. Arbitragem Internacional Com efeito, o fundamento maior da arbitragem está no prestígio que se dá à tendência crescente das modernas democracias, no sentido de fortalecer o princípio da liberdade e da vontade dos cidadãos. Definida a arbitragem como a técnica que visa solucionar controvérsias ou interesses, por uma ou mais pessoas que têm poderes oriundos de acordo de vontade, fica claro tratar-se de uma forma de pacificação social, sem a intermediação do EstadoJuiz.
  21. 21. Arbitragem Internacional A definição serve para a arbitragem interna e internacional, porquanto a diferença entre uma e outra reside no fato de buscar-se a solução de interesses inseridos em contratos nacionais ou internacionais. Trata-se de critério objetivo, identificado pela natureza do litígio e pela natureza dos interesses da parte contratante − comércio internacional. Esse é, aliás, o critério adotado pela Câmara de Comércio Internacional, entidade que abriga um dos mais importantes tribunais de arbitragem, a Corte Internacional de Arbitragem.
  22. 22. Arbitragem Internacional A arbitragem pode ser ajustada pelas partes através de metodologia própria, criada e adotada de acordo com as suas necessidades − procedimento ad hoc ou avulso −, ou submetida a regras preestabelecidas por uma organização privada que a administrará − arbitragem institucional AVULSA ou AD HOC (quando as regras são estabelecidas pelas partes) e INSTITUCIONAL (regras estabelecidas por uma entidade especializada em arbitramento). .
  23. 23. Arbitragem Internacional Em 21 de junho de 1985 foi criado pela United Nations Comission for Internacional Trade Law (Comissão das Nações Unidas para a Legislação Comercial Internacional), um conjunto de regras de arbitragem, Uncitral, composto de 41 artigos que regulamentam os procedimentos, desde a notificação das partes até a sentença. Além desse conjunto de regras, outros tribunais também adotam regras procedimentais sobre arbitramento, porém não diferem elas muito umas das outras.
  24. 24. Arbitragem Internacional É importante esclarecer que a entidade que administra a arbitragem não a realiza, porque esta competirá aos árbitros escolhidos pelos clientes na listagem oferecida. Destacam-se como os melhores, dentre os inúmeros tribunais de arbitragem no plano internacional, não só pela credibilidade, como também pela abrangência territorial e material:
  25. 25. Arbitragem Internacional 1) a Corte Internacional de Arbitragem que data de 1923, com sede em Paris, mas funcionando em trinta países diferentes e abrigada na Câmara de Comércio Internacional, a famosa CCI; 2) a American Arbitration Association – AAA, o gigante americano que congrega 57.000 árbitros espalhados por todos os Estados Unidos. Esta entidade é de natureza privada, sem fins lucrativos, e especializou-se em arbitragens laborais e no campo da responsabilidade civil. Na área internacional dedica-se às lides comerciais; 3) a London Court of Arbitration; 4) a Câmara de Comércio de Estocolmo; 5) a Câmara de Comércio de Tóquio; e 6) o Tribunal Arbitral da Bolsa de Comércio de Buenos Aires, dentre muitos outros.
  26. 26. Arbitragem Internacional O Brasil retardou a implantação de uma justiça arbitral efetiva por ausência de uma legislação adequada, redimida pela Lei 9.307/96 que sofreu a repercussão, provocada pela ação direta de inconstitucionalidade e deixou sérias desconfianças no País. Contudo, pode-se afirmar que explodiu no mercado o surgimento de entidades que, em pouco tempo, multiplicaram-se. A primeira delas foi a Comissão de Arbitragem da Câmara de Comércio Brasil – Canadá, criada na cidade de São Paulo em 1978, para arbitragens internas e internacionais.
  27. 27. Arbitragem Internacional Não se pode esquecer a chamada Corte Permanente de Arbitragem. Na verdade, não se trata de uma Corte, pois se constitui de um conjunto de pessoas qualificadas para funcionarem como árbitros, que dispõem de uma secretaria na cidade de Haia e utilizam-se de um processo sumário de arbitragem na solução dos litígios de pequena monta.
  28. 28. Arbitragem Internacional Em matéria de arbitragem internacional é importante saber qual a legislação a ser aplicada, cujas opções estão bem postas na Lei Modelo da Uncitral de 1985 na seguinte gradação: - seguem-se as regras indicadas pelas partes; - na falta de indicação o Tribunal aplicará a lei designada pela regra de conflito indicada à espécie; e, ainda, - o Tribunal decidirá livremente se assim estiver previsto pelas partes.
  29. 29. Arbitragem Internacional Uma tendência de maior liberalidade é notada em relação aos processo nos países da common law na medida em que os de países da civil law tendem a exigir um procedimento bem mais formal, quase como um procedimento judicial, como a Corte Permanente de Arbitragem em Haia que, em 1981, abalizou-se para dirimir pendência ente o Irã e os Estados Unidos da América, quando foi adotado francamente o Direito transnacional. Pode-se afirmar que ela é hoje uma Corte especializada para arbitragens entre estados, suas empresas e sociedades comerciais, tendo sido traçadas regras próprias para a arbitragem e a conciliação em contratos com a presença de ente estatal.
  30. 30. Arbitragem Internacional Internamente não são poucos os focos de resistência, ao argumento de que a Administração Pública não pode optar pela arbitragem, pois, se assim o fizer, estará negociando bens públicos. Ora, não procede a crítica, porque também trataria de negociação quando os órgãos públicos vão à Justiça. A resistência materializou-se em emenda à PEC 29, que trata da Reforma do Judiciário, propondo vedação expressa à utilização da arbitragem pelos órgãos públicos.
  31. 31. Arbitragem Internacional Felizmente, foi a emenda rejeitada, visto que acolhida proposta do Senador Romeu Tuma – PFL/SP, derrubando a proibição imposta às entidades de Direto Público de recorrer à arbitragem, incluída pelo governo no projeto da PPP – Parceria PúblicoPrivada. A vitória é do Executivo e dos empresários, pois teriam eles de abandonar esse rápido mecanismo de solução de conflito caso a proibição fosse mantida, na contramão da tendência do Direito moderno. É o árbitro, pois, pela lei, juiz de fato e de direito e mais uma vez o legislador brasileiro afirma a vontade de não abrir mão desse meio de solução de conflito.
  32. 32. DÚVIDAS? DÚVIDAS?
  33. 33. Indicação de estudo para a próxima aula Nacionalidade, naturalização cidadania Mar territorial e Internacional Privado e Direito 1) Manual de direito internacional público. Andrade, Agenor Pereira de, Sugestões Literárias, 1990 2) Direito internacional público, Silva, Roberto Luiz, Inedita, 2000 3) Introdução ao direito internacional, Jo, Hee Moon, LTR, , 2004 4) Elementos de direito internacional público, Baccelar Filho, Romeu Felipe, Manole, 2003 5) Direito Internacional Público. Resek, Francisco, Saraiva 6 Novos paradigmas em direito internacional público, Diniz, Arthur J. Almeida, Sérgio Antonio Fabris Editor, 1995 1) Constituição e tratados internacionais, Dallari, Pedro B. A., Saraiva, 2003 2) Direitos humanos, dignidade e erradicação de pobreza, Alvarenga, Lucia Barros Freitas, Brasília Jurídica, 1998 3) Introdução ao direito internacional, Jo, Hee Moon, LTR, 2004
  34. 34. amento h ara o fic p mentos Ele unto ra o ass ada pa aula; picos da gica utiliz 1)Tó etodoló dagem m pessoal; 2)Abor ção emas; as em participa ásica sobre os t e sua s expost soal; ridade uação b particula ionamento pes )Conceit 3 vista ou ic es dos ontos de emas e seu pos 4)P relevant re os t pectos sala sob sobre as amento utores; Posicion 5) enos 2 a os temas. pelo m emas de al sobre t o pesso sã 6)Conclu
  35. 35. Maiores Informações... [66] 8109-3333 marcos@relvas.com.br www.relvas.com.br

×