SlideShare uma empresa Scribd logo
QUÍMICA - 1° Ano
Processos de separação de misturas
Ciências da Natureza
Ensino Fundamental – 9º Ano
PROCESSOS DE SEPARAÇÃO DE MISTURAS
ETI PADRE JOSIMO TAVARES
PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS
QUÍMICA - 1° Ano
Processos de separação de misturas
Conceitos iniciais
• Na natureza, raramente
encontramos substâncias
puras. Em função disso, é
necessário usarmos métodos
de separação para obtermos
determinada substância.
• Na separação dos
componentes de uma mistura
(obtenção separada de cada
uma das substâncias puras
que deram origem à mistura)
usa-se um conjunto de
processos físicos.
• Esses processos não alteram a
composição das substâncias
que formam a mistura.
• Nem sempre apenas um
método de separação é
suficiente para separar todos
os componentes de uma
mistura (1).
SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.
QUÍMICA - 1° Ano
Processos de separação de misturas
Conceitos iniciais
• A escolha dos melhores
métodos para a separação de
misturas exige um
conhecimento anterior de
algumas das propriedades das
substâncias presentes.
• Assim, se tivermos uma
mistura de açúcar com areia, é
útil sabermos que o açúcar se
dissolve na água, enquanto a
areia não.
• Muitas vezes, dependendo da
complexidade da mistura, será
necessário usar vários
processos diferentes em uma
sequência baseada nas
propriedades das substâncias
presentes na mistura (2).
Imagem:HolgerCasselmann/Creative
CommonsAttribution-ShareAlike3.0
Unported,2.5Generic,2.0Genericand1.0
Generic.
SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.
QUÍMICA - 1° Ano
Processos de separação de misturas
Conceitos iniciais
• Alguns dos métodos de
separação são tão comuns que
nem pensamos neles como
processos de separação.
• Alguns exemplos:
– Escolha dos grãos de feijão
para uma feijoada do
domingo (catação);
– Remoção da casca do
amendoim torrado por sopro
(ventilação);
– Separação das moedas em
função de seus tamanhos nas
máquinas dos bancos
(tamisação/peneiração).
• Vamos estudar agora alguns
desses principais processos de
separação (3).
Imagem:Rodrigo.Argentonb
/CreativeCommons-
Atribuição-Partilhanos
MesmosTermos3.0Não
Adaptada.
Imagem:Thamizhpparithi
Maari/Creative
CommonsAttribution-
ShareAlike3.0Unported.
SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.
QUÍMICA - 1° Ano
Processos de separação de misturas
Métodos de separação de misturas heterogêneas
• SÓLIDO – SÓLIDO:
– Catação
– Ventilação
– Levigação
– Separação magnética
– Cristalização fracionada
– Dissolução fracionada
– Peneiração
– Fusão fracionada
– Sublimação
• SÓLIDO – LÍQUIDO:
– Decantação
– Centrifugação
– Filtração simples
– Filtração à vácuo
• LÍQUIDO – LÍQUIDO:
– Decantação
• GÁS – SÓLIDO:
– Decantação
– Filtração
Imagem:(a)BeatriceMurch/CreativeCommonsAttribution2.0Generic,(b)VictorBlacus/Creative
CommonsAttribution-ShareAlike3.0Unported,2.5Generic,2.0Genericand1.0Generice(c)Victor
Blacus/CreativeCommonsAttribution-ShareAlike3.0Unported,2.5Generic,2.0Genericand1.0
Generic.
SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.
QUÍMICA - 1° Ano
Processos de separação de misturas
Métodos de separação de misturas homogêneas
• SÓLIDO – LÍQUIDO:
– Evaporação
– Destilação simples
• LÍQUIDO – LÍQUIDO:
– Destilação fracionada
• GÁS – GÁS:
– Liquefação fracionada
Imagem:Shrout,Bill,Photographer/PublicDomain.
SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.
QUÍMICA - 1° Ano
Processos de separação de misturas
Catação
• É um método de separação
bastante rudimentar, usado
para separação de sistemas
sólido-sólido.
• Baseia-se na identificação
visual dos componentes da
mistura e na separação
manual ou com o auxílio de
uma pinça.
• É o método usado na
limpeza do feijão antes do
cozimento (4).
Imagem: David Monniaux / GNU Free Documentation License.
SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.
QUÍMICA - 1° Ano
Processos de separação de misturas
Tamisação (peneiração)
• Usada para separar sólidos
constituintes de partículas
de dimensões diferentes
através de peneiras.
• Industrialmente, usam-se
conjuntos de peneiras
superpostas que separam
as diferentes granulações.
Imagem: U.S. Air Force photo / Tech. Sgt. Shane A. Cuomo / Public Domain.
SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.
QUÍMICA - 1° Ano
Processos de separação de misturas
Ventilação
• Método de separação para
sistemas sólido-sólido, no
qual o sólido menos denso
é arrastado por uma
corrente de ar.
• Um bom exemplo é a
separação das cascas de
grãos de arroz, amendoim
torrado, etc. (5)
Imagem:Miansari66/PublicDomain.Imagem:Peanut/
Benedikt.Seidl/Public
Domain.
SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.
QUÍMICA - 1° Ano
Processos de separação de misturas
Levigação
• A água corrente arrasta o
componente menos denso
e o mais denso deposita-se
no fundo do recipiente.
• É usada, por exemplo, para
separar areia e ouro: a areia
é menos densa e, por isso, é
arrastada pela água
corrente; o ouro, por ser
mais denso, permanece no
fundo da bateia (6).
Imagem:TheEvil
Spartanaten.wikipedia/Public
Domain.
Imagem:Unorpailleurà
Madagascar/Lebelot/Creative
CommonsAttribution-Share
Alike3.0Unported,2.5
Generic,2.0Genericand1.0
GenericLicense.
SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.
QUÍMICA - 1° Ano
Processos de separação de misturas
Decantação
• Permite a separação de
líquidos imiscíveis (que não se
misturam) ou de um sólido
precipitado num líquido.
• A fase mais densa deposita-se
no fundo do recipiente.
• Pode ser feita de duas formas:
– Verte-se lentamente a
mistura em outro frasco;
– Com o auxílio de um sifão,
transfere-se a fase menos
densa para outro frasco
(sifonação) (7).
Imagem:PRHaney/CreativeCommonsAttribution-ShareAlike3.0Unported.
SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.
QUÍMICA - 1° Ano
Processos de separação de misturas
Decantação
• No laboratório, para misturas de líquidos
imiscíveis, usa-se o funil de bromo, também
conhecido como funil de decantação ou
funil de separação).
• Num sistema formado por água e óleo, por
exemplo, a água, por ser mais densa,
localiza-se na parte inferior do funil e é
escoada abrindo-se a torneira de modo
controlado.
• Pode-se ainda usar-se do princípio da
decantação para a separação de misturas
sólido-gás.
• A mistura sólido-gás atravessa um sistema
em ziguezague. O pó, por ser mais denso,
deposita-se durante o trajeto (8).
Imagem: Thomasione / Public Domain
Funil de separação
Imagem: Nickele/GNU Free Documentation License
SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.
QUÍMICA - 1° Ano
Processos de separação de misturas
Filtração
• É um método de separação muito
presente no laboratório químico
e também no cotidiano.
• É usado para separar um sólido
de um líquido ou sólido de um
gás, mesmo que o sólido se
apresente em suspensão.
• A mistura atravessa um filtro
poroso, onde o material
particulado fica retido.
• A preparação do café, o uso de o
aspirador de pó são exemplos de
filtração (9).
Imagem: Elke Wetzig / GNU Free
Documentation License.
Imagem: Julius Schorzman / Creative
Commons Attribution-Share Alike 2.0 Generic.
SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.
QUÍMICA - 1° Ano
Processos de separação de misturas
Evaporação
• Método de separação de
misturas sólido-líquido por
evaporação do solvente,
também conhecido como
cristalização.
• Em recipiente aberto,
simplesmente, permite-se
que o solvente evapore,
deixando-se o sólido.
• Nas salinas, o sal é obtido a
partir da água do mar
através desse processo (10).
Imagem: Batz sur Mer, Marais Saltants /
Harrieta171 / GNU Free Documentation License.
Imagem:Vidralta / GNU Free Documentation License.
SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.
QUÍMICA - 1° Ano
Processos de separação de misturas
Centrifugação • Usado para separação de
mistura de sólidos e
líquidos quando a
dimensão das partículas
sólidas é tão pequenas
que provoca obstrução
dos poros do filtro e faz
com que sejam retidas
pelo líquido.
• Tubos de ensaio contendo
a mistura são colocados
em uma centrífuga, que
os faz girar em posição
quase horizontal à grande
velocidade, aumentando
assim a rapidez de
depósito do sólido no
fundo do tubo.
Imagem: IUTABB / Free Art License. (Tradução Nossa).
Estado Inicial Estado Final
Centrifugação
Líquido Portador
Líquido Flutuante
Base
Constituinte (líquido ou
sólido)
Esquema do Princípio da Centrifugação
SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.
QUÍMICA - 1° Ano
Processos de separação de misturas
Sublimação
• Usado quando apenas um dos sólidos
sublima (passa para o estado gasoso)
quando aquecido.
• São substâncias que podem ser
separadas por sublimação: iodo,
enxofre e naftaleno (naftalina).
• Mais recentemente, tal propriedade
passou a ser usada na impressão de
camisetas.
• Com uma impressora especial é
preparado um desenho em uma folha
de papel e, através de uma prensa
térmica, a tinta sublima e se transfere
para o tecido.
• Tem a vantagem de não desbotar,
mantendo a tonalidade original (11).
Imagem:Nevit/Creative
Commons-Atribuição-Partilhanos
MesmosTermos3.0NãoAdaptada.
Imagem:Spidermancrd/PublicDomain.
SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.
QUÍMICA - 1° Ano
Processos de separação de misturas
Destilação Simples • Método usado quando se
deseja separar a substância
sólida dissolvida do
solvente e não se deseja
perder este último (como
ocorre no processo de
evaporação).
• Desta forma, o solvente é
resfriado (condensado),
sendo recolhido em outro
frasco.
• Aquece-se a mistura até
atingir o ponto de ebulição
do solvente.
• Não existe necessidade de
controle de temperatura,
pois o ponto de ebulição do
sólido é muito mais elevado
que o do solvente (12).
Imagem: U.m / Public Domain.
SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.
QUÍMICA - 1° Ano
Processos de separação de misturas
Destilação Fracionada
• Método usado para separação de
mistura de líquidos.
• Quanto mais distantes os pontos
de ebulição dos componentes,
mais eficiente será o processo de
destilação.
• A aparelhagem usada é a mesma
de uma destilação simples, com o
acréscimo de uma coluna de
fracionamento, destilação ou
retificação.
• A separação ocorre na ordem
crescente dos pontos de ebulição
(PE).
Imagem: U.m / Public Domain.
SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.
QUÍMICA - 1° Ano
Processos de separação de misturas
Destilação Fracionada
• Esse processo é muito
usado, principalmente em
indústrias petroquímicas,
para separação dos
diferentes derivados do
petróleo.
• Neste caso, as colunas de
fracionamento são divididas
em bandejas ou pratos.
• Esse processo também é
muito usado no processo de
obtenção de bebidas
alcoólicas (alambique) (13).Imagem: Psarianos, Theresa knott/ GNU Free
Documentation License. (Tradução Nossa).
Petróleo
Bruto
Gás (Butano e
Propano)
Essência Leve
(nafta)
Essência Pesada
(grande)
Querosene
Combustível Diesel
Óleo para
aquecimento
Forno de
Destilação
Óleo
Pesado
SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.
QUÍMICA - 1° Ano
Processos de separação de misturas
Separação Magnética
• Também chamado de
Imantação, nesse método de
separação, um dos sólidos é
atraído por um ímã.
• Esse processo é usado em larga
escala para separar alguns
minérios de ferro de suas
impurezas, como, por exemplo,
separar do lixo objetos de metal
que serão reciclados.
• Outro exemplo simples é a
separação de linha e agulha
através de um imã (14).
Imagem: Oguraclutch/ GNU Free Documentation License.
Imagem: Palmer, Alfred T. / Public Domain.
SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.
QUÍMICA - 1° Ano
Processos de separação de misturas
Dissolução Fracionada
• Também é conhecido como extração por solvente, é usada quando
apenas um dos componentes apresenta solubilidade num dado
solvente.
• A mistura areia + sal é um bom exemplo de aplicação para este
método.
• Adicionando-se água, obtém-se a solubilização do sal.
• Após uma filtração, a areia é separada, bastando realizar uma
destilação simples ou evaporação para se separar o sal da água
(15).
sal + areia
Adição
de água Filtração Vaporização
areia
água + sal
sal
SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.
QUÍMICA - 1° Ano
Processos de separação de misturas
Exercícios
1. Uma maneira rápida e correta de
separar uma mistura com ferro,
sal de cozinha e areia é, na
sequência:
a) Filtrar, aproximar um imã,
adicionar água e destilar.
b) Adicionar água e destilar.
c) Aproximar um imã, adicionar
água, filtrar e destilar.
d) Destilar, adicionar água,
aproximar um imã.
e) Impossível de separá-la.
Imagem: (a)Thorsten Hartmann / GNU Free Documentation License, (b) Jlahorn / Creative Commons
Attribution-Share Alike 3.0 Unported e (c) Miansari66 / Public Domain.
SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.
QUÍMICA - 1° Ano
Processos de separação de misturas
Exercícios
2. Associe as atividades diárias
contidas na primeira coluna com
as operações básicas de
laboratório e fenômenos
contidos na segunda coluna.
Os números da segunda coluna,
lidos de cima para baixo, são:
a) 3, 2, 5, 4, 1
b) 1, 3, 4, 5, 2
c) 4, 3, 2, 1, 5
d) 3, 2, 4, 5, 1
e) 4, 1, 5, 3, 2
(1) Preparar um refresco de cajá a
partir do suco concentrado.
(2) Adoçar o leite.
(3) Preparar chá de canela.
(4) Usar naftalina na gaveta.
(5) Coar a nata do leite.
( ) sublimação
( ) diluição
( ) filtração
( ) extração
( ) dissolução
4
1
5
3
2
Imagem:AgriculturalResearchService/PublicDomain.
SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.
QUÍMICA - 1° Ano
Processos de separação de misturas
Exercícios
4. Têm-se os seguintes sistemas:
I. areia e água
II. álcool (etanol) e água
III. sal de cozinha (NaCl)
dissolvido em água.
Cada um desses sistemas foi
submetido a uma filtração em
funil com papel e, em seguida, o
líquido resultante (filtrado) foi
aquecido até sua total
evaporação. Pergunta-se:
a) Qual sistema deixou um resíduo
sólido no papel após a filtração? O
que era esse resíduo?
b) Em qual caso apareceu um
resíduo sólido após a evaporação do
líquido? O que era esse resíduo?
a) Sistema I
A areia seria o resíduo sólido que
seria retido pelo papel de filtro.
b) Sistema III
Após a evaporação da água,
restaria apenas o NaCl no fundo
de recipiente.
Imagem: Rob Lavinsky,Rocks.com / Creative Commons
Attribution-Share Alike 3.0 Unported
Pedra de sal cristalizado
SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.
QUÍMICA - 1° Ano
Processos de separação de misturas
Até a próxima aula!
SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Revisão prova 4ª etapa 6º ano
Revisão prova 4ª etapa 6º anoRevisão prova 4ª etapa 6º ano
Revisão prova 4ª etapa 6º ano
Márcia Dutra
 
AorigemdaTerra
AorigemdaTerraAorigemdaTerra
AorigemdaTerra
tia90nunes
 
Gabarito da lista de exercícios 2º bimestre 7º ano
Gabarito da lista de exercícios 2º bimestre   7º anoGabarito da lista de exercícios 2º bimestre   7º ano
Gabarito da lista de exercícios 2º bimestre 7º ano
Leonardo Kaplan
 
CaÇa palavras 31
CaÇa palavras 31CaÇa palavras 31
CaÇa palavras 31
Vinicius O Resiliente
 
Origem da vida
Origem da vidaOrigem da vida
Origem da vida
Andrea Barreto
 
Fotossintese
FotossinteseFotossintese
Fotossintese
daniel souza
 
Atividade reino das plantas
Atividade reino das plantasAtividade reino das plantas
Atividade reino das plantas
kelymota
 
A origem do universo
A origem do universoA origem do universo
A origem do universo
Maria Teresa Iannaco Grego
 
Atividades aquecimento global e efeito estufa
Atividades aquecimento global e efeito estufaAtividades aquecimento global e efeito estufa
Atividades aquecimento global e efeito estufa
Atividades Diversas Cláudia
 
Superficie e centro da terra 6 ano
Superficie e centro da terra 6 anoSuperficie e centro da terra 6 ano
Superficie e centro da terra 6 ano
UFMS
 
Lista de Execícios - Solo 2
Lista de Execícios - Solo 2Lista de Execícios - Solo 2
Lista de Execícios - Solo 2
Andrea Barreto
 
Aula 1 - CFQ - 7º ano
Aula 1 - CFQ - 7º anoAula 1 - CFQ - 7º ano
Aula 1 - CFQ - 7º ano
André Ferreira Freitas
 
Fontes alternativas de energia.
Fontes alternativas de energia.Fontes alternativas de energia.
Fontes alternativas de energia.
Mary Alvarenga
 
AVALIAÇÃO DE CIÊNCIAS: 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 - II CICLO
AVALIAÇÃO DE CIÊNCIAS: 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 - II CICLOAVALIAÇÃO DE CIÊNCIAS: 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 - II CICLO
AVALIAÇÃO DE CIÊNCIAS: 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 - II CICLO
Secretaria de Estado de Educação e Qualidade do Ensino
 
Exercícios de química - 9º ano
Exercícios de química - 9º anoExercícios de química - 9º ano
Exercícios de química - 9º ano
V
 
TIPOS DE ROCHAS
 TIPOS DE ROCHAS TIPOS DE ROCHAS
TIPOS DE ROCHAS
Andrea Lemos
 
Astronomia 3 - SISTEMA SOLAR E SUA FORMAÇÃO
Astronomia 3 - SISTEMA SOLAR E SUA FORMAÇÃOAstronomia 3 - SISTEMA SOLAR E SUA FORMAÇÃO
Astronomia 3 - SISTEMA SOLAR E SUA FORMAÇÃO
Nuricel Aguilera
 
Exercicios do eja 1
Exercicios do eja 1Exercicios do eja 1
Exercicios do eja 1
Jonacir Novaes
 
Exercícios tipos de reprodução
Exercícios tipos de reproduçãoExercícios tipos de reprodução
Exercícios tipos de reprodução
Alexandre Pusaudse
 
Notação Científica
Notação CientíficaNotação Científica
Notação Científica
eufisica
 

Mais procurados (20)

Revisão prova 4ª etapa 6º ano
Revisão prova 4ª etapa 6º anoRevisão prova 4ª etapa 6º ano
Revisão prova 4ª etapa 6º ano
 
AorigemdaTerra
AorigemdaTerraAorigemdaTerra
AorigemdaTerra
 
Gabarito da lista de exercícios 2º bimestre 7º ano
Gabarito da lista de exercícios 2º bimestre   7º anoGabarito da lista de exercícios 2º bimestre   7º ano
Gabarito da lista de exercícios 2º bimestre 7º ano
 
CaÇa palavras 31
CaÇa palavras 31CaÇa palavras 31
CaÇa palavras 31
 
Origem da vida
Origem da vidaOrigem da vida
Origem da vida
 
Fotossintese
FotossinteseFotossintese
Fotossintese
 
Atividade reino das plantas
Atividade reino das plantasAtividade reino das plantas
Atividade reino das plantas
 
A origem do universo
A origem do universoA origem do universo
A origem do universo
 
Atividades aquecimento global e efeito estufa
Atividades aquecimento global e efeito estufaAtividades aquecimento global e efeito estufa
Atividades aquecimento global e efeito estufa
 
Superficie e centro da terra 6 ano
Superficie e centro da terra 6 anoSuperficie e centro da terra 6 ano
Superficie e centro da terra 6 ano
 
Lista de Execícios - Solo 2
Lista de Execícios - Solo 2Lista de Execícios - Solo 2
Lista de Execícios - Solo 2
 
Aula 1 - CFQ - 7º ano
Aula 1 - CFQ - 7º anoAula 1 - CFQ - 7º ano
Aula 1 - CFQ - 7º ano
 
Fontes alternativas de energia.
Fontes alternativas de energia.Fontes alternativas de energia.
Fontes alternativas de energia.
 
AVALIAÇÃO DE CIÊNCIAS: 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 - II CICLO
AVALIAÇÃO DE CIÊNCIAS: 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 - II CICLOAVALIAÇÃO DE CIÊNCIAS: 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 - II CICLO
AVALIAÇÃO DE CIÊNCIAS: 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 - II CICLO
 
Exercícios de química - 9º ano
Exercícios de química - 9º anoExercícios de química - 9º ano
Exercícios de química - 9º ano
 
TIPOS DE ROCHAS
 TIPOS DE ROCHAS TIPOS DE ROCHAS
TIPOS DE ROCHAS
 
Astronomia 3 - SISTEMA SOLAR E SUA FORMAÇÃO
Astronomia 3 - SISTEMA SOLAR E SUA FORMAÇÃOAstronomia 3 - SISTEMA SOLAR E SUA FORMAÇÃO
Astronomia 3 - SISTEMA SOLAR E SUA FORMAÇÃO
 
Exercicios do eja 1
Exercicios do eja 1Exercicios do eja 1
Exercicios do eja 1
 
Exercícios tipos de reprodução
Exercícios tipos de reproduçãoExercícios tipos de reprodução
Exercícios tipos de reprodução
 
Notação Científica
Notação CientíficaNotação Científica
Notação Científica
 

Destaque

Substâncias puras e misturas
Substâncias puras e misturasSubstâncias puras e misturas
Substâncias puras e misturas
Marcos Júnior
 
Modelo relatório
Modelo relatórioModelo relatório
Modelo relatório
Marcos Júnior
 
A5 i funcoes_inorganicas
A5 i funcoes_inorganicasA5 i funcoes_inorganicas
A5 i funcoes_inorganicas
Marcos Júnior
 
MODELO RELATÓRIO FILME - ETI 2017 (ATUALIZADO)
MODELO RELATÓRIO FILME - ETI 2017 (ATUALIZADO)MODELO RELATÓRIO FILME - ETI 2017 (ATUALIZADO)
MODELO RELATÓRIO FILME - ETI 2017 (ATUALIZADO)
Marcos Júnior
 
Anfíbios
AnfíbiosAnfíbios
Anfíbios
Marcos Júnior
 
1º ano separação de misturas 2012 - coc franca
1º ano   separação de misturas 2012 - coc franca1º ano   separação de misturas 2012 - coc franca
1º ano separação de misturas 2012 - coc franca
José Marcelo Cangemi
 
Aula ifto 15 10-2012
Aula ifto 15 10-2012Aula ifto 15 10-2012
Aula ifto 15 10-2012
Marcos Júnior
 
Notas informática
Notas informáticaNotas informática
Notas informática
Marcos Júnior
 
Notas edificações
Notas edificaçõesNotas edificações
Notas edificações
Marcos Júnior
 
Separacao de misturas - prof Laerte
Separacao de misturas - prof LaerteSeparacao de misturas - prof Laerte
Separacao de misturas - prof Laerte
Laerte Lima
 
Pressão osmótica
Pressão osmóticaPressão osmótica
Pressão osmótica
Marcos Júnior
 
Separação de misturas aula para o ensino fundamental
Separação de misturas aula para o ensino fundamentalSeparação de misturas aula para o ensino fundamental
Separação de misturas aula para o ensino fundamental
Priscila Oliveira Boralho
 
Traalho de quimica
Traalho de quimicaTraalho de quimica
Traalho de quimica
EEB Francisco Mazzola
 
Processos de separação misturas (1) quimica gabi
Processos de separação misturas (1) quimica gabiProcessos de separação misturas (1) quimica gabi
Processos de separação misturas (1) quimica gabi
prenoiteaprovado
 
Lista de exercícios 9oano
Lista de exercícios 9oanoLista de exercícios 9oano
Lista de exercícios 9oano
Karol Maia
 
Drogas efundament
Drogas efundamentDrogas efundament
Drogas efundament
Atividades Diversas Cláudia
 
C9. 2.bim 2.0.1.3._aluno
C9. 2.bim 2.0.1.3._alunoC9. 2.bim 2.0.1.3._aluno
C9. 2.bim 2.0.1.3._aluno
Ivo Fonseca
 
Caça Palavras
Caça PalavrasCaça Palavras
Caça Palavras
Ricardo de Moraes
 
Separação de misturas 8ª série
Separação de misturas 8ª sérieSeparação de misturas 8ª série
Separação de misturas 8ª série
Colégio Cardeal Arcoverde
 
Tecnicas separação misturas
Tecnicas separação misturasTecnicas separação misturas
Tecnicas separação misturas
cbaratinha
 

Destaque (20)

Substâncias puras e misturas
Substâncias puras e misturasSubstâncias puras e misturas
Substâncias puras e misturas
 
Modelo relatório
Modelo relatórioModelo relatório
Modelo relatório
 
A5 i funcoes_inorganicas
A5 i funcoes_inorganicasA5 i funcoes_inorganicas
A5 i funcoes_inorganicas
 
MODELO RELATÓRIO FILME - ETI 2017 (ATUALIZADO)
MODELO RELATÓRIO FILME - ETI 2017 (ATUALIZADO)MODELO RELATÓRIO FILME - ETI 2017 (ATUALIZADO)
MODELO RELATÓRIO FILME - ETI 2017 (ATUALIZADO)
 
Anfíbios
AnfíbiosAnfíbios
Anfíbios
 
1º ano separação de misturas 2012 - coc franca
1º ano   separação de misturas 2012 - coc franca1º ano   separação de misturas 2012 - coc franca
1º ano separação de misturas 2012 - coc franca
 
Aula ifto 15 10-2012
Aula ifto 15 10-2012Aula ifto 15 10-2012
Aula ifto 15 10-2012
 
Notas informática
Notas informáticaNotas informática
Notas informática
 
Notas edificações
Notas edificaçõesNotas edificações
Notas edificações
 
Separacao de misturas - prof Laerte
Separacao de misturas - prof LaerteSeparacao de misturas - prof Laerte
Separacao de misturas - prof Laerte
 
Pressão osmótica
Pressão osmóticaPressão osmótica
Pressão osmótica
 
Separação de misturas aula para o ensino fundamental
Separação de misturas aula para o ensino fundamentalSeparação de misturas aula para o ensino fundamental
Separação de misturas aula para o ensino fundamental
 
Traalho de quimica
Traalho de quimicaTraalho de quimica
Traalho de quimica
 
Processos de separação misturas (1) quimica gabi
Processos de separação misturas (1) quimica gabiProcessos de separação misturas (1) quimica gabi
Processos de separação misturas (1) quimica gabi
 
Lista de exercícios 9oano
Lista de exercícios 9oanoLista de exercícios 9oano
Lista de exercícios 9oano
 
Drogas efundament
Drogas efundamentDrogas efundament
Drogas efundament
 
C9. 2.bim 2.0.1.3._aluno
C9. 2.bim 2.0.1.3._alunoC9. 2.bim 2.0.1.3._aluno
C9. 2.bim 2.0.1.3._aluno
 
Caça Palavras
Caça PalavrasCaça Palavras
Caça Palavras
 
Separação de misturas 8ª série
Separação de misturas 8ª sérieSeparação de misturas 8ª série
Separação de misturas 8ª série
 
Tecnicas separação misturas
Tecnicas separação misturasTecnicas separação misturas
Tecnicas separação misturas
 

Semelhante a Separação de misturas

Processos de separação de misturas
Processos de separação de misturasProcessos de separação de misturas
Processos de separação de misturas
Poliano123
 
Processos de separação de misturas.ppt
Processos de separação de misturas.pptProcessos de separação de misturas.ppt
Processos de separação de misturas.ppt
Cristiano479741
 
Processos de separação de misturas.ppt
Processos de separação de misturas.pptProcessos de separação de misturas.ppt
Processos de separação de misturas.ppt
robson226649
 
Processos de separação de misturas.ppt
Processos de separação de misturas.pptProcessos de separação de misturas.ppt
Processos de separação de misturas.ppt
JessicaStone37
 
Aula 4 processos de separação de misturas, eta e petróleo
Aula 4   processos de separação de misturas, eta e petróleoAula 4   processos de separação de misturas, eta e petróleo
Aula 4 processos de separação de misturas, eta e petróleo
profNICODEMOS
 
Separação de misturas - prof. Laerte
Separação de misturas - prof. LaerteSeparação de misturas - prof. Laerte
Separação de misturas - prof. Laerte
Laerte Lima
 
Separação de Misturas
Separação de MisturasSeparação de Misturas
Separação de Misturas
Perin98
 
Capitulo 02 processo de separação de misturas
Capitulo 02   processo de separação de misturasCapitulo 02   processo de separação de misturas
Capitulo 02 processo de separação de misturas
Marcos França
 
OPERAÇÕES UNITARIAS
OPERAÇÕES UNITARIASOPERAÇÕES UNITARIAS
OPERAÇÕES UNITARIAS
Cristyan Ribeiro
 
Trabalho de química - 1a O2.
Trabalho de química - 1a O2.Trabalho de química - 1a O2.
Trabalho de química - 1a O2.
EEB Francisco Mazzola
 
Química
QuímicaQuímica
Relatorio
RelatorioRelatorio
Relatorio
Mariana Quintas
 
Mod 3 moviment ode-particulasnumfluido-parte1
Mod 3 moviment ode-particulasnumfluido-parte1Mod 3 moviment ode-particulasnumfluido-parte1
Mod 3 moviment ode-particulasnumfluido-parte1
Fersay
 
Movimento de partículas num fluido-parte 1
Movimento de partículas num fluido-parte 1Movimento de partículas num fluido-parte 1
Movimento de partículas num fluido-parte 1
Casa Ciências
 
Relatório biologia 10ºano - membrana celular
Relatório biologia 10ºano - membrana celularRelatório biologia 10ºano - membrana celular
Relatório biologia 10ºano - membrana celular
AMLDRP
 
Opu tipos-de-separação
Opu tipos-de-separaçãoOpu tipos-de-separação
Opu tipos-de-separação
Cristyan Ribeiro
 
Métodos de separação de misturas
Métodos de separação de misturasMétodos de separação de misturas
Métodos de separação de misturas
Karol Maia
 
Filtracao
FiltracaoFiltracao
Filtracao
Felipecutrim
 
Processo de separação de misturas.
Processo de separação de misturas.Processo de separação de misturas.
Processo de separação de misturas.
Polo UAB de Alagoinhas
 

Semelhante a Separação de misturas (19)

Processos de separação de misturas
Processos de separação de misturasProcessos de separação de misturas
Processos de separação de misturas
 
Processos de separação de misturas.ppt
Processos de separação de misturas.pptProcessos de separação de misturas.ppt
Processos de separação de misturas.ppt
 
Processos de separação de misturas.ppt
Processos de separação de misturas.pptProcessos de separação de misturas.ppt
Processos de separação de misturas.ppt
 
Processos de separação de misturas.ppt
Processos de separação de misturas.pptProcessos de separação de misturas.ppt
Processos de separação de misturas.ppt
 
Aula 4 processos de separação de misturas, eta e petróleo
Aula 4   processos de separação de misturas, eta e petróleoAula 4   processos de separação de misturas, eta e petróleo
Aula 4 processos de separação de misturas, eta e petróleo
 
Separação de misturas - prof. Laerte
Separação de misturas - prof. LaerteSeparação de misturas - prof. Laerte
Separação de misturas - prof. Laerte
 
Separação de Misturas
Separação de MisturasSeparação de Misturas
Separação de Misturas
 
Capitulo 02 processo de separação de misturas
Capitulo 02   processo de separação de misturasCapitulo 02   processo de separação de misturas
Capitulo 02 processo de separação de misturas
 
OPERAÇÕES UNITARIAS
OPERAÇÕES UNITARIASOPERAÇÕES UNITARIAS
OPERAÇÕES UNITARIAS
 
Trabalho de química - 1a O2.
Trabalho de química - 1a O2.Trabalho de química - 1a O2.
Trabalho de química - 1a O2.
 
Química
QuímicaQuímica
Química
 
Relatorio
RelatorioRelatorio
Relatorio
 
Mod 3 moviment ode-particulasnumfluido-parte1
Mod 3 moviment ode-particulasnumfluido-parte1Mod 3 moviment ode-particulasnumfluido-parte1
Mod 3 moviment ode-particulasnumfluido-parte1
 
Movimento de partículas num fluido-parte 1
Movimento de partículas num fluido-parte 1Movimento de partículas num fluido-parte 1
Movimento de partículas num fluido-parte 1
 
Relatório biologia 10ºano - membrana celular
Relatório biologia 10ºano - membrana celularRelatório biologia 10ºano - membrana celular
Relatório biologia 10ºano - membrana celular
 
Opu tipos-de-separação
Opu tipos-de-separaçãoOpu tipos-de-separação
Opu tipos-de-separação
 
Métodos de separação de misturas
Métodos de separação de misturasMétodos de separação de misturas
Métodos de separação de misturas
 
Filtracao
FiltracaoFiltracao
Filtracao
 
Processo de separação de misturas.
Processo de separação de misturas.Processo de separação de misturas.
Processo de separação de misturas.
 

Mais de Marcos Júnior

Peixes
PeixesPeixes
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
Marcos Júnior
 
Sistemas genitais1
Sistemas genitais1Sistemas genitais1
Sistemas genitais1
Marcos Júnior
 
PELE - ETI OITAVOS
PELE - ETI OITAVOSPELE - ETI OITAVOS
PELE - ETI OITAVOS
Marcos Júnior
 
PLATELMINTOS
PLATELMINTOSPLATELMINTOS
PLATELMINTOS
Marcos Júnior
 
Resumo sistema urinário.
Resumo sistema urinário.Resumo sistema urinário.
Resumo sistema urinário.
Marcos Júnior
 
SISTEMA URINÁRIO - ETI
SISTEMA URINÁRIO - ETISISTEMA URINÁRIO - ETI
SISTEMA URINÁRIO - ETI
Marcos Júnior
 
Apresentação sistema respiratório e circulatório
Apresentação sistema respiratório e circulatórioApresentação sistema respiratório e circulatório
Apresentação sistema respiratório e circulatório
Marcos Júnior
 
Modelo relatório vírus ebola
Modelo relatório vírus ebolaModelo relatório vírus ebola
Modelo relatório vírus ebola
Marcos Júnior
 
Correção dos exercícios eletrostática
Correção dos exercícios eletrostáticaCorreção dos exercícios eletrostática
Correção dos exercícios eletrostática
Marcos Júnior
 
Eletrostática
EletrostáticaEletrostática
Eletrostática
Marcos Júnior
 
Trocas de calor, quantidade de calor, calor específico, calor latente e dilat...
Trocas de calor, quantidade de calor, calor específico, calor latente e dilat...Trocas de calor, quantidade de calor, calor específico, calor latente e dilat...
Trocas de calor, quantidade de calor, calor específico, calor latente e dilat...
Marcos Júnior
 
Escola nao ensina
Escola nao ensinaEscola nao ensina
Escola nao ensina
Marcos Júnior
 
Calor e escalas termométricas
Calor e escalas termométricasCalor e escalas termométricas
Calor e escalas termométricas
Marcos Júnior
 
Exercícios – mecânica
Exercícios – mecânicaExercícios – mecânica
Exercícios – mecânica
Marcos Júnior
 
Introdução a mecânica
Introdução a mecânicaIntrodução a mecânica
Introdução a mecânica
Marcos Júnior
 
Respostas funções inorgânicas
Respostas funções inorgânicasRespostas funções inorgânicas
Respostas funções inorgânicas
Marcos Júnior
 
Temp1
Temp1Temp1
Temp1
Temp1Temp1
Temp1
Temp1Temp1

Mais de Marcos Júnior (20)

Peixes
PeixesPeixes
Peixes
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
 
Sistemas genitais1
Sistemas genitais1Sistemas genitais1
Sistemas genitais1
 
PELE - ETI OITAVOS
PELE - ETI OITAVOSPELE - ETI OITAVOS
PELE - ETI OITAVOS
 
PLATELMINTOS
PLATELMINTOSPLATELMINTOS
PLATELMINTOS
 
Resumo sistema urinário.
Resumo sistema urinário.Resumo sistema urinário.
Resumo sistema urinário.
 
SISTEMA URINÁRIO - ETI
SISTEMA URINÁRIO - ETISISTEMA URINÁRIO - ETI
SISTEMA URINÁRIO - ETI
 
Apresentação sistema respiratório e circulatório
Apresentação sistema respiratório e circulatórioApresentação sistema respiratório e circulatório
Apresentação sistema respiratório e circulatório
 
Modelo relatório vírus ebola
Modelo relatório vírus ebolaModelo relatório vírus ebola
Modelo relatório vírus ebola
 
Correção dos exercícios eletrostática
Correção dos exercícios eletrostáticaCorreção dos exercícios eletrostática
Correção dos exercícios eletrostática
 
Eletrostática
EletrostáticaEletrostática
Eletrostática
 
Trocas de calor, quantidade de calor, calor específico, calor latente e dilat...
Trocas de calor, quantidade de calor, calor específico, calor latente e dilat...Trocas de calor, quantidade de calor, calor específico, calor latente e dilat...
Trocas de calor, quantidade de calor, calor específico, calor latente e dilat...
 
Escola nao ensina
Escola nao ensinaEscola nao ensina
Escola nao ensina
 
Calor e escalas termométricas
Calor e escalas termométricasCalor e escalas termométricas
Calor e escalas termométricas
 
Exercícios – mecânica
Exercícios – mecânicaExercícios – mecânica
Exercícios – mecânica
 
Introdução a mecânica
Introdução a mecânicaIntrodução a mecânica
Introdução a mecânica
 
Respostas funções inorgânicas
Respostas funções inorgânicasRespostas funções inorgânicas
Respostas funções inorgânicas
 
Temp1
Temp1Temp1
Temp1
 
Temp1
Temp1Temp1
Temp1
 
Temp1
Temp1Temp1
Temp1
 

Último

Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento EuropeuEurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Centro Jacques Delors
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
WELTONROBERTOFREITAS
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
vitorreissouzasilva
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Centro Jacques Delors
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
AlessandraRibas7
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
geiseortiz1
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
SidneySilva523387
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
Manuais Formação
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
AdrianoMontagna1
 
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
ConservoConstrues
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
jonny615148
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 

Último (20)

Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento EuropeuEurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
 
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
 
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 

Separação de misturas

  • 1. QUÍMICA - 1° Ano Processos de separação de misturas Ciências da Natureza Ensino Fundamental – 9º Ano PROCESSOS DE SEPARAÇÃO DE MISTURAS ETI PADRE JOSIMO TAVARES PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS
  • 2. QUÍMICA - 1° Ano Processos de separação de misturas Conceitos iniciais • Na natureza, raramente encontramos substâncias puras. Em função disso, é necessário usarmos métodos de separação para obtermos determinada substância. • Na separação dos componentes de uma mistura (obtenção separada de cada uma das substâncias puras que deram origem à mistura) usa-se um conjunto de processos físicos. • Esses processos não alteram a composição das substâncias que formam a mistura. • Nem sempre apenas um método de separação é suficiente para separar todos os componentes de uma mistura (1). SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.
  • 3. QUÍMICA - 1° Ano Processos de separação de misturas Conceitos iniciais • A escolha dos melhores métodos para a separação de misturas exige um conhecimento anterior de algumas das propriedades das substâncias presentes. • Assim, se tivermos uma mistura de açúcar com areia, é útil sabermos que o açúcar se dissolve na água, enquanto a areia não. • Muitas vezes, dependendo da complexidade da mistura, será necessário usar vários processos diferentes em uma sequência baseada nas propriedades das substâncias presentes na mistura (2). Imagem:HolgerCasselmann/Creative CommonsAttribution-ShareAlike3.0 Unported,2.5Generic,2.0Genericand1.0 Generic. SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.
  • 4. QUÍMICA - 1° Ano Processos de separação de misturas Conceitos iniciais • Alguns dos métodos de separação são tão comuns que nem pensamos neles como processos de separação. • Alguns exemplos: – Escolha dos grãos de feijão para uma feijoada do domingo (catação); – Remoção da casca do amendoim torrado por sopro (ventilação); – Separação das moedas em função de seus tamanhos nas máquinas dos bancos (tamisação/peneiração). • Vamos estudar agora alguns desses principais processos de separação (3). Imagem:Rodrigo.Argentonb /CreativeCommons- Atribuição-Partilhanos MesmosTermos3.0Não Adaptada. Imagem:Thamizhpparithi Maari/Creative CommonsAttribution- ShareAlike3.0Unported. SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.
  • 5. QUÍMICA - 1° Ano Processos de separação de misturas Métodos de separação de misturas heterogêneas • SÓLIDO – SÓLIDO: – Catação – Ventilação – Levigação – Separação magnética – Cristalização fracionada – Dissolução fracionada – Peneiração – Fusão fracionada – Sublimação • SÓLIDO – LÍQUIDO: – Decantação – Centrifugação – Filtração simples – Filtração à vácuo • LÍQUIDO – LÍQUIDO: – Decantação • GÁS – SÓLIDO: – Decantação – Filtração Imagem:(a)BeatriceMurch/CreativeCommonsAttribution2.0Generic,(b)VictorBlacus/Creative CommonsAttribution-ShareAlike3.0Unported,2.5Generic,2.0Genericand1.0Generice(c)Victor Blacus/CreativeCommonsAttribution-ShareAlike3.0Unported,2.5Generic,2.0Genericand1.0 Generic. SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.
  • 6. QUÍMICA - 1° Ano Processos de separação de misturas Métodos de separação de misturas homogêneas • SÓLIDO – LÍQUIDO: – Evaporação – Destilação simples • LÍQUIDO – LÍQUIDO: – Destilação fracionada • GÁS – GÁS: – Liquefação fracionada Imagem:Shrout,Bill,Photographer/PublicDomain. SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.
  • 7. QUÍMICA - 1° Ano Processos de separação de misturas Catação • É um método de separação bastante rudimentar, usado para separação de sistemas sólido-sólido. • Baseia-se na identificação visual dos componentes da mistura e na separação manual ou com o auxílio de uma pinça. • É o método usado na limpeza do feijão antes do cozimento (4). Imagem: David Monniaux / GNU Free Documentation License. SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.
  • 8. QUÍMICA - 1° Ano Processos de separação de misturas Tamisação (peneiração) • Usada para separar sólidos constituintes de partículas de dimensões diferentes através de peneiras. • Industrialmente, usam-se conjuntos de peneiras superpostas que separam as diferentes granulações. Imagem: U.S. Air Force photo / Tech. Sgt. Shane A. Cuomo / Public Domain. SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.
  • 9. QUÍMICA - 1° Ano Processos de separação de misturas Ventilação • Método de separação para sistemas sólido-sólido, no qual o sólido menos denso é arrastado por uma corrente de ar. • Um bom exemplo é a separação das cascas de grãos de arroz, amendoim torrado, etc. (5) Imagem:Miansari66/PublicDomain.Imagem:Peanut/ Benedikt.Seidl/Public Domain. SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.
  • 10. QUÍMICA - 1° Ano Processos de separação de misturas Levigação • A água corrente arrasta o componente menos denso e o mais denso deposita-se no fundo do recipiente. • É usada, por exemplo, para separar areia e ouro: a areia é menos densa e, por isso, é arrastada pela água corrente; o ouro, por ser mais denso, permanece no fundo da bateia (6). Imagem:TheEvil Spartanaten.wikipedia/Public Domain. Imagem:Unorpailleurà Madagascar/Lebelot/Creative CommonsAttribution-Share Alike3.0Unported,2.5 Generic,2.0Genericand1.0 GenericLicense. SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.
  • 11. QUÍMICA - 1° Ano Processos de separação de misturas Decantação • Permite a separação de líquidos imiscíveis (que não se misturam) ou de um sólido precipitado num líquido. • A fase mais densa deposita-se no fundo do recipiente. • Pode ser feita de duas formas: – Verte-se lentamente a mistura em outro frasco; – Com o auxílio de um sifão, transfere-se a fase menos densa para outro frasco (sifonação) (7). Imagem:PRHaney/CreativeCommonsAttribution-ShareAlike3.0Unported. SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.
  • 12. QUÍMICA - 1° Ano Processos de separação de misturas Decantação • No laboratório, para misturas de líquidos imiscíveis, usa-se o funil de bromo, também conhecido como funil de decantação ou funil de separação). • Num sistema formado por água e óleo, por exemplo, a água, por ser mais densa, localiza-se na parte inferior do funil e é escoada abrindo-se a torneira de modo controlado. • Pode-se ainda usar-se do princípio da decantação para a separação de misturas sólido-gás. • A mistura sólido-gás atravessa um sistema em ziguezague. O pó, por ser mais denso, deposita-se durante o trajeto (8). Imagem: Thomasione / Public Domain Funil de separação Imagem: Nickele/GNU Free Documentation License SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.
  • 13. QUÍMICA - 1° Ano Processos de separação de misturas Filtração • É um método de separação muito presente no laboratório químico e também no cotidiano. • É usado para separar um sólido de um líquido ou sólido de um gás, mesmo que o sólido se apresente em suspensão. • A mistura atravessa um filtro poroso, onde o material particulado fica retido. • A preparação do café, o uso de o aspirador de pó são exemplos de filtração (9). Imagem: Elke Wetzig / GNU Free Documentation License. Imagem: Julius Schorzman / Creative Commons Attribution-Share Alike 2.0 Generic. SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.
  • 14. QUÍMICA - 1° Ano Processos de separação de misturas Evaporação • Método de separação de misturas sólido-líquido por evaporação do solvente, também conhecido como cristalização. • Em recipiente aberto, simplesmente, permite-se que o solvente evapore, deixando-se o sólido. • Nas salinas, o sal é obtido a partir da água do mar através desse processo (10). Imagem: Batz sur Mer, Marais Saltants / Harrieta171 / GNU Free Documentation License. Imagem:Vidralta / GNU Free Documentation License. SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.
  • 15. QUÍMICA - 1° Ano Processos de separação de misturas Centrifugação • Usado para separação de mistura de sólidos e líquidos quando a dimensão das partículas sólidas é tão pequenas que provoca obstrução dos poros do filtro e faz com que sejam retidas pelo líquido. • Tubos de ensaio contendo a mistura são colocados em uma centrífuga, que os faz girar em posição quase horizontal à grande velocidade, aumentando assim a rapidez de depósito do sólido no fundo do tubo. Imagem: IUTABB / Free Art License. (Tradução Nossa). Estado Inicial Estado Final Centrifugação Líquido Portador Líquido Flutuante Base Constituinte (líquido ou sólido) Esquema do Princípio da Centrifugação SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.
  • 16. QUÍMICA - 1° Ano Processos de separação de misturas Sublimação • Usado quando apenas um dos sólidos sublima (passa para o estado gasoso) quando aquecido. • São substâncias que podem ser separadas por sublimação: iodo, enxofre e naftaleno (naftalina). • Mais recentemente, tal propriedade passou a ser usada na impressão de camisetas. • Com uma impressora especial é preparado um desenho em uma folha de papel e, através de uma prensa térmica, a tinta sublima e se transfere para o tecido. • Tem a vantagem de não desbotar, mantendo a tonalidade original (11). Imagem:Nevit/Creative Commons-Atribuição-Partilhanos MesmosTermos3.0NãoAdaptada. Imagem:Spidermancrd/PublicDomain. SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.
  • 17. QUÍMICA - 1° Ano Processos de separação de misturas Destilação Simples • Método usado quando se deseja separar a substância sólida dissolvida do solvente e não se deseja perder este último (como ocorre no processo de evaporação). • Desta forma, o solvente é resfriado (condensado), sendo recolhido em outro frasco. • Aquece-se a mistura até atingir o ponto de ebulição do solvente. • Não existe necessidade de controle de temperatura, pois o ponto de ebulição do sólido é muito mais elevado que o do solvente (12). Imagem: U.m / Public Domain. SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.
  • 18. QUÍMICA - 1° Ano Processos de separação de misturas Destilação Fracionada • Método usado para separação de mistura de líquidos. • Quanto mais distantes os pontos de ebulição dos componentes, mais eficiente será o processo de destilação. • A aparelhagem usada é a mesma de uma destilação simples, com o acréscimo de uma coluna de fracionamento, destilação ou retificação. • A separação ocorre na ordem crescente dos pontos de ebulição (PE). Imagem: U.m / Public Domain. SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.
  • 19. QUÍMICA - 1° Ano Processos de separação de misturas Destilação Fracionada • Esse processo é muito usado, principalmente em indústrias petroquímicas, para separação dos diferentes derivados do petróleo. • Neste caso, as colunas de fracionamento são divididas em bandejas ou pratos. • Esse processo também é muito usado no processo de obtenção de bebidas alcoólicas (alambique) (13).Imagem: Psarianos, Theresa knott/ GNU Free Documentation License. (Tradução Nossa). Petróleo Bruto Gás (Butano e Propano) Essência Leve (nafta) Essência Pesada (grande) Querosene Combustível Diesel Óleo para aquecimento Forno de Destilação Óleo Pesado SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.
  • 20. QUÍMICA - 1° Ano Processos de separação de misturas Separação Magnética • Também chamado de Imantação, nesse método de separação, um dos sólidos é atraído por um ímã. • Esse processo é usado em larga escala para separar alguns minérios de ferro de suas impurezas, como, por exemplo, separar do lixo objetos de metal que serão reciclados. • Outro exemplo simples é a separação de linha e agulha através de um imã (14). Imagem: Oguraclutch/ GNU Free Documentation License. Imagem: Palmer, Alfred T. / Public Domain. SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.
  • 21. QUÍMICA - 1° Ano Processos de separação de misturas Dissolução Fracionada • Também é conhecido como extração por solvente, é usada quando apenas um dos componentes apresenta solubilidade num dado solvente. • A mistura areia + sal é um bom exemplo de aplicação para este método. • Adicionando-se água, obtém-se a solubilização do sal. • Após uma filtração, a areia é separada, bastando realizar uma destilação simples ou evaporação para se separar o sal da água (15). sal + areia Adição de água Filtração Vaporização areia água + sal sal SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.
  • 22. QUÍMICA - 1° Ano Processos de separação de misturas Exercícios 1. Uma maneira rápida e correta de separar uma mistura com ferro, sal de cozinha e areia é, na sequência: a) Filtrar, aproximar um imã, adicionar água e destilar. b) Adicionar água e destilar. c) Aproximar um imã, adicionar água, filtrar e destilar. d) Destilar, adicionar água, aproximar um imã. e) Impossível de separá-la. Imagem: (a)Thorsten Hartmann / GNU Free Documentation License, (b) Jlahorn / Creative Commons Attribution-Share Alike 3.0 Unported e (c) Miansari66 / Public Domain. SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.
  • 23. QUÍMICA - 1° Ano Processos de separação de misturas Exercícios 2. Associe as atividades diárias contidas na primeira coluna com as operações básicas de laboratório e fenômenos contidos na segunda coluna. Os números da segunda coluna, lidos de cima para baixo, são: a) 3, 2, 5, 4, 1 b) 1, 3, 4, 5, 2 c) 4, 3, 2, 1, 5 d) 3, 2, 4, 5, 1 e) 4, 1, 5, 3, 2 (1) Preparar um refresco de cajá a partir do suco concentrado. (2) Adoçar o leite. (3) Preparar chá de canela. (4) Usar naftalina na gaveta. (5) Coar a nata do leite. ( ) sublimação ( ) diluição ( ) filtração ( ) extração ( ) dissolução 4 1 5 3 2 Imagem:AgriculturalResearchService/PublicDomain. SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.
  • 24. QUÍMICA - 1° Ano Processos de separação de misturas Exercícios 4. Têm-se os seguintes sistemas: I. areia e água II. álcool (etanol) e água III. sal de cozinha (NaCl) dissolvido em água. Cada um desses sistemas foi submetido a uma filtração em funil com papel e, em seguida, o líquido resultante (filtrado) foi aquecido até sua total evaporação. Pergunta-se: a) Qual sistema deixou um resíduo sólido no papel após a filtração? O que era esse resíduo? b) Em qual caso apareceu um resíduo sólido após a evaporação do líquido? O que era esse resíduo? a) Sistema I A areia seria o resíduo sólido que seria retido pelo papel de filtro. b) Sistema III Após a evaporação da água, restaria apenas o NaCl no fundo de recipiente. Imagem: Rob Lavinsky,Rocks.com / Creative Commons Attribution-Share Alike 3.0 Unported Pedra de sal cristalizado SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.
  • 25. QUÍMICA - 1° Ano Processos de separação de misturas Até a próxima aula! SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.SEPARAÇÃO DE MISTURAS – Prof. Marcos Jr.

Notas do Editor

  1. Não indica a fonte (referência) do exercício.
  2. Não indica a fonte (referência) do exercício.
  3. Não indica a fonte (referência) do exercício.