04/03/2014
MÁRIO SANTOS
CONGRESSO NACIONAL OLIMPICO - MAIA
A sustentabilidade financeira do alto rendimento e da preparação olímpica em
Portugal
a)
b)

O modelo de financiamento des...
A) O modelo de financiamento desportivo português – contrastes e potencialidades
A primeira destrinça a realizar é entre f...
Até ao dia de hoje e, conhecidos que são os parâmetros para o financiamento para
2014, esta articulação não passa de mais ...
i.

Financiamento ao Alto Rendimento

Mas qual é o nosso modelo de Financiamento ao Alto Rendimento e Seleções nacionais?
...
04/02/2014
MÁRIO SANTOS
CONGRESSO NACIONAL OLIMPICO - MAIA
04/02/2014
MÁRIO SANTOS
CONGRESSO NACIONAL OLIMPICO - MAIA
04/02/2014
MÁRIO SANTOS
CONGRESSO NACIONAL OLIMPICO - MAIA
04/02/2014
MÁRIO SANTOS
CONGRESSO NACIONAL OLIMPICO - MAIA
Ora tendo presente o documento orientador, poderíamos concluir estarmos perante
uma solução dinâmica e cujos princípios su...
04/03/2014
MÁRIO SANTOS
CONGRESSO NACIONAL OLIMPICO - MAIA
Contudo este modus operandi era já recorrente na Tutela do Desporto como os
números facilmente demonstram duma simples aná...
1200000
1000000
800000

2005
2006

600000

2007

400000

2008

200000

2009
2010

0

2011
2012

Fonte: sitio do IPDJ - htt...
Torna-se difícil fazer qualquer análise sobre o modelo de financiamento pois é
EVIDENTE que o mesmo não é aplicado.
As sua...
Dependência
do
Financiamento
público é em média
de 64%

04/02/2014
MÁRIO SANTOS
CONGRESSO NACIONAL OLIMPICO - MAIA
Uma verdadeira reforma passaria pela simples aplicação deste modelo como forma de
criar uma nova dinâmica.
Tendo presente ...
ii. Financiamento à preparação Olímpica
• valor do financiamento aos projetos de preparação de cada federação é calculado ...
04/03/2014
MÁRIO SANTOS
CONGRESSO NACIONAL OLIMPICO - MAIA
04/02/2014
MÁRIO SANTOS
CONGRESSO NACIONAL OLIMPICO - MAIA
Enquadramento técnico: apoio financeiro aos treinadores, equipa técnica ou outros
técnicos diretamente envolvidos no proce...
Este financiamento tem sido integralmente alavancado em fundos públicos,

contratualizados entre o Estado via IPDJ e COP.
...
Para 2016 estão previsto 15,7 Milhões de Euros e estabelecidos os seguinte objectivos:
“tendo por base a evolução dos resu...
A definição e divulgação dos objetivos individuais por atleta, equipa e modalidade, de acordo com a metodologia anteriorme...
Contudo verificamos e, ao contrário do que resulta das melhores práticas não há uma
definição clara de objectivos, uma est...
iii. Exemplos:
A Holanda (16,7 milhões de habitantes), conquistou 20 medalhas nos Jogos Olímpicos
Londres2012, encara a su...
04/03/2014

www.nocnsf.nl

MÁRIO SANTOS
CONGRESSO NACIONAL OLIMPICO - MAIA
Austrália (22 milhões de habitantes):
Austrália definiu uma estratégia para o Alto Rendimento.
Entendem ser fundamental a ...
04/02/2014

Fonte: www.ausport.gov.au

MÁRIO SANTOS
CONGRESSO NACIONAL OLIMPICO - MAIA
Reino Unido
(63 milhões de habitantes):
UK Sport define objectivo de medalhas
para o Rio 2016 para superar os Jogos
Olímpi...
Investment – Olympic sports

Sport

Rio Cycle Investment (PreAnnual Investment Review)

Rio Cycle Investment (PostAnnual I...
b) Potenciar e diversificar fontes de financiamento

Que soluções?

Quais as oportunidades?

04/03/2014
MÁRIO SANTOS
CONGR...
As resposta são as de sempre: mais financiamento público, patrocínios privados, jogos
sociais e a legalização das apostas ...
Efetivamente a lei ( Decreto-Lei n.º 272/2009 de 1 de Outubro) define alto rendimento
como “a prática desportiva em que os...
Sendo que estudos recentes demonstram que mais dinheiro não significa melhores
resultados.

04/03/2014
http://www.vub.ac.b...
Afirmou o Dr. José Manuel Constantino, Presidente do COP, no seu discurso no 104.º
Aniversário do COP que:
“...... Vários ...
Reino Unido: UK Sport will strategically invest around £350million of National Lottery
and Exchequer funds into preparing ...
“Sem sustentabilidade das organizações desportivas não há resultados desportivos” afirmou Dr. José Manuel Constantino, Pre...
SEM O OBJECTIVO CLARO DE RESULTADOS DE SUCESSO, E UMA ESTRATÉGIA SUBJACENTE,
NÃO É SUSTENTAVEL NEM JUSTIFICÁVEL O FINANCIA...
Mas nada como deixar aqui um testemunho que, no meu entender, deveria ter sido
exemplo:
ESCLARECIMENTO SOBRE A PARTICIPAÇÃ...
DOIS MESES APÓS

04/02/2014
MÁRIO SANTOS
CONGRESSO NACIONAL OLIMPICO - MAIA
04/03/2014

MÁRIO SANTOS
CONGRESSO NACIONAL OLIMPICO - MAIA
VAMOS MANTER A CHAMA VIVA!

RIO 2016 É JÁ AMANHÃ
Obrigado pela vossa atenção

04/03/2014
MÁRIO SANTOS
CONGRESSO NACIONAL O...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

apresentação Mario Santos congresso Olompico

678 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
678
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
7
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

apresentação Mario Santos congresso Olompico

  1. 1. 04/03/2014 MÁRIO SANTOS CONGRESSO NACIONAL OLIMPICO - MAIA
  2. 2. A sustentabilidade financeira do alto rendimento e da preparação olímpica em Portugal a) b) O modelo de financiamento desportivo português – contrastes e potencialidades Potenciar e diversificar fontes de financiamento – Que soluções? Quais as oportunidades? 04/03/2014 MÁRIO SANTOS CONGRESSO NACIONAL OLIMPICO - MAIA
  3. 3. A) O modelo de financiamento desportivo português – contrastes e potencialidades A primeira destrinça a realizar é entre financiamento ao alto rendimento e à preparação Olímpica Apesar de uma intenção para articulação entre estes dois financiamento expressa na comunicação do IPDJ ás Federações desportivas a 23 de Maio de 2013 indiciaria “da maior premência assegurar uma maior articulação entre a execução dos Programas de Preparação Olímpica e Paralímpica e os Programas de Alto Rendimento e Seleções Nacionais.” “ Por essa razão ainda não foram acordados com as Federações Desportivas os apoios a conceder para o presente ano.” 04/03/2014 MÁRIO SANTOS CONGRESSO NACIONAL OLIMPICO - MAIA
  4. 4. Até ao dia de hoje e, conhecidos que são os parâmetros para o financiamento para 2014, esta articulação não passa de mais uma norma programática. Os termos do financiamento para o Projeto de Preparação Olímpica Rio 2016 e do financiamento para o alto rendimento/seleções nacionais anunciada tudo indica que teremos mais do mesmo, com pequenas alterações cosméticas. Sinal dessa realidade é questionarmos a atletas ou dirigentes o que mudou no Programa de Financiamento ao Alto Rendimento ou na Preparação Olímpica. 04/03/2014 MÁRIO SANTOS CONGRESSO NACIONAL OLIMPICO - MAIA
  5. 5. i. Financiamento ao Alto Rendimento Mas qual é o nosso modelo de Financiamento ao Alto Rendimento e Seleções nacionais? Para que dúvidas não hajam passamos a citar o documento orientador publicado pelo IPDJ IP para o ano de 2013 e apenas quanto ao Programa 4 de Alto Rendimento/Seleções nacionais. 04/03/2014 MÁRIO SANTOS CONGRESSO NACIONAL OLIMPICO - MAIA
  6. 6. 04/02/2014 MÁRIO SANTOS CONGRESSO NACIONAL OLIMPICO - MAIA
  7. 7. 04/02/2014 MÁRIO SANTOS CONGRESSO NACIONAL OLIMPICO - MAIA
  8. 8. 04/02/2014 MÁRIO SANTOS CONGRESSO NACIONAL OLIMPICO - MAIA
  9. 9. 04/02/2014 MÁRIO SANTOS CONGRESSO NACIONAL OLIMPICO - MAIA
  10. 10. Ora tendo presente o documento orientador, poderíamos concluir estarmos perante uma solução dinâmica e cujos princípios subjacentes levariam a um alinhamento daqueles que são os pilares do Modelo de Financiamento, supostamente, implementado. No entanto, confrontados com os valores do financiamento público no ano de 2013 constatamos que os indicadores pura e simplesmente foram omitidos com a aplicação de um corte cego 20%, independentemente dos indicadores apresentados. Ora já se indiciava da apresentação pública realizada pela Tutela a 6 de Julho de 2013 que não teríamos avaliação de desempenho, nem sequer avaliação de candidaturas. Previa-se um corte transversal de 20%, denominado AJUSTAMENTO, Realidade que se veio a confirmar com a sucessiva publicação dos contratos programa. 04/03/2014 MÁRIO SANTOS CONGRESSO NACIONAL OLIMPICO - MAIA
  11. 11. 04/03/2014 MÁRIO SANTOS CONGRESSO NACIONAL OLIMPICO - MAIA
  12. 12. Contudo este modus operandi era já recorrente na Tutela do Desporto como os números facilmente demonstram duma simples análise do financiamento ao Alto Rendimento e Seleções nacionais de 2005 até ao presente. Situação que aliás se estende aos demais contratos de Financiamento Público ao desporto. Tudo isto apesar de serem sucessivamente publicados documentos Orientadores e um modelo de financiamento. 04/03/2014 MÁRIO SANTOS CONGRESSO NACIONAL OLIMPICO - MAIA
  13. 13. 1200000 1000000 800000 2005 2006 600000 2007 400000 2008 200000 2009 2010 0 2011 2012 Fonte: sitio do IPDJ - http://www.idesporto.pt/ 02/04/2014 MÁRIO SANTOS CONGRESSO NACIONAL OLIMPICO - MAIA
  14. 14. Torna-se difícil fazer qualquer análise sobre o modelo de financiamento pois é EVIDENTE que o mesmo não é aplicado. As suas potencialidades no nosso sistema desportivo são de todo desconhecidas, excepto no campo teórico. A inexistência de avaliação e monitorização são um dos graves problemas do nosso sistema de financiamento público, gravidade que se exponencia quando muito do tecido associativo tem uma dependência financeira significativa deste recurso. Os dados disponíveis demonstram uma dependência significativa (média de 64%) das Federações do Financiamento público. 04/02/2014 MÁRIO SANTOS CONGRESSO NACIONAL OLIMPICO - MAIA
  15. 15. Dependência do Financiamento público é em média de 64% 04/02/2014 MÁRIO SANTOS CONGRESSO NACIONAL OLIMPICO - MAIA
  16. 16. Uma verdadeira reforma passaria pela simples aplicação deste modelo como forma de criar uma nova dinâmica. Tendo presente o enorme peso, determinante diria, do financiamento público. Não temos qualquer dúvida que a aplicação deste modelo com a monitorização e ajustes necessários seria uma enorme evolução num sistema que se limita a aplicar uma fórmula de corte percentual tendo por base o valor recebido no ano anterior e não de acordo com os objectivos que atingiu, ou aqueles que já demonstrou ter potencial para atingir. 02/04/2014 MÁRIO SANTOS CONGRESSO NACIONAL OLIMPICO - MAIA
  17. 17. ii. Financiamento à preparação Olímpica • valor do financiamento aos projetos de preparação de cada federação é calculado em função do número de praticantes integrados e das suas necessidades específicas de preparação, considerando em particular o enquadramento técnico e as necessidades logísticas especiais e de apetrechamento. Fonte: Contrato Programa n.º 108/2014 DR. 2.ª Série, 17/02/2014 04/03/2014 MÁRIO SANTOS CONGRESSO NACIONAL OLIMPICO - MAIA
  18. 18. 04/03/2014 MÁRIO SANTOS CONGRESSO NACIONAL OLIMPICO - MAIA
  19. 19. 04/02/2014 MÁRIO SANTOS CONGRESSO NACIONAL OLIMPICO - MAIA
  20. 20. Enquadramento técnico: apoio financeiro aos treinadores, equipa técnica ou outros técnicos diretamente envolvidos no processo de preparação não podendo o apoio sobrepor-se a outros financiamentos ao abrigo da medida de apoio financeiro ao desporto federado (enquadramento técnico, desde que o valor máximo anual deste rendimento profissional, categoria B, não ultrapasse 48.000,00€). Fonte: Contrato Programa n.º 108/2014 DR. 2.ª Série, 17/02/2014 04/03/2014 MÁRIO SANTOS CONGRESSO NACIONAL OLIMPICO - MAIA
  21. 21. Este financiamento tem sido integralmente alavancado em fundos públicos, contratualizados entre o Estado via IPDJ e COP. Analisando os relatórios e as contas dos projetos concluímos que os programas de preparação olímpica são sustentados, integralmente, num investimento publico direto do estado. 04/03/2014 MÁRIO SANTOS CONGRESSO NACIONAL OLIMPICO - MAIA
  22. 22. Para 2016 estão previsto 15,7 Milhões de Euros e estabelecidos os seguinte objectivos: “tendo por base a evolução dos resultados alcançados nas duas anteriores edições dos Jogos Olímpicos, é expectável que a taxa de concretização de um resultado condicente com os Níveis de Integração, respeite o seguinte referencial: 25% dos Atletas integrados no Nível 1, que participem nos Jogos Olímpicos Rio 2016, alcancem classificações de pódio; 50% dos Atletas integrados no Nível 2, que participem nos Jogos Olímpicos Rio 2016, alcancem classificações de finalista; 80% dos Atletas de Nível 3, que participem nos Jogos Olímpicos Rio 2016, alcancem classificações de semifinalista.” Fonte: Contrato Programa n.º 108/2014 DR. 2.ª Série, 17/02/2014 04/03/2014 MÁRIO SANTOS CONGRESSO NACIONAL OLIMPICO - MAIA
  23. 23. A definição e divulgação dos objetivos individuais por atleta, equipa e modalidade, de acordo com a metodologia anteriormente referida, deverá precisar as seguintes orientações de referência, em função da matriz de referência do caderno de encargos delineado pelo IPDJ, IP e que é parte integrante do presente programa: Aumentar a taxa de eficácia dos resultados alcançados, ou seja, aumentar o rácio entre atletas apoiados e atleta selecionados para competirem nos Jogos Olímpicos Rio 2016 – qualificação; Aumentar a pontuação dos resultados obtidos, em percentagem a definir das modalidades com atletas portugueses nos Jogos Olímpicos Rio 2016; Aumentar a média de pontuação dos resultados obtidos pelo número de atletas participantes em cada modalidade, em mais de 50% das modalidades com atletas portugueses nos Jogos Olímpicos Rio 2016; Aumentar a média de pontuação dos resultados obtidos pelos atletas portugueses nos Jogos Olímpicos Rio 2016. Deve ser objetivo mínimo de cada praticante individual, equipa ou seleção, para os Jogos Olímpicos do Rio 2016, a obtenção de resultado/prestação desportiva dentro dos parâmetros que garantiram a sua qualificação. Os praticantes que participem nos Jogos Olímpicos devem pugnar, em todas as circunstâncias, pelo cumprimento dos objetivos individuais/equipa ou seleção estabelecidos para o Rio 2016, observando um comportamento exemplar de forma a valorizar a imagem da Missão, do País bem como das entidades que o representam 04/03/2014 MÁRIO SANTOS CONGRESSO NACIONAL OLIMPICO - MAIA
  24. 24. Contudo verificamos e, ao contrário do que resulta das melhores práticas não há uma definição clara de objectivos, uma estratégia subjacente que os defina e um enquadramento técnico que o monitorize e avalie. Não havendo sequer esses mecanismo de monitorização que permitam analisar desvios e atempadamente aos necessários ajustamentos. Sinal preocupante é o projeto a final ser objecto de auto avaliação pelos seus promotores, sem uma comissão de acompanhamento independente que o monitorize e avalie. Monitorização e avaliação não na vertente unicamente contabilística, mas sim técnico desportiva. O Sucesso desportivo é a pedra de toque que vai alinhar a sustentabilidade do 04/03/2014 financiamento ao alto rendimento e à preparação olímpica. MÁRIO SANTOS CONGRESSO NACIONAL OLIMPICO - MAIA
  25. 25. iii. Exemplos: A Holanda (16,7 milhões de habitantes), conquistou 20 medalhas nos Jogos Olímpicos Londres2012, encara a sua preparação olímpica em torno de critérios de eficácia e eficiência desportivas. Consideram que se deve investir melhor, com estratégia e uma utilização eficiente dos meios disponíveis.... "We chose for true elite sport – sport as a full-time profession – and this also means: choosing between elite sport programmes”. www.nocnsf.nl Objectivo: TOP TEN MUNDIAL 04/03/2014 MÁRIO SANTOS CONGRESSO NACIONAL OLIMPICO - MAIA
  26. 26. 04/03/2014 www.nocnsf.nl MÁRIO SANTOS CONGRESSO NACIONAL OLIMPICO - MAIA
  27. 27. Austrália (22 milhões de habitantes): Austrália definiu uma estratégia para o Alto Rendimento. Entendem ser fundamental a mudança, apesar das 35 medalhas conquistadas em Londres 2012 O denominado "Winning Edge" tem como objectivo colocar a Austrália nos 5 primeiros Países do Medalheiro Olímpico. 04/03/2014 Fonte: www.ausport.gov.au MÁRIO SANTOS CONGRESSO NACIONAL OLIMPICO - MAIA
  28. 28. 04/02/2014 Fonte: www.ausport.gov.au MÁRIO SANTOS CONGRESSO NACIONAL OLIMPICO - MAIA
  29. 29. Reino Unido (63 milhões de habitantes): UK Sport define objectivo de medalhas para o Rio 2016 para superar os Jogos Olímpicos de Londres: • aponta para pelo menos 66 medalhas no Brasil • vai investir cerca de 400 Milhões de Euros para atingir este objectivo A Grã Bretanha conquistou 1 medalha de ouro em Atlanta 1996 e 29 medalhas de ouro em Londres 2012. UK Sport, já em 2014 anunciou os resultados da sua Revisão Anual do Investimento. 36 modalidades Olímpicas e Paralímpicas receberão financiamento para garantir e aumentar o potencial de medalha para o Rio 2016 e Tóquio 2020. Sete modalidades viram o seu financiamento retirado e reinvestido noutros programas depois de não conseguir demonstrar potencial medalha realista para Tóquio 2020 . Fonte: www.uksport.gov.uk 04/03/2014 MÁRIO SANTOS CONGRESSO NACIONAL OLIMPICO - MAIA
  30. 30. Investment – Olympic sports Sport Rio Cycle Investment (PreAnnual Investment Review) Rio Cycle Investment (PostAnnual Investment Review) Archery £2,952,237 £2,952,237 Athletics £26,824,206 £26,824,206 Badminton £5,913,030 £5,662,754 Boxing* £13,764,437 £13,764,437 Canoeing £19,107,789 £20,043,618 Cycling £30,565,816 £30,565,816 Diving £7,467,860 £7,467,860 Equestrian £17,929,600 £17,992,600 Fencing* £3,082,800 £3,976,819 Gymnastics £14,465,428 £14,615,428 Hockey £15,511,600 £16,141,393 Judo £6,800,200 £7,366,200 Modern Pentathlon £6,940,098 £6,972,174 Rowing £32,622,862 £32,622,862 £25,504,055 Sailing £24,515,072 Shooting £2,878,854 £3,190,854 Swimming £21,352,191 £20,795,828 Taekwondo £6,861,812 £8,053,837 Triathlon £5,508,643 TOTAL £7,457,977 £271,970,955 Note: Funding has been withdrawn from Basketball, Synchronised Swimming, Water Polo and Weightlifting. A new request for funding from Beach Volleyball was rejected (funding for their Small Squad Investment had already been withdrawn prior to the Annual Investment Review due to athlete retirements). To date £4.9m has been invested in these sports in the Rio cycle. *Awards to Boxing and Fencing continue on a one year basis 04/3/2014 MÁRIO SANTOS CONGRESSO NACIONAL OLIMPICO - MAIA
  31. 31. b) Potenciar e diversificar fontes de financiamento Que soluções? Quais as oportunidades? 04/03/2014 MÁRIO SANTOS CONGRESSO NACIONAL OLIMPICO - MAIA
  32. 32. As resposta são as de sempre: mais financiamento público, patrocínios privados, jogos sociais e a legalização das apostas online. Contudo, a realidade dos Países no mesmo patamar de desenvolvimento aponta um fator determinante para alavancar e justificar o aumento do financiamento: a obtenção de resultados desportivos de excelência quantificados e uma gestão eficiente. Nunca confundindo a prática desportiva com um Programa de Preparação para Participação Olímpica/ Alto rendimento. Alto rendimento não se deve confundir com: ter mais pessoas a praticar, ter mais pessoas a praticar habitualmente, ter mais pessoas ativas e conseguir que mantenham mais tempo essa actividade. 04/03/2014 MÁRIO SANTOS CONGRESSO NACIONAL OLIMPICO - MAIA
  33. 33. Efetivamente a lei ( Decreto-Lei n.º 272/2009 de 1 de Outubro) define alto rendimento como “a prática desportiva em que os praticantes obtêm classificações e resultados desportivos de elevado mérito, aferidos em função dos padrões desportivos internacionais”. A questão é justificar um maior investimento na preparação de atletas de alto rendimento para participar nos Jogos Olímpicos, atletas treinarem bi-diariamente durante anos procurando a superação, financiados com dinheiros públicos, sendo-lhes alocados meios técnicos, humanos e infra estruturas. 04/03/2014 MÁRIO SANTOS CONGRESSO NACIONAL OLIMPICO - MAIA
  34. 34. Sendo que estudos recentes demonstram que mais dinheiro não significa melhores resultados. 04/03/2014 http://www.vub.ac.be/SBMA/sites/default/files/Press%20release%20SPLISS%20study-international2.pdf MÁRIO SANTOS CONGRESSO NACIONAL OLIMPICO - MAIA
  35. 35. Afirmou o Dr. José Manuel Constantino, Presidente do COP, no seu discurso no 104.º Aniversário do COP que: “...... Vários são os tropismos que tendem a distorcer uma análise que se pretende integrada e global. Seja quando se procura desligar o desporto de elite do desporto de base para destacar uma dimensão do modelo de financiamento. Seja quando se procura uniformizar à aritmética de uma qualquer fórmula matemática realidades de modalidades com escala, especificidades e modelos organizacionais e competitivos tão díspares, na ilusão que tal contribua para corrigir assimetrias de competitividade e valorar a eficácia e a eficiência na justa repartição de recursos que são escassos. Um pensamento proclamatório pouco preocupado com a compreensão de realidades tão complexas constitui o melhor aliado do situacionismo. A coesão do sistema desportivo tem de se construir com todos numa lógica de gestão de recursos que obedeça a uma política de objetivos, que não pode deixar de ter em primeira linha a sustentabilidade das organizações desportivas. Porque sem 04/03/2014 sustentabilidade não há resultados desportivos....” MÁRIO SANTOS CONGRESSO NACIONAL OLIMPICO - MAIA Fonte: http://www.comiteolimpicoportugal.com/media/202266/Discurso%20104%20aniversario%20COP%20vf.pdf
  36. 36. Reino Unido: UK Sport will strategically invest around £350million of National Lottery and Exchequer funds into preparing Great Britain’s best athletes for Rio 2016 and beyond to build on the outstanding success of London 2012. Holanda: "We chose for true elite sport – sport as a full-time profession – and this also means: choosing between elite sport programmes” Australia: ".... Investments will be prioritised to sports that demonstrate the greatest chance of short, medium and long-term success. Decisions will be based on credible evidence that takes into account recent performances and future potential, along with understanding the systems that will drive performance outcomes......" 04/03/2014 MÁRIO SANTOS CONGRESSO NACIONAL OLIMPICO - MAIA
  37. 37. “Sem sustentabilidade das organizações desportivas não há resultados desportivos” afirmou Dr. José Manuel Constantino, Presidente do COP, a 28/11/2013. Quando abordamos o financiamento público ao alto rendimento e Preparação olímpica, temos que ter uma estratégia para objectivos concretos de resultado desportivo, de rendimento; definir funções e responsabilidades; facilitar as decisões em tempo útil; promover um percurso, liderança e exercícios de controlo. Em suma, uma gestão estratégica que permita que as decisões certas sejam tomadas pelas pessoas qualificadas assegurando que estamos no caminho de atingir os objectivos definidos e mecanismo de controlo que permitam confirmar se a gestão está a ser eficiente, podendo proceder-se aos ajustes necessários 04/03/2014 MÁRIO SANTOS CONGRESSO NACIONAL OLIMPICO - MAIA
  38. 38. SEM O OBJECTIVO CLARO DE RESULTADOS DE SUCESSO, E UMA ESTRATÉGIA SUBJACENTE, NÃO É SUSTENTAVEL NEM JUSTIFICÁVEL O FINANCIAMENTO AO ALTO RENDIMENTO E PREPARAÇÃO OLIMPICA SEJA O FINANCIAMENTO PUBLICO OU PRIVADO. SENDO QUE AS INSTITUIÇÕES QUE ASSUMAM ESSA FUNÇÃO APENAS TEM QUE ASSUMIR A MESMA RESPONSABILIDADE QUE EXIGEM AOS ATLETAS E TREINADORES: SEM RESULTADOS NÃO HAVERÁ FINANCIAMENTO. 04/02/2014 MÁRIO SANTOS CONGRESSO NACIONAL OLIMPICO - MAIA
  39. 39. Mas nada como deixar aqui um testemunho que, no meu entender, deveria ter sido exemplo: ESCLARECIMENTO SOBRE A PARTICIPAÇÃO MASCULINA “.... Desde o início da época foi traçado como objetivo para o Fernando Pimenta e Emanuel Silva o seu apuramento em K2 1000 metros, pois entendíamos que essa equipa tinha grandes possibilidades de se qualificar e, mais do que isso, grandes possibilidades de lutar por uma medalha em Londres. ..... Concluindo, a decisão da FPC em inscrever os atletas Fernando Pimenta e Emanuel Silva apenas no evento de k2 na distância de 1.000 metros, tem como fundamento os factos citados, de cariz estritamente técnico, e que têm como único objetivo o melhor resultado desportivo em Londres2012. A Direcção da Federação Portuguesa de Canoagem Porto, 05/06/12 04/02/2014 http://www.fpcanoagem.pt/LinkClick.aspx?fileticket=gQkTHv7FU9Q%3D&tabid=126&mid=1237 MÁRIO SANTOS CONGRESSO NACIONAL OLIMPICO - MAIA
  40. 40. DOIS MESES APÓS 04/02/2014 MÁRIO SANTOS CONGRESSO NACIONAL OLIMPICO - MAIA
  41. 41. 04/03/2014 MÁRIO SANTOS CONGRESSO NACIONAL OLIMPICO - MAIA
  42. 42. VAMOS MANTER A CHAMA VIVA! RIO 2016 É JÁ AMANHÃ Obrigado pela vossa atenção 04/03/2014 MÁRIO SANTOS CONGRESSO NACIONAL OLIMPICO - MAIA

×