Saúde do homem e câncer de próstata

2.725 visualizações

Publicada em

Saúde do Homem

Publicada em: Saúde e medicina
  • Seja o primeiro a comentar

Saúde do homem e câncer de próstata

  1. 1. Enfermeiro Marcos Soares
  2. 2. • Você conhece algum homem que vá ao médico por livre e espontânea vontade? Mesmo sem sentir nada, apenas para ver se a saúde vai bem? • Vários estudos comparativos, entre homens e mulheres, têm comprovado o fato de que os homens são mais vulneráveis às doenças, sobretudo às enfermidades graves e crônicas, e que morrem mais precocemente que as mulheres. • A despeito da maior vulnerabilidade e das altas taxas de morbimortalidade, os homens não buscam, como as mulheres, os serviços de atenção básica.
  3. 3. • Agora, o Ministério da Saúde está concluindo um estudo sobre a saúde da população masculina que analisa as cinco principais causas de internação e mortalidade entre eles. Com esses dados, o governo pretende realizar uma campanha de conscientização para a saúde do homem, como já fez com mulheres, crianças, adolescentes e idosos.
  4. 4. • Cuidar da saúde é uma questão cultural. Enquanto as mulheres aprendem, desde cedo, que é preciso ir regularmente ao ginecologista – e, depois, quando se tornam mães, que é preciso levar os bebês ao pediatra – os homens não são criados com esse hábito.
  5. 5. Vencendo preconceito • Outro problema entre os homens são os preconceitos com determinados exames. Como o que detecta câncer de próstata, outra das principais causas de morte. O diagnóstico traz boas chances aos pacientes, mas para isso é preciso quebrar o tabu e realizar o exame de toque retal periodicamente. “No caso dos homens que apresentam história familiar de câncer de próstata em primeiro grau, a prevenção deve começar a partir dos 40 anos”.
  6. 6. Exames essenciais • Para saber como está a saúde, vale acompanhar possíveis fatores de risco fazendo um check-up anual. “A história clínica e o exame físico devem nortear a solicitação de exames, que deve ser personalizada ao máximo”. • Confira os principais exames do check-up masculino:
  7. 7. • Exames de sangue para verificar os níveis de colesterol total e frações, triglicérides, glicemia e insulina • Avaliação de calcificação em coronária • Função hepática • Ácido úrico • Câncer de próstata: dosagem da enzima PSA • Câncer de cólon: colonoscopia • Função pulmonar, indicada aos fumantes • Raio X de tórax para avaliar os órgãos sólidos
  8. 8. • Deixe de lado o sedentarismo: pelo menos 30 minutos de caminhada por dia. O ideal são cinco dias por semana. • Alimente-se de forma saudável para controlar o sobrepeso: de cinco a seis pequenas refeições ao dia, ricas em frutas, legumes e verduras. • Mude o ritmo da vida profissional: é preciso buscar equilíbrio entre os diversos papéis que se tem na sociedade e na família. Isso promove felicidade e alegria de viver. recomendações
  9. 9. • Violência; • Acidentes de trânsito; • Alcoolismo e tabagismo; • DST’s; • A.V.E.; • Doenças do Fígado; • Pneumonias; • D.P.O.C.; Do que os homens morrem? • Tuberculose; • Cardiopatias; • Principais Tumores: Próstata; Estômago; Esófago; Boca e Faringe; Colon, Reto e Ânus; Fígado e vias Biliares; SNC; Pâncreas e Laringe.
  10. 10. • A próstata é uma glândula que só o homem possui e que se localiza na parte baixa do abdômen. Ela é um órgão muito pequeno, tem a forma de maçã e se situa logo abaixo da bexiga e à frente do reto. A próstata envolve a porção inicial da uretra, tubo pelo qual a urina armazenada na bexiga é eliminada. A próstata produz parte do sêmen, líquido espesso que contém os espermatozoides, liberado durante o ato sexual. próstata
  11. 11. • No Brasil, o câncer de próstata é o segundo mais comum entre os homens (atrás apenas do câncer de pele não- melanoma). Em valores absolutos, é o sexto tipo mais comum no mundo e o mais prevalente em homens, representando cerca de 10% do total de cânceres. Sua taxa de incidência é cerca de seis vezes maior nos países desenvolvidos em comparação aos países em desenvolvimento.
  12. 12. • Mais do que qualquer outro tipo, é considerado um câncer da terceira idade, já que cerca de três quartos dos casos no mundo ocorrem a partir dos 65 anos. O aumento observado nas taxas de incidência no Brasil pode ser parcialmente justificado pela evolução dos métodos diagnósticos (exames), pela melhoria na qualidade dos sistemas de informação do país e pelo aumento na expectativa de vida.
  13. 13. • Alguns desses tumores podem crescer de forma rápida, espalhando-se para outros órgãos e podendo levar à morte. A grande maioria, porém, cresce de forma tão lenta (leva cerca de 15 anos para atingir 1 cm³ ) que não chega a dar sinais durante a vida e nem a ameaçar a saúde do homem.
  14. 14. • O câncer de próstata é hoje, o tumor mais frequente em homens (excetuando-se os cânceres de pele), representando cerca de 4 em cada 10 cânceres que atingem a população masculina brasileira com mais de 50 anos de idade. É também o 2º câncer em causas de morte no Brasil. Estima-se que cerca de 50.000 novos casos de câncer de próstata sejam diagnosticados hoje.
  15. 15. • De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), a detecção precoce de um câncer compreende duas diferentes estratégias: aquela destinada ao diagnóstico em pessoas que apresentam sinais iniciais da doença (diagnóstico precoce) e aquela, voltada para pessoas sem nenhum sintoma e aparentemente saudáveis (rastreamento). A decisão do uso do rastreamento como estratégia de saúde pública deve se basear em evidências científicas de qualidade. Detecção precoce
  16. 16. • No momento, não existem evidências de que o rastreamento para o câncer de próstata identifique homens que precisem de tratamento ou de que esta prática reduza a mortalidade pela doença. Desta forma, o Instituto Nacional de Câncer não recomenda o rastreamento para o câncer de próstata e continuará acompanhando o debate científico sobre este tema, podendo rever esta posição quando estiverem disponíveis os resultados dos estudos multicêntricos em curso.
  17. 17. • Em sua fase inicial, o câncer da próstata tem evolução silenciosa. Muitos pacientes não apresentam nenhum sintoma ou, quando apresentam, são semelhantes aos do crescimento benigno da próstata (dificuldade de urinar, necessidade de urinar mais vezes durante o dia ou a noite). Na fase avançada, pode provocar dor óssea, sintomas urinários ou, quando mais grave, infecção generalizada ou insuficiência renal. sintomas
  18. 18. • Achados no exame clínico (toque retal) combinados com o resultado da dosagem do antígeno prostático específico (PSA, na sigla em inglês) no sangue podem sugerir a existência da doença. Nesses casos, é indicada a ultrassonografia pélvica (ou prostática transretal, se disponível). O resultado da ultrassonografia, por sua vez, poderá mostrar a necessidade de biópsia prostática transretal. diagnóstico
  19. 19. • O diagnóstico de certeza do câncer é feito pelo estudo histopatológico do tecido obtido pela biópsia da próstata. O relatório anatomopatológico deve fornecer a graduação histológica do sistema de Gleason, cujo objetivo é informar sobre a provável taxa de crescimento do tumor e sua tendência à disseminação, além de ajudar na determinação do melhor tratamento para o paciente.
  20. 20. • Não foi descoberta ainda uma vacina ou uma medicação que previna o câncer de próstata. Porém os estudos mostram que alguns hábitos saudáveis podem diminuir sua incidência. São basicamente hábitos alimentares que também ajudam a prevenir outros tumores e também outras doenças (como as doenças do coração). Prevenção
  21. 21. • Recomenda-se a ingestão de pouca gordura animal, grande quantidade de vegetais (verduras, legumes e frutas), além do consumo de chá verde, das vitaminas A e D, de selênio (presente na castanha do Pará), e de tomate – fonte de licopeno.
  22. 22. • Essas são formas de se prevenir, mas não evitam completamente que tenhamos o câncer de próstata. O que temos hoje de mais efetivo é a detecção dessa neoplasia precocemente (quando temos a possibilidade de cura em cerca de 90% dos casos). Para que isso seja possível, é importante que façamos os exames anuais de rotina. Trata-se de colher um exame de sangue (o PSA – antígeno prostático específico) e o exame físico (o toque retal).
  23. 23. • Alguns homens ainda ficam incomodados em pensar no toque retal, mas trata-se apenas de um exame (importante e indolor). Leva apenas alguns segundos e é essencial, pois cerca de 1 em cada 5 homens com câncer na próstata têm o exame do PSA normal. É também necessário salientar a importância em procurar um especialista para a interpretação correta do exame, pois várias circunstâncias podem alterá-lo além do câncer, o que apenas seu médico pode esclarecer.
  24. 24. • A Sociedade Brasileira de Urologia (SBU) recomenda que os exames preventivos sejam realizados 1 vez por ano, após os 45 anos de idade, sendo antecipado para 40 anos caso o homem tenha um familiar com câncer de próstata.
  25. 25. • É importante lembrar que o câncer de próstata é assintomático em suas fases iniciais, ou seja, a pessoa não sente nenhum sintoma. Só iniciará a sentir dor ou dificuldade de urinar quando a doença já estiver avançada.
  26. 26. Tratamento • A forma de tratamento adequada depende de cada caso; da idade do paciente, da expectativa média de vida, do estadiamento da doença (se localizada ou avançada) e principalmente da escolha do paciente frente às opções possíveis.
  27. 27. • Para doenças que estão ainda apenas na próstata, existem 3 tipos de tratamento (que são usados isolados ou em associação), que têm o objetivo de tentar curar o paciente. São eles a cirurgia, a radioterapia (radiação aplicada externamente) e a braquiterapia (que consiste na colocação se sementes radioativas no local da próstata).
  28. 28. • Cada uma delas tem suas vantagens e desvantagens. Para pacientes mais idosos e tumores menos agressivos, pode-se também acompanhar o paciente rigorosamente e tratar apenas se o tumor mostrar sinais de alteração em sua agressividade. A decisão da melhor forma de tratamento deve ser tomada em conjunto entre o médico, o paciente e a sua família.
  29. 29. • Sobre a forma de cirurgia (aberta – convencional, laparoscópica – com pequenas incisões, ou por robô), todas se mostram equivalentes quanto aos resultados oncológicos (chance de controle da doença).
  30. 30. • Nos casos avançados, onde a doença já “se espalhou” pelo corpo do paciente, também existem tratamentos, embora não sejam mais curativos, mas que podem controlar a doença, como o bloqueio hormonal (trata-se de bloquear a produção de testosterona, o hormônio masculino, que faz o câncer se desenvolver) ou a quimioterapia em alguns casos.
  31. 31. • A mensagem mais importante que desejamos passar é sobre a importância em ter uma vida saudável, fazer exames de rotina regularmente e, no caso de você ou algum familiar descobrir que tenha câncer de próstata, não entre em pânico: procure um urologista, que ele poderá fornecer o tratamento adequado para o seu caso.
  32. 32. • http://www.hcancerbarretos.com.br/cancer-de-prostata • http://www2.inca.gov.br/wps/wcm/connect/tiposdecancer/site/home/prostata+/definicao • http://www.youtube.com/watch?v=5Zylyd5qR_o • http://www.einstein.br/einstein-saude/em-dia-com-a-saude/Paginas/saude-do- homem.aspx • http://www2.inca.gov.br/wps/wcm/connect/tiposdecancer/site/home/prostata/deteccao_ precocE • http://www2.inca.gov.br/wps/wcm/connect/tiposdecancer/site/home/prostata/sintomas • http://www2.inca.gov.br/wps/wcm/connect/tiposdecancer/site/home/prostata/diagnostico • http://portalsaude.saude.gov.br/images/pdf/2014/maio/21/CNSH-DOC-PNAISH--- Principios-e-Diretrizes.pdf • http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nacional_atencao_saude_homem.pdf Referências:

×