Trabalhar a poesia emTrabalhar a poesia emsala de aulasala de aula
““A poesiaA poesiasensibilizasensibilizaqualquer serqualquer serhumano. É ahumano. É afala da alma, dofala da alma, dosent...
CONHECIMENTOPRÉVIOConhecimentolinguísticoConhecimentode mundoConhecimentodo texto
“Somos leitores domundo,não apenas da palavraescrita.Ser leitor é estar numlugarde observação dediversaslinguagens a serem...
Se estesconhecimentos nãoforem respeitados, oentendimento e acompreensão do poemapodem ficarprejudicados, e assim,como foi...
““Balada do amor através das idades” - Carlos Drummond deBalada do amor através das idades” - Carlos Drummond deAndradeAnd...
A compreensão do poema anterior pode ficarcomprometida se o leitor não tiver um dosconhecimentos acima citado. A poesia d...
Interpretação eCompreensãoPoéticaNão restringir à suaforma de apresentaçãoDisposição de palavrasDos versos, das rimas edas...
Estratégias para se trabalhar comEstratégias para se trabalhar compoesiaspoesiasSondagem sobre otema de interessedos aluno...
“Improvisar um mural, onde os alunos,durante uma semana, um mês, ou o ano todocolocam os versos de que mais gostam (...)de...
A poesia pode sertrabalhada não só nasaulas de LínguaPortuguesa, mas tambémnas aulas de História,Geografia e outras comoé ...
Tendo definido o objeto de trabalho com os alunos,chega a hora de o professor se colocar questõesantes de dar início à pre...
Poesia como objetode ensino:CARLOSDRUMMONDDE ANDRADEEVINÍCIUS DEMORAES
SEQUÊNCIA DEATIVIDADES• QUANTO AO GÊNERO• O que é poesia?• Por que a poesia parece afastada de nós?• Há possibilidades de ...
• QUANTO AOS AUTORES• O que faz um poeta? (Refletir sobre a atividade dopoeta e também sobre os elementos que o caracteriz...
• QUANTO AOS RECURSOS• Quais são os recursos disponíveis para apresentar osautores e suas obras aos alunos? (livros, docum...
• QUANTO À FINALIDADE• Quais são os objetivos da proposta?
OFICINAS OBJETIVOS ATIVIDADES MATERIAL DURAÇÃOSensibilizaçãoaoGênero poético• Reconheceralgumascaracterísticasdo gênerolír...
“A poesia está próxima de nós. Ela não seengessa numa tradição.”
Soneto do amor totalRio de JaneiroAmo-te tanto, meu amor... não canteO humano coração com mais verdade...Amo-te como amigo...
E trabalhar poesia em sala de aula
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

E trabalhar poesia em sala de aula

8.686 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
8.686
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2.122
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
104
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

E trabalhar poesia em sala de aula

  1. 1. Trabalhar a poesia emTrabalhar a poesia emsala de aulasala de aula
  2. 2. ““A poesiaA poesiasensibilizasensibilizaqualquer serqualquer serhumano. É ahumano. É afala da alma, dofala da alma, dosentimento. Esentimento. Eprecisa serprecisa sercultivada.”cultivada.”Afonso Romano de Sant’AnnaAfonso Romano de Sant’Anna A aprendizagem dainterpretação da poesiacompreende odesenvolvimento decoordenar conhecimentosdos vários sentidos queum texto poéticoproporciona.Uma forma para melhorara aprendizagem é aaproximação constante dapoesia, como também autilização do conhecimentoprévio.
  3. 3. CONHECIMENTOPRÉVIOConhecimentolinguísticoConhecimentode mundoConhecimentodo texto
  4. 4. “Somos leitores domundo,não apenas da palavraescrita.Ser leitor é estar numlugarde observação dediversaslinguagens a seremdecifradas,seja um texto, umapintura, uma esculturaou mesmo as cidades eas pessoas”.
  5. 5. Se estesconhecimentos nãoforem respeitados, oentendimento e acompreensão do poemapodem ficarprejudicados, e assim,como foi ditoanteriormente, de difícilinterpretação.
  6. 6. ““Balada do amor através das idades” - Carlos Drummond deBalada do amor através das idades” - Carlos Drummond deAndradeAndrade“Eu te gosto, você me gostadesde tempos imemoriais.Eu era grego, você troianaTroiana mas não Helena.Saí do cavalo de pauPara matar seu irmão.Matei, brigamos, morremos.(...)Mas depois de mil peripécias,Eu, herói da Paramount,Te abraço, beijo e casamos.
  7. 7. A compreensão do poema anterior pode ficarcomprometida se o leitor não tiver um dosconhecimentos acima citado. A poesia deDrummond exige do discente um bomconhecimento de mundo e da história para queele entenda a poesia, pois nela é citado, decerta forma, a Guerra de Tróia, os costumesromanos como também expõe o nome de umdos mais poderosos estúdios de Hollywood,dando referência aos finais felizes dos filmes.
  8. 8. Interpretação eCompreensãoPoéticaNão restringir à suaforma de apresentaçãoDisposição de palavrasDos versos, das rimas edas estofesDistanciamentoPerguntasimpressionistas(autor das questões)Interpretação propostaspelos livrosQuestionamentos
  9. 9. Estratégias para se trabalhar comEstratégias para se trabalhar compoesiaspoesiasSondagem sobre otema de interessedos alunosAcervo variadoRespeitar osdiferentes gostosdos alunosVariedades enovidades tambémsão eficazesAmbienteagradávelTroca deexperiências entrepares.
  10. 10. “Improvisar um mural, onde os alunos,durante uma semana, um mês, ou o ano todocolocam os versos de que mais gostam (...)de qualquer época ou autor, sãoprocedimentos que vão criando um ambiente(...) em que o prazer de lê-la passa a tomarforma.”
  11. 11. A poesia pode sertrabalhada não só nasaulas de LínguaPortuguesa, mas tambémnas aulas de História,Geografia e outras comoé o caso da poesia “ARosa de Hiroshima”, deVinícius de Moraes, queretrata o tristeacontecimento daexplosão da bombaatômica em Hiroshima.Rosa de HiroshimaVinicius de MoraesPensem nas criançasMudas telepáticasPensem nas meninasCegas inexatasPensem nas mulheresRotas alteradasPensem nas feridasComo rosas cálidasMas, oh, não se esqueçamDa rosa da rosaDa rosa de HiroshimaA rosa hereditáriaA rosa radioativaEstúpida e inválidaA rosa com cirroseA anti-rosa atômicaSem cor sem perfumeSem rosa, sem nada
  12. 12. Tendo definido o objeto de trabalho com os alunos,chega a hora de o professor se colocar questõesantes de dar início à preparação do planejamento.Seguem algumas delas que podem ser feitaspensando no trabalho com os livros Sentimento doMundo, de Carlos Drummond de Andrade, eAntologia Poética, de Vinícius de Moraes.
  13. 13. Poesia como objetode ensino:CARLOSDRUMMONDDE ANDRADEEVINÍCIUS DEMORAES
  14. 14. SEQUÊNCIA DEATIVIDADES• QUANTO AO GÊNERO• O que é poesia?• Por que a poesia parece afastada de nós?• Há possibilidades de a poesia estar presenteno cotidiano?• Os alunos já tiveram contato com a poesia?
  15. 15. • QUANTO AOS AUTORES• O que faz um poeta? (Refletir sobre a atividade dopoeta e também sobre os elementos que o caracterizam.)• Quem foram Carlos Drummond de Andrade e Viníciusde Moraes? Quando e onde viveram?• Qual foi o cenário cultural que vivenciaram?• O que escreveram?• Quais são as principais características de suas obras?• Os percursos de produção literária e as obras dessespoetas podem ser relacionados?• Quais as diferenças e aproximações possíveis entreSentimento do mundo, de Drummond, e AntologiaPoética, de Vinícius de Moraes?
  16. 16. • QUANTO AOS RECURSOS• Quais são os recursos disponíveis para apresentar osautores e suas obras aos alunos? (livros, documentários,filmes, quadros, fotografias, etc.)• Qual é o tempo disponível para a realização daatividade?
  17. 17. • QUANTO À FINALIDADE• Quais são os objetivos da proposta?
  18. 18. OFICINAS OBJETIVOS ATIVIDADES MATERIAL DURAÇÃOSensibilizaçãoaoGênero poético• Reconheceralgumascaracterísticasdo gênerolírico.• Reconhecer alinguagempoética nocotidiano.• Desenvolvera fruição naleitura.1. Apresentação daprimeira história dovídeo Histórias da unhado pé do fim do mundo.2. Leitura do conto “Aincapacidade de serverdadeiro”, deCarlos Drummond deAndrade.3. Leitura compartilhadados poemas“Sentimento doMundo” de CarlosDrummond deAndrade, e “Sonetoda Fidelidade”, deVinícius de Moraes4. Discussão sobrepoesia e prosa nocotidiano.• Computadorcom projetor• Ficha comconto epoemasselecionados.1h
  19. 19. “A poesia está próxima de nós. Ela não seengessa numa tradição.”
  20. 20. Soneto do amor totalRio de JaneiroAmo-te tanto, meu amor... não canteO humano coração com mais verdade...Amo-te como amigo e como amanteNuma sempre diversa realidadeAmo-te afim, de um calmo amorprestante,E te amo além, presente na saudade.Amo-te, enfim, com grande liberdadeDentro da eternidade e a cada instante.Amo-te como um bicho, simplesmente,De um amor sem mistério e sem virtudeCom um desejo maciço e permanente.E de te amar assim muito e amiúde,É que um dia em teu corpo de repenteHei de morrer de amar mais do que pude.

×