SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 44
Baixar para ler offline
EXEGESE POÉTICA
Marco Aurélio Bicalho de
Abreu Chagas
Recorde estas palavras...
(Inspirado no conto do livro INTERMÉDIO
LOGOSÓFICO, de RAUMSOL).
Velava o pai doce sono
de seu filhinho querido,
inspirado nesse amor,
escreveu-lhe estes conselhos:
Não deixe de se alimentar,
para nutrir seu corpinho.
Flexível e vigoroso
há de ser ele todinho.
Brinque, brinque, brinque muito,
mas, porém seja ordenado,
neste mundo que é só seu,
À noite quando deitar,
leve aquilo que mais gosta
com ele fique até que durma,
guia será em seus sonhos,
e alegre o seu despertar.
Não encarinhe o mais da conta
com suas vestes e roupinha
e as conserve em bom estado.
Mude-as quando estragadinhas.
Obedeça aos seus pais.
Ceda e fique quietinho,
quando não tenhas razão.
Umas vezes a terás,
Faça da vida um estudo.
Dele a mente necessita
pra fortalecer o espírito,
alimento indispensável.
Seja sempre dócil a tudo,
que é indicado pra seu bem.
Obedeça à professora
e ao seu sentir também.
Quando seja obrigado
mudar por qualquer motivo,
os seus jogos preferidos,
manifeste o seu valor
tendo muita paciência
O que afete o seu sentir,
não devem ver seus olhinhos,
A vazias palavrinhas,
também não dê ouvidinhos.
Busque sempre a seleção,
daqueles seus amiguinhos.
E procure ficar junto
desses bons companheirinhos.
Pergunte sempre a seus pais,
o que você quer saber,
mas não distraia a atenção
nas coisas que não interessam.
Seja muito cuidadoso
com seus cadernos e livros,
anotando o que aprender
e evitará com isso,
Acostume a não mentir,
mesmo que com isto sofra
injustiças e tristeza.
Preservará seu sentir.
Quando grande você for,
ensinarei como deve
defender-se com valor
dos indivíduos que mentem
sempre pra prejudicar.
Refreia sempre os impulsos.
Sê enérgico e não violento,
justo sem ser exigente,
dos outros tolere as faltas,
com rigor reprime as suas.
demonstrando ser valente.
***
‘‘A DISCRIÇÃO DO ARTÍFICE”
(Inspirado no conto do livro INTERMÉDIO
LOGOSÓFICO, de RAUMSOL).
Tinha um escultor por costume,
quebrar pedras noite e dia
e aos que por ali passavam
que indagavam, respondia:
- corto essas pedras porque
nada tanto me entretém
que contar os pedacinhos.
Isso muito me convém.
Passado, então, algum tempo
a todos surpreendeu,
o laborioso artífice.
Diante de olhos assombrados
fez que o véu decerrassem,
de grande e formosa estátua,
pra que eles a admirassem.
E assim falou o escultor:
- se tivesse anunciado
o que fazer me propunha
teria algo realizado?
Com conselhos dispersivos
teriam me importunado
e certamente o trabalho
não teria terminado.
E deste relato surge
a real necessidade
de não expor os projetos.
Isso é uma realidade.
Deve ser bem protegido,
todo projeto valioso
com o véu da discrição,
dos olhos do curioso.
É preferível mostrar
a real fecundidade
do nascente pensamento
com fatos e sem alarde.
***
Marco Aurélio Bicalho de Abreu Chagas
“A MOSCA”
(Inspirado em conto do livro INTERMÉDIO
LOGOSÓFICO, de RAUMSOL).
Pela sujeira e o esterco
depois de muito voar,
sobre um potinho de mel,
uma mosca foi pousar.
Ficaram presas as patinhas
nesse suco coloidal,
sentiu que afundando ia
cada vez que remexia.
Uma e outra vez voar
sem resultado, tentou.
Cansada e sem esperanças
ali mesmo agonizou.
Quantos há igual que a mosca,
pela doce sugestão,
atraídos às coisas fáceis
nelas afundando vão.
Incapazes o mistério,
encerrado perceber,
no domínio do objeto,
presumiram exercer.
***
Marco Aurélio Bicalho de Abreu Chaga
“HISTÓRIA DE CINCO ROSAS”
(Inspirado em conto do livro INTERMÉDIO
LOGOSÓFICO, de RAUMSOL).
Florescia uma roseira,
num parque, em belo jardim,
em meio a dálias e cravos,
jacintos e um jasmim.
Tão formosa e bela planta,
cinco rosas nela havia.
A mão do homem dentre todas,
as mais belas escolhia.
Um casal enamorado,
em gesto de eterno amor,
desprendeu do tenro talo
Aquela rosa murchou,
com carinho foi guardada
dentre as prendas mais queridas
da menina enamorada.
Junto à roseira um vaidoso
passou, retirando u’a rosa
e a colocou na lapela,
indo embora todo prosa.
Não bem a rosa murchou,
perdeu a finalidade,
no lixo ele a jogou,
não mais convinha à vaidade.
Beijando a terceira rosa,
a mãe sofrida a pegou,
nas mãos do filho inerte
em pranto a depositou.
Foi achada a quarta rosa
entre as mãos de um suicida.
Cena triste dolorosa.
Epílogo de uma vida.
Em seu talo a quinta rosa
sempre ali permanecia
para contar essa história,
nos anos que renascia.
Perguntaram à quinta rosa,
- por que não conta você
a sua história também,
nesse eterno florescer?
Turbada a flor legendária,
revelando o seu sofrer,
- sou a alma deste corpo,
em constante padecer.
Nem todas as minhas rosas
têm elas igual destino,
nem posso levar a culpa
de tão cruel desatino.
_______
O pai não pode ter culpa,
por filhos haver gerado,
que não souberam o seu nome
conservar e tê-lo honrado.
Sempre por aparências
é temeroso julgar.
Há muitos segredos íntimos,
que as flores vêm a guardar.
***
Marco Aurélio Bicalho de Abreu Chagas
“MAIS PODEM MUITOS QUE UM”
(Inspirado em conto do livro INTERMÉDIO
LOGOSÓFICO, de RAUMSOL).
Certa vez, faz muitos anos,
um rude homem caminhava,
subindo alta montanha
e com a riqueza sonhava.
Logo encontrou uma pedra,
que segundo pressentiu,
ocultava um tesouro
e empurrá-la decidiu.
Com energia e muita força
a empurrava noite e dia,
entrentanto a enorme pedra
Muito velho e quase exausto
os anos foram passando,
com o mesmo resultado
seguia ainda empurrando.
Passou por ali um dia
um ser mais inteligente
que aquele ancião tão rude,
interrogando o motivo
de obstinada atitude.
Inteirando-se do assunto,
ao esgotado velhinho,
buscou que outros o ajudassem
a liberar o caminho.
A pedra ocultava u’a gruta,
que um tesouro guardava.
O rude homem em sua luta
morreu antes da empreitada.
Todos, então, empurraram
e a grande pedra cedeu
e pra surpresa das gentes
o tesouro apareceu.
“Mais podem muitos que um”.
Daí se extrai a lição
de como é muito importante
o esforço com união.
A ignorância é a pedra
que devemos derrubar,
com o concurso de muitos,
para o saber encontrar.
Descoberto esse tesouro,
também da felicidade,
ele muito servirá
para o bem da humanidade.
***
Marco Aurélio Bicalho de Abreu Chagas.
BASES DA BOA CONDUTA
(Inspirado no livro BASES PARA TUA
CONDUTA, de RAUMSOL).
Surgem somente as idéias
quando há esforço mental.
Essa só linguagem entendem.
Isso é muito natural.
Não se queixe nunca, nunca,
por muito ter que fazer.
Isso o tornará simpático,
mas sincero deve ser.
A inteligência ao esforço,
muito unidos devem ser,
para trabalhando menos,
O trabalho quando é feito,
com alegria e vontade,
nos faz desfrutar da vida
e nos traz felicidade.
Uma conduta meritória
é a única oração
que Deus admitiria
do fundo do coração.
É sinal de consciência
o uso da atenção.
É de vital importância
para a nossa evolução.
Só pelo conhecimento
de Deus me aproximarei,
e pela via sensível
sua presença sentirei.
Devem reger nossa vida,
como verdades os conceitos,
que a evolução ajudam,
conscientemente aceitos.
Sempre é bom fazer o bem
para o mal eliminar,
deve ser a nossa luta
que evita o endividar.
Todas elas passageiras,
as reações devem ser,
e não durem mais que um tempo
se eu as não puder conter.
Ser útil em todo momento,
é algo recomendável
dentro da realidade,
de acordo com o razoável.
De cada fracasso eu devo
extrair o elemento
que me faltou pra vencer
com a luz do conhecimento.
Quando a luta seja amarga
otimista eu devo ser
pra transformá-la em doce
e o meu ser fortalecer.
Tem que ser tudo na vida
feito com muito valor
que é uma força estimulante,
antítese do temor.
Ser valente é demonstrar
segurança pessoal,
pois está ela apoiada
em grande valor moral.
É sentida pelo ser,
quando se troca o temor,
a alegria de viver,
pela força que é o valor.
Da natureza devemos,
o seu exemplo seguir,
ao renovar como os rios
as águas do existir.
A felicidade é algo
que a vida nos oferece;
pequenas porções de bem
que com saber permanece.
Razão de ser da existência
do homem aqui nesta terra:
é o saber, sua tarefa,
que grande estímulo encerra.
É exigência da lei,
ser grato ao bem recebido,
e merecedor será
do que lhe é oferecido.
***
Marco Aurélio Bicalho de Abreu Chagas
QUERIDA PROFESSORA
Dentre as artes que existem,
uma mais bela não há,
e nem mais gratificante,
que é a arte de ensinar.
Não basta com transmitir,
para alguns conhecimento,
é preciso que a vida
seja todo um ensinamento.
No seio da Criação,
não existe ser vivente,
com faculdade tão nobre,
esse dom de ser docente.
A professora que ensina,
com a mente e o coração,
o que sabe aos seus alunos,
nossa eterna gratidão.
A NOBRE MISSÃO DOS PAIS
Pai e Mãe, em harmonia,
os filhos têm que educar,
pois cabe ao casal humano,
tão nobre missão cuidar.
Pelo pensar e sentir,
cabem aos pais encaminhar,
os passos dos pequeninos,
nos caminhos do andar.
Sábios conselhos levar,
necessária advertência,
aos filhos devem chegar,
colhidos da experiência.
Mas tudo isso, entretanto,
é mil vezes compensado,
ao vermos em nossos filhos,
um sorriso estampado.
Não resta aos pais outra coisa,
que ao Criador agradecer,
pela divina missão
de educar um novo ser.
***
Marco Aurélio Bicalho de Abreu Chagas.
O AMOR
Necessita o amor
pra que seu volume aumente,
de uma fonte de estímulo,
direto e bem consciente.
E do verdadeiro amor
nunca devem se ausentar,
abnegação, sacrifício,
necessários cultivar.
***
A ALEGRIA DO TRIUNFO
A alegria do triunfo
não posso experimentar,
se não me disponho sempre,
em todo instante lutar.
PARA SER ALGUÉM...
Pra ser alguém é preciso,
sobressair ao vulgar,
ser verdadeiro em tudo,
e o propósito alcançar.
De que valem os esforços,
e as energias também,
se inexiste a orientação,
pra conquista deste bem!
Unida a força de um,
aos demais maior será,
fortalece assim o espírito,
pra nessa luta marchar.
Na busca deste ideal,
de se ser o que se quer,
deve se deixar de ser,
tudo aquilo que se é.
***
Marco Aurélio Bicalho de Abreu Chagas
UMA GOTINHA...
De Marco Aurélio B.A.Chagas
Se uma gotinha falasse,
o que iria dizer?
- unida a muitas gotinhas
ao rio faço crescer.
Se uma gotinha falasse,
o que iria dizer?
- ao cair num copo cheio
a água nâo pode conter.
Se uma gotinha falasse,
o que iria dizer?
- após uma noite o orvalho
nas folhas você me vê.
Se uma gotinha falasse,
o que iria dizer?
- sozinha sou pequenina
junto a muitas posso SER.
Se uma gotinha falasse,
o que iria dizer?
- dos raios do lindo sol
em mim consigo reter.
Se uma gotinha falasse,
o que iria dizer?
- evaporo, formo as nuvens
e caio ao solo ao chover.
Se uma gotinha falasse,
tanto iria dizer!
* * *
PERSONAGENS MENTAIS
De Marco Aurélio B.A.Chagas
Dedicado às crianças .
A mente dos pequeninos
com uma casa se parece
cada um deve aprender
a cuidá-la e a defender.
Vivem nela os pensamentos,
com caracteres lindos,
por vezes, entrando alguns,
que não devem ser benvindos.
A portinha desta casa,
com valentia e bravura,
é importante defender,
Muitos são esses marotos,
os seus nomes vou dizer
pra você os conhecer
e mais tarde os combater.
LOROTINHA é o mentiroso.
Um velhaco assim não há.
Faz esconder u'a mentira,
pondo outra no lugar.
Eis agora o TRAPACINHA,
da honestidade inimigo,
do engano, fazendo arte
e dos ardis muito amigo.
De tipo desarrumado
dos personagens mentais,
destaca-se o SUJEIRINHA,
que na lambança é dos tais.
É feroz como ele só.
FAISQUINHA é o seu nome.
Torna agressivas as crianças
e na violência as consome.
MÃO-DE-GATO é um covarde.
Um mestre em dissimular,
emcobridor da verdade,
com medo de a revelar.
É um palhacinho o TORÍBIO.
Gosta muito de algazarras,
sempre convida o menino,
pra tomar parte em suas farras.
CORCUNDINHA é uma feiura,
além de tudo enganoso,
ao feliz o desfigura,
transformando-o em invejoso.
TESOURINHA é um tagarela,
de todos mal quer falar,
quem o coloca em sua mente
vive a vida a criticar.
Quem é o tal PIRRACINHA?
Imprime em algum rostinho,
devido às repreensões,
um feio e longo biquinho.
Rei da desobediência
e muito mau conselheiro
DUCONTRA não deve ser,
das crianças companheiro.
”Ó XERETINHA infeliz
em tudo mete o nariz
e recebe o que não quis".
Da ordem é inimigo,
gosta do que é descuidado,
procura a mente, TUM TUM,
do que é desordenado.
Dorminhoco nunca vi.
Não gosta da atividade.
BOMBO é grande preguiçoso,
que não traz felicidade.
Sempre quer ser mais que os outros.
GARGANTINHA quer brilhar,
infunde uma ostentação
custe muito o que custar.
O que quiser ser feliz
dos deveres cumpridor
deve acolher ABELHINHA,
na mente com muito amor.
Pensamento estudioso,
nas mentes deve ficar
LUZEIRINHO, valioso,
o que brilha e faz brilhar.
* * *
Inspirado no livro
MINHA CASA MENTAL de
Carlos Bernardo González Pecotche
AO LEITOR
EXEGESE POÉTICA
Um livro de poemas sem compromisso
maior que o de transmitir o que nasceu de u’a mente que ama a
vida e vê nela um verdadeiro poema de amor.
Neste livro o leitor sentirá o otimismo e
o sabor da própria natureza.
A melancolia e a tristeza nele são partes
da vida e por isso mesmo não significam de forma alguma des-
contentamento e desamor por tudo de belo e puro que a vida
nos oferece.
Ele quer significar uma manifestação da
própria vida, uma dádiva oferecida a nós pelo Criador.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (19)

O SEGREDO DOS GIRASSÓIS - O DIÁRIO DE ANNA GOLDIN
O SEGREDO DOS GIRASSÓIS - O DIÁRIO DE ANNA GOLDINO SEGREDO DOS GIRASSÓIS - O DIÁRIO DE ANNA GOLDIN
O SEGREDO DOS GIRASSÓIS - O DIÁRIO DE ANNA GOLDIN
 
Pingo de luz
Pingo de luzPingo de luz
Pingo de luz
 
Jornal do Espiritismo Outubro 2009
Jornal do Espiritismo Outubro 2009Jornal do Espiritismo Outubro 2009
Jornal do Espiritismo Outubro 2009
 
Pingo de Luz
Pingo de LuzPingo de Luz
Pingo de Luz
 
Livro animado cavernoso
Livro animado cavernosoLivro animado cavernoso
Livro animado cavernoso
 
Mauro e o dinossauro
Mauro e o dinossauro  Mauro e o dinossauro
Mauro e o dinossauro
 
padlet-Dia Mundial do Livro e dos Direitos de Autor.pdf
padlet-Dia Mundial do Livro e dos Direitos de Autor.pdfpadlet-Dia Mundial do Livro e dos Direitos de Autor.pdf
padlet-Dia Mundial do Livro e dos Direitos de Autor.pdf
 
Aulas
AulasAulas
Aulas
 
379 an 15 maio_2012.ok
379 an 15 maio_2012.ok379 an 15 maio_2012.ok
379 an 15 maio_2012.ok
 
VIDA EM POESIA
VIDA EM POESIAVIDA EM POESIA
VIDA EM POESIA
 
Preview Ciranda da Solidão
Preview Ciranda da SolidãoPreview Ciranda da Solidão
Preview Ciranda da Solidão
 
tarot
tarottarot
tarot
 
Mateus e o brinquedo desaparecido
Mateus e o brinquedo desaparecidoMateus e o brinquedo desaparecido
Mateus e o brinquedo desaparecido
 
Slides mão escrevendo - 2011 (1)
Slides   mão escrevendo - 2011 (1)Slides   mão escrevendo - 2011 (1)
Slides mão escrevendo - 2011 (1)
 
Falsos gigantes
Falsos gigantesFalsos gigantes
Falsos gigantes
 
Feriado (contos comunitários)
Feriado (contos comunitários)Feriado (contos comunitários)
Feriado (contos comunitários)
 
Evangelista, p. se macabéa tivesse feito terapia... considerações sobre a clí...
Evangelista, p. se macabéa tivesse feito terapia... considerações sobre a clí...Evangelista, p. se macabéa tivesse feito terapia... considerações sobre a clí...
Evangelista, p. se macabéa tivesse feito terapia... considerações sobre a clí...
 
Tcc versão final nivaldo
Tcc versão final nivaldoTcc versão final nivaldo
Tcc versão final nivaldo
 
O enigma de Santo Antônio do Paraibuna
O enigma de Santo Antônio do ParaibunaO enigma de Santo Antônio do Paraibuna
O enigma de Santo Antônio do Paraibuna
 

Semelhante a Exegese Poética

Semelhante a Exegese Poética (20)

Crer e realizar em 2014
Crer e realizar em 2014Crer e realizar em 2014
Crer e realizar em 2014
 
Guilherme E Ian
Guilherme E IanGuilherme E Ian
Guilherme E Ian
 
Evangelho animais 33
Evangelho animais 33Evangelho animais 33
Evangelho animais 33
 
Homenagens aos professores
Homenagens aos professoresHomenagens aos professores
Homenagens aos professores
 
Eu não desisto do meu sonho
Eu não desisto do meu sonhoEu não desisto do meu sonho
Eu não desisto do meu sonho
 
Frases
FrasesFrases
Frases
 
Txt refelxiv
Txt refelxivTxt refelxiv
Txt refelxiv
 
O ensino da sementeira
O ensino da sementeiraO ensino da sementeira
O ensino da sementeira
 
Pensamentos sobre o livro Minha vida em versos Edna Aparecida de Souza Mendon...
Pensamentos sobre o livro Minha vida em versos Edna Aparecida de Souza Mendon...Pensamentos sobre o livro Minha vida em versos Edna Aparecida de Souza Mendon...
Pensamentos sobre o livro Minha vida em versos Edna Aparecida de Souza Mendon...
 
Saber Amar
Saber AmarSaber Amar
Saber Amar
 
Saber Amar
Saber AmarSaber Amar
Saber Amar
 
Saber Amar
Saber AmarSaber Amar
Saber Amar
 
O que foi que o mendigo disse
O que foi que o mendigo disseO que foi que o mendigo disse
O que foi que o mendigo disse
 
Bioética-Aula 1
Bioética-Aula 1Bioética-Aula 1
Bioética-Aula 1
 
John mãe3 saber
John mãe3 saberJohn mãe3 saber
John mãe3 saber
 
D 11.pptx
D 11.pptxD 11.pptx
D 11.pptx
 
POEMAS & POESIAS & PROSA...
POEMAS & POESIAS & PROSA...POEMAS & POESIAS & PROSA...
POEMAS & POESIAS & PROSA...
 
Dios tomo la forma de una montaña
Dios tomo la forma de una montañaDios tomo la forma de una montaña
Dios tomo la forma de una montaña
 
O segredo-de-escutar-quem-sabe-amar
O segredo-de-escutar-quem-sabe-amarO segredo-de-escutar-quem-sabe-amar
O segredo-de-escutar-quem-sabe-amar
 
Amo pessoas
Amo pessoasAmo pessoas
Amo pessoas
 

Mais de MARCO AURÉLIO BICALHO DE ABREU CHAGAS

"LONGEVIDADE E TEMPO LIVRE: NOVAS PROPOSTAS DE PARTICIPAÇÃO SOCIAL E DE VALOR...
"LONGEVIDADE E TEMPO LIVRE: NOVAS PROPOSTAS DE PARTICIPAÇÃO SOCIAL E DE VALOR..."LONGEVIDADE E TEMPO LIVRE: NOVAS PROPOSTAS DE PARTICIPAÇÃO SOCIAL E DE VALOR...
"LONGEVIDADE E TEMPO LIVRE: NOVAS PROPOSTAS DE PARTICIPAÇÃO SOCIAL E DE VALOR...MARCO AURÉLIO BICALHO DE ABREU CHAGAS
 

Mais de MARCO AURÉLIO BICALHO DE ABREU CHAGAS (20)

FACHADAS DOS CASARÕES DE MINAS
FACHADAS DOS CASARÕES DE MINASFACHADAS DOS CASARÕES DE MINAS
FACHADAS DOS CASARÕES DE MINAS
 
"LONGEVIDADE E TEMPO LIVRE: NOVAS PROPOSTAS DE PARTICIPAÇÃO SOCIAL E DE VALOR...
"LONGEVIDADE E TEMPO LIVRE: NOVAS PROPOSTAS DE PARTICIPAÇÃO SOCIAL E DE VALOR..."LONGEVIDADE E TEMPO LIVRE: NOVAS PROPOSTAS DE PARTICIPAÇÃO SOCIAL E DE VALOR...
"LONGEVIDADE E TEMPO LIVRE: NOVAS PROPOSTAS DE PARTICIPAÇÃO SOCIAL E DE VALOR...
 
Capa do livro TRIBUTOS
Capa do livro TRIBUTOSCapa do livro TRIBUTOS
Capa do livro TRIBUTOS
 
O MUNDO PAROU!!
O MUNDO PAROU!!O MUNDO PAROU!!
O MUNDO PAROU!!
 
TEMPO, ESSÊNCIA DA VIDA
TEMPO, ESSÊNCIA DA VIDATEMPO, ESSÊNCIA DA VIDA
TEMPO, ESSÊNCIA DA VIDA
 
PORQUE CONFIO NO FUTURO PÓS PANDEMIA
PORQUE CONFIO NO FUTURO PÓS PANDEMIAPORQUE CONFIO NO FUTURO PÓS PANDEMIA
PORQUE CONFIO NO FUTURO PÓS PANDEMIA
 
PRINCÍPIOS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
PRINCÍPIOS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICAPRINCÍPIOS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
PRINCÍPIOS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
 
PICO DO ITACOLOMI E OUTRAS COISAS DE MINAS
PICO DO ITACOLOMI E OUTRAS COISAS DE MINASPICO DO ITACOLOMI E OUTRAS COISAS DE MINAS
PICO DO ITACOLOMI E OUTRAS COISAS DE MINAS
 
ÍCONES DE BELO HORIZONTE
ÍCONES DE BELO HORIZONTEÍCONES DE BELO HORIZONTE
ÍCONES DE BELO HORIZONTE
 
FERAS MENTAIS
FERAS MENTAISFERAS MENTAIS
FERAS MENTAIS
 
Guarapari
GuarapariGuarapari
Guarapari
 
CONHECER A VERDADE
CONHECER A VERDADECONHECER A VERDADE
CONHECER A VERDADE
 
ALGUNS NOVOS CONCEITOS
ALGUNS NOVOS CONCEITOSALGUNS NOVOS CONCEITOS
ALGUNS NOVOS CONCEITOS
 
Meu netinho
Meu netinhoMeu netinho
Meu netinho
 
Cronica instantes
Cronica instantesCronica instantes
Cronica instantes
 
CONCEITO DE LIBERDADE
CONCEITO DE LIBERDADECONCEITO DE LIBERDADE
CONCEITO DE LIBERDADE
 
CONTOS CURTOS, DES - CONTOS
CONTOS CURTOS, DES - CONTOSCONTOS CURTOS, DES - CONTOS
CONTOS CURTOS, DES - CONTOS
 
ARRAIAL DOS PAPUDOS
ARRAIAL DOS PAPUDOSARRAIAL DOS PAPUDOS
ARRAIAL DOS PAPUDOS
 
O PENSAMENTO DE DEUS
O PENSAMENTO DE DEUSO PENSAMENTO DE DEUS
O PENSAMENTO DE DEUS
 
O PENSAMENTO DE DEUS
O PENSAMENTO DE DEUSO PENSAMENTO DE DEUS
O PENSAMENTO DE DEUS
 

Exegese Poética

  • 1. EXEGESE POÉTICA Marco Aurélio Bicalho de Abreu Chagas
  • 2. Recorde estas palavras... (Inspirado no conto do livro INTERMÉDIO LOGOSÓFICO, de RAUMSOL). Velava o pai doce sono de seu filhinho querido, inspirado nesse amor, escreveu-lhe estes conselhos: Não deixe de se alimentar, para nutrir seu corpinho. Flexível e vigoroso há de ser ele todinho. Brinque, brinque, brinque muito, mas, porém seja ordenado, neste mundo que é só seu,
  • 3. À noite quando deitar, leve aquilo que mais gosta com ele fique até que durma, guia será em seus sonhos, e alegre o seu despertar. Não encarinhe o mais da conta com suas vestes e roupinha e as conserve em bom estado. Mude-as quando estragadinhas. Obedeça aos seus pais. Ceda e fique quietinho, quando não tenhas razão. Umas vezes a terás,
  • 4. Faça da vida um estudo. Dele a mente necessita pra fortalecer o espírito, alimento indispensável. Seja sempre dócil a tudo, que é indicado pra seu bem. Obedeça à professora e ao seu sentir também. Quando seja obrigado mudar por qualquer motivo, os seus jogos preferidos, manifeste o seu valor tendo muita paciência
  • 5. O que afete o seu sentir, não devem ver seus olhinhos, A vazias palavrinhas, também não dê ouvidinhos. Busque sempre a seleção, daqueles seus amiguinhos. E procure ficar junto desses bons companheirinhos. Pergunte sempre a seus pais, o que você quer saber, mas não distraia a atenção nas coisas que não interessam. Seja muito cuidadoso com seus cadernos e livros, anotando o que aprender e evitará com isso,
  • 6. Acostume a não mentir, mesmo que com isto sofra injustiças e tristeza. Preservará seu sentir. Quando grande você for, ensinarei como deve defender-se com valor dos indivíduos que mentem sempre pra prejudicar. Refreia sempre os impulsos. Sê enérgico e não violento, justo sem ser exigente, dos outros tolere as faltas, com rigor reprime as suas. demonstrando ser valente. ***
  • 7. ‘‘A DISCRIÇÃO DO ARTÍFICE” (Inspirado no conto do livro INTERMÉDIO LOGOSÓFICO, de RAUMSOL). Tinha um escultor por costume, quebrar pedras noite e dia e aos que por ali passavam que indagavam, respondia: - corto essas pedras porque nada tanto me entretém que contar os pedacinhos. Isso muito me convém. Passado, então, algum tempo a todos surpreendeu, o laborioso artífice.
  • 8. Diante de olhos assombrados fez que o véu decerrassem, de grande e formosa estátua, pra que eles a admirassem. E assim falou o escultor: - se tivesse anunciado o que fazer me propunha teria algo realizado? Com conselhos dispersivos teriam me importunado e certamente o trabalho não teria terminado.
  • 9. E deste relato surge a real necessidade de não expor os projetos. Isso é uma realidade. Deve ser bem protegido, todo projeto valioso com o véu da discrição, dos olhos do curioso. É preferível mostrar a real fecundidade do nascente pensamento com fatos e sem alarde. *** Marco Aurélio Bicalho de Abreu Chagas
  • 10. “A MOSCA” (Inspirado em conto do livro INTERMÉDIO LOGOSÓFICO, de RAUMSOL). Pela sujeira e o esterco depois de muito voar, sobre um potinho de mel, uma mosca foi pousar. Ficaram presas as patinhas nesse suco coloidal, sentiu que afundando ia cada vez que remexia. Uma e outra vez voar sem resultado, tentou. Cansada e sem esperanças ali mesmo agonizou.
  • 11. Quantos há igual que a mosca, pela doce sugestão, atraídos às coisas fáceis nelas afundando vão. Incapazes o mistério, encerrado perceber, no domínio do objeto, presumiram exercer. *** Marco Aurélio Bicalho de Abreu Chaga
  • 12.
  • 13. “HISTÓRIA DE CINCO ROSAS” (Inspirado em conto do livro INTERMÉDIO LOGOSÓFICO, de RAUMSOL). Florescia uma roseira, num parque, em belo jardim, em meio a dálias e cravos, jacintos e um jasmim. Tão formosa e bela planta, cinco rosas nela havia. A mão do homem dentre todas, as mais belas escolhia. Um casal enamorado, em gesto de eterno amor, desprendeu do tenro talo
  • 14. Aquela rosa murchou, com carinho foi guardada dentre as prendas mais queridas da menina enamorada. Junto à roseira um vaidoso passou, retirando u’a rosa e a colocou na lapela, indo embora todo prosa. Não bem a rosa murchou, perdeu a finalidade, no lixo ele a jogou, não mais convinha à vaidade.
  • 15. Beijando a terceira rosa, a mãe sofrida a pegou, nas mãos do filho inerte em pranto a depositou. Foi achada a quarta rosa entre as mãos de um suicida. Cena triste dolorosa. Epílogo de uma vida. Em seu talo a quinta rosa sempre ali permanecia para contar essa história, nos anos que renascia.
  • 16. Perguntaram à quinta rosa, - por que não conta você a sua história também, nesse eterno florescer? Turbada a flor legendária, revelando o seu sofrer, - sou a alma deste corpo, em constante padecer. Nem todas as minhas rosas têm elas igual destino, nem posso levar a culpa de tão cruel desatino.
  • 17. _______ O pai não pode ter culpa, por filhos haver gerado, que não souberam o seu nome conservar e tê-lo honrado. Sempre por aparências é temeroso julgar. Há muitos segredos íntimos, que as flores vêm a guardar. *** Marco Aurélio Bicalho de Abreu Chagas
  • 18. “MAIS PODEM MUITOS QUE UM” (Inspirado em conto do livro INTERMÉDIO LOGOSÓFICO, de RAUMSOL). Certa vez, faz muitos anos, um rude homem caminhava, subindo alta montanha e com a riqueza sonhava. Logo encontrou uma pedra, que segundo pressentiu, ocultava um tesouro e empurrá-la decidiu. Com energia e muita força a empurrava noite e dia, entrentanto a enorme pedra
  • 19. Muito velho e quase exausto os anos foram passando, com o mesmo resultado seguia ainda empurrando. Passou por ali um dia um ser mais inteligente que aquele ancião tão rude, interrogando o motivo de obstinada atitude. Inteirando-se do assunto, ao esgotado velhinho, buscou que outros o ajudassem a liberar o caminho.
  • 20. A pedra ocultava u’a gruta, que um tesouro guardava. O rude homem em sua luta morreu antes da empreitada. Todos, então, empurraram e a grande pedra cedeu e pra surpresa das gentes o tesouro apareceu. “Mais podem muitos que um”. Daí se extrai a lição de como é muito importante o esforço com união.
  • 21. A ignorância é a pedra que devemos derrubar, com o concurso de muitos, para o saber encontrar. Descoberto esse tesouro, também da felicidade, ele muito servirá para o bem da humanidade. *** Marco Aurélio Bicalho de Abreu Chagas.
  • 22. BASES DA BOA CONDUTA (Inspirado no livro BASES PARA TUA CONDUTA, de RAUMSOL). Surgem somente as idéias quando há esforço mental. Essa só linguagem entendem. Isso é muito natural. Não se queixe nunca, nunca, por muito ter que fazer. Isso o tornará simpático, mas sincero deve ser. A inteligência ao esforço, muito unidos devem ser, para trabalhando menos,
  • 23. O trabalho quando é feito, com alegria e vontade, nos faz desfrutar da vida e nos traz felicidade. Uma conduta meritória é a única oração que Deus admitiria do fundo do coração. É sinal de consciência o uso da atenção. É de vital importância para a nossa evolução.
  • 24. Só pelo conhecimento de Deus me aproximarei, e pela via sensível sua presença sentirei. Devem reger nossa vida, como verdades os conceitos, que a evolução ajudam, conscientemente aceitos. Sempre é bom fazer o bem para o mal eliminar, deve ser a nossa luta que evita o endividar.
  • 25. Todas elas passageiras, as reações devem ser, e não durem mais que um tempo se eu as não puder conter. Ser útil em todo momento, é algo recomendável dentro da realidade, de acordo com o razoável. De cada fracasso eu devo extrair o elemento que me faltou pra vencer com a luz do conhecimento.
  • 26. Quando a luta seja amarga otimista eu devo ser pra transformá-la em doce e o meu ser fortalecer. Tem que ser tudo na vida feito com muito valor que é uma força estimulante, antítese do temor. Ser valente é demonstrar segurança pessoal, pois está ela apoiada em grande valor moral.
  • 27. É sentida pelo ser, quando se troca o temor, a alegria de viver, pela força que é o valor. Da natureza devemos, o seu exemplo seguir, ao renovar como os rios as águas do existir. A felicidade é algo que a vida nos oferece; pequenas porções de bem que com saber permanece.
  • 28. Razão de ser da existência do homem aqui nesta terra: é o saber, sua tarefa, que grande estímulo encerra. É exigência da lei, ser grato ao bem recebido, e merecedor será do que lhe é oferecido. *** Marco Aurélio Bicalho de Abreu Chagas
  • 29. QUERIDA PROFESSORA Dentre as artes que existem, uma mais bela não há, e nem mais gratificante, que é a arte de ensinar. Não basta com transmitir, para alguns conhecimento, é preciso que a vida seja todo um ensinamento. No seio da Criação, não existe ser vivente, com faculdade tão nobre, esse dom de ser docente. A professora que ensina, com a mente e o coração, o que sabe aos seus alunos, nossa eterna gratidão.
  • 30. A NOBRE MISSÃO DOS PAIS Pai e Mãe, em harmonia, os filhos têm que educar, pois cabe ao casal humano, tão nobre missão cuidar. Pelo pensar e sentir, cabem aos pais encaminhar, os passos dos pequeninos, nos caminhos do andar. Sábios conselhos levar, necessária advertência, aos filhos devem chegar, colhidos da experiência.
  • 31. Mas tudo isso, entretanto, é mil vezes compensado, ao vermos em nossos filhos, um sorriso estampado. Não resta aos pais outra coisa, que ao Criador agradecer, pela divina missão de educar um novo ser. *** Marco Aurélio Bicalho de Abreu Chagas.
  • 32. O AMOR Necessita o amor pra que seu volume aumente, de uma fonte de estímulo, direto e bem consciente. E do verdadeiro amor nunca devem se ausentar, abnegação, sacrifício, necessários cultivar. *** A ALEGRIA DO TRIUNFO A alegria do triunfo não posso experimentar, se não me disponho sempre, em todo instante lutar.
  • 33. PARA SER ALGUÉM... Pra ser alguém é preciso, sobressair ao vulgar, ser verdadeiro em tudo, e o propósito alcançar. De que valem os esforços, e as energias também, se inexiste a orientação, pra conquista deste bem! Unida a força de um, aos demais maior será, fortalece assim o espírito, pra nessa luta marchar.
  • 34. Na busca deste ideal, de se ser o que se quer, deve se deixar de ser, tudo aquilo que se é. *** Marco Aurélio Bicalho de Abreu Chagas
  • 35. UMA GOTINHA... De Marco Aurélio B.A.Chagas Se uma gotinha falasse, o que iria dizer? - unida a muitas gotinhas ao rio faço crescer. Se uma gotinha falasse, o que iria dizer? - ao cair num copo cheio a água nâo pode conter. Se uma gotinha falasse, o que iria dizer? - após uma noite o orvalho nas folhas você me vê.
  • 36. Se uma gotinha falasse, o que iria dizer? - sozinha sou pequenina junto a muitas posso SER. Se uma gotinha falasse, o que iria dizer? - dos raios do lindo sol em mim consigo reter. Se uma gotinha falasse, o que iria dizer? - evaporo, formo as nuvens e caio ao solo ao chover. Se uma gotinha falasse, tanto iria dizer! * * *
  • 37. PERSONAGENS MENTAIS De Marco Aurélio B.A.Chagas Dedicado às crianças . A mente dos pequeninos com uma casa se parece cada um deve aprender a cuidá-la e a defender. Vivem nela os pensamentos, com caracteres lindos, por vezes, entrando alguns, que não devem ser benvindos. A portinha desta casa, com valentia e bravura, é importante defender,
  • 38. Muitos são esses marotos, os seus nomes vou dizer pra você os conhecer e mais tarde os combater. LOROTINHA é o mentiroso. Um velhaco assim não há. Faz esconder u'a mentira, pondo outra no lugar. Eis agora o TRAPACINHA, da honestidade inimigo, do engano, fazendo arte e dos ardis muito amigo.
  • 39. De tipo desarrumado dos personagens mentais, destaca-se o SUJEIRINHA, que na lambança é dos tais. É feroz como ele só. FAISQUINHA é o seu nome. Torna agressivas as crianças e na violência as consome. MÃO-DE-GATO é um covarde. Um mestre em dissimular, emcobridor da verdade, com medo de a revelar.
  • 40. É um palhacinho o TORÍBIO. Gosta muito de algazarras, sempre convida o menino, pra tomar parte em suas farras. CORCUNDINHA é uma feiura, além de tudo enganoso, ao feliz o desfigura, transformando-o em invejoso. TESOURINHA é um tagarela, de todos mal quer falar, quem o coloca em sua mente vive a vida a criticar.
  • 41. Quem é o tal PIRRACINHA? Imprime em algum rostinho, devido às repreensões, um feio e longo biquinho. Rei da desobediência e muito mau conselheiro DUCONTRA não deve ser, das crianças companheiro. ”Ó XERETINHA infeliz em tudo mete o nariz e recebe o que não quis".
  • 42. Da ordem é inimigo, gosta do que é descuidado, procura a mente, TUM TUM, do que é desordenado. Dorminhoco nunca vi. Não gosta da atividade. BOMBO é grande preguiçoso, que não traz felicidade. Sempre quer ser mais que os outros. GARGANTINHA quer brilhar, infunde uma ostentação custe muito o que custar.
  • 43. O que quiser ser feliz dos deveres cumpridor deve acolher ABELHINHA, na mente com muito amor. Pensamento estudioso, nas mentes deve ficar LUZEIRINHO, valioso, o que brilha e faz brilhar. * * * Inspirado no livro MINHA CASA MENTAL de Carlos Bernardo González Pecotche
  • 44. AO LEITOR EXEGESE POÉTICA Um livro de poemas sem compromisso maior que o de transmitir o que nasceu de u’a mente que ama a vida e vê nela um verdadeiro poema de amor. Neste livro o leitor sentirá o otimismo e o sabor da própria natureza. A melancolia e a tristeza nele são partes da vida e por isso mesmo não significam de forma alguma des- contentamento e desamor por tudo de belo e puro que a vida nos oferece. Ele quer significar uma manifestação da própria vida, uma dádiva oferecida a nós pelo Criador.