Faz parte dessa rota, a alternativa, a
expectativa de formação de novos mestres, desde que
pesquisar coincida com criar em...
Pesquisa toma contornos muito
próprios e desafiadores, a começar
pelo reconhecimento de que o melhor saber é aquele
que sa...
O novo mestre não é apenas o magnata da
ciência, o gênio incomparável, o metodológico virtuoso,
mas todo o cidadão que sou...
Nada é mais degradante do que a cunhagem do
discípulo, domesticado para ouvir, copiar, fazer
provas e sobretudo, colar. Ma...
Do lado do professor, temos a visão
empobrecida do ministrador de aulas,
ainda em grande parte pessoas que detém apenas
gr...
A noção de professor precisa ser
totalmente revista, sem recair em
preciosismos, importados de fora.
Assim, vale perguntar...
O conceito de pesquisa é
fundamental, porque está na
raiz da consciência crítica
questionadora, desde a recusa de ser mass...
A iniciativa do aluno é o maior
patrimônio didático, sem o que de
pouco adiantaria a competência
do professor.
Tal iniciat...
Pesquisa científica e educativa na pratica pedagogica
Pesquisa científica e educativa na pratica pedagogica
Pesquisa científica e educativa na pratica pedagogica
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Pesquisa científica e educativa na pratica pedagogica

254 visualizações

Publicada em

Pesquisa científica e educativa na pratica pedagogica

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
254
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Pesquisa científica e educativa na pratica pedagogica

  1. 1. Faz parte dessa rota, a alternativa, a expectativa de formação de novos mestres, desde que pesquisar coincida com criar emancipar. A formação científica torna-se formação educativa, quando se funda no esforço sistemático e inventivo de elaboração própria, através da qual se constrói um projeto de emancipação social e dialoga criticamente com a realidade.
  2. 2. Pesquisa toma contornos muito próprios e desafiadores, a começar pelo reconhecimento de que o melhor saber é aquele que sabe superar-se. O caminho emancipatório não pode vir de fora, imposto ou doado, mas será conquista de dentro, construção própria.
  3. 3. O novo mestre não é apenas o magnata da ciência, o gênio incomparável, o metodológico virtuoso, mas todo o cidadão que souber manejar a sua emancipação, para não permanecer na condição de objeto das pressões alheias.
  4. 4. Nada é mais degradante do que a cunhagem do discípulo, domesticado para ouvir, copiar, fazer provas e sobretudo, colar. Mais degradante ainda é o professor que nunca foi além da posição de discípulo, porque não sabe elaborar ciência com as próprias mãos. Como caricatura parasitária que é, reproduz isso no aluno.
  5. 5. Do lado do professor, temos a visão empobrecida do ministrador de aulas, ainda em grande parte pessoas que detém apenas graduação, sem experiência comprovada no campo científico. Fruto do mero aprender, naturalmente decaem no mero ensinar. Entende-se como simples repassador de conhecimento alheio, que um dia estudou e aprendeu e, em decorrência, imagina poder transmitir aos outros, de cópia em cópia.
  6. 6. A noção de professor precisa ser totalmente revista, sem recair em preciosismos, importados de fora. Assim, vale perguntar: o que é professor? a) Em primeiro lugar, é pesquisador, nos sentidos relevados: capacidade de diálogo com a realidade, orientado a descobrir e a criar, elaborador da ciência, firme em teoria, método, empiria e prática; b) socializador de conhecimento, desde que tenha bagagem própria, despertando no aluno a mesma noção de pesquisa. c) torna-se capaz de motivar o novo pesquisador no aluno, evitando de todos os modos, reduzi-los a discipulos subalternos.
  7. 7. O conceito de pesquisa é fundamental, porque está na raiz da consciência crítica questionadora, desde a recusa de ser massa de manobra, objeto dos outros, matéria de espoliação, até a produção de alternativas com vistas a consecução de sociedade pelo menos mais tolerável. Entra aqui o despertar da curiosidade, da inquietude, do desejo de descoberta e criação, sobretudo atitude política emancipatória de construção do sujeito social competente e organizado.
  8. 8. A iniciativa do aluno é o maior patrimônio didático, sem o que de pouco adiantaria a competência do professor. Tal iniciativa não deve voltar-se apenas a estudar, mas igualmente ao questionamento social da ciência e da sociedade, de onde surge o manancial sempre decantado das lideranças novas de origem universitária. Para além do que a lei já prevê, a prática discente pode corresponder a essa expectativa histórica de cultivo de lideranças alternativas.

×