Análise do Fórum Clóvis Beviláqua

408 visualizações

Publicada em

Análise do Clóvis Beviláqua em Fortaleza através da Teoria Geral da Administração.

Publicada em: Governo e ONGs
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
408
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
11
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Análise do Fórum Clóvis Beviláqua

  1. 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FEAAC - FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA E CONTABILIDADE CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS TRABALHO TEÓRICO-PRÁTICO: ANÁLISE DA ORGANIZAÇÃO CLÓVIS BEVILÁQUA E SUA RELAÇÃO COM AS TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO FORTALEZA 2014
  2. 2. UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ TRABALHO TEÓRICO-PRÁTICO: ANÁLISE DA ORGANIZAÇÃO CLÓVIS BEVILÁQUA E SUA RELAÇÃO COM AS TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO Trabalho Acadêmico apresentado à disciplina Teoria Geral da Administração como requisito parcial para nota de avaliação do segundo bimestre. Prof. Dr.: Áurio Lúcio Leocádio da Silva FORTALEZA 2014
  3. 3. SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO ...................................................................................................................03 1.1 Apresentação inicial da Empresa....................................................................................03 1.2 Objetivo do Trabalho........................................................................................................03 2 APRESENTAÇÃO DA EMPRESA..................................................................................04 2.1 Histórico da Organização.................................................................................................04 2.2 Descrição da Organização................................................................................................05 2.2.1 Estrutura .........................................................................................................................05 2.2.2 Tamanho..........................................................................................................................07 2.2.3 Ramo de Atuação.............................................................................................................07 2.2.4 Dirigentes.........................................................................................................................07 2.3 Detalhamento dos níveis organizacionais.......................................................................08 2.3.1 Nível Estratégico.............................................................................................................08 2.3.2 Nível Tático.....................................................................................................................09 2.3.3 Nível Operacional...........................................................................................................09 2.4 Identificação das funções organizacionais......................................................................09 2.5 Objetivos da Organização................................................................................................10 2.6 Apresentação dos aspectos da divisão do trabalho na Organização............................11 3 TEÓRICO - EMPÍRICO....................................................................................................12 3.1 Apresentação dos conceitos e teorias relativas aos pontos que foram apresentados no capítulo anterior......................................................................................................................12 4 CONSIDERAÇÕES FINAIS..............................................................................................15 REFERÊNCIAS......................................................................................................................16
  4. 4. 3 1 INTRODUÇÃO 1.1 Apresentação inicial da Empresa O Fórum Clóvis Beviláqua é uma instituição pública constituindo-se em uma das unidades integrantes do Poder Judiciário Estadual. Em razão de sua natureza (instituição pública) suas ações são pautadas na satisfação da sociedade, através da prestação de serviços de qualidade, levando-se em conta os princípios da celeridade, efetividade, acessibilidade, transparência, imparcialidade, coerência e responsabilidade social e ambienta. Em relação aos princípios essenciais da Organização Clóvis Beviláqua, a missão e o objetivo da mesma são assim descritos: a) Missão: Prover Justiça em busca da harmonia social b) Objetivo: Ser reconhecido pela sociedade como modelo de instituição moderna, ética e que assegure o direito e a cidadania. 1.2 Objetivo do Trabalho O referido trabalho teórico-empirico é norteado pelo seguinte objetivo principal: -Relacionar os princípios formulados pelas Teorias Administrativas, organizados através da Escola Clássica (representada por Frederick Taylor, Henry Fayol e Max weber), além de outras teorias contemporâneas como a Escola Comportamental, Teoria Estruturalista e Escola da Qualidade com o modelo de gestão adotado pela instituição em análise.
  5. 5. 4 2 APRESENTAÇÃO DA EMPRESA 2.1 Histórico da Organização Figura 1-Foto da fachada principal do Fórum Clóvis Beviláqua Fonte: http://www.tjce.jus.br/forum_clovis/forum_institucional.asp O Fórum Clóvis Beviláqua recebeu esse nome em homenagem ao grande jurista cearense, notabilizado pela elaboração do anteprojeto do primeiro Código Civil Brasileiro. Nascido em 4 de outubro de 1859, em Viçosa do Ceará, Clóvis Beviláqua iniciou sua carreira na magistratura em 1883, ao ser nomeado promotor público de Alcântara, no Maranhão. Paralelo a sua trajetória jurídica dedicou-se ao jornalismo. Com Martins Júnior, publicou o folheto Vigílias Literárias e, em seguida, o jornal A Idéia Nova. Os dois ainda trabalharam juntos no jornal República, nos folhetos Escalpelo, Estenógrafoe O crime de Vitória. O grande marco na sua vida profissional foi a missão, que lhe foi atribuída pelo presidente Epitácio Pessoa, em 1899, de elaborar o anteprojeto do Código Civil Brasileiro, concluído em outubro do ano seguinte.
  6. 6. 5 Depois de dezesseis anos de discussões, em 1º de janeiro de 1916, o seu anteprojeto originou o Código Civil Brasileiro. A primeira sede do Fórum Clóvis Beviláqua foi inaugurada em 31 de dezembro de 1960, na administração do desembargador Péricles Ribeiro, presidente do Tribunal de Justiça, e no Governo de José Parsifal Barroso. O prédio escolhido para abrigar o Palácio da Justiça havia sido planejado desde 1956, no Governo de Paulo Sarasate. Orçado em oito milhões de cruzeiros, o edifício localizado na Praça da Sé foi construído com área útil de 4.248,60 metros quadrados, distribuída em cinco pavimentos. A obra foi erguida no local onde funcionavam o Instituto do Ceará e o Museu Histórico, transferidos para o local que abrigava o Grupo Escolar Rodolfo Teófilo, na Avenida Visconde de Cauipe. Passados trinta e sete anos, o Fórum Clóvis Beviláqua ganhou nova sede, inaugurada no dia 12 de dezembro de 1997, no endereço localizado na Avenida Desembargador Floriano Benevides, número 220, no bairro Edson Queiroz. O prédio tem 75 mil metros quadrados de área construída e extensão horizontal de 330 metros, o que lhe confere o status de maior edifício público da América Latina. Pelo Fórum passam cerca de cinco mil pessoas, diariamente, buscando a prestação jurisdicional e o efetivo exercício da cidadania. No total, funcionam no prédio 108 varas, das mais diversas áreas, como Família, Cível, Fazenda Pública, Crime, Júri, Trânsito, Execução Fiscal, Falência, Registro Público, Trânsito, Tóxico, Pena Alternativa, Infância e Juventude, Execução Penal e Auditoria Militar. 2.2 Descrição da Organização 2.2.1 Estrutura Para Robbins (2006, p.171) a estrutura organizacional é compreendida do seguinte modo "como as tarefas são normalmente divididas, agrupadas e coordenadas" no interior de qualquer organização, seja ela pública ou privada. Assim em relação a organização analisada, que no caso é um órgão público judiciário regido por leis estaduais e federais, a estrutura é do tipo "formal", uma vez que o fluxo de autoridade obedece a uma hierarquia descendente.
  7. 7. 6 A estrutura formal possui como característica marcante o fato de que ela é mais estável e bastante sujeita a uma autoridade central que possui o controle da direção organizacional. Nesses tipos de organizações a comunicação se dá de maneira vertical, onde os subordinados respondem aos seus chefes diretos. A representação se dá principalmente pelo organograma da organização que possui seus aspectos elementares. Outro ponto importante a ser considerado na estrutura formal é o fato de que ela é reconhecida de fato e de direito na forma jurídica. Na figura abaixo é demonstrado o organograma que representa a estrutura organizacional do Fórum Clóvis Beviláqua: Figura 2-Organograma do Fórum Clóvis Beviláqua Fonte: http://www.tjce.jus.br/forum_clovis/forum_institucional.asp
  8. 8. 7 2.2.2 Tamanho Em seus 75 mil metros quadrados, o prédio do Fórum Clóvis Beviláqua abriga diversos espaços, dentre eles, o Gabinete da Diretoria Geral, a Secretaria Executiva; os gabinetes dos Juízes conjugados com as Secretarias da Varas, onde fica os servidores que os auxiliam; os demais departamentos administrativos (contadoria,administrativo, patrimônio, informática, serviços gerais), as salas dos serviços de apoio, tais como o “Telejustiça”, a Ouvidoria, o Serviço médico e odontológico, a Central de Conciliação, as salas reservadas para os advogados e para os Defensores Públicos, tudo isto dispostos em cinco andares, servidos de escadas, rampas e elevadores. Além de um amplo estacionamento privativo para todos os que ali desenvolvem suas atividades. 2.2.3 Ramo de Atuação A organização em análise, o Fórum Clóvis Beviláqua está inserido no setor de Prestação de Serviços, visto que o bem o qual ela proporciona à sociedade, que no caso é o atendimento e busca de soluções no âmbito jurídico, são bens intangíveis, ou seja, que não podem ser palpáveis. Ainda pelo fato de ser um serviço público, não possui fins lucrativos, e o mesmo é mantido pelo governo, através das arrecadações de impostos pagos pelos cidadãos cearenses, o qual se destina a organização. 2.2.4 Dirigentes A estrutura hierárquica do Fórum Clóvis Beviláqua possui um gestor principal, responsável por gerir a empresa em suas funções principais, o mesmo conta com inúmeros outros gestores a quais são atribuídos à chefia de inúmeros departamentos, onde o órgão se subdivide. Alguns departamentos possuem o mesmo grau de importância que outros, o que horizontaliza a funcionalidade de determinados chefes e setores. A seguir estão descritos os nomes de todos os principais dirigentes do fórum Clóvis Beviláqua: Diretor Geral: - Dr. Francisco Luciano Lima Rodrigues Juízes Auxiliares: Dra. Andrea Mendes Bezerra Delfino – Juíza de Direito Coordenadora das Varas da Fazenda Pública, de Recuperação de Empresas e Falências, de Execução Fiscal e Crimes Contra a Ordem Tributária e de Registro Público; -Dr. José Maria dos Santos Sales – Juiz de Direito Coordenador das Varas Cíveis, Varas de Família e de Sucessões;
  9. 9. 8 -Dra. Rosilene Ferreira Facundo – Juíza de Direito Coordenadora das Varas Criminais, de Delitos de Tráfico de Drogas, de Execuções Criminais, de Penas Alternatuvas, do Juri e da Vara de Trânsito; -Dra. Alda Maria Holanda Leite – Juíza de Direito Coordenadora das Varas da Infância e da Juvenntude; -Dra. Ijosiana Cavalcante Serpa – Juíza de Direito Coordenadora dos Juizados Cíveis e Criminais e do Juizado Especial de Violência Doméstica contra as Mulheres; =Dra. Natália Almino Gondim – Juíza de Direito Coordenadora do Centro Judiciário de Solução de Conflitos e Cidadania; -Dra. Ana Cristina de Pontes Lima Esmeraldo – Juíza de Direito Coordenadora do Setor de Distribuição; -Dra. Joriza Magalhães Pinheiro – Juíza de Direito Coordenadora do Grupo de Auxílio para a Redução do Congestionamento de Processos Judiciais da Comarca de Fortaleza; -Dr. Eduardo de Castro Neto – Juiz de Direito Coordenador da Central de Mandados Judiciais – COMAM; -Dra. Maria de Fátima de Melo Loureiro – Juíza de Direito – Ouvidora do Fórum Clóvis Beviláqua; -Dr. Wilton Bessa Macêdo Sá – Secretário Executivo da Diretoria do Fórum Clóvis Beviláqua 2.3 Detalhamento dos níveis organizacionais Como na maior parte das organizações de grande porte, o Fórum Clóvis Beviláqua se subdivide em três níveis organizacionais devido a complexidade estrutural da mesma, cada um dos níveis possui diversos representantes e os quais variam de tamanho conforme a importância e número de funcionários. Dessa forma, cada nível é assim representado: 2.3.1 Nível Estratégico Na organização em análise, o Diretor é responsável por todas as decisões administrativas. Seus auxiliares diretos, nomeados por critérios subjetivos, são responsáveis pela coordenação das atividades processuais dos demais Juízes, integrando todas as áreas do Direito, objetivando uma prestação jurisdicional célere e eficiente.
  10. 10. 9 2.3.2 Nível Tático Neste segmento encontramos todos os Juízes (no total mais de 100), cuja função primária é conhecer os pedidos (ações propostas das mais diversas naturezas) e, à luz dos dispositivos legais, proferirem suas decisões. Encontramos ainda os chefes dos departamentos/divisões da natureza administrativa (Informática, Administração, Apoio e Serviços Judiciais, Patrimônio). 2.3.3 Nível Operacional São cerca de 3.000 funcionários, entre concursados, terceirizados e prestadores de serviços. Em todos os setores administrativos existem um corpo e funcionários, inclusive, na Secretaria Executiva, uma espécie de Secretaria que dá apoio ao Diretor. Porém, a maior parte dos funcionários concentra-se nos gabinetes dos Juízes (Secretaria de Varas), onde um(a) Diretor(a) de Secretaria, cuja função é coordenar os trabalhos, a nível processual, a serem executados por servidores (concursados) que exercem funções de natureza técnica (nível superior) no assessoramento ao Magistrado, auxiliando-o em suas decisões e outros que exercem funções nível médio, porém de grande importância para a consecução dos trabalhos processuais. Há ainda os funcionários de uma empresa terceirizada (CRIART), responsáveis pelos serviços de limpeza, copa, zeladoria e vigilância nos estacionamentos. 2.4 Identificação das funções organizacionais Em se tratando de uma instituição pública, as funções organizacionais estão bem definidas na forma de como a administração conduz os trabalhos, pois todas as ações são desenvolvidas levando em consideração o alcance de seus objetivos e que atenda aos anseios daqueles que buscam seus serviços. Há uma preocupação em alcançar as metas estipuladas pelo Poder Judiciário, no sentido de reduzir ao máximo o tempo para processar e julgar as ações que muitas vezes envolvem interesses coletivos com conotações importantes para a sociedade. Para tanto, o Diretor juntamente com os Juízes Auxiliares (coordenadores de áreas) traçam, anualmente, planos estratégicos, no sentido de definir os projetos a serem desenvolvidos, contando, com a participação de todos, tanto servidores, quanto Magistrados. Ressalte-se ainda a importância de alguns serviços que dão apoio ao Diretor do Fórum na consecução dos projetos: A Ouvidoria, servindo de elo entre a instituição e sua clientela, é responsável para se aferir o grau de satisfação dos serviços oferecidos e sua real
  11. 11. 10 efetividade; O Centro de Treinamento Integrado é responsável pela contínua qualificação e aperfeiçoamento dos servidores da instituição, através da realização de cursos, seminários, oficinas que buscam atender à demanda na área jurídica, tecnológica, gestão e comportamental. A instituição disponibiliza, através de um portal, todas as informações necessárias para conhecimento de seus serviços, inclusive, permitindo o acompanhamento eletrônico dos processos judiciais através do sistema de senhas, tanto pelas partes, quanto pelos advogados. O programa JUDICIÁRIO NA TV, veiculado por algumas emissoras de canal aberto, leva para discussão e conhecimento da população, alguns projetos desenvolvidos em benefício da sociedade. 2.5 Objetivos da Organização Em qualquer organização os objetivos são princípios fundamentais, visto que serão os mesmos que nortearão o futuro em termos de planejamento que se pretende pôr em prática para o bom andamento e sucesso da instituição, e o ordenamento das expectativas as quais ela almeja atingir. No caso o Fórum Clóvis Beviláqua possui os seguintes objetivos específicos que regem suas atividades: 1 - Assegurar a prestação jurisdicional célere e efetiva; 2 - Maximizar o acesso dos cidadãos à Justiça; 3 - Buscar excelência na gestão de custos operacionais; 4 - Fortalecer e harmonizar as relações entre os Poderes, setores e instituições; 5 - Melhorar a Produtividade; 6 - Buscar a modernização contínua; 7 - Garantir a valorização dos Magistrados e servidores; 8 - Alinhar pessoas às demandas de prestação de serviços;
  12. 12. 11 9- Automatizar e integrar procedimentos e rotinas; 10 - Assegurar recursos para a execução do plano estratégico; 11- Garantir infraestrutura adequada. 2.6 Apresentação dos aspectos da divisão do trabalho na Organização O Código de Divisão e Organização Judiciária do Estado do Ceará (Lei nº 12.342/1994) define, com clareza, todas as atribuições daqueles que compõe o quadro funcional do Poder Judiciário, sejam Juízes e/ou servidores, detalhando, inclusive, seus direitos, deveres e obrigações. O Diretor do Fórum, nomeado para um período de quatro anos, é auxiliado por um grupo de Juizes (Coordenadores de Área). Há uma Secretaria Executiva, ligada ao Juiz Diretor, composta por funcionários, em sua grande maioria nomeados em comissão (critério de pessoalidade), responsável pelos trabalhos burocráticos. Há de ressaltar que o cargo de Juiz de Direito é provido através de concurso público, privativamente dentre bacharéis em Direito, cabendo a este a análise e o julgamento dos processos. Todos os chefes de departamentos e divisões não são funcionários concursados, pois há uma previsão legal que disciplina que tais cargos podem ser ocupados por pessoas nomeadas, em comissão, utilizando-se, para tanto critérios subjetivos. Todos os servidores concursados ocupam os cargos de Analista Judiciário, Auxiliar Judiciário e Técnico Judiciário, tendo suas funções bem definidas. Geralmente trabalham nas Secretarias das Varas (Gabinetes dos Magistrados) na operacionalidade dos processos judiciais. Outros, como o Auxiliar Administrativo, exercem suas funções nos departamentos/divisões da instituição. Existem ainda funcionários terceirizados responsáveis por serviços de limpeza, copa, conservação e vigilância nos estacionamentos.
  13. 13. 12 3 TEÓRICO - EMPÍRICO 3.1 Apresentação dos conceitos e teorias relativas aos pontos que foram apresentados no capítulo anterior. Vimos na instituição em análise a presença de elementos pertinentes à Teoria Clássica da Administração desenvolvida por Fayol, uma vez que sua estrutura, a divisão do trabalho, a organização racional dos trabalhos são fatores relevantes para atingir seus objetivos. É de responsabilidade do Diretor do Fórum Clóvis Beviláqua em conjunto com os Juízes Auxiliares, o planejamento das atividades, ou seja, o ato de dirigir a instituição, enquanto que o papel de supervisionar as tarefas fica nas mãos dos chefes de departamento, cabendo aos servidores, sejam concursados e/ou terceirizados, a execução dos trabalhos, tanto no nível técnico, quanto administrativo. Percebe-se nessa organização que há o atendimento dos funcionários no que tange ao princípio de Fayol onde o interesse individual precisa ser subordinado ao interesse geral, ou seja, os colaboradores devem atuar em prol do crescimento da instituição colocando os seus interesses pessoais em segundo plano em benefício da organização. Por ser uma instituição jurídica a disciplina é algo totalmente próprio da organização, uma vez, que a mesma é representante da lei e, por conseguinte, deve procurar cumpri-la inevitavelmente, por meio de seus princípios e das atitudes de seus funcionários. A unidade de direção também é visível, pois, mesmo havendo uma estrutura hierárquica grande e complexa, a organização Fórum Clóvis Beviláqua procura manter uma unidade de direção, já que, embora, a mesma possua inúmeros objetivos, todos devem ser regidos por um único programa, o qual é repassado a todo o corpo gestor por meio de um serviço de comunicação interno amplo e eficaz. Já a unidade de comando também é algo que ocorre na organização analisada, afinal, devido ao fato de que a organização é bastante departamentalizada, no caso subdivididos em varas e juizados, cada indivíduo, sendo ele, servidor ou funcionário terceirizado, possui um chefe específico, geralmente representado por juízes ou outro representante da lei. Aliás, a departamentalização também é um princípio da Teoria Clássica de Fayol, que dá grande destaque a estrutura organizacional no intuito de desenvolver a eficiência e aumentar as relações entre os diversos segmentos.
  14. 14. 13 Percebemos também a existência da padronização de métodos e processos de trabalho, a preocupação da instituição em oferecer boas condições de trabalho aos servidores, adequadas instalações físicas, onde nota-se em todas as salas um grande número de computadores em todos os setores, interligando as informações, tanto no ambiente interno, quanto externo, fomentando outros órgãos que atuam diretamente com demandas judiciais, tais como a OAB, Defensoria Pública, Secretaria de Justiça, dentre outros. Há, ainda, uma clara divisão do trabalho, onde cada servidor, dependendo do cargo, executa atividades pertinentes a este, previstas por lei. Existem incentivos salariais, visto que são estipuladas gratificações pecuniárias quando se alcança as metas estipuladas. Encontramos na estrutura organizacional da instituição os elementos contidos na teoria postulada por Max Weber (Teoria da burocracia), pois, como organização formal, o Formalismo, a Impessoalidade e Profissionalismo a caracteriza como um “tipo ideal” de burocracia, designando um modo de exercício de autoridade, no sentido de ser um modelo explicativo que abstrai as principais características das organizações existentes no mundo. No Fórum Clóvis Beviláqua a autoridade se dá por meio de normas e regulamentos que disciplinam o comportamento esperado dos servidores, bem como definem seus deveres e obrigações. Ressalta-se ainda que todos os atos administrativos, desde a dotação orçamentária, aplicação de recursos financeiros, as licitações, a elaboração e execução de projetos, as lotações e transferências de servidores, requerimento de ordem pessoal para gozo de férias, de licenças para tratamento de saúde só serão implementados desde que autorizados por meio de ato do Diretor do Fórum, através de Portarias e/ou Editais, os quais são publicados no Diário da Justiça para conhecimento de todos. A Impessoalidade se manifesta nas relações formais da organização, caracterizada pelos papéis que os cargos estabelecem para seus ocupantes. O Diretor do Fórum se reveste de uma autoridade dentro dos limites de sua competência. Os Juízes, por sua vez, não podem extrapolar em suas decisões. As relações entre os Juízes e servidores obedecem a natureza de seus cargos, oficialmente definidos em lei, sendo a hierarquia, como exposto anteriormente, um fator determinante na relação institucional. O Profissionalismo encontra-se presente no regime de dedicação exclusiva instituído pela organização, em função da natureza dos trabalhos desenvolvidos, fazendo com que todos os membros da organização se dediquem no desempenho de suas tarefas em troca de uma remuneração digna.
  15. 15. 14 Por tratar-se de uma organização desenvolvida essencialmente por pessoas e para pessoas, a Teoria contemporânea da Escola Comportamental, também se faz presente na organização. Os fatores motivacionais dos funcionários da organização influenciam bastante tanto no desempenho de suas funções, quanto no eficaz atendimento da demanda do público. Valores como percepção apurada e aprendizagem constante são muito valorizados pelos líderes da referida organização e instigados em seus colaboradores. Assim, por tratar-se de um serviço de extrema importância para a sociedade, é procurado constantemente por parte dos líderes a busca de metodologias que influenciem positivamente o grupo em prol de que estes possam sentir-se motivados para porem em prática um comportamento que leve tanto ao sucesso profissional de cada um, como ao bom andamento da instituição. A Teoria Estruturalista por ser uma síntese de outras teorias, já analisadas no contexto da organização Clóvis Beviláqua, como a Teorias Clássica, a das Relações humanas e a Burocracia, se faz presente não só nos aspectos já discutidos, nesses outros enfoques, mas também na valorização dada internamente ao ambiente da organização, que precisa ser extremamente agradável para todos os funcionários envolvidos. Afinal. pela seriedade da mesma, ela requer uma profunda identificação de papéis e uma apurada eficiência. Por fim, a Escola da Qualidade se faz visível na organização Clóvis Beviláqua nos mais diversos aspectos, visto que o teor jurídico do serviço prestado exige que haja uma aprimorada procura pela excelência, a fim de evitar erros que possam levar a sérias consequências para a sociedade a qual ela atende. Desse modo, existe a busca pela conformidade em todos os níveis e setores da organização, realizados através de vistorias constantes por parte de um comitê de qualidade interno e avaliações de desempenho de todos os funcionários. Como resultado, há uma produtividade maior e com mais qualidade no desempenho das funções.
  16. 16. 15 4 CONSIDERAÇÕES FINAIS Encontramos nitidamente presentes na organização os elementos constitutivos da Teoria Clássica, representados na forma como seus órgãos (setores) estão dispostos, bem como no inter-relacionamento entre estes, ressaltando ainda a divisão do trabalho, com a respectiva especialização das partes (setores). Vimos que a ênfase na estrutura organizacional está diretamente associada aos resultados alcançados, pois há uma forte divisão das tarefas, com funções bem definidas, onde predomina a atuação da direção no controle dos trabalhos e na busca do alcance das metas estipuladas. Percebeu-se, ainda, que a instituição, por ser de natureza pública, preocupa-se, de sobremaneira, na prestação eficaz de seus serviços, utilizando-se, para tanto, todos os recursos disponíveis. Denota-se que, enquanto organização formal, existem os elementos que definem sua natureza burocrática - O formalismo, caracterizado pelo vínculo entre o servidor e a instituição; A impessoalidade presente na estruturação dos cargos e funções, revelando uma relação hierárquica, onde cada indivíduo tem sua competência definida de acordo com o cargo que ocupa; e por fim, o Profissionalismo, que está intrinsecamente relacionado ao modo como os servidores são selecionados para a ocupação dos cargos, ou seja, a maneira como estes desempenham e valorizam suas atividades. Em síntese, no Fórum Clóvis Beviláqua, o que se busca é o alcance de objetivos, previamente elaborados, utilizando-se, para tanto, de princípios administrativos que o torne um modelo de gestão a ser adotado pelas demais organizações, sejam públicas ou privadas.
  17. 17. 16 REFERÊNCIAS AMARU, Antonio César Maximiniano. Introdução à Administração. Ed. Atlas; pág. 46-47 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 10520: apresentação de citações em documentos. Rio de Janeiro, 2002a. ______. NBR 12225: títulos de lombada. Rio de janeiro, 2004a. ______. NBR 14724: trabalhos acadêmicos: apresentação. Rio de Janeiro, 2011a. ______. NBR 15287: projeto de pesquisa: apresentação. Rio de Janeiro, 2011b. ______. NBR 6023: referências: elaboração. Rio de Janeiro, 2002b. ______. NBR 6024: numeração progressiva das seções de um documento. Rio de Janeiro, 2012a. ______. NBR 6027: sumário. Rio de Janeiro, 2012b. ______. NBR 6028: resumos. Rio de janeiro, 2003. ______. NBR 6034: índice. Rio de janeiro, 2004b. ROBBINS, S. P. Administração: mudanças e perspectivas. São Paulo, Saraiva, 2006. TJCE. Disponível em: <http//www.tjce@.jus.gov.br>. Acesso em 23/05/2014. UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ. Biblioteca Universitária Guia para normalização de trabalhos acadêmicos da Universidade federal do Ceará. 1. ed. Fortaleza: Ed. UFC, 2013.

×