SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 65
Baixar para ler offline
Esterilização e Desinfecção
Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias de
Jaboticabal – Departamento de Microbiologia –
UNESP
MSc Ana Cláudia de Oliveira
Introdução
• 10 referência de desinfetante : A Odisséia onde
Homero cita o uso do enxofre (800 a.C.)
Ainda hoje utilizado para conservar frutas secas, sucos
e vinhos.
• Cidade de Veneza: pioneira em controle sanitário.
• Holandês Anton Van Leeuwnhoek (1676): foi um
marco na história da microbiologia e desinfecção.
• Louis Pasteur (1822-1895): desenvolveu o método físico
denominado pasteurização.
• Em hospitais estão associadas a uma inadequada
desinfecção de ambientes e artigos médicos.
• De acordo com a OMS, as doenças parasitária, virais e
bacterianas são as principais causas de morte
prematura, 1 cada 3.
• A OMS aponta as principais razões pelas quais
algumas doenças infecciosas não são
controladas/erradicadas:
• Disseminação da pobreza
• Crescimento populacional desordenado
• Aumento das concentrações urbanas
• Movimentos grandes de refugiados
• Degradação ambiental
• Globalização das economias
• Aumento das viagens internacionais
• Resistência a antibióticos
Nas últimas duas décadas, trinta novas e emergentes
infecções tem sido alvo de grande preocupação: do
HIV ao Ebola.
No Brasil calcula-se que 80% dos hospitais não fazem
controle de infecção hospitalar.
As bactérias são os agentes principais das infecções
emergentes de pacientes hospitalares.
Microrganismos podem ser transmitidos de pessoa-
pessoa por qualquer equipamento de uso comum.
Medidas preventivas: lavagem de mãos entre os
pacientes e descontaminação do material e área
utilizados.
Contaminação cruzada: fenômeno de contaminação de
uma pessoa para outra ou de uma pessoa por um
objeto inanimado contaminado.
Controle de microrganismos
• Em laboratórios
• No lar
• Nos hospitais
• Na indústria
Métodos antigos de controle microbiano:
Secagem
Salinização de alimentos
Cozimento
Esterilização e desinfecção:
• Termos empregados:
• Descontaminação: Conjunto de operações de limpeza, de
desinfecção e/ou esterilização de superfícies contaminadas
por agentes potencialmente patogênicos.
• Limpeza: Procedimento usado para remover materiais
estranhos: pó, materia orgânica, materia inorgânica e
grande número de microrganismos.
• Desinfecção: Destruição dos microrganismos por meios
físicos e químicos, na forma vegetativa, sem a destruição
de esporos.
• Esterilização: Processos físicos ou químicos utilizados para
eliminar as formas vegetativas e esporuladas de
instrumentos e outros materiais.
Modos de ação dos germicidas:
• Desidratação e coagulação
• Alquilação
• Desnaturação protéica
• Permeabilidade da parede celular
• Oxidação
Desinfecção
• Definição:
• Conjunto de operações de natureza física ou química com
o objetivo de reduzir o nível de contaminação por
microrganismos nos itens inanimados.
• Visa a eliminação de microrganismos na forma vegetativa,
excetuando-se os esporos bacterianos ou suas endotoxinas.
Desinfecção:
• Classificação:
• Alto nível: destrói todos os microrganismos na forma
vegetativa com exceção de esporos bacterianos. Requer
enxague do material com água estéril e manipulação com
técnica asseptica.
• Médio nível ou nível intermediário: os agente aplicados
são eficientes para destruir as bactérias vegetativas
(incluindo micobactérias da tuberculose), a maioria dos
vírus e fungos.
• Baixo nível: os agente utilizados apresentam atividade
antibacteriana sobre a maioria das bactéias, alguns vírus e
fungos, porém não inativam microrganismos mais
resistentes (micobactéria e esporos bacterianos.
NÍVEL DE DESINFECÇÃO:
ALTO INTERM BAIXO
cél.vegetat + + +
bacilo tub + + -
esporos + + - -
fungos + + + -
vírus lipídicos + + - +
vírus não
lipídicos
+ + - + -
• Anti-sepsia: procedimento através do qual
microrganismos presentes em tecidos são destruídos após a
aplicação de agentes antimicrobianos.
Características de um bom anti-séptico:
Atividade germicida sobre a flora cutânea, sem causar
irritação à pele ou mucosas.
Não provocar reações alérgicas ou queimaduras.
Possuir baixo teor de toxicidade.
• Em microbiologia, o critério de morte de um
microrganismo é baseado em uma única propriedade: a
capacidade de se reproduzir.
• Avaliação de um agente microbicida: cultiva-se uma
amostra do material tratado → número de sobreviventes.
• Uma cél. microbiana é considerada viva:
Origina uma colônia visível em ágar
Produz crescimento (turvação) em meio líquido
Multiplica-se em hospedeiro animal ou vegetal
Morte exponencial: os microrganismos morrem em uma
relação constante, em um dado período de tempo.
Ex.: 1milhão de bactérias
O agente microbicida elimina 90% /min.
Padrão:
10 min: 100.000
20 min: 10.000
30 min: 1.000
40 min: 100
50 min:10
60 min: 1
O tempo necessário para destruir as últimas 9 bactérias é o
mesmo que destruiu as primeiras 900.000.
Sítios de ação dos agentes antimicrobianos
Principais fatores interferentes e determinantes
Tamanho da população
microbiana
O sucesso da desinfecção
depende de uma rígida
limpeza prévia.
Intensidade ou concentração
do agente microbicida
Tempo de exposição
Temperatura
Valor de pH
•Dependente do tipo de desinfetante/microrganismo/artigo
submetido.
• pH 7 : sensibilizam células vegetativas e favorecem a
difusão do agente.
• Peróxido de hidrogênio: independe do valor de pH.
• Compostos quaternários de amônio e clorexidina são mais
efetivos pH >7.
• Glutaraldeído: ativo em temperatura ambiente (pH 7,5-8,5),
a medida que a temperatura se aproxima de 700 C a
dependência em relação ao pH diminui.
Dureza da água
Os íons cálcio e magnésio presentes na água interagem com
detergentes e outros compostos orgânicos precipitados
insolúveis.
Compostos quaternários de amônio são marcadamente
afetados.
Umidade relativa
Afeta diretamente a atividade de compostos na forma gasosa
Óxido de etileno
Peróxido de hidrogênio
Formaldeído
Características do microrganismo:
De maneira genérica, a ordem de resistência ao agente
antimicrobiano é:
Esporos bacterianos > Cél. Bacterianas > Fungos > Leveduras
> Vírus
DESINFECÇÃO:
CALORCALOR ÚÚMIDOMIDO
ää FERVURA, VAPOR 75FERVURA, VAPOR 7500,PASTEURIZA,PASTEURIZAÇÃÇÃOO
757500a30M.a30M.
CALOR SECOCALOR SECO
ää PASSAR FERROPASSAR FERRO
LLÍÍQUIDOS QUQUIDOS QUÍÍMICOSMICOS
ää ALDEALDEÍÍDOS, FENDOS, FENÓÓLICOS,CLORADOS,PERLICOS,CLORADOS,PERÓÓXIDOXIDO
HH22
GASES QUGASES QUÍÍMICOSMICOS
ää FORMALDEFORMALDEÍÍDODO
ää OUTROSOUTROS-- RADIARADIAÇÃÇÃO ULTRAVIOLETAO ULTRAVIOLETA
CARACTERÍSTICAS DE UM
DESINFETANTE IDEAL
• AÇÃO RÁPIDA
• AMPLO ESPECTRO
• ATIVO EM PRESENÇA DE MATÉRIA ORGÂNICA
• ATÓXICO
• COMPATÍVEL COM DIVERSOS TIPOS DE
MATERIAIS
• EFEITO RESIDUAL NA SUPERFÍCIE
CARACTERÍSTICAS DE UM
DESINFETANTE IDEAL
• INODORO OU DE ODOR AGRADÁVEL
• ECONÔMICO
• SOLÚVEL EM ÁGUA
• NÃO POLUENTE
• SER COMPATÍVEL COM SABÕES,
DETERGENTES E OUTROS PRODUTOS
QUÍMICOS
Danifica metais30 minutosALTOÁcido
peracético +
peroxido de
hidrogênio
Não há30 minutosBAIXOQuaternário
de Amonia
Danifica acrílico e
borracha
30 segundosMÉDIOÁlcool a 70%
Danifica metais e
mármore
30 minutosMÉDIOHipoclorito
de sódio a
1%
Materiais porosos
retem o produto
45 minutosALTOGlutaraldeído
a 2%
RESTRIÇÕES DE
USO
TEMPO DE
EXPOSIÇÃO
NÍVEL DE
DESINFECÇÃO
PRODUTO
!
" ! # !
$ % #
!
& ! '! ( ! #
! ! )
* +%
$ % ! ( !
,! (, !
) -.*
&/
- ! ! *
! !
"
, # (0 # !
!
! ! 1
! ! )
! 2 .3 45 % 6 5 % 71 !
342 5 % 71 ( 3
"# $
( ! ,
! ( # 8 ! (
!
, ! !
( ! * * !
%& , ! ! , !
!
9 : ) # ( . ; )
(
' !
! . !
( !
% ! ( (<
# )*+ * ,- *
# ! ! =
! !
( .
! !% *
( ./ ' / ! ! >
( . ! ; ! *
! ! $
(
, ( . !
. 01 1 2 3 /
?@"A2BA @CA - &D @A
' ( !
! ! * !
! .
! #
,*
) 4
$; ; 4 $;)7 ( ! *
E * F
G $ 4 $)7 * $% F
G 4 )7 ;
$ F
G $ 4 $) 7 $
$
G ; 4 ;)7 $ 9 ?HI $
J2
G ; 4 ;)7 $ ; ?@I $
;J2
FORMALDEFORMALDEÍÍDO E VAPOR DEDO E VAPOR DE
FORMALDEFORMALDEÍÍDODO
ä Monoaldeído que é um gás solúvel em água.
ä Desvantagens principais - menor rapidez de ação
e carcinogenicidade (altas doses de exposição)
ä Ação: ativo apenas na presença de umidade para
formação do grupo metanol
ä Exposição máxima no ambiente: 0,1 a 0,5 ppm.
ä Biodegradabilidade: 1 a dois dias.
ä Tóxico
KRAMER AKRAMER A etet allall.. HygHyg MedMed. 1996; 21: 536. 1996; 21: 536--557.557.
MC DONENNELL & RUSSEL D.MC DONENNELL & RUSSEL D. ClinClin MicrobiolMicrobiol Rev. 1999; 12: 147Rev. 1999; 12: 147--179.179.
VAPOR DE FORMALDEÍDO
ä Gerado em máquina própria a partir de formol a
2%.
ä Indicação: materiais termosensíveis.
ä
ä Embalagens: papel grau cirúrgico.
ä Indicador biológico: B. stearothermophillus
ää HURREL D. JHURREL D. J ScienceScience ServServ ManagManag. 1987; 41. 1987; 41--44.44.
Temperatura: 50 a 60o.C conforme o ciclo é a
temperatura em que é oferecido o aparelho
atualmente no país.
Tempo do ciclo: 3 horas e meia.
Exposição do pessoal: como existe uma fase,
chamada fase líquida, em que o formaldeído é
extraído não há exposição.
CLOREXIDINA
( ! ! ! /
!
( ! 1 K *!
%& # L) )
) $ ) ! ! M !
;) 4! ! *! 7 # *
4 7
9 : ) # ( . ; )
(
2 . 2 M !
2 . # " *
PRODUTOS UTILIZADOS NA
DESINFECÇÃO
NOVOS GERMICIDAS
• ORTHOPHTALALDEÍDO – desinfetante de alto
nível com ação semelhante a do glutaraldeído,
porém com menos odor e menor ação corrosiva.
• ÁGUA SUPER OXIDADA - desinfetante de alto
nível menos tóxico e menos corrosivo, trata-se de
água super oxidada por reação química obtida pela
eletrólise da água (com titânio e corrente elétrica)
ESTERILIZAÇÃO
Definição:
“...CONSIDERA-SE ESTERILIZAÇÃO O PROCESSO
PELO QUAL OS MICRORGANISMOS SÃO
DESTRUÍDOS A TAL PONTO QUE A SUA
PROBABILIDADE DE SOBREVIVÊNCIA É MENOR
QUE 1 PARA 1.OOO.OOO.”
fonte: BRUNCH CW, BRUNCH MK - 2000
Esterilização:
• Métodos utilizados: Depende da natureza do material e
quantidade de microrganismos a serem destruídos.
• Agentes esterilizantes:
• Calor
• Filtração
• Radiação
• Óxido de etileno
• Glutaraldeído
• Formaldeído
Pré requisitos:
• Instrumental efetivamente limpo
• Abertura dos instrumentais com articulações
• Tesouras semi abertas protegidas com gazes
• Escolha do invólucro
ESTERILIZAÇÃO
MÉTODO EQUIPAMENTO /
SOLUÇÃO
TEMPERATURA TEMPO
Gravitacional 121ºC 30 minutosVapor
sob
pressão
Autoclave
Pré-vácuo 134ºC 4 minutos
170ºC 1 hora
FÍSICO
Calor
seco
Estufa
160ºC 2 horas
Glutaraldeído
(imersão)
ambiente 10 horas
Líquido
Ácido peracético +
peróxido de hidrogênio
(imersão)
ambiente 8 horaQUÍMICO
Gasoso
• Óxido de etileno
• Plasma de peróxido
de hidrogênio
_ _
ASPECTOS QUE INTERFEREM NA ESTERILIZAÇÃO
• Quantidade de matéria orgânica presente
• Material com estrutura diferente da original
• Artigos diferentes em tamanho e material na mesma
carga
• Desenho do material (ranhuras, dobradiças)
• Locais de difícil acesso e pontos frios
PARÂMETROS DOS PROCESSOS DE
ESTERILIZAÇÃO
ä Temperatura
ä Pressão
ä Tempo
ä Grau de penetração do agente
esterilizante
ä Umidade
ä Concentração
ESTERILIZAÇÃO - INVÓLUCRO
OBJETIVOS
Permitir a esterilização do artigo.
Garantir esterilidade do artigo até o momento do uso.
Facilitar a transferência do conteúdo com técnica
asséptica.
ESTERILIZAÇÃO - INVÓLUCRO
, * ,
& ! ! ! > !
" *
" * ! / !
&
& M.! 4! < 7
& ( ! (
& ! ! > *
ESTERILIZAÇÃO - INVÓLUCRO
_CALOR ÚMIDO
ÓXIDO DE ETILENO
PLASMA DE PERÓXIDO DE
HIDROGÊNIO
NÃO TECIDO
Alto custoCALOR ÚMIDO
ÓXIDO DE ETILENO
PLASMA DE PERÓXIDO DE
HIDROGÊNIO E RADIAÇÃO
GAMA
TYVEC
Especificação técnica por meio da
NBR 13386/95
CALOR ÚMIDO
ÓXIDO DE ETILENO
FILME TRANSPARENTE
Irregularidade e inconstância na
gramatura. Pode apresentar
alquiltiofeno, causa náuseas e
cefaléia nos indivíduos expostos
EM DESUSOPAPEL KRAFT
Menor resistência à tração (projeto
23.001.04-008 / 98
CALOR ÚMIDO
ÓXIDO DE ETILENO
PAPEL CREPADO
Especificação técnica por meio da
NBR 12946/93
CALOR ÚMIDO
ÓXIDO DE ETILENO
PAPEL GRAU CIRÚRGICO
Há dificuldade de monitorização do
desgaste do tecido. NBR 13456/96
CALOR ÚMIDOTECIDO DE ALGODÃO CRU
OBSERVAÇÃOINDICAÇÃOTIPO DE INVÓLUCRO
VALIDAÇÃO DO PROCESSO DE
ESTERILIZAÇÃO
INDICADOR BIOLÓGICO
Certifica a eficácia do processo de esterilização.
Primeira geração – tiras de papel impregnado com
Bacillus Subtillis e Stearothermophillus, o material é
encaminhado ao laboratório para incubação e o resultado
sai em um período de 2 a 7 dias.
Segunda geração – ampolas contendo esporos do
Bacillus Stearothermophillus, com leitura final de 48
horas.
Terceira geração – só disponível para o processo à
vapor. A leitura é realizada no máximo em 3 horas.
OUTROS MÉTODOS
• Radiação ultravioleta destruição dos ácido nucléicos
• Óxido de Etileno alquila e desnatura as proteínas
• Pasteurização, água aquecida a 65 ºC por 60 min
(enterococcus faecalis, HIV)
• Microondas (2,45 Hz) entre 60 seg e 5 min
Altas Temperaturas
• O calor úmido é muito mais eficiente que o calor seco para
destruir os microrganismos.
• Calor úmido: causa a desnaturação das proteínas vitais
como as enzimas.
• Calor seco: causa oxidação dos constituintes orgânicos da
célula.
Medidas de susceptibilidade microbianas a altas
temperaturas
• Tempo de morte térmica (TMT): é o mais curto espaço de
tempo requerido para destruir todos os microrganismos de
uma amostra.
• Tempo de redução decimal (valor D): é o tempo requerido
para diminuir uma população microbiana de uma amostra
em 90% → tempo exigido para que a curva do tempo de
morte térmica passe ao longo de um ciclo logarítmico.
• Medidas extremamente importantes na indústria de
alimentos, onde o tempo de processamento ótimo e a
temperatura devem ser estabelecidos para vários alimentos
enlatados.
ESTUFA – CALOR SECO
N # !
! A &
N A A - OPA ! *
.
N , !
!
! ,
, ! !
N $9 2"A 9 . , ' . * %
N $ ! $9 2 M
M 4 *7
N $; *
ESTUFA
Segundo a distribuição de calor:
1 Por gravidade
2 Mecânica (mais eficiente,distribuição de calor mais uniforme)
EXEMPLOS DE TEMPERATURA E TEMPO NECESSÁRIO DE
EXPOSIÇÃO:
Temperatura tempo
171o.C 60 minutos
160o.C 120 minutos
149o.C 150 minutos
141o.C 180 minutos
121o.C 12horas
Filtração
• Utilizada para materiais que não podem ser esterilizados
pela autoclavação, como vitaminas e proteínas
termossensíveis.
• Também é utilizada para separar diferentes tipos de
microrganismos e para coletar amostras microbianas.
• Um dos primeiros indícios de que os vírus realmente
existiam foi a observação de que a remoção de bactérias
com um filtro não removia necessariamente a capacidade
produtora de doença.
AUTOCLAVE
• Método confiável e de primeira escolha
• Modo de ação esteriliza por termocoagulação
através do calor latente
Calor latente é a quantidade de calor que uma
substancia pode absorver
AUTOCLAVE
N H (
N ! *
!
N ) ! !
N A M !
N I * (
12 5 5 +
N # / *
N * ( G
*
N * ! G (
! ! . , ! !
N $; $EL 2
E $ $ 2
N C ! #
N A ! ! ! ! .
! !
N ( * * ! /*! ! ! ,
N A ! M !
( ( !
N ! ! 4 *
( 7 * ! ,*
! ! ! !
0 1 4 1 1
/ % 0 1
1 ' 6
7 /
, * *8 9: ,*!; 9:, * *8 9: ,*!; 9:
!!
N 2! * !
N QA C- C- "- CR S2 " -&&PA C- "A
4 @ 7
A & $ $ $ T $; $;G E
-@ A R @ A $ $ $ T $; $;G E
-R $ $ $E $;T E
H &@B $ $ $EL $;T E
, < , . ,< = ,; ,* , > < * ,
, * *8 9:
UCA A& I C 1- & -&I C 1- &
"- -C OPA H @V
2@2BA BA 1A
H @VA 2R&CA
"A - &- A @CA A
@ &C R - C B& @&-2A
2 BA &-2A
2R&CA -B-I AH @V &C- "- CR &@ OPA
@A @W C-
2@2BA - C- "A BA 1A
2R&CA @& BCA
H @V C- "- CR - R @ -AV@ A - -C@B- A
- H B 1- 2A R @ -
@QX2@B@ C- A "- A 2@2BA
2A D@ -C @&YR- PA @ AV
Z1R -&C- @B@W
-2A [ @2
HA "- -C OPA
BXYR@ A& C-2@ A& HA 2? - OA
QZ2@B A @CA @W OPA
RCA2B I-
PA - H B 1-
2A A&PA - -C @&
I- 2@ - CA I B@ -
C@B" C- @ @&C- ABZH-@&
QZ2@B - &- R& A
G 2R&CA -B C@I - C- H @VA
1BRC B -X A

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula Central de material Esterilizado
Aula Central de material EsterilizadoAula Central de material Esterilizado
Aula Central de material EsterilizadoConceição Quirino
 
Esterilização e desinfecção
Esterilização e desinfecção Esterilização e desinfecção
Esterilização e desinfecção dapab
 
Epidemiologia das doenças infecciosas
Epidemiologia das doenças infecciosasEpidemiologia das doenças infecciosas
Epidemiologia das doenças infecciosasAdriana Mércia
 
Aula 1 esterilização preparatorio aprova
Aula 1   esterilização preparatorio aprovaAula 1   esterilização preparatorio aprova
Aula 1 esterilização preparatorio aprovaMarlon Vaughan
 
Doenca de Carbúnculo Hemático e Sintomático de Animal.
Doenca de Carbúnculo Hemático e Sintomático de Animal.Doenca de Carbúnculo Hemático e Sintomático de Animal.
Doenca de Carbúnculo Hemático e Sintomático de Animal.Alarindo Salvador Dos Santos
 
Desinfecção e Esterilização
Desinfecção e EsterilizaçãoDesinfecção e Esterilização
Desinfecção e EsterilizaçãoFlavia Carmo
 
1º Seminário CME e Centro Cirúrgico - Qualificação lavadora ultrassônica
1º Seminário CME e Centro Cirúrgico - Qualificação lavadora ultrassônica1º Seminário CME e Centro Cirúrgico - Qualificação lavadora ultrassônica
1º Seminário CME e Centro Cirúrgico - Qualificação lavadora ultrassônicaSeminário CME
 
Aula de Parasitologia Básica
Aula de Parasitologia BásicaAula de Parasitologia Básica
Aula de Parasitologia BásicaJaqueline Almeida
 
Doenças ocupacionais em odontologia
Doenças ocupacionais em odontologiaDoenças ocupacionais em odontologia
Doenças ocupacionais em odontologiaRômulo Augusto
 
Aula 7 posições cirúrgicas
Aula 7 posições cirúrgicasAula 7 posições cirúrgicas
Aula 7 posições cirúrgicasMarci Oliveira
 

Mais procurados (20)

Aula Central de material Esterilizado
Aula Central de material EsterilizadoAula Central de material Esterilizado
Aula Central de material Esterilizado
 
Esterilização e desinfecção
Esterilização e desinfecção Esterilização e desinfecção
Esterilização e desinfecção
 
Epidemiologia das doenças infecciosas
Epidemiologia das doenças infecciosasEpidemiologia das doenças infecciosas
Epidemiologia das doenças infecciosas
 
Aula 1 esterilização preparatorio aprova
Aula 1   esterilização preparatorio aprovaAula 1   esterilização preparatorio aprova
Aula 1 esterilização preparatorio aprova
 
Aula esterilizacao
Aula esterilizacaoAula esterilizacao
Aula esterilizacao
 
Indicadores e teste biológicos
Indicadores e teste biológicosIndicadores e teste biológicos
Indicadores e teste biológicos
 
Esterilizar
EsterilizarEsterilizar
Esterilizar
 
Doenca de Carbúnculo Hemático e Sintomático de Animal.
Doenca de Carbúnculo Hemático e Sintomático de Animal.Doenca de Carbúnculo Hemático e Sintomático de Animal.
Doenca de Carbúnculo Hemático e Sintomático de Animal.
 
Assepsia e antissepsia
Assepsia e antissepsiaAssepsia e antissepsia
Assepsia e antissepsia
 
Desinfecção e Esterilização
Desinfecção e EsterilizaçãoDesinfecção e Esterilização
Desinfecção e Esterilização
 
Fios cirurgicos
Fios cirurgicosFios cirurgicos
Fios cirurgicos
 
1º Seminário CME e Centro Cirúrgico - Qualificação lavadora ultrassônica
1º Seminário CME e Centro Cirúrgico - Qualificação lavadora ultrassônica1º Seminário CME e Centro Cirúrgico - Qualificação lavadora ultrassônica
1º Seminário CME e Centro Cirúrgico - Qualificação lavadora ultrassônica
 
Fios e suturas
Fios e suturasFios e suturas
Fios e suturas
 
Aula de Parasitologia Básica
Aula de Parasitologia BásicaAula de Parasitologia Básica
Aula de Parasitologia Básica
 
Doenças ocupacionais em odontologia
Doenças ocupacionais em odontologiaDoenças ocupacionais em odontologia
Doenças ocupacionais em odontologia
 
Fios de suturas
Fios de suturasFios de suturas
Fios de suturas
 
Cme completo
Cme completoCme completo
Cme completo
 
PPT sobre técnicas moleculares
PPT sobre técnicas molecularesPPT sobre técnicas moleculares
PPT sobre técnicas moleculares
 
SÍNTESE E FIOS DE SUTURA
SÍNTESE E FIOS DE SUTURASÍNTESE E FIOS DE SUTURA
SÍNTESE E FIOS DE SUTURA
 
Aula 7 posições cirúrgicas
Aula 7 posições cirúrgicasAula 7 posições cirúrgicas
Aula 7 posições cirúrgicas
 

Destaque

1223484917 limpeza e_desinfecção_em_word
1223484917 limpeza e_desinfecção_em_word1223484917 limpeza e_desinfecção_em_word
1223484917 limpeza e_desinfecção_em_wordPelo Siro
 
Aula de Artigos críticos, semi críticos e não críticos
Aula de Artigos críticos, semi críticos e não críticosAula de Artigos críticos, semi críticos e não críticos
Aula de Artigos críticos, semi críticos e não críticosSMS - Petrópolis
 
Manual de Limpeza e Desinfecção – ANVISA
Manual de Limpeza e Desinfecção – ANVISAManual de Limpeza e Desinfecção – ANVISA
Manual de Limpeza e Desinfecção – ANVISAredeamb
 
Biossegurança desinfecção
Biossegurança desinfecçãoBiossegurança desinfecção
Biossegurança desinfecçãoluanamelo18
 
Teorias sobre o conceito de tecnicas de enfermagem.pptx de fernando mango.2
Teorias sobre o conceito de tecnicas de enfermagem.pptx  de fernando mango.2Teorias sobre o conceito de tecnicas de enfermagem.pptx  de fernando mango.2
Teorias sobre o conceito de tecnicas de enfermagem.pptx de fernando mango.2Raimundo Bany
 
Apostila tecnicacirurgica
Apostila tecnicacirurgicaApostila tecnicacirurgica
Apostila tecnicacirurgicaDeyvyd Lima
 
microrganismos patogênicos em alimentos
 microrganismos patogênicos em alimentos microrganismos patogênicos em alimentos
microrganismos patogênicos em alimentosCris Botelho
 
A 5 esterilização e desinfecção
A 5 esterilização e desinfecçãoA 5 esterilização e desinfecção
A 5 esterilização e desinfecçãoRômulo S. Dias
 
Limpeza e desinfecção hospitalar
Limpeza e desinfecção hospitalarLimpeza e desinfecção hospitalar
Limpeza e desinfecção hospitalarPrLinaldo Junior
 
TREINAMENTO AOS FUNCIONÁRIOS DA LIMPEZA DA CURSAN
TREINAMENTO AOS FUNCIONÁRIOS DA LIMPEZA DA CURSANTREINAMENTO AOS FUNCIONÁRIOS DA LIMPEZA DA CURSAN
TREINAMENTO AOS FUNCIONÁRIOS DA LIMPEZA DA CURSANDennis Moliterno
 
Assepsia e antissepsia
Assepsia e antissepsiaAssepsia e antissepsia
Assepsia e antissepsiaDanilo Modesto
 
Manual Higiene e Desinfecção Hospitalar
Manual Higiene e Desinfecção HospitalarManual Higiene e Desinfecção Hospitalar
Manual Higiene e Desinfecção HospitalarGeneral Clean
 
Exame Físico
Exame FísicoExame Físico
Exame Físicolacmuam
 
Fundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagemFundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagemJardiel7
 

Destaque (20)

1223484917 limpeza e_desinfecção_em_word
1223484917 limpeza e_desinfecção_em_word1223484917 limpeza e_desinfecção_em_word
1223484917 limpeza e_desinfecção_em_word
 
Aula de Artigos críticos, semi críticos e não críticos
Aula de Artigos críticos, semi críticos e não críticosAula de Artigos críticos, semi críticos e não críticos
Aula de Artigos críticos, semi críticos e não críticos
 
Manual de Limpeza e Desinfecção – ANVISA
Manual de Limpeza e Desinfecção – ANVISAManual de Limpeza e Desinfecção – ANVISA
Manual de Limpeza e Desinfecção – ANVISA
 
Biossegurança desinfecção
Biossegurança desinfecçãoBiossegurança desinfecção
Biossegurança desinfecção
 
Marketing Veterinario
Marketing VeterinarioMarketing Veterinario
Marketing Veterinario
 
Teorias sobre o conceito de tecnicas de enfermagem.pptx de fernando mango.2
Teorias sobre o conceito de tecnicas de enfermagem.pptx  de fernando mango.2Teorias sobre o conceito de tecnicas de enfermagem.pptx  de fernando mango.2
Teorias sobre o conceito de tecnicas de enfermagem.pptx de fernando mango.2
 
Apostila tecnicacirurgica
Apostila tecnicacirurgicaApostila tecnicacirurgica
Apostila tecnicacirurgica
 
microrganismos patogênicos em alimentos
 microrganismos patogênicos em alimentos microrganismos patogênicos em alimentos
microrganismos patogênicos em alimentos
 
A 5 esterilização e desinfecção
A 5 esterilização e desinfecçãoA 5 esterilização e desinfecção
A 5 esterilização e desinfecção
 
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
 
Exame físico
Exame físicoExame físico
Exame físico
 
Limpeza e desinfecção hospitalar
Limpeza e desinfecção hospitalarLimpeza e desinfecção hospitalar
Limpeza e desinfecção hospitalar
 
Exame físico geral
Exame físico geralExame físico geral
Exame físico geral
 
ácido acético
ácido acéticoácido acético
ácido acético
 
TREINAMENTO AOS FUNCIONÁRIOS DA LIMPEZA DA CURSAN
TREINAMENTO AOS FUNCIONÁRIOS DA LIMPEZA DA CURSANTREINAMENTO AOS FUNCIONÁRIOS DA LIMPEZA DA CURSAN
TREINAMENTO AOS FUNCIONÁRIOS DA LIMPEZA DA CURSAN
 
Assepsia e antissepsia
Assepsia e antissepsiaAssepsia e antissepsia
Assepsia e antissepsia
 
Manual Higiene e Desinfecção Hospitalar
Manual Higiene e Desinfecção HospitalarManual Higiene e Desinfecção Hospitalar
Manual Higiene e Desinfecção Hospitalar
 
Centro CirúRgico Parte 1
Centro CirúRgico Parte 1Centro CirúRgico Parte 1
Centro CirúRgico Parte 1
 
Exame Físico
Exame FísicoExame Físico
Exame Físico
 
Fundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagemFundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagem
 

Semelhante a Esterilizacao desinfeccao veterinaria

biossegurança descart final
biossegurança descart finalbiossegurança descart final
biossegurança descart finalAdila Trubat
 
Introdução à higienização - definições, fatores e etapas.ppt
Introdução à higienização -  definições, fatores e etapas.pptIntrodução à higienização -  definições, fatores e etapas.ppt
Introdução à higienização - definições, fatores e etapas.pptGUILHERMEERNANDES1
 
Controle microbiano - Renato Varges
Controle microbiano - Renato VargesControle microbiano - Renato Varges
Controle microbiano - Renato VargesRenato Varges - UFF
 
Controle crescimento-microbiano . esterilização
Controle crescimento-microbiano . esterilizaçãoControle crescimento-microbiano . esterilização
Controle crescimento-microbiano . esterilizaçãoGildo Crispim
 
Controle crescimento-microbiano-140310201124-phpapp01
Controle crescimento-microbiano-140310201124-phpapp01Controle crescimento-microbiano-140310201124-phpapp01
Controle crescimento-microbiano-140310201124-phpapp01Sigelfrann Soares
 
Regras de esterilização e não contaminação do ambiente
Regras de esterilização e não contaminação do ambienteRegras de esterilização e não contaminação do ambiente
Regras de esterilização e não contaminação do ambienteCristina Sequeira
 
Principios basico de microbiologia
Principios basico de microbiologiaPrincipios basico de microbiologia
Principios basico de microbiologiaLuciano Marques
 
Controle microbiano
Controle microbianoControle microbiano
Controle microbianoArthur Magri
 
Aulas práticas microbiologia
Aulas práticas microbiologiaAulas práticas microbiologia
Aulas práticas microbiologiaOdonto ufrj
 
Controle-da-população-microbiana-antibióticos-e-resistência-ENF.pdf
Controle-da-população-microbiana-antibióticos-e-resistência-ENF.pdfControle-da-população-microbiana-antibióticos-e-resistência-ENF.pdf
Controle-da-população-microbiana-antibióticos-e-resistência-ENF.pdfRodrigoSimonato2
 
processodeesterilizaodemateriaismdicoshospitalares-240313195632-86dbc181.pdf
processodeesterilizaodemateriaismdicoshospitalares-240313195632-86dbc181.pdfprocessodeesterilizaodemateriaismdicoshospitalares-240313195632-86dbc181.pdf
processodeesterilizaodemateriaismdicoshospitalares-240313195632-86dbc181.pdfRaquelOlimpio1
 
Processo de esterilização de materiais médicos_hospitalares.pptx
Processo de esterilização de materiais médicos_hospitalares.pptxProcesso de esterilização de materiais médicos_hospitalares.pptx
Processo de esterilização de materiais médicos_hospitalares.pptxsavesegdotrabalho
 
Aula Biossegurança - Embalagem.pdf
Aula Biossegurança - Embalagem.pdfAula Biossegurança - Embalagem.pdf
Aula Biossegurança - Embalagem.pdfTedTrindade1
 
Aula 8 - LIMPEZA, DESINFECÇÃO E ESTERILIZAÇÃO OK.pdf
Aula 8 - LIMPEZA, DESINFECÇÃO E ESTERILIZAÇÃO OK.pdfAula 8 - LIMPEZA, DESINFECÇÃO E ESTERILIZAÇÃO OK.pdf
Aula 8 - LIMPEZA, DESINFECÇÃO E ESTERILIZAÇÃO OK.pdfHerikaValenzuelaferr
 
Técnicas de desinfecção do material
Técnicas de desinfecção do materialTécnicas de desinfecção do material
Técnicas de desinfecção do materialLuís Filipe Marinho
 
4912652 manual-de-limpeza
4912652 manual-de-limpeza4912652 manual-de-limpeza
4912652 manual-de-limpezaJúlia Silva
 
Desinfecção e esterilização
Desinfecção e esterilizaçãoDesinfecção e esterilização
Desinfecção e esterilizaçãoFlávia Cunha
 
Trabalhadores higiene das_instalacoes_equipamentos-1
Trabalhadores higiene das_instalacoes_equipamentos-1Trabalhadores higiene das_instalacoes_equipamentos-1
Trabalhadores higiene das_instalacoes_equipamentos-1Telma Cacém E Juromenha
 

Semelhante a Esterilizacao desinfeccao veterinaria (20)

biossegurança descart final
biossegurança descart finalbiossegurança descart final
biossegurança descart final
 
Introdução à higienização - definições, fatores e etapas.ppt
Introdução à higienização -  definições, fatores e etapas.pptIntrodução à higienização -  definições, fatores e etapas.ppt
Introdução à higienização - definições, fatores e etapas.ppt
 
Controle microbiano - Renato Varges
Controle microbiano - Renato VargesControle microbiano - Renato Varges
Controle microbiano - Renato Varges
 
Controle crescimento-microbiano . esterilização
Controle crescimento-microbiano . esterilizaçãoControle crescimento-microbiano . esterilização
Controle crescimento-microbiano . esterilização
 
Controle crescimento-microbiano-140310201124-phpapp01
Controle crescimento-microbiano-140310201124-phpapp01Controle crescimento-microbiano-140310201124-phpapp01
Controle crescimento-microbiano-140310201124-phpapp01
 
Regras de esterilização e não contaminação do ambiente
Regras de esterilização e não contaminação do ambienteRegras de esterilização e não contaminação do ambiente
Regras de esterilização e não contaminação do ambiente
 
Esterilizacao
EsterilizacaoEsterilizacao
Esterilizacao
 
Principios basico de microbiologia
Principios basico de microbiologiaPrincipios basico de microbiologia
Principios basico de microbiologia
 
Controle microbiano
Controle microbianoControle microbiano
Controle microbiano
 
Controle De Microorganismos
Controle De MicroorganismosControle De Microorganismos
Controle De Microorganismos
 
Aulas práticas microbiologia
Aulas práticas microbiologiaAulas práticas microbiologia
Aulas práticas microbiologia
 
Controle-da-população-microbiana-antibióticos-e-resistência-ENF.pdf
Controle-da-população-microbiana-antibióticos-e-resistência-ENF.pdfControle-da-população-microbiana-antibióticos-e-resistência-ENF.pdf
Controle-da-população-microbiana-antibióticos-e-resistência-ENF.pdf
 
processodeesterilizaodemateriaismdicoshospitalares-240313195632-86dbc181.pdf
processodeesterilizaodemateriaismdicoshospitalares-240313195632-86dbc181.pdfprocessodeesterilizaodemateriaismdicoshospitalares-240313195632-86dbc181.pdf
processodeesterilizaodemateriaismdicoshospitalares-240313195632-86dbc181.pdf
 
Processo de esterilização de materiais médicos_hospitalares.pptx
Processo de esterilização de materiais médicos_hospitalares.pptxProcesso de esterilização de materiais médicos_hospitalares.pptx
Processo de esterilização de materiais médicos_hospitalares.pptx
 
Aula Biossegurança - Embalagem.pdf
Aula Biossegurança - Embalagem.pdfAula Biossegurança - Embalagem.pdf
Aula Biossegurança - Embalagem.pdf
 
Aula 8 - LIMPEZA, DESINFECÇÃO E ESTERILIZAÇÃO OK.pdf
Aula 8 - LIMPEZA, DESINFECÇÃO E ESTERILIZAÇÃO OK.pdfAula 8 - LIMPEZA, DESINFECÇÃO E ESTERILIZAÇÃO OK.pdf
Aula 8 - LIMPEZA, DESINFECÇÃO E ESTERILIZAÇÃO OK.pdf
 
Técnicas de desinfecção do material
Técnicas de desinfecção do materialTécnicas de desinfecção do material
Técnicas de desinfecção do material
 
4912652 manual-de-limpeza
4912652 manual-de-limpeza4912652 manual-de-limpeza
4912652 manual-de-limpeza
 
Desinfecção e esterilização
Desinfecção e esterilizaçãoDesinfecção e esterilização
Desinfecção e esterilização
 
Trabalhadores higiene das_instalacoes_equipamentos-1
Trabalhadores higiene das_instalacoes_equipamentos-1Trabalhadores higiene das_instalacoes_equipamentos-1
Trabalhadores higiene das_instalacoes_equipamentos-1
 

Último

Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Mary Alvarenga
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfRILTONNOGUEIRADOSSAN
 
TIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptx
TIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptxTIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptx
TIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptxMarceloMonteiro213738
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfmaria794949
 
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptxCONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptxLuana240603
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoIlda Bicacro
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaHenrique Santos
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfssuserbb4ac2
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.HandersonFabio
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAElianeAlves383563
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisIlda Bicacro
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfCarolineNunes80
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdfARIANAMENDES11
 
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfssuser06ee57
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfPastor Robson Colaço
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxIlda Bicacro
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...LuizHenriquedeAlmeid6
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"Ilda Bicacro
 

Último (20)

Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
 
TIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptx
TIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptxTIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptx
TIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptx
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptxCONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
 
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 

Esterilizacao desinfeccao veterinaria

  • 1. Esterilização e Desinfecção Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias de Jaboticabal – Departamento de Microbiologia – UNESP MSc Ana Cláudia de Oliveira
  • 2. Introdução • 10 referência de desinfetante : A Odisséia onde Homero cita o uso do enxofre (800 a.C.) Ainda hoje utilizado para conservar frutas secas, sucos e vinhos. • Cidade de Veneza: pioneira em controle sanitário. • Holandês Anton Van Leeuwnhoek (1676): foi um marco na história da microbiologia e desinfecção. • Louis Pasteur (1822-1895): desenvolveu o método físico denominado pasteurização.
  • 3. • Em hospitais estão associadas a uma inadequada desinfecção de ambientes e artigos médicos. • De acordo com a OMS, as doenças parasitária, virais e bacterianas são as principais causas de morte prematura, 1 cada 3.
  • 4. • A OMS aponta as principais razões pelas quais algumas doenças infecciosas não são controladas/erradicadas: • Disseminação da pobreza • Crescimento populacional desordenado • Aumento das concentrações urbanas • Movimentos grandes de refugiados • Degradação ambiental • Globalização das economias • Aumento das viagens internacionais • Resistência a antibióticos
  • 5. Nas últimas duas décadas, trinta novas e emergentes infecções tem sido alvo de grande preocupação: do HIV ao Ebola. No Brasil calcula-se que 80% dos hospitais não fazem controle de infecção hospitalar. As bactérias são os agentes principais das infecções emergentes de pacientes hospitalares.
  • 6. Microrganismos podem ser transmitidos de pessoa- pessoa por qualquer equipamento de uso comum. Medidas preventivas: lavagem de mãos entre os pacientes e descontaminação do material e área utilizados. Contaminação cruzada: fenômeno de contaminação de uma pessoa para outra ou de uma pessoa por um objeto inanimado contaminado.
  • 7. Controle de microrganismos • Em laboratórios • No lar • Nos hospitais • Na indústria Métodos antigos de controle microbiano: Secagem Salinização de alimentos Cozimento
  • 8.
  • 9. Esterilização e desinfecção: • Termos empregados: • Descontaminação: Conjunto de operações de limpeza, de desinfecção e/ou esterilização de superfícies contaminadas por agentes potencialmente patogênicos. • Limpeza: Procedimento usado para remover materiais estranhos: pó, materia orgânica, materia inorgânica e grande número de microrganismos.
  • 10. • Desinfecção: Destruição dos microrganismos por meios físicos e químicos, na forma vegetativa, sem a destruição de esporos. • Esterilização: Processos físicos ou químicos utilizados para eliminar as formas vegetativas e esporuladas de instrumentos e outros materiais.
  • 11. Modos de ação dos germicidas: • Desidratação e coagulação • Alquilação • Desnaturação protéica • Permeabilidade da parede celular • Oxidação
  • 12. Desinfecção • Definição: • Conjunto de operações de natureza física ou química com o objetivo de reduzir o nível de contaminação por microrganismos nos itens inanimados. • Visa a eliminação de microrganismos na forma vegetativa, excetuando-se os esporos bacterianos ou suas endotoxinas.
  • 13. Desinfecção: • Classificação: • Alto nível: destrói todos os microrganismos na forma vegetativa com exceção de esporos bacterianos. Requer enxague do material com água estéril e manipulação com técnica asseptica. • Médio nível ou nível intermediário: os agente aplicados são eficientes para destruir as bactérias vegetativas (incluindo micobactérias da tuberculose), a maioria dos vírus e fungos. • Baixo nível: os agente utilizados apresentam atividade antibacteriana sobre a maioria das bactéias, alguns vírus e fungos, porém não inativam microrganismos mais resistentes (micobactéria e esporos bacterianos.
  • 14. NÍVEL DE DESINFECÇÃO: ALTO INTERM BAIXO cél.vegetat + + + bacilo tub + + - esporos + + - - fungos + + + - vírus lipídicos + + - + vírus não lipídicos + + - + -
  • 15. • Anti-sepsia: procedimento através do qual microrganismos presentes em tecidos são destruídos após a aplicação de agentes antimicrobianos. Características de um bom anti-séptico: Atividade germicida sobre a flora cutânea, sem causar irritação à pele ou mucosas. Não provocar reações alérgicas ou queimaduras. Possuir baixo teor de toxicidade.
  • 16. • Em microbiologia, o critério de morte de um microrganismo é baseado em uma única propriedade: a capacidade de se reproduzir. • Avaliação de um agente microbicida: cultiva-se uma amostra do material tratado → número de sobreviventes. • Uma cél. microbiana é considerada viva: Origina uma colônia visível em ágar Produz crescimento (turvação) em meio líquido Multiplica-se em hospedeiro animal ou vegetal
  • 17. Morte exponencial: os microrganismos morrem em uma relação constante, em um dado período de tempo. Ex.: 1milhão de bactérias O agente microbicida elimina 90% /min. Padrão: 10 min: 100.000 20 min: 10.000 30 min: 1.000 40 min: 100 50 min:10 60 min: 1 O tempo necessário para destruir as últimas 9 bactérias é o mesmo que destruiu as primeiras 900.000.
  • 18. Sítios de ação dos agentes antimicrobianos
  • 19. Principais fatores interferentes e determinantes Tamanho da população microbiana O sucesso da desinfecção depende de uma rígida limpeza prévia. Intensidade ou concentração do agente microbicida
  • 21. Valor de pH •Dependente do tipo de desinfetante/microrganismo/artigo submetido. • pH 7 : sensibilizam células vegetativas e favorecem a difusão do agente. • Peróxido de hidrogênio: independe do valor de pH. • Compostos quaternários de amônio e clorexidina são mais efetivos pH >7. • Glutaraldeído: ativo em temperatura ambiente (pH 7,5-8,5), a medida que a temperatura se aproxima de 700 C a dependência em relação ao pH diminui.
  • 22. Dureza da água Os íons cálcio e magnésio presentes na água interagem com detergentes e outros compostos orgânicos precipitados insolúveis. Compostos quaternários de amônio são marcadamente afetados. Umidade relativa Afeta diretamente a atividade de compostos na forma gasosa Óxido de etileno Peróxido de hidrogênio Formaldeído
  • 23. Características do microrganismo: De maneira genérica, a ordem de resistência ao agente antimicrobiano é: Esporos bacterianos > Cél. Bacterianas > Fungos > Leveduras > Vírus
  • 24. DESINFECÇÃO: CALORCALOR ÚÚMIDOMIDO ää FERVURA, VAPOR 75FERVURA, VAPOR 7500,PASTEURIZA,PASTEURIZAÇÃÇÃOO 757500a30M.a30M. CALOR SECOCALOR SECO ää PASSAR FERROPASSAR FERRO LLÍÍQUIDOS QUQUIDOS QUÍÍMICOSMICOS ää ALDEALDEÍÍDOS, FENDOS, FENÓÓLICOS,CLORADOS,PERLICOS,CLORADOS,PERÓÓXIDOXIDO HH22 GASES QUGASES QUÍÍMICOSMICOS ää FORMALDEFORMALDEÍÍDODO ää OUTROSOUTROS-- RADIARADIAÇÃÇÃO ULTRAVIOLETAO ULTRAVIOLETA
  • 25. CARACTERÍSTICAS DE UM DESINFETANTE IDEAL • AÇÃO RÁPIDA • AMPLO ESPECTRO • ATIVO EM PRESENÇA DE MATÉRIA ORGÂNICA • ATÓXICO • COMPATÍVEL COM DIVERSOS TIPOS DE MATERIAIS • EFEITO RESIDUAL NA SUPERFÍCIE
  • 26. CARACTERÍSTICAS DE UM DESINFETANTE IDEAL • INODORO OU DE ODOR AGRADÁVEL • ECONÔMICO • SOLÚVEL EM ÁGUA • NÃO POLUENTE • SER COMPATÍVEL COM SABÕES, DETERGENTES E OUTROS PRODUTOS QUÍMICOS
  • 27. Danifica metais30 minutosALTOÁcido peracético + peroxido de hidrogênio Não há30 minutosBAIXOQuaternário de Amonia Danifica acrílico e borracha 30 segundosMÉDIOÁlcool a 70% Danifica metais e mármore 30 minutosMÉDIOHipoclorito de sódio a 1% Materiais porosos retem o produto 45 minutosALTOGlutaraldeído a 2% RESTRIÇÕES DE USO TEMPO DE EXPOSIÇÃO NÍVEL DE DESINFECÇÃO PRODUTO
  • 28. ! " ! # ! $ % # ! & ! '! ( ! # ! ! ) * +% $ % ! ( !
  • 29. ,! (, ! ) -.* &/ - ! ! * ! ! " , # (0 # ! ! ! ! 1 ! ! ) ! 2 .3 45 % 6 5 % 71 ! 342 5 % 71 ( 3
  • 30. "# $ ( ! , ! ( # 8 ! ( ! , ! ! ( ! * * ! %& , ! ! , ! ! 9 : ) # ( . ; ) ( ' ! ! . ! ( ! % ! ( (<
  • 31. # )*+ * ,- * # ! ! = ! ! ( . ! !% * ( ./ ' / ! ! > ( . ! ; ! * ! ! $ ( , ( . ! . 01 1 2 3 /
  • 32. ?@"A2BA @CA - &D @A ' ( ! ! ! * ! ! . ! # ,*
  • 33. ) 4 $; ; 4 $;)7 ( ! * E * F G $ 4 $)7 * $% F G 4 )7 ; $ F G $ 4 $) 7 $ $ G ; 4 ;)7 $ 9 ?HI $ J2 G ; 4 ;)7 $ ; ?@I $ ;J2
  • 34. FORMALDEFORMALDEÍÍDO E VAPOR DEDO E VAPOR DE FORMALDEFORMALDEÍÍDODO ä Monoaldeído que é um gás solúvel em água. ä Desvantagens principais - menor rapidez de ação e carcinogenicidade (altas doses de exposição) ä Ação: ativo apenas na presença de umidade para formação do grupo metanol ä Exposição máxima no ambiente: 0,1 a 0,5 ppm. ä Biodegradabilidade: 1 a dois dias. ä Tóxico KRAMER AKRAMER A etet allall.. HygHyg MedMed. 1996; 21: 536. 1996; 21: 536--557.557. MC DONENNELL & RUSSEL D.MC DONENNELL & RUSSEL D. ClinClin MicrobiolMicrobiol Rev. 1999; 12: 147Rev. 1999; 12: 147--179.179.
  • 35. VAPOR DE FORMALDEÍDO ä Gerado em máquina própria a partir de formol a 2%. ä Indicação: materiais termosensíveis. ä ä Embalagens: papel grau cirúrgico. ä Indicador biológico: B. stearothermophillus ää HURREL D. JHURREL D. J ScienceScience ServServ ManagManag. 1987; 41. 1987; 41--44.44.
  • 36. Temperatura: 50 a 60o.C conforme o ciclo é a temperatura em que é oferecido o aparelho atualmente no país. Tempo do ciclo: 3 horas e meia. Exposição do pessoal: como existe uma fase, chamada fase líquida, em que o formaldeído é extraído não há exposição.
  • 37. CLOREXIDINA ( ! ! ! / ! ( ! 1 K *! %& # L) ) ) $ ) ! ! M ! ;) 4! ! *! 7 # * 4 7 9 : ) # ( . ; ) ( 2 . 2 M ! 2 . # " *
  • 38. PRODUTOS UTILIZADOS NA DESINFECÇÃO NOVOS GERMICIDAS • ORTHOPHTALALDEÍDO – desinfetante de alto nível com ação semelhante a do glutaraldeído, porém com menos odor e menor ação corrosiva. • ÁGUA SUPER OXIDADA - desinfetante de alto nível menos tóxico e menos corrosivo, trata-se de água super oxidada por reação química obtida pela eletrólise da água (com titânio e corrente elétrica)
  • 39. ESTERILIZAÇÃO Definição: “...CONSIDERA-SE ESTERILIZAÇÃO O PROCESSO PELO QUAL OS MICRORGANISMOS SÃO DESTRUÍDOS A TAL PONTO QUE A SUA PROBABILIDADE DE SOBREVIVÊNCIA É MENOR QUE 1 PARA 1.OOO.OOO.” fonte: BRUNCH CW, BRUNCH MK - 2000
  • 40. Esterilização: • Métodos utilizados: Depende da natureza do material e quantidade de microrganismos a serem destruídos. • Agentes esterilizantes: • Calor • Filtração • Radiação • Óxido de etileno • Glutaraldeído • Formaldeído
  • 41. Pré requisitos: • Instrumental efetivamente limpo • Abertura dos instrumentais com articulações • Tesouras semi abertas protegidas com gazes • Escolha do invólucro
  • 42. ESTERILIZAÇÃO MÉTODO EQUIPAMENTO / SOLUÇÃO TEMPERATURA TEMPO Gravitacional 121ºC 30 minutosVapor sob pressão Autoclave Pré-vácuo 134ºC 4 minutos 170ºC 1 hora FÍSICO Calor seco Estufa 160ºC 2 horas Glutaraldeído (imersão) ambiente 10 horas Líquido Ácido peracético + peróxido de hidrogênio (imersão) ambiente 8 horaQUÍMICO Gasoso • Óxido de etileno • Plasma de peróxido de hidrogênio _ _
  • 43. ASPECTOS QUE INTERFEREM NA ESTERILIZAÇÃO • Quantidade de matéria orgânica presente • Material com estrutura diferente da original • Artigos diferentes em tamanho e material na mesma carga • Desenho do material (ranhuras, dobradiças) • Locais de difícil acesso e pontos frios
  • 44. PARÂMETROS DOS PROCESSOS DE ESTERILIZAÇÃO ä Temperatura ä Pressão ä Tempo ä Grau de penetração do agente esterilizante ä Umidade ä Concentração
  • 45. ESTERILIZAÇÃO - INVÓLUCRO OBJETIVOS Permitir a esterilização do artigo. Garantir esterilidade do artigo até o momento do uso. Facilitar a transferência do conteúdo com técnica asséptica.
  • 46. ESTERILIZAÇÃO - INVÓLUCRO , * , & ! ! ! > ! " * " * ! / ! & & M.! 4! < 7 & ( ! ( & ! ! > *
  • 47. ESTERILIZAÇÃO - INVÓLUCRO _CALOR ÚMIDO ÓXIDO DE ETILENO PLASMA DE PERÓXIDO DE HIDROGÊNIO NÃO TECIDO Alto custoCALOR ÚMIDO ÓXIDO DE ETILENO PLASMA DE PERÓXIDO DE HIDROGÊNIO E RADIAÇÃO GAMA TYVEC Especificação técnica por meio da NBR 13386/95 CALOR ÚMIDO ÓXIDO DE ETILENO FILME TRANSPARENTE Irregularidade e inconstância na gramatura. Pode apresentar alquiltiofeno, causa náuseas e cefaléia nos indivíduos expostos EM DESUSOPAPEL KRAFT Menor resistência à tração (projeto 23.001.04-008 / 98 CALOR ÚMIDO ÓXIDO DE ETILENO PAPEL CREPADO Especificação técnica por meio da NBR 12946/93 CALOR ÚMIDO ÓXIDO DE ETILENO PAPEL GRAU CIRÚRGICO Há dificuldade de monitorização do desgaste do tecido. NBR 13456/96 CALOR ÚMIDOTECIDO DE ALGODÃO CRU OBSERVAÇÃOINDICAÇÃOTIPO DE INVÓLUCRO
  • 48. VALIDAÇÃO DO PROCESSO DE ESTERILIZAÇÃO INDICADOR BIOLÓGICO Certifica a eficácia do processo de esterilização. Primeira geração – tiras de papel impregnado com Bacillus Subtillis e Stearothermophillus, o material é encaminhado ao laboratório para incubação e o resultado sai em um período de 2 a 7 dias. Segunda geração – ampolas contendo esporos do Bacillus Stearothermophillus, com leitura final de 48 horas. Terceira geração – só disponível para o processo à vapor. A leitura é realizada no máximo em 3 horas.
  • 49. OUTROS MÉTODOS • Radiação ultravioleta destruição dos ácido nucléicos • Óxido de Etileno alquila e desnatura as proteínas • Pasteurização, água aquecida a 65 ºC por 60 min (enterococcus faecalis, HIV) • Microondas (2,45 Hz) entre 60 seg e 5 min
  • 50. Altas Temperaturas • O calor úmido é muito mais eficiente que o calor seco para destruir os microrganismos. • Calor úmido: causa a desnaturação das proteínas vitais como as enzimas. • Calor seco: causa oxidação dos constituintes orgânicos da célula.
  • 51. Medidas de susceptibilidade microbianas a altas temperaturas • Tempo de morte térmica (TMT): é o mais curto espaço de tempo requerido para destruir todos os microrganismos de uma amostra. • Tempo de redução decimal (valor D): é o tempo requerido para diminuir uma população microbiana de uma amostra em 90% → tempo exigido para que a curva do tempo de morte térmica passe ao longo de um ciclo logarítmico. • Medidas extremamente importantes na indústria de alimentos, onde o tempo de processamento ótimo e a temperatura devem ser estabelecidos para vários alimentos enlatados.
  • 52. ESTUFA – CALOR SECO N # ! ! A & N A A - OPA ! * . N , ! ! ! , , ! ! N $9 2"A 9 . , ' . * % N $ ! $9 2 M M 4 *7 N $; *
  • 53. ESTUFA Segundo a distribuição de calor: 1 Por gravidade 2 Mecânica (mais eficiente,distribuição de calor mais uniforme) EXEMPLOS DE TEMPERATURA E TEMPO NECESSÁRIO DE EXPOSIÇÃO: Temperatura tempo 171o.C 60 minutos 160o.C 120 minutos 149o.C 150 minutos 141o.C 180 minutos 121o.C 12horas
  • 54.
  • 55. Filtração • Utilizada para materiais que não podem ser esterilizados pela autoclavação, como vitaminas e proteínas termossensíveis. • Também é utilizada para separar diferentes tipos de microrganismos e para coletar amostras microbianas. • Um dos primeiros indícios de que os vírus realmente existiam foi a observação de que a remoção de bactérias com um filtro não removia necessariamente a capacidade produtora de doença.
  • 56.
  • 57.
  • 58. AUTOCLAVE • Método confiável e de primeira escolha • Modo de ação esteriliza por termocoagulação através do calor latente Calor latente é a quantidade de calor que uma substancia pode absorver
  • 59. AUTOCLAVE N H ( N ! * ! N ) ! ! N A M ! N I * (
  • 60. 12 5 5 + N # / * N * ( G * N * ! G ( ! ! . , ! ! N $; $EL 2 E $ $ 2
  • 61. N C ! # N A ! ! ! ! . ! ! N ( * * ! /*! ! ! , N A ! M ! ( ( ! N ! ! 4 * ( 7 * ! ,* ! ! ! ! 0 1 4 1 1 / % 0 1 1 ' 6 7 /
  • 62.
  • 63.
  • 64. , * *8 9: ,*!; 9:, * *8 9: ,*!; 9: !! N 2! * ! N QA C- C- "- CR S2 " -&&PA C- "A 4 @ 7 A & $ $ $ T $; $;G E -@ A R @ A $ $ $ T $; $;G E -R $ $ $E $;T E H &@B $ $ $EL $;T E
  • 65. , < , . ,< = ,; ,* , > < * , , * *8 9: UCA A& I C 1- & -&I C 1- & "- -C OPA H @V 2@2BA BA 1A H @VA 2R&CA "A - &- A @CA A @ &C R - C B& @&-2A 2 BA &-2A 2R&CA -B-I AH @V &C- "- CR &@ OPA @A @W C- 2@2BA - C- "A BA 1A 2R&CA @& BCA H @V C- "- CR - R @ -AV@ A - -C@B- A - H B 1- 2A R @ - @QX2@B@ C- A "- A 2@2BA 2A D@ -C @&YR- PA @ AV Z1R -&C- @B@W -2A [ @2 HA "- -C OPA BXYR@ A& C-2@ A& HA 2? - OA QZ2@B A @CA @W OPA RCA2B I- PA - H B 1- 2A A&PA - -C @& I- 2@ - CA I B@ - C@B" C- @ @&C- ABZH-@& QZ2@B - &- R& A G 2R&CA -B C@I - C- H @VA 1BRC B -X A