SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 54
Baixar para ler offline
Técnico em
Alimentação Escolar
O que está
acontecendo com
 o mundo hoje?
O colesterol alto
    começa a
 manifestar-se na
população infantil.


             Mais gordos e
             sedentários.
Números de peso
  A obesidade infantil cresceu 240% nos
últimos 20 anos no Brasil, de acordo com a
Organização Pan-Americana de Saúde. O
  número de adolescentes acima do peso
 inflou de 3% para 15%, de 1975 a 1997,
    indicam estudos. Nos EUA, onde o
fenômeno está em níveis mais alarmantes,
      25% das crianças estão obesas.
Ainda existem crianças obesas no
Brasil com ingestão inadequada de
nutrientes como ferro e vitaminas,
prejudicando o seu desempenho e
         desenvolvimento.
No Brasil, 15% das crianças estão
     acima do peso. A culpa pode estar
      no lanchinho da escola. Frituras,
      salgados e sanduíches regados a
             muito refrigerante.



 Nas escolas particulares, apenas 20%
  dos alunos de 1ª a 4ª série trazem o
lanche de casa. Os estudantes de 5ª a 8ª
     compram o lanche na escola.
Perder os quilinhos extras e relaxar
nos spas agora também é programa
            de criança.
                             Com o aumento dos casos de
                           hipertensão infantil, os pediatras
                         incluem a medida de pressão arterial
                                nos exames de rotina.
    Estudo mostra que devido à má
   alimentação crianças brasileiras
  estão gordas como as americanas e
      anêmicas feito as indianas.
Engordar na infância é mais perigoso
                             do que parece.


Se a criança é obesa com 2 anos, ela
tem 50% de chance de se tornar um
adulto obeso. Aos 10 anos, o índice
           pula para 60%.
Nos últimos anos vem sendo
                          detectado um significativo
                       aumento na incidência do diabetes
                           tipo 2 em crianças e em
                                 adolescentes.

Este aumento está relacionado não
só a fatores genéticos mas também
    a erros alimentares e a vida
sedentária, que levam a obesidade.
Pais e mães devem ficar atentos
   à alimentação dos filhos.


         O papel da educadora
     alimentar é fundamental para
          evitar a obesidade.
Alimentação                          Obesidade, doenças
              +   Sedentarismo   =
inadequada                            cardiovasculares,
                                         diabetes...
Papel da Escola para a
Promoção de Hábitos de
    Vida Saudáveis
O setor educacional, dada a sua
      abrangência, é um aliado
importante para a concretização de
   ações de promoção da saúde
 voltadas para o fortalecimento das
capacidades dos indivíduos, para a
  tomada de decisões favoráveis à
   saúde e à comunidade e para a
criação de ambientes saudáveis.
                     Ministério da Saúde
A escola é um ambiente propício para a
  aplicação de programas de educação
 em saúde, pois está inserida em todas
 as dimensões de aprendizado: ensino,
     relações lar-escola-comunidade,
       ambiente físico e emocional.
                                Davanço
Quem são os atores
responsáveis por essa
     promoção?
Toda a comunidade
      escolar e,
  ESPECIALMENTE,
o educador alimentar.
O técnico em alimentação escolar...



      Gestor do espaço
         educativo de
     alimentação escolar.
O perfil do técnico em alimentação
              escolar...

         CARDÁPIOS

 Preparação a partir da elaboração
do nutricionista;
 Adequação qualitativa quando
necessário;
 Conhecimento de opções de
receitas saudáveis;
O perfil do técnico em alimentação
              escolar...

         CARDÁPIOS


Considerar sazonalidade;
Considerar regionalismo.
O perfil do técnico em alimentação
              escolar...

       PROMOÇÃO DA
   ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL

 A partir da prática de educação
nutricional do dia-a-dia
(conscientização, sensibilização);
 Acompanhamento dos indivíduos
durante o consumo das refeições;
O perfil do técnico em alimentação
              escolar...

      PROMOÇÃO DA
  ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL

Diálogo com os
demais profissionais
da escola;
Formação de
hábitos saudáveis.
O perfil do técnico em alimentação
              escolar...

HORTAS ESCOLARES
O perfil do técnico em alimentação
              escolar...

   ORGANIZAR UMA COZINHA
O perfil do técnico em alimentação
              escolar...

   CONHECER PRINCÍPIOS DE
   HIGIENE PARA O PREPARO
   DA MERENDA SAUDÁVEL
O perfil do técnico em alimentação
              escolar...

   PARTICIPAÇÃO MAIS ATIVA
       NOS CONSELHOS

Acompanhamento da
aplicação dos recursos;
Postura crítica;
Prática da cidadania.
O perfil do técnico em alimentação
              escolar...



               RESSIGNIFICAÇÃO
                     DA
                 EXPERIÊNCIA
                PROFISSIONAL
Módulos da Formação Específica


   Técnico em Alimentação Escolar
Módulo 10: Alimentação e nutrição
            no Brasil

• Diferença entre os termos
  “alimentação” e “nutrição”;

• O lado cultural, social, afetivo
  e sensorial da alimentação;

• Alimentação nas diferentes fases
  da vida.
Módulo 10: Alimentação e nutrição
            no Brasil

• Histórico das políticas de alimentação e
  nutrição;
• Importância da promoção da saúde e da
  alimentação saudável;
• Segurança alimentar
  e nutricional.
Módulo 10: Alimentação e nutrição
             no Brasil

• Formação da cozinha
  brasileira:

    Influência de outros povos;

    Diversidade de riqueza da
    alimentação regional
    brasileira.
Módulo 10: Alimentação e nutrição
             no Brasil

• Quadro nutricional
  brasileiro;
    Doenças relacionadas à
    alimentação;
      O que as causam;
      Quais problemas elas trazem
      para a saúde;
      Como preveni-las;
      Importância de valorizar os
      alimentos regionais.
Módulo 11: Alimentação saudável e
           sustentável

• Apresentará os princípios de
  uma alimentação saudável;


• Apresentará experiências de
  sucesso em municípios que
  fazem uma boa gestão do
  PNAE.
Módulo 12: Políticas de alimentação
             escolar

• Apresenta o Programa Nacional de Alimentação
  Escolar (PNAE);
    Como surgiu;
    Como Funciona;
    Quem está envolvido;
    Quais as funções da educadora alimentar no programa
• A importância do(a) educador(a) alimentar para a
  educação nutricional.
Módulo 13: Produção e
   industrialização de alimentos
• Descreve a produção e
  industrialização de
  alimentos;
• Ressalta a importância da
  cultura e do meio ambiente
  para a alimentação;
• Apresenta a produção
  familiar e escolar de
  hortas.
Módulo 14: Organização e operação de
         cozinhas escolares

• Apresentará as formas de organização do espaço da
  cozinha que contribuam para o trabalho do(a)
  educador(a) alimentar;

• Demonstrará a forma mais adequada de cuidar da
  qualidade higiênica dos alimentos;

• Apresentará formas práticas de como preparar os
  alimentos para garantir que estejam seguros e nutritivos.
Módulo 15: Promoção da alimentação
          saudável na escola

• Apresentará formas de compreender as informações dos
  rótulos dos alimentos e usá-las para proporcionar uma
  alimentação saudável;

• Apresentará formas práticas para que o(a)
 educador(a) alimentar faça seu trabalho em conjunto com
   os demais educadores da escola;

• Apresentará as propriedades nutricionais de partes
  geralmente não aproveitadas dos alimentos.
Módulo 16: Planejamento e preparo de
        cardápios saudáveis

• Apresentará a importância do cardápio;

• Como é feito o planejamento do cardápio;

• A importância dos alimentos regionais e
  alimentos da época no cardápio;

• Como evitar o desperdício.
Técnico em Gestão
     Escolar
Perfil do Técnico em Gestão Escolar

  É constituído de conhecimentos, saberes, valores, princípios e
  habilidades que o credenciam como educador e gestor escolar.


  Identidade
  Gestão
  Autonomia
  Intervenção na realidade
  Atuação no Conselho Escolar
  Prática Profissional Supervisionada
Perfil do Técnico em Gestão Escolar

Conhecer:


  principais elementos, fundamentos e princípios de sua profissão;


  vivenciar a ética e a transparência na educação pública;


     os fundamentos da contabilidade pública nos aspectos
  relacionados com o financiamento da educação, contabilidade da
  escola e da rede escolar;
Perfil do Técnico em Gestão Escolar

 fundamentos da administração de materiais; fazer relações entre os
equipamentos físicos, materiais pedagógicos, educação e
aprendizagem;


  fundamentos da estatística; fazendo relações entre estatística e
planejamento, estatística e avaliação, estatística e gestão, estatística e
financiamento da educação;


dominar os fundamentos da gestão curricular, gestão administrativa e
gestão financeira na unidade escolar.
Perfil do Técnico em Gestão Escolar

Compreender e analisar:

  principais concepções de administração e como estas ressoam no
  planejamento educacional;

  as questões relativas aos meios e fins da educação, considerando o
  diagnóstico, a execução e a avaliação;

   a unidade escolar como parte de um complexo educacional ligada a
  redes e sistemas de ensino;

  uma gestão escolar com componentes autoritátios e democráticos;
Perfil do Técnico em Gestão Escolar


… elaborar, refletir e vivenciar o projeto político pedagógico da
escola;


… contextualizar, na lei e na prática social, a educação escolar, o
Estado e as políticas educacionais;


a legislação educacional (CF, LDB, PNE, Conselhos de
Educação).
Perfil do Técnico em Gestão Escolar


Dominar, analisar, relfetir, fazer relações e mediações entre as normas
emanadas dos conselhos de educação e o regimento escolar.


Ler, compreender e produzir, com autonomia, registros e escritas de
documentos oficiais, relacionando-os com as práticas educacionais. ,
Perfil do Técnico em Gestão Escolar

Módulos da formação específica
   Informática Básica
   Produção Textual na Educação Escolar
   Direito Administrativo e do Trabalho
   Trabalho Escolar e Teorias Administrativas
   Gestão Democrática nos Sistemas e na Escola
   Legislação Escolar
   Técnicas de Redação e Arquivo
   Contabilidade na Escola
   Administração de Materiais
   Estatística Aplicada à Educação
Técnico em Meio Ambiente
      e Manutenção
   de Infra-Estrutura
O perfil do técnico em Meio Ambiente e
    Manutenção de Infra-estrutura

    O perfil profissional do Técnico em
Meio Ambiente e Manutenção de Infra –
estrutura Escolar é constituído de
conhecimentos,     saberes,  valores    e
habilidades que o credenciam como gestor
do meio ambiente e da manutenção da
infra-estrutura                  escolar.
Espera-se que esta formação profissional propicie as seguintes
                       competências:




   Conhecer o histórico da evolução dos espaços escolares e as teorias
   arquitetônicas e pedagógicas de construção do espaço educativo;

   Ter sensibilidade para identificar as carências e disfunções dos
   espaços físicos em relação aos princípios da educação brasileira e à
   proposta pedagógica da escola;

   Dispor-se a agir solidariamente com os educadores e educandos na
   gestão do meio ambiente e do espaço escolar para estruturá-lo como
   agentes educativos;
Dispor-se a agir solidariamente com os educadores e
educandos na gestão do meio ambiente e do espaço escolar para
estruturá-lo como agentes educativos;


  Compreender as questões ambientais no contexto da
educação para a cidadania e para o trabalho, bem como do
desenvolvimento nacional, regional e local;
Compreender as questões ambientais no contexto da educação
para a cidadania e para o trabalho, bem como do
desenvolvimento nacional, regional e local;


Dominar o histórico da evolução do espaço geográfico do
município, de suas zonas urbanas e rurais, na perspectiva da
legislação ambiental e do plano diretor de ocupação territorial;
Compreender as questões de segurança das escolas, no contexto
de seu espaço geográfico e de seu projeto político-pedagógico,
valorizando as relações de vizinhança e de serviço à comunidade;


Ter conhecimento e dominar a leitura e interpretação dos projetos
físicos dos prédios que compõem a escola, localizando as
diferentes áreas, as redes elétrica, hidráulica e de esgotamento
sanitário, e as outras da arquitetura escolar;
Conhecer os princípios básicos e práticas mais simples da
arquitetura e da engenharia civil, incluindo as técnicas de
desenho, de forma a ser capaz de dialogar com os profissionais
dessas áreas na perspectiva da formulação de espaços educativos
e da qualificação da aprendizagem;


  Ser capaz de entender os procedimentos de manutenção das
redes elétrica e de esgotamento sanitário, bem como identificar
problemas de funcionamento e executar reparos conjunturais, na
medida dos recursos da escola;
Ter familiaridade com os equipamentos e materiais didáticos
mais comuns nas escolas, de forma a reconhecer as alternativas de
seu uso nas diferentes situações pedagógicas e prover sua
manutenção e conservação.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Alimentação e nutrição no brasil história
Alimentação e nutrição no brasil   históriaAlimentação e nutrição no brasil   história
Alimentação e nutrição no brasil históriaAdriana Madeira
 
Atencao a saude_infantil
Atencao a saude_infantilAtencao a saude_infantil
Atencao a saude_infantil4444444444ada
 
5 projeto alimentação saudável
5 projeto alimentação saudável5 projeto alimentação saudável
5 projeto alimentação saudáveljuniorfuleragem
 
O professor como mediador nas escolhas saudáveis
O professor como mediador nas escolhas saudáveisO professor como mediador nas escolhas saudáveis
O professor como mediador nas escolhas saudáveisVerônica López
 
Newsletter licinia de campos 42 habilidades culinarias
Newsletter licinia de campos 42   habilidades culinariasNewsletter licinia de campos 42   habilidades culinarias
Newsletter licinia de campos 42 habilidades culinariasMarcos Azevedo
 
A importancia-do-lanche-na-alimentacao-da-crianca
A importancia-do-lanche-na-alimentacao-da-criancaA importancia-do-lanche-na-alimentacao-da-crianca
A importancia-do-lanche-na-alimentacao-da-criancaGleyce Yara Kleison Sales
 
Bicastiradentes saudei obesidadeinfantil
Bicastiradentes saudei obesidadeinfantilBicastiradentes saudei obesidadeinfantil
Bicastiradentes saudei obesidadeinfantiltemastransversais
 
Resumo FENERC 2012 - Santo André
Resumo FENERC 2012 - Santo AndréResumo FENERC 2012 - Santo André
Resumo FENERC 2012 - Santo Andréforumdealimetacao
 
ApresentaçãO1
ApresentaçãO1ApresentaçãO1
ApresentaçãO1ETWZA
 
Aula alimentação 4º período
Aula alimentação 4º períodoAula alimentação 4º período
Aula alimentação 4º períodoSheyla Amorim
 
Bicastiradentes saudeii higieneesaude
Bicastiradentes saudeii higieneesaudeBicastiradentes saudeii higieneesaude
Bicastiradentes saudeii higieneesaudetemastransversais
 
Alimentação vegetariana em idade escolar
Alimentação vegetariana em idade escolarAlimentação vegetariana em idade escolar
Alimentação vegetariana em idade escolarLicínia Simões
 
Relatório técnico do programa saúde na escola
Relatório técnico do programa saúde na escolaRelatório técnico do programa saúde na escola
Relatório técnico do programa saúde na escolaAdriano Monteiro
 

Mais procurados (18)

Portaria Interministerial nº 1010
Portaria  Interministerial nº 1010Portaria  Interministerial nº 1010
Portaria Interministerial nº 1010
 
Alimentação e nutrição no brasil história
Alimentação e nutrição no brasil   históriaAlimentação e nutrição no brasil   história
Alimentação e nutrição no brasil história
 
Atencao a saude_infantil
Atencao a saude_infantilAtencao a saude_infantil
Atencao a saude_infantil
 
5 projeto alimentação saudável
5 projeto alimentação saudável5 projeto alimentação saudável
5 projeto alimentação saudável
 
Gestaçã artigo
Gestaçã artigoGestaçã artigo
Gestaçã artigo
 
O professor como mediador nas escolhas saudáveis
O professor como mediador nas escolhas saudáveisO professor como mediador nas escolhas saudáveis
O professor como mediador nas escolhas saudáveis
 
14 cozinhas
14 cozinhas14 cozinhas
14 cozinhas
 
Newsletter licinia de campos 42 habilidades culinarias
Newsletter licinia de campos 42   habilidades culinariasNewsletter licinia de campos 42   habilidades culinarias
Newsletter licinia de campos 42 habilidades culinarias
 
A importancia-do-lanche-na-alimentacao-da-crianca
A importancia-do-lanche-na-alimentacao-da-criancaA importancia-do-lanche-na-alimentacao-da-crianca
A importancia-do-lanche-na-alimentacao-da-crianca
 
Visa educação e nutrição - peso saudável
Visa   educação e nutrição - peso saudávelVisa   educação e nutrição - peso saudável
Visa educação e nutrição - peso saudável
 
Bicastiradentes saudei obesidadeinfantil
Bicastiradentes saudei obesidadeinfantilBicastiradentes saudei obesidadeinfantil
Bicastiradentes saudei obesidadeinfantil
 
Resumo FENERC 2012 - Santo André
Resumo FENERC 2012 - Santo AndréResumo FENERC 2012 - Santo André
Resumo FENERC 2012 - Santo André
 
ApresentaçãO1
ApresentaçãO1ApresentaçãO1
ApresentaçãO1
 
Aula alimentação 4º período
Aula alimentação 4º períodoAula alimentação 4º período
Aula alimentação 4º período
 
Bicastiradentes saudeii higieneesaude
Bicastiradentes saudeii higieneesaudeBicastiradentes saudeii higieneesaude
Bicastiradentes saudeii higieneesaude
 
Alimentação vegetariana em idade escolar
Alimentação vegetariana em idade escolarAlimentação vegetariana em idade escolar
Alimentação vegetariana em idade escolar
 
Relatório técnico do programa saúde na escola
Relatório técnico do programa saúde na escolaRelatório técnico do programa saúde na escola
Relatório técnico do programa saúde na escola
 
Manual cantinas
Manual cantinasManual cantinas
Manual cantinas
 

Destaque

Resolução 280 2013 - anac
Resolução 280 2013 - anacResolução 280 2013 - anac
Resolução 280 2013 - anacgarretttraining
 
PNAE – Programa Nacional de Alimentación Escolar
PNAE – Programa Nacional de Alimentación EscolarPNAE – Programa Nacional de Alimentación Escolar
PNAE – Programa Nacional de Alimentación EscolarFAO
 
PNAE - Programa Nacional de Alimentação Escolar
PNAE - Programa Nacional de Alimentação EscolarPNAE - Programa Nacional de Alimentação Escolar
PNAE - Programa Nacional de Alimentação Escolarcomredesan
 

Destaque (20)

Resolução 280 2013 - anac
Resolução 280 2013 - anacResolução 280 2013 - anac
Resolução 280 2013 - anac
 
1ª reunião ae
1ª reunião ae1ª reunião ae
1ª reunião ae
 
PAA Africa Programme Inception Workshop - PNAE presentation
PAA Africa Programme Inception Workshop - PNAE presentationPAA Africa Programme Inception Workshop - PNAE presentation
PAA Africa Programme Inception Workshop - PNAE presentation
 
Nazareno Fonteles (Brasil). Alimentação escolar en Brasil
Nazareno Fonteles (Brasil). Alimentação escolar en BrasilNazareno Fonteles (Brasil). Alimentação escolar en Brasil
Nazareno Fonteles (Brasil). Alimentação escolar en Brasil
 
Alimentação escolar evolução e desafios.
Alimentação escolar evolução e desafios.Alimentação escolar evolução e desafios.
Alimentação escolar evolução e desafios.
 
Tcc Tássia
Tcc TássiaTcc Tássia
Tcc Tássia
 
Joao Preste Atencao
Joao Preste AtencaoJoao Preste Atencao
Joao Preste Atencao
 
Alimentação escolar
Alimentação escolarAlimentação escolar
Alimentação escolar
 
Merenda
MerendaMerenda
Merenda
 
Modulo pnae conteudo
Modulo pnae conteudoModulo pnae conteudo
Modulo pnae conteudo
 
Pnae
PnaePnae
Pnae
 
Projeto alimentação escolar
Projeto alimentação escolarProjeto alimentação escolar
Projeto alimentação escolar
 
PNAE – Programa Nacional de Alimentación Escolar
PNAE – Programa Nacional de Alimentación EscolarPNAE – Programa Nacional de Alimentación Escolar
PNAE – Programa Nacional de Alimentación Escolar
 
Módulo pnae atualizado
Módulo pnae atualizadoMódulo pnae atualizado
Módulo pnae atualizado
 
PNAE
 PNAE PNAE
PNAE
 
Alimentação
AlimentaçãoAlimentação
Alimentação
 
Projeto merenda escolar
Projeto merenda escolarProjeto merenda escolar
Projeto merenda escolar
 
PNAE - Programa Nacional de Alimentação Escolar
PNAE - Programa Nacional de Alimentação EscolarPNAE - Programa Nacional de Alimentação Escolar
PNAE - Programa Nacional de Alimentação Escolar
 
Alimentação escolar
Alimentação escolarAlimentação escolar
Alimentação escolar
 
A Alimentação
A AlimentaçãoA Alimentação
A Alimentação
 

Semelhante a Perfil alimentação, gestao e meio ambiente [modo de compatibilidade]

Manual para uma_alimentacao_saudavel_em_jardins_de_infancia
Manual para uma_alimentacao_saudavel_em_jardins_de_infanciaManual para uma_alimentacao_saudavel_em_jardins_de_infancia
Manual para uma_alimentacao_saudavel_em_jardins_de_infanciajoana silva
 
Dp cge caderno_alimentacao_2
Dp cge caderno_alimentacao_2Dp cge caderno_alimentacao_2
Dp cge caderno_alimentacao_2Amanda Ferreira
 
Manual de alimentação escolar
Manual de alimentação escolar   Manual de alimentação escolar
Manual de alimentação escolar gikapp88
 
Resumo Fenerc 2011 - Secretaria de Educação de Pernambuco.
Resumo Fenerc 2011 - Secretaria de Educação de Pernambuco.Resumo Fenerc 2011 - Secretaria de Educação de Pernambuco.
Resumo Fenerc 2011 - Secretaria de Educação de Pernambuco.forumdealimetacao
 
5 projeto alimentação saudável
5 projeto alimentação saudável5 projeto alimentação saudável
5 projeto alimentação saudáveljuniorfuleragem
 
Educacao alimentar em_meio_escolar
Educacao alimentar em_meio_escolarEducacao alimentar em_meio_escolar
Educacao alimentar em_meio_escolarLicínia Simões
 
CRECHE promotora da Amamentação e da Alimentação saudável
CRECHE promotora da Amamentação e da Alimentação saudável CRECHE promotora da Amamentação e da Alimentação saudável
CRECHE promotora da Amamentação e da Alimentação saudável Prof. Marcus Renato de Carvalho
 

Semelhante a Perfil alimentação, gestao e meio ambiente [modo de compatibilidade] (12)

Manual para uma_alimentacao_saudavel_em_jardins_de_infancia
Manual para uma_alimentacao_saudavel_em_jardins_de_infanciaManual para uma_alimentacao_saudavel_em_jardins_de_infancia
Manual para uma_alimentacao_saudavel_em_jardins_de_infancia
 
Dp cge caderno_alimentacao_2
Dp cge caderno_alimentacao_2Dp cge caderno_alimentacao_2
Dp cge caderno_alimentacao_2
 
Manual de alimentação escolar
Manual de alimentação escolar   Manual de alimentação escolar
Manual de alimentação escolar
 
Resumo Fenerc 2011 - Secretaria de Educação de Pernambuco.
Resumo Fenerc 2011 - Secretaria de Educação de Pernambuco.Resumo Fenerc 2011 - Secretaria de Educação de Pernambuco.
Resumo Fenerc 2011 - Secretaria de Educação de Pernambuco.
 
AULA1E2_20220221174625.pdf
AULA1E2_20220221174625.pdfAULA1E2_20220221174625.pdf
AULA1E2_20220221174625.pdf
 
5 projeto alimentação saudável
5 projeto alimentação saudável5 projeto alimentação saudável
5 projeto alimentação saudável
 
Portaria 1010 slide
Portaria 1010 slidePortaria 1010 slide
Portaria 1010 slide
 
Portaria Interministerial nº 1.010
Portaria Interministerial nº 1.010Portaria Interministerial nº 1.010
Portaria Interministerial nº 1.010
 
Portaria Interministerial nº 1.010
Portaria Interministerial nº 1.010 Portaria Interministerial nº 1.010
Portaria Interministerial nº 1.010
 
Livro para o meio escolar
Livro para o meio escolarLivro para o meio escolar
Livro para o meio escolar
 
Educacao alimentar em_meio_escolar
Educacao alimentar em_meio_escolarEducacao alimentar em_meio_escolar
Educacao alimentar em_meio_escolar
 
CRECHE promotora da Amamentação e da Alimentação saudável
CRECHE promotora da Amamentação e da Alimentação saudável CRECHE promotora da Amamentação e da Alimentação saudável
CRECHE promotora da Amamentação e da Alimentação saudável
 

Mais de marcilene1311 (20)

Apresentacao internet andre
Apresentacao internet   andreApresentacao internet   andre
Apresentacao internet andre
 
Apresentacao internet
Apresentacao internetApresentacao internet
Apresentacao internet
 
Escola monte moriá
Escola monte moriáEscola monte moriá
Escola monte moriá
 
Agenda
Agenda Agenda
Agenda
 
Apresentação do modulo de gestão e alimentaçao
Apresentação do modulo de gestão e alimentaçaoApresentação do modulo de gestão e alimentaçao
Apresentação do modulo de gestão e alimentaçao
 
Agenda
Agenda Agenda
Agenda
 
Uma antiga lenda
Uma antiga lendaUma antiga lenda
Uma antiga lenda
 
Agenda
Agenda Agenda
Agenda
 
Módulo 12
Módulo 12Módulo 12
Módulo 12
 
O carvalho e o eucalipto
O carvalho e o eucaliptoO carvalho e o eucalipto
O carvalho e o eucalipto
 
Agenda
AgendaAgenda
Agenda
 
Agenda 2
Agenda 2Agenda 2
Agenda 2
 
Agenda 2
Agenda 2Agenda 2
Agenda 2
 
Agenda 2
Agenda 2Agenda 2
Agenda 2
 
Agenda 2
Agenda 2Agenda 2
Agenda 2
 
Agenda 2
Agenda 2Agenda 2
Agenda 2
 
Agenda 2
Agenda 2Agenda 2
Agenda 2
 
A bolacha teste
A bolacha testeA bolacha teste
A bolacha teste
 
Alimentação [modo de compatibilidade]
Alimentação [modo de compatibilidade]Alimentação [modo de compatibilidade]
Alimentação [modo de compatibilidade]
 
Tocandoemfrente2 almir sater
Tocandoemfrente2 almir saterTocandoemfrente2 almir sater
Tocandoemfrente2 almir sater
 

Perfil alimentação, gestao e meio ambiente [modo de compatibilidade]

  • 1.
  • 3. O que está acontecendo com o mundo hoje?
  • 4. O colesterol alto começa a manifestar-se na população infantil. Mais gordos e sedentários.
  • 5. Números de peso A obesidade infantil cresceu 240% nos últimos 20 anos no Brasil, de acordo com a Organização Pan-Americana de Saúde. O número de adolescentes acima do peso inflou de 3% para 15%, de 1975 a 1997, indicam estudos. Nos EUA, onde o fenômeno está em níveis mais alarmantes, 25% das crianças estão obesas.
  • 6. Ainda existem crianças obesas no Brasil com ingestão inadequada de nutrientes como ferro e vitaminas, prejudicando o seu desempenho e desenvolvimento.
  • 7. No Brasil, 15% das crianças estão acima do peso. A culpa pode estar no lanchinho da escola. Frituras, salgados e sanduíches regados a muito refrigerante. Nas escolas particulares, apenas 20% dos alunos de 1ª a 4ª série trazem o lanche de casa. Os estudantes de 5ª a 8ª compram o lanche na escola.
  • 8. Perder os quilinhos extras e relaxar nos spas agora também é programa de criança. Com o aumento dos casos de hipertensão infantil, os pediatras incluem a medida de pressão arterial nos exames de rotina. Estudo mostra que devido à má alimentação crianças brasileiras estão gordas como as americanas e anêmicas feito as indianas.
  • 9. Engordar na infância é mais perigoso do que parece. Se a criança é obesa com 2 anos, ela tem 50% de chance de se tornar um adulto obeso. Aos 10 anos, o índice pula para 60%.
  • 10. Nos últimos anos vem sendo detectado um significativo aumento na incidência do diabetes tipo 2 em crianças e em adolescentes. Este aumento está relacionado não só a fatores genéticos mas também a erros alimentares e a vida sedentária, que levam a obesidade.
  • 11. Pais e mães devem ficar atentos à alimentação dos filhos. O papel da educadora alimentar é fundamental para evitar a obesidade.
  • 12. Alimentação Obesidade, doenças + Sedentarismo = inadequada cardiovasculares, diabetes...
  • 13. Papel da Escola para a Promoção de Hábitos de Vida Saudáveis
  • 14. O setor educacional, dada a sua abrangência, é um aliado importante para a concretização de ações de promoção da saúde voltadas para o fortalecimento das capacidades dos indivíduos, para a tomada de decisões favoráveis à saúde e à comunidade e para a criação de ambientes saudáveis. Ministério da Saúde
  • 15. A escola é um ambiente propício para a aplicação de programas de educação em saúde, pois está inserida em todas as dimensões de aprendizado: ensino, relações lar-escola-comunidade, ambiente físico e emocional. Davanço
  • 16. Quem são os atores responsáveis por essa promoção?
  • 17. Toda a comunidade escolar e, ESPECIALMENTE, o educador alimentar.
  • 18. O técnico em alimentação escolar... Gestor do espaço educativo de alimentação escolar.
  • 19. O perfil do técnico em alimentação escolar... CARDÁPIOS Preparação a partir da elaboração do nutricionista; Adequação qualitativa quando necessário; Conhecimento de opções de receitas saudáveis;
  • 20. O perfil do técnico em alimentação escolar... CARDÁPIOS Considerar sazonalidade; Considerar regionalismo.
  • 21. O perfil do técnico em alimentação escolar... PROMOÇÃO DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL A partir da prática de educação nutricional do dia-a-dia (conscientização, sensibilização); Acompanhamento dos indivíduos durante o consumo das refeições;
  • 22. O perfil do técnico em alimentação escolar... PROMOÇÃO DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL Diálogo com os demais profissionais da escola; Formação de hábitos saudáveis.
  • 23. O perfil do técnico em alimentação escolar... HORTAS ESCOLARES
  • 24. O perfil do técnico em alimentação escolar... ORGANIZAR UMA COZINHA
  • 25. O perfil do técnico em alimentação escolar... CONHECER PRINCÍPIOS DE HIGIENE PARA O PREPARO DA MERENDA SAUDÁVEL
  • 26. O perfil do técnico em alimentação escolar... PARTICIPAÇÃO MAIS ATIVA NOS CONSELHOS Acompanhamento da aplicação dos recursos; Postura crítica; Prática da cidadania.
  • 27. O perfil do técnico em alimentação escolar... RESSIGNIFICAÇÃO DA EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL
  • 28. Módulos da Formação Específica Técnico em Alimentação Escolar
  • 29. Módulo 10: Alimentação e nutrição no Brasil • Diferença entre os termos “alimentação” e “nutrição”; • O lado cultural, social, afetivo e sensorial da alimentação; • Alimentação nas diferentes fases da vida.
  • 30. Módulo 10: Alimentação e nutrição no Brasil • Histórico das políticas de alimentação e nutrição; • Importância da promoção da saúde e da alimentação saudável; • Segurança alimentar e nutricional.
  • 31. Módulo 10: Alimentação e nutrição no Brasil • Formação da cozinha brasileira: Influência de outros povos; Diversidade de riqueza da alimentação regional brasileira.
  • 32. Módulo 10: Alimentação e nutrição no Brasil • Quadro nutricional brasileiro; Doenças relacionadas à alimentação; O que as causam; Quais problemas elas trazem para a saúde; Como preveni-las; Importância de valorizar os alimentos regionais.
  • 33. Módulo 11: Alimentação saudável e sustentável • Apresentará os princípios de uma alimentação saudável; • Apresentará experiências de sucesso em municípios que fazem uma boa gestão do PNAE.
  • 34. Módulo 12: Políticas de alimentação escolar • Apresenta o Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE); Como surgiu; Como Funciona; Quem está envolvido; Quais as funções da educadora alimentar no programa • A importância do(a) educador(a) alimentar para a educação nutricional.
  • 35. Módulo 13: Produção e industrialização de alimentos • Descreve a produção e industrialização de alimentos; • Ressalta a importância da cultura e do meio ambiente para a alimentação; • Apresenta a produção familiar e escolar de hortas.
  • 36. Módulo 14: Organização e operação de cozinhas escolares • Apresentará as formas de organização do espaço da cozinha que contribuam para o trabalho do(a) educador(a) alimentar; • Demonstrará a forma mais adequada de cuidar da qualidade higiênica dos alimentos; • Apresentará formas práticas de como preparar os alimentos para garantir que estejam seguros e nutritivos.
  • 37. Módulo 15: Promoção da alimentação saudável na escola • Apresentará formas de compreender as informações dos rótulos dos alimentos e usá-las para proporcionar uma alimentação saudável; • Apresentará formas práticas para que o(a) educador(a) alimentar faça seu trabalho em conjunto com os demais educadores da escola; • Apresentará as propriedades nutricionais de partes geralmente não aproveitadas dos alimentos.
  • 38. Módulo 16: Planejamento e preparo de cardápios saudáveis • Apresentará a importância do cardápio; • Como é feito o planejamento do cardápio; • A importância dos alimentos regionais e alimentos da época no cardápio; • Como evitar o desperdício.
  • 40. Perfil do Técnico em Gestão Escolar É constituído de conhecimentos, saberes, valores, princípios e habilidades que o credenciam como educador e gestor escolar. Identidade Gestão Autonomia Intervenção na realidade Atuação no Conselho Escolar Prática Profissional Supervisionada
  • 41. Perfil do Técnico em Gestão Escolar Conhecer: principais elementos, fundamentos e princípios de sua profissão; vivenciar a ética e a transparência na educação pública; os fundamentos da contabilidade pública nos aspectos relacionados com o financiamento da educação, contabilidade da escola e da rede escolar;
  • 42. Perfil do Técnico em Gestão Escolar fundamentos da administração de materiais; fazer relações entre os equipamentos físicos, materiais pedagógicos, educação e aprendizagem; fundamentos da estatística; fazendo relações entre estatística e planejamento, estatística e avaliação, estatística e gestão, estatística e financiamento da educação; dominar os fundamentos da gestão curricular, gestão administrativa e gestão financeira na unidade escolar.
  • 43. Perfil do Técnico em Gestão Escolar Compreender e analisar: principais concepções de administração e como estas ressoam no planejamento educacional; as questões relativas aos meios e fins da educação, considerando o diagnóstico, a execução e a avaliação; a unidade escolar como parte de um complexo educacional ligada a redes e sistemas de ensino; uma gestão escolar com componentes autoritátios e democráticos;
  • 44. Perfil do Técnico em Gestão Escolar … elaborar, refletir e vivenciar o projeto político pedagógico da escola; … contextualizar, na lei e na prática social, a educação escolar, o Estado e as políticas educacionais; a legislação educacional (CF, LDB, PNE, Conselhos de Educação).
  • 45. Perfil do Técnico em Gestão Escolar Dominar, analisar, relfetir, fazer relações e mediações entre as normas emanadas dos conselhos de educação e o regimento escolar. Ler, compreender e produzir, com autonomia, registros e escritas de documentos oficiais, relacionando-os com as práticas educacionais. ,
  • 46. Perfil do Técnico em Gestão Escolar Módulos da formação específica Informática Básica Produção Textual na Educação Escolar Direito Administrativo e do Trabalho Trabalho Escolar e Teorias Administrativas Gestão Democrática nos Sistemas e na Escola Legislação Escolar Técnicas de Redação e Arquivo Contabilidade na Escola Administração de Materiais Estatística Aplicada à Educação
  • 47. Técnico em Meio Ambiente e Manutenção de Infra-Estrutura
  • 48. O perfil do técnico em Meio Ambiente e Manutenção de Infra-estrutura O perfil profissional do Técnico em Meio Ambiente e Manutenção de Infra – estrutura Escolar é constituído de conhecimentos, saberes, valores e habilidades que o credenciam como gestor do meio ambiente e da manutenção da infra-estrutura escolar.
  • 49. Espera-se que esta formação profissional propicie as seguintes competências: Conhecer o histórico da evolução dos espaços escolares e as teorias arquitetônicas e pedagógicas de construção do espaço educativo; Ter sensibilidade para identificar as carências e disfunções dos espaços físicos em relação aos princípios da educação brasileira e à proposta pedagógica da escola; Dispor-se a agir solidariamente com os educadores e educandos na gestão do meio ambiente e do espaço escolar para estruturá-lo como agentes educativos;
  • 50. Dispor-se a agir solidariamente com os educadores e educandos na gestão do meio ambiente e do espaço escolar para estruturá-lo como agentes educativos; Compreender as questões ambientais no contexto da educação para a cidadania e para o trabalho, bem como do desenvolvimento nacional, regional e local;
  • 51. Compreender as questões ambientais no contexto da educação para a cidadania e para o trabalho, bem como do desenvolvimento nacional, regional e local; Dominar o histórico da evolução do espaço geográfico do município, de suas zonas urbanas e rurais, na perspectiva da legislação ambiental e do plano diretor de ocupação territorial;
  • 52. Compreender as questões de segurança das escolas, no contexto de seu espaço geográfico e de seu projeto político-pedagógico, valorizando as relações de vizinhança e de serviço à comunidade; Ter conhecimento e dominar a leitura e interpretação dos projetos físicos dos prédios que compõem a escola, localizando as diferentes áreas, as redes elétrica, hidráulica e de esgotamento sanitário, e as outras da arquitetura escolar;
  • 53. Conhecer os princípios básicos e práticas mais simples da arquitetura e da engenharia civil, incluindo as técnicas de desenho, de forma a ser capaz de dialogar com os profissionais dessas áreas na perspectiva da formulação de espaços educativos e da qualificação da aprendizagem; Ser capaz de entender os procedimentos de manutenção das redes elétrica e de esgotamento sanitário, bem como identificar problemas de funcionamento e executar reparos conjunturais, na medida dos recursos da escola;
  • 54. Ter familiaridade com os equipamentos e materiais didáticos mais comuns nas escolas, de forma a reconhecer as alternativas de seu uso nas diferentes situações pedagógicas e prover sua manutenção e conservação.