SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 108
Baixar para ler offline
ROTEIRO ELABORAÇÃO DE TEXTOS
Leia o texto que você escreveu e reflita.
CONTEÚDO DO TEXTO
O texto está interessante, gostoso de ler e de ouvir?
O texto não fugiu do assunto?
O texto tem passagens interessantes? O que mais poderia ser contado?
Você empregou palavras novas?
Essas palavras estão empregadas no sentido correto?
Você empregou a mesma palavra várias vezes? Releia o texto e procure substituí-la por outra com
o mesmo sentido ou, então, tente refazer a ideia.
Você empregou palavras ou expressões como pra, tá, legal, né ou outras palavras parecidas?
Verifique.
O texto que você escreveu permite o emprego dessas expressões?
APRESENTAÇÃO DO TEXTO
Sua letra está legível?
A folha de papel está limpa e sem “orelhas”?
Seu texto apresenta muitas rasuras ou borrões?
ORTOGRAFIA E ORGANIZAÇÃO DO TEXTO
Você escreveu as palavras corretamente? Se tiver dúvidas, consulte o dicionário.
Empregou letra maiúscula no início de frase e nos nomes próprios.
Fez parágrafos sempre que começou uma nova ideia.
Observou o uso da pontuação adequada: ponto final, de exclamação e interrogação?
Empregou o travessão nos diálogos? Respeitou a margem?
Colocou o título adequado com o texto?
Planejamento de Redação
Oficina de Produção de Texto
Considera-se texto tudo aquilo que consiga expressar idéias, sentimentos,
pensamentos e emoções, com o objetivo de comunicação: frases, orações, conjunto de idéias,
histórias, poemas, bilhetes, cartas, avisos, anúncios, anotações, etc
A produção textual deve ser contínua, pois é por meio dela que o aluno expressa suas
necessidades, agilizando seu pensamento, independentemente de sua faixa etária.
Escrever é uma habilidade que se adquire com o exercício e o tempo, e torna-se fruto
das atividades desenvolvidas pela criança em sua vida social e escolar. Forma sua maneira individual
de perceber e construir o mundo em que vive, expondo idéias, sentimentos e opiniões.
O aluno já traz consigo a capacidade de narrar e contar histórias com facilidade e a
produção de texto tem como objetivo possibilitar o aprimoramento de sua escrita, levando seus textos
a ter coerência e coesão de acordo com a sua finalidade. Por isso, o educador deve incentivá-lo a
atividades orais que favoreçam a iniciação de produção de textos.
A atividade da escrita não é um ato solitário; é necessário criar um ambiente de
descontração e naturalidade: deixar que o aluno utilize livros, jornais ou recorra aos colegas e/ou ao
educador(a), para identificar possíveis falhas.
O educador tem o papel importante de esclarecer critérios claros de correção e
avaliação, levando o aluno a verificar suas falhas e a reescrita, para tornar seus textos coesos e
adequados.
É importante também que o educador reforce o como escrever, o que escrever, a
quem e por que escrever.
Tipos de textos:
. Textos narrativos: contos, fábulas, histórias, crônicas, relatórios, etc.
. Textos literários: literatura infantil e juvenil.
. Textos poéticos e lúdicos: poemas, quadrinhas, parlendas, adivinhas, letras de músicas e cantigas.
. Textos informativos: textos de jornais e revistas, matérias científicas, mapas, placas, etc.
. Textos publicitários: propagandas, anúncios, cartazes, outdoors, etc.
. Textos instrutivos: receitas, folhetos, bulas, manuais.
. Textos dissertativos: críticas, resenhas, legendas, etc.
. Textos práticos: cartas, bilhetes, convites, cartões, avisos, telegramas, e-mails, etc.
“ Atividades orais favorecem a iniciação da escrita.
Escrever e redigir textos deve proporcionar prazer e tornar-se um
ato de desafio estimulante para a criança.”
Objetivos da expressão escrita:
. Ter habilidade para:
_ codificar mensagens
_ organizar mensagens com seqüência lógica
_ empregar convenções sociais por meio de bilhetes, cartas,
cartões, telegramas.
_ preencher formulários
_ usar dicionário
_ organizar idéias para manifestar seu pensamento
_ desenvolver a criatividade
_ registrar idéias, sentimentos e fatos
_ automatizar a ortografia de palavras
_ traçar letras de forma legível
_ empregar a pontuação adequada
_ empregar corretamente os parágrafos
_ ampliar o uso da linguagem própria para expressar com criatividade as idéias
_ manter o uso das estruturas de frases na redação
_ consolidar a habilidade do uso de expressões poéticas
Tipos de propostas:
.Temáticas: produzir um texto a partir de:
* passeio * sonho * família
* fantasia * brinquedo * escola
. Estrutural : produzir um texto baseado em:
* narração * descrição * dissertação
* carta * bilhete * poema
* aviso
Etapas de uma produção de texto:
.Rascunho – São os registros, a informação, sem preocupação com letra, margem, parágrafo,
ortografia e pontuação. A criança produzirá o texto sem nenhuma censura e utilizará um lápis para
escrever, o que auxiliará sua desinibição.
.Intercâmbio _ Desenvolve a capacidade crítica e amplia a observação do aluno:
• leitura do texto para os colegas
• troca de texto entre alunos
• utilização de textos produzidos pelas crianças e colocados no mural da sala de aula
• leitura do texto pelo professor
• comentários em grupo
“A criança deve ter a oportunidade de ver seus textos lidos pelo
educador e pelos colegas, que poderão utilizá-los em jornais escolares,
produção de livros coletivos da turma e murais, motivando-o a aprimorar e
a aperfeiçoar cada vez mais a sua produção textual.”
.Releitura _ Após o ato de produzir um texto, é fundamental a releitura dele para verificar se ele
está de acordo com o contexto proposto e observar se existe clareza, coerência de idéias, boa
apresentação, seqüência lógica dos fatos, além de correção ortográfica e gramatical. Assim, o
aluno terá oportunidade de raciocinar sobre sua linguagem escrita e reconstruí-la quando
necessário.
.Correção _ O educador não deve utilizar comentários negativos, mas restringir-se somente à
correção de aspectos gramaticais, ortográficos, concordância e pontuação do texto. O educador
deve assumir a postura de orientador, com o objetivo de comentar, sugerir, colocando-se na
posição de leitor.
Critérios de correção:
• aspectos estéticos: letra legível, paragrafação, margem, rasuras.
• aspectos gramaticais : ortografia, acentuação, pontuação, concordância
• aspectos estilísticos: repetição de palavras, frases longas, palavras desnecessários,
pronomes inadequados, adjetivos inexpressivos
• aspectos estruturais: idéia central, seqüência lógica, temporal, aspectos pertinentes ao tema,
descrição dos personagens, desfecho, coerência.
Ao corrigir um texto, sugerimos ao educador não riscar o texto dos alunos, mas usar
códigos que identifiquem os erros encontrados.
Exemplos:
Para indicar parágrafos
Para indicar erros ortográficos
Para indicar erros de gramática
Para indicar erros de pontuação
Para indicar erros de seqüência lógica ( princípio, meio e fim)
Outra forma de correção para produção de textos é discuti-los
coletivamente, avaliando-os em conjunto e corrigindo-os, o que torna os alunos mais críticos e mais
atentos ao uso da linguagem.
.Autocorreção - Leva o aluno a rever a sua escrita. O educador pode combinar códigos para
identificar cada tipo de erro encontrado no texto, levando o aluno a reescrever o que estiver incorreto
com consulta ao dicionário.
.Reescrita do texto – É importante que fique claro para os alunos que a atividade de reescrita e
revisão dos textos significa aprendizagem: aprende-se a escrever, a usar a grafia, a pontuação e a
gramática corretamente, dando clareza ao texto, e que o erro é necessário ao processo e leva ao
crescimento.
Como trabalhar com alguns tipos de produção de textos
. Texto coletivo:
O educador propõe um tema por meio de uma gravura ou de um título. Os alunos
devem dar sugestões sobre o que a gravura sugere. O educador escreverá as sugestões no quadro e,
quando terminar a produção do texto, deve ler o texto com os alunos. Pode-se também variar a leitura:
cada fileira de alunos poderá ler uma frase ou parágrafo.
O texto coletivo possibilita ao aluno discutir alguns aspectos estruturais com os
colegas, tais como pontuação, características dos personagens, análise e argumentos críticos
coerentes.
. Produzindo texto em duplas:
Trabalhar com os alunos em duplas favorece o desenvolvimento
social e intelectual deles, pois ao realizar uma atividade em dupla ou em grupo, eles terão
oportunidade de trocar idéias, socializar-se, escutar a opinião do outro, superar as dificuldades
ortográficas e muito mais.
O educador pode, ao formar as duplas, selecionar seus componentes
de acordo com as dificuldades de aprendizagem, organizando grupos heterogêneos, nos quais alunos
com bom desenvolvimento pedagógico se unam a alunos com dificuldades, tornando o processo fácil
e dinâmico.
.Textos com gravuras:
Ao trabalhar com gravuras, o educador estará dando oportunidade ao aluno
de aprender a organizar suas idéias e desenvolver seu raciocínio e sua observação.
Todas as possibilidades de uma gravura devem ser exploradas com questões
estimuladoras, tais como:
• Quais são os personagens?
• Onde estão?
• O que estão fazendo?
• O que aconteceu antes?
• O que aconteceu depois?
• Como vai terminar?
.Tipos de gravuras:
• Gravuras de primeiro tipo ou sentido completo: são aquelas que apresentam todos os
elementos na mesma cena.
• Gravuras de segundo tipo: são aquelas de sentido incompleto. Referem-se a uma parte de
um acontecimento e permite imaginar o que não se vê..
• Gravuras de terceiro tipo: são aquelas que representam desenhos ou fotos de
acontecimentos. Devem ter relação com o texto.
• Gravuras de quarto tipo: referem-se a obras artísticas reproduzidas sob diversas formas:
telas, esculturas, etc
• Gravuras seriadas: são aquelas que possuem seqüência de cenas, de acontecimentos.
.Textos com seqüência de cenas – possuem estímulo visual, representado em cada cena.
Ao trabalhar textos com seqüência de cenas , é necessário:
• Observar cuidadosamente cada cena.
• Relatar oralmente os fatos.
Criar uma história coletiva
• Elaborar o título
• Rever o texto escrito
• Ler o texto final
.Textos práticos - a produção de bilhetes , avisos, cartas, convites, anúncios e telegramas necessita
de uma análise prévia dos elementos que os compõem: remetente, destinatário e corpo da mensagem
objetiva e precisa.
São textos que visam a fins utilitários do dia-a-dia, à melhor interação do indivíduo com o
mundo em que vive.
.Música –A música exerce grande fascínio sobre a criança. É um tipo de linguagem que favorece a
organização do pensamento, do desenvolvimento, a inteligência e o conhecimento.
Podemos utilizar várias letras de músicas para trabalhar temas de conteúdo na sala de aula e levar
o aluno a produzir textos correlacionados.
.Poemas – Ao escrever poemas, o aluno está trabalhando com sua emoção e com seus sentimentos.
Geralmente os poemas são escritos em versos e utilizam ritmo, rimas e jogo de palavras
( repetição;onagramas;onamatopéias)
O educador pode confeccionar com as crianças um livro de
coletâneas de poesia e versos escritos por elas, bem como realizar uma
tarde de autógrafos com a apresentação de um sarau, quando as crianças
podem recitar poemas dramatizados para os pais e para os demais
responsáveis.
.Narração – A forma narrativa é utilizada pela criança desde o momento em que é capaz de se
comunicar.
São elementos de um texto narrativo:
*personagem: quem faz a ação
*tempo: quando ocorreu o fato
*enredo: como o fato ocorreu
*fato: o acontecimento
*espaço: onde ocorreu o fato
*causa:por que o fato ocorreu
*conclusão: resultado final – como termina o acontecimento
Descrição:É a capacidade de observação; é o produto da percepção. Ver, perceber, sentir objetos,
formas e/ou pessoas são as atividades iniciais para se produzir um texto descritivo.
Os textos narrativos e descritivos devem seguir uma estrutura:
• início: apresentação dos personagens e do ambiente
• enredo ou tema: esclarecimento das idéias acompanhadas de detalhes
• clímax: ponto alto de interesse do enredo
• final ou conclusão: conclusão do
acontecimento, fim da tensão.
.Textos literários – constitui um tipo de escrita simples, na qual pensamentos, sentimentos, emoções
e idéias são registrados em relação ao mundo em que vivem.Esses textos educam e divertem. São
tidos como textos literários: poemas, fábulas, contos, crônicas e histórias da literatura infantil e juvenil.
.Textos extraverbais – são tipos de texto que não empregam códigos lingüísticos, palavras escritas,
e sim desenhos, sinais e símbolos.
Exemplos: fotos, sinais e placas de trânsito, charges, obras de arte, etc
.Textos jornalísticos: são textos classificados com notícias e/ou reportagens; são relatos de fatos
importantes e de interesse para a comunidade.
_ Notícia: é um texto claro e objetivo, redigido em terceira pessoa, com linguagem simples e estilo
formal. O título da notícia resume o tema central, para atrair a atenção do leitor.
_ Reportagem: contém uma informação precisa e objetiva do fato. É um texto longo e dividido em
capítulos.
.Textos publicitários: são textos pagos com a finalidade de atingir determinado tipo de público.
_Propaganda : são textos publicados em folhetos, encartes, jornais e revistas, nos
quais são utilizadas frases curtas, freqüentemente acompanhadas de imagens.
_Anúncios: são textos que possuem pequenos formatos com ou sem ilustrações;
sua linguagem é direta. São encontrados em jornais e/ou revistas.
.Pesquisa – levanta opiniões ou informações sobre comportamentos,
características e tendências de pessoas, animais, plantas ou algum assunto
específico. Possuem respostas breves e objetivas.
.Legenda: Descreve fotos ou desenhos para o leitor compreender ou avaliar o que está vendo.
.Receitas: Orientam a organização e a realização de tarefas. Geralmente são apresentadas em textos
divididos em duas etapas; ingredientes e modo de fazer. As instruções são colocadas seguindo
uma ordem temporal.
.Histórias em quadrinhos: são textos nos quais aparecem diálogos e pensamentos em forma de
balões. Utiliza códigos não-verbais e a representação é visual. São textos pequenos, coloridos ou não
e muito atrativos. As onomatopéias estão geralmente presentes nas histórias em quadrinhos.
Possuem uma seqüência na qual o movimento é representado por sinais, traços e posições.
Produção de texto por meio de Arte
A atividade artística é excelente geradora de texto, pois contribui para o desenvolvimento da
observação e da linguagem oral do aluno, deixando de lado seus medos, traumas, inseguranças e
timidez.
O educador poderá utilizar vários tipos de material, como: jornais, revistas, canetas coloridas,
lãs, barbantes, retalhos de papéis e tecidos, embalagens , pincel atômico, canetas hidrocor.
Com esse material, o aluno criará seus personagens – animais, bonecos, objetos – e lhes dará
vida e nomes. Depois, ele escreverá um texto sobre o personagem criado.
O aluno poderá também escrever um texto a partir de uma observação de uma obra de arte, um
desenho, um enfeite, etc.
Poderá também utilizar gravuras de revistas para fazer uma montagem de personagens e/ou
objetos e depois descrevê-los por meio de um texto.
Com sucatas, poderá criar também personagens fantásticos, como robôs, objetos com vida e
depois descrevê-los.
O aluno poderá também fazer o seu próprio desenho usando criatividade e imaginação e depois
escrever um texto sobre ele.
Textos para serem trabalhados com alunos do 5º. Ano do Ensino Fundamental
_ Textos lacunados
_ Diário
_ Coisas de que eu gosto
_ Família
_ Diálogos
_ Retrato escrito
_ Acróstico
_ Seqüência de cenas
_ Completando textos
_ Continuação de histórias
_ Textos por meio de temas
_ Textos com passatempos
_ Textos poéticos
_ Poemas enigmáticos
_ Poemas cinéticos
_ Tempestade de idéias
_ Textos fantásticos
_ Textos com roteiro
_ Textos com gravuras
_ Criando cardápios
_ Biografias
_ Textos jornalísticos ( notícias, manchetes, reportagens, classificados, anúncios)
_ Textos com legendas
_ Propaganda
_ Cartum e charges
_ Resumos
_ Textos práticos ( bilhete em códigos, carta, esquema, pesquisas)
_ Enquetes
_ Debates
_ Entrevistas
_ Requerimentos
_ Relatórios
_ Biografias
_ Texto e Internet
BIOGRAFIA: Oficina de Textos
Volume 2 – Regina Villaça Lima
Editora Fonte
Observações: ( Sugestões do livro citado acima: Oficina de textos)
_Cartazes:
Como trabalhar cartazes.
_Eu:
Eu mesmo
Meu diário
Coisas de que eu gosto
_Família:
Descrevendo alguma pessoa da família
Mensagem para a mãe
Mensagem para o pai
Lembranças de meus avós
_Amizade:
Meu (minha) melhor amigo(a)
Retrato escrito
_Textos lacunados:
Completando o texto
Dia de jogo
_Continuando a história:
A união das cores
Dia de pescaria
Um robô bem legal
_Textos com gravuras:
Divertindo com os desenhos
Seqüência de cenas
Noite de terror
O jogo de futebol
O castelo de areia
De olho na gravura
Preservando a natureza
O pedido de socorro!
Vida na cidade
Vida no campo
Um feriado na praia
_Textos com roteiro:
Criando um super-herói
O colecionador
Viagem pelo mundo
O fantasma brincalhão
O tesouro encontrado
O que estamos fazendo?
_Textos através de temas:
Tempestade de idéias
Qual é o tema?
Uma travessura inesquecível
Meus desejos
Sonhei que...
Solidariedade
Ser solidário é...
O dinheiro sumiu, e agora?
Vida de...
Inventando histórias
Um dia de festa
Aventuras emocionantes
Paulo, o corujão
_Textos fantásticos:
O extraterrestre
O mapa do Brasil
A idade da pedra
O cometa e a estrela
As aventuras de uma moeda
Fotografando
Um pássaro diferente
O sonho da lua
Invenções malucas
Imagine-se
As aventuras de um pirata
Se eu fosse um super-herói
O anti-herói
Bicho esquisito
_Diálogos:
Dialogando
_História em quadrinhos:
Conversa de jardim
Um diálogo diferente
Diálogos em quadrinhos
_Poemas:
Poema em código
Poema enigmático
Brincando com antônimos
Poema cinético
Rimas e rimas
O nome
O amor é...
As estações
No mundo da matemática
Energia elétrica
Frases e versos
Poema com verbo
_Biografia:
Biografia
Minha biografia
Biografia de autores brasileiros ( Projeto LiterArte)
_Receitas:
Uma receita especial
Uma receita diferente
Criando cardápios
_Textos jornalísticos:
Trabalhando com jornal
Notícia
Escolhendo notícias
Caixinha de manchetes
Comentando a notícia
O elefante Zulu
O time do meu coração
Reportagem
Você é o repórter
Jornal dos animais
Texto de opinião
Legendas
Criando legendas
Charge
Criando charges
_Textos publicitários:
Propaganda
Criando uma propaganda
Propaganda de turismo
Eleição da propaganda
Classificados de jornal
Anunciando
Anunciando tudo
Anúncios malucos
Perdidos e achados
_Textos com rótulos:
Trabalhando com rótulos
Rótulo maluco
_Resumo:
Resumo
Meu programa favorito
_Pesquisa:
Pesquisa
Pesquisando
A vida de grandes personalidades
Pesquisando sobre alimentos
_Relatório:
Relatório
_Entrevista:
Entrevista
Entrevistando
_Debate:
Debate
_Enquete:
Enquete
_Requerimento:
Requerimento
Requerimento de passe-livre para estudantes
_Bilhetes:
Bilhete em código
_Carta:
O correio
Escrevendo cartas
O envelope
_Internet:
Textos e Internet
_Bibliografia:
_ Bibliografia
( Geraldo Amaral e Renato Rocha )
Galo cantou, grilo grilou,
Cachorro latiu, gato miou.
O pato grasnou, a ovelha
baliu,
E o leão ? O leão rugiu!
O pinto piou, a vaca mugiu.
O peru grugrulhou, o porco
grunhiu.
Passarinho cantou, a cigarra zuniu.
Papagaio falou...
E a girafa?
A girafa não fala!
( Geraldo Amaral e Renato Rocha )
Galo cantou, grilo grilou,
Cachorro latiu, gato miou.
O pato grasnou, a ovelha
baliu,
E o leão ? O leão rugiu!
O pinto piou, a vaca mugiu.
O peru grugrulhou, o porco
grunhiu.
Passarinho cantou, a cigarra zuniu.
Papagaio falou...
E a girafa?
A girafa não fala!
CURIOSIDADES SOBRE OS ANIMAIS:
1. O pica-pau pode dar cem bicadas por minuto numa árvore.
2. O beija-flor bate as asas noventa vezes por segundo, quatro vezes mais rápido que uma libélula. Ele voa de
frente, de costas e até de ponta-cabeça. Procura néctar em 2 mil flores todos os dias.
3. Apesar do tamanho, o pescoço de uma girafa tem apenas sete ossos, o mesmo número de ossos do pescoço de
um homem. A cabeça da girafa fica a mais de dois metros de distância do coração. Para fazer o sangue subir, o
coração precisa ser muito forte. O coração da girafa é 43 vezes maior que o do ser humano.
4. Quando em perigo, os elefantes formam um círculo em que os mais fortes protegem os mais fracos.
5. Um camelo consegue beber 120 litros de água em dez minutos. Ele retém água para oito dias. Pode andar de
200 a 270 km por dia. As girafas e os ratos podem viver mais tempo sem água que o camelo.
6. O pavão macho possui duzentas penas longas e coloridas na cauda.
7. Um porco-espinho, tem em média, 30 mil espinhos. Ele é um excelente nadador porque os espinhos ajudam a
flutuar.
8. A preguiça movimenta-se de noite e dorme de dia (mais de dezoito horas sempre). Tem um pescoço que pode
virar até 180 graus. Assim, não precisa mexer o corpo para olhar o que está acontecendo ao seu redor.
9. Um avestruz mede de 1,80 a 2,50 metros de altura, o mesmo tamanho de um camelo. As girafas atingem sete
metros, o mesmo que um prédio de dois andares.
10. De acordo com a espécie, uma centopéia pode ter de 28 a 354 patinhas.
1)O narrador do texto é alguém que conta a história de outra pessoa ou é
narrador personagem? Como você descobriu isso?
_________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________
A LEBRE E A TARTARUGA
No verão, a floresta fica mais alegre. O sol espanta a coruja que
fecha os olhos e entra no toco mais cedo. A preguiça dorme entre as
folhas. Os macacos balançam nos galhos, enquanto o tatu cava buracos
para procurar raízes.
Muito silenciosa, a tartaruga escuta o macaco dizer:
- A lebre é o animal mais veloz da mata.
Lá embaixo, o tatu responde:
- Mas a tartaruga é mais resistente. Ela anda muito mais.
A onça-pintada, que estava sentada à sombra, ouviu a conversa e
disse:
- Vamos ver quem é o melhor. Aquele que chegar primeiro no lago é o
campeão da mata.
- Será a lebre ou a tartaruga?
Todos os bichos ficaram animados. A lebre saiu correndo. A tartaruga
andava bem devagar. Arrastava o casco e parecia que não ia chegar. No
meio do caminho, a lebre ficou cansada. Já estava tão longe da tartaruga
que se deitou à sombra de uma árvore e dormiu um sono profundo.
E foi assim que a tartaruga, com seu passo miúdo e lento, passou à
frente da lebre. Chegou primeiro ao lago e foi beber água.
MORAL: Quem corre cansa e devagar se vai ao longe.
(Jean de la Fontaine. A lebre e a tartaruga. Editora Melhoramentos).
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
2) O que você entendeu dessa história?
__________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________
3) Qual foi a surpresa no final da história?
__________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________
4) Leia e responda:
“Quem ri por último ri melhor”
a) O que você entende por essa frase? Ela tem alguma relação com o texto?
__________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________
5) Agora é sua vez! Crie uma linda poesia com base nesta fábula. Não se
esqueça de ilustrar!
OS TRÊS PORQUINHOS
Era uma vez uma mãe porca, que tinha três porquinhos. Um dia , ela resolveu que chegara a hora de
seus filhos conhecerem o mundo. Sendo assim, os três porquinhos se despediram da sua mãe , e partiram
cada um por um caminho diferente.
O primeiro porquinho se cansou de andar, fez uma casinha de palha e deitou-se para dormir.
Chegou um lobo faminto e disse:
- Abre a porta porquinho, ou soprarei com força e a tua casa derrubarei!
O porquinho não abriu, o lobo então soprou com força , a casa se desmanchou e o porquinho correu
para a casa de seu segundo irmão.
O segundo porquinho também era um pouco preguiçoso . Quando ficou cansado, fez uma cabana de
galhos e foi brincar com seu irmão.
O lobo faminto chegou dizendo...
- Abre a porta porquinhos ou soprarei , soprarei e tua casa derrubarei!
Os porquinhos não quiseram abrir. Então o lobo soprou e soprou, derrubou a cabana e os
porquinhos saíram correndo para a casa do terceiro irmão.
O terceiro porquinho era muito trabalhador.
Quando decidiu buscar um lugar para morar, construiu uma casa com tijolos e cimento .
Novamente apareceu o lobo, e bateu na porta da casa do terceiro porquinho.
- Abre ou soprarei , soprarei e tua casa derrubarei!
- Podes soprar quanto quiseres – disse o porquinho - que não tenho medo!
O lobo soprou e soprou com todas as suas forças até ficar vermelho , mas a casa não se mexeu nem
um pouquinho.
- Olha que vais ficar cansado – zombaram os porquinhos que estavam tranqüilos.
O terceiro porquinho tinha feito um bom trabalho , e a casa era muito resistente.
O lobo, astuto, subiu no telhado e desceu pela chaminé. Estava disposto a entrar na casa de qualquer
forma.
Porém, os porquinhos perceberam as intenções do lobo e destamparam o caldeirão com água
fervendo que estava na lareira.
O lobo caiu na panela e queimo-se com a água. Saiu em disparada e nunca mais voltou a aparecer.
1º DIA
1. PROBLEMATIZAÇÃO
A) EXPLORAÇÃO DO TÍTULO
B) LEITURA COM INFERÊNCIA E CHECAGEM :
O PROFESSOR LÊ E PARA EM DETERMINADOS PONTOS, OUVE A RESPOSTA DOS ALUNOS.
ANTECIPAÇÃO/ CHECAGEM
PREDIZER O QUE VIRÁ NO TEXTO E SEU SIGNIFICADO
CONHECIMENTO DO LEITOR DETERMINA POSSIBILIDADES DE FAZER INFERÊNCIAS
CHECAGEM - ESTRATÉGIA DE CONFIRMAÇÃO
INFERÊNCIA
DESCOBRIR , CAPTAR O QUE NÃO ESTÁ EXPLÍCITO NO TEXTO.
CONHECIMENTO E VISÃO DE MUNDO DETERMINAM POSSIBILIDADES DE FAZER INFERÊNCIAS
C)- LEITURA ORAL PELO PROFESSOR:
NESTA ETAPA OS TEXTOS SÃO ENTREGUES PARA OS ALUNOS.
ANTES DE DIZER QUE ALGUÉM NÃO É CAPAZ DE COMPREENDER UM TEXTO, É PRECISO CONSIDERAR:
SE ELE CONHECE OS RECURSOS LINGUÍSTICOS AÍ UTILIZADOS.
SE COMPARTILHA COM O PRODUTOR O CONHECIMENTO DE MUNDO QUE ESTE PÕE EM AÇÃO NO TEXTO.
SE ELE TEM INFORMAÇÕES SUFICIENTES SOBRE A SITUAÇÃO.
SE O TEXTO EM QUESTÃO DEPENDE DE OUTROS TEXTOS(INTERTEXTUALIDADE)
D) LEITURA ORAL PELOS ALUNOS ( LEITURA COMPARTILHADA )
UM ALUNO LÊ ,OUTRO CONTINUA. PEDE-SE QUE ALGUÉM LEIA UM DETERMINADO PARÁGRAFO.
E) LEITURA SILENCIOSA INDIVIDUAL
O ALUNO VAI LER E MARCAR AS PALAVRAS DESCONHECIDAS POR ELE. O PROFESSOR APÓS TER SIDO
MARCADAS ESSAS PALAVRAS, PEDE AOS ALUNOS QUE COPIEM NO CADERNO COMO NO EXEMPLO A
SEGUIR:
EX:
2. LER E MARCAR AS PALAVRAS DESCONHECIDAS NO TEXTO
EXEMPLOS:
FAMINTO
CABANA
DECIDIU
ZOMBARAM
TRANQUILOS
ASTUTO
DISPOSTO
INTENÇÕES
LAREIRA
3. O QUE VOCÊ ACHA QUE SIGNIFICAM ESSAS PALAVRAS? COPIE O SIGNIFICADO QUE VOCÊ IMAGINA NA
FRENTE DA PALAVRA.
2º DIA
ESTUDO DO VOCABULÁRIO
AS PALAVRAS ANOTADAS NO DIA ANTERIOR SERÃO PROCURADAS NO DICIONÁRIO E SERÃO ANOTADOS OS
SEUS SIGNIFICADOS.
1. TRABALHANDO COM O DICIONÁRIO
A) O QUE DIZ O DICIONÁRIO:
AS PALAVRAS ANOTADAS NO DIA ANTERIOR SERÃO PROCURADAS NO DICIONÁRIO.
ESTAS PALAVRAS EU NÃO ENTENDI, MAS AGORA DESCOBRI O SIGNIFICADO DELAS:
FAMINTO
CABANA
DECIDIU
ZOMBARAM
TRANQUILOS
ASTUTO
DISPOSTO
INTENÇÕES
LAREIRA
B) TROQUE A PALAVRA ASSINALADA NA FRASE, PELO SIGNIFICADO ENCONTRADO NO DICIONÁRIO:
O LOBO FAMINTO DISSE.
O LOBO DERRUBOU A CABANA DE GALHOS.
O TERCEIRO PORQUINHO DECIDIU CONSTRUIR UMA CASA COM TIJOLOS.
OS PORQUINHOS ZOMBARAM DO LOBO.
C)TROQUE A PALAVRA ASSINALADA NA FRASE, PELO SEU ANTÔNIMO:
D) FORME FRASE COM AS PALAVRAS:
ASTUTO
LAREIRA
DISPOSTO
2. INTERPRETAÇÃO ORAL:
AS PERGUNTAS DA INTERPRETAÇÃO ESCRITA SERÃO FEITAS ORALMENTE, ANTES DE SEREM
PASSADAS NA LOUSA:
E) INTERPRETAÇÃO ESCRITA
1- QUAL É O TÍTULO DO TEXTO?
.............................................................................................................................................................................
2- QUAIS OS PERSONAGENS QUE APARECEM NO TEXTO?
.............................................................................................................................................................................
3- ESSE TEXTO É:
( ) POESIA
( ) PARLENDA
( ) RECEITA
( ) CONTO
4- A MÃE PORCA RESOLVEU QUE:
( ) SEUS FILHOS DEVERIAM CONHECER O MUNDO
( ) SEUS FILHOS DEVERIAM CONSTRUIR CASAS
( ) SEUS FILHOS DEVERIAM IR VISITAR A VOVÓ
( ) SEUS FILHOS DEVERIAM IR VER OS PRIMOS
5- O PRIMEIRO PORQUINHO FEZ SUA CASA DE :
( ) MADEIRA
( ) TIJOLOS
( ) PALHA
( ) LONA
6- O SEGUNDO PORQUINHO FEZ SUA CASA DE .....................................................................................
7- O PORQUINHO QUE CONSTRUIU UMA CASA DE TIJOLOS E CIMENTO FOI:
( ) O PRIMEIRO
( ) O SEGUNDO
( ) O TERCEIRO
( ) O QUARTO
8- “ABRE OU SOPRAREI E TUA CASA DERRUBAREI”. ESSA FRASDE É DITA:
( ) PELO PORQUINHO
( ) PELO LOBO
( ) PELA MÃE PORCA
9- O QUE ACONTECEU COM O LOBO DEPOIS QUE ELE SUBIU PELA CHAMINÉ?
.............................................................................................................................................................................
GRAMÁTICA CONTEXTUALIZADA
1) EM “...DEPOIS OS LEVAREMOS À MATA E LÁ OS ABANDONAREMOS.” , OS TERMOS
SUBLINHADOS REFEREM-SE :
A) À MADRASTA
B) AOS PAIS DE JOÃO E MARIA
C) A JOÃO E MARIA
D) À BRUXA E À MADRASTA
2)- “ ... NO DIA SEGUINTE DEU-LHES UM PEDAÇO DE PÃO VELHO...” , A PALAVRA GRIFADA É :
A) ADJETIVO
B) SUBSTANTIVO
C) PRONOME
D) VERBO
3) “ ...A BRUXA QUERIA DEVORAR JOÃO...” A PALAVRA EM NEGRITO SIGNIFICA:
A) ABANDONAR
B) COMER
C) DEVOLVER
D) ENGORDAR
4) “ ... JOÃO MOSTRAVA UM OSSINHO DE GALINHA ...”SE AS PALAVRAS EM DESTAQUE FOSSEM SEPARADAS
AO FINAL DA LINHA ,COMO FICARIAM?
A) OSSIN – HO , GALIN - HA
B) OSS – INHO , GAL - INHA
C) OSSI – NHO , GALIN - HA
D) OS – SINHO , GALI - NHA
5) AS PALAVRAS: OUVIU, ENCHEU, MARCOU, CONSEGUIRAM, SÃO:
A) SUBSTANTIVOS
B) ADJETIVOS
C) VERBOS
D) PRONOMES
6) “AS CRIANÇAS ANDARAM MUITO QUANDO AVISTARAM UMA CASINHA...”, SE NOS REFERÍSSEMOS A
APENAS UMA CRIANÇA , COMO IRÍAMOS ESCREVER ESSE TRECHO DO TEXTO:
__________________________________________
7) NO TRECHO “ ... DISSE A MADRASTA MALVADA ...”. SE ESTE TRECHO FOSSE ESCRITO NO MASCULINO ,
COMO ESCREVERÍAMOS?
___________________________________________
8) “... A BRUXA COM RAIVA PEGOU A TOCHA ACESA, ABRIU A PORTA DO FORNO E ACENDEU....” , SE ESTE
FATO AINDA FOSSE ACONTECER COMO FICARIA ESCRITO ESSE TRECHO DO TEXTO?
__________________________________________
9) NO TRECHO “ — MINHA MULHER, O QUE SERÁ DE NÓS? ” , O TRAVESSÃO INDICA O INÍCIO DA :
A- FALA DE JOÃO
B- FALA DA MARIA
C- FALA DA MADRASTA
D- FALA DO LENHADOR
“ - HOJE EU VOU FAZER UMA FESTA MARIA , PONHA UM CALDEIRÃO COM ÁGUA PARA FERVER. É
HOJE QUE EU VOU COMER ENSOPADO! ”
10) NO TRECHO QUE VOCÊ LEU APARECEM OS SEGUINTES SINAIS DE PONTUAÇÃO:
A) TRAVESSÃO ,DOIS PONTOS,PONTO DE EXCLAMAÇÃO,RETICÊNCIAS,PONTO FINAL,HÍFEN
B) PONTO DE INTERROGAÇÃO ,VÍRGULA,PONTO FINAL,HÍFEN
C) TRAVESSÃO , VÍRGULA , PONTO FINAL, PONTO DE EXCLAMAÇÃO
D) PONTO FINAL, VÍRGULA , HÍFEN,TRAVESSÃO ,DOIS PONTOS
11) A PALAVRA ÁRVORE RECEBE ACENTO:
A- AGUDO.
B- ASPAS.
C- TIL
D- CIRCUNFLEXO
12) A PALAVRA CHAMAVA-SE SE JUNTA POR MEIO DE :
A- PONTO FINAL.
B- ASPAS.
C- HÍFEN
D- VÍRGULA.
13) “... PONHA UM CALDEIRAO COM AGUA ...”
“ ...PRENDEU JOÃO EM UMA JAULA PARA COME-LO...”
NAS FRASES ACIMA, AS PALAVRAS EM NEGRITO NÃO FORAM ACENTUADAS. ASSINALE A ALTERNATIVA EM
QUE TODAS ESTEJAM ACENTUADAS CORRETAMENTE:
A- CALDEIRÃO, AGUÁ, COMÊ-LO
B- CALDEIRAÕ , AGÚA , COMÉ-LO
C- CALDEIRÃO , ÁGUA , COMÊ-LO
D- CALDEIRÃO, ÃGUA , COMÊ-LO
14) “ QUANDO O PAI VIU AS CRIANÇAS FICOU MUITO CONTENTE ” , A PALAVRA GRIFADA ESTÁ ESCRITA
COM LETRA MAIÚSCULA PORQUE:
A- ESTÁ NO FINAL DA FRASE.
B- ESTÁ NO INÍCIO DA FRASE.
C- É UM NOME PRÓPRIO.
D- É TÍTULO DO TEXTO
3º Dia:
DITADO INTERATIVO
O lobo faminto chegou dizendo...
- Abre a porta porquinhos ou soprarei , soprarei e tua casa
derrubarei!
Os porquinhos não quiseram abrir. Então o lobo soprou e soprou,
derrubou a cabana e os porquinhos saíram correndo para a casa do
terceiro irmão.
TEXTO INSTRUCIONAL
CONSTRUÇÃO DE UM COFRE EM FORMA DE PORQUINHO COM MATERIAIS DIVERSOS
− Veja como construir um cofre em forma de porquinho.
*Use uma garrafa, vazia e limpa, de água ou produto de limpeza, para fazer o corpo.
*Faça um corte na garrafa, para passar as moedas.
*Use papelão para fazer as orelhas.
*Use botões para fazer os olhos.
*Use tampinhas ( ou potinhos de filme ou carretéis), para fazer as pernas.
*Use mola ou um pedaço de espiral de caderno usado, para fazer o rabo.
*Para finalizar, faça uma pintura ou cole algum enfeite.
ADIVINHA
TEM LOMBO DE PORCO
TEM ORELHA DE PORCO
TEM COSTELA DE PORCO
MESMO ASSIM NÃO É PORCO?
........................................... ( FEIJOADA)
O QUE É, O QUE É?
UMA IRMÃ É DE METAL
E O PARAFUSO SEGURA.
A OUTRA É BICHO DE FAZENDA
QUE DÁ CARNE E DÁ GORDURA.
..............................................( A PORCA E O PORCO)
CONVITE
O PORQUINHO MAIS VELHO VAI FAZER ANIVERSÁRIO E RESOLVEU CONVIDAR SEUS
AMIGOS PARA SUA FESTA. VEJA:
1- QUE TIPO DE TEXTO É ESSE?.......................................................................................
2- PARA QUE SERVE ESSE CONVITE?.............................................................................
3- QUEM É O ANIVERSARIANTE?.....................................................................................
4- QUEM É O CONVIDADO?.................................................................................................................
- AGORA , INVENTE AS INFORMAÇÕES QUE FALTAM E COMPLETE O CONVITE COMO SE
FOSSE SEU ANIVERSÁRIO:
TEXTO POÉTICO
QUARTA-FEIRA
ALMOÇO LANCHE JANTAR
ARROZ CACHORRO-QUENTE SOPA
FEIJÃO PÉ-DE-MOLEQUE
BIFE SUCO
SALADA
_______________________
INFORMAÇÃO NUTRICIONAL
100g de milho contém:
Proteínas 2,7g
Gorduras 1,0g
Sal 0,9g
Carboidratos 13,6g
Energia 74Kcal
______________________
Produzido por
Peso Líquido 500g Bom Sabor S.A. Peso Líquido
500g
Estrada do Milharal,100
CUIDADO PORQUINHO
Porquinho, porco, porcão
por que vive focinhando
com o focinho no chão?
Porquinho, porco, porcão
vai ficando tão redondo
que lhe passam um facão.
(Maria Célia Bueno. Misturando Versos. Vigília,986)
TEXTO PRÁTICO - CARDÁPIO
DEPOIS QUE FICARAM LIVRES DO LOBO MAU , OS PORQUINHOS RESOLVERAM MONTAR UM RESTAURANTE.
VEJA OS PRATOS QUE ELES IRÃO SERVIR:
*Imagine que você tenha sido convidado a criar um cardápio par um restaurante. Antes de pensar nos
pratos e seus preços, você terá que escolher o tipo de estabelecimento, para poder inventar um cardápio
adequado. Pode ser um restaurante vegetariano, uma lanchonete, um restaurante italiano etc.
*Depois de definido o tipo de restaurante , faça uma lista das opções de pratos e bebidas que ele poderá
oferecer.
*Se quiser, faça uma pesquisa de preços para que o cardápio pareça bem real.
*Crie um visual interessante, recortando figuras de pratos para ilustrar seu cardápio, e dê um nome
apropriado para seu restaurante ou lanchonete.
TEXTO PRÁTICO – RÓTULO
VEJA O RÓTULO DE UM DOS PRODUTOS QUE OS PORQUINHOS UTILIZAM NO PREPARO DAS
RECEITAS.
1- ESSE RÓTULO É DE QUE PRODUTO?.......................................................................
2- EM QUE RECEITAS VOCÊ ACHA QUE ESSE PRODUTO PODE SER
USADO?.....................................................................................
3- PODEMOS COMER ESSE PRODUTO DO JEITO QUE ELE VEM NA LATA?................
PROCURAM-SE
BOA RECOMPENSA PARA
QUEM CAPTURAR ESSES
TRÊS PORQUINHOS.
4- CONTORNE NO RÓTULO, O NOME DA EMPRESA QUE ENLATA O PRODUTO.
5- QUAL O PESO DO PRODUTO?................................................
6- INVENTE UM NOME E AS CARACTERÍSTICAS DE UM PRODUTO ALIMENTÍCIO. FAÇA UMA
PROPAGANDA , EXALTANDO SUAS QUALIDADES.
HISTÓRIA EM QUADRINHOS
TEXTO PRÁTICO – ANÚNCIO
O LOBO ESTAVA FURIOSO À PROCURA DOS TRÊS PORQUINHOS. VEJA O CARTAZ QUE ELE
ESPALHOU PELO BOSQUE:
1- O QUE OS TRÊS PORQUINHOS TERIAM FEITO COM O LOBO PARA ESTAREM SENDO
PROCURADOS ?
O PORQUINHO “PRÁTICO” QUANDO FOI CONSTRUIR SUA CASA , FOI ATÉ UMA LOJA DE
MATERIAL DE CONSTRUÇÃO PARA COMPRAR OS MATERIAIS QUE PRECISAVA. ELE PAGOU
SUA CONTA COM UM CHEQUE, VEJA:
520,00
(QUINHENTOS E VINTE REAIS)-------------------------//-----------
--------------------------------------------------------------------------//-----------------------------------------------------//-------------------------------------------
CONSTRUÇÃO DOS SONHOS – MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO----------------//-----
REINO ENCANTADO 21 AGOSTO 2007
PORQUINHO PRÁTICO
O CHEQUE É USADO PELAS PESSOAS PARA PAGAR CONTAS E PARA COMPRAR
MERCADORIAS, EM SUBSTITUIÇÃO AO DINHEIRO. ELE TAMBÉM É UTILIZADO PARA
RETIRAR DINHEIRO DO BANCO.
* OBSERVANDO O CHEQUE DO PORQUINHO RESPONDA:
1- NOME DO BANCO:---------------------------------------------------------------------
2- NÚMERO DO CHEQUE:---------------------------------------------------------------
3- CIDADE ONDE O CHEQUE FOI USADO:------------------------------------------------------------
4- NOME DO ESTABELECIMENTO QUE RECEBEU O CHEQUE:----------------------------------
5- VALOR DO CHEQUE:------------------------------------------------------
6- NOME DA PESSOA QUE ASSINOU O CHEQUE:--------------------------------------------------
7- A ASSINATURA DO CHEQUE SERVE PARA:
( ) DEVOLVER O CHEQUE EM CASO DE PERDA
( ) GARANTIR QUE SÓ O DONO USE O DINHEIRO DA CONTA BANCÁRIA
( ) IDENTIFICAR DE QUEM É O CHEQUE
8-A QUANTIA NO CHEUQE É ESCRITA:
( ) COM LAGARISMOS
( ) COM PALAVRAS
( ) COM ALGARISMOS E COM PALAVRAS
9- IMAGINE QUE VOCÊ FEZ UMA COMPRA E VAI PAGAR USANDO UM CHEQUE, PREENCHA-
O:
Emitente
____________________
Endereço
___________________
__________________________
C.G.G.- CPF - RG
__________________________
_
_________________
_
APÓS PAGAR A CONTA COM SEU CHEQUE, O PORQUINHO “ PRÁTICO” PEDIU UM RECIBO
DO PAGAMENTO PARA MOSTRAR À SUA MÃE. VEJA:
AGORA QUE VOCÊ JÁ LEU O RECIBO QUE O PORQUINHO RECEBEU , PREENCHA UM RECIBO,
COMO SE VOCÊ TIVESSE EFETUADO A VENDA DE ALGUM BRINQUEDO.
RECIBO
Para maior clareza firm_o____ o presente
RECIBO
Para maior clareza firm_______ o presente
O PORQUINHO “ HEITOR” FEZ SUA CASA DE MADEIRA. MAS ELA DESABOU, ENTÃO ELE
RESOLVEU ESCREVER UMA CARTA PARA O COMERCIANTE QUE LHE VENDEU A MADEIRA.
Cidade dos Encantos, 21 de agosto de 2007
Ao Senhor Fred Flinstones
Prezado senhor,
Comprei neste estabelecimento comercial Cons-
trução dos Sonhos , no dia 18 de agosto de 2007.
Assim que construi a casa o lobo a derrubou.
Desta forma, solicito a troca das madeiras ou a
devolução do dinheiro gasto na compra dessa
mercadoria , pois afinal o sopro do lobo não foi
tão forte assim!
Esperando contar com o respeito que o consu-
midor merece, aguardo resposta pelo telefone
5525- 0101 ou no Reino Encantado.
Porquinho Heitor
A borboleta e a tartaruga
Liliana Iacocca
Era uma manhã ensolarada e a velha tartaruga, que vivia na lagoa há
mais de cem anos, saiu para tomar sol.
Procurou um cantinho na margem, se ajeitou vagarosamente e lá
decidiu ficar no maior sossego.
Naquela mesma hora, uma borboleta, que tinha acabado de nascer,
apareceu por lá, batendo apressadamente as asas.
Toda agitada, olhando para tudo quanto é lado, sem saber por onde
começar.
— O que será aquilo? — pensou a borboleta quando viu a tartaruga.
E imediatamente pousou sobre ela.
— Pronto! Eu sabia que este meu sossego não ia durar! — reclamou a
tartaruga. — Xô! Xô! Vai incomodar outra! Se você não consegue ficar um
minuto parada, deixa em paz quem quer ficar tranqüila no canto dela!
— Mas quem é você? — perguntou a borboleta.
Não está vendo que eu sou uma tartaruga?
— Que horror! — gritou a borboleta. — Fui pousar logo em cima do
bicho mais parado que existe no mundo. Que horror!
E foi embora do jeito que tinha chegado.
— Que bicho irritante! — pensou a borboleta. — Eu não sei como
alguém pode ficar a vida toda parada com tanta coisa para se ver.
— Que bicho irritante! — pensou a tartaruga. — eu não entendo como
alguém pode se mexer o tempo todo, sem ter um pingo de sossego.
E enquanto a borboleta voava, a tartaruga encolheu a cabeça e ficou
onde estava.
— Que linda flor! Como é bonita aquela amarela! E a vermelha
também! Você é uma árvore? Bom dia, passarinho! Vou correr atrás da
abelha... Olha eu no espelho da lagoa!...
— Para que sair daqui se o calor do sol está tão gostoso? — pensou a
tartaruga.
E assim o dia foi passando, e a tartaruga no canto dela pensava:
— Nada melhor do que uma boa dormida depois de um dia longo como
este.
— Nossa! Já está anoitecendo e eu não vi quase nada! — pensou a
borboleta. — Como o dia foi curto!
Quando a noite chegou, a tartaruga decidiu ficar onde estava mesmo e
só voltar para a lagoa no dia seguinte. E a borboleta, surpreendida pela
escuridão, procurou um lugar para ficar.
— Vou pousar nesta pedrinha — pensou a borboleta, e pousou sobre a
tartaruga.
— Que ventinho gostoso! — pensou a tartaruga quando sentiu a
borboleta sobre ela. E fechou os olhos.
Que pedra quentinha! — pensou a borboleta e dormiu.
Naquela noite, a borboleta sonhou que era tartaruga e a tartaruga
sonhou que era borboleta.
A borboleta e a tartaruga. são Paulo, Ática, 1999.
1) Numere a 2ª coluna de acordo com a 1ª, relacionando as falas das
personagens.
( 1 ) Borboleta
( 2 ) Tartaruga
( ) — O que será aquilo?
( ) — Que horror!
( ) — Pronto! Eu sabia que este meu sossego não ia durar!
( ) — Que linda flor!
( ) — Que ventinho gostoso!
2) Numere de 1 a 5 os acontecimentos de acordo com a ordem do texto.
( ) A borboleta voou admirando a natureza enquanto a tartaruga ficava
quieta no seu canto.
( ) Uma borboleta nova, agitada, pousou na tartaruga.
( ) À noite, a borboleta pousou sobre a tartaruga e a sentiu quentinha e a
tartaruga gostou do ventinho suave de suas asas.
( ) Uma velha tartaruga que vivia na lagoa, procurou um cantinho na
margem e ficou no maior sossego.
( ) A tartaruga e a borboleta brigaram, uma reclamando da outra.
3) Marque com um (X) as características da TARTARUGA.
( ) nova ( ) agitada
( ) lenta ( ) velha
( ) sossegada ( ) esperta
4) Lendo o texto pode-se observar a duração (tempo) em que a história
acontece. Marque a resposta certa.
a) A história acontece em:
( ) uma semana
( ) um dia
( ) um mês
b) Copie do texto expressões que podem comprovar a resposta acima.
__________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________
5) Você se considera mais parecido com a borboleta ou com a tartaruga?
Explique sua resposta.
__________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________
8) É possível seres diferentes como a tartaruga e a borboleta, viverem juntos
e se entenderem bem? Explique.
__________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________
9) Retire do texto:
a) Três substantivos comuns que nomeiam seres.
________________________________________________________________________
b) Dois substantivos comuns que nomeiam um período de tempo.
________________________________________________________________________
c) Um verbo:
1ª conjugação: ____________________________
2ª conjugação: ____________________________
3ª conjugação: ____________________________
O inventor e os meninos
Gritos de horror se ouviam por toda parte.
Muitas pessoas começaram a correr meio desorientadas, como se não soubessem o que
fazer. Fugir ou procurar socorrer o aeronauta? Socorrer como? Seria possível...
Nessa hora o balão se achava bem por cima de um campo,em cujo rumo Santos Dumont
conseguiria conduzi-lo. O aeronauta viu alguns meninos empinando papagaios. Sem perder a
calma, ele esperou que as pontas da corda tocassem o chão e gritou com toda a força para os
meninos, que já o olhavam espantados.
- Segurem a corda principal! Corram contra o vento! Façam como se este balão fosse um
papagaio de papel!
Os pequenos eram ativos. Fizeram no mesmo instante o que era preciso. O balão,
arrastando contra o vento, foi caindo devagar.
Algumas crianças tinham salvado da morte o grande inventor brasileiro!
Renato Seneca Fleury. Santos Dumont.
São Paulo, Ed Melhoramentos, s.d.
Um dia Santos Dumont voava tranqüilo sem eu balão dirigível, sobre a cidade de
Paris. Uma multidão aplaudia o inventor. De repente, o balão partiu-se ao meio e
começou a murchar. Aconteceria um terrível desastre?
Compreensão do texto:
1) Assinale a alternativa correta:
a) As pessoas corriam e gritavam.
( ) de alegria ( ) de satisfação ( ) de horror
b) O balão dirigível:
( ) fazia evoluções ( ) partira-se ( ) voava alto
c) O dirigível sobrevoava:
( ) um estádio ( ) um campo de futebol ( ) uma casa
d) Santos Dumont pediu ajuda.
( ) aos expectadores ( ) a polícia ( ) aos meninos
2) Faça a correspondência :
Nessa hora o balão se achava bem por cima do campo.
Nessa hora os __________________________________bem por cima do campo.
3) Em que tempo está o verbo sublinhado?
a) Ele esperou que as pontas da corda tocassem o chão.
b) OS meninos olhavam espantados.
c) Aconteceria um terrível desastre.
4) Responda:
a) Qual é o assunto principal do texto?
b) Quem dirigia o balão?
c) Como foi salvo o grande inventor?
O passeio a Santos
Sra. Leonardo Dupré
Sábado chegou. Um sábado cheio de sol, canto de pássaros nas árvores e alegria. A cesta
de almoço estava pronta desde a véspera. E que delícia. Vovó tinha feito bolos, frangos assados,
sanduíches de queijo com bastante manteiga e mais coisas ainda. Vera e Lucia nem dormiram
bem de sexta para sábado; seus pensamentos se dividiam entre o mar e a cesta de almoço – não
sabiam qual seria melhor.
Mal chegou o dia e já todos estavam de pé, preparando-se para partir; na frente ia papai
com as duas meninas e mamãe. Atrás iam vovó, vovô e Brasa; Brasa estava contentíssima.
O automóvel foi correndo pela estrada afora, de vez em quando um dizia:
- Olhe as árvores roxas. Que beleza!
E outro falava:
- Que linda manhã! Vai ser um ótimo dia!
Quando foram chegando à praia, Vera e Lúcia ficaram de pé no automóvel para avistar
logo o mar; quando viram aquele mundo de água azul que parecia mesmo não ter fim, ficaram
olhando espantadas.
Depois Lúcia disse:
- Nossa! Como é grande este mar!
Interpretação do texto:
1) Responda:
a) Em que dia foi o passeio a Santos?
b) Como estava o dia?
c) Quantos personagens são citados no texto?
d) Em que Vera e Lúcia dormiram pensando?
e) O que vovó havia preparado para a merenda?
2) Destaque do texto uma frase que demonstre que eles estavam apreciando a paisagem
3) Compete:
a) O texto demonstra que as crianças não conheciam o _______________________
b) Santos fica no litoral de _________________________________
Um gato de nome Faro-Fino deu de fazer tal destroço na rataria
duma casa velha que os sobreviventes, sem ânimo de sair das tocas,
estavam a ponto de morrer de fome.
Tornando-se muito sério o caso, resolveram reunir-se em
assembleia para o estudo da questão. Aguardaram para isso certa noite
em que Faro-Fino andava aos mios pelo telhado, fazendo sonetos à lua.
––Acho, disse um deles, que o meio de nos defendermos de Faro-
Fino é lhe atarmos um guizo ao pescoço. Assim que ele se aproxime, o
guizo o denuncia e pomo-nos ao fresco a tempo.
Palmas e bravos saudaram a luminosa ideia. O projeto foi aprovado
com delírio. Só votou contra um rato casmurro, que pediu a palavra e
disse:
––Está tudo muito direito. Mas quem vai amarrar o guizo no
pescoço de Faro-Fino?
Silêncio geral. Um desculpou-se por não saber dar nó. Outro,
porque não era tolo. Todos, porque não tinham coragem. E a assembleia
dissolveu-se no meio de geral consternação.
(Monteiro Lobato)
Moral: Falar é fácil. Fazer é que são elas!
1) Todo texto é produzido com uma intenção: expressar um ponto de vista,
apresentar informações sobre um assunto qualquer, etc.. Nessa
perspectiva, o assunto principal do texto em estudo é:
( ) A esperteza; ( ) Uma casa velha;
( ) Um gato poeta; ( ) O medo.
2) Pelo modo como se aborda o assunto,
pode-se dizer quanto à tipologia textual
que o texto “Assembleia dos Ratos” é
certamente:
( ) Uma fábula; ( ) Uma crônica;
( )Um conto; ( )Um artigo;
3) Adjetivo é uma palavra que caracteriza, qualifica os seres. O adjetivo,
entre os citados abaixo, que caracteriza o rato que discordou da “luminosa
ideia” é:
( ) Inteligente;
( ) Bravo;
( ) Casmurro;
( ) Animado;
( ) Malvado.
4) Na frase “Silêncio geral” (último parágrafo), a expressão destacada foi
empregada no sentido de:
( ) Apresentar um fato real, acontecido entre animais;
( ) Os ratos caíram na realidade e ficaram frustrados;
( ) Os ratos mantiveram-se em silêncio para ouvir o rato casmurro falar;
( ) Os problemas difíceis não têm solução;
( ) Toda reunião (assembleia) exige silêncio geral.
5. Observe a expressão “...deu de fazer tal destroço na rataria...” (primeiro
parágrafo). O item que serve de sinônimo para a palavra destacada é:
( ) Versos;
( ) Rataria;
( ) Roubalheira;
( ) Destruição;
( ) Sineta.
6) As sílabas da palavra “destroço” e “silêncio” estão corretamente
separadas em:
( ) Des-tro-ço; si-lê-ncio;
( ) Des-tro-ço; si-lên-cio;
( ) De-str-oço; si-lê-ncio;
( ) Des-troç-o; si-lên-ci-o;
( ) Des-tro-ço; si-lê-nc-io.
7) A palavra “guizo” escreve-se com “z”. Qual das palavras abaixo está
escrita corretamente?
( ) Avizo;
( ) Atrazo;
( ) Atravéz;
( ) Pouzada;
( ) Azia.
REX em “Uma tarde no museu"
a) No
segundo quadrinho, a personagem diz que não sabe se foi uma boa levar o
Rex ao museu. Quem é o Rex?
( ) O alienígena. ( ) O soldado.
( ) O esqueleto de dinossauro. ( ) O dinossauro.
b) Rex aparece chorando no último quadrinho por que:
( ) não está gostando do museu.
( ) se assustou com o esqueleto do dinossauro.
( ) achou que o esqueleto era de seu avô falecido.
( ) discutiu com os amigos e ficou aborrecido.
c) A amiga de Rex diz, no terceiro quadrinho, que Rex se emociona demais
em museus. A palavra sublinhada está em negrito no balão por que:
( ) Rex tinha razões para se emocionar, mas exagerou quando chorou ao ver
o esqueleto de um antepassado.
( ) Rex realmente não deveria se emocionar diante de situações difíceis.
( ) Seus amigos o acham “Demais!” de legal.
( ) Rex é muito curioso.
2) Leia o trecho da reportagem abaixo:
a) No trecho “ Ousado e investigativo o Correio do Povo sempre mostrou
numa linguagem muito clara...” as palavras destacadas qualificam:
( )A cidade do Rio de Janeiro. ( )O leitor.
( )O jornal. ( )Os jornalistas.
3)O texto acima tem a intenção de provocar risos, é um texto humorístico. O
que torna o texto engraçado?
( ) O trovão que clareia o céu tornando o leão bonzinho.
( ) O desespero do turista frente a frente com o leão.
( ) A forma como o leão agradece a refeição.
( ) A atitude do leão ao agir como cristão.
4) Leia a tirinha e responda:
eio do Povo” sempre mostrou numa linguagem muito clara, tanto com os assuntos da cidade, do país e do mun
Agradecendo a Deus
Um turista viaja para um safári na África. Durante a
excursão na savana, se perde e acaba frente a frente com um
leão feroz. Ao vê-lo avançando em sua direção, pede a Deus
que um espírito cristão tome posse daquele leão. Nisto, ouve-se
um trovão, seguido de um grande clarão no céu. O leão
ajoelha-se diante do assustado turista e começa a rezar,
dizendo:
- Obrigado Senhor, por mais essa refeição!
Fonte: Piadas e pára-choques nº1 – RDE – Revista das Estradas.
( ) Cebolinha estava correndo do coelhinho da Mônica.
( ) O coelhinho tomou rumo diferente de Cebolinha.
( ) Cebolinha achou que havia enganado o coelhinho.
( ) As setas ajudaram Cebolinha a fugir do coelhinho
A raposa e as
uvas
Certa raposa esfomeada encontrou uma parreira carregadinha de
lindos cachos maduros, coisas de fazer vir água na boca. Mas tão altos,
que nem pulando.
O matreiro bicho torceu o focinho:
— Estão verdes - murmurou. — Uvas verdes, só para cachorros.
E foi-se.
Nisto, deu um vento e uma folha caiu.
A raposa, ouvindo o barulhinho, voltou depressa, e pôs-se a farejar.
Moral da História:
Quem desdenha quer comprar.
Monteiro Lobato. Fábulas. São Paulo, Brasiliense, 1991.
1) Responda:
a) A raposa, ao pensar que as uvas estavam verdes disse que só serviriam
pra cachorros. Por que ela cita cães e não qualquer outro animal?
__________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________
__b) Se a raposa desdenhou das uvas dizendo não querê-las mais, por que
se volta rapidamente ao ouvir um barulho de algo caindo com o vento?
__________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________
2)Leia agora a versão da mesma fábula, só que escrita por Esopo. Observe
que, embora ambas apresentem as mesmas idéias, a segunda é mais
detalhada. Compare, nas duas versões, como são apresentados:
• A personagem
• O local
• As ações da personagem
• A reação da raposa, quando percebe que as uvas estão altas;
• A reação da raposa, quando cai algo da árvore;
• A fala da raposa.
• A moral;
3) Assinale X nas principais mudanças encontradas nas fábulas de Esopo e
de
Monteiro Lobato:
( ) Esopo escreve de forma mais resumida, já Lobato procura ampliar um
pouco mais as idéias da fábula;
( ) O jeito de escrever de Lobato facilita compreender melhor a fábula,
pois seu texto dá mais detalhes sobre a história contada;
( ) Houve uma mudança de texto narrativo para texto poético;
( ) Aparecem mais adjetivos na versão de Lobato que descrevem a
personagem e enriquecem o enredo;
( ) Embora hajam mudanças
( ) Embora hajam mudanças no jeito de contar de cada autor, os fatos
narrados continuam os mesmos.
4) As fábulas sempre terminam com uma moral da história, isto é, com um
ensinamento. Copie do texto o parágrafo que contém a moral da fábula de
Esopo:
5) Qual das frases abaixo traduz a ideia principal da fábula de Esopo?
Assinale a resposta correta:
A Raposa e as Uvas
Uma Raposa, morta de fome, viu, ao passar diante de um pomar,
penduradas nas grades de uma viçosa videira, alguns cachos de Uvas
negras e maduras. 
Ela então usou de todos os seus dotes e artifícios para pegá-las, mas
como estavam fora do seu alcance, acabou se cansando em vão, e nada
conseguiu. 
Por fim deu meia volta e foi embora, e consolando a si mesma, meio
desapontada disse: 
Olhando com mais atenção, percebo agora que as Uvas estão todas
estragadas, e não maduras como eu imaginei a princípio.
Autor: Esopo
Moral da História: 
Ao não reconhecer e aceitar as próprias limitações, o vaidoso abre
assim o caminho para sua infelicidade.
____________________________________________________
______________________________
____________________________________________________
____________________________________________________
______________________________________________
__________________________________________________
( ) Quem não tem, despreza o que deseja.
( ) A mentira tem pernas curtas.
( ) Quem não tem o que deseja, sente inveja dos outros.
6) Reescreva a história de acordo com os desenhos:
____________________________________________________
____________________________________________________
______________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________
______________________________________________
__________________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________
______________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________
______________________________________________
__________________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________
______________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________
______________________________________________
__________________________________________________
Resolvi botar um nome na rã. Para isso, convidei duas amigas vizinhas, dizendo que era
para um batizado. Seria de tarde. Mamãe preparou uma torta de maçã e me amarrou o
cabelo com uma fita branca, enorme. Naquele tempo, as meninas usavam sempre, nas
festas, vestidos de organdi, que é um tecido fino, transparente, que espeta que é um
horror. Nos cabelos, laços enormes, brancos, também. O sapato era de verniz preto, com
meias brancas.
Minhas amigas chegaram vestidas do mesmo modo, acompanhadas das mães,
vestidas de escuro.
Aí, eu trouxe a rã para a sala. Enfeitei a caixa de celulóide com flores, para ela
ficar elegante. As mães, espantadas, olhavam para a rã. Explicaram que tinham entendido
que era batizado de gente.
Como as mães pensaram que era batizado de gente, a rã ganhou uma medalha
de prata pra pendurar no pescoço e um santinho emoldurado, acho que não era santo, era
anjo, pra pendurar em cima da cama.
Mamãe, um pouco sem jeito, tentava explicar. Pensava que as mães sabiam que
era brincadeira. Tentou devolver os presentes, aí eu chorei, dizendo que era de rã,
ninguém tinha o direito de tirar!
As senhoras foram conversar na varandinha, uma sacada pequenina. Nós fomos
fazer o batizado. As duas meninas: Tereza e Glória, a empregada e a rã.
Peguei a rã, esfreguei a cabeça dela com água salgada, dizendo:
__ Rã, eu te batizo...
Aí a Glória disse que precisava ter madrinha, padrinho e padre e que a rã tinha
que ter um nome de batismo.
A rã esperneava, detestando a cerimônia. Teresa pegou um barbante e tentava
amarrar o santinho no pescoço da rã. Foi quando a rã, que parece que não queria ser
batizada, escorregou da minha mão, deu vários pulos e caiu dentro do decote da dona
Margarida, mãe de Teresa. Foi um berro só! – parece que as mães não gostam de rã
dentro do decote – pensei, espantada. Parece que a rã também não gostou do decote de
Dona Margarida, pulou pra fora e caiu no chão, com olhos arregaladíssimos.
Fiquei danada com a rã, me atirei em cima dela, consegui pegar. Dona Margarida
teve um pequeno ataque nervoso, foi preciso dar água com açúcar, bestagem de gente
grande. (...)
Escolhi o nome da rã, apesar de ser o padre. Teresa ficou danada, dizendo que
era a madrinha quem escolhia o nome. Aí respondi que eu era o padre e era a mãe da rã,
quem escolhia o nome era a mãe e quem batizava era o padre. Escolhi um nome lindo:
Aurora.
Silvia Orthof
1) Dê a sua opinião:
a) Na sua opinião, qual é o fato mais engraçado da história? Por quê?
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
b) O que você achou da idéia da menina em preparar um batizado para o seu animal de
estimação? Justifique a sua resposta.
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
2) Copie do texto uma frase que mostra:
a) Que a mãe da menina ajudou a filha a preparar o batizado:
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
b) Que a menina preparou a rã para o batizado:
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
3) Faça o que se pede:
a) Pinte a afirmativa correta, de acordo com o texto:
Mães e meninas estavam vestidas da mesma maneira
para o batizado.Mães e meninas estavam vestidas de modos diferentes
para o batizado.
b) Copie aqui , o trecho que comprova a afirmativa que você escolheu:
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
4) Responda:
a) Que atitude da dona Margarida mostra que ela não gostou da rã no seu decote?
________________________________________________________________________
___________________________________________
___________________________________________
______________
b) Cite uma atitude das mães que comprovam essa afirmativa.
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
____________________________
c) A menina disse que ela é quem deveria escolher o nome da rã por dois motivos
diferentes. Que motivos eram esses?
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
d) Qual foi o nome escolhido para a rã?
_______________________________________________________________________
5) Complete as palavras com S ou SS:
a _____ obio sal ___ inha fal ___ idade
atrave ____ ava descan ___ ar se ___ enta
“Parece que as mães não gostam de rã dentro do decote”.
“As mães pensaram que era
batizado de gente...”
6) Leia a piadinha. Ela esta desorganizada e sem pontuação.Reescreva bem certinho em
forma de diálogo:
7)
Complete os quadros com palavra que sejam da mesma família:
cidade sinal certo
8) Pontue corretamente o texto:
9) Complete as palavras com R ,RR,S ou SS, depois preencha o diagrama com
as palavras separadas em sílabas:
Cecília é simpática e inteligente___
Mas como falava___ Muito___ O tempo
todo___ Sem parar___ Cecília___ pra
resumir___ falava pelos cotovelos___
Deixava os pais tontos___ de tantas
coisas que tinha pra contar e pra
perguntar___ Cecília era um poço sem
fundo___
___Mãe___ você sabe da última lá da
escola___ A Júlia falou pra Ana___ que
contou pra Helena___ que___
Um dia a mãe de Juquinha estava se arrumando pra sair O menino
chegou e disse Manhê por que você se pinta tanto Pra ficar bonita
Juquinha Então por que não fica
guel___a
hon___ ado
ca ___ oça
pen___ão
pul _____ eira
diver____ ão
10) Continue colocando a vírgula onde for necessário.
MEU AMIGO ÍNDIO
Chamo-me Maximiliano Couto e tenho 9 anos. Estou cursando a 3ª série
na Escola Municipal Tiradentes, que fica perto da minha casa.
Certo dia, numa aula de História, a professora falou sobre os índios,
suas crenças e seus costumes. Ela disse que muita gente da cidade
O cartunista é o profissional que faz desenhos animados
tirinhas e charges. Eles costumam trabalhar em jornais
revistas e na tevê.
Os peixes são capazes de distinguir os sabores amargo
salgado azedo e doce
Se eu pudesse levaria você comigo Silmara.
Quatiguá 26 de abril de 2010.
acreditava na existência de índios numa mata que fica cerca de 1 quilômetro
da escola. Disse também que não deveríamos nos aproximar da mata, porque
as informações não eram precisas e não sabíamos o que poderíamos
encontrar.
Fiquei pensando por vários dias se realmente existiria índios naquela
mata, e, quanto mais pensava, mais aguçava minha vontade de ver um índio
pessoalmente.
Numa tarde, ao invés de ir para a escola, segui em direção à mata. Ao
chegar, deparei com uma mata fechada, o que me surpreendeu. Fiquei
parado, observando e pensando se realmente haveria alguém vivendo ali, em
meio a tantas árvores.
Depois de muito observar, avistei uma pequena abertura, comecei a me
aproximar e encontrei uma trilha. Relutei um pouco antes de seguir e comecei
a andar por aquele estreito caminho cercado por grandes árvores e muita
vegetação.
Andei aproximadamente 30 minutos, até que cheguei a uma clareira.
Parei ali e me assentei para descansar, olhando tudo à minha volta. Só ouvia
o cricrilar dos grilos e o canto de uma cigarra.
Comecei a sentir medo e uma vontade grande de voltar para casa.
Levantei-me para pegar novamente a trilha e sair, quando, de repente, surgiu
na minha frente um indiozinho com uma lança na mão. Fui tomado de pânico
e, sem saber o que iria me acontecer, comecei a pedir-lhe:
 Não faça nada comigo! Sou amigo! Não vim lhe fazer mal! Só queria
ver um índio. Por favor! Minha mãe não sabe que estou aqui!
 Calma! Calma! Por que você está tão assustado? Não vou lhe fazer
mal! Está pensando que sou índio canibal?
 Não, não é isso! É que nunca tinha visto um índio e não sabia como
você ia reagir.
 O que você veio fazer na mata? Qual é o seu nome?
 Chamo-me Max. Vim para ver se realmente existiam índios vivendo
aqui. Então é verdade mesmo!
 Sim, vivemos numa pequena aldeia no centro da mata.
 Como é o seu nome?
 Meu nome é Cauã.
Fiquei muito tempo conversando com Cauã. Queria saber tudo sobre ele e
nem percebi que a noite estava chegando.
 Puxa! Já está escurecendo e preciso voltar para casa. E agora, como
faço para sair daqui?
 Não se preocupe, vou levá-lo até a saída da mata.
 Você conhece bem esta mata, não é Cauã?
 Sim, vivo aqui desde que nasci, e nada nessa mata é segredo para
mim.
E Cauã me conduziu, até que avistei a saída.
 Agora você pode ir, Max. E não volte aqui sozinho, pois é muito
perigoso!
 Obrigado, Cauã. Posso chamá-lo de amigo?
 Pode sim. E seja sempre um menino obediente.
 Está bem, amigo, ouvirei o seu conselho. Tchau!...
Solange Valadares
1) Responda de acordo com o texto:
a) O que o menino ficou pensando por vários dias?
b) Que atitude Max tomou?
c) O que ele encontrou pela frente?
____d) Qual foi a reação de Max ao deparar com um índio?
e) O que Max aprendeu com o índio?
2) Dê a sua opinião:
a) Você acha que Max agiu corretamente ao entrar na mata sozinho? Por
quê?
______________________________________________________________
______________________________________
______________________________________
______________________________
3) Retire do texto o que se pede:
• Uma palavra som SS:
___________________
• Uma palavra som S no final:
______________
• Uma palavra com S entre vogais:
__________
• Uma palavra com mais de 4 sílabas:
3) Leia o texto e copie as palavras destacadas na coluna certa:
Eu vi uma arara vermelha
com pitangas nas orelhas.
Eu vi uma cobra jararaca
engolindo uma jaca.
Eu vi uma onça-pintada
se coçando com a espingarda.
Sérgio Caparelli. Tigres no quintal (trecho). Porto Alegre, Kuarup, 1989, p. 64
1 sílaba 2 sílabas
3 sílabas 4 sílabas
4) Escreva o nome das figuras e separe as sílabas.
5) Ordene as sílabas e escreva o nome dos animais.
6) Um aluno do 1.º ano errou seis palavras no ditado. Descubra quais
são elas e marque.
a) Reescreva as palavras que o aluno errou sem cometer as mesmas
falhas:
7) Descubra a sílaba que completa as palavras abaixo. Atenção: A sílaba que
você vai completar é a sílaba tônica da palavra e todas devem ter acento
agudo ou acento circunflexo.
8) Organize as palavras do quadro nas colunas abaixo, seguindo o modelo.
Lembrando do S inicial, no meio da palavra e final:
escolaridade – tênis – sincero – parabéns -
cosmético – sábado – masculino – pensamento
– sonda – temos – sumiço - flores
sincero escolaridade tênis
QUI NA RE GIO NI BUS
GUA RA A BOLEO RA
9) Marque as alternativas em que o Ç foi usada corretamente:
10) Observe a tirinha e faça o que se pede:
a) Escreva os nomes das coisas que as crianças pediram e pinte a sílaba
tônica de cada palavra:
O sono dos bichos
O gato adora dormir, especialmente se
tiver um lugar quente e confortável. Ao
sol está ótimo.
paçoca çerveja
paláçio
palhaço paçiente
açúcar
biçicleta
esforço
Se deixarem, ele pode dormir muito mais do que a gente.
Ele se enrola sobre si mesmo, apóia ou esconde a cabeça, fecha os
olhos e nem se importa com o que acontece ao seu redor.
Mas, de vez em quando, mesmo dormindo, ele mexe as pequenas
orelhas, as patas, os olhos e faz barulhos esquisitos com a boca, como se
estivesse sonhando e miando no meio do sonho.
E não é que está sonhando mesmo! É evidente que está – sabe-se lá
com o quê!
(Texto adaptado da revista Ciência Hoje das Crianças)
1) Onde o gato gosta de dormir?
2) Como a gente sabe se o gato está sonhando?
3) Retire do texto o que se pede:
a) Três substantivos simples:
b) Um adjetivo:
4) Complete o diálogo a seguir utilizando os sinais de pontuação do
retângulo abaixo:
5)
Agora,
coloque as
palavras abaixo em ordem alfabética, observando que as letras iniciais não
são iguais:
felicidade – fábrica – fogueira – figo
Os três porquinhos e o lobo Lalau
Era uma vez um lobo que vivia sossegado na sua floresta. Chamava-se Lalau e
alimentava-se de frutas, mel de abelhas e néctar de flores. É verdade que os lobos são
carnívoros, mas Lalau era um lobo diferente. Era capaz, por exemplo, de ficar uma tarde inteira
conversando com passarinhos.
Ele perguntava aos passarinhos como estava o tempo lá em cima, se fazia mais frio do que
aqui embaixo, se ventava muito, essas coisas sem importância que ninguém se lembra mais de
perguntar aos passarinhos.
E assim corria a vida na floresta. Lalau era um lobo feliz. Também os outros animais eram
felizes, porque podiam conversar à vontade. Mas um dia chegaram os três porquinhos, gritando
alto e fazendo arruaças.
Muitos bichos fugiram, assustados com tanta gritaria, mas Lalau, que era bom e paciente,
ficou para receber os novos habitantes da floresta.
Quando os três porquinhos viram o lobo, abriram muito os olhos e começaram a tremer de
medo.
-Ih, um lobo! – gritou Palhaço, que queria construir uma casa de palha.
-É mesmo, um lobo – gemeu Palito, que pretendia fazer uma casa de pau.
-Ora, não passa de um lobo velho – resmungou Pedrito, que pensava em fazer uma casa
de pedra.
E, isso dizendo, jogou um tomate podre na cara de Lalau.
Lalau ficou muito triste, mas, mesmo assim, ele teve paciência. Depois de limpar a cara, ele
olhou bem firme para os três porquinhos e disse:
-Sejam bem-vindos. Sejam bem-vindos.
Pedrito fez uma careta feia e virou as costas. Ele não gostava de lobo. Mas Palhaço, que
era muito atrevido, chegou perto de Lalau e puxou-lhe os bigodes. Lalau gritou de dor e uma
lágrima rolou pelo seu negro focinho.
Encorajado pelo atrevimento de Palhaço, palito deu um nó no rabo de Lalau, que, aí sim,
começou mesmo a chorar. Como eram maus os três porquinhos! Desde esse dia, Lalau passou a
ser um lobo triste. Muitas vezes era visto andando pela floresta, protegido pela escuridão da noite.
Ele levantava o focinho, olhava para a Lua e uivava como os mais terríveis lobos da Floresta
Negra.
Estava tão abatido que Aristóteles, a coruja, ficou com pena dele e reuniu o Conselho dos
Animais. Este só se reunia em ocasiões muito importantes. Reunia-se, por exemplo, quando
pegava fogo na floresta, quando um bicho brigava com outro, quando chegavam os homens para
derrubar as árvores. Mas ele podia ser convocado, também, quando um dos bichos andava triste,
pois a ordem naquele tempo era ser feliz. E Lalau não era feliz.
-Isso não pode continuar assim – disse Aristóteles para os outros animais.
-É mesmo, não pode – disse Lalau com lágrimas no canto do olho. – Eu queria tanto ser
amigo dos porquinhos.
Depois de muita discussão, os animais decidiram eleger uma comissão de representantes
para conversar com os três porquinhos. Foram escolhidos três bichos honestos e pacíficos:
Hércules, a tartaruga, Genoveva, a lesma e Andrômaco, o caracol.
E lá foram eles em busca dos porquinhos. Hércules, a tartaruga, disse para Pedrito que
Lalau era um lobo calmo e bom. Genoveva, a lesma, disse que Lalau era até poeta, pois andava
escrevendo uns sonetos em homenagem ao pôr-do-sol. Andrômaco, o caracol, disse que Lalau
era mesmo um artista. Tinha, na sua casa, um ateliê de pintura e uma flauta, na qual tocava
polcas e valsas vienenses.
Pedrito, muito desconfiado, como sempre, disse que não podia acreditar naquilo. Mas,
depois de muita conversa, os três concordaram em fazer uma visita a Lalau. E assim, vestiram
suas melhores roupas e lá foram à procura do lobo.
O lobo estava numa caverna da estrada, alegre e sorridente. Pedrito falou:
-Oi, Lalau, Lalá-uuu.
E Lalau disse: oi.
-Nós gostamos de você – gaguejou Palhaço.
-É, gostamos sim. – repetiu Palito.
O lobo ficou olhando meio de lado, e estendeu as suas mãos peludas para os porquinhos.
-Oh, como estou feliz – disse, arregalando os dentes. – Aproximem-se, aproximem-se.
Pedrito, cada vez mais desconfiado, foi se aproximando devagarinho, mas, de repente, viu
que Lalau tinha nos olhos um brilho estranho e mau.
-Fujam, fujam! – gritou ele para os dois irmãos.
E eles fugiram, gritando sem parar. Lalau, com os dentes arregalados, foi correndo atrás.
Afinal, desde que os lobos são lobos que eles gostam terrivelmente de carne de porquinhos
gordos. Até hoje os animais da floresta não entenderam essa história.
Aristóteles teve de reunir outra vez o Conselho dos Animais, desta vez para declarar o lobo
“Inimigo Público número 1” dos animais pacíficos.
-Esse lobo é um neurótico – comentou Hércules, a tartaruga, envergonhada de ter
participado da comissão de aproximação entre Lalau e os três porquinhos.
-É, ele não passa de um traidor – disse Genoveva, a lesma.
No meio da floresta, escondido entre as folhas, Lalau, o lobo, observava tudo. Ele olhava
para os lados com um risinho muito maldoso no canto do focinho.
-Um dia eu pego esses porquinhos – dizia Lalau, mostrando os dentes – nem que tenha de
derrubar o mundo inteiro.
E desde então, Lalau nunca mais foi bom.
(Fonte: EMEDIATO, Luiz Fernando. Os três porquinhos e o lobo Lalau.
Belo Horizonte, Geração Editorial, 2008)
1) O lobo Lalau vive três fases diferentes ao longo da história. Complete o quadro com o
principal sentimento que ele tinha e o que era comum vê-lo fazendo em cada uma dessas
fases.
Sentimento O que ele fazia normalmente?
1º momento
2º momento
3º momento
2) O que fez com que Lalau se transformasse tanto ao longo da história?
3) Leia o trecho e responda:
Aristóteles, a coruja, reuniu o Conselho dos Animais.
a) Qual era a função do Conselho dos Animais?
b) Na história, por que esse conselho se reuniu?
c) Que decisões ele tomou?
d) Em sua opinião, a decisão tomada foi correta? Justifique.
4) O que os animais da floresta não entenderam até hoje?
5) Que pistas o lobo estava dando aos porquinhos que mostravam que ele não queria
mais a amizade deles?
6) Faça uma comparação entre essa história e a história tradicional de Os Três
Porquinhos e escreva:
Duas semelhanças Duas diferenças
7) Escreva algumas características contando como eram os porquinhos desta história.
Coloque nele as informações que o texto oferece sobre os seus nomes, as atitudes que
costumavam ter, o jeito de ser de cada um deles, os seus sentimentos e os seus medos.
NOME CARACTERÍSTICAS
8) Ordene as frases e as pontue corretamente:
a) até parque Vamos o
________________________________________________________________________
b) sujeira tapete no Quanta
________________________________________________________________________
c) fazer o Não de dever consegui casa
________________________________________________________________________
d) você Por que não banho tomou ainda
________________________________________________________________________
9) Leia a piadinha e reescreva organizando a pontuação depois marque v o f de acordo
com a pontuação:
( ) Os dois pontos foram usados para indicar a fala dos personagens.
( ) A interrogação foi usada para indicar que o personagem estava admirando.
( ) O travessão foi usado para indicar a fala dos personagens.
( ) Os dois pontos foram usados para indicar que o personagem ia falar.
10) Leia a piadinha e responda:
a)
Quem é o narrador da piadinha?
________________________________________________________________________
b) Ele participa da história? _________________________________________________
Duas crianças conversam eu nasci nessa casa eu
nasci no hospital por quê você estava doente
____________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________
O Juquinha estava distraído, cabeça baixa, mexendo embaixo da
carteira.
A professora chega perto e vê que ele está desmontando a caneta.
– Que é isso, menino?
E o Juquinha:
– Estou tentando ver de onde saem as letrinhas!
ZIRALDO. As Anedotinhas do Bichinho da Maçã.
São Paulo: Melhoramentos, 1997, p.11.
c) Reescreva a piadinha como se você fosse o Juquinha e tivesse contando um fato que
aconteceu com você:
11) Complete as palavras com SÃO ou ZÃO:
alu _____ fu _____ pe ________
deci _____ ala _____ arte ________
Amor _____ confu_____ anel ______
televi _____ parme _____ pai _____
12) Complete a cruzadinha com o antônimo das palavras usando DEZ ou DES:
13) Marque a alternativa em que todas as palavras estejam escritas corretas:
( ) dezembro - desatenção - desoito
( ) desunião - dezesseis - desarrumado
( ) desenove - desinibida - desespero
( ) dezoito – desanimado - dezena
( ) desistir - dezocupado - desejo
14) Observe a tirinha e reescreva-a em forma de diálogo:
a) ordem b) obedecer c) ativar
e) fazer f) ocupadod) animar
a
b
f
e
d
c
A banana
Dentre todas as frutas___________________,nenhuma possui
qualidades_______________ às da banana. Basta dizer que, em valor ____
____________, três bananas __________________ a um bife, para se ter uma idéia das
suas___________________________________________.
Nenhuma outra fruta indígena é mais procurada em
todos os_______________ do mundo. Nenhuma outra é tão
_____________pelos adultos e principalmente pelas crianças.
Crianças e idosos, ricos e pobres, doentes e sãos,
todos podem alimentar-se deste ____________produto da
natureza.
Há centenas de espécies de
banana, todas riquíssimas em
__________________.
Cruas ou assadas, fritas ou
cozidas, secas ao sol, usadas em caldas,
doces ou compotas, são as bananas
alimento ____________________________.
_______________ a pó, dão uma farinha especial, muitíssimo
nutritiva, ______________________ pelos ____________ para mingaus às
crianças pequeninas ou ___________________.
As crianças devem sempre preferir as bananas a ___________
outra fruta.
Deodato Morais (adaptação)
Alimentícias – superiores – nutritivo -equivalem- extraordinárias – qualidades - mercados –
apreciada – precioso – vitaminas – importantíssimo - reduzidas - recomendada – médicos –
debilitados - qualquer
Carina mora numa chácara, na cidade de Corinto.
Todas as noites ela ficava sentada na varanda a espera de um vaga-lume que
sempre voa por ali. Carina fica observando com curiosidade a sua luzinha acender
e apagar.
Numa noite enluarada, Carina ficou na varanda escura esperando o vaga-
lume a parecer. De repente ele apareceu, voando, na sua direção. Ela segurou-o e
prendeu-o entre as duas mãos. Ficou ali muito tempo admirando aquela luzinha,
que mais parecia um farolzinho.
Carina falou:
__ Oi, você é um bichinho muito interessante! Vou chamá-lo de Farolete.
O vaga-lume com uma carinha de apavorado, respondeu:
__ Pode me chamar de Farolete, mas por favor, não me segure mais. Gosto
de voar pela escuridão. Prometo que virei e voarei todas as noites na sua varanda.
Carina soltou o Farolete, que saiu voando e piscando, como nunca, o seu
pequeno farol.
Solange Valadares.
1) Responda de acordo com o texto:
a) Quais são os personagens do texto?
b) O que Carina faz todas as noites?
c) Como ela fez para pegar o vaga-lume?
d) O que a menina disse para o vaga-lume?
e) O que o vaga-lume respondeu?
2) Dê a sua opinião:
a) Você concorda com a atitude da menina em prender o vaga-lume? Explique:
3) Enumere os fatos de acorda com a ordem que aparecem no texto:
( ) Prometeu voar todos os dias na varanda da Carina.
( ) Carina colocou nome de Farolete no vaga-lume.
( ) A menina ficou na varanda escura esperando o vaga-lume.
( ) Carina prendeu o vaga-lume nas mãos.
4) Complete o desenho com o alfabeto maiúsculo:
5) Agora escreva o alfabeto minúsculo e com letra cursiva:
6) Leia as palavras e copie-as nos lugares adequados:
F _______ _______ _______ _______
V _______ _______ _______ _______
7) Complete as frases com uma das palavras dos quadros:
a) Tirei muitas _________ do bebê. Quer ver?
b) Cuidado! Essa _____________ está muito afiada.
___________________________________________
___________________________________________
___________________________________________
___________________________________________
c) Ufa! Ainda bem que o jogo chegou ao _____________.
8) Complete as palavras com T ou D. depois copie-as:
9) Forme frases com as palavras abaixo:
10) Descubra com qual consoante você escreve seu nome preferido. Pinte e
complete:
a) Você escreveu os nomes com inicial maiúscula ou minúscula? Por quê?
VENDO
VENTO
_____________________________________________________________
_____________________________________________________________
_____________________________________________________________
_____________________________________________________________
BIDO, O SABIDO
Era uma vez um lindo peixinho. Seu nome era Bido – Bido, o Sabido.
Um dia, todos os peixinhos estavam nadando juntos. Os peixinhos gostam de nadar
para o mesmo lado ao mesmo tempo, e nadavam para um lado. Depois nadavam para o
outro. Mas que fez Bido, o Sabido? Quando eles vinham para cá, Bido ia para lá. Quando
iam para lá, Bido vinha para cá. Então todos os peixinhos ficaram atrapalhados!
Depois os peixinhos começaram a nadar juntos, de novo. Para um lado. Para o
outro. E veio Bido, o Sabido de novo. Que foi que ele fez? Virou de cabeça para baixo e
fez uma careta engraçada. Todos os peixinhos começaram a rir. Bluuu – bluuu – bluuu –
soltando bolhas de riso. E todos se atrapalharam de novo!
Um dia, Bido viu peixinhos chorando por causa do Velho Caranguejo. Os peixinhos
tinham medo do Velho Caranguejo Mau. Mas Bido, não! Bido nadou por cima do Velho
Caranguejo Mau, que estava jantando. Pegou a comida do caranguejo e deu um puxão,
mas o Velho Caranguejo Mau não largou a comida. Bido puxou, puxou mais e fez o
caranguejo rodar, rodar. O Velho Caranguejo ficou tonto e largou a comida. Estava tão
tonto que foi rodando, rodando para longe.
- Viva Bido, o Sabido! – gritaram os peixinhos – o Velho Caranguejo Mau foi
embora!
Um dia, Bido viu uma coisa pendurada num anzol. O anzol estava numa linha. Lá
fora, um pescador segurava a linha. Oba! Era gostoso o que estava naquele anzol. Bido
subiu para ver.
- Bido! – gritaram os peixinhos – não chegue perto do anzol!
Mas Bido era sabido. Conhecia um truque de tirar a isca do anzol. E tirou! Depois
pendurou uma bota velha no anzol do pescador. O anzol subiu com o presente e os
peixinhos riram. Mas o pescador não riu, não. Foi embora zangado.
(...)
(Fonte: LEONARDOS, Stella. Bido, o sabido.
São Paulo, Editora Tecnoprint, 1970. – adaptação)
1) Responda certinho:
a) O que Bido fez que deixou os peixinhos atrapalhados enquanto nadavam?
b) Os peixinhos ficaram bravos quando Bido os atrapalhou a nadar de novo? Explique sua
resposta.
c) Por que Bido era um peixinho sabido?
d) Quando Bido viu o anzol com a isca e subiu para ver, os peixinhos gritaram para ele
não chegar perto do anzol. O que eles achavam que iria acontecer com Bido?
e) O que era o presente que Bido colocou no anzol?
c) Por que os peixinhos riram quando o anzol subiu com o presente que Bido colocou?
2) Desenhe uma tirinha mostrando Bido e seu truque com o anzol.
3) Preencha o quadro mostrando como Bido resolveu o problema do Velho Caranguejo
Mau.
Por que Bido foi atrás
do Velho Caranguejo?
O que o Velho
Caranguejo estava
fazendo?
O que Bido fez com o
caranguejo?
b) Em sua opinião, o que o caranguejo fazia com os peixinhos para que eles tivessem
medo dele e o chamassem de mau?
4) Amanda anotou alguns nomes de colegas da classe em um pedaço de papel para
escrevê-los em sua agenda. Como Amanda organizará esses nomes em ordem
alfabética? Escreva nas linhas ao lado:
5) Descubra uma palavra escondida dentro de cada palavra abaixo:
6) Leia o convite abaixo e justifique o uso da letra maiúscula nos casos abaixo:
Renato:
Meu:
Clube
Primavera:
Rua das Palmeiras:
Pipoca:
7) Complete as frases com as palavras do quadro:
a) Eu não me __________________ a fazer cafuné nesse gato _________________.
b) De onde eu _________________ dá pra ver o ________________ dos Ipês.
c) O _________________ custou ________________, mas a bicicleta, não.
8) Descubra qual é a palavra secreta e copie-a:
 Tem sete letras:
 Está ao lado de uma palavra com cinco letras.
 Serve para comer.
 É o nome de uma fruta.
 Começa com vogal.
 A palavra é ______________________________
9) Bastante atenção no ditado:
A RAPOSA SEM RABO
LILI ERA A RAPOSA MAIS LINDA E VAIDOSA DA FLORESTA. UM BELO DIA, CAIU NA
ARMADILHA DO CAÇADOR.
CHOROU, DEBATEU-SE, GRITOU POR SOCORRO E FINALMENTE CONSEGUIU
ESCAPAR. E O RABO, ONDE FICOU?
O RABO FICOU NA ARMADILHA.
LILI, ENVERGONHADA, CHORAVA MUITO E FICOU MUITO TEMPO ESCONDIDA.
UM DIA, TEVE UMA IDÉIA GENIAL.
CHAMOU AS OUTRAS RAPOSAS PARA UMA REUNIÃO E FEZ UMA PROPOSTA:
— QUERIDAS AMIGAS, CHEGUEI À CONCLUSÃO DE QUE NOSSAS CAUDAS SÓ
SERVEM PARA ATRAPALHAR, QUANDO FUGIMOS DOS CAÇADORES. PROPONHO QUE
CORTEMOS ESSAS HORRÍVEIS CAUDAS!
AS RAPOSAS, MUITO MATREIRAS, DESCONFIARAM DE ALGUMA COISA E FALARAM:
— ÓTIMO LILI! CORTAREMOS PRIMEIRO A SUA. VIRE-SE PARA CÁ.
LILI, DESAPONTADA, VIROU-SE E. . .
A GARGALHADA FOI GERAL.
LILI APRENDEU A LIÇÃO E ACOSTUMOU-SE A VIVER SEM O RABO. LILI VIU QUE A
BELEZA E A VAIDADE NÃO ERAM AS COISAS MAIS IMPORTANTES DE SUA VIDA.
VOCABULÁRIO:
LEIA O TEXTO NOVAMENTE E TENTE DESCOBRIR O SIGNIFICADO DAS EXPRESSÕES
GRIFADAS:
INTERPRETAÇÃO:
1) O QUE ACONTECEU COM A RAPOSA LILI QUE A DEIXOU MUITO TEMPO
ENVERGONHADA E ESCONDIDA?
RESPOSTA:________________________________________________________________
__________________________________________________________________________
____________________________________________________________________
2) PARA RESOLVER SEU PROBLEMA, LILI TEVE UMA IDÉIA. QUE IDÉIA FOI ESSA? O
QUE ACONTECEU?
RESPOSTA:________________________________________________________________
__________________________________________________________________________
____________________________________________________________________
3) QUAL SOLUÇÃO VOCÊ DARIA À RAPOSA LILI?
RESPOSTA:________________________________________________________________
__________________________________________________________________________
____________________________________________________________________
SONHO DE MENINA
MEU NOME É REGINA
TENHO 8 ANOS
O MEU MAIOR SONHO
É SER BAILARINA
IMAGINO- ME MUITO LINDA
NUMA ROUPA DE BALÉ
ELEGANTE, EQUILIBRANDO
NA PONTINHA DO PÉ.
OH! QUE GRANDE EMOÇÃO
JÁ POSSO ME ENXERGAR
COM OS BRAÇOS PARA O ALTO
DESLIZANDO PELO PALCO
FICO ALI A BAILAR
FAZENDO MEU CORPO GIRAR
AO SOM DE UMA CANÇÃO
NUMA BELA APRESENTAÇÃO.
EU POSSO CRER
QUE ESTE SONHO VAI REALIZAR
EU VOU SEMPRE AGRADECER
A DEUS ENQUANTO EU VIVER.
SOLANGE VALADARES
TRABALHANDO O TEXTO
1) QUAL É O TÍTULO DA POESIA?
2) QUAL É O SONHO DA MENINA?
3) COMO REGINA SE IMAGINA?
4) O QUE REGINA IRÁ FAZER QUANDO O SEU SONHO SE REALIZAR?
5) VOCÊ TEM UM SONHO? QUAL? ESCREVA COMO VOCÊ O IMAGINA.
6) COPIE E REPRESENTE COM DESENHOS A ESTROFE QUE VOCÊ MAIS GOSTOU.
OS AMIGOS
O ZERO NÃO ERA SINCERO
O UM SÓ FAZIA “PUM”
O DOIS DEIXAVA PRA DEPOIS
O TRÊS FALAVA INGLÊS
O QUATRO NÃO ERA PATO
O CINCO USAVA CINTO
O SEIS PARECIA PORTUGUÊ(I)S
O SETE JOGAVA BASQUETE
O OITO VIVIA AFOITO
O NOVE NÃO CONSEGUIA RIMAR.
MAS TODOS JUNTOS
SABIAM:
SOMAR
DIMINUIR
MULTIPLICAR
DIVIDIR.
INVENTAVAM MUITO PROBLEMA E EQUAÇÃO
E QUASE SEMPRE NENHUMA SOLUÇÃO.
JOGO DE BOLA
A BELA BOLA
ROLA:
A BELA BOLA DO RAUL.
BOLA AMARELA,
A DA ARABELA.
A DO RAUL,
AZUL.
ROLA A AMARELA
E PULA A AZUL.
A BOLA É MOLE,
É MOLE E ROLA.
A BOLA É BELA,
É BELA E PULA.
É BELA, ROLA E PULA,
É MOLE, AMARELA, AZUL.
A DE RAUL É DE ARABELA,
E A DE ARABELA É DE RAUL.
O COLAR DE CAROLINA
COM SEU COLAR DE CORAL,
CAROLINA
CORRE POR ENTRE AS COLUNAS
DA COLINA.
O CALOR DE CAROLINA
COLORE O COLO DE CAL,
TORNA CORA A MENINA.
E O SOL, VENDO AQUELA COR
DO COLAR DE CAROLINA,
PÕE COROAS DE CORAL
NAS COLUNAS DA COLINA.
O PASSARINHO NO SAPÉ
P TEM PAPO
O P TEM PÉ ?
(PIU!)
QUEM É ?
O P NÃO PIA:
O P NÃO É.
O P SÓ TEM PAPO
E PÉ.
SERÁ O SAPO?
O SAPO NÃO É.
(PIU!)
É O PASSARINHO
QUE FEZ SEU NINHO
NO SAPÉ.
PIO COM PAPO.
PIO COM PÉ.
PIU-PIU-PIU:
PASSARINHO.
PASSARINHO
NO SAPÉ.
OU ISTO OU AQUILO
OU SE TEM CHUVA E NÃO SE TEM SOL,
OU SE TEM SOL E NÃO SE TEM CHUVA!
OU SE CALÇA A LUVA E NÃO PÕE O ANEL,
OU SE PÕE O ANEL E NÃO SE CALÇA A LUVA!
QUEM SOBE NOS ARES NÃO FICA NO CHÃO,
QUEM FICA NO CHÃO NÃO SOBE NOS ARES.
É UMA GRANDE PENA QUE NÃO SE POSSA
ESTAR AO MESMO TEMPO NOS DOIS LUGARES!
OU GUARDO O DINHEIRO E NÃO COMPRO O DOCE,
OU COMPRO O DOCE E GASTO O DINHEIRO.
OU ISTO OU AQUILO: OU ISTO OU AQUILO…
E VIVO ESCOLHENDO O DIA INTEIRO!
NÃO SEI SE BRINCO, NÃO SEI SE ESTUDO,
SE SAIO CORRENDO OU FICO TRANQÜILO.
MAS NÃO CONSEGUI ENTENDER AINDA
QUAL É MELHOR: SE É ISTO OU AQUILO.
A CHÁCARA DO CHICO BOLACHA
NA CHÁCARA DO CHICO BOLACHA
O QUE SE PROCURA
NUNCA SE ACHA!
QUANDO CHOVE MUITO,
O CHICO BRINCA DE BARCO,
PORQUE A CHÁCARA VIRA CHARCO.
QUANDO NÃO CHOVE NADA,
CHICO TRABALHA COM A ENXADA
E LOGO SE MACHUCA
E FICA DE MÃO INCHADA.
POR ISSO, COM O CHICO BOLACHA,
O QUE SE PROCURA
NUNCA SE ACHA.
DIZEM QUE A CHÁCARA DO CHICO
SÓ TEM MESMO CHUCHU
E UM CACHORRINHO COXO
QUE SE CHAMA CAXAMBU.
OUTRAS COISAS, NINGUEM PROCURA,
PORQUE NADA ACHA.
COITADO DO CHICO BOLACHA!
POEMA COM PENA
FIZ UM POEMA
E NÃO SEI SE VALE A PENA
POEMAR.
É UM POEMA COM PENA
PENA DO CÉU
PENA DA TERRA
PENA DO MAR.
NÃO TEM MAIS PENA DE ÍNDIO
PORQUE ÍNDIO JÁ NÃO SE ACHA EM NENHUM LUGAR.
MAS AINDA TEM
PENA DA ARARA AZUL
PENA DA GALINHA SEM CABEÇA
PENA DO PATO PATETA.
TEM TANTA PENA
PENA ATÉ DE TRAVESSEIRO.
SÓ NÃO TEM PENA NENHUMA DO BURRO
PORQUE BURRO NÃO TEM PENA.
ÔNIBUS
LOGO NA ESQUINA
DESCEU O PRIMEIRO.
SEGUIU O MOTORISTA
MAIS QUATRO PASSAGEIROS.
DESCEU O SEGUNDO
NO PONTO SEGUINTE.
LEVOU UM SUSTO:
A RUA ESTAVA DIFERENTE.
DESCEU O TERCEIRO
NA CASA DE RAIMUNDO
QUE CARREGA NO NOME
TANTA RAIVA DO MUNDO.
O QUARTO DESCEU
EM FRENTE À ESTÁTUA.
CAIU-LHE SOBRE A CABEÇA
UMA ESPADA DE PRATA.
DESCEU O ÚLTIMO
TRANQÜILO NA CALÇADA,
QUERIA SENTIR O VENTO,
PASSEAR E MAIS NADA.
FICOU SÓ O MOTORISTA
NENHUM PASSAGEIRO.
AGORA SIM –UFA!—
PODIA IR AO BANHEIRO.
O CORVO E A RAPOSA
O SENHOR CORVO ESTAVA EMPOLEIRADO NUM GALHO DE ÁRVORE, COM UM PEDAÇO
DE QUEIJO NO BICO.
COMADRE RAPOSA APROXIMOU-SE, ATRAÍDA PELO CHEIRO. E CUMPRIMENTOU
ALEGREMENTE O CORVO:
- BOM DIA, MESTRE CORVO! COMO VOCÊ ESTÁ BONITO! ACHO QUE NUNCA VI AVE MAIS
BELA. FRANCAMENTE, SE A SUA VOZ É TÃO FORMOSA COMO A SUA PLUMAGEM, VOCÊ É
O REI DOS PÁSSAROS.
OUVINDO ESSES ELOGIOS, O CORVO QUASE ESTOUROU DE SATISFAÇÃO. E QUERENDO
MOSTRAR QUE NEM MESMO UMA BELA VOZ LHE FALTAVA, ABRIU O BICO PARA CANTAR.
O QUEIJO CAIU E MAIS QUE DEPRESSA A RAPOSA APANHOU-O. ANTES DE IR SABOREAR
O PETISCO, DISSE:
- CARO COMPADRE, APRENDA QUE TODO BAJULADOR VIVE DE QUEM O ESCUTA. ACHO
QUE ESTA LIÇÃO VALE BEM UM PEDAÇO DE QUEIJO.
O MACACO E A ONÇA
O MACACO ANDOU FAZENDO POUCO CASO DA ONÇA.
- VOU DAR CABO DESSE DANADO, PENSOU A ONÇA, POR CONTA!
E FEZ CORRER O BOATO DE QUE HAVIA MORRIDO. O MACACO FICOU LOUCO PARA VER
A DEFUNTA. MAS COMO SEMPRE, ESTAVA DESCONFIADO:
- HUM! ESTA MORTE NÃO ME CHEIRA BEM…;
FOI CHEGANDO À CASA DA ONÇA E VIU OS PARENTES DELA CHORANDO. BEM A SALVO,
PENDURADO NUM GALHO DE ÁRVORE, INDAGOU:
- A FALECIDA JÁ ESPIRROU?
- POR QUÊ? PERGUNTARAM OS PARENTES.
- ORA, QUEM MORRE SEMPRE DÁ O ÚLTIMO ESPIRRO…, COMENTOU ELE, MATREIRO.
A ONÇA OUVIU TUDO. FINGIA-SE DE MORTA PARA AGARRAR O MACACO. E, CAINDO NA
CONVERSA DELE, TRATOU DE ESPIRRAR:
- ATCHIM!
- ESTÁ VIVA, MAROTA! ONDE JÁ SE VIU DEFUNTO ESPIRRAR?
A ONÇA LEVANTOU-SE FURIOSA, E O MACACO CONTINUOU A DIZER-SE MAIS ESPERTO
DO QUE ELA.
VERMELHO
A COR DO MEU BATUQUE
TEM O TOQUE, TEM O SOM
DA MINHA VOZ
VERMELHO, VERMELHAÇO,
VERMELHUSCO, VERMELHANTE, VERMELHÃO
O VELHO COMUNISTA
SE ALIANÇOU
AO RUBRO DO RUBOR
DO MEU AMOR
O BRILHO DO MEU CANTO,
TEM O TOM E A EXPRESSÃO
DA MINHA COR
VERMELHO, VERMELHAÇO…
MEU CORAÇÃO É VERMELHO
DE VERMELHO VIVE O CORAÇÃO
E Ô, E Ô
TUDO É GARANTIDO
APÓS A ROSA VERMELHAR
TUDO É GARANTIDO
APÓS O SOL VERMELHECER
VERMELHOU NO CURRAL
A IDEOLOGIA DO FOLCLORE
VERMELHOU BIS
VERMELHOU A PAIXÃO
O FOGO DE ARTIFÍCIO DA
VITÓRIA VERMELHOU.
O GIRASSOL
SEMPRE QUE O SOL
PINTA DE ANIL
TODO O CÉU
O GIRASSOL
FICA UM GENTIL
CARROSSEL.
O GIRASSOL É O CARROSSEL DAS ABELHAS.
PRETAS E VERMELHAS
ALI FICAM ELAS
BRINCANDO, FEDELHAS
NAS PÉTALAS AMARELAS.
- VAMOS BINCAR DE CARROSSEL, PESSOAL?
- “RODA, RODA, CARROSSEL
RODA, RODA, RODADOR
VAI RODANDO, DANDO MEL
VAI RODANDO, DANDO FLOR.”
- MARIMBONDO NÃO PODE IR QUE É BICHO MAU!
- BESOURO É MUITO PESADO!
- BORBOLETA TEM QUE FINGIR DE BORBOLETA NA ENTRADA!
- DONA CIGARRA FICA TOCANDO SEU REALEJO!
- “RODA, RODA, CARROSSEL
- GIRA, GIRA, GIRASSOL
- REDONDINHO COMO O SOL.”
E O GIRASSOL VAI GIRANDO DIA AFORA…
O GIRASOL É O CARROSSEL DAS ABELHAS.
O RELÓGIO
PASSA, TEMPO, TIC-TAC
TIC-TAC, PASSA, HORA
CHEGA LOGO, TIC-TAC
TIC-TAC, E VAI-TE EMBORA
PASSA,TEMPO
BEM DEPRESSA
NÃO ATRASA
NÃO DEMORA
QUE JÁ ESTOU
MUITO CANSADO
JÁ PERDI
TODA A ALEGRIA
DE FAZER
MEU TIC-TAC
DIA E NOITE
NOITE E DIA
TIC-TAC
TIC-TAC
TIC-TAC…
A PORTA
EU SOU FEITA DE MADEIRA
MADEIRA, MATÉRIA MORTA
MAS NÃO HÁ COISA NO MUNDO
MAIS VIVA DO QUE UMA PORTA.
EU ABRO DEVAGARINHO
PRA PASSAR O MENININHO
EU ABRO BEM COM CUIDADO
PRA PASSAR O NAMORADO
EU ABRO BEM PRAZENTEIRA
PRA PASSAR A COZINHEIRA
EU ABRO DE SUPETÃO
PRA PASSAR O CAPITÃO.
SÓ NÃO ABRO PRA ESSA GENTE
QUE DIZ (A MIM BEM ME
IMPORTA…)
QUE SE UMA PESSOA É BURRA
É BURRA COMO UMA PORTA.
EU SOU MUITO INTELIGENTE!
EU FECHO A FRENTE DA CASA
FECHO A FRENTE DO QUARTEL
FECHO TUDO NESSE MUNDO
SÓ VIVO ABERTA NO CÉU!
A CASA
ERA UMA CASA
MUITO ENGRAÇADA
NÃO TINHA TETO
NÃO TINHA NADA
NINGUÉM PODIA
ENTRAR NELA NÃO
PORQUE NA CASA
NÃO TINHA CHÃO
NINGUÉM PODIA
DORMIR NA REDE
PORQUE NA CASA
NÃO TINHA PAREDE
NINGUÉM PODIA
FAZER PIPI
PORQUE PENICO
NÃO TINHA ALÍ
MAS ERA FEITA
COM MUITO ESMERO
NA RUA DOS BOBOS
NÚMERO ZERO.
O AR (O VENTO
ESTOU VIVO MAS NÃO TENHO
CORPO
POR ISSO É QUE EU NÃO TENHO
FORMA
PESO EU TAMBÉM NÃO TENHO
NÃO TENHO COR.
QUANDO SOU FRACO
ME CHAMO BRISA
E SE ASSOBIO
ISSO É COMUM
QUANDO SOU FORTE
ME CHAMO VENTO
QUANDO SOU CHEIRO
ME CHAMO PUM!
O PINGÜIM
BOM DIA, PINGÜIM
ONDE VAI ASSIM
COM AR APRESSADO?
EU NÃO SOU MALVADO
NÃO FIQUE ASSUSTADO
COM MEDO DE MIM.
EU SÓ GOSTARIA
DE DAR UM TAPINH
NO SEU CHAPÉU-JACA
OU BEM DE LEVINHO
PUXAR O RABINHO
DA SUA CASACA.
ELEFANTINHO
ONDE VAIS, ELEFANTINHO
CORRENDO PELO CAMINHO
ASSIM TÃO DESCONSOLADO?
ANDAS PERDIDO, BICHINHO
ESPETASTE O PÉ NO ESPINHO
QUE SENTES, POBRE COITADO?
- ESTOU COM UM MEDO DANADO
ENCONTREI UM PASSARINHO!
O PERU
GLU! GLU! GLU!
ABRAM ALAS PRO PERU!
O PERU FOI A PASSEIO
PENSANDO QUE ERA PAVÃO
TICO-TICO RIU-SE TANTO
QUE MORREU DE CONGESTÃO.
O PERU DANÇA DE RODA
NUMA RODA DE CARVÃO
QUANDO ACABA FICA TONTO
DE QUASE CAIR NO CHÃO.
O PERU SE VIU UM DIA
NAS ÁGUAS DO RIBEIRÃO
FOI-SE OLHANDO FOI DIZENDO
QUE BELEZA DE PAVÃO!
GLU! GLU! GLU!
ABRAM ALAS PRO PERU!
AS BORBOLETAS
BRANCAS
AZUIS
AMARELAS
E PRETAS
BRINCAM
NA LUZ
AS BELAS
BORBOLETAS.
BORBOLETAS BRANCAS
SÃO ALEGRES E FRANCAS.
BORBOLETAS AZUIS
GOSTAM MUITO DE LUZ.
AS AMARELINHAS
SÃO TÃO BONITINHAS!
E AS PRETAS ENTÃO…
OH, QUE ESCURIDÃO!
O MARIMBONDO
MARIMBONDO FURIBUNDO
VAI MORDENDO MEIO MUNDO
CUIDADO COM O MARIMBONDO
QUE ESSE BICHO MORDE FUNDO!
- ETA BICHO DANADO!
MARIMBONDÔ
DE CHOCOLAT
SAIA DAQUI
SEM ME MORDER
SENÃO EU DOU
UMA PAULADA
BEM NA CABEÇA
DE VOCÊ
- ETA BICHO DANADO!
MARIMBONDO…NEM TE LIGO!
VOOU E VEIO ME ESPIAR BEM NA MINHA CARA…
- ETA BICHO DANADO!
AS ABELHAS
A AAAAAAABELHA-MESTRA
E AAAAAAAS ABELHINHAS
ESTÃO TOOOOOOODAS PRONTINHAS
PRA IIIIIIIR PARA A FESTA.
NUM ZUNE QUE ZUNE
LÁ VÃO PRO JARDIM
BRINCAR COM A CRAVINHA
VALSAR COM O JASMIM.
DA ROSA PRO CRAVO
DO CRAVO PRA ROSA
DA ROSA PRO FAVO
VOLTA PRO CRAVO
VENHAM VER COMO DÃO MEL
AS ABELHINHAS DO CÉU!
A FOCA
QUER VER A FOCA
FICAR FELIZ?
É PÔR UMA BOLA
NO SEU NARIZ.
QUER VER A FOCA
BATER PALMINHA?
É DAR A ELA
UMA SARDINHA.
QUER VER A FOCA
FAZER UMA BRIGA?
É ESPETAR ELA
BEM NA BARRIGA
Apostilatextosilmara 110818143205-phpapp01
Apostilatextosilmara 110818143205-phpapp01
Apostilatextosilmara 110818143205-phpapp01
Apostilatextosilmara 110818143205-phpapp01
Apostilatextosilmara 110818143205-phpapp01
Apostilatextosilmara 110818143205-phpapp01
Apostilatextosilmara 110818143205-phpapp01
Apostilatextosilmara 110818143205-phpapp01
Apostilatextosilmara 110818143205-phpapp01
Apostilatextosilmara 110818143205-phpapp01
Apostilatextosilmara 110818143205-phpapp01
Apostilatextosilmara 110818143205-phpapp01
Apostilatextosilmara 110818143205-phpapp01
Apostilatextosilmara 110818143205-phpapp01
Apostilatextosilmara 110818143205-phpapp01
Apostilatextosilmara 110818143205-phpapp01
Apostilatextosilmara 110818143205-phpapp01
Apostilatextosilmara 110818143205-phpapp01
Apostilatextosilmara 110818143205-phpapp01
Apostilatextosilmara 110818143205-phpapp01
Apostilatextosilmara 110818143205-phpapp01
Apostilatextosilmara 110818143205-phpapp01
Apostilatextosilmara 110818143205-phpapp01

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Atividade avaliativa- 2 ano jairteslima
Atividade avaliativa- 2 ano jairteslimaAtividade avaliativa- 2 ano jairteslima
Atividade avaliativa- 2 ano jairteslimaJairtes Lima
 
Desafio com as quatro operações
Desafio com as quatro operaçõesDesafio com as quatro operações
Desafio com as quatro operaçõesMary Alvarenga
 
4 ficha sobre o poema isto ou aquilo
4 ficha sobre o poema isto ou aquilo4 ficha sobre o poema isto ou aquilo
4 ficha sobre o poema isto ou aquiloFilomena Claudino
 
Atividades para o dia dos pais
Atividades para o dia dos paisAtividades para o dia dos pais
Atividades para o dia dos paisSimoneHelenDrumond
 
Avaliação do 4º ano de Ens Religioso
Avaliação do 4º ano de Ens ReligiosoAvaliação do 4º ano de Ens Religioso
Avaliação do 4º ano de Ens ReligiosoLúcia Maia
 
Cruzadinha sucessor e antecessor
Cruzadinha  sucessor e antecessor Cruzadinha  sucessor e antecessor
Cruzadinha sucessor e antecessor Mary Alvarenga
 
Aprendizagem diveritida 8 anos
Aprendizagem diveritida   8 anosAprendizagem diveritida   8 anos
Aprendizagem diveritida 8 anosLASS Negrão
 
Verificação de aprendizagem português 3º ano
Verificação  de  aprendizagem português 3º anoVerificação  de  aprendizagem português 3º ano
Verificação de aprendizagem português 3º anoKelry Carvalho
 
O Caderno de Toquinho - Análise e entendimento da música
O Caderno  de Toquinho - Análise e entendimento da músicaO Caderno  de Toquinho - Análise e entendimento da música
O Caderno de Toquinho - Análise e entendimento da músicaMary Alvarenga
 
Percorrendo a trilha com adição e subtração.pdf
Percorrendo a trilha com adição e subtração.pdfPercorrendo a trilha com adição e subtração.pdf
Percorrendo a trilha com adição e subtração.pdfMary Alvarenga
 
Avaliação de ciências 4° bimestre do 1 ano
Avaliação de ciências 4° bimestre do 1 anoAvaliação de ciências 4° bimestre do 1 ano
Avaliação de ciências 4° bimestre do 1 anoKatia Lopes
 
Sequencia didática sistema monetario 3 ano a 2016
Sequencia didática sistema monetario  3 ano a   2016Sequencia didática sistema monetario  3 ano a   2016
Sequencia didática sistema monetario 3 ano a 2016Prefeitura de Cianorte
 
Sequência didática a casa e seu dono
Sequência didática a casa e seu donoSequência didática a casa e seu dono
Sequência didática a casa e seu donoDayse Neco
 
Prova de PORTUGUÊS
Prova de PORTUGUÊSProva de PORTUGUÊS
Prova de PORTUGUÊSKatia Lopes
 

Mais procurados (20)

Avaliação de Matematica 2º ano
Avaliação de Matematica 2º anoAvaliação de Matematica 2º ano
Avaliação de Matematica 2º ano
 
Atividade avaliativa- 2 ano jairteslima
Atividade avaliativa- 2 ano jairteslimaAtividade avaliativa- 2 ano jairteslima
Atividade avaliativa- 2 ano jairteslima
 
Desafio com as quatro operações
Desafio com as quatro operaçõesDesafio com as quatro operações
Desafio com as quatro operações
 
4 ficha sobre o poema isto ou aquilo
4 ficha sobre o poema isto ou aquilo4 ficha sobre o poema isto ou aquilo
4 ficha sobre o poema isto ou aquilo
 
Atividades para o dia dos pais
Atividades para o dia dos paisAtividades para o dia dos pais
Atividades para o dia dos pais
 
Avaliação do 4º ano de Ens Religioso
Avaliação do 4º ano de Ens ReligiosoAvaliação do 4º ano de Ens Religioso
Avaliação do 4º ano de Ens Religioso
 
Cruzadinha sucessor e antecessor
Cruzadinha  sucessor e antecessor Cruzadinha  sucessor e antecessor
Cruzadinha sucessor e antecessor
 
Aprendizagem diveritida 8 anos
Aprendizagem diveritida   8 anosAprendizagem diveritida   8 anos
Aprendizagem diveritida 8 anos
 
Verificação de aprendizagem português 3º ano
Verificação  de  aprendizagem português 3º anoVerificação  de  aprendizagem português 3º ano
Verificação de aprendizagem português 3º ano
 
Planeta Água.pdf
Planeta Água.pdfPlaneta Água.pdf
Planeta Água.pdf
 
O caminho da casa até a escola
O caminho da casa até a escolaO caminho da casa até a escola
O caminho da casa até a escola
 
A lebre e a tartaruga avaliação diagnóstica
A lebre e a tartaruga avaliação diagnósticaA lebre e a tartaruga avaliação diagnóstica
A lebre e a tartaruga avaliação diagnóstica
 
O Caderno de Toquinho - Análise e entendimento da música
O Caderno  de Toquinho - Análise e entendimento da músicaO Caderno  de Toquinho - Análise e entendimento da música
O Caderno de Toquinho - Análise e entendimento da música
 
Percorrendo a trilha com adição e subtração.pdf
Percorrendo a trilha com adição e subtração.pdfPercorrendo a trilha com adição e subtração.pdf
Percorrendo a trilha com adição e subtração.pdf
 
Avaliação de ciências 4° bimestre do 1 ano
Avaliação de ciências 4° bimestre do 1 anoAvaliação de ciências 4° bimestre do 1 ano
Avaliação de ciências 4° bimestre do 1 ano
 
Sequencia didática sistema monetario 3 ano a 2016
Sequencia didática sistema monetario  3 ano a   2016Sequencia didática sistema monetario  3 ano a   2016
Sequencia didática sistema monetario 3 ano a 2016
 
Sequência didática a casa e seu dono
Sequência didática a casa e seu donoSequência didática a casa e seu dono
Sequência didática a casa e seu dono
 
Sequência Didática PARLENDA
Sequência Didática PARLENDASequência Didática PARLENDA
Sequência Didática PARLENDA
 
Trava língua O Rato -
Trava língua O Rato - Trava língua O Rato -
Trava língua O Rato -
 
Prova de PORTUGUÊS
Prova de PORTUGUÊSProva de PORTUGUÊS
Prova de PORTUGUÊS
 

Destaque

Apostila texto silmara
Apostila texto silmaraApostila texto silmara
Apostila texto silmaradepartamentojt
 
Sugestão de atividades de português
Sugestão de atividades de portuguêsSugestão de atividades de português
Sugestão de atividades de portuguêsRaquel Becker
 
Apostila de interpretação de texto variados 2ª parte
Apostila de interpretação de texto variados 2ª parteApostila de interpretação de texto variados 2ª parte
Apostila de interpretação de texto variados 2ª parteTrabalhos Emborrachado
 
Interpretacao de-texto-fabulas-o-rato-do-campo-e-o-rato-da-cidade
Interpretacao de-texto-fabulas-o-rato-do-campo-e-o-rato-da-cidadeInterpretacao de-texto-fabulas-o-rato-do-campo-e-o-rato-da-cidade
Interpretacao de-texto-fabulas-o-rato-do-campo-e-o-rato-da-cidadefilipa silva
 
Sequência didática fábulas
Sequência didática   fábulasSequência didática   fábulas
Sequência didática fábulasAndreiaVa1
 
O rato do campo e o rato da cidade
O rato do campo e o rato da cidade O rato do campo e o rato da cidade
O rato do campo e o rato da cidade cfarinha
 
Sugestão de atividades língua portuguesa
Sugestão de atividades   língua portuguesaSugestão de atividades   língua portuguesa
Sugestão de atividades língua portuguesajosivaldopassos
 
Caderno do aluno 4º ano língua portuguesa
Caderno do aluno 4º ano língua portuguesaCaderno do aluno 4º ano língua portuguesa
Caderno do aluno 4º ano língua portuguesaSilvânia Silveira
 
Caderno de atividade - 5º ano - Programa Primeiros Saberes da Infância
Caderno de atividade - 5º ano - Programa Primeiros Saberes da InfânciaCaderno de atividade - 5º ano - Programa Primeiros Saberes da Infância
Caderno de atividade - 5º ano - Programa Primeiros Saberes da InfânciaJairo Felipe
 
07 relatório be alex.herc. avaliação 2º período
07 relatório be alex.herc.   avaliação 2º período07 relatório be alex.herc.   avaliação 2º período
07 relatório be alex.herc. avaliação 2º períodoRisoleta Montez
 
Ficha de leitura antónio manuel pina
Ficha de leitura antónio manuel pinaFicha de leitura antónio manuel pina
Ficha de leitura antónio manuel pinamjoaodelgado
 
Ficha de exercícios grau dos adjetivos
Ficha de exercícios   grau dos adjetivosFicha de exercícios   grau dos adjetivos
Ficha de exercícios grau dos adjetivosMaria Cavaleiro
 
Prova Brasil 8ª 2009 Portugues
Prova Brasil 8ª 2009 PortuguesProva Brasil 8ª 2009 Portugues
Prova Brasil 8ª 2009 PortuguesAntonio Carneiro
 
A Assembleia dos ratos
A Assembleia dos ratosA Assembleia dos ratos
A Assembleia dos ratospqvagape
 
2013-02-10-Aula-Prática do Dialogador-Rosana De Rosa
2013-02-10-Aula-Prática do Dialogador-Rosana De Rosa2013-02-10-Aula-Prática do Dialogador-Rosana De Rosa
2013-02-10-Aula-Prática do Dialogador-Rosana De RosaRosana De Rosa
 
Meios de transporte
Meios de transporteMeios de transporte
Meios de transporteedivalbal
 

Destaque (20)

Apostila texto silmara
Apostila texto silmaraApostila texto silmara
Apostila texto silmara
 
Sugestão de atividades de português
Sugestão de atividades de portuguêsSugestão de atividades de português
Sugestão de atividades de português
 
Apostila de interpretação de texto variados 2ª parte
Apostila de interpretação de texto variados 2ª parteApostila de interpretação de texto variados 2ª parte
Apostila de interpretação de texto variados 2ª parte
 
Interpretacao de-texto-fabulas-o-rato-do-campo-e-o-rato-da-cidade
Interpretacao de-texto-fabulas-o-rato-do-campo-e-o-rato-da-cidadeInterpretacao de-texto-fabulas-o-rato-do-campo-e-o-rato-da-cidade
Interpretacao de-texto-fabulas-o-rato-do-campo-e-o-rato-da-cidade
 
Sequência didática fábulas
Sequência didática   fábulasSequência didática   fábulas
Sequência didática fábulas
 
O rato do campo e o rato da cidade
O rato do campo e o rato da cidade O rato do campo e o rato da cidade
O rato do campo e o rato da cidade
 
Sugestão de atividades língua portuguesa
Sugestão de atividades   língua portuguesaSugestão de atividades   língua portuguesa
Sugestão de atividades língua portuguesa
 
Caderno do aluno 4º ano língua portuguesa
Caderno do aluno 4º ano língua portuguesaCaderno do aluno 4º ano língua portuguesa
Caderno do aluno 4º ano língua portuguesa
 
Caderno de atividade - 5º ano - Programa Primeiros Saberes da Infância
Caderno de atividade - 5º ano - Programa Primeiros Saberes da InfânciaCaderno de atividade - 5º ano - Programa Primeiros Saberes da Infância
Caderno de atividade - 5º ano - Programa Primeiros Saberes da Infância
 
07 relatório be alex.herc. avaliação 2º período
07 relatório be alex.herc.   avaliação 2º período07 relatório be alex.herc.   avaliação 2º período
07 relatório be alex.herc. avaliação 2º período
 
Escritores Infantis 2
Escritores Infantis 2Escritores Infantis 2
Escritores Infantis 2
 
Ficha de leitura antónio manuel pina
Ficha de leitura antónio manuel pinaFicha de leitura antónio manuel pina
Ficha de leitura antónio manuel pina
 
Ficha de exercícios grau dos adjetivos
Ficha de exercícios   grau dos adjetivosFicha de exercícios   grau dos adjetivos
Ficha de exercícios grau dos adjetivos
 
Fa2
Fa2Fa2
Fa2
 
O texto narrativo
O texto narrativoO texto narrativo
O texto narrativo
 
Cd2 exercicios dialogo
Cd2 exercicios dialogoCd2 exercicios dialogo
Cd2 exercicios dialogo
 
Prova Brasil 8ª 2009 Portugues
Prova Brasil 8ª 2009 PortuguesProva Brasil 8ª 2009 Portugues
Prova Brasil 8ª 2009 Portugues
 
A Assembleia dos ratos
A Assembleia dos ratosA Assembleia dos ratos
A Assembleia dos ratos
 
2013-02-10-Aula-Prática do Dialogador-Rosana De Rosa
2013-02-10-Aula-Prática do Dialogador-Rosana De Rosa2013-02-10-Aula-Prática do Dialogador-Rosana De Rosa
2013-02-10-Aula-Prática do Dialogador-Rosana De Rosa
 
Meios de transporte
Meios de transporteMeios de transporte
Meios de transporte
 

Semelhante a Apostilatextosilmara 110818143205-phpapp01

Slides planejamento escolar
Slides planejamento escolarSlides planejamento escolar
Slides planejamento escolarAnanda Lima
 
Direitos de aprendizagem produção de textos
Direitos de aprendizagem   produção de textosDireitos de aprendizagem   produção de textos
Direitos de aprendizagem produção de textosmariaelidias
 
produção e revisão de textos
produção e revisão de textosprodução e revisão de textos
produção e revisão de textosLeniomar Morais
 
Plano de ensino português corrigido
Plano de ensino português corrigidoPlano de ensino português corrigido
Plano de ensino português corrigidosimonclark
 
CompreensãO E ProduçãO De Texto
CompreensãO E ProduçãO De TextoCompreensãO E ProduçãO De Texto
CompreensãO E ProduçãO De Textoguest67b92
 
Gestar Ii 26 05 09
Gestar Ii 26 05 09Gestar Ii 26 05 09
Gestar Ii 26 05 09Marystela
 
3- O ensino da leitura e da escrita.pptx
3- O ensino da leitura e da escrita.pptx3- O ensino da leitura e da escrita.pptx
3- O ensino da leitura e da escrita.pptxnoadiasilva2
 
9° quinzena ava
9° quinzena ava9° quinzena ava
9° quinzena avaannajullia
 
Projeto Gestar Ii 2007
Projeto Gestar Ii 2007Projeto Gestar Ii 2007
Projeto Gestar Ii 2007guestd51b12
 
Palestra para professores ciclo ii
Palestra para professores ciclo iiPalestra para professores ciclo ii
Palestra para professores ciclo iiLari Aveiro
 
Paletra alfabetização
Paletra alfabetizaçãoPaletra alfabetização
Paletra alfabetizaçãoLari Aveiro
 
Pacto nacional pela alfabetização na idade certa
Pacto nacional pela alfabetização na idade certaPacto nacional pela alfabetização na idade certa
Pacto nacional pela alfabetização na idade certaCida Nenê Leite
 

Semelhante a Apostilatextosilmara 110818143205-phpapp01 (20)

Slides planejamento escolar
Slides planejamento escolarSlides planejamento escolar
Slides planejamento escolar
 
Direitos de aprendizagem produção de textos
Direitos de aprendizagem   produção de textosDireitos de aprendizagem   produção de textos
Direitos de aprendizagem produção de textos
 
Escrita
EscritaEscrita
Escrita
 
produção e revisão de textos
produção e revisão de textosprodução e revisão de textos
produção e revisão de textos
 
Plano de ensino português corrigido
Plano de ensino português corrigidoPlano de ensino português corrigido
Plano de ensino português corrigido
 
CompreensãO E ProduçãO De Texto
CompreensãO E ProduçãO De TextoCompreensãO E ProduçãO De Texto
CompreensãO E ProduçãO De Texto
 
Situções que a rotina deve contemplar
Situções que a rotina deve contemplarSituções que a rotina deve contemplar
Situções que a rotina deve contemplar
 
Producao textual
Producao textualProducao textual
Producao textual
 
Producao textual
Producao textualProducao textual
Producao textual
 
Gestar Ii 26 05 09
Gestar Ii 26 05 09Gestar Ii 26 05 09
Gestar Ii 26 05 09
 
3- O ensino da leitura e da escrita.pptx
3- O ensino da leitura e da escrita.pptx3- O ensino da leitura e da escrita.pptx
3- O ensino da leitura e da escrita.pptx
 
Produção e revisão de textos
Produção e revisão de textosProdução e revisão de textos
Produção e revisão de textos
 
Produção de textos ano 2
Produção de textos ano 2Produção de textos ano 2
Produção de textos ano 2
 
9° quinzena ava
9° quinzena ava9° quinzena ava
9° quinzena ava
 
Projeto Gestar Ii 2007
Projeto Gestar Ii 2007Projeto Gestar Ii 2007
Projeto Gestar Ii 2007
 
Lingua Portuguesa Pcop Ana Luisa
Lingua Portuguesa Pcop Ana LuisaLingua Portuguesa Pcop Ana Luisa
Lingua Portuguesa Pcop Ana Luisa
 
Aluno leitor, aluno autor
Aluno leitor, aluno autorAluno leitor, aluno autor
Aluno leitor, aluno autor
 
Palestra para professores ciclo ii
Palestra para professores ciclo iiPalestra para professores ciclo ii
Palestra para professores ciclo ii
 
Paletra alfabetização
Paletra alfabetizaçãoPaletra alfabetização
Paletra alfabetização
 
Pacto nacional pela alfabetização na idade certa
Pacto nacional pela alfabetização na idade certaPacto nacional pela alfabetização na idade certa
Pacto nacional pela alfabetização na idade certa
 

Apostilatextosilmara 110818143205-phpapp01

  • 1. ROTEIRO ELABORAÇÃO DE TEXTOS Leia o texto que você escreveu e reflita. CONTEÚDO DO TEXTO O texto está interessante, gostoso de ler e de ouvir? O texto não fugiu do assunto? O texto tem passagens interessantes? O que mais poderia ser contado? Você empregou palavras novas? Essas palavras estão empregadas no sentido correto? Você empregou a mesma palavra várias vezes? Releia o texto e procure substituí-la por outra com o mesmo sentido ou, então, tente refazer a ideia. Você empregou palavras ou expressões como pra, tá, legal, né ou outras palavras parecidas? Verifique. O texto que você escreveu permite o emprego dessas expressões? APRESENTAÇÃO DO TEXTO Sua letra está legível? A folha de papel está limpa e sem “orelhas”? Seu texto apresenta muitas rasuras ou borrões? ORTOGRAFIA E ORGANIZAÇÃO DO TEXTO Você escreveu as palavras corretamente? Se tiver dúvidas, consulte o dicionário. Empregou letra maiúscula no início de frase e nos nomes próprios. Fez parágrafos sempre que começou uma nova ideia. Observou o uso da pontuação adequada: ponto final, de exclamação e interrogação? Empregou o travessão nos diálogos? Respeitou a margem? Colocou o título adequado com o texto? Planejamento de Redação Oficina de Produção de Texto Considera-se texto tudo aquilo que consiga expressar idéias, sentimentos, pensamentos e emoções, com o objetivo de comunicação: frases, orações, conjunto de idéias, histórias, poemas, bilhetes, cartas, avisos, anúncios, anotações, etc A produção textual deve ser contínua, pois é por meio dela que o aluno expressa suas necessidades, agilizando seu pensamento, independentemente de sua faixa etária.
  • 2. Escrever é uma habilidade que se adquire com o exercício e o tempo, e torna-se fruto das atividades desenvolvidas pela criança em sua vida social e escolar. Forma sua maneira individual de perceber e construir o mundo em que vive, expondo idéias, sentimentos e opiniões. O aluno já traz consigo a capacidade de narrar e contar histórias com facilidade e a produção de texto tem como objetivo possibilitar o aprimoramento de sua escrita, levando seus textos a ter coerência e coesão de acordo com a sua finalidade. Por isso, o educador deve incentivá-lo a atividades orais que favoreçam a iniciação de produção de textos. A atividade da escrita não é um ato solitário; é necessário criar um ambiente de descontração e naturalidade: deixar que o aluno utilize livros, jornais ou recorra aos colegas e/ou ao educador(a), para identificar possíveis falhas. O educador tem o papel importante de esclarecer critérios claros de correção e avaliação, levando o aluno a verificar suas falhas e a reescrita, para tornar seus textos coesos e adequados. É importante também que o educador reforce o como escrever, o que escrever, a quem e por que escrever. Tipos de textos: . Textos narrativos: contos, fábulas, histórias, crônicas, relatórios, etc. . Textos literários: literatura infantil e juvenil. . Textos poéticos e lúdicos: poemas, quadrinhas, parlendas, adivinhas, letras de músicas e cantigas. . Textos informativos: textos de jornais e revistas, matérias científicas, mapas, placas, etc. . Textos publicitários: propagandas, anúncios, cartazes, outdoors, etc. . Textos instrutivos: receitas, folhetos, bulas, manuais. . Textos dissertativos: críticas, resenhas, legendas, etc. . Textos práticos: cartas, bilhetes, convites, cartões, avisos, telegramas, e-mails, etc. “ Atividades orais favorecem a iniciação da escrita. Escrever e redigir textos deve proporcionar prazer e tornar-se um ato de desafio estimulante para a criança.” Objetivos da expressão escrita: . Ter habilidade para: _ codificar mensagens _ organizar mensagens com seqüência lógica _ empregar convenções sociais por meio de bilhetes, cartas, cartões, telegramas. _ preencher formulários _ usar dicionário _ organizar idéias para manifestar seu pensamento
  • 3. _ desenvolver a criatividade _ registrar idéias, sentimentos e fatos _ automatizar a ortografia de palavras _ traçar letras de forma legível _ empregar a pontuação adequada _ empregar corretamente os parágrafos _ ampliar o uso da linguagem própria para expressar com criatividade as idéias _ manter o uso das estruturas de frases na redação _ consolidar a habilidade do uso de expressões poéticas Tipos de propostas: .Temáticas: produzir um texto a partir de: * passeio * sonho * família * fantasia * brinquedo * escola . Estrutural : produzir um texto baseado em: * narração * descrição * dissertação * carta * bilhete * poema * aviso Etapas de uma produção de texto: .Rascunho – São os registros, a informação, sem preocupação com letra, margem, parágrafo, ortografia e pontuação. A criança produzirá o texto sem nenhuma censura e utilizará um lápis para escrever, o que auxiliará sua desinibição. .Intercâmbio _ Desenvolve a capacidade crítica e amplia a observação do aluno: • leitura do texto para os colegas • troca de texto entre alunos • utilização de textos produzidos pelas crianças e colocados no mural da sala de aula • leitura do texto pelo professor • comentários em grupo “A criança deve ter a oportunidade de ver seus textos lidos pelo educador e pelos colegas, que poderão utilizá-los em jornais escolares, produção de livros coletivos da turma e murais, motivando-o a aprimorar e a aperfeiçoar cada vez mais a sua produção textual.” .Releitura _ Após o ato de produzir um texto, é fundamental a releitura dele para verificar se ele está de acordo com o contexto proposto e observar se existe clareza, coerência de idéias, boa apresentação, seqüência lógica dos fatos, além de correção ortográfica e gramatical. Assim, o aluno terá oportunidade de raciocinar sobre sua linguagem escrita e reconstruí-la quando necessário. .Correção _ O educador não deve utilizar comentários negativos, mas restringir-se somente à correção de aspectos gramaticais, ortográficos, concordância e pontuação do texto. O educador deve assumir a postura de orientador, com o objetivo de comentar, sugerir, colocando-se na posição de leitor.
  • 4. Critérios de correção: • aspectos estéticos: letra legível, paragrafação, margem, rasuras. • aspectos gramaticais : ortografia, acentuação, pontuação, concordância • aspectos estilísticos: repetição de palavras, frases longas, palavras desnecessários, pronomes inadequados, adjetivos inexpressivos • aspectos estruturais: idéia central, seqüência lógica, temporal, aspectos pertinentes ao tema, descrição dos personagens, desfecho, coerência. Ao corrigir um texto, sugerimos ao educador não riscar o texto dos alunos, mas usar códigos que identifiquem os erros encontrados. Exemplos: Para indicar parágrafos Para indicar erros ortográficos Para indicar erros de gramática Para indicar erros de pontuação Para indicar erros de seqüência lógica ( princípio, meio e fim) Outra forma de correção para produção de textos é discuti-los coletivamente, avaliando-os em conjunto e corrigindo-os, o que torna os alunos mais críticos e mais atentos ao uso da linguagem. .Autocorreção - Leva o aluno a rever a sua escrita. O educador pode combinar códigos para identificar cada tipo de erro encontrado no texto, levando o aluno a reescrever o que estiver incorreto com consulta ao dicionário. .Reescrita do texto – É importante que fique claro para os alunos que a atividade de reescrita e revisão dos textos significa aprendizagem: aprende-se a escrever, a usar a grafia, a pontuação e a gramática corretamente, dando clareza ao texto, e que o erro é necessário ao processo e leva ao crescimento.
  • 5. Como trabalhar com alguns tipos de produção de textos . Texto coletivo: O educador propõe um tema por meio de uma gravura ou de um título. Os alunos devem dar sugestões sobre o que a gravura sugere. O educador escreverá as sugestões no quadro e, quando terminar a produção do texto, deve ler o texto com os alunos. Pode-se também variar a leitura: cada fileira de alunos poderá ler uma frase ou parágrafo. O texto coletivo possibilita ao aluno discutir alguns aspectos estruturais com os colegas, tais como pontuação, características dos personagens, análise e argumentos críticos coerentes. . Produzindo texto em duplas: Trabalhar com os alunos em duplas favorece o desenvolvimento social e intelectual deles, pois ao realizar uma atividade em dupla ou em grupo, eles terão oportunidade de trocar idéias, socializar-se, escutar a opinião do outro, superar as dificuldades ortográficas e muito mais. O educador pode, ao formar as duplas, selecionar seus componentes de acordo com as dificuldades de aprendizagem, organizando grupos heterogêneos, nos quais alunos com bom desenvolvimento pedagógico se unam a alunos com dificuldades, tornando o processo fácil e dinâmico. .Textos com gravuras: Ao trabalhar com gravuras, o educador estará dando oportunidade ao aluno de aprender a organizar suas idéias e desenvolver seu raciocínio e sua observação. Todas as possibilidades de uma gravura devem ser exploradas com questões estimuladoras, tais como: • Quais são os personagens? • Onde estão? • O que estão fazendo? • O que aconteceu antes? • O que aconteceu depois? • Como vai terminar? .Tipos de gravuras: • Gravuras de primeiro tipo ou sentido completo: são aquelas que apresentam todos os elementos na mesma cena. • Gravuras de segundo tipo: são aquelas de sentido incompleto. Referem-se a uma parte de um acontecimento e permite imaginar o que não se vê.. • Gravuras de terceiro tipo: são aquelas que representam desenhos ou fotos de acontecimentos. Devem ter relação com o texto. • Gravuras de quarto tipo: referem-se a obras artísticas reproduzidas sob diversas formas: telas, esculturas, etc • Gravuras seriadas: são aquelas que possuem seqüência de cenas, de acontecimentos. .Textos com seqüência de cenas – possuem estímulo visual, representado em cada cena.
  • 6. Ao trabalhar textos com seqüência de cenas , é necessário: • Observar cuidadosamente cada cena. • Relatar oralmente os fatos. Criar uma história coletiva • Elaborar o título • Rever o texto escrito • Ler o texto final .Textos práticos - a produção de bilhetes , avisos, cartas, convites, anúncios e telegramas necessita de uma análise prévia dos elementos que os compõem: remetente, destinatário e corpo da mensagem objetiva e precisa. São textos que visam a fins utilitários do dia-a-dia, à melhor interação do indivíduo com o mundo em que vive. .Música –A música exerce grande fascínio sobre a criança. É um tipo de linguagem que favorece a organização do pensamento, do desenvolvimento, a inteligência e o conhecimento. Podemos utilizar várias letras de músicas para trabalhar temas de conteúdo na sala de aula e levar o aluno a produzir textos correlacionados. .Poemas – Ao escrever poemas, o aluno está trabalhando com sua emoção e com seus sentimentos. Geralmente os poemas são escritos em versos e utilizam ritmo, rimas e jogo de palavras ( repetição;onagramas;onamatopéias) O educador pode confeccionar com as crianças um livro de coletâneas de poesia e versos escritos por elas, bem como realizar uma tarde de autógrafos com a apresentação de um sarau, quando as crianças podem recitar poemas dramatizados para os pais e para os demais responsáveis. .Narração – A forma narrativa é utilizada pela criança desde o momento em que é capaz de se comunicar. São elementos de um texto narrativo: *personagem: quem faz a ação *tempo: quando ocorreu o fato *enredo: como o fato ocorreu *fato: o acontecimento *espaço: onde ocorreu o fato *causa:por que o fato ocorreu *conclusão: resultado final – como termina o acontecimento Descrição:É a capacidade de observação; é o produto da percepção. Ver, perceber, sentir objetos, formas e/ou pessoas são as atividades iniciais para se produzir um texto descritivo. Os textos narrativos e descritivos devem seguir uma estrutura: • início: apresentação dos personagens e do ambiente • enredo ou tema: esclarecimento das idéias acompanhadas de detalhes
  • 7. • clímax: ponto alto de interesse do enredo • final ou conclusão: conclusão do acontecimento, fim da tensão. .Textos literários – constitui um tipo de escrita simples, na qual pensamentos, sentimentos, emoções e idéias são registrados em relação ao mundo em que vivem.Esses textos educam e divertem. São tidos como textos literários: poemas, fábulas, contos, crônicas e histórias da literatura infantil e juvenil. .Textos extraverbais – são tipos de texto que não empregam códigos lingüísticos, palavras escritas, e sim desenhos, sinais e símbolos. Exemplos: fotos, sinais e placas de trânsito, charges, obras de arte, etc .Textos jornalísticos: são textos classificados com notícias e/ou reportagens; são relatos de fatos importantes e de interesse para a comunidade. _ Notícia: é um texto claro e objetivo, redigido em terceira pessoa, com linguagem simples e estilo formal. O título da notícia resume o tema central, para atrair a atenção do leitor. _ Reportagem: contém uma informação precisa e objetiva do fato. É um texto longo e dividido em capítulos. .Textos publicitários: são textos pagos com a finalidade de atingir determinado tipo de público. _Propaganda : são textos publicados em folhetos, encartes, jornais e revistas, nos quais são utilizadas frases curtas, freqüentemente acompanhadas de imagens. _Anúncios: são textos que possuem pequenos formatos com ou sem ilustrações; sua linguagem é direta. São encontrados em jornais e/ou revistas. .Pesquisa – levanta opiniões ou informações sobre comportamentos, características e tendências de pessoas, animais, plantas ou algum assunto específico. Possuem respostas breves e objetivas. .Legenda: Descreve fotos ou desenhos para o leitor compreender ou avaliar o que está vendo. .Receitas: Orientam a organização e a realização de tarefas. Geralmente são apresentadas em textos divididos em duas etapas; ingredientes e modo de fazer. As instruções são colocadas seguindo uma ordem temporal. .Histórias em quadrinhos: são textos nos quais aparecem diálogos e pensamentos em forma de balões. Utiliza códigos não-verbais e a representação é visual. São textos pequenos, coloridos ou não e muito atrativos. As onomatopéias estão geralmente presentes nas histórias em quadrinhos. Possuem uma seqüência na qual o movimento é representado por sinais, traços e posições. Produção de texto por meio de Arte
  • 8. A atividade artística é excelente geradora de texto, pois contribui para o desenvolvimento da observação e da linguagem oral do aluno, deixando de lado seus medos, traumas, inseguranças e timidez. O educador poderá utilizar vários tipos de material, como: jornais, revistas, canetas coloridas, lãs, barbantes, retalhos de papéis e tecidos, embalagens , pincel atômico, canetas hidrocor. Com esse material, o aluno criará seus personagens – animais, bonecos, objetos – e lhes dará vida e nomes. Depois, ele escreverá um texto sobre o personagem criado. O aluno poderá também escrever um texto a partir de uma observação de uma obra de arte, um desenho, um enfeite, etc. Poderá também utilizar gravuras de revistas para fazer uma montagem de personagens e/ou objetos e depois descrevê-los por meio de um texto. Com sucatas, poderá criar também personagens fantásticos, como robôs, objetos com vida e depois descrevê-los. O aluno poderá também fazer o seu próprio desenho usando criatividade e imaginação e depois escrever um texto sobre ele. Textos para serem trabalhados com alunos do 5º. Ano do Ensino Fundamental _ Textos lacunados _ Diário _ Coisas de que eu gosto _ Família _ Diálogos _ Retrato escrito _ Acróstico _ Seqüência de cenas _ Completando textos _ Continuação de histórias _ Textos por meio de temas _ Textos com passatempos _ Textos poéticos _ Poemas enigmáticos _ Poemas cinéticos _ Tempestade de idéias _ Textos fantásticos _ Textos com roteiro _ Textos com gravuras _ Criando cardápios _ Biografias _ Textos jornalísticos ( notícias, manchetes, reportagens, classificados, anúncios) _ Textos com legendas _ Propaganda _ Cartum e charges _ Resumos _ Textos práticos ( bilhete em códigos, carta, esquema, pesquisas) _ Enquetes _ Debates
  • 9. _ Entrevistas _ Requerimentos _ Relatórios _ Biografias _ Texto e Internet BIOGRAFIA: Oficina de Textos Volume 2 – Regina Villaça Lima Editora Fonte Observações: ( Sugestões do livro citado acima: Oficina de textos) _Cartazes: Como trabalhar cartazes. _Eu: Eu mesmo Meu diário Coisas de que eu gosto _Família: Descrevendo alguma pessoa da família Mensagem para a mãe Mensagem para o pai Lembranças de meus avós _Amizade: Meu (minha) melhor amigo(a) Retrato escrito _Textos lacunados: Completando o texto Dia de jogo _Continuando a história: A união das cores Dia de pescaria Um robô bem legal _Textos com gravuras: Divertindo com os desenhos Seqüência de cenas Noite de terror O jogo de futebol O castelo de areia De olho na gravura Preservando a natureza O pedido de socorro! Vida na cidade Vida no campo Um feriado na praia _Textos com roteiro: Criando um super-herói O colecionador
  • 10. Viagem pelo mundo O fantasma brincalhão O tesouro encontrado O que estamos fazendo? _Textos através de temas: Tempestade de idéias Qual é o tema? Uma travessura inesquecível Meus desejos Sonhei que... Solidariedade Ser solidário é... O dinheiro sumiu, e agora? Vida de... Inventando histórias Um dia de festa Aventuras emocionantes Paulo, o corujão _Textos fantásticos: O extraterrestre O mapa do Brasil A idade da pedra O cometa e a estrela As aventuras de uma moeda Fotografando Um pássaro diferente O sonho da lua Invenções malucas Imagine-se As aventuras de um pirata Se eu fosse um super-herói O anti-herói Bicho esquisito _Diálogos: Dialogando _História em quadrinhos: Conversa de jardim Um diálogo diferente Diálogos em quadrinhos _Poemas: Poema em código Poema enigmático Brincando com antônimos Poema cinético Rimas e rimas O nome O amor é... As estações
  • 11. No mundo da matemática Energia elétrica Frases e versos Poema com verbo _Biografia: Biografia Minha biografia Biografia de autores brasileiros ( Projeto LiterArte) _Receitas: Uma receita especial Uma receita diferente Criando cardápios _Textos jornalísticos: Trabalhando com jornal Notícia Escolhendo notícias Caixinha de manchetes Comentando a notícia O elefante Zulu O time do meu coração Reportagem Você é o repórter Jornal dos animais Texto de opinião Legendas Criando legendas Charge Criando charges _Textos publicitários: Propaganda Criando uma propaganda Propaganda de turismo Eleição da propaganda Classificados de jornal Anunciando Anunciando tudo Anúncios malucos Perdidos e achados _Textos com rótulos: Trabalhando com rótulos Rótulo maluco _Resumo: Resumo Meu programa favorito _Pesquisa: Pesquisa Pesquisando A vida de grandes personalidades
  • 12. Pesquisando sobre alimentos _Relatório: Relatório _Entrevista: Entrevista Entrevistando _Debate: Debate _Enquete: Enquete _Requerimento: Requerimento Requerimento de passe-livre para estudantes _Bilhetes: Bilhete em código _Carta: O correio Escrevendo cartas O envelope _Internet: Textos e Internet _Bibliografia: _ Bibliografia
  • 13. ( Geraldo Amaral e Renato Rocha ) Galo cantou, grilo grilou, Cachorro latiu, gato miou. O pato grasnou, a ovelha baliu, E o leão ? O leão rugiu! O pinto piou, a vaca mugiu. O peru grugrulhou, o porco grunhiu. Passarinho cantou, a cigarra zuniu. Papagaio falou... E a girafa? A girafa não fala! ( Geraldo Amaral e Renato Rocha ) Galo cantou, grilo grilou, Cachorro latiu, gato miou. O pato grasnou, a ovelha baliu, E o leão ? O leão rugiu! O pinto piou, a vaca mugiu. O peru grugrulhou, o porco grunhiu. Passarinho cantou, a cigarra zuniu. Papagaio falou... E a girafa? A girafa não fala!
  • 14. CURIOSIDADES SOBRE OS ANIMAIS: 1. O pica-pau pode dar cem bicadas por minuto numa árvore. 2. O beija-flor bate as asas noventa vezes por segundo, quatro vezes mais rápido que uma libélula. Ele voa de frente, de costas e até de ponta-cabeça. Procura néctar em 2 mil flores todos os dias. 3. Apesar do tamanho, o pescoço de uma girafa tem apenas sete ossos, o mesmo número de ossos do pescoço de um homem. A cabeça da girafa fica a mais de dois metros de distância do coração. Para fazer o sangue subir, o coração precisa ser muito forte. O coração da girafa é 43 vezes maior que o do ser humano. 4. Quando em perigo, os elefantes formam um círculo em que os mais fortes protegem os mais fracos. 5. Um camelo consegue beber 120 litros de água em dez minutos. Ele retém água para oito dias. Pode andar de 200 a 270 km por dia. As girafas e os ratos podem viver mais tempo sem água que o camelo. 6. O pavão macho possui duzentas penas longas e coloridas na cauda. 7. Um porco-espinho, tem em média, 30 mil espinhos. Ele é um excelente nadador porque os espinhos ajudam a flutuar. 8. A preguiça movimenta-se de noite e dorme de dia (mais de dezoito horas sempre). Tem um pescoço que pode virar até 180 graus. Assim, não precisa mexer o corpo para olhar o que está acontecendo ao seu redor. 9. Um avestruz mede de 1,80 a 2,50 metros de altura, o mesmo tamanho de um camelo. As girafas atingem sete metros, o mesmo que um prédio de dois andares. 10. De acordo com a espécie, uma centopéia pode ter de 28 a 354 patinhas.
  • 15. 1)O narrador do texto é alguém que conta a história de outra pessoa ou é narrador personagem? Como você descobriu isso? _________________________________________________________________________ _________________________________________________________________________ A LEBRE E A TARTARUGA No verão, a floresta fica mais alegre. O sol espanta a coruja que fecha os olhos e entra no toco mais cedo. A preguiça dorme entre as folhas. Os macacos balançam nos galhos, enquanto o tatu cava buracos para procurar raízes. Muito silenciosa, a tartaruga escuta o macaco dizer: - A lebre é o animal mais veloz da mata. Lá embaixo, o tatu responde: - Mas a tartaruga é mais resistente. Ela anda muito mais. A onça-pintada, que estava sentada à sombra, ouviu a conversa e disse: - Vamos ver quem é o melhor. Aquele que chegar primeiro no lago é o campeão da mata. - Será a lebre ou a tartaruga? Todos os bichos ficaram animados. A lebre saiu correndo. A tartaruga andava bem devagar. Arrastava o casco e parecia que não ia chegar. No meio do caminho, a lebre ficou cansada. Já estava tão longe da tartaruga que se deitou à sombra de uma árvore e dormiu um sono profundo. E foi assim que a tartaruga, com seu passo miúdo e lento, passou à frente da lebre. Chegou primeiro ao lago e foi beber água. MORAL: Quem corre cansa e devagar se vai ao longe. (Jean de la Fontaine. A lebre e a tartaruga. Editora Melhoramentos).
  • 16. ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ 2) O que você entendeu dessa história? __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ 3) Qual foi a surpresa no final da história? __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ 4) Leia e responda: “Quem ri por último ri melhor” a) O que você entende por essa frase? Ela tem alguma relação com o texto? __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ 5) Agora é sua vez! Crie uma linda poesia com base nesta fábula. Não se esqueça de ilustrar!
  • 17. OS TRÊS PORQUINHOS Era uma vez uma mãe porca, que tinha três porquinhos. Um dia , ela resolveu que chegara a hora de seus filhos conhecerem o mundo. Sendo assim, os três porquinhos se despediram da sua mãe , e partiram cada um por um caminho diferente. O primeiro porquinho se cansou de andar, fez uma casinha de palha e deitou-se para dormir. Chegou um lobo faminto e disse: - Abre a porta porquinho, ou soprarei com força e a tua casa derrubarei! O porquinho não abriu, o lobo então soprou com força , a casa se desmanchou e o porquinho correu para a casa de seu segundo irmão. O segundo porquinho também era um pouco preguiçoso . Quando ficou cansado, fez uma cabana de galhos e foi brincar com seu irmão. O lobo faminto chegou dizendo... - Abre a porta porquinhos ou soprarei , soprarei e tua casa derrubarei! Os porquinhos não quiseram abrir. Então o lobo soprou e soprou, derrubou a cabana e os porquinhos saíram correndo para a casa do terceiro irmão. O terceiro porquinho era muito trabalhador. Quando decidiu buscar um lugar para morar, construiu uma casa com tijolos e cimento . Novamente apareceu o lobo, e bateu na porta da casa do terceiro porquinho. - Abre ou soprarei , soprarei e tua casa derrubarei! - Podes soprar quanto quiseres – disse o porquinho - que não tenho medo! O lobo soprou e soprou com todas as suas forças até ficar vermelho , mas a casa não se mexeu nem um pouquinho. - Olha que vais ficar cansado – zombaram os porquinhos que estavam tranqüilos. O terceiro porquinho tinha feito um bom trabalho , e a casa era muito resistente. O lobo, astuto, subiu no telhado e desceu pela chaminé. Estava disposto a entrar na casa de qualquer forma. Porém, os porquinhos perceberam as intenções do lobo e destamparam o caldeirão com água fervendo que estava na lareira. O lobo caiu na panela e queimo-se com a água. Saiu em disparada e nunca mais voltou a aparecer.
  • 18. 1º DIA 1. PROBLEMATIZAÇÃO A) EXPLORAÇÃO DO TÍTULO B) LEITURA COM INFERÊNCIA E CHECAGEM : O PROFESSOR LÊ E PARA EM DETERMINADOS PONTOS, OUVE A RESPOSTA DOS ALUNOS. ANTECIPAÇÃO/ CHECAGEM PREDIZER O QUE VIRÁ NO TEXTO E SEU SIGNIFICADO CONHECIMENTO DO LEITOR DETERMINA POSSIBILIDADES DE FAZER INFERÊNCIAS CHECAGEM - ESTRATÉGIA DE CONFIRMAÇÃO INFERÊNCIA DESCOBRIR , CAPTAR O QUE NÃO ESTÁ EXPLÍCITO NO TEXTO. CONHECIMENTO E VISÃO DE MUNDO DETERMINAM POSSIBILIDADES DE FAZER INFERÊNCIAS C)- LEITURA ORAL PELO PROFESSOR: NESTA ETAPA OS TEXTOS SÃO ENTREGUES PARA OS ALUNOS. ANTES DE DIZER QUE ALGUÉM NÃO É CAPAZ DE COMPREENDER UM TEXTO, É PRECISO CONSIDERAR: SE ELE CONHECE OS RECURSOS LINGUÍSTICOS AÍ UTILIZADOS. SE COMPARTILHA COM O PRODUTOR O CONHECIMENTO DE MUNDO QUE ESTE PÕE EM AÇÃO NO TEXTO. SE ELE TEM INFORMAÇÕES SUFICIENTES SOBRE A SITUAÇÃO. SE O TEXTO EM QUESTÃO DEPENDE DE OUTROS TEXTOS(INTERTEXTUALIDADE) D) LEITURA ORAL PELOS ALUNOS ( LEITURA COMPARTILHADA ) UM ALUNO LÊ ,OUTRO CONTINUA. PEDE-SE QUE ALGUÉM LEIA UM DETERMINADO PARÁGRAFO. E) LEITURA SILENCIOSA INDIVIDUAL O ALUNO VAI LER E MARCAR AS PALAVRAS DESCONHECIDAS POR ELE. O PROFESSOR APÓS TER SIDO MARCADAS ESSAS PALAVRAS, PEDE AOS ALUNOS QUE COPIEM NO CADERNO COMO NO EXEMPLO A SEGUIR: EX: 2. LER E MARCAR AS PALAVRAS DESCONHECIDAS NO TEXTO EXEMPLOS: FAMINTO CABANA DECIDIU ZOMBARAM TRANQUILOS ASTUTO DISPOSTO INTENÇÕES LAREIRA 3. O QUE VOCÊ ACHA QUE SIGNIFICAM ESSAS PALAVRAS? COPIE O SIGNIFICADO QUE VOCÊ IMAGINA NA FRENTE DA PALAVRA. 2º DIA ESTUDO DO VOCABULÁRIO AS PALAVRAS ANOTADAS NO DIA ANTERIOR SERÃO PROCURADAS NO DICIONÁRIO E SERÃO ANOTADOS OS SEUS SIGNIFICADOS. 1. TRABALHANDO COM O DICIONÁRIO A) O QUE DIZ O DICIONÁRIO: AS PALAVRAS ANOTADAS NO DIA ANTERIOR SERÃO PROCURADAS NO DICIONÁRIO. ESTAS PALAVRAS EU NÃO ENTENDI, MAS AGORA DESCOBRI O SIGNIFICADO DELAS: FAMINTO CABANA DECIDIU ZOMBARAM TRANQUILOS ASTUTO DISPOSTO INTENÇÕES LAREIRA B) TROQUE A PALAVRA ASSINALADA NA FRASE, PELO SIGNIFICADO ENCONTRADO NO DICIONÁRIO: O LOBO FAMINTO DISSE. O LOBO DERRUBOU A CABANA DE GALHOS.
  • 19. O TERCEIRO PORQUINHO DECIDIU CONSTRUIR UMA CASA COM TIJOLOS. OS PORQUINHOS ZOMBARAM DO LOBO. C)TROQUE A PALAVRA ASSINALADA NA FRASE, PELO SEU ANTÔNIMO: D) FORME FRASE COM AS PALAVRAS: ASTUTO LAREIRA DISPOSTO 2. INTERPRETAÇÃO ORAL: AS PERGUNTAS DA INTERPRETAÇÃO ESCRITA SERÃO FEITAS ORALMENTE, ANTES DE SEREM PASSADAS NA LOUSA: E) INTERPRETAÇÃO ESCRITA 1- QUAL É O TÍTULO DO TEXTO? ............................................................................................................................................................................. 2- QUAIS OS PERSONAGENS QUE APARECEM NO TEXTO? ............................................................................................................................................................................. 3- ESSE TEXTO É: ( ) POESIA ( ) PARLENDA ( ) RECEITA ( ) CONTO 4- A MÃE PORCA RESOLVEU QUE: ( ) SEUS FILHOS DEVERIAM CONHECER O MUNDO ( ) SEUS FILHOS DEVERIAM CONSTRUIR CASAS ( ) SEUS FILHOS DEVERIAM IR VISITAR A VOVÓ ( ) SEUS FILHOS DEVERIAM IR VER OS PRIMOS 5- O PRIMEIRO PORQUINHO FEZ SUA CASA DE : ( ) MADEIRA ( ) TIJOLOS ( ) PALHA ( ) LONA 6- O SEGUNDO PORQUINHO FEZ SUA CASA DE ..................................................................................... 7- O PORQUINHO QUE CONSTRUIU UMA CASA DE TIJOLOS E CIMENTO FOI: ( ) O PRIMEIRO ( ) O SEGUNDO ( ) O TERCEIRO ( ) O QUARTO 8- “ABRE OU SOPRAREI E TUA CASA DERRUBAREI”. ESSA FRASDE É DITA: ( ) PELO PORQUINHO ( ) PELO LOBO ( ) PELA MÃE PORCA 9- O QUE ACONTECEU COM O LOBO DEPOIS QUE ELE SUBIU PELA CHAMINÉ? ............................................................................................................................................................................. GRAMÁTICA CONTEXTUALIZADA 1) EM “...DEPOIS OS LEVAREMOS À MATA E LÁ OS ABANDONAREMOS.” , OS TERMOS SUBLINHADOS REFEREM-SE : A) À MADRASTA B) AOS PAIS DE JOÃO E MARIA C) A JOÃO E MARIA D) À BRUXA E À MADRASTA 2)- “ ... NO DIA SEGUINTE DEU-LHES UM PEDAÇO DE PÃO VELHO...” , A PALAVRA GRIFADA É : A) ADJETIVO B) SUBSTANTIVO C) PRONOME
  • 20. D) VERBO 3) “ ...A BRUXA QUERIA DEVORAR JOÃO...” A PALAVRA EM NEGRITO SIGNIFICA: A) ABANDONAR B) COMER C) DEVOLVER D) ENGORDAR 4) “ ... JOÃO MOSTRAVA UM OSSINHO DE GALINHA ...”SE AS PALAVRAS EM DESTAQUE FOSSEM SEPARADAS AO FINAL DA LINHA ,COMO FICARIAM? A) OSSIN – HO , GALIN - HA B) OSS – INHO , GAL - INHA C) OSSI – NHO , GALIN - HA D) OS – SINHO , GALI - NHA 5) AS PALAVRAS: OUVIU, ENCHEU, MARCOU, CONSEGUIRAM, SÃO: A) SUBSTANTIVOS B) ADJETIVOS C) VERBOS D) PRONOMES 6) “AS CRIANÇAS ANDARAM MUITO QUANDO AVISTARAM UMA CASINHA...”, SE NOS REFERÍSSEMOS A APENAS UMA CRIANÇA , COMO IRÍAMOS ESCREVER ESSE TRECHO DO TEXTO: __________________________________________ 7) NO TRECHO “ ... DISSE A MADRASTA MALVADA ...”. SE ESTE TRECHO FOSSE ESCRITO NO MASCULINO , COMO ESCREVERÍAMOS? ___________________________________________ 8) “... A BRUXA COM RAIVA PEGOU A TOCHA ACESA, ABRIU A PORTA DO FORNO E ACENDEU....” , SE ESTE FATO AINDA FOSSE ACONTECER COMO FICARIA ESCRITO ESSE TRECHO DO TEXTO? __________________________________________ 9) NO TRECHO “ — MINHA MULHER, O QUE SERÁ DE NÓS? ” , O TRAVESSÃO INDICA O INÍCIO DA : A- FALA DE JOÃO B- FALA DA MARIA C- FALA DA MADRASTA D- FALA DO LENHADOR “ - HOJE EU VOU FAZER UMA FESTA MARIA , PONHA UM CALDEIRÃO COM ÁGUA PARA FERVER. É HOJE QUE EU VOU COMER ENSOPADO! ” 10) NO TRECHO QUE VOCÊ LEU APARECEM OS SEGUINTES SINAIS DE PONTUAÇÃO: A) TRAVESSÃO ,DOIS PONTOS,PONTO DE EXCLAMAÇÃO,RETICÊNCIAS,PONTO FINAL,HÍFEN B) PONTO DE INTERROGAÇÃO ,VÍRGULA,PONTO FINAL,HÍFEN C) TRAVESSÃO , VÍRGULA , PONTO FINAL, PONTO DE EXCLAMAÇÃO D) PONTO FINAL, VÍRGULA , HÍFEN,TRAVESSÃO ,DOIS PONTOS 11) A PALAVRA ÁRVORE RECEBE ACENTO: A- AGUDO. B- ASPAS. C- TIL D- CIRCUNFLEXO 12) A PALAVRA CHAMAVA-SE SE JUNTA POR MEIO DE : A- PONTO FINAL. B- ASPAS. C- HÍFEN D- VÍRGULA. 13) “... PONHA UM CALDEIRAO COM AGUA ...” “ ...PRENDEU JOÃO EM UMA JAULA PARA COME-LO...” NAS FRASES ACIMA, AS PALAVRAS EM NEGRITO NÃO FORAM ACENTUADAS. ASSINALE A ALTERNATIVA EM QUE TODAS ESTEJAM ACENTUADAS CORRETAMENTE:
  • 21. A- CALDEIRÃO, AGUÁ, COMÊ-LO B- CALDEIRAÕ , AGÚA , COMÉ-LO C- CALDEIRÃO , ÁGUA , COMÊ-LO D- CALDEIRÃO, ÃGUA , COMÊ-LO 14) “ QUANDO O PAI VIU AS CRIANÇAS FICOU MUITO CONTENTE ” , A PALAVRA GRIFADA ESTÁ ESCRITA COM LETRA MAIÚSCULA PORQUE: A- ESTÁ NO FINAL DA FRASE. B- ESTÁ NO INÍCIO DA FRASE. C- É UM NOME PRÓPRIO. D- É TÍTULO DO TEXTO 3º Dia: DITADO INTERATIVO O lobo faminto chegou dizendo... - Abre a porta porquinhos ou soprarei , soprarei e tua casa derrubarei! Os porquinhos não quiseram abrir. Então o lobo soprou e soprou, derrubou a cabana e os porquinhos saíram correndo para a casa do terceiro irmão. TEXTO INSTRUCIONAL CONSTRUÇÃO DE UM COFRE EM FORMA DE PORQUINHO COM MATERIAIS DIVERSOS − Veja como construir um cofre em forma de porquinho. *Use uma garrafa, vazia e limpa, de água ou produto de limpeza, para fazer o corpo. *Faça um corte na garrafa, para passar as moedas. *Use papelão para fazer as orelhas. *Use botões para fazer os olhos. *Use tampinhas ( ou potinhos de filme ou carretéis), para fazer as pernas. *Use mola ou um pedaço de espiral de caderno usado, para fazer o rabo. *Para finalizar, faça uma pintura ou cole algum enfeite. ADIVINHA TEM LOMBO DE PORCO TEM ORELHA DE PORCO TEM COSTELA DE PORCO MESMO ASSIM NÃO É PORCO?
  • 22. ........................................... ( FEIJOADA) O QUE É, O QUE É? UMA IRMÃ É DE METAL E O PARAFUSO SEGURA. A OUTRA É BICHO DE FAZENDA QUE DÁ CARNE E DÁ GORDURA. ..............................................( A PORCA E O PORCO) CONVITE O PORQUINHO MAIS VELHO VAI FAZER ANIVERSÁRIO E RESOLVEU CONVIDAR SEUS AMIGOS PARA SUA FESTA. VEJA: 1- QUE TIPO DE TEXTO É ESSE?....................................................................................... 2- PARA QUE SERVE ESSE CONVITE?............................................................................. 3- QUEM É O ANIVERSARIANTE?..................................................................................... 4- QUEM É O CONVIDADO?................................................................................................................. - AGORA , INVENTE AS INFORMAÇÕES QUE FALTAM E COMPLETE O CONVITE COMO SE FOSSE SEU ANIVERSÁRIO: TEXTO POÉTICO
  • 23. QUARTA-FEIRA ALMOÇO LANCHE JANTAR ARROZ CACHORRO-QUENTE SOPA FEIJÃO PÉ-DE-MOLEQUE BIFE SUCO SALADA _______________________ INFORMAÇÃO NUTRICIONAL 100g de milho contém: Proteínas 2,7g Gorduras 1,0g Sal 0,9g Carboidratos 13,6g Energia 74Kcal ______________________ Produzido por Peso Líquido 500g Bom Sabor S.A. Peso Líquido 500g Estrada do Milharal,100 CUIDADO PORQUINHO Porquinho, porco, porcão por que vive focinhando com o focinho no chão? Porquinho, porco, porcão vai ficando tão redondo que lhe passam um facão. (Maria Célia Bueno. Misturando Versos. Vigília,986) TEXTO PRÁTICO - CARDÁPIO DEPOIS QUE FICARAM LIVRES DO LOBO MAU , OS PORQUINHOS RESOLVERAM MONTAR UM RESTAURANTE. VEJA OS PRATOS QUE ELES IRÃO SERVIR: *Imagine que você tenha sido convidado a criar um cardápio par um restaurante. Antes de pensar nos pratos e seus preços, você terá que escolher o tipo de estabelecimento, para poder inventar um cardápio adequado. Pode ser um restaurante vegetariano, uma lanchonete, um restaurante italiano etc. *Depois de definido o tipo de restaurante , faça uma lista das opções de pratos e bebidas que ele poderá oferecer. *Se quiser, faça uma pesquisa de preços para que o cardápio pareça bem real. *Crie um visual interessante, recortando figuras de pratos para ilustrar seu cardápio, e dê um nome apropriado para seu restaurante ou lanchonete. TEXTO PRÁTICO – RÓTULO VEJA O RÓTULO DE UM DOS PRODUTOS QUE OS PORQUINHOS UTILIZAM NO PREPARO DAS RECEITAS. 1- ESSE RÓTULO É DE QUE PRODUTO?....................................................................... 2- EM QUE RECEITAS VOCÊ ACHA QUE ESSE PRODUTO PODE SER USADO?..................................................................................... 3- PODEMOS COMER ESSE PRODUTO DO JEITO QUE ELE VEM NA LATA?................
  • 24. PROCURAM-SE BOA RECOMPENSA PARA QUEM CAPTURAR ESSES TRÊS PORQUINHOS. 4- CONTORNE NO RÓTULO, O NOME DA EMPRESA QUE ENLATA O PRODUTO. 5- QUAL O PESO DO PRODUTO?................................................ 6- INVENTE UM NOME E AS CARACTERÍSTICAS DE UM PRODUTO ALIMENTÍCIO. FAÇA UMA PROPAGANDA , EXALTANDO SUAS QUALIDADES. HISTÓRIA EM QUADRINHOS TEXTO PRÁTICO – ANÚNCIO O LOBO ESTAVA FURIOSO À PROCURA DOS TRÊS PORQUINHOS. VEJA O CARTAZ QUE ELE ESPALHOU PELO BOSQUE:
  • 25. 1- O QUE OS TRÊS PORQUINHOS TERIAM FEITO COM O LOBO PARA ESTAREM SENDO PROCURADOS ? O PORQUINHO “PRÁTICO” QUANDO FOI CONSTRUIR SUA CASA , FOI ATÉ UMA LOJA DE MATERIAL DE CONSTRUÇÃO PARA COMPRAR OS MATERIAIS QUE PRECISAVA. ELE PAGOU SUA CONTA COM UM CHEQUE, VEJA: 520,00 (QUINHENTOS E VINTE REAIS)-------------------------//----------- --------------------------------------------------------------------------//-----------------------------------------------------//------------------------------------------- CONSTRUÇÃO DOS SONHOS – MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO----------------//----- REINO ENCANTADO 21 AGOSTO 2007 PORQUINHO PRÁTICO O CHEQUE É USADO PELAS PESSOAS PARA PAGAR CONTAS E PARA COMPRAR MERCADORIAS, EM SUBSTITUIÇÃO AO DINHEIRO. ELE TAMBÉM É UTILIZADO PARA RETIRAR DINHEIRO DO BANCO. * OBSERVANDO O CHEQUE DO PORQUINHO RESPONDA: 1- NOME DO BANCO:--------------------------------------------------------------------- 2- NÚMERO DO CHEQUE:--------------------------------------------------------------- 3- CIDADE ONDE O CHEQUE FOI USADO:------------------------------------------------------------ 4- NOME DO ESTABELECIMENTO QUE RECEBEU O CHEQUE:---------------------------------- 5- VALOR DO CHEQUE:------------------------------------------------------ 6- NOME DA PESSOA QUE ASSINOU O CHEQUE:-------------------------------------------------- 7- A ASSINATURA DO CHEQUE SERVE PARA: ( ) DEVOLVER O CHEQUE EM CASO DE PERDA ( ) GARANTIR QUE SÓ O DONO USE O DINHEIRO DA CONTA BANCÁRIA ( ) IDENTIFICAR DE QUEM É O CHEQUE 8-A QUANTIA NO CHEUQE É ESCRITA: ( ) COM LAGARISMOS ( ) COM PALAVRAS ( ) COM ALGARISMOS E COM PALAVRAS 9- IMAGINE QUE VOCÊ FEZ UMA COMPRA E VAI PAGAR USANDO UM CHEQUE, PREENCHA- O: Emitente ____________________ Endereço ___________________ __________________________ C.G.G.- CPF - RG __________________________ _ _________________ _
  • 26. APÓS PAGAR A CONTA COM SEU CHEQUE, O PORQUINHO “ PRÁTICO” PEDIU UM RECIBO DO PAGAMENTO PARA MOSTRAR À SUA MÃE. VEJA: AGORA QUE VOCÊ JÁ LEU O RECIBO QUE O PORQUINHO RECEBEU , PREENCHA UM RECIBO, COMO SE VOCÊ TIVESSE EFETUADO A VENDA DE ALGUM BRINQUEDO. RECIBO Para maior clareza firm_o____ o presente RECIBO Para maior clareza firm_______ o presente
  • 27. O PORQUINHO “ HEITOR” FEZ SUA CASA DE MADEIRA. MAS ELA DESABOU, ENTÃO ELE RESOLVEU ESCREVER UMA CARTA PARA O COMERCIANTE QUE LHE VENDEU A MADEIRA. Cidade dos Encantos, 21 de agosto de 2007 Ao Senhor Fred Flinstones Prezado senhor, Comprei neste estabelecimento comercial Cons- trução dos Sonhos , no dia 18 de agosto de 2007. Assim que construi a casa o lobo a derrubou. Desta forma, solicito a troca das madeiras ou a devolução do dinheiro gasto na compra dessa mercadoria , pois afinal o sopro do lobo não foi tão forte assim! Esperando contar com o respeito que o consu- midor merece, aguardo resposta pelo telefone 5525- 0101 ou no Reino Encantado. Porquinho Heitor
  • 28. A borboleta e a tartaruga Liliana Iacocca Era uma manhã ensolarada e a velha tartaruga, que vivia na lagoa há mais de cem anos, saiu para tomar sol. Procurou um cantinho na margem, se ajeitou vagarosamente e lá decidiu ficar no maior sossego. Naquela mesma hora, uma borboleta, que tinha acabado de nascer, apareceu por lá, batendo apressadamente as asas. Toda agitada, olhando para tudo quanto é lado, sem saber por onde começar. — O que será aquilo? — pensou a borboleta quando viu a tartaruga. E imediatamente pousou sobre ela. — Pronto! Eu sabia que este meu sossego não ia durar! — reclamou a tartaruga. — Xô! Xô! Vai incomodar outra! Se você não consegue ficar um minuto parada, deixa em paz quem quer ficar tranqüila no canto dela! — Mas quem é você? — perguntou a borboleta. Não está vendo que eu sou uma tartaruga? — Que horror! — gritou a borboleta. — Fui pousar logo em cima do bicho mais parado que existe no mundo. Que horror! E foi embora do jeito que tinha chegado. — Que bicho irritante! — pensou a borboleta. — Eu não sei como alguém pode ficar a vida toda parada com tanta coisa para se ver. — Que bicho irritante! — pensou a tartaruga. — eu não entendo como alguém pode se mexer o tempo todo, sem ter um pingo de sossego. E enquanto a borboleta voava, a tartaruga encolheu a cabeça e ficou onde estava. — Que linda flor! Como é bonita aquela amarela! E a vermelha também! Você é uma árvore? Bom dia, passarinho! Vou correr atrás da abelha... Olha eu no espelho da lagoa!...
  • 29. — Para que sair daqui se o calor do sol está tão gostoso? — pensou a tartaruga. E assim o dia foi passando, e a tartaruga no canto dela pensava: — Nada melhor do que uma boa dormida depois de um dia longo como este. — Nossa! Já está anoitecendo e eu não vi quase nada! — pensou a borboleta. — Como o dia foi curto! Quando a noite chegou, a tartaruga decidiu ficar onde estava mesmo e só voltar para a lagoa no dia seguinte. E a borboleta, surpreendida pela escuridão, procurou um lugar para ficar. — Vou pousar nesta pedrinha — pensou a borboleta, e pousou sobre a tartaruga. — Que ventinho gostoso! — pensou a tartaruga quando sentiu a borboleta sobre ela. E fechou os olhos. Que pedra quentinha! — pensou a borboleta e dormiu. Naquela noite, a borboleta sonhou que era tartaruga e a tartaruga sonhou que era borboleta. A borboleta e a tartaruga. são Paulo, Ática, 1999. 1) Numere a 2ª coluna de acordo com a 1ª, relacionando as falas das personagens. ( 1 ) Borboleta ( 2 ) Tartaruga ( ) — O que será aquilo? ( ) — Que horror! ( ) — Pronto! Eu sabia que este meu sossego não ia durar! ( ) — Que linda flor! ( ) — Que ventinho gostoso! 2) Numere de 1 a 5 os acontecimentos de acordo com a ordem do texto. ( ) A borboleta voou admirando a natureza enquanto a tartaruga ficava quieta no seu canto. ( ) Uma borboleta nova, agitada, pousou na tartaruga. ( ) À noite, a borboleta pousou sobre a tartaruga e a sentiu quentinha e a tartaruga gostou do ventinho suave de suas asas. ( ) Uma velha tartaruga que vivia na lagoa, procurou um cantinho na margem e ficou no maior sossego. ( ) A tartaruga e a borboleta brigaram, uma reclamando da outra. 3) Marque com um (X) as características da TARTARUGA. ( ) nova ( ) agitada ( ) lenta ( ) velha ( ) sossegada ( ) esperta 4) Lendo o texto pode-se observar a duração (tempo) em que a história acontece. Marque a resposta certa.
  • 30. a) A história acontece em: ( ) uma semana ( ) um dia ( ) um mês b) Copie do texto expressões que podem comprovar a resposta acima. __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ 5) Você se considera mais parecido com a borboleta ou com a tartaruga? Explique sua resposta. __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ 8) É possível seres diferentes como a tartaruga e a borboleta, viverem juntos e se entenderem bem? Explique. __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ 9) Retire do texto: a) Três substantivos comuns que nomeiam seres. ________________________________________________________________________ b) Dois substantivos comuns que nomeiam um período de tempo. ________________________________________________________________________ c) Um verbo: 1ª conjugação: ____________________________ 2ª conjugação: ____________________________ 3ª conjugação: ____________________________
  • 31. O inventor e os meninos Gritos de horror se ouviam por toda parte. Muitas pessoas começaram a correr meio desorientadas, como se não soubessem o que fazer. Fugir ou procurar socorrer o aeronauta? Socorrer como? Seria possível... Nessa hora o balão se achava bem por cima de um campo,em cujo rumo Santos Dumont conseguiria conduzi-lo. O aeronauta viu alguns meninos empinando papagaios. Sem perder a calma, ele esperou que as pontas da corda tocassem o chão e gritou com toda a força para os meninos, que já o olhavam espantados. - Segurem a corda principal! Corram contra o vento! Façam como se este balão fosse um papagaio de papel! Os pequenos eram ativos. Fizeram no mesmo instante o que era preciso. O balão, arrastando contra o vento, foi caindo devagar. Algumas crianças tinham salvado da morte o grande inventor brasileiro! Renato Seneca Fleury. Santos Dumont. São Paulo, Ed Melhoramentos, s.d. Um dia Santos Dumont voava tranqüilo sem eu balão dirigível, sobre a cidade de Paris. Uma multidão aplaudia o inventor. De repente, o balão partiu-se ao meio e começou a murchar. Aconteceria um terrível desastre?
  • 32. Compreensão do texto: 1) Assinale a alternativa correta: a) As pessoas corriam e gritavam. ( ) de alegria ( ) de satisfação ( ) de horror b) O balão dirigível: ( ) fazia evoluções ( ) partira-se ( ) voava alto c) O dirigível sobrevoava: ( ) um estádio ( ) um campo de futebol ( ) uma casa d) Santos Dumont pediu ajuda. ( ) aos expectadores ( ) a polícia ( ) aos meninos 2) Faça a correspondência : Nessa hora o balão se achava bem por cima do campo. Nessa hora os __________________________________bem por cima do campo. 3) Em que tempo está o verbo sublinhado? a) Ele esperou que as pontas da corda tocassem o chão. b) OS meninos olhavam espantados. c) Aconteceria um terrível desastre. 4) Responda: a) Qual é o assunto principal do texto? b) Quem dirigia o balão? c) Como foi salvo o grande inventor? O passeio a Santos Sra. Leonardo Dupré Sábado chegou. Um sábado cheio de sol, canto de pássaros nas árvores e alegria. A cesta de almoço estava pronta desde a véspera. E que delícia. Vovó tinha feito bolos, frangos assados, sanduíches de queijo com bastante manteiga e mais coisas ainda. Vera e Lucia nem dormiram bem de sexta para sábado; seus pensamentos se dividiam entre o mar e a cesta de almoço – não sabiam qual seria melhor. Mal chegou o dia e já todos estavam de pé, preparando-se para partir; na frente ia papai com as duas meninas e mamãe. Atrás iam vovó, vovô e Brasa; Brasa estava contentíssima. O automóvel foi correndo pela estrada afora, de vez em quando um dizia: - Olhe as árvores roxas. Que beleza! E outro falava: - Que linda manhã! Vai ser um ótimo dia! Quando foram chegando à praia, Vera e Lúcia ficaram de pé no automóvel para avistar logo o mar; quando viram aquele mundo de água azul que parecia mesmo não ter fim, ficaram olhando espantadas. Depois Lúcia disse:
  • 33. - Nossa! Como é grande este mar! Interpretação do texto: 1) Responda: a) Em que dia foi o passeio a Santos? b) Como estava o dia? c) Quantos personagens são citados no texto? d) Em que Vera e Lúcia dormiram pensando? e) O que vovó havia preparado para a merenda? 2) Destaque do texto uma frase que demonstre que eles estavam apreciando a paisagem 3) Compete: a) O texto demonstra que as crianças não conheciam o _______________________ b) Santos fica no litoral de _________________________________ Um gato de nome Faro-Fino deu de fazer tal destroço na rataria duma casa velha que os sobreviventes, sem ânimo de sair das tocas, estavam a ponto de morrer de fome. Tornando-se muito sério o caso, resolveram reunir-se em assembleia para o estudo da questão. Aguardaram para isso certa noite em que Faro-Fino andava aos mios pelo telhado, fazendo sonetos à lua. ––Acho, disse um deles, que o meio de nos defendermos de Faro- Fino é lhe atarmos um guizo ao pescoço. Assim que ele se aproxime, o guizo o denuncia e pomo-nos ao fresco a tempo. Palmas e bravos saudaram a luminosa ideia. O projeto foi aprovado com delírio. Só votou contra um rato casmurro, que pediu a palavra e disse: ––Está tudo muito direito. Mas quem vai amarrar o guizo no pescoço de Faro-Fino? Silêncio geral. Um desculpou-se por não saber dar nó. Outro, porque não era tolo. Todos, porque não tinham coragem. E a assembleia dissolveu-se no meio de geral consternação. (Monteiro Lobato) Moral: Falar é fácil. Fazer é que são elas!
  • 34. 1) Todo texto é produzido com uma intenção: expressar um ponto de vista, apresentar informações sobre um assunto qualquer, etc.. Nessa perspectiva, o assunto principal do texto em estudo é: ( ) A esperteza; ( ) Uma casa velha; ( ) Um gato poeta; ( ) O medo. 2) Pelo modo como se aborda o assunto, pode-se dizer quanto à tipologia textual que o texto “Assembleia dos Ratos” é certamente: ( ) Uma fábula; ( ) Uma crônica; ( )Um conto; ( )Um artigo; 3) Adjetivo é uma palavra que caracteriza, qualifica os seres. O adjetivo, entre os citados abaixo, que caracteriza o rato que discordou da “luminosa ideia” é: ( ) Inteligente; ( ) Bravo; ( ) Casmurro; ( ) Animado; ( ) Malvado. 4) Na frase “Silêncio geral” (último parágrafo), a expressão destacada foi empregada no sentido de: ( ) Apresentar um fato real, acontecido entre animais; ( ) Os ratos caíram na realidade e ficaram frustrados; ( ) Os ratos mantiveram-se em silêncio para ouvir o rato casmurro falar; ( ) Os problemas difíceis não têm solução; ( ) Toda reunião (assembleia) exige silêncio geral. 5. Observe a expressão “...deu de fazer tal destroço na rataria...” (primeiro parágrafo). O item que serve de sinônimo para a palavra destacada é: ( ) Versos; ( ) Rataria; ( ) Roubalheira; ( ) Destruição; ( ) Sineta. 6) As sílabas da palavra “destroço” e “silêncio” estão corretamente separadas em: ( ) Des-tro-ço; si-lê-ncio; ( ) Des-tro-ço; si-lên-cio; ( ) De-str-oço; si-lê-ncio; ( ) Des-troç-o; si-lên-ci-o; ( ) Des-tro-ço; si-lê-nc-io.
  • 35. 7) A palavra “guizo” escreve-se com “z”. Qual das palavras abaixo está escrita corretamente? ( ) Avizo; ( ) Atrazo; ( ) Atravéz; ( ) Pouzada; ( ) Azia. REX em “Uma tarde no museu"
  • 36. a) No segundo quadrinho, a personagem diz que não sabe se foi uma boa levar o Rex ao museu. Quem é o Rex? ( ) O alienígena. ( ) O soldado. ( ) O esqueleto de dinossauro. ( ) O dinossauro. b) Rex aparece chorando no último quadrinho por que: ( ) não está gostando do museu. ( ) se assustou com o esqueleto do dinossauro. ( ) achou que o esqueleto era de seu avô falecido. ( ) discutiu com os amigos e ficou aborrecido. c) A amiga de Rex diz, no terceiro quadrinho, que Rex se emociona demais em museus. A palavra sublinhada está em negrito no balão por que:
  • 37. ( ) Rex tinha razões para se emocionar, mas exagerou quando chorou ao ver o esqueleto de um antepassado. ( ) Rex realmente não deveria se emocionar diante de situações difíceis. ( ) Seus amigos o acham “Demais!” de legal. ( ) Rex é muito curioso. 2) Leia o trecho da reportagem abaixo: a) No trecho “ Ousado e investigativo o Correio do Povo sempre mostrou numa linguagem muito clara...” as palavras destacadas qualificam: ( )A cidade do Rio de Janeiro. ( )O leitor. ( )O jornal. ( )Os jornalistas. 3)O texto acima tem a intenção de provocar risos, é um texto humorístico. O que torna o texto engraçado? ( ) O trovão que clareia o céu tornando o leão bonzinho. ( ) O desespero do turista frente a frente com o leão. ( ) A forma como o leão agradece a refeição. ( ) A atitude do leão ao agir como cristão. 4) Leia a tirinha e responda: eio do Povo” sempre mostrou numa linguagem muito clara, tanto com os assuntos da cidade, do país e do mun Agradecendo a Deus Um turista viaja para um safári na África. Durante a excursão na savana, se perde e acaba frente a frente com um leão feroz. Ao vê-lo avançando em sua direção, pede a Deus que um espírito cristão tome posse daquele leão. Nisto, ouve-se um trovão, seguido de um grande clarão no céu. O leão ajoelha-se diante do assustado turista e começa a rezar, dizendo: - Obrigado Senhor, por mais essa refeição! Fonte: Piadas e pára-choques nº1 – RDE – Revista das Estradas.
  • 38. ( ) Cebolinha estava correndo do coelhinho da Mônica. ( ) O coelhinho tomou rumo diferente de Cebolinha. ( ) Cebolinha achou que havia enganado o coelhinho. ( ) As setas ajudaram Cebolinha a fugir do coelhinho A raposa e as uvas
  • 39. Certa raposa esfomeada encontrou uma parreira carregadinha de lindos cachos maduros, coisas de fazer vir água na boca. Mas tão altos, que nem pulando. O matreiro bicho torceu o focinho: — Estão verdes - murmurou. — Uvas verdes, só para cachorros. E foi-se. Nisto, deu um vento e uma folha caiu. A raposa, ouvindo o barulhinho, voltou depressa, e pôs-se a farejar. Moral da História: Quem desdenha quer comprar. Monteiro Lobato. Fábulas. São Paulo, Brasiliense, 1991. 1) Responda: a) A raposa, ao pensar que as uvas estavam verdes disse que só serviriam pra cachorros. Por que ela cita cães e não qualquer outro animal? __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __b) Se a raposa desdenhou das uvas dizendo não querê-las mais, por que se volta rapidamente ao ouvir um barulho de algo caindo com o vento? __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ 2)Leia agora a versão da mesma fábula, só que escrita por Esopo. Observe que, embora ambas apresentem as mesmas idéias, a segunda é mais detalhada. Compare, nas duas versões, como são apresentados: • A personagem • O local • As ações da personagem • A reação da raposa, quando percebe que as uvas estão altas; • A reação da raposa, quando cai algo da árvore; • A fala da raposa. • A moral;
  • 40. 3) Assinale X nas principais mudanças encontradas nas fábulas de Esopo e de Monteiro Lobato: ( ) Esopo escreve de forma mais resumida, já Lobato procura ampliar um pouco mais as idéias da fábula; ( ) O jeito de escrever de Lobato facilita compreender melhor a fábula, pois seu texto dá mais detalhes sobre a história contada; ( ) Houve uma mudança de texto narrativo para texto poético; ( ) Aparecem mais adjetivos na versão de Lobato que descrevem a personagem e enriquecem o enredo; ( ) Embora hajam mudanças ( ) Embora hajam mudanças no jeito de contar de cada autor, os fatos narrados continuam os mesmos. 4) As fábulas sempre terminam com uma moral da história, isto é, com um ensinamento. Copie do texto o parágrafo que contém a moral da fábula de Esopo: 5) Qual das frases abaixo traduz a ideia principal da fábula de Esopo? Assinale a resposta correta: A Raposa e as Uvas Uma Raposa, morta de fome, viu, ao passar diante de um pomar, penduradas nas grades de uma viçosa videira, alguns cachos de Uvas negras e maduras.  Ela então usou de todos os seus dotes e artifícios para pegá-las, mas como estavam fora do seu alcance, acabou se cansando em vão, e nada conseguiu.  Por fim deu meia volta e foi embora, e consolando a si mesma, meio desapontada disse:  Olhando com mais atenção, percebo agora que as Uvas estão todas estragadas, e não maduras como eu imaginei a princípio. Autor: Esopo Moral da História:  Ao não reconhecer e aceitar as próprias limitações, o vaidoso abre assim o caminho para sua infelicidade.
  • 41. ____________________________________________________ ______________________________ ____________________________________________________ ____________________________________________________ ______________________________________________ __________________________________________________ ( ) Quem não tem, despreza o que deseja. ( ) A mentira tem pernas curtas. ( ) Quem não tem o que deseja, sente inveja dos outros. 6) Reescreva a história de acordo com os desenhos: ____________________________________________________ ____________________________________________________ ______________________________________________ ____________________________________________________ ____________________________________________________ ______________________________________________ __________________________________________________ ____________________________________________________ ____________________________________________________ ______________________________________________ ____________________________________________________ ____________________________________________________ ______________________________________________ __________________________________________________ ____________________________________________________ ____________________________________________________ ______________________________________________ ____________________________________________________ ____________________________________________________ ______________________________________________ __________________________________________________
  • 42. Resolvi botar um nome na rã. Para isso, convidei duas amigas vizinhas, dizendo que era para um batizado. Seria de tarde. Mamãe preparou uma torta de maçã e me amarrou o cabelo com uma fita branca, enorme. Naquele tempo, as meninas usavam sempre, nas festas, vestidos de organdi, que é um tecido fino, transparente, que espeta que é um horror. Nos cabelos, laços enormes, brancos, também. O sapato era de verniz preto, com meias brancas. Minhas amigas chegaram vestidas do mesmo modo, acompanhadas das mães, vestidas de escuro. Aí, eu trouxe a rã para a sala. Enfeitei a caixa de celulóide com flores, para ela ficar elegante. As mães, espantadas, olhavam para a rã. Explicaram que tinham entendido que era batizado de gente. Como as mães pensaram que era batizado de gente, a rã ganhou uma medalha de prata pra pendurar no pescoço e um santinho emoldurado, acho que não era santo, era anjo, pra pendurar em cima da cama. Mamãe, um pouco sem jeito, tentava explicar. Pensava que as mães sabiam que era brincadeira. Tentou devolver os presentes, aí eu chorei, dizendo que era de rã, ninguém tinha o direito de tirar! As senhoras foram conversar na varandinha, uma sacada pequenina. Nós fomos fazer o batizado. As duas meninas: Tereza e Glória, a empregada e a rã. Peguei a rã, esfreguei a cabeça dela com água salgada, dizendo: __ Rã, eu te batizo... Aí a Glória disse que precisava ter madrinha, padrinho e padre e que a rã tinha que ter um nome de batismo. A rã esperneava, detestando a cerimônia. Teresa pegou um barbante e tentava amarrar o santinho no pescoço da rã. Foi quando a rã, que parece que não queria ser
  • 43. batizada, escorregou da minha mão, deu vários pulos e caiu dentro do decote da dona Margarida, mãe de Teresa. Foi um berro só! – parece que as mães não gostam de rã dentro do decote – pensei, espantada. Parece que a rã também não gostou do decote de Dona Margarida, pulou pra fora e caiu no chão, com olhos arregaladíssimos. Fiquei danada com a rã, me atirei em cima dela, consegui pegar. Dona Margarida teve um pequeno ataque nervoso, foi preciso dar água com açúcar, bestagem de gente grande. (...) Escolhi o nome da rã, apesar de ser o padre. Teresa ficou danada, dizendo que era a madrinha quem escolhia o nome. Aí respondi que eu era o padre e era a mãe da rã, quem escolhia o nome era a mãe e quem batizava era o padre. Escolhi um nome lindo: Aurora. Silvia Orthof 1) Dê a sua opinião: a) Na sua opinião, qual é o fato mais engraçado da história? Por quê? ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ b) O que você achou da idéia da menina em preparar um batizado para o seu animal de estimação? Justifique a sua resposta. ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ 2) Copie do texto uma frase que mostra: a) Que a mãe da menina ajudou a filha a preparar o batizado: ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ b) Que a menina preparou a rã para o batizado: ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ 3) Faça o que se pede: a) Pinte a afirmativa correta, de acordo com o texto: Mães e meninas estavam vestidas da mesma maneira para o batizado.Mães e meninas estavam vestidas de modos diferentes para o batizado.
  • 44. b) Copie aqui , o trecho que comprova a afirmativa que você escolheu: ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ 4) Responda: a) Que atitude da dona Margarida mostra que ela não gostou da rã no seu decote? ________________________________________________________________________ ___________________________________________ ___________________________________________ ______________ b) Cite uma atitude das mães que comprovam essa afirmativa. ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ____________________________ c) A menina disse que ela é quem deveria escolher o nome da rã por dois motivos diferentes. Que motivos eram esses? ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ d) Qual foi o nome escolhido para a rã? _______________________________________________________________________ 5) Complete as palavras com S ou SS: a _____ obio sal ___ inha fal ___ idade atrave ____ ava descan ___ ar se ___ enta “Parece que as mães não gostam de rã dentro do decote”. “As mães pensaram que era batizado de gente...”
  • 45. 6) Leia a piadinha. Ela esta desorganizada e sem pontuação.Reescreva bem certinho em forma de diálogo: 7) Complete os quadros com palavra que sejam da mesma família: cidade sinal certo 8) Pontue corretamente o texto: 9) Complete as palavras com R ,RR,S ou SS, depois preencha o diagrama com as palavras separadas em sílabas: Cecília é simpática e inteligente___ Mas como falava___ Muito___ O tempo todo___ Sem parar___ Cecília___ pra resumir___ falava pelos cotovelos___ Deixava os pais tontos___ de tantas coisas que tinha pra contar e pra perguntar___ Cecília era um poço sem fundo___ ___Mãe___ você sabe da última lá da escola___ A Júlia falou pra Ana___ que contou pra Helena___ que___ Um dia a mãe de Juquinha estava se arrumando pra sair O menino chegou e disse Manhê por que você se pinta tanto Pra ficar bonita Juquinha Então por que não fica guel___a hon___ ado ca ___ oça pen___ão pul _____ eira diver____ ão
  • 46. 10) Continue colocando a vírgula onde for necessário. MEU AMIGO ÍNDIO Chamo-me Maximiliano Couto e tenho 9 anos. Estou cursando a 3ª série na Escola Municipal Tiradentes, que fica perto da minha casa. Certo dia, numa aula de História, a professora falou sobre os índios, suas crenças e seus costumes. Ela disse que muita gente da cidade O cartunista é o profissional que faz desenhos animados tirinhas e charges. Eles costumam trabalhar em jornais revistas e na tevê. Os peixes são capazes de distinguir os sabores amargo salgado azedo e doce Se eu pudesse levaria você comigo Silmara. Quatiguá 26 de abril de 2010.
  • 47. acreditava na existência de índios numa mata que fica cerca de 1 quilômetro da escola. Disse também que não deveríamos nos aproximar da mata, porque as informações não eram precisas e não sabíamos o que poderíamos encontrar. Fiquei pensando por vários dias se realmente existiria índios naquela mata, e, quanto mais pensava, mais aguçava minha vontade de ver um índio pessoalmente. Numa tarde, ao invés de ir para a escola, segui em direção à mata. Ao chegar, deparei com uma mata fechada, o que me surpreendeu. Fiquei parado, observando e pensando se realmente haveria alguém vivendo ali, em meio a tantas árvores. Depois de muito observar, avistei uma pequena abertura, comecei a me aproximar e encontrei uma trilha. Relutei um pouco antes de seguir e comecei a andar por aquele estreito caminho cercado por grandes árvores e muita vegetação. Andei aproximadamente 30 minutos, até que cheguei a uma clareira. Parei ali e me assentei para descansar, olhando tudo à minha volta. Só ouvia o cricrilar dos grilos e o canto de uma cigarra. Comecei a sentir medo e uma vontade grande de voltar para casa. Levantei-me para pegar novamente a trilha e sair, quando, de repente, surgiu na minha frente um indiozinho com uma lança na mão. Fui tomado de pânico e, sem saber o que iria me acontecer, comecei a pedir-lhe:  Não faça nada comigo! Sou amigo! Não vim lhe fazer mal! Só queria ver um índio. Por favor! Minha mãe não sabe que estou aqui!  Calma! Calma! Por que você está tão assustado? Não vou lhe fazer mal! Está pensando que sou índio canibal?
  • 48.  Não, não é isso! É que nunca tinha visto um índio e não sabia como você ia reagir.  O que você veio fazer na mata? Qual é o seu nome?  Chamo-me Max. Vim para ver se realmente existiam índios vivendo aqui. Então é verdade mesmo!  Sim, vivemos numa pequena aldeia no centro da mata.  Como é o seu nome?  Meu nome é Cauã. Fiquei muito tempo conversando com Cauã. Queria saber tudo sobre ele e nem percebi que a noite estava chegando.  Puxa! Já está escurecendo e preciso voltar para casa. E agora, como faço para sair daqui?  Não se preocupe, vou levá-lo até a saída da mata.  Você conhece bem esta mata, não é Cauã?  Sim, vivo aqui desde que nasci, e nada nessa mata é segredo para mim. E Cauã me conduziu, até que avistei a saída.  Agora você pode ir, Max. E não volte aqui sozinho, pois é muito perigoso!  Obrigado, Cauã. Posso chamá-lo de amigo?  Pode sim. E seja sempre um menino obediente.  Está bem, amigo, ouvirei o seu conselho. Tchau!... Solange Valadares 1) Responda de acordo com o texto: a) O que o menino ficou pensando por vários dias? b) Que atitude Max tomou? c) O que ele encontrou pela frente? ____d) Qual foi a reação de Max ao deparar com um índio? e) O que Max aprendeu com o índio? 2) Dê a sua opinião: a) Você acha que Max agiu corretamente ao entrar na mata sozinho? Por quê?
  • 49. ______________________________________________________________ ______________________________________ ______________________________________ ______________________________ 3) Retire do texto o que se pede: • Uma palavra som SS: ___________________ • Uma palavra som S no final: ______________ • Uma palavra com S entre vogais: __________ • Uma palavra com mais de 4 sílabas: 3) Leia o texto e copie as palavras destacadas na coluna certa: Eu vi uma arara vermelha com pitangas nas orelhas. Eu vi uma cobra jararaca engolindo uma jaca. Eu vi uma onça-pintada se coçando com a espingarda. Sérgio Caparelli. Tigres no quintal (trecho). Porto Alegre, Kuarup, 1989, p. 64 1 sílaba 2 sílabas 3 sílabas 4 sílabas
  • 50. 4) Escreva o nome das figuras e separe as sílabas. 5) Ordene as sílabas e escreva o nome dos animais.
  • 51. 6) Um aluno do 1.º ano errou seis palavras no ditado. Descubra quais são elas e marque. a) Reescreva as palavras que o aluno errou sem cometer as mesmas falhas: 7) Descubra a sílaba que completa as palavras abaixo. Atenção: A sílaba que você vai completar é a sílaba tônica da palavra e todas devem ter acento agudo ou acento circunflexo. 8) Organize as palavras do quadro nas colunas abaixo, seguindo o modelo. Lembrando do S inicial, no meio da palavra e final: escolaridade – tênis – sincero – parabéns - cosmético – sábado – masculino – pensamento – sonda – temos – sumiço - flores sincero escolaridade tênis QUI NA RE GIO NI BUS GUA RA A BOLEO RA
  • 52. 9) Marque as alternativas em que o Ç foi usada corretamente: 10) Observe a tirinha e faça o que se pede: a) Escreva os nomes das coisas que as crianças pediram e pinte a sílaba tônica de cada palavra: O sono dos bichos O gato adora dormir, especialmente se tiver um lugar quente e confortável. Ao sol está ótimo. paçoca çerveja paláçio palhaço paçiente açúcar biçicleta esforço
  • 53. Se deixarem, ele pode dormir muito mais do que a gente. Ele se enrola sobre si mesmo, apóia ou esconde a cabeça, fecha os olhos e nem se importa com o que acontece ao seu redor. Mas, de vez em quando, mesmo dormindo, ele mexe as pequenas orelhas, as patas, os olhos e faz barulhos esquisitos com a boca, como se estivesse sonhando e miando no meio do sonho. E não é que está sonhando mesmo! É evidente que está – sabe-se lá com o quê! (Texto adaptado da revista Ciência Hoje das Crianças) 1) Onde o gato gosta de dormir? 2) Como a gente sabe se o gato está sonhando? 3) Retire do texto o que se pede: a) Três substantivos simples: b) Um adjetivo: 4) Complete o diálogo a seguir utilizando os sinais de pontuação do retângulo abaixo: 5) Agora, coloque as palavras abaixo em ordem alfabética, observando que as letras iniciais não são iguais: felicidade – fábrica – fogueira – figo
  • 54. Os três porquinhos e o lobo Lalau Era uma vez um lobo que vivia sossegado na sua floresta. Chamava-se Lalau e alimentava-se de frutas, mel de abelhas e néctar de flores. É verdade que os lobos são carnívoros, mas Lalau era um lobo diferente. Era capaz, por exemplo, de ficar uma tarde inteira conversando com passarinhos. Ele perguntava aos passarinhos como estava o tempo lá em cima, se fazia mais frio do que aqui embaixo, se ventava muito, essas coisas sem importância que ninguém se lembra mais de perguntar aos passarinhos. E assim corria a vida na floresta. Lalau era um lobo feliz. Também os outros animais eram felizes, porque podiam conversar à vontade. Mas um dia chegaram os três porquinhos, gritando alto e fazendo arruaças. Muitos bichos fugiram, assustados com tanta gritaria, mas Lalau, que era bom e paciente, ficou para receber os novos habitantes da floresta. Quando os três porquinhos viram o lobo, abriram muito os olhos e começaram a tremer de medo. -Ih, um lobo! – gritou Palhaço, que queria construir uma casa de palha. -É mesmo, um lobo – gemeu Palito, que pretendia fazer uma casa de pau. -Ora, não passa de um lobo velho – resmungou Pedrito, que pensava em fazer uma casa de pedra. E, isso dizendo, jogou um tomate podre na cara de Lalau. Lalau ficou muito triste, mas, mesmo assim, ele teve paciência. Depois de limpar a cara, ele olhou bem firme para os três porquinhos e disse: -Sejam bem-vindos. Sejam bem-vindos. Pedrito fez uma careta feia e virou as costas. Ele não gostava de lobo. Mas Palhaço, que era muito atrevido, chegou perto de Lalau e puxou-lhe os bigodes. Lalau gritou de dor e uma lágrima rolou pelo seu negro focinho. Encorajado pelo atrevimento de Palhaço, palito deu um nó no rabo de Lalau, que, aí sim, começou mesmo a chorar. Como eram maus os três porquinhos! Desde esse dia, Lalau passou a ser um lobo triste. Muitas vezes era visto andando pela floresta, protegido pela escuridão da noite. Ele levantava o focinho, olhava para a Lua e uivava como os mais terríveis lobos da Floresta Negra. Estava tão abatido que Aristóteles, a coruja, ficou com pena dele e reuniu o Conselho dos Animais. Este só se reunia em ocasiões muito importantes. Reunia-se, por exemplo, quando pegava fogo na floresta, quando um bicho brigava com outro, quando chegavam os homens para derrubar as árvores. Mas ele podia ser convocado, também, quando um dos bichos andava triste, pois a ordem naquele tempo era ser feliz. E Lalau não era feliz. -Isso não pode continuar assim – disse Aristóteles para os outros animais. -É mesmo, não pode – disse Lalau com lágrimas no canto do olho. – Eu queria tanto ser amigo dos porquinhos. Depois de muita discussão, os animais decidiram eleger uma comissão de representantes para conversar com os três porquinhos. Foram escolhidos três bichos honestos e pacíficos: Hércules, a tartaruga, Genoveva, a lesma e Andrômaco, o caracol. E lá foram eles em busca dos porquinhos. Hércules, a tartaruga, disse para Pedrito que Lalau era um lobo calmo e bom. Genoveva, a lesma, disse que Lalau era até poeta, pois andava escrevendo uns sonetos em homenagem ao pôr-do-sol. Andrômaco, o caracol, disse que Lalau era mesmo um artista. Tinha, na sua casa, um ateliê de pintura e uma flauta, na qual tocava polcas e valsas vienenses.
  • 55. Pedrito, muito desconfiado, como sempre, disse que não podia acreditar naquilo. Mas, depois de muita conversa, os três concordaram em fazer uma visita a Lalau. E assim, vestiram suas melhores roupas e lá foram à procura do lobo. O lobo estava numa caverna da estrada, alegre e sorridente. Pedrito falou: -Oi, Lalau, Lalá-uuu. E Lalau disse: oi. -Nós gostamos de você – gaguejou Palhaço. -É, gostamos sim. – repetiu Palito. O lobo ficou olhando meio de lado, e estendeu as suas mãos peludas para os porquinhos. -Oh, como estou feliz – disse, arregalando os dentes. – Aproximem-se, aproximem-se. Pedrito, cada vez mais desconfiado, foi se aproximando devagarinho, mas, de repente, viu que Lalau tinha nos olhos um brilho estranho e mau. -Fujam, fujam! – gritou ele para os dois irmãos. E eles fugiram, gritando sem parar. Lalau, com os dentes arregalados, foi correndo atrás. Afinal, desde que os lobos são lobos que eles gostam terrivelmente de carne de porquinhos gordos. Até hoje os animais da floresta não entenderam essa história. Aristóteles teve de reunir outra vez o Conselho dos Animais, desta vez para declarar o lobo “Inimigo Público número 1” dos animais pacíficos. -Esse lobo é um neurótico – comentou Hércules, a tartaruga, envergonhada de ter participado da comissão de aproximação entre Lalau e os três porquinhos. -É, ele não passa de um traidor – disse Genoveva, a lesma. No meio da floresta, escondido entre as folhas, Lalau, o lobo, observava tudo. Ele olhava para os lados com um risinho muito maldoso no canto do focinho. -Um dia eu pego esses porquinhos – dizia Lalau, mostrando os dentes – nem que tenha de derrubar o mundo inteiro. E desde então, Lalau nunca mais foi bom. (Fonte: EMEDIATO, Luiz Fernando. Os três porquinhos e o lobo Lalau. Belo Horizonte, Geração Editorial, 2008) 1) O lobo Lalau vive três fases diferentes ao longo da história. Complete o quadro com o principal sentimento que ele tinha e o que era comum vê-lo fazendo em cada uma dessas fases. Sentimento O que ele fazia normalmente? 1º momento 2º momento 3º momento 2) O que fez com que Lalau se transformasse tanto ao longo da história? 3) Leia o trecho e responda: Aristóteles, a coruja, reuniu o Conselho dos Animais.
  • 56. a) Qual era a função do Conselho dos Animais? b) Na história, por que esse conselho se reuniu? c) Que decisões ele tomou? d) Em sua opinião, a decisão tomada foi correta? Justifique. 4) O que os animais da floresta não entenderam até hoje? 5) Que pistas o lobo estava dando aos porquinhos que mostravam que ele não queria mais a amizade deles? 6) Faça uma comparação entre essa história e a história tradicional de Os Três Porquinhos e escreva: Duas semelhanças Duas diferenças 7) Escreva algumas características contando como eram os porquinhos desta história. Coloque nele as informações que o texto oferece sobre os seus nomes, as atitudes que costumavam ter, o jeito de ser de cada um deles, os seus sentimentos e os seus medos. NOME CARACTERÍSTICAS 8) Ordene as frases e as pontue corretamente: a) até parque Vamos o ________________________________________________________________________ b) sujeira tapete no Quanta ________________________________________________________________________ c) fazer o Não de dever consegui casa ________________________________________________________________________ d) você Por que não banho tomou ainda ________________________________________________________________________
  • 57. 9) Leia a piadinha e reescreva organizando a pontuação depois marque v o f de acordo com a pontuação: ( ) Os dois pontos foram usados para indicar a fala dos personagens. ( ) A interrogação foi usada para indicar que o personagem estava admirando. ( ) O travessão foi usado para indicar a fala dos personagens. ( ) Os dois pontos foram usados para indicar que o personagem ia falar. 10) Leia a piadinha e responda: a) Quem é o narrador da piadinha? ________________________________________________________________________ b) Ele participa da história? _________________________________________________ Duas crianças conversam eu nasci nessa casa eu nasci no hospital por quê você estava doente ____________________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________________ O Juquinha estava distraído, cabeça baixa, mexendo embaixo da carteira. A professora chega perto e vê que ele está desmontando a caneta. – Que é isso, menino? E o Juquinha: – Estou tentando ver de onde saem as letrinhas! ZIRALDO. As Anedotinhas do Bichinho da Maçã. São Paulo: Melhoramentos, 1997, p.11.
  • 58. c) Reescreva a piadinha como se você fosse o Juquinha e tivesse contando um fato que aconteceu com você: 11) Complete as palavras com SÃO ou ZÃO: alu _____ fu _____ pe ________ deci _____ ala _____ arte ________ Amor _____ confu_____ anel ______ televi _____ parme _____ pai _____ 12) Complete a cruzadinha com o antônimo das palavras usando DEZ ou DES: 13) Marque a alternativa em que todas as palavras estejam escritas corretas: ( ) dezembro - desatenção - desoito ( ) desunião - dezesseis - desarrumado ( ) desenove - desinibida - desespero ( ) dezoito – desanimado - dezena ( ) desistir - dezocupado - desejo 14) Observe a tirinha e reescreva-a em forma de diálogo: a) ordem b) obedecer c) ativar e) fazer f) ocupadod) animar a b f e d c
  • 59. A banana Dentre todas as frutas___________________,nenhuma possui qualidades_______________ às da banana. Basta dizer que, em valor ____ ____________, três bananas __________________ a um bife, para se ter uma idéia das suas___________________________________________. Nenhuma outra fruta indígena é mais procurada em todos os_______________ do mundo. Nenhuma outra é tão _____________pelos adultos e principalmente pelas crianças. Crianças e idosos, ricos e pobres, doentes e sãos, todos podem alimentar-se deste ____________produto da natureza. Há centenas de espécies de banana, todas riquíssimas em __________________. Cruas ou assadas, fritas ou cozidas, secas ao sol, usadas em caldas, doces ou compotas, são as bananas alimento ____________________________. _______________ a pó, dão uma farinha especial, muitíssimo nutritiva, ______________________ pelos ____________ para mingaus às crianças pequeninas ou ___________________. As crianças devem sempre preferir as bananas a ___________ outra fruta. Deodato Morais (adaptação) Alimentícias – superiores – nutritivo -equivalem- extraordinárias – qualidades - mercados – apreciada – precioso – vitaminas – importantíssimo - reduzidas - recomendada – médicos – debilitados - qualquer
  • 60. Carina mora numa chácara, na cidade de Corinto. Todas as noites ela ficava sentada na varanda a espera de um vaga-lume que sempre voa por ali. Carina fica observando com curiosidade a sua luzinha acender e apagar. Numa noite enluarada, Carina ficou na varanda escura esperando o vaga- lume a parecer. De repente ele apareceu, voando, na sua direção. Ela segurou-o e prendeu-o entre as duas mãos. Ficou ali muito tempo admirando aquela luzinha, que mais parecia um farolzinho. Carina falou: __ Oi, você é um bichinho muito interessante! Vou chamá-lo de Farolete. O vaga-lume com uma carinha de apavorado, respondeu: __ Pode me chamar de Farolete, mas por favor, não me segure mais. Gosto de voar pela escuridão. Prometo que virei e voarei todas as noites na sua varanda. Carina soltou o Farolete, que saiu voando e piscando, como nunca, o seu pequeno farol. Solange Valadares. 1) Responda de acordo com o texto: a) Quais são os personagens do texto?
  • 61. b) O que Carina faz todas as noites? c) Como ela fez para pegar o vaga-lume? d) O que a menina disse para o vaga-lume? e) O que o vaga-lume respondeu? 2) Dê a sua opinião: a) Você concorda com a atitude da menina em prender o vaga-lume? Explique: 3) Enumere os fatos de acorda com a ordem que aparecem no texto: ( ) Prometeu voar todos os dias na varanda da Carina. ( ) Carina colocou nome de Farolete no vaga-lume. ( ) A menina ficou na varanda escura esperando o vaga-lume. ( ) Carina prendeu o vaga-lume nas mãos. 4) Complete o desenho com o alfabeto maiúsculo: 5) Agora escreva o alfabeto minúsculo e com letra cursiva:
  • 62. 6) Leia as palavras e copie-as nos lugares adequados: F _______ _______ _______ _______ V _______ _______ _______ _______ 7) Complete as frases com uma das palavras dos quadros: a) Tirei muitas _________ do bebê. Quer ver? b) Cuidado! Essa _____________ está muito afiada. ___________________________________________ ___________________________________________ ___________________________________________ ___________________________________________
  • 63. c) Ufa! Ainda bem que o jogo chegou ao _____________. 8) Complete as palavras com T ou D. depois copie-as: 9) Forme frases com as palavras abaixo: 10) Descubra com qual consoante você escreve seu nome preferido. Pinte e complete: a) Você escreveu os nomes com inicial maiúscula ou minúscula? Por quê? VENDO VENTO _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________
  • 64. BIDO, O SABIDO Era uma vez um lindo peixinho. Seu nome era Bido – Bido, o Sabido. Um dia, todos os peixinhos estavam nadando juntos. Os peixinhos gostam de nadar para o mesmo lado ao mesmo tempo, e nadavam para um lado. Depois nadavam para o outro. Mas que fez Bido, o Sabido? Quando eles vinham para cá, Bido ia para lá. Quando iam para lá, Bido vinha para cá. Então todos os peixinhos ficaram atrapalhados! Depois os peixinhos começaram a nadar juntos, de novo. Para um lado. Para o outro. E veio Bido, o Sabido de novo. Que foi que ele fez? Virou de cabeça para baixo e fez uma careta engraçada. Todos os peixinhos começaram a rir. Bluuu – bluuu – bluuu – soltando bolhas de riso. E todos se atrapalharam de novo! Um dia, Bido viu peixinhos chorando por causa do Velho Caranguejo. Os peixinhos tinham medo do Velho Caranguejo Mau. Mas Bido, não! Bido nadou por cima do Velho Caranguejo Mau, que estava jantando. Pegou a comida do caranguejo e deu um puxão, mas o Velho Caranguejo Mau não largou a comida. Bido puxou, puxou mais e fez o caranguejo rodar, rodar. O Velho Caranguejo ficou tonto e largou a comida. Estava tão tonto que foi rodando, rodando para longe. - Viva Bido, o Sabido! – gritaram os peixinhos – o Velho Caranguejo Mau foi embora! Um dia, Bido viu uma coisa pendurada num anzol. O anzol estava numa linha. Lá fora, um pescador segurava a linha. Oba! Era gostoso o que estava naquele anzol. Bido subiu para ver. - Bido! – gritaram os peixinhos – não chegue perto do anzol! Mas Bido era sabido. Conhecia um truque de tirar a isca do anzol. E tirou! Depois pendurou uma bota velha no anzol do pescador. O anzol subiu com o presente e os peixinhos riram. Mas o pescador não riu, não. Foi embora zangado. (...) (Fonte: LEONARDOS, Stella. Bido, o sabido. São Paulo, Editora Tecnoprint, 1970. – adaptação) 1) Responda certinho: a) O que Bido fez que deixou os peixinhos atrapalhados enquanto nadavam? b) Os peixinhos ficaram bravos quando Bido os atrapalhou a nadar de novo? Explique sua resposta. c) Por que Bido era um peixinho sabido? d) Quando Bido viu o anzol com a isca e subiu para ver, os peixinhos gritaram para ele não chegar perto do anzol. O que eles achavam que iria acontecer com Bido? e) O que era o presente que Bido colocou no anzol? c) Por que os peixinhos riram quando o anzol subiu com o presente que Bido colocou? 2) Desenhe uma tirinha mostrando Bido e seu truque com o anzol. 3) Preencha o quadro mostrando como Bido resolveu o problema do Velho Caranguejo Mau.
  • 65. Por que Bido foi atrás do Velho Caranguejo? O que o Velho Caranguejo estava fazendo? O que Bido fez com o caranguejo? b) Em sua opinião, o que o caranguejo fazia com os peixinhos para que eles tivessem medo dele e o chamassem de mau? 4) Amanda anotou alguns nomes de colegas da classe em um pedaço de papel para escrevê-los em sua agenda. Como Amanda organizará esses nomes em ordem alfabética? Escreva nas linhas ao lado: 5) Descubra uma palavra escondida dentro de cada palavra abaixo: 6) Leia o convite abaixo e justifique o uso da letra maiúscula nos casos abaixo:
  • 66. Renato: Meu: Clube Primavera: Rua das Palmeiras: Pipoca: 7) Complete as frases com as palavras do quadro: a) Eu não me __________________ a fazer cafuné nesse gato _________________. b) De onde eu _________________ dá pra ver o ________________ dos Ipês. c) O _________________ custou ________________, mas a bicicleta, não.
  • 67. 8) Descubra qual é a palavra secreta e copie-a:  Tem sete letras:  Está ao lado de uma palavra com cinco letras.  Serve para comer.  É o nome de uma fruta.  Começa com vogal.  A palavra é ______________________________ 9) Bastante atenção no ditado:
  • 68. A RAPOSA SEM RABO LILI ERA A RAPOSA MAIS LINDA E VAIDOSA DA FLORESTA. UM BELO DIA, CAIU NA ARMADILHA DO CAÇADOR. CHOROU, DEBATEU-SE, GRITOU POR SOCORRO E FINALMENTE CONSEGUIU ESCAPAR. E O RABO, ONDE FICOU? O RABO FICOU NA ARMADILHA. LILI, ENVERGONHADA, CHORAVA MUITO E FICOU MUITO TEMPO ESCONDIDA. UM DIA, TEVE UMA IDÉIA GENIAL. CHAMOU AS OUTRAS RAPOSAS PARA UMA REUNIÃO E FEZ UMA PROPOSTA: — QUERIDAS AMIGAS, CHEGUEI À CONCLUSÃO DE QUE NOSSAS CAUDAS SÓ SERVEM PARA ATRAPALHAR, QUANDO FUGIMOS DOS CAÇADORES. PROPONHO QUE CORTEMOS ESSAS HORRÍVEIS CAUDAS! AS RAPOSAS, MUITO MATREIRAS, DESCONFIARAM DE ALGUMA COISA E FALARAM: — ÓTIMO LILI! CORTAREMOS PRIMEIRO A SUA. VIRE-SE PARA CÁ. LILI, DESAPONTADA, VIROU-SE E. . . A GARGALHADA FOI GERAL. LILI APRENDEU A LIÇÃO E ACOSTUMOU-SE A VIVER SEM O RABO. LILI VIU QUE A BELEZA E A VAIDADE NÃO ERAM AS COISAS MAIS IMPORTANTES DE SUA VIDA. VOCABULÁRIO: LEIA O TEXTO NOVAMENTE E TENTE DESCOBRIR O SIGNIFICADO DAS EXPRESSÕES GRIFADAS: INTERPRETAÇÃO: 1) O QUE ACONTECEU COM A RAPOSA LILI QUE A DEIXOU MUITO TEMPO ENVERGONHADA E ESCONDIDA? RESPOSTA:________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________ 2) PARA RESOLVER SEU PROBLEMA, LILI TEVE UMA IDÉIA. QUE IDÉIA FOI ESSA? O QUE ACONTECEU? RESPOSTA:________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________ 3) QUAL SOLUÇÃO VOCÊ DARIA À RAPOSA LILI? RESPOSTA:________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________
  • 69. SONHO DE MENINA MEU NOME É REGINA TENHO 8 ANOS O MEU MAIOR SONHO É SER BAILARINA IMAGINO- ME MUITO LINDA NUMA ROUPA DE BALÉ ELEGANTE, EQUILIBRANDO NA PONTINHA DO PÉ. OH! QUE GRANDE EMOÇÃO JÁ POSSO ME ENXERGAR COM OS BRAÇOS PARA O ALTO DESLIZANDO PELO PALCO FICO ALI A BAILAR FAZENDO MEU CORPO GIRAR AO SOM DE UMA CANÇÃO NUMA BELA APRESENTAÇÃO. EU POSSO CRER QUE ESTE SONHO VAI REALIZAR EU VOU SEMPRE AGRADECER A DEUS ENQUANTO EU VIVER. SOLANGE VALADARES TRABALHANDO O TEXTO 1) QUAL É O TÍTULO DA POESIA? 2) QUAL É O SONHO DA MENINA? 3) COMO REGINA SE IMAGINA? 4) O QUE REGINA IRÁ FAZER QUANDO O SEU SONHO SE REALIZAR? 5) VOCÊ TEM UM SONHO? QUAL? ESCREVA COMO VOCÊ O IMAGINA. 6) COPIE E REPRESENTE COM DESENHOS A ESTROFE QUE VOCÊ MAIS GOSTOU.
  • 70. OS AMIGOS O ZERO NÃO ERA SINCERO O UM SÓ FAZIA “PUM” O DOIS DEIXAVA PRA DEPOIS O TRÊS FALAVA INGLÊS O QUATRO NÃO ERA PATO O CINCO USAVA CINTO O SEIS PARECIA PORTUGUÊ(I)S O SETE JOGAVA BASQUETE O OITO VIVIA AFOITO O NOVE NÃO CONSEGUIA RIMAR. MAS TODOS JUNTOS SABIAM: SOMAR DIMINUIR MULTIPLICAR DIVIDIR. INVENTAVAM MUITO PROBLEMA E EQUAÇÃO E QUASE SEMPRE NENHUMA SOLUÇÃO. JOGO DE BOLA A BELA BOLA ROLA: A BELA BOLA DO RAUL. BOLA AMARELA, A DA ARABELA. A DO RAUL, AZUL. ROLA A AMARELA
  • 71. E PULA A AZUL. A BOLA É MOLE, É MOLE E ROLA. A BOLA É BELA, É BELA E PULA. É BELA, ROLA E PULA, É MOLE, AMARELA, AZUL. A DE RAUL É DE ARABELA, E A DE ARABELA É DE RAUL. O COLAR DE CAROLINA COM SEU COLAR DE CORAL, CAROLINA CORRE POR ENTRE AS COLUNAS DA COLINA. O CALOR DE CAROLINA COLORE O COLO DE CAL, TORNA CORA A MENINA. E O SOL, VENDO AQUELA COR DO COLAR DE CAROLINA, PÕE COROAS DE CORAL NAS COLUNAS DA COLINA.
  • 72. O PASSARINHO NO SAPÉ P TEM PAPO O P TEM PÉ ? (PIU!) QUEM É ? O P NÃO PIA: O P NÃO É. O P SÓ TEM PAPO E PÉ. SERÁ O SAPO? O SAPO NÃO É. (PIU!) É O PASSARINHO QUE FEZ SEU NINHO NO SAPÉ. PIO COM PAPO. PIO COM PÉ. PIU-PIU-PIU: PASSARINHO. PASSARINHO NO SAPÉ. OU ISTO OU AQUILO OU SE TEM CHUVA E NÃO SE TEM SOL, OU SE TEM SOL E NÃO SE TEM CHUVA! OU SE CALÇA A LUVA E NÃO PÕE O ANEL, OU SE PÕE O ANEL E NÃO SE CALÇA A LUVA! QUEM SOBE NOS ARES NÃO FICA NO CHÃO, QUEM FICA NO CHÃO NÃO SOBE NOS ARES. É UMA GRANDE PENA QUE NÃO SE POSSA ESTAR AO MESMO TEMPO NOS DOIS LUGARES!
  • 73. OU GUARDO O DINHEIRO E NÃO COMPRO O DOCE, OU COMPRO O DOCE E GASTO O DINHEIRO. OU ISTO OU AQUILO: OU ISTO OU AQUILO… E VIVO ESCOLHENDO O DIA INTEIRO! NÃO SEI SE BRINCO, NÃO SEI SE ESTUDO, SE SAIO CORRENDO OU FICO TRANQÜILO. MAS NÃO CONSEGUI ENTENDER AINDA QUAL É MELHOR: SE É ISTO OU AQUILO. A CHÁCARA DO CHICO BOLACHA NA CHÁCARA DO CHICO BOLACHA O QUE SE PROCURA NUNCA SE ACHA! QUANDO CHOVE MUITO, O CHICO BRINCA DE BARCO, PORQUE A CHÁCARA VIRA CHARCO. QUANDO NÃO CHOVE NADA, CHICO TRABALHA COM A ENXADA E LOGO SE MACHUCA E FICA DE MÃO INCHADA. POR ISSO, COM O CHICO BOLACHA, O QUE SE PROCURA NUNCA SE ACHA. DIZEM QUE A CHÁCARA DO CHICO SÓ TEM MESMO CHUCHU E UM CACHORRINHO COXO QUE SE CHAMA CAXAMBU. OUTRAS COISAS, NINGUEM PROCURA, PORQUE NADA ACHA. COITADO DO CHICO BOLACHA!
  • 74. POEMA COM PENA FIZ UM POEMA E NÃO SEI SE VALE A PENA POEMAR. É UM POEMA COM PENA PENA DO CÉU PENA DA TERRA PENA DO MAR. NÃO TEM MAIS PENA DE ÍNDIO PORQUE ÍNDIO JÁ NÃO SE ACHA EM NENHUM LUGAR. MAS AINDA TEM PENA DA ARARA AZUL PENA DA GALINHA SEM CABEÇA PENA DO PATO PATETA. TEM TANTA PENA PENA ATÉ DE TRAVESSEIRO. SÓ NÃO TEM PENA NENHUMA DO BURRO PORQUE BURRO NÃO TEM PENA.
  • 75. ÔNIBUS LOGO NA ESQUINA DESCEU O PRIMEIRO. SEGUIU O MOTORISTA MAIS QUATRO PASSAGEIROS. DESCEU O SEGUNDO NO PONTO SEGUINTE. LEVOU UM SUSTO: A RUA ESTAVA DIFERENTE. DESCEU O TERCEIRO NA CASA DE RAIMUNDO QUE CARREGA NO NOME TANTA RAIVA DO MUNDO. O QUARTO DESCEU EM FRENTE À ESTÁTUA. CAIU-LHE SOBRE A CABEÇA UMA ESPADA DE PRATA. DESCEU O ÚLTIMO TRANQÜILO NA CALÇADA, QUERIA SENTIR O VENTO, PASSEAR E MAIS NADA. FICOU SÓ O MOTORISTA NENHUM PASSAGEIRO. AGORA SIM –UFA!— PODIA IR AO BANHEIRO.
  • 76. O CORVO E A RAPOSA O SENHOR CORVO ESTAVA EMPOLEIRADO NUM GALHO DE ÁRVORE, COM UM PEDAÇO DE QUEIJO NO BICO. COMADRE RAPOSA APROXIMOU-SE, ATRAÍDA PELO CHEIRO. E CUMPRIMENTOU ALEGREMENTE O CORVO: - BOM DIA, MESTRE CORVO! COMO VOCÊ ESTÁ BONITO! ACHO QUE NUNCA VI AVE MAIS BELA. FRANCAMENTE, SE A SUA VOZ É TÃO FORMOSA COMO A SUA PLUMAGEM, VOCÊ É O REI DOS PÁSSAROS. OUVINDO ESSES ELOGIOS, O CORVO QUASE ESTOUROU DE SATISFAÇÃO. E QUERENDO MOSTRAR QUE NEM MESMO UMA BELA VOZ LHE FALTAVA, ABRIU O BICO PARA CANTAR. O QUEIJO CAIU E MAIS QUE DEPRESSA A RAPOSA APANHOU-O. ANTES DE IR SABOREAR O PETISCO, DISSE: - CARO COMPADRE, APRENDA QUE TODO BAJULADOR VIVE DE QUEM O ESCUTA. ACHO QUE ESTA LIÇÃO VALE BEM UM PEDAÇO DE QUEIJO. O MACACO E A ONÇA O MACACO ANDOU FAZENDO POUCO CASO DA ONÇA. - VOU DAR CABO DESSE DANADO, PENSOU A ONÇA, POR CONTA! E FEZ CORRER O BOATO DE QUE HAVIA MORRIDO. O MACACO FICOU LOUCO PARA VER A DEFUNTA. MAS COMO SEMPRE, ESTAVA DESCONFIADO: - HUM! ESTA MORTE NÃO ME CHEIRA BEM…; FOI CHEGANDO À CASA DA ONÇA E VIU OS PARENTES DELA CHORANDO. BEM A SALVO, PENDURADO NUM GALHO DE ÁRVORE, INDAGOU: - A FALECIDA JÁ ESPIRROU? - POR QUÊ? PERGUNTARAM OS PARENTES. - ORA, QUEM MORRE SEMPRE DÁ O ÚLTIMO ESPIRRO…, COMENTOU ELE, MATREIRO. A ONÇA OUVIU TUDO. FINGIA-SE DE MORTA PARA AGARRAR O MACACO. E, CAINDO NA CONVERSA DELE, TRATOU DE ESPIRRAR: - ATCHIM! - ESTÁ VIVA, MAROTA! ONDE JÁ SE VIU DEFUNTO ESPIRRAR? A ONÇA LEVANTOU-SE FURIOSA, E O MACACO CONTINUOU A DIZER-SE MAIS ESPERTO DO QUE ELA.
  • 77. VERMELHO A COR DO MEU BATUQUE TEM O TOQUE, TEM O SOM DA MINHA VOZ VERMELHO, VERMELHAÇO, VERMELHUSCO, VERMELHANTE, VERMELHÃO O VELHO COMUNISTA SE ALIANÇOU AO RUBRO DO RUBOR DO MEU AMOR O BRILHO DO MEU CANTO, TEM O TOM E A EXPRESSÃO DA MINHA COR VERMELHO, VERMELHAÇO… MEU CORAÇÃO É VERMELHO DE VERMELHO VIVE O CORAÇÃO E Ô, E Ô TUDO É GARANTIDO APÓS A ROSA VERMELHAR TUDO É GARANTIDO APÓS O SOL VERMELHECER VERMELHOU NO CURRAL A IDEOLOGIA DO FOLCLORE VERMELHOU BIS VERMELHOU A PAIXÃO O FOGO DE ARTIFÍCIO DA VITÓRIA VERMELHOU.
  • 78. O GIRASSOL SEMPRE QUE O SOL PINTA DE ANIL TODO O CÉU O GIRASSOL FICA UM GENTIL CARROSSEL. O GIRASSOL É O CARROSSEL DAS ABELHAS. PRETAS E VERMELHAS ALI FICAM ELAS BRINCANDO, FEDELHAS NAS PÉTALAS AMARELAS. - VAMOS BINCAR DE CARROSSEL, PESSOAL? - “RODA, RODA, CARROSSEL RODA, RODA, RODADOR VAI RODANDO, DANDO MEL VAI RODANDO, DANDO FLOR.” - MARIMBONDO NÃO PODE IR QUE É BICHO MAU! - BESOURO É MUITO PESADO! - BORBOLETA TEM QUE FINGIR DE BORBOLETA NA ENTRADA! - DONA CIGARRA FICA TOCANDO SEU REALEJO! - “RODA, RODA, CARROSSEL - GIRA, GIRA, GIRASSOL - REDONDINHO COMO O SOL.” E O GIRASSOL VAI GIRANDO DIA AFORA… O GIRASOL É O CARROSSEL DAS ABELHAS.
  • 79. O RELÓGIO PASSA, TEMPO, TIC-TAC TIC-TAC, PASSA, HORA CHEGA LOGO, TIC-TAC TIC-TAC, E VAI-TE EMBORA PASSA,TEMPO BEM DEPRESSA NÃO ATRASA NÃO DEMORA QUE JÁ ESTOU MUITO CANSADO JÁ PERDI TODA A ALEGRIA DE FAZER MEU TIC-TAC DIA E NOITE NOITE E DIA TIC-TAC TIC-TAC TIC-TAC…
  • 80. A PORTA EU SOU FEITA DE MADEIRA MADEIRA, MATÉRIA MORTA MAS NÃO HÁ COISA NO MUNDO MAIS VIVA DO QUE UMA PORTA. EU ABRO DEVAGARINHO PRA PASSAR O MENININHO EU ABRO BEM COM CUIDADO PRA PASSAR O NAMORADO EU ABRO BEM PRAZENTEIRA PRA PASSAR A COZINHEIRA EU ABRO DE SUPETÃO PRA PASSAR O CAPITÃO. SÓ NÃO ABRO PRA ESSA GENTE QUE DIZ (A MIM BEM ME IMPORTA…) QUE SE UMA PESSOA É BURRA É BURRA COMO UMA PORTA. EU SOU MUITO INTELIGENTE! EU FECHO A FRENTE DA CASA FECHO A FRENTE DO QUARTEL FECHO TUDO NESSE MUNDO SÓ VIVO ABERTA NO CÉU!
  • 81. A CASA ERA UMA CASA MUITO ENGRAÇADA NÃO TINHA TETO NÃO TINHA NADA NINGUÉM PODIA ENTRAR NELA NÃO PORQUE NA CASA NÃO TINHA CHÃO NINGUÉM PODIA DORMIR NA REDE PORQUE NA CASA NÃO TINHA PAREDE NINGUÉM PODIA FAZER PIPI PORQUE PENICO NÃO TINHA ALÍ MAS ERA FEITA COM MUITO ESMERO NA RUA DOS BOBOS NÚMERO ZERO. O AR (O VENTO ESTOU VIVO MAS NÃO TENHO CORPO POR ISSO É QUE EU NÃO TENHO FORMA PESO EU TAMBÉM NÃO TENHO NÃO TENHO COR. QUANDO SOU FRACO ME CHAMO BRISA E SE ASSOBIO ISSO É COMUM QUANDO SOU FORTE
  • 82. ME CHAMO VENTO QUANDO SOU CHEIRO ME CHAMO PUM! O PINGÜIM BOM DIA, PINGÜIM ONDE VAI ASSIM COM AR APRESSADO? EU NÃO SOU MALVADO NÃO FIQUE ASSUSTADO COM MEDO DE MIM. EU SÓ GOSTARIA DE DAR UM TAPINH NO SEU CHAPÉU-JACA OU BEM DE LEVINHO PUXAR O RABINHO DA SUA CASACA. ELEFANTINHO ONDE VAIS, ELEFANTINHO CORRENDO PELO CAMINHO ASSIM TÃO DESCONSOLADO? ANDAS PERDIDO, BICHINHO ESPETASTE O PÉ NO ESPINHO QUE SENTES, POBRE COITADO? - ESTOU COM UM MEDO DANADO ENCONTREI UM PASSARINHO!
  • 83. O PERU GLU! GLU! GLU! ABRAM ALAS PRO PERU! O PERU FOI A PASSEIO PENSANDO QUE ERA PAVÃO TICO-TICO RIU-SE TANTO QUE MORREU DE CONGESTÃO. O PERU DANÇA DE RODA NUMA RODA DE CARVÃO QUANDO ACABA FICA TONTO DE QUASE CAIR NO CHÃO. O PERU SE VIU UM DIA NAS ÁGUAS DO RIBEIRÃO FOI-SE OLHANDO FOI DIZENDO QUE BELEZA DE PAVÃO! GLU! GLU! GLU! ABRAM ALAS PRO PERU! AS BORBOLETAS BRANCAS AZUIS AMARELAS E PRETAS BRINCAM NA LUZ AS BELAS BORBOLETAS. BORBOLETAS BRANCAS
  • 84. SÃO ALEGRES E FRANCAS. BORBOLETAS AZUIS GOSTAM MUITO DE LUZ. AS AMARELINHAS SÃO TÃO BONITINHAS! E AS PRETAS ENTÃO… OH, QUE ESCURIDÃO! O MARIMBONDO MARIMBONDO FURIBUNDO VAI MORDENDO MEIO MUNDO CUIDADO COM O MARIMBONDO QUE ESSE BICHO MORDE FUNDO! - ETA BICHO DANADO! MARIMBONDÔ DE CHOCOLAT SAIA DAQUI SEM ME MORDER SENÃO EU DOU UMA PAULADA BEM NA CABEÇA DE VOCÊ - ETA BICHO DANADO! MARIMBONDO…NEM TE LIGO! VOOU E VEIO ME ESPIAR BEM NA MINHA CARA… - ETA BICHO DANADO!
  • 85. AS ABELHAS A AAAAAAABELHA-MESTRA E AAAAAAAS ABELHINHAS ESTÃO TOOOOOOODAS PRONTINHAS PRA IIIIIIIR PARA A FESTA. NUM ZUNE QUE ZUNE LÁ VÃO PRO JARDIM BRINCAR COM A CRAVINHA VALSAR COM O JASMIM. DA ROSA PRO CRAVO DO CRAVO PRA ROSA DA ROSA PRO FAVO VOLTA PRO CRAVO VENHAM VER COMO DÃO MEL AS ABELHINHAS DO CÉU! A FOCA QUER VER A FOCA FICAR FELIZ? É PÔR UMA BOLA NO SEU NARIZ. QUER VER A FOCA BATER PALMINHA? É DAR A ELA UMA SARDINHA. QUER VER A FOCA FAZER UMA BRIGA? É ESPETAR ELA BEM NA BARRIGA