Atv4marcia

1.157 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.157
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
98
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Atv4marcia

  1. 1. Literatura Infantil Projeto
  2. 2. Introdução Um sonho... Um sonho de manter acesaa chama vibrante, intensa e colorida dainfância. Um tempo marcado peloencantamento da atmosfera onírica querege a primeira e mais importante fasede nossas vidas. Uma marca singular,rica, pessoal e intransferível. Períodoque representa uma galáxia em meio atodos os outros milhões de sistemasescolares produzidos pela fértilimaginação infantil, imaginação livre depreconceitos, negativismo e de
  3. 3. ContinuaçãoA pureza, a ousadia, o espírito quase selvagemdos primeiros anos nos marca de formaindelével por toda a existência... É como se operíodo fosse comandado pelo ritmo de umrelógio e os ponteiros marcam diversão ealegria... Um tempo com cheiro, gosto, cor esom; continuamos perseguindo de formaconsciente ou inconsciente por toda a vida.Cabe a nós, estarmos conscientes daimportância da Literatura, é nosso papel deamparar, reerguer, reavivar os sentimentos,valores e atitudes que poderão renovar aconfiança em dias melhores.
  4. 4. ContinuaçãoVárias são as formas de reconduzir obarco da Literatura na direção do sucessoda aventura humana, uma delas é lançandoum olhar mais atento às grandeshistórias, de modo a aprender seusensinamentos com maior competência.
  5. 5. ContinuaçãoNeste trabalho, procuramos mostrar aLiteratura em suas origens, seu conceito e oque alguns teóricos falam sobre o assunto,apontando caminhos que tornem essa viagemmais segura, fazendo da Literatura um elopermanente inquebrantável entre a razão eemoção, determinando o equilíbrio necessárioàs realizações da vida, afinal quem nãodeseja manter no coração e na mente oenredo mágico das histórias encantadas?
  6. 6. Continuação De um modo geral, as obras literárias têmcomo uma de suas peculiaridades a capacidadede romper a barreira do tempo e do espaço,preservando uma impressionante atualidade.Os grandes clássicos da Literatura, póexemplo, recebem essa denominação porretratar em suas narrativas, grandes questõesuniversais com a habilidade, o talento e asensibilidade de seus autores. Artífices dapalavra, eles nos deixaram, nas fascinanteshistórias que escreveram belíssimas lições devida. Textos que nos ensinaram a cada leituraalgo novo e essencial ao nosso crescimento eamadurecimento.
  7. 7. Continuação Com maestria, escritores e escritorasconstroem poemas e personagensabordando temas que despertam ointeresse, a curiosidade e as emoçõesdiversas no homem. Emoções vivamentedescritas com genialidade eperspicácia desses especialistas emobservar os mistérios da alma.
  8. 8. ProblemaA Literatura Infantil é um universo amplo emaravilhoso para o desenvolvimento epensamento da imaginação humana. O serhumano sendo criança ou adulto ainda seencantam com livros contendo diversas historiasque envolvem magia e criatividade, a tecnologiaassociada a esse tema nos traz um universoperfeito . Na Escola ou na Biblioteca Pública, háum lugar preparado para a dinamização einteração dos educandos com a literatura?
  9. 9. LiteraturaInfantil Justificativa
  10. 10. continuação A Literatura infantil demarca um conjunto deproduções literárias a toda e qualquermanifestação do sentimento ou pensamento pormeio de palavras. Define – se não apenas pelotexto resultante dessa manifestação, mastambém por se destinar a um determinadopúblico, o qual tem da sua parte, característicasespecíficas; pertence a uma faixa etária; umaestimulação familiar, uma relação com o mundoda escola e um convívio com a sociedade, ou seja,trata-se de uma criança que ainda nãoultrapassou uma situação que, se é temporária ouprovisória, não deixa de se mostrar importante.
  11. 11. Continuação Uma maneira de compreender o mundo éatravés da Literatura infantil, sua funçãoé exatamente fazer com que a criançatenha uma visão ampla do mundo que arodeia, tornando-a mais reflexiva ecrítica, frente a realidade social que vivee atua, desenvolvendo seu pensamentoorganizado. A Literatura infantil tem opoder de suscitar o imaginário, deresponder dúvidas em relação a tantasperguntas, de encontrar novas ideias parasolucionar questões e instigar a
  12. 12. Continuação Como escreve Abramovich Malamut (1960, p6),(1991, p17) “É uma enfatiza que, “... lidaspossibilidade de descobrir o ou contadas, asmundo imenso dos conflitos,dos impasses, das soluções histórias constituem-seque todos vivemos e em generoso processoatravessamos”. Nesse educativo, pois ensinamprocesso ouvir histórias recreando, dando atem uma importância que criança os estímulos evai muito além do prazer motivações apropriadasproporcionado, ela serve para satisfazer suaspara a efetiva iniciação das tendências, seuscrianças na construção da interesses, suaslinguagem, ideias, valores e necessidades, seussentimentos, aos quais desejos, suaajudará na sua formação
  13. 13. Continuação O gosta pela leitura vem de um processo que seinicia no lar. Mesmo antes da aprendizagem daleitura, a criança aprecia o valor sonoro daspalavras. Aprende a gostar do livro pelo afeto,quando a mãe canta ao embalar o berço, ou narravelhas histórias aprendidas pelos avós. Sobreesse ponto observa Silva (1994 p 12): “... É tãoimportante o papel de quem convive com acriança, pois é, sobretudo, através do afeto quea criança se desenvolve e aprende.”Observando-se o comportamento da criança, ficaevidente a sua capacidade de inventar histórias,por isso, a necessidade do professor oportunizarde expressar suas ideias
  14. 14. Continuação Neste contexto, o papel do educador, éde assumir o compromisso com o livro,tendo o hábito de contar histórias,despertando a curiosidade pelosmisteriosos signos da escrita,desafiando-os, encorajando-os,solicitando-os, provocando-os, para queessas criem suas hipóteses, abrindo asportas para o universo da leitura, em quea criança irá livremente penetrar guiadaspor suas preferências.
  15. 15. Continuação Para confirmar isso Rego (1998, p 60), diz que:“... Um contato diário com atividades de leitura ede escrita, a alfabetização será transformadanum processo ameno e descontraído, evitando-seas atuais rupturas existentes na práticapedagógica, entre a preparação para aalfabetização e a alfabetização propriamentedita. “A presença de livros na sala de aula éfundamental para as crianças; por isso, anecessidade do professor em organizar em umrecanto em sua sala de aula, onde os livrosfiquem a disposição das crianças, para que elaspossam manuseá-los sempre que desejarem,tendo contato desde cedo com o mundo letrado.
  16. 16. Continuação A necessidade de ler, segundo Cagliari(2001, p. 173) afirma que: “... Leitura ecultura, mas é a cultura que explica quemuito do que se lê, não apenas osignificado literal de cada palavra de umtexto. “Uma pessoa que não conhece umacultura, tem dificuldades em ler textosproduzidos por ela, para adquirir osconhecimentos dessa cultura”.
  17. 17. Continuação A necessidade de ler, segundo Cagliari(2001, p. 173) afirma que: “... Leitura ecultura, mas é a cultura que explica quemuito do que se lê, não apenas osignificado literal de cada palavra de umtexto. “Uma pessoa que não conhece umacultura, tem dificuldades em ler textosproduzidos por ela, para adquirir osconhecimentos dessa cultura”.
  18. 18. Continuação Esse impasse é maior quando se começaaprender a ler. Os alunos de culturas diferentes,mesmo vivendo numa mesma cidade e colocadosnuma mesma sala de alfabetização, reagem demaneiras diferentes aos textos que lhes sãoapresentados. Ensinar hoje a leitura e escrita édesenvolver habilidades de ler, compreender,interpretar diferentes tipos de gêneros detextos, escritos em diferentes modalidades delíngua, formal, informal, de interagir comdiferentes portadores de textos: habilidades deescrever diferentes textos que as práticassociais de escrita exigem de nós.
  19. 19. Continuação Criar oportunidades para que os alunosdescubram o prazer da leitura e daescrita, não obrigá-los a ler, porque issoirá desmotivá-los, fazendo com que elesapreciem de um modo como eles vêem amúsica.
  20. 20. A magia daliteratura Objetivos Gerais eEspecíficos
  21. 21. Objetivos Gerais e Específicos Desenvolver nas crianças um pensar mais interrogativo, reflexivo e investigativo, o pensar bem, usando a literatura infantil como contexto significativo. Desenvolver nas crianças competências filosóficas, cognitivas e dialógicas, através da experiência de uma comunidade de investigação em sala de aula.
  22. 22. ObjetivosUtilizar a literatura infantil como instrumentopara estimular a investigação filosófica. Demonstrar, através de contextos literários, acapacidade da criança de fazer perguntasfilosóficas(metafísicas, lógicas e éticas).Desenvolver as habilidades cognitivas (deinvestigação, raciocínio, formação de conceitos etradução) e o pensar bem através do uso daliteratura infantil e atividades lúdicas.
  23. 23. Objetivos• Conhecer diversas Histórias infantis;• Utilizar a técnica de dramatizar e fazerrecontos;• Oportunizar a criatividade, imaginação, humor,ilusionismo;• Desenvolver habilidades sociais;• Desenvolver o hábito de ouvir com atenção;• Enriquecer e ampliar o vocabulário;• Intervir, posicionar, julgar e modificarsubvenções sociais;• Desenvolver o pensamento lógico e a rapidez deraciocínio;• Criar atitudes desejáveis;• Permitir a livre expressão. - Formulação dosProblemas
  24. 24. Objetivosa) fomentar e dinamizar atividades de leitura junto às escolas de Campinas;b) divulgar a produção literária nacional e internacional;c) promover uma abordagem abrangente do processo de leitura, em suas dimensões individual, coletiva compartilhada com parceiros, pública e dramatizada;d) incentivar a leitura pública por alunos e professores;e) motivar crianças e adolescentes a produzirem textos escritos, de caráter literário ou
  25. 25. ObjetivosReconhecer algumas Histórias infantis;• Utilizar a técnica de dramatizar e fazer recontos;• Oportunizar a criatividade, imaginação, humor, ilusionismo;• Desenvolver o hábito de ouvir com atenção;• Enriquecer e ampliar o vocabulário;• Intervir, posicionar, julgar e modificar historinhas e contos;• Desenvolver o pensamento lógico e a rapidez de raciocínio;• Permitir a livre expressão;• Promover e estimular a linguagem oral;• Desenvolver atenção e coordenação motora fina e ampla;• Relacionar os números com a quantidade;• Desenvolver e estimular a expressão corporal;• Cuidar e valorizar os livros;• Estimular o gosto pela leitura.
  26. 26. ObjetivosAlunos Pré-silábico
  27. 27. Alunos Pré-silábico Associar palavras e objetos; Memorizar palavras globalmente;Analisar palavras quanto ao número de letras, inicial e final; Distinguir letras e números; Reconhecer as letras do alfabeto (cursiva e bastão);Familiarizar-se com os aspectos sonoros das letras através das iniciais de palavras significativas; Relacionar discurso oral e texto escrito; Distinguir imagem de escrita; Observar a orientação espacial dos textos; Produzir textos pré-silabicamente; Ouvir e compreender histórias; Identificar letras e palavras em textos de conteúdo conhecido.
  28. 28. ObjetivosPARA O ALUNO SILÁBICO
  29. 29. PARA O ALUNO SILÁBICO Reconhecer a primeira letra das palavras no contexto da sílaba inicial; Comparar palavras memorizadas globalmente com a hipótese silábica; Contar o número de letra das palavras; Desmembrar oralmente as palavras em suas sílabas; Reconhecer o som das letras pela análise da primeira sílaba das palavras;Reconhecer a forma e as posições dos dois tipos de letras: cursiva e maiúscula; Identificar palavras em textos de conteúdo conhecido (qualquer tipo de palavra); Produzir textos silabicamente; Ouvir e compreender histórias; Completar palavras com as letras que faltam (observandoque o número de letras presentes exceda sempre o número de sílabas da palavra).
  30. 30. Conteúdos:Data comemorativa: Dia nacional do livroinfantil;• Motricidade fina e ampla;• Expressão corporal;• Artes plásticas: pintura, modelagem,recorte e colagem com material diverso,desenho livre e dirigido;• Exposição de filmes e Histórias Infantis Criatividade e dramatização;• Música e ritmo; Visitas à Bibliotecas Municipal eEscolar.
  31. 31. METODOLOGIA• Conversa informal diálogo e questionamentooral através das historinhas, cartaz, figuras erelatos sobre o assunto;• Músicas dramatizadas relacionada àshistorinhas;• História em sequência;• Quebra cabeça e jogos;• Exposição de livros• Dramatização das historinhas (teatrinho);• Sessão historiada; filmes em DVD• Biblioteca na sala;• Visita as Bibliotecas Pública e Escolar
  32. 32. A Integração à Tecnologia Tanto na Escola como na Biblioteca as crianças deverão estar integradas a tecnologia, pois terão acesso livre aos computadores para verem histórias, jogos dinâmicos, filmes e outras atividades que lhes
  33. 33. Recursos Computadores.Vídeos.DVDS.Televisão.Livros de diversos autores.Jogos didáticos.Jogos para computadores.Histórias em quadrinhos.
  34. 34. Bibliografia BENJAMIN, Walter. "Visão do livro infantil".In.: __________ . Reflexões dobre a criança, obrinquedo e a educação. São Paulo: Duas Cidades,Ed. 34, 2002 (p. 69-80)BETTELHEIM, Bruno. A psicanálise dos contosde fadas. 14. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2000.CASCUDO, Luís da Câmara. Literatura Oral noBrasil. 2. ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 1978.CHEVALIER, Jean e GHEERBRANT, Alain.Dicionário de Símbolos: (mitos, sonhos,costumes, gestos, formas, figuras, cores,números). Trad.: Vera da Costa e Silva. 15 ed. Riode Janeiro: José Olympio, 2000.
  35. 35. BibliografiaCOELHO, Nelly Novaes. Literatura infantil: teoria,analise, didática. São Paulo: Moderna, 2000.DIETZSCH, Mary Julia Martins(org.). Espaços daLinguagem na Educação. SP:Humanitas, 1999ECO, Humberto. Seis Passeios pelos Bosques daFicção. SP:Companhia das Letras, 1997HELD, Jacqueline. O Imaginário no Poder: asCrianças e a Literatura Fantástica. SP:Summus, 1980KHÉDE, Sônia S. (org.) Literatura infanto-juvenil -um gênero polêmico. Petrópolis: Vozes, 1983.KHÉDE, Sonia Salomão. "Personagens da literaturainfanto-juvenil". SP: Brasiliense, 1990. (SériePrincípios, 61).LAJOLO, Marisa & ZILBERMAN, Regina. LiteraturaInfantil Brasileira. História & Histórias. Ática, SP,1984. NETO, Samuel Pfromm et alii. O Livro naEducação. Primor/MEC, 1974.
  36. 36. BibliografiaMACHADO, Ana Maria. Como e por que ler osClássicos Universais desde cedo. RJ:Objetiva, 2002Meireles, Cecília. Problemas da Literatura Infantil.3ª ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1984.PENNAC, Daniel. Como um Romance. SP:Rocco, 1998PERROTI, Edmir. Confinamento Cultural, Infância eLeitura. SP:Summus, 1990TODOROV, T. A narrativa fantástica. In: Asestruturas narrativas. Trad. Leyla Perrone e Moisés.São Paulo: Perspectiva, 1969. (Debates, 14), p. 135-147.ZILBERMAN, Regina & LAJOLO, Marisa. Um Brasilpara crianças. Para conhecer a literatura infantilbrasileira: história, autores e textos. Global, SP,1993.ZILBERMAN, Regina. A Literatura Infantil na Escola.SP:Global, 1998.
  37. 37. Produção e formatação Professora Márcia Cristina da Silva SouzaBiblioteca Pública Municipal Dário Pires Peixoto

×