Curso “Suplementação na Atividade Física: como atender na prática”Versão 1.0    Atendimento do praticante de atividade e d...
Curso “Suplementação na Atividade Física: como atender na prática”Versão 1.0Inquérito alimentarCom o inquérito alimentar é...
Curso “Suplementação na Atividade Física: como atender na prática”Versão 1.0Para elaboração da prescrição do Plano Aliment...
Curso “Suplementação na Atividade Física: como atender na prática”Versão 1.0suplementação de proteínas durante as primeira...
Curso “Suplementação na Atividade Física: como atender na prática”Versão 1.0triptofano livre na corrente sangüínea, diminu...
Curso “Suplementação na Atividade Física: como atender na prática”Versão 1.0Importante que toda suplementação deve ser aco...
Curso “Suplementação na Atividade Física: como atender na prática”Versão 1.017- NABHOLZ TN. O Manual Definitivo da Supleme...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Atendimento do praticante_de_atividade_fisica

1.376 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.376
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
53
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Atendimento do praticante_de_atividade_fisica

  1. 1. Curso “Suplementação na Atividade Física: como atender na prática”Versão 1.0 Atendimento do praticante de atividade e de exercício físico: como eu utilizo a suplementação Thais Verdi NabholzAvaliação nutricionalPara elaborar um plano alimentar individualizado do esportista/atleta é necessário umaavaliação nutricional criteriosa assim como uma anamnese alimentar com coleta deinformações imprescindíveis para elaboração da dieta e verificação da adesão à dieta. Aanamnese alimentar permite que possamos estabelecer um plano alimentar que podeincluir a suplementação nutricional do esportista/atleta.A orientação nutricional para o praticante de atividade física ou atleta deve considerar arotina diária deste. As prescrições devem ser flexíveis, de modo a poderem serincorporadas como hábito alimentar regular. Para cálculo das necessidades nutricionaisvários fatores devem ser considerados tais como: exercício praticado, horários doexercício, fase de treinamento, calendário de treinos e data de competições. Soma-se àestes o objetivo da equipe técnica em relação ao desempenho do atleta assim como anecessidade ou não de modificação dae sua composição corporal. As necessidadesenergéticas devem ser calculadas considerando-se o gasto energético basal e o gastodispendido com a atividade física levando-se em consideração o que se objetiva com acomposição corporal do atleta.Passo a passo do protocolo de atendimentoInquérito clínicoCom o inquérito clínico se pretende fazer um rastreamento metabólico e funcional everificar o estado de saúde do paciente.Avaliação Física1 – Tipo sanguíneo.2 – Qualidade do Sono: ( ) Bom ( ) Regular ( ) Ruim ____ Horas de sono;3 – Fumante: ( ) Sim ( ) Não ( ) Ex fumante ______ Cigarros – Dia;4 – Uso de medicação: ( ) Sim ( ) Não Qual ? E Posologia5 - Cansaço ( ) Fadiga ( ) Exaustão ( ) Dor muscular ( )6 – Doença atual: Qual? Sintoma e Início.7 – Antecedentes Familiares. Descreva8 – Cirurgia recente: Qual? Quando?9 - Hábito intestinal (frequência e aspectos das fezes)10 - Alergias alimentares. 1/7 © Ao aluno é permitido fazer uma cópia do material didático disponibilizado para uso próprio. De acordo com a Lei no. 9.610 de 19/02/1998, que trata de direitos autorais, todo aluno fica proibido de propagar,distribuir e vender o material de qualquer forma, sob pena de responder civil e criminalmente por violação da propriedade material e intelectual.
  2. 2. Curso “Suplementação na Atividade Física: como atender na prática”Versão 1.0Inquérito alimentarCom o inquérito alimentar é possível verificar a rotina alimentar do praticante deexercício físico ou do atleta quantificando e qualificando sua ingestão alimentar. Épossível verificar a ingestão excessiva de alguns alimentos ou ausência de outros. Pode-se calcular esta ingestão alimentar e estabelecer com esta avaliação o plano alimentardo esportista, sugerindo modificações pertinentes.Inquérito de exercícios físicos-Frequência da prática dos exercícios físicos:-Modalidade do exercício praticado:- Duração de cada exercício praticado:- Horário em cada tipo de exercício físico é praticado?- Intensidade do esforço (frequência cardíaca média) em cada um deles?- Calendário de competiçõesAntropometriaMétodos para avaliação da composição corporalTodos os métodos prontamente disponíveis para avaliar a composição corporal baseiam-se em certas suposições e, portanto representam estimativas do percentual real degordura corporal. Dois métodos são utilizados comumente para fazer uma estimativa doconteúdo adiposo do corpo: (1) determinação da densidade corporal; (2) mensuraçãodas dobras cutâneas e da circunferência da cintura; (3) avaliação da composição corporalpor impedância bio-elétrica. Pesagem Hidrostática (Estimativa da densidade corporal) Estimativa da Gordura Corporal a partir da circunferência da cintura. Mensuração de dobras cutâneas Cálculo de Percentual de Gordura BIA (Impedância bioelétrica). É um instrumento portátil que mede a resistência do corpo a passagem de uma corrente elétrica de alta frequência e baixa intensidade. A água corporal e a massa corporal magra são bons condutores da corrente elétrica enquanto a massa de gordura corporal não. O exame é simples e o cálculo dos compartimentos corporais é obtido por meio de fórmulas a partir da resistência e reactância do organismo à passagem desta corrente elétrica. O nível de hidratação do indivíduo afeta a exatidão da técnica. Este exame é importante para o acompanhamento do atleta pois mantendo-se o nível de hidratação é possível verificar as mudanças da massa magra corporal e da massa gorda corporal verificando-se se os objetivos propostos estão sendo atingidos. 2/7 © Ao aluno é permitido fazer uma cópia do material didático disponibilizado para uso próprio. De acordo com a Lei no. 9.610 de 19/02/1998, que trata de direitos autorais, todo aluno fica proibido de propagar,distribuir e vender o material de qualquer forma, sob pena de responder civil e criminalmente por violação da propriedade material e intelectual.
  3. 3. Curso “Suplementação na Atividade Física: como atender na prática”Versão 1.0Para elaboração da prescrição do Plano Alimentar diário Personalizado é necessário:-Calcular o valor energético consumido através da avaliação da ingestão alimentar;- Avaliar a composição corporal e traçar uma meta a ser atingida conforme objetivos doatleta;- Calcular o gasto energético total;- Definir o valor energético do Plano Alimentar;- Fracionar o VET conforme a rotina do atleta e considerando horários de treinos;- Calcular e orientar a hidratação diária necessária;- Avaliar a necessidade do uso de suplementos nutricionais;- Definir se necessário a quantidade diária do suplemento e horário de administraçãoSuplementação alimentarA alimentação correta deve fornecer ao músculo glicose para repor os estoques deglicogênio muscular e também proteínas envolvidas com a função e a força muscular.Em determinadas situações de treino excessivo ou quando a exigência de melhordesempenho do atleta se faz necessário e quando a alimentação oral não consegueatingir esta necessidade, os suplementos nutricionias podem ser necessários. Aprescrição indiscriminada com associação de vários suplementos nutricionais ou mesmoa auto suplementação pode levar à sobrecarga do organismo com comprometimentoprincipalmente do sistema renal e hepático.Cada atleta pode apresentar uma determinada resposta metabólica visto que fatoresgenéticos,ambientais, assim como o tipo e duração do exercício físico podem influenciar.Quando existe uma recomendação de um plano alimentar adequado ao exercício físico,com ou sem suplementação e ocorre adesão do atleta ao que lhe foi proposto, osresultados corporais podem ser vistos ao longo do tempo. Quando a proposta é a perdade peso, torna-se necessário a verificação constante de qual compartimento corporalestá sendo reduzido visto que a massa magra corporal deve ser preservada ouaumentada.Quais são os suplementos mais utlizados no mercado?Blend de proteína: é a mistura de algumas fontes proteicas, como o whey protein,caseína e proteína de soja isolada. Ao combinar essas três proteínas obtém-se umsuplemento completo com melhor perfil de aminoácidos.O consumo do blend de proteínas em exercícios de resistência ou hipertrofia permiteque uma quantidade maior de aminoácidos seja fornecido com objetivo de manter asíntese proteíca, e regularizar o equilíbrio da proteína muscular durante o período derecuperação após o exercício. Estudos apontam que uma janela anabólica pode existirnas primeiras 3 horas após exercício de resistência (treinamento de peso) onde a 3/7 © Ao aluno é permitido fazer uma cópia do material didático disponibilizado para uso próprio. De acordo com a Lei no. 9.610 de 19/02/1998, que trata de direitos autorais, todo aluno fica proibido de propagar,distribuir e vender o material de qualquer forma, sob pena de responder civil e criminalmente por violação da propriedade material e intelectual.
  4. 4. Curso “Suplementação na Atividade Física: como atender na prática”Versão 1.0suplementação de proteínas durante as primeiras horas após o exercício pode levar aoaumento de massa muscular. Porém, o mesmo não ocorre quando a suplementação éutilizada de forma tardia.O Blend Proteico apresenta características de absorção diferentes para cada um de seuscomponentes. É o caso do Whey Protein, conhecida como proteína fast, uma vez quesua absorção inicia-se entre 20 e 30 minutos após a ingestão. O whey protein é umaexcelente fonte protéica contendo leucina, que desempenha um papel importante nasíntese protéica muscular e no crescimento muscular. Indivíduos que praticam exercíciosse beneficiam das dietas com alto teor de leucina e têm mais massa muscular e menosgordura corporal. O whey protein tem, aproximadamente, 50% mais leucina que aproteína isolada de soja.A Caseína é denominada proteína slow, pois seu tempo de absorção é gradual e maisprolongado. Contudo, a caseína é uma proteína de alto valor biológico (boa variedade deaminoácidos incluindo os aminoácidos essenciais) e estudos comprovam sua eficiênciana redução no catabolismo muscular.A proteína isolada de soja, é chamada de ‘‘intermediária’’ em relação à digestão. Aestratégia de proteínas fast com proteínas slow, proporciona mais aumento de massamuscular do que apenas consumir um tipo único de proteína, uma vez que diferentesaminoácidos são liberados para o sangue de maneira gradativa estimulando a sínteseproteica por maior tempo, retardando a fadiga muscular, melhorando o perfilimunológico e estimulando a capacidade anti-catabólica.Contém compostos como as isoflavonas, cobre e saponinas que possuem açãoantioxidante. A proposta é ajudar a minimizar a reposta inflamatória causada pelaformação de radicais livres induzidos pelo exercício, auxiliando no processo derecuperação de fadiga e lesão muscular.Ácidos graxos de cadeia ramificada (AACR) e glutamina: durante o exercício físico osAACR são oxidados pelo músculo para fornecer energia. O estresse induzido peloexercício intenso e prolongado parece ser o fator de desequilíbrio entre a produção e aliberação levando também à diminuição da concentração plasmática de glutamina. Estadiminuição pode provocar a queda da função imunológica, com aumento do risco deinfecção que por vezes ocorre na ‘‘síndrome de overtraining’’. A utilização do AACRcomo fonte de energia esta relacionado ao exercício de endurance. A recomendação éde 5 g em 300 ml de água, nos primeiros 60 minutos pós exercício.Em exercícios de longa duração, o organismo passa a utilizar os lipídeos como fonte deenergia, fazendo assim com que o triptofano possa circular em grande quantidade naforma livre pela corrente sangüínea. Assim, quando a existe grande quantidadecirculante deste aminoácido, possivelmente ocorre uma maior síntese doneurotransmissor serotonina, um dos grandes responsáveis pela ocorrência da fadigacentral. A suplementação de BCAAs tem sido sugerida na hipótese de competir com o 4/7 © Ao aluno é permitido fazer uma cópia do material didático disponibilizado para uso próprio. De acordo com a Lei no. 9.610 de 19/02/1998, que trata de direitos autorais, todo aluno fica proibido de propagar,distribuir e vender o material de qualquer forma, sob pena de responder civil e criminalmente por violação da propriedade material e intelectual.
  5. 5. Curso “Suplementação na Atividade Física: como atender na prática”Versão 1.0triptofano livre na corrente sangüínea, diminuindo assim a síntese de serotonina econsequentemente prevenindo a ocorrência de fadiga central.Arginina: a suplementação de L-arginina tende a retardar o tempo de exaustão, além desua resposta anabólica pode ter um efeito indireto no fluxo sanguíneo por estimulaçãodo óxido nítrico (NO). Um aumento do fluxo sanguíneo irá fornecer uma maiorproporção de oxigênio, aminoácidos e nutrientes dentro do músculo. A l-arginina é aprecursora da síntese do óxido nítrico, na presença de óxido nítrico-sintase. Pode-seutilizar de 1,5 a 3,0 g/dia, até 90 minutos após o exercício físico.Poucos estudos mostram que a suplementação de arginina pode estimular a liberaçãode hormônios como a prolactina, insulina e hormônio do crescimento (GH), os quaisestão diretamente relacionados à melhora da força contrátil.A creatina estimula o crescimento muscular devido ao fator miogênico MRF-4 e deve seringerida com uma fonte de carboidrato de alto índice glicêmico como a dextroseimediatamente após o treino, sendo indicada a mistura com Whey para o melhoraproveitamento.Maltodextrina: é um carboidrato complexo, ou seja, sua absorção é gradativa. Forneceenergia durante a atividade física e retarda a fadiga (porque proporciona a liberaçãogradual de glicose para o sangue), melhorando o desempenho. Ideal para uso antes dotreino.Dextrose: carboidrato simples, de alto índice glicêmico, sendo de rápida absorção. Éideal para ser consumido quando se necessita de energia imediata e/ou logo após otreino para a recuperação do glicogênio muscular.Carboidratos em gel: são formulados, em geral, com uma combinação de carboidratossimples e complexos (frutose, maltodextrina, glucose). Contém, ainda, vitaminas queauxiliam no metabolismo energético e sais minerais. Desenvolvidos para fornecerenergia de forma rápida e prática.A combinação de ingestão de Whey com carboidrato como a dextrose ou maltodextrinaé indicada antes e após o exercício físico, dando-se ênfase após o exercício físico, devidoa necessidade da reposição de carboidrato para a síntese, recuperação muscular e ganhode massa muscular.O shake tem que ser Whey + água + dextrose. Não existe uma dose exata, a média é de20g-30g de Whey, 1g de carboidrato para cada Kg de peso corporal. Exemplo: UmindivÌduo de 70 Kg utiliza 70g de carboidrato, podendo ser malto ou dextrose com 30gde Whey Protein. 5/7 © Ao aluno é permitido fazer uma cópia do material didático disponibilizado para uso próprio. De acordo com a Lei no. 9.610 de 19/02/1998, que trata de direitos autorais, todo aluno fica proibido de propagar,distribuir e vender o material de qualquer forma, sob pena de responder civil e criminalmente por violação da propriedade material e intelectual.
  6. 6. Curso “Suplementação na Atividade Física: como atender na prática”Versão 1.0Importante que toda suplementação deve ser acompanhada de uma alimentaçãoadequada, utilizada conforme o objetivo proposto para o atleta e prescrita por umprofissional com experiência nesta área esportiva.Referencias Bibliográficas:1- ROSSI, L.R et al. Nutrição na Prática Esportiva. Livro Nutrição Esportiva, Ed Sarvier,2007 vol 1, p 31-60.2- WARDLAW G, Hampl J: ‘ Perspectivas em Nutrição’, 7 edição, Ed São Paulo: Mcgraw-Hill, 20073- TARNOPOLSKY, MA et al. Avaliação das necessidades nutricionais para atletas de forçatreinados. J Appl Physiol 73: 1986 -1995, 19924- Brandt, K.G.; Sampaio, M.M.S.C.; Miuki, C.J. Importância da microflora intestinal.Revisões e ensaios, São Paulo, v.28, n.2, p.117-127, 2006.5- CARREIRO, D.M. Anamnese Nutricional: Visão Funcional. Nutrição Saúde ePerformance. Anuário de Nutrição Clínica Funcional, 24(5): 17-20, 2004.6- NABHOLZ, T.V. Nutrição esportiva: Aspectos relacionados a suplementação nutricional1.ed. Srarvier, 20077- MARTIN, W.H.-III. Effects of acute and chronic exercise on fat metabolism. Exerciseand Sport Sciences Reviews, Baltimore, v.24, p.203-30, 1996.8- TIRAPEGUI, Julio – Nutrição, Metabolismo e Suplementação na Atividade Física . Ed.Atheneu, São Paulo 2005.9- WARREN MP, Brooks-Gunn J. Delayed menarche in athletes. The role of low energyintake and eating disorders and their relation to bone density. In: Laron Z, Rogol A, eds.Hormones and Sport. New York:Raven Press, 1989.10- BORSHEIM, E., TIPTON, K.D., WOLF, S.E. et al. Essential amino acids and muscleprotein recovery from resistance exercise. Am J Physiol Endocrinol Metab, 283:E648-E657, 2002.11- HARGREAVES, M., SNOW, R. Amino acids and endurance exercise. Int J Sport NutrExerc Metab, 11:133-145, 2001.12- LEMON, P.W.R. Beyond the zone: protein needs of active individuals. J Am Coll Nutr,19:513S-521S, 2000.13- PHILLIPS, S.M., TIPTON, K.D., FERRANDO, A.A. et al. Resistance training reduces theacute exercise-induced increase in muscle protein turnover. Am J Physiol, 276:E118-E124, 1999.14- RAWSON ER, VOLEK JS. The effects of creatine supplementation and resistancetraining on muscle strength and weighlifting performance. J Strenght Cond REs2003;17:82215- LEMON PW. Dietary creatine supplementation and exercise performance : whyinconsistent results? Can J Appl Physiol 2002; 27:66316- BRANCH JD. Effect of cretine supplementation on body and performance : a meta-analysis. Int J Sport Nutr Metab 2003; 13:198 6/7 © Ao aluno é permitido fazer uma cópia do material didático disponibilizado para uso próprio. De acordo com a Lei no. 9.610 de 19/02/1998, que trata de direitos autorais, todo aluno fica proibido de propagar,distribuir e vender o material de qualquer forma, sob pena de responder civil e criminalmente por violação da propriedade material e intelectual.
  7. 7. Curso “Suplementação na Atividade Física: como atender na prática”Versão 1.017- NABHOLZ TN. O Manual Definitivo da Suplementação . Disponível:http://www.areah.com.br/cool/saude/materia/13390/4/pagina_1/o-manual-definitivo-da-suplementacao.aspx.18- Abel T, Knechtle B, Perret C, Eser P, von Arx P, Knecht H. Influence of chronicsupplementation of arginine aspartate in endurance athletes on performance andsubstrate metabolism - a randomized, double-blind, placebo-controlled study. Int JSports Med. 2005; 26(5):344-9.19- Bucci L, Hickson JF Jr, Pivarnik JM, Wolinsky I, McMahon JC, Turner SD. Ornithineingestion and growth hormone release in bodybuilders. Nutr Res 1990; 10:239-45.20- ANTONIO, J; STREET, C. Glutamine: a potentially useful supplement for athletes. CanJ Appl Physiol, v. 24 n. 1, 1999, p. 1-14.21- ARDAWI, M. S. M., NEWSHOLME, E. A. Glutamine metabolism in lymphocytes of therat. Biochem J., v. 212, 1983, p. 835-842. 7/7 © Ao aluno é permitido fazer uma cópia do material didático disponibilizado para uso próprio. De acordo com a Lei no. 9.610 de 19/02/1998, que trata de direitos autorais, todo aluno fica proibido de propagar,distribuir e vender o material de qualquer forma, sob pena de responder civil e criminalmente por violação da propriedade material e intelectual.

×