A sociopolítica mundial e os quadrinhos

577 visualizações

Publicada em

Apresentação com subsídios e uma sugestão de atividade pedagógica a respeito da sociopolítica mundial utilizando como tema os quadrinhos, em especial aqueles produzidos nos Estados Unidos pelas empresas Disney e Marvel.

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
577
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
31
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A sociopolítica mundial e os quadrinhos

  1. 1. Em 1939 começa a segunda guerra mundial. O nazismo avança pela Europa e a situação de incerteza e medo domina o planeta. Nos EUA, era necessário inspirar na população o nacionalismo para aumentar a certeza da vitória na guerra. Com esse propósito, os meios de comunicação de massa foram largamente utilizados.
  2. 2. No caso dos quadrinhos, o mecanismo de persuasão era simples. Quando o leitor gosta de um personagem, com o tempo passa a imitar parte de seu comportamento e a acreditar na maior parte do seu discurso. Com isso, quando idéias antinazistas são lançadas nas histórias, são grandes as chances de serem assimiladas pelo público.
  3. 3. Os quadrinhos eram um sucesso e não escaparam do processo mesmo antes da entrada dos EUA na guerra. O Príncipe Valente em suas histórias lutou contra os hunos - na gíria inglesa, germânicos (alemães). Dick Tracy e X-9 combateram espiões.
  4. 4. A partir do sucesso do Homem de Aço, os quadrinhos americanos passam a ser editados em revistas próprias, as chamadas comic-books. A mensagem ideológica era transmitida em histórias em que esses heróis enfrentavam espiões nazistas ou conspirações de alemães, japoneses e italianos.
  5. 5. Kal-el é um alienígena e imigrante ilegal que personifica todos os valores da América. Ele é um personagem que assimilou perfeitamente a cultura desse país e defende com sua vida tudo o que ela representa. As cores de seu uniforme são as da bandeira nacional que ele às vezes carrega. O Super Homem também é visto como o imigrante ideal. Após o fluxo de imigração no início do século XX na América, diversos grupos eram discriminados pela sociedade. Se não eram os alemães, eram os Irlandeses. Se não eram os Italianos, eram os Judeus. O Super veio após isso, para mostrar que todos os forasteiros no país também poderiam representar a verdade, justiça e o “american way of life”.
  6. 6. Quando os Estados Unidos entraram no conflito, em 1941, os quadrinhos já divulgavam suas mensagens de propaganda ideológica. O mais conhecido deles é o Capitão América. Jack Kirby e Joe Simon criam um super-herói que literalmente veste a bandeira americana, pois seu uniforme é estrelado e listrado nas cores da bandeira dos EUA. Logo na primeira edição do gibi, o Capitão já aparece dando um soco em Hitler. Assim, tornou-se o primeiro herói declaradamente inimigo dos nazistas e de tudo que possa ameaçar a democracia americana.
  7. 7. Se o Super-Homem surgiu como um alienígena defensor da justiça, o Capitão América Steve Rogers era um americano de verdade, lutando no front. Ele era um homem normal, até tomar o Soro do Supersoldado. Após a transformação, seu principal inimigo era o Caveira Vermelha, um supervilão nazista.
  8. 8. Em 1942 foi criada a primeira super-heroína, a Mulher Maravilha, que assim como o Capitão América, vestia as cores da bandeira americana (com uma águia no peito e estrelinhas na saia). Sua função era clara: mostrar para as mulheres que elas eram capazes de cuidar de si mesmas quando os homens fossem para a batalha. A personagem tentava levar a mensagem de que as mulheres tinham de entender seu potencial, lutar por direitos iguais e resolver suas próprias vidas.
  9. 9. Heróis como os Sentinelas da Liberdade, a Sociedade da Justiça, o Capitão Marvel, o Namor, o Tarzan, o Mandrake, o Fantasma e o Flash Gordon, entre outros, lutaram na Segunda Grande Guerra combatendo nazistas e japoneses.
  10. 10. Por seus poderes sobrenaturais tidos como ameaçadores a uma política fascista, Flash Gordon teve suas histórias proibidas por Mussolini na Itália.
  11. 11. Praticamente todos os gibis da época trouxeram aventuras mostrando os heróis engajados no esforço de guerra. O que obrigava os roteiristas a bolarem as desculpas mais absurdas para explicar porque a Segunda Guerra só terminou em 1945 e não em cinco segundos.
  12. 12. Afinal, se os super-heróis existissem mesmo, teria sido bem mais fácil para derrotar o Eixo. Com Super-Homem e companhia do seu lado, quem precisa de bombas atômicas?
  13. 13. Mas não foram os super-heróis os únicos convocados para a guerra. Os estúdios Disney entraram na propaganda contra os inimigos dos EUA. Mickey Mouse, Minie e Donald, por exemplo, foram usados até mesmo em cartazes de guerra.
  14. 14. Na mesma época, foram criados personagens como parte da política de boa vizinhança dos EUA. Um dos exemplos é o personagem Zé Carioca, representando o Brasil, e Panchito, simbolizando o México.
  15. 15. Se os aliados usavam os quadrinhos como arma, os alemães e os italianos percebiam o engajamento dos personagens. Hitler bania os gibis de O Príncipe Valente das cidades que conquistava e mandou seu ministro das comunicações, Herr Goebbels, preparar um duro discurso atacando os personagens Disney, em especial Donald. Benito Mussolini proibiu a venda dos gibis norte-americanos na Itália.
  16. 16. A comprovação da utilização das histórias em quadrinhos como instrumento de propaganda ideológica durante a Segunda Guerra Mundial é uma prova de seu poder como meio de comunicação de massa, assumindo um importante papel na formação do imaginário e da cultura mundial.
  17. 17. É bom que se diga que nem sempre as mensagens são negativas. Além de combater invasões alienígenas, cientistas malucos que querem dominar o mundo e ladrões de banco, alguns super-heróis também estão engajados na luta contra outro tipo de crime, mais velado, mas nem por isso menos grave: o preconceito.
  18. 18. Além de entreter, as histórias em quadrinhos também têm uma função social e, por isso mesmo, podem ser usadas para passar uma mensagem de conscientização na sociedade de que ninguém é melhor ou pior do que qualquer pessoa e que todos somos iguais, independente da raça, cor da pele, sexo, religião, condição física, orientação sexual ou condição social.
  19. 19. Uma verdadeira revolução nos quadrinhos foi a criação do herói Pantera Negra, em 1966. O Pantera é o líder da nação africana Wakanda, um país fictício criado pela Marvel, tecnologicamente mais avançado que qualquer nação do mundo. Criado como coadjuvante das histórias do Quarteto Fantástico, o Pantera Negra possui os poderes do felino que lhe empresta o nome, com sentidos aguçados, agilidade e sagacidade.
  20. 20. Foi o primeiro super-herói negro criado pela Marvel num período em que os Estados Unidos viviam um movimento cultural que visava acabar com o preconceito racial e valorizar a beleza negra. O novo herói chamou a atenção de tal modo que, dois anos depois de sua criação, ingressou nos Vingadores e ganhou mais notoriedade, abrindo caminho para outros heróis negros, como o Falcão, parceiro do Capitão América e o Luke Cage, herói de aluguel.
  21. 21. A luta contra a desigualdade social e a defesa das minorias são retratadas muito bem nas HQ’s dos super-heróis X-Men. Eles são mutantes com poderes extraordinários, muitas vezes têm aparência demoníaca mas, treinados por um nobre professor, aprendem a entender seus poderes e a buscar a tolerância entre os diferentes.
  22. 22. Hoje em dia há um crescimento no número de personagens gays, embora a sociedade ainda não veja essa questão de uma forma positiva. O primeiro a “sair do armário” foi o herói Estrela Polar, do grupo canadense Tropa Alfa. Na época, a revelação causou tanta polêmica que o personagem caiu no esquecimento. Apesar disso, serviu como modelo para que outros personagens também assumissem sua condição sexual.
  23. 23. Como hoje há uma abertura maior para discutir sobre esse tema, os novos grupos de super-heróis que estão surgindo geralmente possuem um personagem homossexual em suas fileiras. É o caso dos Jovens Vingadores, que tem Hulkling e Wiccano (respectivamente, a versão jovem do Hulk e do Thor) como namorados.
  24. 24. A maior prova dessa abertura foi a reabilitação do personagem Estrela Polar, que se casou com seu namorado Kyle nas páginas do número 51 de "Astonishing X-Men". Na história, o casamento aconteceu em Nova York, onde a lei reconhece uniões homossexuais.
  25. 25. Desta forma, os criadores situam seus leitores diante de um dos assuntos sociais mais comentados nos Estados Unidos atualmente: o casamento entre homossexuais, que, por sua vez, não é autorizado na maioria dos estados. O tema também ganhou evidência durante a campanha eleitoral dos presidenciais, já que Obama declarou publicamente seu apoio à união entre gays.
  26. 26. Hoje os quadrinhos estão menos políticos? Sim, porque apesar das temáticas cada vez mais adultas, as HQs estão longe de ter o mesmo papel que tiveram durante a segunda guerra. Mas os leitores sempre podem aguardar mais pitadas de realidade dentro do mundo dos quadrinhos e super-heróis. Exemplo: Obama foi capa do Homem Aranha na época de sua posse como presidente.
  27. 27. Outro exemplo, que atraiu a atenção da mídia foi a história “O incidente”, publicada na revista Action Comics 900, uma edicão comemorativa da DC Comics.
  28. 28. Superman se encontra com Gabriel Wright, assessor de segurança do presidente dos Estados Unidos, para discutir a participação do herói num incidente ocorrido em Teerã, no Irã, durante uma série de protestos similares aos que aconteceram no Egito, recentemente. O Homem de Aço relata sua participação como uma forma de protesto sem violência, um ato de desobediência civil.
  29. 29. No final, o herói kryptoniano anuncia que renunciará à sua cidadania americana, pois precisa ajudar todo o planeta e não pode ter suas ações limitadas e associadas à política externa dos Estados Unidos.
  30. 30. Proposta de trabalho avaliativo • Escolha um personagem de histórias em quadrinhos e/ou cinema – pode ser herói ou vilão; • Descreva suas principais características; • Explique quais as principais ideias que esse personagem transmite; • Faça um belo e colorido desenho do personagem.
  31. 31. Observações: • O texto deve ser escrito à mão; • O desenho deve ser feito à mão; • Texto e desenho devem ser caprichados para permitir exposição em forma de cartaz; • O personagem não pode ser nenhum dos seguintes, já devidamente comentados em aula: Capitão América (Capitain America), Super-Homem (Superman) e Mulher Maravilha (Wonderwoman).

×