SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 66
Baixar para ler offline
PSICOFARMACOLOGIA
Prof.(a)	
  Dr.	
  Jhuli	
  Keli	
  Angeli	
  
PSICOFARMACOLOGIA
CRONOGRAMA

Módulo	
  I:	
  Introdução	
  e	
  Nivelamento	
  
	
  
Módulo	
  II:	
  An@psicó@cos	
  
	
  
Módulo	
  III:	
  An@depressivos	
  
	
  
Módulo	
  IV:	
  Ansiolí@cos	
  e	
  Estabilizantes	
  do	
  Humor	
  
Módulo	
  I	
  
	
  
o Princípios	
  de	
  Neuroanatomia	
  Funcional	
  
o Princípios	
  de	
  Bioeletrogênese	
  e	
  Neurotransmissão	
  
o Conceitos	
  de	
  Psicofarmacologia	
  
	
  
PRINCÍPIOS	
  DE	
  NEUROANATOMIA	
  FUNCIONAL	
  

Considerações	
  gerais	
  

o  O	
   conjunto	
   de	
   células	
   especializadas	
   em	
   comunicar	
   os	
  
receptores	
   sensoriais,	
   de	
   um	
   lado,	
   e	
   os	
   efetores,	
   de	
   outro,	
  
compreendem	
  o	
  sistema	
  nervoso.	
  
	
  

	
  
PRINCÍPIOS	
  DE	
  NEUROANATOMIA	
  
FUNCIONAL	
  

Considerações	
  gerais	
  

100	
  trilhões	
  de	
  células	
  

100	
  bilhões	
  de	
  células	
  nervosas	
  
Considerações	
  gerais	
  

o  A s 	
   c é l u l a s 	
   n e r v o s a s	
  
(neurônios)	
   podem	
   selecionar,	
  
i n t e g r a r 	
   e 	
   a r m a z e n a r	
  
informações.	
  
Organização	
  do	
  Sistema	
  Nervoso	
  Humano	
  
Encéfalo	
  
Central	
  
(SNC)	
  
Medula	
  	
  
Espinhal	
  
Sistema	
  	
  
Nervoso	
  

Nervos	
  
Periférico	
  
(SNP)	
  
Gânglios	
  
Divisão	
  do	
  sistema	
  nervoso	
  
Cérebro	
  
Encéfalo	
  
Central	
  
(SNC)	
  
Medula	
  	
  
Espinhal	
  
Sistema	
  	
  
Nervoso	
  

Tronco	
  
encefálico	
  
Cerebelo	
  

Telencéfalo	
  
Diencéfalo	
  
Mesencéfalo	
  
Ponte	
  	
  
Bulbo	
  
Divisão	
  do	
  sistema	
  nervoso	
  

Sistema	
  	
  
Nervoso	
  

Nervos	
  
Periférico	
  
(SNP)	
  

Cranianos	
  
Espinhais	
  
Autonômicos	
  
Sensitivos	
  

Gânglios	
  
Divisão	
  do	
  sistema	
  nervoso	
  
NERVO	
  	
  
C o r d ã o 	
   c i l í n d r i c o	
  
esbranquiçado,	
   formado	
  
por	
   fibras	
   motoras	
   e	
  
sensi@vas,	
   que	
   conduz	
  
impulsos	
   de	
   uma	
   parte	
  
do	
  corpo	
  para	
  outra.	
  
GÂNGLIOS	
  
Os	
   gânglios	
   aparecem	
  
c o m o 	
   p e q u e n a s	
  
dilatações	
   em	
   certos	
  
nervos.	
  
Considerações	
  gerais	
  
Medula	
  espinhal-­‐	
  Reflexo	
  
Medula	
  espinhal	
  
o  É	
   a	
   estrutura	
   mais	
   caudal	
   do	
   SNC	
   recebe	
  
informações	
   da	
   pele,	
   ar@culações,	
   músculos	
   e	
  
vísceras.	
   Cons@tui	
   a	
   estação	
   final	
   para	
   envio	
   de	
  
comandos	
  motores.	
  

	
  
Tronco	
  encefálico	
  	
  
• 	
   Estrutura	
   de	
   transição	
   entre	
  
a	
   medula	
   e	
   o	
   restante	
   do	
  
encéfalo	
   essencial	
   a	
   nossa	
  
vida.	
  	
  
• 	
   Nos	
   neurônios	
   do	
   tronco	
   se	
  
organiza	
  um	
  primeiro	
  controle	
  
sobre	
  funções	
  espinhais.	
  
•  	
   Estando	
   o	
   tronco	
   situado	
  
entre	
   a	
   medula	
   e	
   o	
   restante	
  
do	
   encéfalo,	
   por	
   ai	
   trafegam	
  
todos	
   os	
   sistemas	
   de	
   fibras	
  
( t r a t o s )	
   a s c e n d e n t e s	
   e	
  
descendentes	
   entre	
   essas	
  
duas	
  porções	
  do	
  SNC.	
  
Tronco	
  encefálico	
  -­‐	
  Bulbo	
  
o  Os	
   axônios	
   que	
   sobem	
   pelo	
   corno	
   dorsal	
   da	
   medula	
   espinhal	
  
penetram	
   no	
   bulbo,	
   que	
   é	
   a	
   região	
   mais	
   caudal	
   do	
   tronco	
  
cerebral.	
  Do	
  bulbo	
  seguem	
  via	
  lemnisco	
  medial	
  até	
  chegarem	
  ao	
  
tálamo.	
  

	
  

O	
   bulbo	
   é	
   responsável	
   por	
  
c o n t r o l a r	
   d i v e r s a s	
   f u n ç õ e s	
  
autonômicas	
  para	
  o	
  corpo:	
  
-­‐	
  respiração	
  	
  
-­‐	
  pressão	
  sanguínea	
  
-­‐frequência	
  cardíaca	
  
-­‐	
  vômito	
  
	
  
Tronco	
  encefálico	
  -­‐	
  Ponte	
  
o  Funciona	
   como	
   uma	
   estação	
   para	
   as	
   informações	
   provenientes	
  
dos	
  hemisférios	
  cerebrais	
  e	
  que	
  se	
  dirigem	
  para	
  o	
  cerebelo.	
  
	
  

	
  Locus	
  coeruleus	
  
	
  

Principal	
   fonte	
   de	
   inervação	
  
n o r a d r e n é r g i c a	
   	
   d o	
   S N C .	
  
Importante	
   no	
   controle	
   do	
  
comportamento	
   emocional	
   e	
   do	
  
ciclo	
  sono-­‐vigília.	
  
Tronco	
  encefálico	
  -­‐	
  Mesencéfalo	
  
Controle	
  dos	
  
movimentos	
  
oculares	
  

Substância	
  cinzenta	
  
periaquidutal:	
  
Comportamentos	
  
defensivos	
  e	
  controle	
  da	
  
dor	
  

Controle	
  da	
  
a@vidade	
  dos	
  
músculos	
  
esquelé@cos	
  

Formação	
  reWcular:	
  Envolvida	
  com	
  os	
  níveis	
  de	
  alerta	
  e	
  atenção.	
  
Cerebelo	
  

o  Atua	
   na	
   regulação	
   dos	
   movimentos	
   finos	
   e	
   complexos,	
   na	
  
determinação	
  temporal	
  e	
  espacial	
  de	
  a@vação	
  de	
  músculos	
  durante	
  
o	
  movimento	
  ou	
  no	
  ajuste	
  de	
  postura.	
  
Tálamo:	
  Núcleos	
  	
  
Planejamento	
  superior:	
  Pré-­‐frontal	
  

Controles	
  viscerais	
  
Regulação	
  das	
  	
  
emoções	
  

Controle	
  da	
  
motricidade	
  

A	
  palavra	
  que	
  melhor	
  descreve	
  as	
  funções	
  talâmicas	
  é	
  modular	
  
Hipotálamo	
  
o  Responsável	
   pela	
   homeostasia	
   (capacidade	
   de	
   preservar	
   as	
  
condições	
  constantes	
  do	
  meio	
  interno).	
  
	
  
Hipotálamo-­‐Hipófise	
  
INTRODUÇÃO	
  
Córtex	
  cerebral	
  
Telencefalo	
  
•  Em	
   suma,	
   o	
   telencefalo	
   é,	
   a	
   porção	
   mais	
   evidente	
   do	
   encéfalo	
  
humano	
   é	
   crí@co	
   para	
   tudo	
   aquilo	
   que	
   entendemos	
   como	
   vida	
  
inteligente	
  e	
  como	
  parte	
  integrante	
  das	
  funções	
  humanas.	
  	
  
	
  
•  Sua	
   lesão	
   não	
   determina	
   a	
   morte,	
   visto	
   que	
   estruturas	
   do	
  
diencéfalo,	
   mesencéfalo,	
   tronco	
   encefálico	
   e	
   medula	
   espinha	
   é	
  
que	
   são	
   crí@cas	
   para	
   nossas	
   funções	
   vitais.	
   Porém	
   uma	
   lesão	
   de	
  
telencefalo.	
  Elimina	
  nossa	
  capacidade	
  de	
  reconhecer	
  um	
  filho,	
  de	
  
cantar	
  ou	
  compor	
  uma	
  música,	
  de	
  pensar	
  e	
  planejar	
  a	
  maior	
  das	
  
capacidades	
  humanas:	
  nos	
  expressar	
  por	
  meio	
  da	
  linguagem.	
  	
  
	
  
•  O	
   telencefalo	
   ,	
   é	
   assim	
   o	
   principal	
   responsável	
   pela	
   unificação	
  
daquilo	
  que	
  nos	
  define	
  como	
  indivíduos.	
  
Córtex	
  cerebral	
  

•  	
   No	
   cortex	
   é	
   onde	
   ocorre	
   ó	
   processamento	
   de	
   informações	
  
sensórias,	
  motoras	
  ,	
  cogni@va	
  e	
  emocionais.	
  
Córtex	
  cerebral	
  
Substância cinzenta

Substância branca
Via Sensitiva

Córtex	
  cerebral	
  

Via Motora
Núcleos	
  da	
  base	
  
	
  

o 	
  Núcleo	
  caudado	
  
o 	
  Putâmen	
  
o 	
  Globo	
  pálido	
  
o 	
  Substância	
  negra	
  
o 	
  Núcleo	
  subtalâmico	
  

Expressão	
  emocional,	
  aprendizagem,	
  memória	
  e	
  atenção	
  
Núcleos	
  da	
  base	
  
o 	
   Sua	
   principal	
   função	
   é	
   a	
   de	
   influenciar	
   o	
   córtex	
   motor	
   por	
   vias	
  
que	
   passam	
   pelo	
   	
   tálamo.	
   Assim,	
   	
   planificam	
   e	
   executam	
  
movimentos	
   regulares	
   além	
   de	
   estarem	
   relacionados	
   à	
   funções	
  
afe@vas	
  e	
  cogni@vas.	
  
o  	
   Os	
   gânglios	
   basais	
   estão	
   organizados	
   para	
   facilitar	
   os	
  
movimentos	
   voluntários	
   e	
   inibir	
   movimentos	
   compe@@vos,	
   que	
  
poderiam	
  interferir	
  no	
  movimento	
  adequado.	
  	
  
Módulo	
  I	
  
	
  
o Princípios	
  de	
  Neuroanatomia	
  
o Princípios	
  de	
  Bioeletrogênese	
  e	
  Neurotransmissão	
  
o Conceitos	
  de	
  Psicofarmacologia	
  
	
  
 Princípios	
  de	
  Bioeletrogênese	
  e	
  Neurotransmissão	
  
o Os	
  componentes	
  do	
  sistema	
  nervoso	
  recebem,	
  armazenam	
  
e	
   processam	
   informações	
   sensoriais	
   e	
   depois	
   executam	
   as	
  
respostas	
  apropriadas.	
  
o Respostas	
   simples	
   como	
   os	
   reflexos	
   ou	
   realizar	
   processos	
  
mais	
  elaborados	
  como	
  a	
  fala.	
  	
  
	
  
Neurônios	
  
Neurônios-­‐	
  Glia	
  
Neurônios	
  
Propriedades	
  comuns	
  :	
  	
  
	
  Gerar	
  e	
  propagar	
  aWvidades	
  elétricas	
  (impulso	
  nervoso).	
  
	
  	
  
Propriedades	
  comuns	
  :	
  	
  
	
  Gerar	
  e	
  propagar	
  aWvidades	
  elétricas	
  (impulso	
  nervoso).	
  
	
   Comunicam-­‐se	
   entre	
   si	
   por	
   meio	
   de	
   sinapses	
   nervosas	
  
químicas	
  ou	
  elétricas.	
  
	
  	
  
Neurônios	
  
Propriedades	
  comuns	
  :	
  	
  
	
  Gerar	
  e	
  propagar	
  aWvidades	
  elétricas	
  (impulso	
  nervoso).	
  

	
   Comunicam-­‐se	
   entre	
   si	
   por	
   meio	
   de	
   sinapses	
   nervosas	
  
químicas	
  ou	
  elétricas.	
  
	
   Processar	
   digitalmente	
   os	
   sinais	
   elétricos	
   integrando	
  
potenciais	
  elétricos	
  excitatórios	
  e	
  inibitórios.	
  	
  
	
  	
  
Neurônios	
  
Propriedades	
  comuns	
  :	
  	
  
	
  Gerar	
  e	
  propagar	
  aWvidades	
  elétricas	
  (impulso	
  nervoso).	
  
	
   Comunicam-­‐se	
   entre	
   si	
   por	
   meio	
   de	
   sinapses	
   nervosas	
   químicas	
   ou	
  
elétricas.	
  
	
  Processar	
  digitalmente	
  os	
  sinais	
  elétricos	
  integrando	
  potenciais	
  elétricos	
  
excitatórias	
  e	
  inibitórios.	
  	
  
	
  Comunicar-­‐se	
  com	
  células	
  efetuadoras	
  musculares	
  ou	
  glandulares.	
  
Neurônios	
  
Neurônios	
  
Sua	
   capacidade	
   de	
   gerar	
   e	
   propagar	
  
a@vidade	
   elétricas	
   se	
   baseia	
   na	
   sua	
  
capacidade	
  de	
  gerar	
  potenciais	
  de	
  ação.	
  	
  	
  
Potencial	
  de	
  ação	
  
o O	
   PA,	
   em	
   vez	
   de	
   ser	
   meramente	
   conduzido;	
   ele	
   é	
  
regenerado	
  ao	
  se	
  deslocar	
  ao	
  longo	
  da	
  célula.	
  Assim,	
  o	
  PA	
  
mantém	
   o	
   mesmo	
   tamanho	
   e	
   forma	
   durante	
   sua	
  
condução.	
  
o Variações	
   na	
   freqüência	
   dos	
   PA	
   são	
   importantes	
   por	
  
poderem	
   ser	
   u@lizadas	
   como	
   “código”	
   para	
   a	
   transmissão	
  
de	
  informações	
  ao	
  longo	
  do	
  axônio.	
  
	
  
Potencial	
  de	
  ação	
  
Potencial	
  de	
  ação	
  
Sinapse	
  
É	
  o	
  local	
  onde	
  a	
  informação	
  é	
  transmi@da	
  de	
  uma	
  célula	
  à	
  outra.	
  

SINAPSE	
  ELÉTRICA	
  

SINAPSE	
  QUÍMICA	
  
Sinapses	
  elétricas	
  

Permite	
   a	
   corrente	
   fluir	
   de	
  
uma	
   célula	
   excitável	
   para	
   a	
  
seguinte,	
  por	
  meio	
  de	
  vias	
  de	
  
baixa	
   resistência	
   entre	
   as	
  
células,	
   chamadas	
   de	
   junções	
  
comunicantes	
  (gap	
  junc)ons).	
  
Sinapses	
  elétricas	
  

o 	
  Sem	
  	
  mediadores	
  químicos	
  
o 	
  Nenhuma	
  modulação	
  	
  
o 	
  Rápida	
  
Sinapses	
  químicas	
  
Durante	
   a	
   sinapse	
   química,	
   não	
   ocorre	
   contato	
   hsico	
   entre	
   as	
  
células,	
  elas	
  se	
  comunicam	
  através	
  de	
  neurotransmissores	
  que	
  são	
  
liberados	
  pelo	
  terminal	
  pré-­‐sináp@co	
  atravessam	
  a	
  fenda	
  sináp@ca	
  
se	
   ligando	
   aos	
   seus	
   respec@vos	
   receptores	
   no	
   terminal	
   pós-­‐
sináp@co.	
  São	
  unidirecionais,	
  o	
  que	
  aumenta	
  a	
  sua	
  especificidade.	
  

Membrana	
  celular	
  	
  
pré-­‐sinápWca	
  

Membrana	
  celular	
  	
  
pós-­‐sinápWca	
  
Sinapses	
  químicas	
  
Membrana	
  celular	
  	
  
pré-­‐sinápWca	
  
Ca++	
  

Fenda	
  sinápWca	
  

Membrana	
  celular	
  	
  
pós-­‐sinápWca	
  

Receptores	
  

o  Presença de mediadores químicos
o  Controle e modulação da transmissão
o  Lenta
Sinapses	
  químicas	
  

NEUROTRANSMISSOR	
  

?	
  

Excitatórios	
  

DESPOLARIZAÇÃO	
  
da	
  célula	
  pós-­‐sinápWca	
  

Inibitórios	
  

HIPERPOLARIZAÇÃO	
  
da	
  célula	
  pós-­‐sinápWca	
  
Sinapses	
  químicas	
  
POTENCIAIS	
  PÓS-­‐SINÁPTICOS	
  EXCITATÓRIOS	
  	
  
o 	
  São	
  entradas	
  sináp@cas	
  que	
  despolarizam	
  a	
  célula.	
  São	
  produzidos	
  
pelas	
  abertura	
  de	
  canais	
  para	
  Na+	
  e	
  K+.	
  
o  	
  

ACh,	
   norepinefrina,	
   epinefrina,	
   dopamina	
   (5-­‐HT),	
   glutamato	
   e	
  

serotonina.	
  
POTENCIAIS	
  PÓS-­‐SINÁPTICOS	
  INIBITÓRIOS	
  
	
   São	
   entradas	
   sináp@cas	
   que	
   hiperpolarizam	
   a	
   célula.	
   São	
  
produzidos	
  pelas	
  abertura	
  de	
  canais	
  para	
  Cl-­‐.	
  
o 

o 	
  Ácido	
  γ-­‐aminobumrico(GABA)	
  e	
  glicina.	
  
Sinapses	
  excitatórias

Sinapses	
  inibitórias

Sinapses	
   excitatórias	
   causam	
   uma	
   mudança	
  
elétrica	
   excitatória	
   no	
   potencial	
   pós-­‐sináp@co	
  
(PPSE).	
   Isso	
   acontece	
   quando	
   o	
   efeito	
   da	
  
liberação	
  do	
  transmissor	
  é	
  para	
  despolarizar	
  a	
  
membrana,	
   reduzindo	
   seu	
   limiar	
   elétrico	
   para	
  
disparar	
   um	
   potencial	
   de	
   ação.	
   Esse	
   efeito	
   	
   é	
  
@picamente	
  mediado	
  pela	
  abertura	
  dos	
  canais	
  
da	
  membrana.	
  	
  

Causam	
   um	
   potencial	
   pós-­‐sináp@co	
   inibitório	
  
(PPSI),	
   porque	
   o	
   efeito	
   da	
   liberação	
   do	
  
transmissor	
   é	
   para	
   hiperpolarizar	
   a	
   membrana,	
  
tornando	
   mais	
   dihcil	
   alcançar	
   o	
   potencial	
   de	
  
limiar	
   elétrico.	
   Esse	
   @po	
   de	
   sinapse	
   inibitória	
  
funciona	
  graças	
  à	
  abertura	
  de	
  canais	
  cloreto	
  (Cl-­‐)	
  
ou	
  potássio	
  (K+).	
  
Sinapses	
  químicas	
  
O	
   mecanismo	
   de	
   combinação	
   (ou	
   integração)	
   dos	
   sinais	
   elétricos	
   na	
  
membrana	
  pós-­‐sináp@ca	
  chama-­‐se	
  SOMAÇÃO.	
  	
  

PEPS:	
  Potencial	
  pós-­‐sináp@co	
  excitatórios	
  
PIPS:	
  Potencial	
  pós-­‐sináp@co	
  inibitório	
  
Sinapses	
  químicas	
  

Exemplo:	
  Junção	
  neuro-­‐muscular	
  
	
   A	
   sinapse	
   entre	
   um	
   motoneurônio	
   e	
   uma	
   fibra	
   muscular	
   é	
  
chamado	
  de	
  junção	
  neuromuscular.	
  
o 
Sinapses	
  químicas	
  

Exemplo:	
  Junção	
  neuro-­‐muscular	
  

ACh= acetilcoenzima A + colina (colina ace@ltransferase)
Sinapses	
  químicas	
  

Exemplo:	
  Junção	
  neuro-­‐muscular	
  
Sinapses	
  químicas	
  

Exemplo:	
  Junção	
  neuro-­‐muscular	
  

Receptor
nicomnico	
  

Placa	
  	
  
motora	
  

Potencial	
  de	
  membrana	
  -­‐	
  90	
  mV	
  
	
  
	
  
Potencial	
  de	
  placa	
  motora	
  -­‐	
  50	
  mV	
  
	
  
	
  
Limiar	
  
	
  
	
  
Potencial	
  de	
  ação	
  
SÍNTESE E DEGRADAÇÃO DE ACETILCOLINA
Síntese

Colina + Acetil CoA
Colina-Acetiltransferase

Recaptação pela
terminação
nervosa

Acetilcolina

Acetilcolinesterase

Degradação

Colina + Acetato
Neurotransmissores	
  
Fatores	
  que	
  caracterizam	
  uma	
  substância	
  como	
  neurotransmissora:	
  
	
  
o 	
  Sinte@zada	
  na	
  célula	
  pré-­‐sináp@ca;	
  
o 	
  Liberada	
  pela	
  célula	
  pré-­‐sináp@ca	
  durante	
  a	
  es@mulação;	
  
o 	
   E,	
  se	
  for	
  exogenamente	
  aplicada	
  à	
  membrana	
  pós-­‐sináp@ca,	
  em	
  
concentrações	
   fisiológicas	
   apropriadas,	
   a	
   resposta	
   da	
   célula	
   pós-­‐
sináp@ca	
  deve	
  mime@zar	
  a	
  resposta	
  in	
  vivo.	
  
Neurotransmissores	
  
o 	
  Os	
  neurotransmissores	
  são	
  armazenadas	
  em	
  vesículas.	
  	
  
o  	
   As	
   vesículas	
   são	
   transportadas	
   e	
   armazenadas	
   nos	
   terminais	
  
nervosos	
  de	
  onde	
  são	
  secretadas.	
  	
  
Principais	
  neurotransmissores	
  
MAO:	
  Monoamina	
  oxidade	
  
COMT:	
  catecol-­‐O-­‐me@ltransferase	
  
Principais	
  neurotransmissores	
  
SEROTONINA	
  

Amina	
  biogênica,	
  par@cipa	
  na	
  regulação	
  da	
  temperatura,	
  percepção	
  
sensorial,	
  indução	
  do	
  sono	
  e	
  na	
  regulação	
  dos	
  níveis	
  de	
  humor.	
  	
  
Principais	
  neurotransmissores	
  

GABA	
  

o GABAA	
  :	
  ionotrópico	
  	
  
Abrem	
  canais	
  de	
  Cl	
  –	
  diretamente,	
  causam	
  hiperpolarização.	
  
o GABAB:	
  metabotrópico	
  
Abrem	
  canais	
  de	
  K+	
  indiretamente,	
  causam	
  hiperpolarização.	
  

	
  
	
  
	
  
	
  
	
  
	
  
	
  
	
  
	
  
	
  
Tipos	
  de	
  canais	
  iônicos	
  

Onde	
  os	
  NT	
  atuam	
  

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 2 noções básicas de psicofarmacologia ii
Aula 2   noções básicas de psicofarmacologia iiAula 2   noções básicas de psicofarmacologia ii
Aula 2 noções básicas de psicofarmacologia iiEducação Ucpel
 
Crescer criança contribuição do s.n. para controle endócrino
Crescer criança contribuição do s.n. para controle endócrinoCrescer criança contribuição do s.n. para controle endócrino
Crescer criança contribuição do s.n. para controle endócrinoVan Der Häägen Brazil
 
Farmacologia 11 antipsicóticos - med resumos (dez-2011)
Farmacologia 11   antipsicóticos - med resumos (dez-2011)Farmacologia 11   antipsicóticos - med resumos (dez-2011)
Farmacologia 11 antipsicóticos - med resumos (dez-2011)Jucie Vasconcelos
 
Trabalho antipsicóticos
Trabalho antipsicóticosTrabalho antipsicóticos
Trabalho antipsicóticosAécio Ferraz
 
Sistema Neuroendócrino e o Estresse
Sistema Neuroendócrino e o EstresseSistema Neuroendócrino e o Estresse
Sistema Neuroendócrino e o EstresseMaíra Cerqueira
 
Movimentos corporais e Doença de parkinson
Movimentos corporais e Doença de parkinson Movimentos corporais e Doença de parkinson
Movimentos corporais e Doença de parkinson SaJaMa Jacob
 
Revisao neuroanatomia
Revisao neuroanatomiaRevisao neuroanatomia
Revisao neuroanatomiacleytonlopes
 
[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 4
[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 4[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 4
[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 4Marcelo Zanotti da Silva
 

Mais procurados (20)

12 sistema nervoso_autonomo
12 sistema nervoso_autonomo12 sistema nervoso_autonomo
12 sistema nervoso_autonomo
 
Aula 2 noções básicas de psicofarmacologia ii
Aula 2   noções básicas de psicofarmacologia iiAula 2   noções básicas de psicofarmacologia ii
Aula 2 noções básicas de psicofarmacologia ii
 
Crescer criança contribuição do s.n. para controle endócrino
Crescer criança contribuição do s.n. para controle endócrinoCrescer criança contribuição do s.n. para controle endócrino
Crescer criança contribuição do s.n. para controle endócrino
 
Neurofisiologia 2
Neurofisiologia 2Neurofisiologia 2
Neurofisiologia 2
 
Farmacologia 11 antipsicóticos - med resumos (dez-2011)
Farmacologia 11   antipsicóticos - med resumos (dez-2011)Farmacologia 11   antipsicóticos - med resumos (dez-2011)
Farmacologia 11 antipsicóticos - med resumos (dez-2011)
 
Neurotransmissores
NeurotransmissoresNeurotransmissores
Neurotransmissores
 
Drogas de abuso
Drogas de abusoDrogas de abuso
Drogas de abuso
 
Antipsicoticos teste
Antipsicoticos  testeAntipsicoticos  teste
Antipsicoticos teste
 
Aula 4 Biomedicina
Aula 4 BiomedicinaAula 4 Biomedicina
Aula 4 Biomedicina
 
Trabalho antipsicóticos
Trabalho antipsicóticosTrabalho antipsicóticos
Trabalho antipsicóticos
 
Neurobiologia das dependências
Neurobiologia das dependênciasNeurobiologia das dependências
Neurobiologia das dependências
 
Ansiolíticos
AnsiolíticosAnsiolíticos
Ansiolíticos
 
Sistema Neuroendócrino e o Estresse
Sistema Neuroendócrino e o EstresseSistema Neuroendócrino e o Estresse
Sistema Neuroendócrino e o Estresse
 
Doença de parkinson
Doença de parkinsonDoença de parkinson
Doença de parkinson
 
Exercicio x sono
Exercicio x sonoExercicio x sono
Exercicio x sono
 
psicofarmacologia 2
psicofarmacologia 2psicofarmacologia 2
psicofarmacologia 2
 
Movimentos corporais e Doença de parkinson
Movimentos corporais e Doença de parkinson Movimentos corporais e Doença de parkinson
Movimentos corporais e Doença de parkinson
 
Revisao neuroanatomia
Revisao neuroanatomiaRevisao neuroanatomia
Revisao neuroanatomia
 
Psicofarmacologia
PsicofarmacologiaPsicofarmacologia
Psicofarmacologia
 
[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 4
[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 4[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 4
[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 4
 

Destaque

[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 1/2
[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 1/2[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 1/2
[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 1/2Marcelo Zanotti da Silva
 
Aula 3 psicofarmacologia nos transtornos do humor 1
Aula 3   psicofarmacologia nos transtornos do humor 1Aula 3   psicofarmacologia nos transtornos do humor 1
Aula 3 psicofarmacologia nos transtornos do humor 1Educação Ucpel
 
[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 3 antidepressivos
[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 3  antidepressivos[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 3  antidepressivos
[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 3 antidepressivosMarcelo Zanotti da Silva
 
Psicofarmacologia
PsicofarmacologiaPsicofarmacologia
Psicofarmacologiavrojas_581
 
[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 2
[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 2[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 2
[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 2Marcelo Zanotti da Silva
 
Os usos e limites da psicofarmacologia e o paciente em análise
Os usos e limites da psicofarmacologia e o paciente em análiseOs usos e limites da psicofarmacologia e o paciente em análise
Os usos e limites da psicofarmacologia e o paciente em análiseMiriam Gorender
 
Psicofarmacologia
PsicofarmacologiaPsicofarmacologia
Psicofarmacologiavrojas_581
 
I Curso de Psicopatologia - LAMPSI Aula 02
I Curso de Psicopatologia - LAMPSI Aula 02I Curso de Psicopatologia - LAMPSI Aula 02
I Curso de Psicopatologia - LAMPSI Aula 02Lampsi
 
2 aula psicofarmacologia
2 aula psicofarmacologia2 aula psicofarmacologia
2 aula psicofarmacologiajoanesantonio
 
Medicamentos controlados prof
Medicamentos controlados profMedicamentos controlados prof
Medicamentos controlados profdroliv
 
PSICOPATOLOGIA II: Aula 03 (CID-10 – F00 a F09)
PSICOPATOLOGIA II: Aula 03 (CID-10 – F00 a F09)PSICOPATOLOGIA II: Aula 03 (CID-10 – F00 a F09)
PSICOPATOLOGIA II: Aula 03 (CID-10 – F00 a F09)Alexandre Simoes
 
Medicamentos psicotropicos
Medicamentos psicotropicosMedicamentos psicotropicos
Medicamentos psicotropicosTamara Mareño
 

Destaque (20)

[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 1/2
[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 1/2[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 1/2
[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 1/2
 
Psicofarmacologia
PsicofarmacologiaPsicofarmacologia
Psicofarmacologia
 
Aula 3 psicofarmacologia nos transtornos do humor 1
Aula 3   psicofarmacologia nos transtornos do humor 1Aula 3   psicofarmacologia nos transtornos do humor 1
Aula 3 psicofarmacologia nos transtornos do humor 1
 
[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 3 antidepressivos
[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 3  antidepressivos[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 3  antidepressivos
[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 3 antidepressivos
 
Psicofarmacologia
PsicofarmacologiaPsicofarmacologia
Psicofarmacologia
 
Psicofarmacologia
PsicofarmacologiaPsicofarmacologia
Psicofarmacologia
 
[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 2
[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 2[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 2
[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 2
 
Aula 3 Cf1
Aula 3 Cf1Aula 3 Cf1
Aula 3 Cf1
 
Os usos e limites da psicofarmacologia e o paciente em análise
Os usos e limites da psicofarmacologia e o paciente em análiseOs usos e limites da psicofarmacologia e o paciente em análise
Os usos e limites da psicofarmacologia e o paciente em análise
 
Psicofarmacologia
PsicofarmacologiaPsicofarmacologia
Psicofarmacologia
 
Psicofarmacologia seminário
Psicofarmacologia seminárioPsicofarmacologia seminário
Psicofarmacologia seminário
 
I Curso de Psicopatologia - LAMPSI Aula 02
I Curso de Psicopatologia - LAMPSI Aula 02I Curso de Psicopatologia - LAMPSI Aula 02
I Curso de Psicopatologia - LAMPSI Aula 02
 
Aula
AulaAula
Aula
 
2 aula psicofarmacologia
2 aula psicofarmacologia2 aula psicofarmacologia
2 aula psicofarmacologia
 
Psicoterapia e psicofarmacologia. como optar ou associá las
Psicoterapia e psicofarmacologia. como optar ou associá lasPsicoterapia e psicofarmacologia. como optar ou associá las
Psicoterapia e psicofarmacologia. como optar ou associá las
 
Psicopatologia
PsicopatologiaPsicopatologia
Psicopatologia
 
Medicamentos controlados prof
Medicamentos controlados profMedicamentos controlados prof
Medicamentos controlados prof
 
PSICOPATOLOGIA II: Aula 03 (CID-10 – F00 a F09)
PSICOPATOLOGIA II: Aula 03 (CID-10 – F00 a F09)PSICOPATOLOGIA II: Aula 03 (CID-10 – F00 a F09)
PSICOPATOLOGIA II: Aula 03 (CID-10 – F00 a F09)
 
Medicamentos psicotropicos
Medicamentos psicotropicosMedicamentos psicotropicos
Medicamentos psicotropicos
 
Disturbios Psíquicos: Gravidez e Puerpério
Disturbios Psíquicos: Gravidez e PuerpérioDisturbios Psíquicos: Gravidez e Puerpério
Disturbios Psíquicos: Gravidez e Puerpério
 

Semelhante a Introdução à Psicofarmacologia

Semelhante a Introdução à Psicofarmacologia (20)

Sistema Neurológico
Sistema NeurológicoSistema Neurológico
Sistema Neurológico
 
11 ¬ aula slides sistema nervoso
11 ¬ aula slides sistema nervoso11 ¬ aula slides sistema nervoso
11 ¬ aula slides sistema nervoso
 
Sistema neuro hormonal
Sistema neuro hormonalSistema neuro hormonal
Sistema neuro hormonal
 
Sistema Nervoso Humano
Sistema Nervoso HumanoSistema Nervoso Humano
Sistema Nervoso Humano
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
 
Sistema Nervoso Central
Sistema Nervoso CentralSistema Nervoso Central
Sistema Nervoso Central
 
Sistema Nervoso (Final)
Sistema Nervoso (Final)Sistema Nervoso (Final)
Sistema Nervoso (Final)
 
1._sistema_neurologico.pptx
1._sistema_neurologico.pptx1._sistema_neurologico.pptx
1._sistema_neurologico.pptx
 
Neuro ciências
Neuro ciênciasNeuro ciências
Neuro ciências
 
Introdução a Neuroanatomia e Neurofisiologia
Introdução a Neuroanatomia e NeurofisiologiaIntrodução a Neuroanatomia e Neurofisiologia
Introdução a Neuroanatomia e Neurofisiologia
 
Sistema Nervoso.
Sistema Nervoso.Sistema Nervoso.
Sistema Nervoso.
 
AULA 7 sistema nervoso.pptx
AULA 7 sistema nervoso.pptxAULA 7 sistema nervoso.pptx
AULA 7 sistema nervoso.pptx
 
Curso de Educação Mediúnica - aula 2
Curso de Educação Mediúnica - aula 2Curso de Educação Mediúnica - aula 2
Curso de Educação Mediúnica - aula 2
 
Neurociências 2prova
Neurociências 2provaNeurociências 2prova
Neurociências 2prova
 
(7) 2008-2009 - 9º ano - sistema neuro-hormonal
(7)   2008-2009 - 9º ano - sistema neuro-hormonal(7)   2008-2009 - 9º ano - sistema neuro-hormonal
(7) 2008-2009 - 9º ano - sistema neuro-hormonal
 
SISTEMA NERVOSO.pptx
SISTEMA NERVOSO.pptxSISTEMA NERVOSO.pptx
SISTEMA NERVOSO.pptx
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
 
Sistema neurohormonal
Sistema neurohormonalSistema neurohormonal
Sistema neurohormonal
 
Princípios de neuroanatomia
Princípios de neuroanatomiaPrincípios de neuroanatomia
Princípios de neuroanatomia
 
Princípios de neuroanatomia
Princípios de neuroanatomiaPrincípios de neuroanatomia
Princípios de neuroanatomia
 

Último

Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptxErivaldoLima15
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESPRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESpatriciasofiacunha18
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxIsabellaGomes58
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.HildegardeAngel
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptAlineSilvaPotuk
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdfDemetrio Ccesa Rayme
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfEyshilaKelly1
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfpaulafernandes540558
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira partecoletivoddois
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfErasmo Portavoz
 
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mental
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mentalADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mental
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mentalSilvana Silva
 

Último (20)

Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESPRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
 
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppttreinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
 
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mental
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mentalADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mental
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mental
 

Introdução à Psicofarmacologia

  • 2. PSICOFARMACOLOGIA CRONOGRAMA Módulo  I:  Introdução  e  Nivelamento     Módulo  II:  An@psicó@cos     Módulo  III:  An@depressivos     Módulo  IV:  Ansiolí@cos  e  Estabilizantes  do  Humor  
  • 3. Módulo  I     o Princípios  de  Neuroanatomia  Funcional   o Princípios  de  Bioeletrogênese  e  Neurotransmissão   o Conceitos  de  Psicofarmacologia    
  • 4. PRINCÍPIOS  DE  NEUROANATOMIA  FUNCIONAL   Considerações  gerais   o  O   conjunto   de   células   especializadas   em   comunicar   os   receptores   sensoriais,   de   um   lado,   e   os   efetores,   de   outro,   compreendem  o  sistema  nervoso.      
  • 5. PRINCÍPIOS  DE  NEUROANATOMIA   FUNCIONAL   Considerações  gerais   100  trilhões  de  células   100  bilhões  de  células  nervosas  
  • 6. Considerações  gerais   o  A s   c é l u l a s   n e r v o s a s   (neurônios)   podem   selecionar,   i n t e g r a r   e   a r m a z e n a r   informações.  
  • 7. Organização  do  Sistema  Nervoso  Humano   Encéfalo   Central   (SNC)   Medula     Espinhal   Sistema     Nervoso   Nervos   Periférico   (SNP)   Gânglios  
  • 8. Divisão  do  sistema  nervoso   Cérebro   Encéfalo   Central   (SNC)   Medula     Espinhal   Sistema     Nervoso   Tronco   encefálico   Cerebelo   Telencéfalo   Diencéfalo   Mesencéfalo   Ponte     Bulbo  
  • 9.
  • 10. Divisão  do  sistema  nervoso   Sistema     Nervoso   Nervos   Periférico   (SNP)   Cranianos   Espinhais   Autonômicos   Sensitivos   Gânglios  
  • 11. Divisão  do  sistema  nervoso   NERVO     C o r d ã o   c i l í n d r i c o   esbranquiçado,   formado   por   fibras   motoras   e   sensi@vas,   que   conduz   impulsos   de   uma   parte   do  corpo  para  outra.   GÂNGLIOS   Os   gânglios   aparecem   c o m o   p e q u e n a s   dilatações   em   certos   nervos.  
  • 14. Medula  espinhal   o  É   a   estrutura   mais   caudal   do   SNC   recebe   informações   da   pele,   ar@culações,   músculos   e   vísceras.   Cons@tui   a   estação   final   para   envio   de   comandos  motores.    
  • 15. Tronco  encefálico     •    Estrutura   de   transição   entre   a   medula   e   o   restante   do   encéfalo   essencial   a   nossa   vida.     •    Nos   neurônios   do   tronco   se   organiza  um  primeiro  controle   sobre  funções  espinhais.   •    Estando   o   tronco   situado   entre   a   medula   e   o   restante   do   encéfalo,   por   ai   trafegam   todos   os   sistemas   de   fibras   ( t r a t o s )   a s c e n d e n t e s   e   descendentes   entre   essas   duas  porções  do  SNC.  
  • 16. Tronco  encefálico  -­‐  Bulbo   o  Os   axônios   que   sobem   pelo   corno   dorsal   da   medula   espinhal   penetram   no   bulbo,   que   é   a   região   mais   caudal   do   tronco   cerebral.  Do  bulbo  seguem  via  lemnisco  medial  até  chegarem  ao   tálamo.     O   bulbo   é   responsável   por   c o n t r o l a r   d i v e r s a s   f u n ç õ e s   autonômicas  para  o  corpo:   -­‐  respiração     -­‐  pressão  sanguínea   -­‐frequência  cardíaca   -­‐  vômito    
  • 17. Tronco  encefálico  -­‐  Ponte   o  Funciona   como   uma   estação   para   as   informações   provenientes   dos  hemisférios  cerebrais  e  que  se  dirigem  para  o  cerebelo.      Locus  coeruleus     Principal   fonte   de   inervação   n o r a d r e n é r g i c a     d o   S N C .   Importante   no   controle   do   comportamento   emocional   e   do   ciclo  sono-­‐vigília.  
  • 18. Tronco  encefálico  -­‐  Mesencéfalo   Controle  dos   movimentos   oculares   Substância  cinzenta   periaquidutal:   Comportamentos   defensivos  e  controle  da   dor   Controle  da   a@vidade  dos   músculos   esquelé@cos   Formação  reWcular:  Envolvida  com  os  níveis  de  alerta  e  atenção.  
  • 19. Cerebelo   o  Atua   na   regulação   dos   movimentos   finos   e   complexos,   na   determinação  temporal  e  espacial  de  a@vação  de  músculos  durante   o  movimento  ou  no  ajuste  de  postura.  
  • 20. Tálamo:  Núcleos     Planejamento  superior:  Pré-­‐frontal   Controles  viscerais   Regulação  das     emoções   Controle  da   motricidade   A  palavra  que  melhor  descreve  as  funções  talâmicas  é  modular  
  • 21.
  • 22. Hipotálamo   o  Responsável   pela   homeostasia   (capacidade   de   preservar   as   condições  constantes  do  meio  interno).    
  • 26. Telencefalo   •  Em   suma,   o   telencefalo   é,   a   porção   mais   evidente   do   encéfalo   humano   é   crí@co   para   tudo   aquilo   que   entendemos   como   vida   inteligente  e  como  parte  integrante  das  funções  humanas.       •  Sua   lesão   não   determina   a   morte,   visto   que   estruturas   do   diencéfalo,   mesencéfalo,   tronco   encefálico   e   medula   espinha   é   que   são   crí@cas   para   nossas   funções   vitais.   Porém   uma   lesão   de   telencefalo.  Elimina  nossa  capacidade  de  reconhecer  um  filho,  de   cantar  ou  compor  uma  música,  de  pensar  e  planejar  a  maior  das   capacidades  humanas:  nos  expressar  por  meio  da  linguagem.       •  O   telencefalo   ,   é   assim   o   principal   responsável   pela   unificação   daquilo  que  nos  define  como  indivíduos.  
  • 27. Córtex  cerebral   •    No   cortex   é   onde   ocorre   ó   processamento   de   informações   sensórias,  motoras  ,  cogni@va  e  emocionais.  
  • 31. Núcleos  da  base     o   Núcleo  caudado   o   Putâmen   o   Globo  pálido   o   Substância  negra   o   Núcleo  subtalâmico   Expressão  emocional,  aprendizagem,  memória  e  atenção  
  • 32. Núcleos  da  base   o    Sua   principal   função   é   a   de   influenciar   o   córtex   motor   por   vias   que   passam   pelo     tálamo.   Assim,     planificam   e   executam   movimentos   regulares   além   de   estarem   relacionados   à   funções   afe@vas  e  cogni@vas.   o    Os   gânglios   basais   estão   organizados   para   facilitar   os   movimentos   voluntários   e   inibir   movimentos   compe@@vos,   que   poderiam  interferir  no  movimento  adequado.    
  • 33. Módulo  I     o Princípios  de  Neuroanatomia   o Princípios  de  Bioeletrogênese  e  Neurotransmissão   o Conceitos  de  Psicofarmacologia    
  • 34.  Princípios  de  Bioeletrogênese  e  Neurotransmissão   o Os  componentes  do  sistema  nervoso  recebem,  armazenam   e   processam   informações   sensoriais   e   depois   executam   as   respostas  apropriadas.   o Respostas   simples   como   os   reflexos   ou   realizar   processos   mais  elaborados  como  a  fala.      
  • 37. Neurônios   Propriedades  comuns  :      Gerar  e  propagar  aWvidades  elétricas  (impulso  nervoso).      
  • 38. Propriedades  comuns  :      Gerar  e  propagar  aWvidades  elétricas  (impulso  nervoso).     Comunicam-­‐se   entre   si   por   meio   de   sinapses   nervosas   químicas  ou  elétricas.      
  • 39. Neurônios   Propriedades  comuns  :      Gerar  e  propagar  aWvidades  elétricas  (impulso  nervoso).     Comunicam-­‐se   entre   si   por   meio   de   sinapses   nervosas   químicas  ou  elétricas.     Processar   digitalmente   os   sinais   elétricos   integrando   potenciais  elétricos  excitatórios  e  inibitórios.        
  • 40. Neurônios   Propriedades  comuns  :      Gerar  e  propagar  aWvidades  elétricas  (impulso  nervoso).     Comunicam-­‐se   entre   si   por   meio   de   sinapses   nervosas   químicas   ou   elétricas.    Processar  digitalmente  os  sinais  elétricos  integrando  potenciais  elétricos   excitatórias  e  inibitórios.      Comunicar-­‐se  com  células  efetuadoras  musculares  ou  glandulares.  
  • 42. Neurônios   Sua   capacidade   de   gerar   e   propagar   a@vidade   elétricas   se   baseia   na   sua   capacidade  de  gerar  potenciais  de  ação.      
  • 43. Potencial  de  ação   o O   PA,   em   vez   de   ser   meramente   conduzido;   ele   é   regenerado  ao  se  deslocar  ao  longo  da  célula.  Assim,  o  PA   mantém   o   mesmo   tamanho   e   forma   durante   sua   condução.   o Variações   na   freqüência   dos   PA   são   importantes   por   poderem   ser   u@lizadas   como   “código”   para   a   transmissão   de  informações  ao  longo  do  axônio.    
  • 46. Sinapse   É  o  local  onde  a  informação  é  transmi@da  de  uma  célula  à  outra.   SINAPSE  ELÉTRICA   SINAPSE  QUÍMICA  
  • 47. Sinapses  elétricas   Permite   a   corrente   fluir   de   uma   célula   excitável   para   a   seguinte,  por  meio  de  vias  de   baixa   resistência   entre   as   células,   chamadas   de   junções   comunicantes  (gap  junc)ons).  
  • 48. Sinapses  elétricas   o   Sem    mediadores  químicos   o   Nenhuma  modulação     o   Rápida  
  • 49. Sinapses  químicas   Durante   a   sinapse   química,   não   ocorre   contato   hsico   entre   as   células,  elas  se  comunicam  através  de  neurotransmissores  que  são   liberados  pelo  terminal  pré-­‐sináp@co  atravessam  a  fenda  sináp@ca   se   ligando   aos   seus   respec@vos   receptores   no   terminal   pós-­‐ sináp@co.  São  unidirecionais,  o  que  aumenta  a  sua  especificidade.   Membrana  celular     pré-­‐sinápWca   Membrana  celular     pós-­‐sinápWca  
  • 50. Sinapses  químicas   Membrana  celular     pré-­‐sinápWca   Ca++   Fenda  sinápWca   Membrana  celular     pós-­‐sinápWca   Receptores   o  Presença de mediadores químicos o  Controle e modulação da transmissão o  Lenta
  • 51. Sinapses  químicas   NEUROTRANSMISSOR   ?   Excitatórios   DESPOLARIZAÇÃO   da  célula  pós-­‐sinápWca   Inibitórios   HIPERPOLARIZAÇÃO   da  célula  pós-­‐sinápWca  
  • 52. Sinapses  químicas   POTENCIAIS  PÓS-­‐SINÁPTICOS  EXCITATÓRIOS     o   São  entradas  sináp@cas  que  despolarizam  a  célula.  São  produzidos   pelas  abertura  de  canais  para  Na+  e  K+.   o    ACh,   norepinefrina,   epinefrina,   dopamina   (5-­‐HT),   glutamato   e   serotonina.   POTENCIAIS  PÓS-­‐SINÁPTICOS  INIBITÓRIOS     São   entradas   sináp@cas   que   hiperpolarizam   a   célula.   São   produzidos  pelas  abertura  de  canais  para  Cl-­‐.   o  o   Ácido  γ-­‐aminobumrico(GABA)  e  glicina.  
  • 53. Sinapses  excitatórias Sinapses  inibitórias Sinapses   excitatórias   causam   uma   mudança   elétrica   excitatória   no   potencial   pós-­‐sináp@co   (PPSE).   Isso   acontece   quando   o   efeito   da   liberação  do  transmissor  é  para  despolarizar  a   membrana,   reduzindo   seu   limiar   elétrico   para   disparar   um   potencial   de   ação.   Esse   efeito     é   @picamente  mediado  pela  abertura  dos  canais   da  membrana.     Causam   um   potencial   pós-­‐sináp@co   inibitório   (PPSI),   porque   o   efeito   da   liberação   do   transmissor   é   para   hiperpolarizar   a   membrana,   tornando   mais   dihcil   alcançar   o   potencial   de   limiar   elétrico.   Esse   @po   de   sinapse   inibitória   funciona  graças  à  abertura  de  canais  cloreto  (Cl-­‐)   ou  potássio  (K+).  
  • 54. Sinapses  químicas   O   mecanismo   de   combinação   (ou   integração)   dos   sinais   elétricos   na   membrana  pós-­‐sináp@ca  chama-­‐se  SOMAÇÃO.     PEPS:  Potencial  pós-­‐sináp@co  excitatórios   PIPS:  Potencial  pós-­‐sináp@co  inibitório  
  • 55. Sinapses  químicas   Exemplo:  Junção  neuro-­‐muscular     A   sinapse   entre   um   motoneurônio   e   uma   fibra   muscular   é   chamado  de  junção  neuromuscular.   o 
  • 56. Sinapses  químicas   Exemplo:  Junção  neuro-­‐muscular   ACh= acetilcoenzima A + colina (colina ace@ltransferase)
  • 57. Sinapses  químicas   Exemplo:  Junção  neuro-­‐muscular  
  • 58. Sinapses  químicas   Exemplo:  Junção  neuro-­‐muscular   Receptor nicomnico   Placa     motora   Potencial  de  membrana  -­‐  90  mV       Potencial  de  placa  motora  -­‐  50  mV       Limiar       Potencial  de  ação  
  • 59. SÍNTESE E DEGRADAÇÃO DE ACETILCOLINA Síntese Colina + Acetil CoA Colina-Acetiltransferase Recaptação pela terminação nervosa Acetilcolina Acetilcolinesterase Degradação Colina + Acetato
  • 60. Neurotransmissores   Fatores  que  caracterizam  uma  substância  como  neurotransmissora:     o   Sinte@zada  na  célula  pré-­‐sináp@ca;   o   Liberada  pela  célula  pré-­‐sináp@ca  durante  a  es@mulação;   o    E,  se  for  exogenamente  aplicada  à  membrana  pós-­‐sináp@ca,  em   concentrações   fisiológicas   apropriadas,   a   resposta   da   célula   pós-­‐ sináp@ca  deve  mime@zar  a  resposta  in  vivo.  
  • 61. Neurotransmissores   o   Os  neurotransmissores  são  armazenadas  em  vesículas.     o    As   vesículas   são   transportadas   e   armazenadas   nos   terminais   nervosos  de  onde  são  secretadas.    
  • 62. Principais  neurotransmissores   MAO:  Monoamina  oxidade   COMT:  catecol-­‐O-­‐me@ltransferase  
  • 63. Principais  neurotransmissores   SEROTONINA   Amina  biogênica,  par@cipa  na  regulação  da  temperatura,  percepção   sensorial,  indução  do  sono  e  na  regulação  dos  níveis  de  humor.    
  • 64. Principais  neurotransmissores   GABA   o GABAA  :  ionotrópico     Abrem  canais  de  Cl  –  diretamente,  causam  hiperpolarização.   o GABAB:  metabotrópico   Abrem  canais  de  K+  indiretamente,  causam  hiperpolarização.                      
  • 65.
  • 66. Tipos  de  canais  iônicos   Onde  os  NT  atuam