O NARRADOR
OFICINA LITERÁRIA ONLINE
por Marcelo Spalding
www.cursosdeescrita.com.br | Prof. Marcelo Spalding
Autopsicografia
O poeta é um fingidor.
Finge tão completamente
Que chega a fingir que é dor
A dor que deveras sente.
E os ...
Regra básica:
Narrador NÃO É o autor
(assim como sujeito poético)
OFICINA LITERÁRIA ONLINE
por Marcelo Spalding
www.cursos...
Tipos de narrador
OFICINA LITERÁRIA ONLINE
por Marcelo Spalding
www.cursosdeescrita.com.br | Prof. Marcelo Spalding
1) Quem conta a história?
2) O quanto o narrador sabe?
Onde ele consegue estar?
OFICINA LITERÁRIA ONLINE
por Marcelo Spald...
1) Quem conta a história?
DEFINIDO (aparece em 1ª pessoa)
INDEFINIDO (aparece em 3ª pessoa)
Se definido, é protagonista
ou...
“De que jeito eu podia amar um homem, meu de natureza
igual, macho em suas roupas e suas armas, espalhado rústico
em suas ...
“Desde minha fuga, era calando minha revolta (tinha
contundência o meu silêncio! tinha textura a minha raiva!)
que eu, a c...
“Escrever se tornou meu refúgio – minha mutilação saudável.
Meu melhor amigo – o único capaz de entender meu
sofrimento se...
“Eu estava nessa arrancada. Chegamos como um pé-de-
vento e, conforme boleamos a perna, vimos mesmo que os
negros contavam...
“Sherlock pareceu encantado com a idéia de dividir os
aposentos comigo.
– Estou de olho num apartamento em Baker Street – ...
“Mas, curioso que era, agachei-me
atrás da porta da sala, que deixei
entreaberta, de modo a poder seguir
o diálogo.”
O Nom...
“O estudante Bruno Quadros Rypl, 15 anos, estava a poucos
metros de casa, no bairro Partenon, em Porto Alegre,
quando foi ...
“Fabiano ia satisfeito. Sim senhor, arrumara-se. Chegara
naquele estado, com a família morrendo de fome, comendo
raízes. C...
“Antes de começar o ataque ao casarão, Rodrigo foi à casa
do vigário.
– Padre! – gritou, sem apear. Esperou um instante. D...
OFICINA LITERÁRIA ONLINE
por Marcelo Spalding
Então, quem conta a história:
1ª pessoa protagonista
1ª pessoa coadjuvante
3...
2) O quanto o narrador sabe? Onde ele
consegue estar?
ONISCIENTE
ONISCIENTE SELETIVO
CÂMERA
O onisciente é mais comum
em t...
“Fabiano ia satisfeito. Sim senhor, arrumara-se. Chegara
naquele estado, com a família morrendo de fome, comendo
raízes. C...
“Bateu a porta. No corredor do edifício, era partida. Saiu à
rua de olhos muito abertos. Pensou que uma pessoa deveria
faz...
“Não é possível que Blimunda tenha pensado essa sutileza, e
daí, quem sabe, nós não estamos dentro das pessoas,
sabemos lá...
“Muitas vezes fingi acreditar em fantasmas e fingi acreditar
festivamente, e agora que sou um deles entendo por que as
tra...
“Vou ter que recorrer às minhas folhas, assim elas poderão ir
junto com as crianças em todos os lugares e poderemos ouvir
...
“Ela [Amélia] não respondia, respirando muito forte. Amaro pousou-lhe a mão sobre o
ombro, sobre o peito, apertando-lho, a...
CONSTRANGIDA
O atendente da farmácia viu que eu entrei meio sem graça.
Sorriu, malicioso. Eram dez da noite, e eu não tinh...
“Ela me enlaçou, beijou meu rosto e abaixou a cabeça.
Murmurou que gostava tanto de Yaqub... Desde o tempo em
que brincava...
“O velho começou a mexer nela. Alisou o pezinho, o
tornozelinho, os tendõezinhos, a batatinha da perna, cada
joelhinho, as...
“Vê-se pelas feições do rosto, e pelos bilhetes de identidade
se confirmaria, que os soldados são realmente filhos do
povo...
“Ela gesticula muito. Ele observa, quieto, olhar fixo nos
olhos dela. Não parece ouvir. Mas ela não desiste, fala, fala,
f...
“O estudante Bruno Quadros Rypl, 15 anos, estava a poucos
metros de casa, no bairro Partenon, em Porto Alegre,
quando foi ...
Então, o narrador:
• Pode ser em 1ª ou 3ª pessoa;
• Protagonista, coadjuvante ou apenas narrador;
E
• Saber tudo e estar e...
www.cursosdeescrita.com.br
direção do Prof. Dr. Marcelo Spalding
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Tipos de NARRADOR na criação de literatura

1.107 visualizações

Publicada em

Tipos de NARRADOR na criação de literatura, criação literária, escrita criativa.

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.107
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
24
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Tipos de NARRADOR na criação de literatura

  1. 1. O NARRADOR OFICINA LITERÁRIA ONLINE por Marcelo Spalding www.cursosdeescrita.com.br | Prof. Marcelo Spalding
  2. 2. Autopsicografia O poeta é um fingidor. Finge tão completamente Que chega a fingir que é dor A dor que deveras sente. E os que lêem o que escreve, Na dor lida sentem bem, Não as duas que ele teve, Mas só a que ele não tem. E assim nas calhas de roda Gira, a entreter a razão, Esse comboio de corda Que se chama coração. Fernando Pessoa www.cursosdeescrita.com.br | Prof. Marcelo Spalding
  3. 3. Regra básica: Narrador NÃO É o autor (assim como sujeito poético) OFICINA LITERÁRIA ONLINE por Marcelo Spalding www.cursosdeescrita.com.br | Prof. Marcelo Spalding
  4. 4. Tipos de narrador OFICINA LITERÁRIA ONLINE por Marcelo Spalding www.cursosdeescrita.com.br | Prof. Marcelo Spalding
  5. 5. 1) Quem conta a história? 2) O quanto o narrador sabe? Onde ele consegue estar? OFICINA LITERÁRIA ONLINE por Marcelo Spalding www.cursosdeescrita.com.br | Prof. Marcelo Spalding
  6. 6. 1) Quem conta a história? DEFINIDO (aparece em 1ª pessoa) INDEFINIDO (aparece em 3ª pessoa) Se definido, é protagonista ou assistente da história? OFICINA LITERÁRIA ONLINE por Marcelo Spalding www.cursosdeescrita.com.br | Prof. Marcelo Spalding
  7. 7. “De que jeito eu podia amar um homem, meu de natureza igual, macho em suas roupas e suas armas, espalhado rústico em suas ações?! Me franzi. Ele tinha a culpa? Eu tinha a culpa? Eu era o chefe. O sertão não tem janelas nem portas. E a regra é assim: ou o senhor bendito governa o sertão, ou o sertão maldito vos governa... Aquilo eu repeli?” Grande Sertão: Veredas, Guimarães Rosa Narrador definido e protagonista (1ª pessoa protagonista) www.cursosdeescrita.com.br | Prof. Marcelo Spalding
  8. 8. “Desde minha fuga, era calando minha revolta (tinha contundência o meu silêncio! tinha textura a minha raiva!) que eu, a cada passo, me distanciava lá da fazenda, e se acaso distraído eu perguntasse “para onde estamos indo?” – não importava que eu, erguendo os olhos, alcançasse paisagens muito novas, quem sabe menos ásperas, não importava que eu, caminhando, me conduzisse para regiões cada vez mais afastadas, pois haveria de ouvir claramente de meus anseios um juízo rígido, era um cascalho, um osso rigoroso, desprovido de qualquer dúvida: “estamos indo sempre para casa”. Lavoura Arcaica, Raduan Nassar Narrador definido e protagonista (1ª pessoa protagonista) www.cursosdeescrita.com.br | Prof. Marcelo Spalding
  9. 9. “Escrever se tornou meu refúgio – minha mutilação saudável. Meu melhor amigo – o único capaz de entender meu sofrimento sem recriminação. O único capaz de silêncio absoluto aos meus desabafos febris – um tolerante ao meu narcisismo.” Fugalaça, Mayra Dias Gomes Obs: eu protagonista é o caso mais confundido com sujeito poético Narrador definido e protagonista (1ª pessoa protagonista) www.cursosdeescrita.com.br | Prof. Marcelo Spalding
  10. 10. “Eu estava nessa arrancada. Chegamos como um pé-de- vento e, conforme boleamos a perna, vimos mesmo que os negros contavam. E da Maria Altina, nada; da mãe Tanásia, nada. Apenas no chão da varanda novelos desparramados, a mesa arredada, o timãozinho novo com um rasgão grande...” No Manantial, Simões Lopes Neto Narrador definido (1ª pessoa coadjuvante, narra em 3ª) www.cursosdeescrita.com.br | Prof. Marcelo Spalding
  11. 11. “Sherlock pareceu encantado com a idéia de dividir os aposentos comigo. – Estou de olho num apartamento em Baker Street – disse – que seria ótimo para nós. Espero que não se incomode com o cheiro de tabaco forte. – Eu mesmo sempre fumo tabaco de marinheiro – respondi.” Um Estudo em Vermelho, Sir Arthur Conan Doyle Obs: quando narrador se manifesta na história, marca como se fosse diálogo de personagem Narrador definido (1ª pessoa coadjuvante, narra em 3ª) www.cursosdeescrita.com.br | Prof. Marcelo Spalding
  12. 12. “Mas, curioso que era, agachei-me atrás da porta da sala, que deixei entreaberta, de modo a poder seguir o diálogo.” O Nome da Rosa, Umberto Eco Narrador definido (1ª pessoa coadjuvante, narra em 3ª) www.cursosdeescrita.com.br | Prof. Marcelo Spalding
  13. 13. “O estudante Bruno Quadros Rypl, 15 anos, estava a poucos metros de casa, no bairro Partenon, em Porto Alegre, quando foi atingido por um tiro na cabeça, no início da manhã de ontem. Mesmo tendo sido socorrido, ele não resistiu ao ferimento. Um outro adolescente, de 16 anos, foi detido e admitiu ser o autor do disparo, mas explicou que a arma, um revólver calibre 32, teria disparado acidentalmente. Bruno e um primo voltavam de uma festa no momento em que o garoto foi baleado. Inicialmente, a versão apresentada à polícia para o crime foi de que um motoqueiro teria atirado.” Zero Hora, 01 de outubro de 2007 Narrador “indefinido” (3ª pessoa) www.cursosdeescrita.com.br | Prof. Marcelo Spalding
  14. 14. “Fabiano ia satisfeito. Sim senhor, arrumara-se. Chegara naquele estado, com a família morrendo de fome, comendo raízes. Caíra no fim do pátio, debaixo de um juazeiro, depois tomara conta da casa deserta. Ele, a mulher e os filhos tinham-se habituado à camarinha escura, pareciam ratos – e a lembrança dos sofrimentos passados esmorecera.” “Deu um pontapé na cachorra, que se afastou humilhada e com sentimentos revolucionários. (...) Como achasse tudo em ordem [Sinhá Vitória], queixara-se da vida. E agora vingava-se em Baleia, dando-lhe um pontapé.” Vidas Secas, Graciliano Ramos Narrador “indefinido” (3ª pessoa) www.cursosdeescrita.com.br | Prof. Marcelo Spalding
  15. 15. “Antes de começar o ataque ao casarão, Rodrigo foi à casa do vigário. – Padre! – gritou, sem apear. Esperou um instante. Depois: – Padre! A porta da meiágua abriu-se e o vigário apareceu. – Capitão! – exclamou ele, aproximando-se do amigo e erguendo a mão, que Rodrigo apertou com força. – Foi só pra saber se vosmecê estava aqui ou lá dentro do casarão. Eu não queria lastimar o amigo...” O Continente, Erico Verissimo Obs: estilo preferido do realismo Narrador “indefinido” (3ª pessoa) www.cursosdeescrita.com.br | Prof. Marcelo Spalding
  16. 16. OFICINA LITERÁRIA ONLINE por Marcelo Spalding Então, quem conta a história: 1ª pessoa protagonista 1ª pessoa coadjuvante 3ª pessoa OBS: (Tu) é um caso em que foco está no narratário, mas há um narrador definido ou não www.cursosdeescrita.com.br | Prof. Marcelo Spalding
  17. 17. 2) O quanto o narrador sabe? Onde ele consegue estar? ONISCIENTE ONISCIENTE SELETIVO CÂMERA O onisciente é mais comum em terceira pessoa OFICINA LITERÁRIA ONLINE por Marcelo Spalding www.cursosdeescrita.com.br | Prof. Marcelo Spalding
  18. 18. “Fabiano ia satisfeito. Sim senhor, arrumara-se. Chegara naquele estado, com a família morrendo de fome, comendo raízes. Caíra no fim do pátio, debaixo de um juazeiro, depois tomara conta da casa deserta. Ele, a mulher e os filhos tinham-se habituado à camarinha escura, pareciam ratos – e a lembrança dos sofrimentos passados esmorecera.” “Deu um pontapé na cachorra, que se afastou humilhada e com sentimentos revolucionários. (...) Como achasse tudo em ordem [Sinhá Vitória], queixara-se da vida. E agora vingava-se em Baleia, dando-lhe um pontapé.” Vidas Secas, Graciliano Ramos ONISCIENTE www.cursosdeescrita.com.br | Prof. Marcelo Spalding
  19. 19. “Bateu a porta. No corredor do edifício, era partida. Saiu à rua de olhos muito abertos. Pensou que uma pessoa deveria fazer apenas aquilo que entendesse. E seguiu pela avenida vazia de fascinação.” Um oco e um vazio, Cíntia Moscovich ONISCIENTE www.cursosdeescrita.com.br | Prof. Marcelo Spalding
  20. 20. “Não é possível que Blimunda tenha pensado essa sutileza, e daí, quem sabe, nós não estamos dentro das pessoas, sabemos lá o que elas pensam, andamos é a espalhar os nossos próprios pensamentos pelas cabeças alheias e depois dizemos, Blimunda pensa, Baltasar pensou, e talvez tivéssemos imaginado as nossas próprias sensações, por exemplo, esta de Blimunda nas suas ancas, como se lhes tivessem tocado o seu homem.” Memorial do Convento, José Saramago ONISCIENTE www.cursosdeescrita.com.br | Prof. Marcelo Spalding
  21. 21. “Muitas vezes fingi acreditar em fantasmas e fingi acreditar festivamente, e agora que sou um deles entendo por que as tradições os representam desconsoladas e insistindo em voltar para os lugares que conheceram quando foram mortais. (...) Mas já disse que isso é só o segundo pior, há algo mais lacerante, que é que agora não somente lembro o que vi, ouvi e soube quando fui mortal, mas lembro por completo, isto é, inclusive o que então eu não via, nem sabia, nem ouvia, nem estava ao meu alcance, mas afetava a mim ou àqueles com quem me importava e que talvez me configuravam.” Quando fui mortal, Javier Marías ONISCIENTE www.cursosdeescrita.com.br | Prof. Marcelo Spalding
  22. 22. “Vou ter que recorrer às minhas folhas, assim elas poderão ir junto com as crianças em todos os lugares e poderemos ouvir o que elas falam. (...) Elas pensam que é o vento, não imaginam que sou eu. É preciso balançar bastante meus galhos para que caiam muitas folhas. Uma, pelo menos, pode alcançar e se prender em uma das crianças. Ei, folhinhas, alguém conseguiu? Alô, aqui é o Folhada, estou bem acomodado no bolso da camisa do Matias. Câmbio! (...)” Pimenta do reino em pó, Cláudio Levitan ONISCIENTE www.cursosdeescrita.com.br | Prof. Marcelo Spalding
  23. 23. “Ela [Amélia] não respondia, respirando muito forte. Amaro pousou-lhe a mão sobre o ombro, sobre o peito, apertando-lho, acariciando a seda. Toda ela estremeceu. E foi-o enfim seguindo pela escada, como tonta, com as orelhas a arder, tropeçando a cada degrau na roda do vestido. – Entra para aí, é o quarto, disse-lhe ao ouvido. Correu à cozinha. Dionísia acendia a vela. – Minha Dionísia, tu percebes... Eu fiquei de confessar aqui a menina Amélia. É um caso muito sério... Volta daqui a meia hora. Toma! meteu-lhes três placas na mão. A Dionísia descalçou os sapatos, desceu em pontas de pés e fechou-se na loja do carvão. Ele voltou ao quarto com a luz. Amélia lá estava, imóvel, toda pálida. O pároco fechou a porta – e foi para ela, calado, com os dentes cerrados, soprando como um touro. *** Meia hora depois Dionísia tossiu na escada. (narrador interrompe narração em cenas de “confissão”, esquivando-se de narrar cenas de amor) O crime do Padre Amaro, Eça de Queirós ONISCIENTE www.cursosdeescrita.com.br | Prof. Marcelo Spalding
  24. 24. CONSTRANGIDA O atendente da farmácia viu que eu entrei meio sem graça. Sorriu, malicioso. Eram dez da noite, e eu não tinha cara de doente. Ele até olhou para a porta, como procurando mais alguém. Quando cheguei perto da gôndola das camisinhas, o bobalhão desviou o olhar de mim, disfarçando muito mal. Fingiu que arrumava uns folders em cima do balcão, mas sempre com o sorrisinho idiota, que só parou, só se fechou quando pus na frente o pacote de fraldas. In Adeus Contos de Fadas, Leonardo Brasiliense ONISCIENTE SELETIVO www.cursosdeescrita.com.br | Prof. Marcelo Spalding
  25. 25. “Ela me enlaçou, beijou meu rosto e abaixou a cabeça. Murmurou que gostava tanto de Yaqub... Desde o tempo em que brincavam, passeavam. Omar ficava enciumado quando via os dois juntos, no quarto, logo que o irmão voltou do Líbano. “Com o Omar, eu não queria... Uma noite ele entrou no meu quarto, fazendo aquela algazarra, bêbado, abrutalhado... Ele me agarrou com força de homem. Nunca me pediu perdão”. Ela soluçava, não podia falar mais nada.” Dois Irmãos, Milton Hatoum ONISCIENTE SELETIVO www.cursosdeescrita.com.br | Prof. Marcelo Spalding
  26. 26. “O velho começou a mexer nela. Alisou o pezinho, o tornozelinho, os tendõezinhos, a batatinha da perna, cada joelhinho, as coxinhas, os ossinhos da bacia... Então ele ergueu a sainha. Talvez a menina quisesse dizer: – Não. Mas o fato é que o velho não queria que ela falasse no meio da sua felicidade. Colocou a mão na boquinha dela. Ficou com ela ali, sentindo o calor do bafinho que saía cada vez mais depressa.” Subúrbio, Fernando Bonasi ONISCIENTE SELETIVO www.cursosdeescrita.com.br | Prof. Marcelo Spalding
  27. 27. “Vê-se pelas feições do rosto, e pelos bilhetes de identidade se confirmaria, que os soldados são realmente filhos do povo, mas o major deles, ou também o é e repudiou nos assentos da escola militar a humilde ascendência, ou pertence desde o nascimento às classes superiores, para quem os hotéis do Algarve foram feitos, pela resposta dada não se pôde saber, Cheguem-se lá para trás. (...) Mas o comandante paisano clamou irado (...)” A jangada de pedra, José Saramago CÂMERA www.cursosdeescrita.com.br | Prof. Marcelo Spalding
  28. 28. “Ela gesticula muito. Ele observa, quieto, olhar fixo nos olhos dela. Não parece ouvir. Mas ela não desiste, fala, fala, fala, gesticula, chega a chorar. Ele, impassível. Uma pessoa passa com pressa por eles, a noite é alta, as ruas, escuras, o perigo, grande. O homem finalmente desvia o olhar da mulher para conferir se o transeunte não vira o rosto. Não vira. O homem espera que ela se cale, saca a arma e dá dois tiros à queima roupa. O barulho assusta/chama a atenção do transeunte que volta-se para a cena do crime, mas o homem e seu revólver já vão longe.” (exercício que faremos a seguir) CÂMERA www.cursosdeescrita.com.br | Prof. Marcelo Spalding
  29. 29. “O estudante Bruno Quadros Rypl, 15 anos, estava a poucos metros de casa, no bairro Partenon, em Porto Alegre, quando foi atingido por um tiro na cabeça, no início da manhã de ontem. Mesmo tendo sido socorrido, ele não resistiu ao ferimento. Um outro adolescente, de 16 anos, foi detido e admitiu ser o autor do disparo, mas explicou que a arma, um revólver calibre 32, teria disparado acidentalmente. Bruno e um primo voltavam de uma festa no momento em que o garoto foi baleado. Inicialmente, a versão apresentada à polícia para o crime foi de que um motoqueiro teria atirado.” Zero Hora, 01 de outubro de 2007 CÂMERA www.cursosdeescrita.com.br | Prof. Marcelo Spalding
  30. 30. Então, o narrador: • Pode ser em 1ª ou 3ª pessoa; • Protagonista, coadjuvante ou apenas narrador; E • Saber tudo e estar em todos os lugares; • Saber tudo e estar em todos os lugares que esteja determinada personagem; • Como uma câmera, saber só o que vê. OFICINA LITERÁRIA ONLINE por Marcelo Spalding www.cursosdeescrita.com.br | Prof. Marcelo Spalding
  31. 31. www.cursosdeescrita.com.br direção do Prof. Dr. Marcelo Spalding

×