O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.

Antropologia

3.508 visualizações

Publicada em

Plano de Ensino da disciplina Antropologia, do curso de graduação em Direito na Faculdade Cambury (Goiânia, GO).

Publicada em: Tecnologia
  • Seja o primeiro a comentar

Antropologia

  1. 1. MARCELO RODRIGUES SOUZA RIBEIRO ESCOLA DE DIREITO - FACULDADE CAMBURY - 2010/2º Direito Antropologia http://incinerrante.com/antropologia-direito/ 32 horas-aula Marcelo Rodrigues Souza Ribeiro Primeiro marcelo@incinerrante.com períodoEmentaConceitos básicos da antropologia: cultura, alteridade, diversidade cultural,etnocentrismo, relativismo cultural. O método etnográfico. O conceito de identidade ede identidade étnica. Os territórios étnicos (indígenas e quilombolas). Antropologia,direitos humanos e ética.ObjetivosA disciplina de Antropologia busca apresentar a antropologia e sua abordagem da vidasocial e cultural da humanidade, com os seguintes objetivos:1. Definir os principais conceitos da antropologia: cultura; identidade, diversidade, etnocentrismo e relativismo cultural.2. Delinear o campo da antropologia do direito ou antropologia jurídica.3. Propor formas de relação entre antropologia e direito: interdisciplinaridade e interculturalidade.4. Analisar e compreender os discursos e práticas em torno dos direitos humanos de uma perspectiva antropológica e multicultural.Para isso, serão apresentadas as críticas da antropologia às diversas formas e graus dedeterminismo biológico, no intuito de problematizar feixes de questões comoterritorialidade, etnia, raça, religiosidade, gênero e sexualidade, articulando a perspectivaantropológica a alguns dos principais embates jurídicos contemporâneos.Conteúdo programáticoUnidade 1: Introdução à antropologia1.1) A antropologia no quadro dos saberes1.1.1) Diferenças entre ciências naturais e ciências sociais1.2) Conceitos fundamentais da teoria antropológica contemporânea1.2.1) A cultura como organização simbólica da experiência e da ação humana1.2.2) Diversidade, relativismo e diferença cultural1.2.3) Etnocentrismo e identidade cultural1.3) Temas para debate na articulação entre antropologia e direito PÁGINA 1 DE 4 PLANO DE ENSINO DE ANTROPOLOGIA (DIREITO)
  2. 2. MARCELO RODRIGUES SOUZA RIBEIRO ESCOLA DE DIREITO - FACULDADE CAMBURY - 2010/2º1.3.1) Território, territorialidades e socialidades subalternas da nação brasileira: associedades indígenas e os “remanescentes das comunidades dos quilombos”1.3.2) Raça, racismo e ações afirmativas: as cotas para negros e índios1.3.3) Gênero e sexualidade: o pessoal é o político1.3.4) Religião, liberdade e (in)tolerância: público e privado na sociedade do espetáculoUnidade 2: Antropologia jurídica, direitos humanos e ética2.1) Direitos humanos e ética numa perspectiva multicultural2.1.1) Panorama histórico da emergência dos direitos humanos como tema na agendainternacional2.1.2) Cosmopolitismo multicultural: as articulações e as disjunções entre globalização elocalidade, entre universalismo e particularismo2.1.3) Ética, lei e moral como princípios diferentes2.1.4) O pluralismo jurídico como direito ao próprio direitoMetodologiaAs 32 horas-aula da disciplina serão (ou poderão ser) dedicadas a: • aulas expositivas e dialógicas baseadas em textos selecionados da bibliografia, com eventual exibição de imagens (entre outros recursos) e discussão em sala; • seminários de apresentação de textos por parte de estudantes; • exercícios em sala, resumos, resenhas e pesquisas sobre temas, autores e outras questões, podendo resultar em parte (de 10% a 30%) das notas de N1 e N2 (ver explicações no próximo item), que valem de 0,0 a 10,0; • provas individuais e sem consulta, resultando em parte ou na totalidade nas notas de N1 e N2, assim como na nota de N3 (exame final, valendo de 0,0 a 10,0 – ver explicações no próximo item). As provas e o exame final conterão tanto questões objetivas (estilo múltipla escolha ou verdadeiro-falso) quanto questões discursivas, incluindo questões conforme o modelo do ENADE.Como atividades complementares, serão ou poderão ser realizados: • discussões via internet por meio de fóruns, chats e outros procedimentos, no Espaço Virtual de Estudos que se encontra em http://incinerrante.com/eve/ • saídas para: museus e/ou galerias de exposição de arte e fotografia; sessões regulares, mostras e/ou festivais de cinema; palestras, oficinas e eventos relacionados à disciplina.Cada estudante deverá realizar o cadastramento de usuário ao acessar o Espaço Virtualde Estudos pela primeira vez, definindo um nome de usuário e uma senha pessoal(composta de letras e números, com um mínimo de oito caracteres) de sua preferência.Além disso, apenas no primeiro acesso à área específica para a disciplina de PÁGINA 2 DE 4 PLANO DE ENSINO DE ANTROPOLOGIA (DIREITO)
  3. 3. MARCELO RODRIGUES SOUZA RIBEIRO ESCOLA DE DIREITO - FACULDADE CAMBURY - 2010/2ºAntropologia, deverá ser informado o código de inscrição divulgado em sala de aula.Qualquer problema ou dúvida, basta entrar em contato com o professor.Tanto as atividades no Espaço Virtual de Estudos quanto as saídas, sempre que foremrealizadas, poderão resultar em parte (de 10% a 30%) das notas de N1 e N2.O calendário de aulas e atividades, incluindo informações sobre as avaliações, serádivulgado oportunamente por meio do Espaço Virtual de Estudos e na pasta dadisciplina na fotocopiadora.Avaliações e critérios para aprovação1. A frequência mínima é de 75% da carga horária, o que corresponde a 24 horas-aula. Qualquer estudante que faltar a mais de 25% das aulas, ou 8 horas-aula, está automaticamente reprovado/a.2. A média geral mínima para aprovação é de 7,0 pontos. Isso significa que a média aritmética das notas de N1 e N2 deverá ser maior ou igual a 7,0 para aprovação.3. Caso não alcance a média mínima para aprovação, o estudante poderá realizar o exame final (N3), que consiste numa prova individual e sem consulta, com questões objetivas e discursivas, sobre todo o conteúdo programático do curso. Para aprovação, a média aritmética da nota de N3 e da média de N1 e N2 deverá ser maior ou igual a 5,0.Bibliografia básicaDA MATTA, Roberto. Relativizando: uma introdução à antropologia social. Rio deJaneiro: Rocco, 1991.LAPLANTINE, François. Aprender antropologia. São Paulo: Brasiliense, 1994.LARAIA, Roque de Barros. Cultura: um conceito antropológico. Rio de Janeiro: Zahar,1997.Bibliografia complementarCUCHE, Denys. A noção de cultura nas ciências sociais. Bauru: EDUSC, 2002.GEERTZ, Clifford. A transição para humanidade. In: TAX, Sol (org.). Panorama daantropologia. Rio de Janeiro, São Paulo, Lisboa: Fundo de Cultura, 1966.GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Guanabara, 1989.HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A,2003.LEITE, Ilka Boaventura. Questões éticas da pesquisa antropológica na interlocução como campo jurídico. In: VÍCTORA, Ceres; OLIVEN, Ruben George; MACIEL, MariaEunice; ORO, Ari Pedro (orgs.). Antropologia e ética: o debate atual no Brasil. Niterói:EdUFF, 2004, p. 65-72. Disponível em: http://www.abant.org.br/.LÉVI-STRAUSS, Claude. Raça e história. In: __________. Antropologia EstruturalDois. Rio de Janeiro: Edições Tempo Brasileiro, 1993. PÁGINA 3 DE 4 PLANO DE ENSINO DE ANTROPOLOGIA (DIREITO)
  4. 4. MARCELO RODRIGUES SOUZA RIBEIRO ESCOLA DE DIREITO - FACULDADE CAMBURY - 2010/2ºNOVAES, Regina (org.). Direitos humanos: temas e perspectivas. Rio de Janeiro:Mauad, 2001.NOVAES, Regina R.; LIMA, Roberto Kant de (orgs.). Antropologia e direitoshumanos. Niterói: EdUFF, 2001. Disponível em: http://www.abant.org.br/.ROCHA, Everardo. O que é etnocentrismo. São Paulo: Brasiliense, 2006.SALOMON, Marlon; SILVA, Joana Aparecida Fernandes; ROCHA, Leandro Mendes.Processos de territorialização: entre a história e a antropologia. Goiânia: Ed. da UCG,2005.SANTOS, Boaventura de Sousa (org.). Reconhecer para libertar: os caminhos docosmopolitismo multicultural. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira: 2003.SEGATO, Rita Laura. Antropologia e direitos humanos: alteridade e ética nomovimento de expansão dos direitos universais. Mana, v. 12, n. 1, 2006, p. 207-236.Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/mana/v12n1/a08v12n1.pdf.SILVA, Aracy Lopes da; GRUPIONI, Luís Donisete Benzi. A temática indígena naescola. Brasília: MEC/MARI/UNESCO, 1995.SILVA, Joana Aparecida Fernandes (org.). Dossiê: Identidade indígena e território.Sociedade e Cultura: revista de pesquisas e debates em ciências sociais, v. 6, n. 2, jul/dez de 2003. Goiânia: Departamento de Ciências Sociais, FCHF/UFG, 2005. Disponívelem: http://www.revistas.ufg.br/index.php/fchf/issue/view/397SILVA, Tomaz Tadeu da (org.). Identidade e diferença. Petrópolis: Vozes, 2000.Artigos em periódicos diversos disponíveis em http://www.scielo.br/. PÁGINA 4 DE 4 PLANO DE ENSINO DE ANTROPOLOGIA (DIREITO)

×