Teoria da Imagem         A fotografia, seus momentos     icônicos, simbólicos e indiciários, suas dimensões espaciais e te...
História do pensamento crítico        e teórico sobre a fotografia✤   Três tempos:1.A fotografia como espelho do real2.A fo...
1. A fotografia como ícone✤   Discurso da mimese e da transparência,    denunciando ou elogiando✤   Baudelaire, por exempl...
1. A fotografia como ícone      Pintura           Fotografia  • Busca formal    •   Caráter  • Artisticidade     documental...
1. A fotografia como ícone      Pintura           Fotografia  • Busca formal    •   Caráter  • Artisticidade     documental...
1. A fotografia como ícone      Pintura           Fotografia  • Busca formal    •   Caráter  • Artisticidade     documental...
1. A fotografia como ícone      Pintura           Fotografia  • Busca formal    •   Caráter  • Artisticidade     documental...
1. A fotografia como ícone      Pintura           Fotografia  • Busca formal    •   Caráter  • Artisticidade     documental...
2. A fotografia como símbolo✤   Discurso do código e da desconstrução✤   Quatro campos teóricos de articulação:1.Estrutura...
2. A fotografia como símbolo✤   Deslocamento da questão do realismo:    do realismo da transparência (a imagem como    jan...
2. A fotografia como símbolo✤   Deslocamento da questão do realismo:    do realismo da transparência (a imagem como    jan...
2. A fotografia como símbolo✤   Deslocamento da questão do realismo:    do realismo da transparência (a imagem como    jan...
2. A fotografia como símbolo✤   Deslocamento da questão do realismo:    do realismo da transparência (a imagem como    jan...
3. A fotografia como índice✤   Discurso da referência✤   Em contraposição ao valor absoluto atribuído à    fotografia pelos...
3. A fotografia como índice✤   Barthes em A câmara clara: a fotografia diz: isso foi✤   Bazin: não é o resultado, mas o mod...
3. A fotografia como índice✤   Barthes em A câmara clara: a fotografia diz: isso foi✤   Bazin: não é o resultado, mas o mod...
3. A fotografia como índice✤   Barthes em A câmara clara: a fotografia diz: isso foi✤   Bazin: não é o resultado, mas o mod...
Definição mínima de fotografia✤   Dubois: “a imagem fotográfica aparece a    princípio, simples e unicamente, como uma    i...
Outros signos indéxicos              ✤   Fumaça (índice do fogo)              ✤   Sombra (alcance)              ✤   Poeira...
O que diferencia um índice deum ícone e de um símbolo?✤   Relação entre signo e    objeto: conexão física e    ligação exi...
A fotografia como índice                  ✤   Dubois: “não é possível pensar                      a fotografia fora de sua ...
5                                      9                            6Man Ray – Rayography “Champs délicieux” (1922) – Font...
Consequências: 1. Singularidade                                                    ≠ René Magritte – La Trahison des Image...
Consequências: 2. Atestação                                     ≠   René Magritte – Golconde (1953)                       ...
Consequências: 3. Designação                                               ≠                                              ...
A fotografia como índice✤   Em vez de mimese, o que marca a imagem fotográfica é a referência.✤   Se a fotografia designa (e...
A fotografia como índice✤   O índice, a relação indiciária ou indéxica, caracteriza o momento    essencial, primordial, de...
A fotografia como índice✤   Dubois:    “Em nenhum momento no índice fotográfico, o signo é a coisa.” (p. 89)✤   Distância e...
Espaço e tempo           A perspectiva artificial,           a pirâmide visual e o           trapézio da encenação
Espaço e tempo          Henri Cartier-Bresson           Juvisy, França (1938)•O espaço do referente•O espaço representado•...
Espaço e tempoOscar Gustav Rejlander – Os dois caminhos da vida (1857)
Espaço e tempo Pablo Picasso – Guernica (1937)
Espaço e tempo                        O tempo denegado                                 Gustave Le Gray – A grande onda (18...
Espaço e tempo   O tempo inscrito
Espaço e tempo     O tempo decompostoÉtienne-Jules Marey e Georges Demenÿ –      Homem vestido, corrida (1894)
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

A fotografia, seus momentos icônicos, simbólicos e indiciários, suas dimensões espaciais e temporais

2.974 visualizações

Publicada em

Disciplina: Teoria da Imagem
Professor: Marcelo Rodrigues Souza Ribeiro

Publicada em: Educação
1 comentário
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • UAU! passei 3h estudando pra depois achar esse slide que esclareceu totalmente. Valeu!
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.974
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
31
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
141
Comentários
1
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • A fotografia, seus momentos icônicos, simbólicos e indiciários, suas dimensões espaciais e temporais

    1. 1. Teoria da Imagem A fotografia, seus momentos icônicos, simbólicos e indiciários, suas dimensões espaciais e temporais Philippe Dubois: ‘Da verossimilhança ao índice: pequena retrospectiva histórica sobre a questãoMarcelo R. S. Ribeiro do realismo na fotografia’, ‘O ato fotográfico:http://incinerrante.com pragmática do índice e efeitos de ausência’ & ‘O golpe do corte: a questão do espaço e doAula 3 tempo no ato fotográfico’ (caps. 1, 2 e 4 do livro O ato fotográfico e outros ensaios)
    2. 2. História do pensamento crítico e teórico sobre a fotografia✤ Três tempos:1.A fotografia como espelho do real2.A fotografia como transformação do real3.A fotografia como traço de um real
    3. 3. 1. A fotografia como ícone✤ Discurso da mimese e da transparência, denunciando ou elogiando✤ Baudelaire, por exemplo: a fotografia como instrumento de registro documental do real e a arte como pura criação imaginária✤ Bazin, por exemplo: argumento da libertação da arte ocidental, especificamente da pintura (voltando-se a buscas formais), pela fotografia
    4. 4. 1. A fotografia como ícone Pintura Fotografia • Busca formal • Caráter • Artisticidade documental • Imaginário • Referência • Abstração • Concretude Genialidade e Técnica e humanismo maquinismo Subjetividade Objetividade
    5. 5. 1. A fotografia como ícone Pintura Fotografia • Busca formal • Caráter • Artisticidade documental • Imaginário • Referência • Abstração • Concretude Genialidade e Técnica e humanismo maquinismo Subjetividade Objetividade
    6. 6. 1. A fotografia como ícone Pintura Fotografia • Busca formal • Caráter • Artisticidade documental • Imaginário • Referência • Abstração • Concretude Genialidade e Técnica e humanismo maquinismo Subjetividade Objetividade
    7. 7. 1. A fotografia como ícone Pintura Fotografia • Busca formal • Caráter • Artisticidade documental • Imaginário • Referência • Abstração • Concretude Genialidade e Técnica e humanismo maquinismo Subjetividade Objetividade
    8. 8. 1. A fotografia como ícone Pintura Fotografia • Busca formal • Caráter • Artisticidade documental • Imaginário • Referência • Abstração • Concretude Genialidade e Técnica e humanismo maquinismo Subjetividade Objetividade
    9. 9. 2. A fotografia como símbolo✤ Discurso do código e da desconstrução✤ Quatro campos teóricos de articulação:1.Estruturalismo francês pós-1965 (ex.: Barthes)2.Psicologia da percepção (ex.: Arnheim)3.Teorias da ideologia (ex.: Bourdieu e Baudry)4.Estudos antropológicos da fotografia
    10. 10. 2. A fotografia como símbolo✤ Deslocamento da questão do realismo: do realismo da transparência (a imagem como janela para o mundo, para a realidade empírica) ao realismo da opacidade (a imagem como véu que revela uma realidade interna, essencial, que está para além das aparências)✤ Ecos do mito da caverna (Platão)
    11. 11. 2. A fotografia como símbolo✤ Deslocamento da questão do realismo: do realismo da transparência (a imagem como janela para o mundo, para a realidade empírica) ao realismo da opacidade (a imagem como véu que revela uma realidade interna, essencial, que está para além das aparências)✤ Ecos do mito da caverna (Platão)
    12. 12. 2. A fotografia como símbolo✤ Deslocamento da questão do realismo: do realismo da transparência (a imagem como janela para o mundo, para a realidade empírica) ao realismo da opacidade (a imagem como véu que revela uma realidade interna, essencial, que está para além das aparências)✤ Ecos do mito da caverna (Platão)
    13. 13. 2. A fotografia como símbolo✤ Deslocamento da questão do realismo: do realismo da transparência (a imagem como janela para o mundo, para a realidade empírica) ao realismo da opacidade (a imagem como véu que revela uma realidade interna, essencial, que está para além das aparências)✤ Ecos do mito da caverna (Platão)
    14. 14. 3. A fotografia como índice✤ Discurso da referência✤ Em contraposição ao valor absoluto atribuído à fotografia pelos discursos anteriores (seja como semelhança, seja como convenção), o discurso do índice lhe atribui um valor singular e relativo✤ A fotografia constitui traço de um real (≠ do real)
    15. 15. 3. A fotografia como índice✤ Barthes em A câmara clara: a fotografia diz: isso foi✤ Bazin: não é o resultado, mas o modo de constituição, a gênese automática que interessa✤ Benjamin: a faísca de acaso que queima a imagem✤ Peirce: a conexão física causa a semelhança
    16. 16. 3. A fotografia como índice✤ Barthes em A câmara clara: a fotografia diz: isso foi✤ Bazin: não é o resultado, mas o modo de constituição, a gênese automática que interessa✤ Benjamin: a faísca de acaso que queima a imagem✤ Peirce: a conexão física causa a semelhança
    17. 17. 3. A fotografia como índice✤ Barthes em A câmara clara: a fotografia diz: isso foi✤ Bazin: não é o resultado, mas o modo de constituição, a gênese automática que interessa✤ Benjamin: a faísca de acaso que queima a imagem✤ Peirce: a conexão física causa a semelhança
    18. 18. Definição mínima de fotografia✤ Dubois: “a imagem fotográfica aparece a princípio, simples e unicamente, como uma impressão luminosa, mais precisamente como o traço, fixado num suporte bidimensional sensibilizado por cristais de haleto de prata, de uma variação de luz emitida ou refletida por fontes situadas à distância num espaço de três dimensões.” (p. 60)
    19. 19. Outros signos indéxicos ✤ Fumaça (índice do fogo) ✤ Sombra (alcance) ✤ Poeira (depósito do tempo) ✤ Cicatriz (marca de um ferimento) ✤ Esperma (resíduo do gozo) ✤ Ruínas (vestígios do que estava ali) ✤ Bronzeamento dos corpos Dennis Oppenheim – Reading position for 2nd degree burning (1970)
    20. 20. O que diferencia um índice deum ícone e de um símbolo?✤ Relação entre signo e objeto: conexão física e ligação existencial (não semelhança atemporal nem convenção geral) René Magritte – La Clef des Songes (1930)
    21. 21. A fotografia como índice ✤ Dubois: “não é possível pensar a fotografia fora de sua inscrição referencial e de sua eficácia pragmática.” (p. 65) ✤ “O que finalmente nos diz que a fotografia não é (necessariamente) analógica porque é (antes de mais nada) indiciária.” (p. 67) Man Ray – Rayography “Champs délicieux” n. 4 (1922)
    22. 22. 5 9 6Man Ray – Rayography “Champs délicieux” (1922) – Fonte: http://www.manray-photo.com 3 1 7
    23. 23. Consequências: 1. Singularidade ≠ René Magritte – La Trahison des Images (1928-29) René Magritte fotografado por Lothar Wolleh em 1967
    24. 24. Consequências: 2. Atestação ≠ René Magritte – Golconde (1953) Alfred Stieglitz – The Steerage (1907)
    25. 25. Consequências: 3. Designação ≠ Gustave Le Gray – La Grande Vague (1857) René Magritte – La Condition Humaine (1933)
    26. 26. A fotografia como índice✤ Em vez de mimese, o que marca a imagem fotográfica é a referência.✤ Se a fotografia designa (e atesta a existência de) um referente singular, ela não é capaz de oferecer seu(s) sentido(s), seu(s) significado(s). Dubois: “Nesse sentido, podemos dizer que a foto não explica, não interpreta, não comenta. É muda e nua, plana e fosca. [...] Mostra, simplesmente, puramente, brutalmente, signos que são semanticamente vazios ou brancos. Permanece essencialmente enigmática.” (p. 84) AFIRMAÇÃO DE EXISTÊNCIA ≠ EXPLICAÇÃO DE SENTIDO✤ Se a fotografia consiste no traço de um real, singular e único em sua configuração espaço-temporal, enquanto objeto material, a fotografia é reprodutível, abrindo-se à possibilidade de repetição.
    27. 27. A fotografia como índice✤ O índice, a relação indiciária ou indéxica, caracteriza o momento essencial, primordial, de constituição da imagem fotográfica. Trata-se de “um instante de esquecimento dos códigos” (p. 86)✤ Depois da relação indiciária, referencial, pode-se dar algum efeito de semelhança ou similaridade.✤ Antes e depois da relação indiciária, “de ambos os lados, há gestos e processos, totalmente ‘culturais’, que dependem por inteiro de escolhas e decisões humanas, tanto individuais quanto sociais” (p. 85)
    28. 28. A fotografia como índice✤ Dubois: “Em nenhum momento no índice fotográfico, o signo é a coisa.” (p. 89)✤ Distância espacial: aqui do signo ≠ ali do referente✤ Distância temporal: agora do signo ≠ então do referente [Isso se aplica sobretudo à fotografia analógica. Com a tecnologia digital, a possibilidade de feedback imediato permite uma redução da distância temporal.]✤ Especificidades da fotografia como índice: trata-se de uma impressão separada, plana, luminosa e descontínua.
    29. 29. Espaço e tempo A perspectiva artificial, a pirâmide visual e o trapézio da encenação
    30. 30. Espaço e tempo Henri Cartier-Bresson Juvisy, França (1938)•O espaço do referente•O espaço representado•O espaço de representação•O espaço topológico do espectador
    31. 31. Espaço e tempoOscar Gustav Rejlander – Os dois caminhos da vida (1857)
    32. 32. Espaço e tempo Pablo Picasso – Guernica (1937)
    33. 33. Espaço e tempo O tempo denegado Gustave Le Gray – A grande onda (1857) Henri Cartier-BressonAtrás da estação Saint-Lazare, Paris (1932)
    34. 34. Espaço e tempo O tempo inscrito
    35. 35. Espaço e tempo O tempo decompostoÉtienne-Jules Marey e Georges Demenÿ – Homem vestido, corrida (1894)

    ×