Morfossintaxe

614 visualizações

Publicada em

A estrutura da sentença em Língua Portuguesa

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
614
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
7
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
42
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Morfossintaxe

  1. 1. Morfossintaxe: a estrutura da sentença em Língua Portuguesa Candidato: Marcelo Pires Dias
  2. 2. Para começar…  “ A sintaxe é a parte do sistema linguístico que permite criar e interpretar frases.” (AZEREDO, 2012).  É a disciplina linguística que estuda como combinamos palavras para formar sintagmas e como combinamos sintagmas para formar sentenças.
  3. 3. Hipótese lexicalista  A Sintaxe começa a atuar onde acaba a atuação da morfologia”  Há quem discorde e afirme que Sintaxe e Morfologia se interrelacionam em uma única área: a Morfossintaxe.
  4. 4. Formalismo X Funcionalismo GRAMÁTICA FORMAL GRAMÁTICA FUNCIONAL Orientação primariamente sintagmática Orientação primariamente paradigmática Língua como um conjunto de estruturas entre as quais podem ser estabelecidas relações regulares Língua como uma rede de relações: as estruturas como interpretação das relações Ênfase nos traços universais da língua (sintaxe como base: organização em torno da frase) Ênfase nas variações entre línguas diferentes (semântica como base: organização em torno do texto ou discurso). (cf. HALLIDAY, 1985 apud NEVES, 2004)
  5. 5. Oração (Força Ilocionária) Declaração Pergunta Exclamação Ordem Pedido Promessa Expressão de desejo
  6. 6. Hierarquia Gramatical PERÍODO ORAÇÃO SINTAGMA VOCÁBULO MORFEMA
  7. 7. TEXTO & FRASE ORAÇÃO O Texto é uma entidade pertencente ao domínio do ato verbal e a frase é o menor texto possível. Centrada em um verbo com o qual se faz uma declaração (predicado) sobre um dado tema (sujeito).
  8. 8. Classes fundamentais (Mattoso Camara) NOME VERBO PRONOME CONECTIVO - Substantivos - Adjetivos - Advérbios - Conjunções - Preposições VARIÁVEIS INVARIÁVEIS
  9. 9. Funções Sintáticas Função Definição Sujeito Termo da oração com o qual o verbo concorda Predicado Objeto Direto Complemento ligado ao verbo sem preposição Objeto Indireto Complemento ligado ao verbo com preposição Predicativo Adjetivo como predicado Adjuntos Constituitens que não fazem parte da estrutura argumental dos verbo
  10. 10. Classes de Sintagmas SN = Sintagma Nominal (Núcleo: Substantivo ou pronome) SV = Sintagma Verbal (Núcleo: verbo) SAdj = Sintagma Adjetival/Predicativo (Núcleo: adjetivo) Sprep = Sintagma preposicional (preposição) SAdv = Sintagma adverbial (advérbio)
  11. 11. Estrutura Sintática do Português
  12. 12. Padrões frasais da Língua Portuguesa FRASEFrase nominal Frase Verbal Frase Negativa Padrão transitivo e intransitivo Pergunta e resposta Frase comparativa
  13. 13. Passamos de uma ilha para a outra, fazendo trocas e vendas vantajosas. Um dia, desembarcamos em uma delas que era extraordinariamente rica de árvores frutíferas, mas tão deserta que nela não descobrimos nenhuma casa, nem um habitante. Era um lugar tão agradável que ficamos horas e horas a passear pelos seus prados e ao longo dos seus regatos. (CONY, 2001) Frase Nominal e Frase Verbal
  14. 14. PADRÃO VERBAL PADRÃO NOMINAL Passamos de uma ilha a outra que era extradionariamente rica de árvores frutíferas fazendo trocas e vendas vantajosas mas [era] tão deserta Um dia, desembarcamos em uma delas Era um lugar tão agradável que nela não descobrimos nenhuma casa, nem um habitante que ficamos horas e horas a passear pelos seus prados e ao longo dos seus regatos
  15. 15. Padrão Transitivo e Padrão Intransitivo “Falará comigo em outro tom e ainda me agradecerá quando eu lhe mostrar o que tenho na bolsa. (CONY, 2001)” PADRÃO TRANSITIVO PADRÃO INTRANSITIVO Falará comigo em outro tom e ainda me agradecerá quando eu lhe mostrar Quando eu mostrar o [que tenho na minha bolsa] [o] que tenho na minha bolsa
  16. 16. Frase Negativa “Não amo” “Não amo não” “Não quero nada” “Nada sei” “Nenhum livro li” “Sei lá” (uso coloquial)
  17. 17. Pergunta e Resposta  Interrogativa total (predicado inteiro). - Leste o livro? (Resposta: SIM ou NÃO) - Procurou o professor no fim da aula? (Resposta: SIM ou NÃO)  Interrogativa parcial (a resposta não é SIM ou NÃO). - Quem é que disse? O professor. - Qual dos livros quer? Aquele. - Quanto é que você parte? Amanhã OBS.: Introduzida por pronomes/quantificadores.
  18. 18. Padrão Comparativo “Marina era a mais feliz das mães.” “André é mais forte do que Pedro.” “Pedro é menos forte do que André.”
  19. 19. Processos
  20. 20. Coordenação “ A coordenação é um processo de ligação entre unidades da mesma classe (dois ou mais sintagmas por exemplo) ou da mesma função (dois ou mais sujeitos por exemplo). (AZEREDO, 2010).
  21. 21. Subordinação “Chamam-se orações subordinadas as unidades ou sintagmas formados por meio da combinação de um transpositor e uma oração” (AZEREDO, 2010).
  22. 22. Titia disse que nós desarrumamos a casa. Oração Principal Oração Subordinada Titia fez a salada e mamãe fritou os pastéis. Oração Oração - Nenhuma oração é principal. - Nenhum elemento é parte de ambas. Uma oração faz parte de um termo de outra.
  23. 23. Titia disse que nós desarrumamos a casa. Oração Principal Oração Subordinada Titia disse que nós desarrumamos a casa. Oração Principal NGB “Uma oração com todos os seus termos preenchidos por sintagmas não oracionais não pode ser principal” “Uma oração que tenha pelo menos um termo preenchido por sintagma Oracional é uma oração principal”
  24. 24. Marcas Explícitas de Subordinação  Conjunções;  Relativos;  Marcas de interrogativa indireta;  Desinências do modo subjuntivo;  Desinências de gerúndio e de infinitivo.
  25. 25. - (1) Conjunções subordinativas (que, visto que, se bem que, etc) “Entrei no apartamento quando Ana Maria me chamou” - (2) Relativos “O gato que lambeu meu queijo era angorá” “O bicho do qual eu falei é um gato.”
  26. 26. - (3) Marcas e interrogativa direta (em parte idênticos aos que marcam as relativas) “Não sei quantos espectadores virão ao circo.” “Não imagino como você vai conseguir esse emprego” OBS.: Itens que funcionam como marcas interrogativas indiretas: o que, quem , onde, quando, quanto(s), como, qual, etc.
  27. 27. - Desinência de SUBJUNTIVO “ A empresa deseja que todos tenham uma boa viagem” - Desinências de infinitivo e de gerúndio “Daniel trabalha vendendo cimento” “Daniel resolveu vender cimento” OBS.: Não há orações não-subordinadas com gerúndio e não subordinadas com infinitivo são raras (Ex.: Olhar à direita!) .
  28. 28. Marcas de Coordenação  Coordenação sem marcas;  Coordenação com “e”, “ou” e “mas”;  Porém;  Conectivos descontínuos.
  29. 29. - (1) Coordenação sem marca “Seu bode comeu minha camisa, você vai pagar o prejuízo.” - (2) Coordenação com e, ou e mas. “ Avistei hoje seu patrão e o doutor Márcio.” “ Carolina chegou mas não fez declarações.” “Carolina chegou, desembarcou, mas não fez declarações.”
  30. 30. - (3) Porém “Titia adormeceu; porém vovó continuou a cantar.” “Titia adormeceu; vovó, porém, continuou a cantar.” “Titia adormeceu; vovó continuou, porém, a cantar” “Titia adormeceu; vovó continuou a cantar, porém.” Outros elementos: porém, entrento, no entanto, contudo, não abstante, todavia, senão, assim, por isso, por conseguinte, de modo que, em vista disso, etc.
  31. 31. - (4) Conectivos descontínuos “ Joaquim não só toca viola mas também conta fados.” “ Joaquim vendeu não só armazém mas também a loja” Outros conectivos descontínuos: tanto…quanto; ora…ora; já…já; quer…quer.
  32. 32. Para finalizar..
  33. 33. Referências AZEREDO, José Carlos de. Iniciação à Sintaxe do Português. São Paulo: Zahar, 2012 [1990]. ABDON, Iaci de Nazaré et al. Sintaxe. Belém: UFPA/EAD, 2009. MIOTO, Carlos et al. Novo Manual de Sintaxe. São Paulo: Contexto, 2013. NEVES, Maria Helena de Moura. A gramática funcional. São Paulo: Martins Fontes, 2004. PERINI, Mário A. Gramática descritiva do Português. São Paulo: Ática, 2002. KOCH, Ingedore G. V; SILVA, M. C. Linguística Aplicada ao Português: sintaxe. São Paulo: Cortez, 2005.
  34. 34. Obrigado!

×