Aula fraturas

15.306 visualizações

Publicada em

0 comentários
10 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
15.306
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
9
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
360
Comentários
0
Gostaram
10
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aula fraturas

  1. 1. UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CURSO DE ENFERMAGEM FRATURAS Prof Bruno Silva
  2. 2. FRATURAS 1. 2. 3. 4. 5. 6. 7. Definição – É uma solução de continuidade óssea (exposta – fechada). História Epidemiologia Classificação - Qto à localização - Qto ao traço de fratura Quadro Clínico Tratamento Consolidação das fraturas
  3. 3. FRATURAS História: - Surgimento do homem - Brigas – guerras – disputas - Tratamento conservadores - Óbitos – aleijões Grandes avanços: - Matheus – séc. XVIII (atadura gessada) - 1809 – Willian Thomas Green Morton (anestesia) - 1895 – Wilhelm K. Roentgen (RX) - Tratamento conservador - Tratamento incruento - Tratamento cruento
  4. 4. FRATURAS Epidemiologia: - Acidentes de trânsito - Acidentes do trabalho - Acidentes no trabalho – em casa – lazer - Guerras – PAF Fraturas por traumatismos de alta energia Fraturas por traumatismos de baixa energia (rotacionais) Fraturas patológicas Fraturas por estresses
  5. 5. FRATURAS Classificação: Facilitar o entendimento: da gravidade da fratura, do tratamento a ser instituído e do prognóstico. 1. - Qto à localização anatômica: Intra capsular (intra articular) Extra capsular (extra articular) Epifisária (proximal – distal) Metafisária (proximal – distal_ Diafisária (1/3 proximal – médio – distal)
  6. 6. FRATURAS 2. Qto ao traço de fratura - Incompleto - Galho verde Fissura - Completo Fratura simples (espiral – oblíqua – transversa) Fratura em cunha (duplo traço – asa de borboleta) Fratura complexa (cominutiva)
  7. 7. FRATURAS Quadro clínico Ananmenese – Exame físico Dor – aumento de volume – impotência funcional Deformidade – mobilidade anômala (dolorosa) Crepitação Óssea
  8. 8. FRATURAS Tratamento Fratura exposta (transformá-la em fechada) Fratura patológica (tratamento da fratura e da doença básica) Fratura por estresse (tratamento da fratura propriamente dita) 1. 2. Provisório Definitivo
  9. 9. FRATURAS Tratamento: - Provisório: Tala Tração trans-esquelética Tração com espuma (por cutânea) Fixador externo - Definitivo: Redução extemporânea + gesso Redução cruenta + osteossíntese
  10. 10. FRATURAS Complicações: - Consolidação viciosa - Retardo de consolidação - Não consolidação – Pseudo artrose - Encurtamento
  11. 11. FRATURAS Princípios de cicatrização das feridas e consolidação das fraturas: - Suprimento sanguíneo - Aposição dos bordos - Proteção (repouso – imobilização)
  12. 12. FRATURAS Fatores que interferem na cicatrização: - Idade do paciente - Intensidade do trauma (grau de necrose) - Doenças (desnutrição – infecção – doenças metabólicas, tumorais, etc).
  13. 13. FRATURAS Tipos de cicatrização: 1ª Intenção (cicatrização per prima) Limpa – coaptada – vascularizada 2ª Intenção (falta um dos princípios)
  14. 14. FRATURAS Diferença entre cicatrização das feridas e consolidação óssea: O tecido fibroso é transformado em tecido ósseo. Princípios fundamentais para consolidação: - Vascularização endóstio – perióstio - Coaptação dos bordos - Imobilização
  15. 15. FRATURAS Formação Calo Ósseo - Hematoma - Organização do hematoma – 12 horas - Proliferação celular – 16 horas Osteoblastos Osteoclastos - Revascularização óssea – 72 horas - Tecido de granulação (fibrose) – 21 dias - Calo mole – 06 a 12 semanas - Calo duro – 12 a 20 semanas
  16. 16. FRATURAS Fatores que influenciam na consolidação: - Idade - Estado nutricional - Doenças - Infecções - Mobilidade - Vascularização - Interposição de partes moles
  17. 17. FRATURAS Complicações: - Retardo de consolidação - Pseudo artrose Hipertrófica Hipotrófica ou atrófica Normotrófica

×