SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 10
JORNALISMO CIENTIFICO
Jornalismo Especializado
Marcelo Freire
UFOP
HISTÓRIA DA DIVULGAÇÃO DA CIÊNCIA
 Há indícios de que a divulgação da ciência inicia com o
próprio advento da imprensa de Gutenberg, no século
XV. A difusão da impressão tornou disponíveis idéias e
ilustrações científicas a um maior número de pessoas,
porém essas informações ficavam restritas aos
representantes do clero, da nobreza e da burguesia
mercantil.
 Desde os seus primórdios, os jornais impressos traziam
notícias científicas. Na França, 34 anos após a criação
do jornal La Gazette, de propriedade do médico
Théophraste Renaudot, surge em 1665, o Journal des
savants. Essa publicação continha relatos dos trabalhos
sobre matemática, ciência, história e letras.
HISTÓRIA DA DIVULGAÇÃO DA CIÊNCIA
 Nos séculos XVII e XVIII vivia-se um período de
transformações. Mudanças que extrapolavam os
limites do desenvolvimento científico, atingindo
campos mais amplos, como a filosofia, a religião e
o pensamento social, moral e político. Nesse
período, a Inglaterra foi o berço da divulgação
científica devido à grande quantidade de cartas
expedidas por cientistas sobre suas ideias e novas
descobertas.
 No século XIX, foram criadas as revistas American
Journal od Science (EUA, 1818), a Scientific
American (EUA, 1845), Nature (Inglaterra, 1869) e
Science (EUA, 1880).
HISTÓRIA DA DIVULGAÇÃO DA CIÊNCIA
 No final do século XVIII e início do século XIX, com o retorno
dos brasileiros que tinham ido para a Europa frequentar
cursos superiores, começava no país uma discreta difusão
das novas concepções científicas.
 SBPC, 1949; CNPq, 1951; MC&T, 1985
 Na década de 1980, a divulgação e o jornalismo científico
cresceram significativamente com o surgimento de novas
revistas como Ciência Hoje (SBPC), Ciência Ilustrada (Editora
Abril). Em 1990, a Editora Globo lançou a revista Globo
Ciência e, no mesmo ano, a Editora Abril lançou a
Superinteressante. Além disso, surgiram programas de
televisão como Globo Ciência (TV Globo) e Estação Ciência
(antiga TV Manchete), e já eram freqüentes as manchetes
sobre Ciência e Tecnologia nos noticiários televisivos do dia-
a-dia.
JORNALISMO CIENTIFICO X DIVULGAÇÃO
CIENTIFICA
 Divulgação cientifica contém o jornalismo científico.
Ela é mais ampla e é feita através de livros, de
conferências, de aulas, de artigos, etc, além de ser
produzida pelos próprios cientistas e
pesquisadores.
 Para Wilson da Costa Bueno, o jornalismo
científico refere-se a “processos, estratégias,
técnicas e mecanismos para veiculação de fatos
que se situam no campo da ciência e da
tecnologia. Desempenham funções econômicas,
político-ideológicas e sócio-culturais importantes e
viabiliza-se, na prática, através de um conjunto
diversificado de gêneros jornalísticos”.
JORNALISMO CIENTIFICO X DIVULGAÇÃO
CIENTIFICA
 Wilson Bueno vislumbra uma grande atividade designada
como difusão científica que seria subdivida em difusão para
especialistas e difusão para o público em geral.
 Direcionada aos especialistas, ela passa a ser designada
como disseminação científica.
 Por outro, ao ser voltado para o público, teríamos a
divulgação científica. É nessa última atividade que estaria
incluído o jornalismo científico, assim como os livros
didáticos, as aulas de ciência, os cursos de extensão para
não-especialistas, as histórias em quadrinhos, os
suplementos infantis, os folhetos de extensão rural e de
campanhas educativas, as publicações das grandes editoras,
documentários e programas de rádio e televisão.
LINGUAGEM DO JORNALISMO CIENTIFICO
 O empenho em produzir textos endereçados ao
“leitor comum” remete os questionamentos para
uma das mais discutíveis e corriqueiras
observações sobre a prática do jornalismo
científico: é o profissional atuante nesta área
apenas um “tradutor” (esse é o termo comumente
utilizado pela maior parte das análises) do discurso
científico para um vocabulário inteligível pelo
homem do povo? (Praticco, 2003).
CRITÉRIOS DE SELEÇÃO DE NOTÍCIAS
1. Senso de oportunidade
2. “Timing”
3. Impacto
4. Siginificado
5. Pioneirismo
6. Interesse humano
7. Personagens célebres ou de ampla exploração na
mídia
8. Proximidade
9. Variedade e equilíbrio
10. Conflito
11. Necessidade de sobrevivência
12. Necessidades culturais
13. Necessidade do conhecimento
PERCALÇOS NO JORNALISMO CIENTÍFICO
1. Analfabetismo cientifico
2. Interesses de empresas e dos institutos de
pesquisa
3. Cientistas x jornalistas
4. Questão das fontes
a) Palestras à imprensa
b) Comunicado a imprensa
c) Congressos científicos
d) Resumos
e) Press-releases
ASPECTOS ÉTICOS DO JC (PARA BURKETT)
1. conflito de interesses: aceitar qualquer tipo de privilégio ou presente para
realizar uma matéria.
2. ganho financeiro pessoal: geralmente é proibido que um jornalista noticie fatos
de uma companhia com a qual ele mantenha vínculos mais próximos, como por
exemplo, sendo acionista.
3. ética das publicações: os canais de comunicação de massa não devem
anunciar, junto às notícias científicas, produtos diretamente envolvidos com as
matérias e nem mesmo aqueles que oferecem facilidades para a obtenção do
saber científico.
4. contar o que se sabe: cabe ao jornalista relatar ao público tudo que sabe e
acredita que seja de importância, quer conflitos existentes no interior da própria
comunidade científica, quer assunto que um pesquisador já comprovou a
veracidade, mas que é mal visto pelos seus pares.
5. ética nas escolhas: um jornalista, inevitavelmente, coloca sua opinião nos seus
textos, por mais que ele queira se omitir em nome de uma pretensa
objetividade.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Redação para rádio
Redação para rádio Redação para rádio
Redação para rádio Cláudia
 
Aula 02 Teoria Hipodérmica da Comunicação
Aula 02   Teoria Hipodérmica da ComunicaçãoAula 02   Teoria Hipodérmica da Comunicação
Aula 02 Teoria Hipodérmica da ComunicaçãoElizeu Nascimento Silva
 
Jornalismo literário tecnicas - pratica
Jornalismo literário  tecnicas - praticaJornalismo literário  tecnicas - pratica
Jornalismo literário tecnicas - praticaaulasdejornalismo
 
Manual De Assessoria De Imprensa
Manual De Assessoria De ImprensaManual De Assessoria De Imprensa
Manual De Assessoria De ImprensaMúsicaParaense.Org
 
Aula 06 teorias do jornalismo hipóteses contemporâneas
Aula 06   teorias do jornalismo hipóteses contemporâneasAula 06   teorias do jornalismo hipóteses contemporâneas
Aula 06 teorias do jornalismo hipóteses contemporâneasElizeu Nascimento Silva
 
Aula: Jornalismo de revista - Laboratório de Jornalismo Impresso II - Revista...
Aula: Jornalismo de revista - Laboratório de Jornalismo Impresso II - Revista...Aula: Jornalismo de revista - Laboratório de Jornalismo Impresso II - Revista...
Aula: Jornalismo de revista - Laboratório de Jornalismo Impresso II - Revista...Revista Curinga Ufop
 
Aula 03 – Teorias do Jornalismo_Gatekeeping
Aula 03 – Teorias do Jornalismo_GatekeepingAula 03 – Teorias do Jornalismo_Gatekeeping
Aula 03 – Teorias do Jornalismo_GatekeepingElizeu Nascimento Silva
 
Aula 05 Teorias do Jornalismo_Espiral de Silêncio
Aula 05   Teorias do Jornalismo_Espiral de SilêncioAula 05   Teorias do Jornalismo_Espiral de Silêncio
Aula 05 Teorias do Jornalismo_Espiral de SilêncioElizeu Nascimento Silva
 
Jornalismo especializado em Saúde
Jornalismo especializado em SaúdeJornalismo especializado em Saúde
Jornalismo especializado em SaúdeWellinton Augusto
 
Texto de Divulgação Cientifica- Jornalismo Cientifico
Texto de Divulgação Cientifica- Jornalismo CientificoTexto de Divulgação Cientifica- Jornalismo Cientifico
Texto de Divulgação Cientifica- Jornalismo CientificoSandy Adriane
 
CaracteríSticas Do Texto Impresso
CaracteríSticas Do Texto ImpressoCaracteríSticas Do Texto Impresso
CaracteríSticas Do Texto Impressojoaoventura
 

Mais procurados (20)

jornalismo literário
jornalismo literáriojornalismo literário
jornalismo literário
 
Aula reportagem tv
Aula reportagem tvAula reportagem tv
Aula reportagem tv
 
Jornalismo político
Jornalismo políticoJornalismo político
Jornalismo político
 
Redação para rádio
Redação para rádio Redação para rádio
Redação para rádio
 
Aula 02 Teoria Hipodérmica da Comunicação
Aula 02   Teoria Hipodérmica da ComunicaçãoAula 02   Teoria Hipodérmica da Comunicação
Aula 02 Teoria Hipodérmica da Comunicação
 
Tecnicas de reportagem
Tecnicas de reportagemTecnicas de reportagem
Tecnicas de reportagem
 
Jornalismo literário tecnicas - pratica
Jornalismo literário  tecnicas - praticaJornalismo literário  tecnicas - pratica
Jornalismo literário tecnicas - pratica
 
Manual De Assessoria De Imprensa
Manual De Assessoria De ImprensaManual De Assessoria De Imprensa
Manual De Assessoria De Imprensa
 
Aula 06 teorias do jornalismo hipóteses contemporâneas
Aula 06   teorias do jornalismo hipóteses contemporâneasAula 06   teorias do jornalismo hipóteses contemporâneas
Aula 06 teorias do jornalismo hipóteses contemporâneas
 
Jornalismo político
Jornalismo políticoJornalismo político
Jornalismo político
 
Jornalismo cultural
Jornalismo culturalJornalismo cultural
Jornalismo cultural
 
Aula: Jornalismo de revista - Laboratório de Jornalismo Impresso II - Revista...
Aula: Jornalismo de revista - Laboratório de Jornalismo Impresso II - Revista...Aula: Jornalismo de revista - Laboratório de Jornalismo Impresso II - Revista...
Aula: Jornalismo de revista - Laboratório de Jornalismo Impresso II - Revista...
 
Aula 03 – Teorias do Jornalismo_Gatekeeping
Aula 03 – Teorias do Jornalismo_GatekeepingAula 03 – Teorias do Jornalismo_Gatekeeping
Aula 03 – Teorias do Jornalismo_Gatekeeping
 
Newsmaking
NewsmakingNewsmaking
Newsmaking
 
Aula 05 Teorias do Jornalismo_Espiral de Silêncio
Aula 05   Teorias do Jornalismo_Espiral de SilêncioAula 05   Teorias do Jornalismo_Espiral de Silêncio
Aula 05 Teorias do Jornalismo_Espiral de Silêncio
 
O Estilo Magazine
O Estilo MagazineO Estilo Magazine
O Estilo Magazine
 
O Radiojornalismo (Conceito, Definições e Ferramentas)
O Radiojornalismo (Conceito, Definições e Ferramentas)O Radiojornalismo (Conceito, Definições e Ferramentas)
O Radiojornalismo (Conceito, Definições e Ferramentas)
 
Jornalismo especializado em Saúde
Jornalismo especializado em SaúdeJornalismo especializado em Saúde
Jornalismo especializado em Saúde
 
Texto de Divulgação Cientifica- Jornalismo Cientifico
Texto de Divulgação Cientifica- Jornalismo CientificoTexto de Divulgação Cientifica- Jornalismo Cientifico
Texto de Divulgação Cientifica- Jornalismo Cientifico
 
CaracteríSticas Do Texto Impresso
CaracteríSticas Do Texto ImpressoCaracteríSticas Do Texto Impresso
CaracteríSticas Do Texto Impresso
 

Destaque

Aula 1 conceituação e origens do jornalismo investigativo
Aula 1   conceituação e origens do jornalismo investigativoAula 1   conceituação e origens do jornalismo investigativo
Aula 1 conceituação e origens do jornalismo investigativoaulasdejornalismo
 
Jornalismo Científico - AULA 06
Jornalismo Científico - AULA 06Jornalismo Científico - AULA 06
Jornalismo Científico - AULA 06Tattiana Teixeira
 
Jornalismo científico aula02 20121
Jornalismo científico aula02 20121Jornalismo científico aula02 20121
Jornalismo científico aula02 20121Tattiana Teixeira
 
Divulgação cientifica entre a vulgarização e a informação cientifica
Divulgação cientifica   entre a vulgarização e a informação cientificaDivulgação cientifica   entre a vulgarização e a informação cientifica
Divulgação cientifica entre a vulgarização e a informação cientificaAlfredo Costa
 
CARTILHA DO ELEITOR
CARTILHA DO ELEITORCARTILHA DO ELEITOR
CARTILHA DO ELEITORValeria2143
 
Aula expositiva de j. pol+¡tico
Aula expositiva de j. pol+¡ticoAula expositiva de j. pol+¡tico
Aula expositiva de j. pol+¡ticoFrancilis Enes
 
Jornalismo especializado
Jornalismo especializadoJornalismo especializado
Jornalismo especializadoLaércio Góes
 

Destaque (7)

Aula 1 conceituação e origens do jornalismo investigativo
Aula 1   conceituação e origens do jornalismo investigativoAula 1   conceituação e origens do jornalismo investigativo
Aula 1 conceituação e origens do jornalismo investigativo
 
Jornalismo Científico - AULA 06
Jornalismo Científico - AULA 06Jornalismo Científico - AULA 06
Jornalismo Científico - AULA 06
 
Jornalismo científico aula02 20121
Jornalismo científico aula02 20121Jornalismo científico aula02 20121
Jornalismo científico aula02 20121
 
Divulgação cientifica entre a vulgarização e a informação cientifica
Divulgação cientifica   entre a vulgarização e a informação cientificaDivulgação cientifica   entre a vulgarização e a informação cientifica
Divulgação cientifica entre a vulgarização e a informação cientifica
 
CARTILHA DO ELEITOR
CARTILHA DO ELEITORCARTILHA DO ELEITOR
CARTILHA DO ELEITOR
 
Aula expositiva de j. pol+¡tico
Aula expositiva de j. pol+¡ticoAula expositiva de j. pol+¡tico
Aula expositiva de j. pol+¡tico
 
Jornalismo especializado
Jornalismo especializadoJornalismo especializado
Jornalismo especializado
 

Semelhante a Jornalismo cientifico

Divulgação científica no brasil
Divulgação científica no brasilDivulgação científica no brasil
Divulgação científica no brasilMyrian Del Vecchio
 
A divulgação científica
A divulgação científicaA divulgação científica
A divulgação científicaYngresson
 
Palestra Biblio.lab Divulgação Científica
Palestra Biblio.lab Divulgação Científica Palestra Biblio.lab Divulgação Científica
Palestra Biblio.lab Divulgação Científica Fábio de Albuquerque
 
Divulgação Científica - Fábio F. de Albuquerque
Divulgação Científica - Fábio F. de AlbuquerqueDivulgação Científica - Fábio F. de Albuquerque
Divulgação Científica - Fábio F. de AlbuquerqueSemana Biblioteconomia
 
Comunicação e divulgação científica: perspectivas e desafios
Comunicação e divulgação científica: perspectivas e desafiosComunicação e divulgação científica: perspectivas e desafios
Comunicação e divulgação científica: perspectivas e desafiosRoberto Lopes
 
O que é divulgação científica? - Henrique César da Silva
O que é divulgação científica? - Henrique César da SilvaO que é divulgação científica? - Henrique César da Silva
O que é divulgação científica? - Henrique César da SilvaCleberson Moura
 
O papel do cientista na sociedade artigo de schwartzman
O papel do cientista na sociedade   artigo de schwartzmanO papel do cientista na sociedade   artigo de schwartzman
O papel do cientista na sociedade artigo de schwartzmanElias Brasilino
 
Jornada santa maria 2015
Jornada santa maria 2015Jornada santa maria 2015
Jornada santa maria 2015anafukui
 
IEA - De ciências, comunicação e futebol a espiral da cultura científica
IEA - De ciências, comunicação e futebol a espiral da cultura científicaIEA - De ciências, comunicação e futebol a espiral da cultura científica
IEA - De ciências, comunicação e futebol a espiral da cultura científicaInstituto de Estudos Avançados - USP
 
A comunicação científica, de A. J. Meadows
A comunicação científica, de A. J. MeadowsA comunicação científica, de A. J. Meadows
A comunicação científica, de A. J. MeadowsJorge Prado
 
Jornalismo e patrimônio cultural
Jornalismo e patrimônio culturalJornalismo e patrimônio cultural
Jornalismo e patrimônio culturalMargareth Michel
 
Novos modelos culturais no seculo xix
Novos modelos culturais no seculo xixNovos modelos culturais no seculo xix
Novos modelos culturais no seculo xixmaria40
 
Ciências, tipos de conhecimentos e espirito científico
Ciências, tipos de conhecimentos e espirito científico Ciências, tipos de conhecimentos e espirito científico
Ciências, tipos de conhecimentos e espirito científico Edimar Sartoro
 
DESAFIOS DO JORNALISMO DE CIÊNCIA | Como comunicar ciência com qualidade?
DESAFIOS DO JORNALISMO DE CIÊNCIA | Como comunicar ciência com qualidade?DESAFIOS DO JORNALISMO DE CIÊNCIA | Como comunicar ciência com qualidade?
DESAFIOS DO JORNALISMO DE CIÊNCIA | Como comunicar ciência com qualidade?Henrique Kugler
 
Enciclopédia INTERCOM de Comunicação
Enciclopédia INTERCOM de ComunicaçãoEnciclopédia INTERCOM de Comunicação
Enciclopédia INTERCOM de ComunicaçãoSimone Carvalho
 
Renascimento cientifico 723.pptx
Renascimento cientifico 723.pptxRenascimento cientifico 723.pptx
Renascimento cientifico 723.pptxDocinhosdaLui
 
Divulgação científica e cidadania
Divulgação científica e cidadaniaDivulgação científica e cidadania
Divulgação científica e cidadaniaYurij Castelfranchi
 
Ciência da Informação no Brasil
Ciência da Informação no BrasilCiência da Informação no Brasil
Ciência da Informação no BrasilFernadmini
 

Semelhante a Jornalismo cientifico (20)

Divulgação científica no brasil
Divulgação científica no brasilDivulgação científica no brasil
Divulgação científica no brasil
 
A divulgação científica
A divulgação científicaA divulgação científica
A divulgação científica
 
Palestra Biblio.lab Divulgação Científica
Palestra Biblio.lab Divulgação Científica Palestra Biblio.lab Divulgação Científica
Palestra Biblio.lab Divulgação Científica
 
Divulgação Científica - Fábio F. de Albuquerque
Divulgação Científica - Fábio F. de AlbuquerqueDivulgação Científica - Fábio F. de Albuquerque
Divulgação Científica - Fábio F. de Albuquerque
 
Comunicação e divulgação científica: perspectivas e desafios
Comunicação e divulgação científica: perspectivas e desafiosComunicação e divulgação científica: perspectivas e desafios
Comunicação e divulgação científica: perspectivas e desafios
 
39 319-1-pb (1)
39 319-1-pb (1)39 319-1-pb (1)
39 319-1-pb (1)
 
O que é divulgação científica? - Henrique César da Silva
O que é divulgação científica? - Henrique César da SilvaO que é divulgação científica? - Henrique César da Silva
O que é divulgação científica? - Henrique César da Silva
 
O papel do cientista na sociedade artigo de schwartzman
O papel do cientista na sociedade   artigo de schwartzmanO papel do cientista na sociedade   artigo de schwartzman
O papel do cientista na sociedade artigo de schwartzman
 
Jornada santa maria 2015
Jornada santa maria 2015Jornada santa maria 2015
Jornada santa maria 2015
 
IEA - De ciências, comunicação e futebol a espiral da cultura científica
IEA - De ciências, comunicação e futebol a espiral da cultura científicaIEA - De ciências, comunicação e futebol a espiral da cultura científica
IEA - De ciências, comunicação e futebol a espiral da cultura científica
 
A comunicação científica, de A. J. Meadows
A comunicação científica, de A. J. MeadowsA comunicação científica, de A. J. Meadows
A comunicação científica, de A. J. Meadows
 
Jornalismo e patrimônio cultural
Jornalismo e patrimônio culturalJornalismo e patrimônio cultural
Jornalismo e patrimônio cultural
 
Novos modelos culturais no seculo xix
Novos modelos culturais no seculo xixNovos modelos culturais no seculo xix
Novos modelos culturais no seculo xix
 
Ciências, tipos de conhecimentos e espirito científico
Ciências, tipos de conhecimentos e espirito científico Ciências, tipos de conhecimentos e espirito científico
Ciências, tipos de conhecimentos e espirito científico
 
DESAFIOS DO JORNALISMO DE CIÊNCIA | Como comunicar ciência com qualidade?
DESAFIOS DO JORNALISMO DE CIÊNCIA | Como comunicar ciência com qualidade?DESAFIOS DO JORNALISMO DE CIÊNCIA | Como comunicar ciência com qualidade?
DESAFIOS DO JORNALISMO DE CIÊNCIA | Como comunicar ciência com qualidade?
 
Enciclopédia INTERCOM de Comunicação
Enciclopédia INTERCOM de ComunicaçãoEnciclopédia INTERCOM de Comunicação
Enciclopédia INTERCOM de Comunicação
 
Jornalismo
JornalismoJornalismo
Jornalismo
 
Renascimento cientifico 723.pptx
Renascimento cientifico 723.pptxRenascimento cientifico 723.pptx
Renascimento cientifico 723.pptx
 
Divulgação científica e cidadania
Divulgação científica e cidadaniaDivulgação científica e cidadania
Divulgação científica e cidadania
 
Ciência da Informação no Brasil
Ciência da Informação no BrasilCiência da Informação no Brasil
Ciência da Informação no Brasil
 

Mais de Marcelo Freire

CV Lattes Atualizado (maio/2015)
CV Lattes Atualizado (maio/2015)CV Lattes Atualizado (maio/2015)
CV Lattes Atualizado (maio/2015)Marcelo Freire
 
Panorama das Teorias das Comunicação
Panorama das Teorias das ComunicaçãoPanorama das Teorias das Comunicação
Panorama das Teorias das ComunicaçãoMarcelo Freire
 
Habermas e o conceito de esfera pública
Habermas e o conceito de esfera públicaHabermas e o conceito de esfera pública
Habermas e o conceito de esfera públicaMarcelo Freire
 
Comunicação pública
Comunicação públicaComunicação pública
Comunicação públicaMarcelo Freire
 
Comunicação política
Comunicação políticaComunicação política
Comunicação políticaMarcelo Freire
 
Transmissões de áudio pela internet – um mapeamento
Transmissões de áudio pela internet – um mapeamentoTransmissões de áudio pela internet – um mapeamento
Transmissões de áudio pela internet – um mapeamentoMarcelo Freire
 
Características do rádio
Características do rádioCaracterísticas do rádio
Características do rádioMarcelo Freire
 
Elementos da linguagem sonora
Elementos da linguagem sonoraElementos da linguagem sonora
Elementos da linguagem sonoraMarcelo Freire
 
Ferramentas De Desenho
Ferramentas De DesenhoFerramentas De Desenho
Ferramentas De DesenhoMarcelo Freire
 
Ferramentas de seleção no GIMPshop
Ferramentas de seleção no GIMPshopFerramentas de seleção no GIMPshop
Ferramentas de seleção no GIMPshopMarcelo Freire
 
Correção de Cores com GIMPshop
Correção de Cores com GIMPshopCorreção de Cores com GIMPshop
Correção de Cores com GIMPshopMarcelo Freire
 
Crop, Scale e Resize no GIMPshop
Crop, Scale e Resize no GIMPshopCrop, Scale e Resize no GIMPshop
Crop, Scale e Resize no GIMPshopMarcelo Freire
 
Alguns Retratos Famosos
Alguns Retratos FamososAlguns Retratos Famosos
Alguns Retratos FamososMarcelo Freire
 
Câmeras, Equipamentos e a Nikon D40
Câmeras, Equipamentos e a Nikon D40Câmeras, Equipamentos e a Nikon D40
Câmeras, Equipamentos e a Nikon D40Marcelo Freire
 
Mancadas No Uso Do Photoshop
Mancadas No Uso Do  PhotoshopMancadas No Uso Do  Photoshop
Mancadas No Uso Do PhotoshopMarcelo Freire
 
FormaçãO Da Imagem Digital E TéCnicas De ComposiçãO
FormaçãO Da Imagem Digital E TéCnicas De ComposiçãOFormaçãO Da Imagem Digital E TéCnicas De ComposiçãO
FormaçãO Da Imagem Digital E TéCnicas De ComposiçãOMarcelo Freire
 

Mais de Marcelo Freire (19)

CV Lattes Atualizado (maio/2015)
CV Lattes Atualizado (maio/2015)CV Lattes Atualizado (maio/2015)
CV Lattes Atualizado (maio/2015)
 
Panorama das Teorias das Comunicação
Panorama das Teorias das ComunicaçãoPanorama das Teorias das Comunicação
Panorama das Teorias das Comunicação
 
Habermas e o conceito de esfera pública
Habermas e o conceito de esfera públicaHabermas e o conceito de esfera pública
Habermas e o conceito de esfera pública
 
Comunicação pública
Comunicação públicaComunicação pública
Comunicação pública
 
Comunicação política
Comunicação políticaComunicação política
Comunicação política
 
Produtos ai e ci
Produtos ai e ciProdutos ai e ci
Produtos ai e ci
 
Curriculum lattes
Curriculum lattesCurriculum lattes
Curriculum lattes
 
Transmissões de áudio pela internet – um mapeamento
Transmissões de áudio pela internet – um mapeamentoTransmissões de áudio pela internet – um mapeamento
Transmissões de áudio pela internet – um mapeamento
 
Características do rádio
Características do rádioCaracterísticas do rádio
Características do rádio
 
Elementos da linguagem sonora
Elementos da linguagem sonoraElementos da linguagem sonora
Elementos da linguagem sonora
 
Ferramentas De Desenho
Ferramentas De DesenhoFerramentas De Desenho
Ferramentas De Desenho
 
Ferramentas de seleção no GIMPshop
Ferramentas de seleção no GIMPshopFerramentas de seleção no GIMPshop
Ferramentas de seleção no GIMPshop
 
Correção de Cores com GIMPshop
Correção de Cores com GIMPshopCorreção de Cores com GIMPshop
Correção de Cores com GIMPshop
 
Crop, Scale e Resize no GIMPshop
Crop, Scale e Resize no GIMPshopCrop, Scale e Resize no GIMPshop
Crop, Scale e Resize no GIMPshop
 
Alguns Retratos Famosos
Alguns Retratos FamososAlguns Retratos Famosos
Alguns Retratos Famosos
 
Retratos
RetratosRetratos
Retratos
 
Câmeras, Equipamentos e a Nikon D40
Câmeras, Equipamentos e a Nikon D40Câmeras, Equipamentos e a Nikon D40
Câmeras, Equipamentos e a Nikon D40
 
Mancadas No Uso Do Photoshop
Mancadas No Uso Do  PhotoshopMancadas No Uso Do  Photoshop
Mancadas No Uso Do Photoshop
 
FormaçãO Da Imagem Digital E TéCnicas De ComposiçãO
FormaçãO Da Imagem Digital E TéCnicas De ComposiçãOFormaçãO Da Imagem Digital E TéCnicas De ComposiçãO
FormaçãO Da Imagem Digital E TéCnicas De ComposiçãO
 

Último

12_mch9_nervoso.pptx...........................
12_mch9_nervoso.pptx...........................12_mch9_nervoso.pptx...........................
12_mch9_nervoso.pptx...........................mariagrave
 
Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth RochaQuando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth RochaREGIANELAURALOUREIRO1
 
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdfMissa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdfFbioFerreira207918
 
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da CapivaraPré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivararambomarcos
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMary Alvarenga
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...WelitaDiaz1
 
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São PauloCurrículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Pauloririg29454
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfManuais Formação
 
13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................mariagrave
 
INTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOS
INTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOSINTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOS
INTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOSPedro Luis Moraes
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfAndersonW5
 
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)Centro Jacques Delors
 
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptxSlides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)Centro Jacques Delors
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdfaulasgege
 
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºanoCATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºanomarla71199
 
Teatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundarioTeatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundarioWyngDaFelyzitahLamba
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...azulassessoria9
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdfCarinaSofiaDiasBoteq
 
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdf
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdfVIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdf
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdfbragamoysesaline
 

Último (20)

12_mch9_nervoso.pptx...........................
12_mch9_nervoso.pptx...........................12_mch9_nervoso.pptx...........................
12_mch9_nervoso.pptx...........................
 
Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth RochaQuando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
 
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdfMissa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
 
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da CapivaraPré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
 
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São PauloCurrículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
 
13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................
 
INTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOS
INTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOSINTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOS
INTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOS
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
 
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
 
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptxSlides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
 
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºanoCATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
 
Teatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundarioTeatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundario
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
 
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdf
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdfVIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdf
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdf
 

Jornalismo cientifico

  • 2. HISTÓRIA DA DIVULGAÇÃO DA CIÊNCIA  Há indícios de que a divulgação da ciência inicia com o próprio advento da imprensa de Gutenberg, no século XV. A difusão da impressão tornou disponíveis idéias e ilustrações científicas a um maior número de pessoas, porém essas informações ficavam restritas aos representantes do clero, da nobreza e da burguesia mercantil.  Desde os seus primórdios, os jornais impressos traziam notícias científicas. Na França, 34 anos após a criação do jornal La Gazette, de propriedade do médico Théophraste Renaudot, surge em 1665, o Journal des savants. Essa publicação continha relatos dos trabalhos sobre matemática, ciência, história e letras.
  • 3. HISTÓRIA DA DIVULGAÇÃO DA CIÊNCIA  Nos séculos XVII e XVIII vivia-se um período de transformações. Mudanças que extrapolavam os limites do desenvolvimento científico, atingindo campos mais amplos, como a filosofia, a religião e o pensamento social, moral e político. Nesse período, a Inglaterra foi o berço da divulgação científica devido à grande quantidade de cartas expedidas por cientistas sobre suas ideias e novas descobertas.  No século XIX, foram criadas as revistas American Journal od Science (EUA, 1818), a Scientific American (EUA, 1845), Nature (Inglaterra, 1869) e Science (EUA, 1880).
  • 4. HISTÓRIA DA DIVULGAÇÃO DA CIÊNCIA  No final do século XVIII e início do século XIX, com o retorno dos brasileiros que tinham ido para a Europa frequentar cursos superiores, começava no país uma discreta difusão das novas concepções científicas.  SBPC, 1949; CNPq, 1951; MC&T, 1985  Na década de 1980, a divulgação e o jornalismo científico cresceram significativamente com o surgimento de novas revistas como Ciência Hoje (SBPC), Ciência Ilustrada (Editora Abril). Em 1990, a Editora Globo lançou a revista Globo Ciência e, no mesmo ano, a Editora Abril lançou a Superinteressante. Além disso, surgiram programas de televisão como Globo Ciência (TV Globo) e Estação Ciência (antiga TV Manchete), e já eram freqüentes as manchetes sobre Ciência e Tecnologia nos noticiários televisivos do dia- a-dia.
  • 5. JORNALISMO CIENTIFICO X DIVULGAÇÃO CIENTIFICA  Divulgação cientifica contém o jornalismo científico. Ela é mais ampla e é feita através de livros, de conferências, de aulas, de artigos, etc, além de ser produzida pelos próprios cientistas e pesquisadores.  Para Wilson da Costa Bueno, o jornalismo científico refere-se a “processos, estratégias, técnicas e mecanismos para veiculação de fatos que se situam no campo da ciência e da tecnologia. Desempenham funções econômicas, político-ideológicas e sócio-culturais importantes e viabiliza-se, na prática, através de um conjunto diversificado de gêneros jornalísticos”.
  • 6. JORNALISMO CIENTIFICO X DIVULGAÇÃO CIENTIFICA  Wilson Bueno vislumbra uma grande atividade designada como difusão científica que seria subdivida em difusão para especialistas e difusão para o público em geral.  Direcionada aos especialistas, ela passa a ser designada como disseminação científica.  Por outro, ao ser voltado para o público, teríamos a divulgação científica. É nessa última atividade que estaria incluído o jornalismo científico, assim como os livros didáticos, as aulas de ciência, os cursos de extensão para não-especialistas, as histórias em quadrinhos, os suplementos infantis, os folhetos de extensão rural e de campanhas educativas, as publicações das grandes editoras, documentários e programas de rádio e televisão.
  • 7. LINGUAGEM DO JORNALISMO CIENTIFICO  O empenho em produzir textos endereçados ao “leitor comum” remete os questionamentos para uma das mais discutíveis e corriqueiras observações sobre a prática do jornalismo científico: é o profissional atuante nesta área apenas um “tradutor” (esse é o termo comumente utilizado pela maior parte das análises) do discurso científico para um vocabulário inteligível pelo homem do povo? (Praticco, 2003).
  • 8. CRITÉRIOS DE SELEÇÃO DE NOTÍCIAS 1. Senso de oportunidade 2. “Timing” 3. Impacto 4. Siginificado 5. Pioneirismo 6. Interesse humano 7. Personagens célebres ou de ampla exploração na mídia 8. Proximidade 9. Variedade e equilíbrio 10. Conflito 11. Necessidade de sobrevivência 12. Necessidades culturais 13. Necessidade do conhecimento
  • 9. PERCALÇOS NO JORNALISMO CIENTÍFICO 1. Analfabetismo cientifico 2. Interesses de empresas e dos institutos de pesquisa 3. Cientistas x jornalistas 4. Questão das fontes a) Palestras à imprensa b) Comunicado a imprensa c) Congressos científicos d) Resumos e) Press-releases
  • 10. ASPECTOS ÉTICOS DO JC (PARA BURKETT) 1. conflito de interesses: aceitar qualquer tipo de privilégio ou presente para realizar uma matéria. 2. ganho financeiro pessoal: geralmente é proibido que um jornalista noticie fatos de uma companhia com a qual ele mantenha vínculos mais próximos, como por exemplo, sendo acionista. 3. ética das publicações: os canais de comunicação de massa não devem anunciar, junto às notícias científicas, produtos diretamente envolvidos com as matérias e nem mesmo aqueles que oferecem facilidades para a obtenção do saber científico. 4. contar o que se sabe: cabe ao jornalista relatar ao público tudo que sabe e acredita que seja de importância, quer conflitos existentes no interior da própria comunidade científica, quer assunto que um pesquisador já comprovou a veracidade, mas que é mal visto pelos seus pares. 5. ética nas escolhas: um jornalista, inevitavelmente, coloca sua opinião nos seus textos, por mais que ele queira se omitir em nome de uma pretensa objetividade.