Ascensão ao Infinito

1.836 visualizações

Publicada em

A PASSAGEM DA IGNORÂNCIA MENTAL A UMA FORMA DIFERENTE DE SE ENXERGAR O MUNDO, A NATUREZA E O UNIVERSO E PARTICULARMENTE O SER HUMANO.
COMO UM EX-MÓRMON COM DONS DE MEDIUNIDADE E VIDÊNCIA CONSEGUIU SE LIBERTAR DAS AMARAS DA IGNORÂNCIA RELIGIOSA E APRENDEU A ENXERGAR O MUNDO NUM NOVO OLHAR TRANSCENDENTAL. E DE MEU CONTATO COM SERES ALIENS.

Publicada em: Espiritual
2 comentários
7 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.836
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
92
Comentários
2
Gostaram
7
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Ascensão ao Infinito

  1. 1. ASCENSÃO AO INFINITO `` A PASSAGEM DA IGNORÂNCIA MENTAL A UMA FORMA DIFERENTE DE SE ENXERGAR O MUNDO, A NATUREZA E O UNIVERSO E PARTICULARMENTE O SER HUMANO´´ COMO UM EX-MÓRMON COM DONS DE MEDIUNIDADE E VIDÊNCIA CONSEGUIU SE LIBERTAR DAS AMARAS DA IGNORÂNCIA RELIGIOSA E APRENDEU A ENXERGAR O MUNDO NUM NOVO OLHAR TRANSCENDENTAL. Marcelo Divino Marins.
  2. 2. Olá Meu nome é Marcelo Divino Marins, sou nascido na cidade de Uberlândia no estado de Minas Gerais no dia 20 de setembro de 1977. Venho de uma família normal como todas as famílias, com um pai e mãe e um irmão e uma irmã. Nasci e fui criado na cidade de Uberlândia, fui uma criança dentro da normalidade possível, normal, gostava de brincar , amava desenhar, sempre fui muito carinhoso e sempre gostei das pessoas, amava muito minha família, brincava com meus colegas, brincava na rua, tinha meus brinquedos, tinha meus colegas da rua de minha casa, saímos para soltar pipas e gostava de ir no campinho para brincar de bola, amava ir no brejo que tínhamos no meu bairro, íamos nadar, naquela época não era poluído, hoje é loucura ir lá. As vezes ficávamos a tarde inteira se não digo as vezes o dia inteiro. Minha mãe fazia eu e meu irmão lavarmos nossas roupas no taque porque vínhamos marrom de barro, era muito divertido, as vezes eu e meus colegas íamos na beira de um anel viário para soltarmos pipa e papagaio. Gostava muito de ir na casa de minha já falecida vó, como amava e era apegado a ela, sempre ia passar os finais de semana com ela, chegava a viajar com ela para nossos parentes que moram em Uberaba, lembro me uma vez de ir com ela de trem, lembro me que tinha 4 anos de idade, sempre consegui lembrar muitas coisas desde pequeno, lembro me perfeitamente de quando minha mãe chegou com minha irmã Karla do hospital quando ela nasceu, eu tinha 4 anos de idade, parece que foi hoje, combinei com meu irmão de 2 anos de escondermos debaixo da cama da minha mãe quando ela chegasse e quando ela chegou assim fizemos, foi surpreendente, crianças, ela era tão cabeludinha, mas voltando a minha vó, então lembro me de estar com ela na estação de trem e da viajem até Uberaba, lembro me dá paisagem do cerrado, era muito lindo, lembro me de ficar olhando e admirando aquela viagem, eu tinha 4 anos de idade mas lembro como se fosse agora, minha vó cuidando de mim com tanto carinho, lembro me que nessas viagens vinha um homem como se fosse garçom vendendo coisas, lembro me perfeitamente de minha vó me perguntando se queria um doce de amendoim moído, amava, eu aceitei e ela comprou, fui comendo aquele doce tão delicioso e admirando a paisagem. Outra vez íamos na casa de parentes nas fazendas de Uberaba e minha vó pegou a mim e meu irmão e eu já estava com 12 anos e ficamos na saída de Uberlândia na BR 050 saída pra Uberaba e ficamos umas 2 horas até que um caminhoneiro parou e nos deu carona até essa fazenda que ficava 20 minutos antes de entrarmos na cidade de Uberaba, foi uma semana maravilhosa, eu e meu irmão ficamos muito juntos, isso foi no ano de 1990. Sempre estava muito presente com minha vó, uma outra pessoa que fui muito apegado era meu tio Carlos, nossa amava ir na casa dele, amava brincar com meus primos Valério e Marcio, amávamos brincar. Sempre estávamos juntos, Valério foi um grande companheiro dos brejos da vida. Amava muito minhas tias Lúcia e Suzy também, ambos todos do lado de minha mãe, tia Dalila esposa de tio Carlos também sempre muito presente, vocês poderão notar a ausência de falar da família de meu pai, mas tem um detalhe grande , minha mãe engravidou de um homem chamado Valter, esse homem e ela por vez não se acertaram e resolveram cada um seguir seu rumo, mas ela estava grávida de mim, ela então reencontrou um conhecido que ela conhecia
  3. 3. de tempo passado e ele propôs morar com ela e sabendo da sua gravides propôs cuidar dela e do bebê, então não sou filho biológico do meu pai Carlos no qual amo demais. Lembro me dê uma infância muito ativa, brincava muito, era muito feliz, adorava fazer meus desenhos, amava demais minha família. Minha mãe sempre muito amorosa mas quando as coisas saiam do eixo o coro comia e ardia muito, minha mãe era muito rígida para educar, tomei muitas coças. Meus pais eram como todas as pessoas normais, mas meu pai era muito mulherengo e traia muito minha mãe, tinha amantes e até outra casa, nossa isso fazia muito com que minha mãe e ele brigassem brigas horrorosas, a agressão era muito forte e minha mãe as vezes se tornava agressiva demais, nossa ficava muito amedrontado que algo pior acontece-se, minha mãe as vezes não parecia ela, e eles brigavam quase todos os dias, ele era alcoólatra e bebia muito e como me doía vê-lo vir cambaleando na rua , meus amigos zombavam dele e isso me doía muito porque era meu pai naquela situação, quando eu era criança ele era muito carinhoso comigo, nunca me deixou sentir alguma diferença em relação aos meus irmãos. Fui ao cinema pela primeira vez aos 12 anos de idade e me apaixonei, foi magico estar lá, fui levando por amigos que eram mais velhos que eu, mas depois comecei a ir sozinho, lembro me que pelo menos 2 vezes por mês ia, pedia meu pai dinheiro e ia sozinho, fiquei aficionado por cinema. Amava ver os filmes dos meus heróis principalmente o Silverter Stallone, nossa amava o Rock Balboa e o Rambo e também o Lincoln Falcão das quedas de braços. Gostava também do Arnold mas Stallone era meu favorito. Conforme fui crescendo eu era muito tímido e tinha extrema dificuldade para chegar em garotas para namorar, nossa não sabia nem como chegar, mas meus primos eram muito bons em arrumar namoradas e até meu irmão Renato, mas eu era uma decepção e negação. Da família toda eu era o mais devagar de todos, ou posso dizer paradão mesmo. Na parte religiosa nunca fomos ativos em alguma religião, minha mãe e meu pai não tinham habito de ir a nenhuma igreja, pra ser sincero nunca fomos em alguma igreja juntos, não tenho essa lembrança de irmos pai, mãe e filhos, nossa casa não era assim, talvez um dos motivos pelos quais meus pais não tinham paz e brigavam tanto, talvez se tivessem o hábito de ir em alguma religião talvez as coisas pudessem ser diferentes ou não. Mas minha mãe era espiritualista, muito, sempre a via orando lá no quarto, costumava ver ela lendo livros do espiritismo kardecista, as vezes ela me chamava para explicar algumas coisas, mas não entendia nada, minha cabeça estava nas coisas de criança, queria era brincar e ser feliz, lembro me dê mais ou menos os meus 6 anos nessa faixa, de ver minha mãe e meu pai irem para a cidade de Romaria pagar promessas. Minha vó também tinha esse habito, meu tio Carlos com sua esposa, eles iam, só não lembro se minha Tia Lúcia ia, nossa que saudades dela me deu agora. Minha vida seguia normal até então, meus pais lembro me que no sábado à noite saiam com os amigos deles para tomarem cerveja nos bares do nosso bairro, eles eram bem alegres, eu e meus irmãos ficávamos aos cuidados de minha bisavó que morava com a gente desde meus 2 anos de idade, ela não tinha com quem morar e pediu minha mãe que com a autorização de meu pai veio morar com a gente. Ela era bem velhinha, ela e eu não tivemos um bom relacionamento, ela me odiava de graça desde pequeno, ela não gostava de mim e não escondia isso de ninguém, nem mesmo de
  4. 4. minha mãe, ela me beliscava escondido, ela pegava baratas de plástico junto com grilos e ficava jogando em mim quando bem pequeno para me ver gritar de medo, ela me xingava me amaldiçoava e isso eu tinha 4 , 5 anos e via muito minha mãe brigar com ela, lembro que ela recebia sua aposentadoria e comprava as coisas pra agradar meu irmão Renato que é 2 anos mais novo que eu, lembro que ela comprava revistas em quadrinhos pra ele e não trazia pra mim, pois quando criança tinha fascínio em revistas em quadrinhos, tinha uma caixa de madeira e lá tinha uns 100 e sempre eram da DC Comics e Marvel e do Chico Bento, o único da turma da Monica que gostava de ler e me interessava. Mas fui crescendo e aprendendo a lidar com aquele ódio da minha bisavó por mim, minha mãe tinha as vezes muita vontade de expulsa-la de nossa casa, mas ela ficava com dó dela porque não tinha para onde ir, até tinha mas ninguém queria ela e minha mãe aceitou esse fardo com amor. Mas quero falar da minha vinda na terra, minha mãe teve uma gestação normal, foi uma gestação feliz de preparação e anseio pelo primeiro filho que viria. No momento da vinda ela foi levada para o Hospital de Clinicas de Uberlândia, conhecido como a UFU, pois bem, foi no dia 20 de setembro de 1977. Foi uma experiência complicada, minha mãe teve complicações e eu tive que ser retirado a ferro no procedimento chamado fórceps, onde é uma tortura muito grande para a mulher, minha mãe quase teve sua vida findada ali, mas o bebê nasceu sem reação, naquele momento o bebê não deu nenhum sinal de vida, parecia um boneco inanimado, e minha mãe sem saber o que estava acontecendo ouvia a agitação dos médicos e enfermeiras lutando para que o bebê respondesse, minha mãe fraca e debilitada perguntava sem saber o que tinha acontecido se o bebê tinha morrido no nascimento, perguntava e ninguém respondia, então ela na sua fé começou a orar e a pedir a Deus que desse o filho dela a ela e que se ele sobrevivesse ela colocaria o nome de Divino nele em homenagem ao Divino Espirito Santo. Ela me contou dizendo que se eu estava aqui era porquê foi um milagre na vida dela e minha, então ela me contou que quando ela orou com toda a fé dela e ela disse que já tinha se passado alguns minutos do meu nascimento e nada acontecia, e via que a qualquer momento os médicos iriam desistir de lutar, mas ela disse que no momento da oração eu dei um choro muito forte e dali meu espirito se mostrou presente. Ela me contou que eu chorava dia e noite por 3 meses, ela ficava encabulada, ela me disse que achava que talvez eu não queria ter nascido, ela disse que parecia que eu chorava um choro tão sentido. Essa foi minha entrada nessa vida. Mas até então tive uma vida feliz e normal dentro da realidade das famílias, lembro que tínhamos dificuldades financeiras como todas as famílias tinham na época que a inflação esmagava a população do Brasil, lembro do malabarismo que minha mãe fazia nos supermercados para fazer o dinheiro do meu pai dar para sustentar nossa casa. Por ser mais velho era eu que acompanhava minha mãe nos supermercados e sacolões. Até então era tudo em paz, mas não imaginava eu o que viria pela frente. Quando tinha meus 8 anos de idade eu e meu irmão Renato e minha Irmã caçula Karla dormíamos no mesmo quarto, nossa casa era simples, uma casa popular no conjunto habitacional Luizote de Freitas.
  5. 5. Tinha três quartos mas eram pequenos, um quarto era de meus pais, outro de minha bisavó e o terceiro era eu e meus irmãos que compartilhávamos dele, Karla dormia numa cama que ficava de frente para a porta, e do lado ficava a beliche que eu e Renato compartilhávamos, como eu sempre fui uma criança gorda, era bem acima do peso então dormia em baixo e meu irmão era magrinho dormia em cima. Minha mãe sempre foi muito zelosa com a gente, nossa cama nos cobríamos com um lençol e cobertor, tínhamos nossos pijaminhas, sempre dormíamos de pijamas, minha mãe sempre foi uma mãe muito zelosa de seus filhos. Lembro que uma noite, era de Domingo para Segunda, já era madrugada, no nosso quarto tinha uma janela que a luz do poste da esquina entrava e iluminava o quarto de forma que não ficava todo escuro, nessa madrugada eu estava dormindo quando de repente senti bruscamente meu sono ir embora, eu estava dormindo virado de frente para a parede e de costas para a porta do quarto. Nesse momento um medo muito grande se apossou de mim, minha fala travou e fiquei em pânico, mas imóvel e sem condições de falar ou gritar minha mãe, minha garganta se congelara e minha voz tinha desaparecido de mim. Meu corpo tremia de medo, minha alma estava em pânico, eu tinha apenas 8 anos de idade. O que era aquilo que acontecia comigo, não tinha coragem de me virar e olhar para porta. Mas lentamente comecei a me virar e quando olhei para a porta vi um ser que me deixou muito em pânico, o que era aquilo lá dentro do quarto? Virei de volta de frente para a parede e comecei a chorar mas sem voz, então resolvi olhar de novo para ver se ainda estava ali e se era apenas coisa da minha cabeça, pois o pânico ainda me cercava. Então me virando novamente vi aquele ser ainda lá na porta, então comecei a olhar para ele com mais atenção e lembro me que quase morria de tanto medo, mas seu aspecto era da seguinte forma, ele era alto, da altura da porta, ele estava vestido com um traje que me lembrava aqueles trajes da época de Jesus, seus pés estavam calçados com sandálias, ele tinha os cabelos cheios mas não comprido, ele parecia ser de um bio tipo muito forte, somente seus pés e mãos estavam de fora junto com seu pescoço e sua cabeça. Ele tinha uma barba grade que vinha até seu peitoral, tinha em sua testa algo como um arco que dava a volta em sua cabeça, parecia uma faixa ou algo assim. Sua expressão era séria, ele tinha braceletes no punho quase encoberto pela roupa, mas ele estava segurando um garfo tridente mas de uma beleza grande, esse garfo me lembra muito mesmo o garfo tridente que vi em alguns filmes representando o Deus Poseidon o Deus dos Mares, era idêntico com alguns modelos que já vi. Obs.: essa imagem se parece muito com o que vi, porem o cabelo era mais curto e não se usava armadura e sua veste era de um azul claro e me lembra muito. Fiquei olhando por um longo tempo e ele não se mexia, então me virei pro lado da parede e fiquei ali acordado esperando o dia amanhecer, não conseguia pensar em nada, só fiquei parado esperado o dia amanhecer e minha mãe acordar. A noite passou e minha mãe se levantou junto com meu pai que saia bem cedo para trabalhar, eles acordavam 5 da manhã. Então quando meu pai saiu para trabalhar eu me levantei e relatei tudo que tinha acontecido a minha mãe.
  6. 6. Ela ficou assustada e me perguntava insistentemente se eu tinha visto aquilo mesmo se não era minha imaginação. Alguns dias depois aconteceu da mesma forma, mas o ser era apenas uma silhueta escura de um homem, era tão negro que era mais escuro que o escuro porem nosso quarto não ficava totalmente escuro por causa da consequência da luz do poste da esquina que entrava no nosso quarto. Esse ser era da forma de um homem careca alto do tamanho da porta e muito forte, mas era todo negro sendo que não se podia ver nada além de sua silhueta. Procedi da mesma forma que havia feito antes. No outro dia fiz da mesma forma com minha mãe e vi em seu olhar a preocupação comigo, então resolveu me levar para uma psicóloga na UFU medicina, conversei com um grupo de uns 5 psicólogos, eles eram jovens, eram mulheres e homens, me pediram para contar o que estava acontecendo comigo. Via em seus rostos as caras de risos, mas contei tudo nos mínimos detalhes como havia acontecido, então fizeram alguns exames e comecei a ser acompanhado pela psicóloga do posto de saúde do bairro Luizote, lembro me de chagar lá e ela me pedia para fazer um desenho e depois batíamos um papo, lembro que uma vez por semana lá ia eu que nem doido na psicóloga, isso me deixava muito frustrado, mas tinha que ir então ia. Ai já apareceram um punhado de familiar dizendo que eu tinha que ir no centro espírita tomar passe, tinha que fazer um trabalho de desamarrarão que eu tinha um encosto junto de mim , que tinham feito trabalho de macumba pra mim, notem eu tinha só 9 anos de idade, pois bem minha vida continuou até eu ter a 3° visão, foi num sábado de madrugada, devia ser umas 5:30 e meia da manhã, eu acordei e vi sentada na cama da minha irmã uma mulher que olhava para ela fixamente, e em seu rosto muito belo escoriam lagrimas, essa mulher era de aspecto muito belo e tinha longos cabelos lisos de cor castanha escura e traços finos, mas algo me chamou minha atenção, era que ela parecia não me ver e nem ver ninguém, ela olhava fixamente em minha irmã e chorava, pelo menos não estava olhando para mim, então me senti seguro de ficar olhando fixamente nela. Sua roupa era de flores, não era tecido, era um vestido de flores que era muito belo. Pensava em minha mente: - Nossa ela está vestindo um vestido de flores. Então fiquei olhando e como começara a amanhecer essa mulher conforme clareava começou a ficar transparente de forma que quanto mais ficava claro o dia ela ia desaparecendo. Até que então desapareceu e já era dia e lá ia eu de novo cotar pra minha mãe, já estava complicado, estava indo pra psicóloga uma vez por semana. Contei então pra minha mãe e ela acreditou. Então comecei a ver coisas estranhas com frequência, costumava ver pessoas dentro de minha casa, pessoas nos quartos, na sala, no quintal, homens, mulheres, comecei a ver animais que não compreendia, eram bizarros se comparado aos animais que aqui conhecemos. Conforme o tempo foi passando isso se tornou comum e já tinha me acostumado, só via e ficava calado para as pessoas, só contava pra minha mãe, mas isso se tornou tão comum que já não contava mais pra psicóloga que via nessa intensidade, parei de contar e fiquei de saco cheio e pedi minha mãe para abandonar o tratamento, não queria mais ir e ela concordou comigo e me deixou parar. Então todo lugar que ia via coisas, mas em alguns era mais intenso e nos outros nem tanto.
  7. 7. Eu já tinha 11 anos de idade e foi passando o tempo, e sempre eu ia mal na escola, tinha dificuldade de atenção e não conseguia aprender, matemática não entrava na minha cabeça, era péssimo mas era normal, as vezes fazia uma artezinha na escola, a professora chamava atenção e outras ela batia mesmo e ai minha mãe ia na escola brigar. Com o meu crescimento vendo meus pais em brigas horrorosas, eu comecei a entrar em depressão, profunda tristeza, lembro me deitar na cama a noite e muitas vezes me vinha esse pensamento que durou anos: - Por que eu existo Deus, eu não queria existir, queria tanto que o senhor desmanche-se meu espirito e eu não existisse. Era um vazio enorme, era algo que eu não compreendia, estava mais forte em mim. Eu era uma criança de 10 para 11 anos. E não foi por falta de procurar uma religião, eu ficava conversando com um amigo meu vizinho da Igreja Batista e ele me falava da bíblia, falava de Deus, falava de como iriamos voltar a morar com Deus, então resolvi ir na igreja dele com ele e lá via todo aquele culto e me incomodava os gritos e toda aquela barulheira, eu me sentia um peixe fora d’água, cheguei a ir muitas vezes mas logo desisti, minha irmã Karla foi muitas vezes com a irmão do Júlio e sua família, ela ficou lá muito tempo. Minha mãe sempre me vinha ensinar a doutrina kardecista e o que devia aprender, mas minha mãe teve uma virtude enorme, ela não me cobrava ir em alguma instituição ou seguir alguma fé, ela deixava isso por minha escolha. Então conheci uma pessoa chamada Daniel que veio até minha casa numa das vezes que os testemunhas de Jeová bateram em minha porta, eles entraram e me deram o ensinamento deles, lembro me que ele me ofereceu o curso bíblico deles por um ano e estudei, ele vinha aqui em casa e me ensinava, foram vários meses de estudo onde cheguei a ir umas 3 vezes nas reuniões deles no salão do reino deles. Fui mas não me sentia a vontade, me sentia um ET lá embora era muito bem tratado. Mas tinha as visões de forma tão grande que todos os dias eu tinha história para contar, então parei de contar porque algumas vezes cai na bobeira de contar e fui taxado de doido e fraco da cabeça e aquilo me deixava muito triste. Então um dia falei para Daniel que não queria mais ter as aulas e ele muito educado e compreensivo me atendeu, minha mãe até me argumentou porque não queria continuar mas não tinha vontade e ela respeitou minha decisão. No meu bairro tinha aberto uma discoteca onde hoje se está uma denominação religiosa protestante, meus amigos que eram mais velhos do que eu, eles tinham de 15 a 17 anos e eles iriam lá, estava na febre da música do Tecnotronic, mc Hammer e etc. Pedi um dia a minha mãe para ir com meus amigos e minha mãe me disse não. Disse que era perigoso para mim e que eu era muito novo para ir em lugares assim. Então fui dormi desapontado, lembro me de deitar umas 20:00, deitava cedo, mas lembro me de acordar e levantar e sentar na cama, mas não tinha consciência do que estava fazendo direito porque parecia que eu estava sendo guiado de forma automática, lembro me de passar pela parede do meu quarto já saindo de fora da casa e logo passei pelo portão e me achei na rua, então vi que já era tarde da noite tipo 22:00 pra 23:00 e na minha casa todos já dormiam, então subi a rua numa velocidade muito grande e não me cansava e logo me vi na porta da discoteca, então entrei atravessando a parede mas não tinha muita ciência do que estava fazendo, parecia agir automático, mas estando lá vi que estava escuro, tinham luzes piscando e muita gente, pessoas fumando, bebendo e eu avistei meus amigos e fui até eles e chegando lá fui brincar com eles mas eles
  8. 8. não me respondiam, não me davam atenção como que se me ignorassem, fiquei sem saber o porquê e fui embora, fiz o mesmo trajeto até minha cama e fui dormir. No outro dia levantei e relatei a minha mãe e ela ficou perplexa e me disse que achava que eu tinha tido uma experiência fora do meu corpo, mas nem dei bola pra isso, tinha só 12 anos, era uma criança. Minha tia esposa de meu tio Carlos tinha muito o habito de ir no centro espírita umbandista e então um dia pedi a ela para poder ir ver como era. Chegando lá tudo era diferente, nunca tinha visto algo igual na minha frente, então me sentia diferente, lá, comecei a conversar com aqueles seres, e comecei a gostar muito de ir lá, como tinha o dom de desenhar eu desenhava os seres conforme minha imaginação em relação a eles e entregava para eles de presente, pedia minha mãe para comprar maços de cigarros para eu levar para eles, fui várias vezes e gostava muito de ir lá, lá eu estava me achando bem, mas num dia minha tia falou que não era mais para mim ir lá, fiquei por entender mas ouvi ela contando pra minha mãe que tinham alguns seres que andavam comigo que estavam atrapalhando as entidades espirituais que trabalhavam no centro de vierem iniciar seus trabalhos. Bom não sei se isso era verdade mas não voltei mais lá desde então, eu tinha uns 13 anos. Minha mãe me pedia então para ir no centro kardecista mas eu queria era ficar longe de lá, o Diabo estava lá no centro e Chico Xavier pra mim era um mentiroso junto com todos os outros médios, mas vejam se podem entender a cabeça da pessoa, ia no centro de Umbanda e achava bom e falava que no Kardecismo tinha o Diabo, vê se pode, vai entender né? Então segui sem religião, estava indo mal na escola, tinha já tomado 2 bombas, não conseguia aprender, vivia em dois mundos sem entender direito, era confuso, não tinha ninguém que me entendesse, tinha medo de conversar com as pessoas e ser taxado de nomes. Na sexta série conheci um amigo de escola que me apresentou outros, a galera era do rock pesado, eu era fanático nos Beatles desde os meus 11 anos, foi fanatismo grande, um da tinha ouvindo a música happy xmas do John Lennon na rádio eu perguntei pra minha mãe de quem era e ela disse que era do John Lennon, no final do ano lembro que de 1988 lançaram a coleção dos Beatles remasterizado e fomos nas lojas Americanas em frente à praça Tubal Vilela de Uberlândia . La minha mãe iria me dar o disco do John Lennon, mas ela viu os discos do Beatles e comprou o Please Please me, ela disse vou comprar pro seu pai, mas meu pai era fã mesmo era dos Rolling Stones e advinha de quem iria ser o discão bolachão? Chegando em casa minha mãe me deixou ouvir numa vitrola que havíamos ganhado de um tio, ouvi o John e gostei muito, depois ela abriu o disco dos Beatles e ela disse que iria ouvir e quando ela colocou a faixa um do disco no lado A chamada I saw her standing there e quando Paul McCartney grita: 1,2,3,4 e a banda começa a tocar, eu fiquei sem chão, fui tomado por um prazer tão inigualável que não sabia o que sentia naquele momento, mas fiquei tão feliz que fiquei fanático, nunca tinha ouvido os Beatles, não de forma consciente, fiquei vivendo de Beatles por uns 5 anos, só ouvia eles e colecionava tudo deles, fiquei meio doido, estava vivendo em minha cabeça em outro tempo. Pensava neles o dia inteiro.
  9. 9. Então quando conheci esses colegas de escola eles me disseram que haviam visto um especial dos Beatles na tv e ai começamos a trocar informações, eles me ensinavam o mundo do Heavy Metal e eu os ensinava o mundo Beatles, e assim nasceu uma grande amizade entre nós. Nessa época eu havia começado a trabalhar de office-boy, isso foi em 1992 e eu tinha 14 anos de idade, trabalhava para uma empresa exploradora de menores que me pagava meio salário para rodar Uberlândia de bicicleta debaixo de sol quente, debaixo de chuva, correndo risco e ganhava só meio salário e acomodado como era fiquei ainda assim por 2 anos e 4 meses. Foi nessa época que conheci minha cidade amada, pude aprender a andar na cidade e conhecer ela. Nesse mesmo ano um colega de escola me disse da sua Igreja e me chamou para ir lá, ele foi tão educado e amigável que aceitei ir com ele, hoje ele já não se encontra nessa igreja a muitos anos. Tudo bem no dia 30 de Março de 1992 fui até a Igreja de Jesus Cristo dos santos dos últimos Dias, chegando lá fui extremamente bem recebido, tudo era diferente, não tinham gritaria, tudo muito organizado, as pessoas se vestiam de forma muito social, de terno e gravatas, as mulheres de vestidos na reunião as pessoas em silêncio e reverencia. Ninguém pedia dinheiro descaradamente embora todas peçam seu dinheiro mesmo que seja de formas diferente, seja algumas mais enfáticas e outras mais discretas, mas todas irão pedir seu dinheiro suado. Mas estando lá me lembrei muito do estilo das reuniões das testemunhas de Jeová, você percebe a arquitetura em tudo semelhante, as portas com uma fresta de vidro, tudo muito tio Sam, muito Americano, arquitetura e padrão americano nas construções. Então pela primeira vez vi americanos lá, fiquei tão encantado com os americanos que queria até ser um, os americanos pra quem não tem contato e naquela época era raro ver americanos andando nas ruas de Uberlândia. Então recebi naquela época as 6 palestras e aceitei o desafio de me batizar e ler o livro de mórmon todos os dias sem faltar e aprender a ter testemunho de que a igreja é a única igreja verdadeira na face da terra e que Deus só fala com ela cabendo ao resto das igrejas viverem na escuridão, ali começa a lavagem cerebral mais eficiente que conheço, mas bem vamos lá, então eu estudava, trabalhava de office boy e nos finais de semana visitava meus amigos do rock and roll e ainda ia na igreja, ora de vez em quando dava uma sumida de semanas dos amigos, éramos todos praticamente da mesma idade e eu estudava a noite. Mas no início fui bem frequente na igreja mórmon, participava bastante, mas tenho problemas de obesidade e as vezes ficava muito gordo e não tinha roupas para ir na igreja e ficava lutando, mas fiz o seminário no primeiro ano e lá descobri que Jesus conversava com o profeta mórmon e os apóstolos, fiquei em choque, nossa Jesus conversar sempre com profeta, eles verem anjos, nossa foi um choque porque o máximo que eu ouvia das outras igrejas é que elas recebiam revelações do espirito, mas o próprio mestre vir e lidar com eles isso me deixou assombrado, nossa eles são os caras mesmo, enquanto os outros oram pro espirito revelar a eles os mórmons já falam com o cacique direto, com o cabeça, isso é poder. E como é algo muito bem elaborado e estudado, os missionários sem saber usam técnicas de lavagem cerebral, como a técnica dos pontos, até o tom de voz deve ser alterado conforme a mensagem é dada, muita técnica é usada e de forma
  10. 10. perfeita, mas isso vem sendo aprimorado por eles a séculos, eles te induzem pelo medo disfarçando de amor. No primeiro domingo de cada mês tem a reunião de testemunhos onde as pessoas sobem ao púlpito para quase de forma robótica e automática dizerem: - Eu sei que a Igreja é a única igreja verdadeira na face da terra, sei que o livro de mórmon é verdadeiro e que o profeta é verdadeiro, em nome de Jesus Cristo amém. Salvo algumas variações na frase mas de essência similar. E quando alguém der um testemunho pessoal , conta uma experiência particular não é bom visto pelos líderes, porque dão a desculpa que esses testemunhos podem ser longos e com isso tiram a oportunidade de outros irmãos de prestarem seus testemunhos, uma vez a presidência mandou as capelas e suas lideranças uma solicitação que os membros não deveriam ficar dando testemunhos especiais ou particulares de suas vidas porque isso poderia distorcer o real sentido da reunião e ainda tiraria a oportunidade de outros prestarem seus testemunhos. Mas quando você está no meio acreditando firme você não percebe, todo o mundo é do maligno e você tem Deus do seu lado. Então nessa mesma época meu pai arrumou uma amante que trouxe muito sofrimento pra nossa casa, minha mãe ficou louca, nossa era muita briga e agressão, era insuportável tudo isso, meus irmãos saiam de casa e eu ficava em casa para vigia-los para não brigarem. Num ponto eu agradeço a igreja porque tirei muita força nela para suportar a barra, minha bisavó tinha ficado doente e tinha ido morar com a mãe dela para ser cuidada, ela já estava muito doente e velhinha, tinha 83 anos. Então comecei a beber com meus amigos, eles fumavam maconha mas eu não gostava disso e nunca o fiz, mas ia lá, bebíamos e ouvíamos músicas e conversávamos, eles me ofereciam a droga mas sabia que não poderia aceitar e sempre disse não aponto de não mais me oferecerem. Mas as vezes sumia deles ficando sem ir lá, saia muito com meus primos e bebíamos também, mas esses gostavam só de beber e namorar. Mas nesse tempo ia na igreja também, mas uma coisa me deixava perdido na terra, eu continuava a ver mais intensamente minhas coisas, meus espíritos, meus monstros, andava a noite nas ruas vindo das casas dos meus colegas ou de saídas com meus primos e via seres pendurados nos postes, nas casas das pessoas, ouvia vozes falando dentro das casas das pessoas e ninguém mais ouvia. Queria me enganar naquela época que tudo era demônio, muito pela influência da igreja, já tentei contar essas experiências para membros, para liderança, para missionários e eram unânimes a caras de deboches e seus ares de risos como que me chamando de louco ou mentiroso. Me sentia vazio, me sentia incompreendido, mas queria estar na igreja, gostava de lá, queria me enganar e forçava a barra. Mas foi ai que comecei a ficar instável na igreja, eu frequentava 6 meses e ficava 2 sem ir, frequentava 4 meses e ficava 3 sem ir e as vezes até 5 meses, mas sempre voltava. Na casa de meus pais uma guerra gigantesca, meu pai chegou a sair de casa por 2 vezes e minha mãe numa depressão tão grande mergulhada na bebida, meu pai também, mas ele se tornou um alcoólatra, minha mão estava quase lá.
  11. 11. E seres horrorosos de energias muito sombrias frequentando minha casa. Então comecei de uma pequena tentação a ter o habito de furtar em lojas, furtava cds , fitas de vídeo cassete, roupas e isso ficou forte comigo por um tempo. Estava revoltado, não conseguia arrumar namoradas por ser tímido e tão cheio de problemas que era sozinho, repeti a 7ª serie 3 vezes, era um fracasso na escola. Quando aparecia na igreja não conseguia ser perfeito o suficiente para a doutrina, estava sozinho, estava pedindo ajuda, minha casa destruída, meus pais vivendo um inferno astral, já não conseguia estudar, minha mãe sofrendo, meus irmãos sofrendo, eu estava desempregado, tinhas todos esses problemas espirituais e ninguém me ajudava e se eu me abrisse com alguém era ridicularizado pela pessoa. Me disfarçava de feliz e alegre quando estava muito infeliz e só naquele mundo tão cruel. Os jovens da minha idade já nos seus 17 anos estavam trabalhando, namorando e sendo normais e eu estava com o mundo caindo sobre mim, eu estava gritando socorroooooo!!! Me ajudem e ninguém conseguia me ouvir. Sentia vontade de morrer, sentia que nascer era um erro, via a felicidade das pessoas e não compreendia que elas também sofriam e ficavam tristes e tinham decepções, mas não conseguia entender aquilo, estava doente na alma. Igreja não me ajudava, estava andando em caminhos tortuosos de escuridão, comecei a ficar contra meu pai e me tornar agressivo nas palavras, a raiva me possuía, começava a culpar ele do sofrimento de minha mãe e de nós todos. Mas vocês nem pode imaginar o tanto que nós nos ferimos nessa época, porque ele estava tendo a cabeça feita pela amante contra mim por não ser filho biológico dele. Essa mulher trouxe um grande mal pra nós mas a vida foi muito dura com ela depois coitada. Parei de estudar e comecei só a trabalhar, mas não tinha cabeça para parar em emprego, entrava e logo saia, tinha me tornado uma pessoa muito agressiva e raivosa e não aceitava muito a ideia de ser mandado.
  12. 12. Uma coisa me deixou abismado, aquela bisavó que eu fui criado e que nunca gostou de mim, nunca, ela tinha ido morar com minha avó a mãe dela porque ela havia tido um câncer no intestino e minha avó foi cuidar dos últimos momentos dela e um dia fui na casa de minha avó visita-la e quando essa minha bisavó me viu ela gritou sai daqui monstro, monstro, sai daqui. Essa foi a última vez que a vi viva, no dia que ela morreu eu fui lá me despedir dela enquanto a funerária não havia ido busca-la, então olhei pra ela e perdoei ela e orei por ela. Ela devia ter no máximo 1 metro e 50 e fui eu que fui coloca-la na perua da funerária, eu tenho 1 metro e 82 e sou forte e quase não dei conta de levanta-la no colo, precisei da ajuda de motorista da kombe, parecia que ela pesava mais de 100 quilos. Mas o tempo foi passando e eu fui suportando aquela fase, sabia que na igreja era o único lugar para mim encontrar ajuda espiritual, as outras igrejas eram do Diabo, kardecismo nem pensar, então fui sendo mórmon, ai decidi a estudar a doutrina mais aprofundadamente, uma coisa que a igreja te faz acreditar é que ela é perfeita e que Deus criou um plano perfeito pra você voltar a morar com ele e suas esposas no planeta celestial. Você acredita tanto, mas tanto nisso, que passa a ser a única verdade pra você, ela te ensina que somente aqueles que aceitarem a igreja se converterem e forem batizados e selados no templo serão exaltados, preste atenção `` SERÃO EXALTADOS ´´ e habitarão nas esferas terrestres e serão um dia DEUSES ASSIM COMO NOSSO PAI CELESTIAL QUE ESTA NO CÉUS. Uma coisa que eles não aceitam e nem eu aceitaria é que as pessoas que não são da igreja vão perdendo o brilho para você independentemente se são parentes, amigos, irmãos e até mesmo os próprios pais, quantos membros deixam de ser frequentes em suas famílias e se tornam super frequentes no convívio com os membros da igreja porque eles não têm o mesmo brilho e valor. Você se torna arrogante e presunçoso achando ser o dono da verdade, sendo a autoridade que fala em nome de Deus, que você passa até a se sentir quase um Deus. O mormonismo é uma armadilha muito forte para te arrastar para o vale da cegueira e ignorância. Eles ensinam muito que você deve fazer o bem e não mostrar para público e sim para seu Pai celestial, mas se você ver um grupo de pessoas com um colete amarelo bem chamativo que você pode ver a quilômetros a presença deles com televisão filmando e tudo, lá estão eles mostrando a benfeitoria deles para que todos na cidade e no Brasil e no Mundo saibam que
  13. 13. quem está fazendo aquela caridade, seja em serviço pra sociedade ou doação de alimentos ou roupas e calçados são os mórmons. O serviço de marketing deles é sensacional. Fazem questão que todos saibam dos atos deles. Isso não é ser hipócrita, isso não é arrogância, isso não orgulho? Se o fizessem em oculto sem que todos soubessem ai sim seria humildade. Mas então como tinha meus problemas espirituais e quando conversava com as pessoas era julgado, eu preferiria viver dentro da igreja da forma que dava para me adaptar. Então era inconstante, já estava nos meus 18 anos e seguia, ora ia uns 6 meses ora ficava sem ir uns 2 meses. E tentava superar minhas dificuldades e viver em dois mundos, ora uma hora mais intenso, ora outra menos, mas íamos vivendo. Tinha uma convicção tão forte na igreja que não aceitava nada que não fosse o ensinamento dela, ora queria enganar a mim mesmo. Porque os ensinamentos da igreja não batiam com muitas coisas que eu via, vivenciava e sabia que não tinha lógica com os ensinamentos da igreja, mas queria me enganar. Mas num dos meus afastamentos da Igreja eu vi no Programa do Jô um Senhor falando sobre a projeção astral, me chamou muito a atenção, tentei até procurar o livro que esse homem estava promovendo, isso foi 1996 e na ocasião havia voltado pra igreja e conheci uma dupla de missionários muito legais chamados Elder Greaves e Elder Lyman, Elder Greaves me lançou o desafio de sair em missão. O jovem enfrenta uma pressão esmagadora para ir para a missão, uma das coisas que você mais ouve no mormonismo e lá é onde você menos encontra é o tão dito livre arbítrio, no mormonismo não existe livre arbítrio, tudo é obrigatório sob ameaça de condenação e destruição. Eles dizem que você é quem sabe da suas responsabilidades, você não é obrigado mas se não for obediente e bla,bla,bla e ai te acionam a lavagem cerebral baseado no medo. Mas como senti a vontade de ir como todo rapaz lá sente, fiquei firme na igreja e fiz um propósito de ir, mas de cara o primeiro conselheiro do presidente da estaca Uberlândia que era filho do presidente da estaca me entregou os papeis e me fez a exigência de pagar a missão num valor de 5 mil reais, acho que ele pensou que eu era rico. Mas lembro me do pega do Elder Greaves em mudar isso porque a igreja ajudar os rapazes sem condições a irem para a missão. Para mim receber o Sacerdócio de Melquesedeque foi outra luta, Elder Greaves foi um grande combatente em fazer minha missão acontecer, com muita luta decidiram me dar o sacerdócio, mas foi de tão pouco caso que tenho minhas dúvidas se ele entrou em mim.
  14. 14. Bom tinha que levantar algum dinheiro para ir para a missão, então peguei minha coleção de vinil, cds dos Beatles e do John, Paul, Ringo e George e fui vender, nossa foi muito duro desapegar desses LPs, nossa fui forte e desfiz de minha coleção que fazia a mais de 8 anos, tinha álbuns raríssimos, mas tudo bem, meu coração estava na obra de Deus. Vendi meu contra baixo que tinha compro para montar uma banda cover dos Beatles junto com meus amigos do rock, mas eu não consegui naquela época aprender , tive muitas dificuldades e não aprendi, então o baixo ficou de enfeite no meu quarto, não era um baixo dos mais baratos mas fui e vendi para ajuntar dinheiro para ir para missão, tinha uma bicicleta montain bike que na época havia saído e estava fazendo sucesso, vendi ela também, vendi meu walkman pois amava ouvir músicas, vendi muitos eletrônicos que havia adquirido. Uma ex-missionaria que serviu aqui em Uberlândia Sister Ridenour me mandou um par de sapatos e duas calças, eu estava aceitando tudo, fiz um enxoval simples e humilde com muito custo. Mas dava para ir, dois irmãos se prontificaram a ajudar a pagar minha missão sendo que um deles se encontra em outra denominação religiosa hoje em dia. Fiz meus exames médicos junto com o dentista e fui entregar meus papeis pra missão sem nenhuma ajuda da igreja, estava muito feliz, o presidente da estaca me disse que em mais ou menos 2 meses chegariam meus papeis da missão, pois bem fiquei aguardando, esperei por 6 meses e nesse período saiu uns 3 rapazes da estaca para a missão e meus papeis nada, fiquei ausente um mês pois tinha viajado para Uberaba numa fazenda que minha tia Suzy estava morando, fiquei lá umas duas semanas e quando voltei a perguntar dos papeis o presidente da estaca mentiu dizendo que eles haviam extraviados, então segui minha vida, arrumei um trabalho e segui em frente, e depois de 6 meses que ele me disse isso, creio que ele havia esquecido, ele me para na igreja e me pergunta se eu ainda tinha desejo de ir para a missão porque os papeis estavam na gaveta da mesa dele e se eu quisesse ele iria ver se eles podiam ainda serem enviados para Salt Lake City, ele mentiu, ele nunca mandou, ele me fez ficar esperando mais de 6 meses e eu estava desempregado e meus pais precisando de ajuda em casa e eu incerto de fazê-lo. Quando ele me falou isso eu olhei para ele e o desejo que tive foi de socar bem forte a face dele, mas isso me tornaria um monstro mediante ele ser um homem já de idade e eu um rapaz de 19 anos. Mas a vida seguiu e eu deixei pra lá, perdoei ele de coração, coitado ele foi desobrigado de seu chamado sem honra nenhuma, fatos aconteceram que ele saiu da presidência sem honra nenhuma. Mas ele por mim foi perdoado. Elder Greaves já tinha ido embora mas foi alguém te tenho no meu coração, quis muito me ajudar. Então a vida se seguiu, meus pais estavam levando a crise, meu pai ainda estava com a amante que tanto trouxe sofrimento pra eles, meu pai mergulhou profundamente no alcoolismo, nossa era deprimente vê-lo tão humilhado pela bebida, um homem tão alinhado, tão bem vestido, educado, de educação boa. Mas minha vida pela misericórdia do criador começaria a mudar em 2000, o ano de 2000 trouxe uma nova perspectiva pra mim, no começo, naquele mesmo ano conheceria uma jovem muito bela mas que de uma energia muito boa que mudaria radicalmente minha vida, indo na igreja eu vi uma jovem sofrida que vinha de um relacionamento conturbado e ainda com um filho fruto desse relacionamento tão amargo. Ela estava se sentindo fraca, desmotivada, sozinha e abandonada pela vida, por Deus.
  15. 15. Naquele momento o cosmos se preparava para agir em nossas vidas. Então lutei por ela e ela por mim e o universo conspirou a nosso favor, muito enfrentamos para estarmos juntos. Meu pai tentava de todas as formas lutar contra seu alcoolismo, estava sendo levado a um lugar como nos alcoólicos anônimos, mas era outra instituição, sua cunhada esposa de seu irmão estava ajudando ele nessa missão. Mas o alcoolismo é muito forte e é uma batalha muito grande, é mais de consciência do que química, se o doente não colocar em sua cabeça que ele não pode mais pôr o álcool na boca ele não se liberta. Uma vez meu tio irmão de minha mãe foi com ele no centro de umbanda, eles queriam para de beber e o espirito mandou eles comprarem uma garrafa de pinga cada um e levar para ser benzida pelo espirito para quando eles fossem beber eles largassem o vício, vê se pode? Como você vai ajudar a um drogado a parar de usar drogas, dando para ele maconha benzida, crack benzido, cocaína benzida? Alguns espíritos de índole muito ruim gostam de humilhar o ser humano. Mas tive uma briga com meu pai e tive que ficar uns dias na casa de minha tia Lúcia, lá ficando eu tive uma experiência que foi muito intrigante, eu me vi fora de meu corpo e isso só tinha acontecido quando era criança, nunca mais havia acontecido novamente até então, lá sai do meu corpo e me tele transportei para um campo grande onde haviam grandes muros circundando esse lugar, então havia alguns seres lá como que 3 mulheres e 3 homens, cada um com roupas diferentes e quando estava no meio desse campo eles gritaram e vieram para me pegar, tinha muita fúria em seu olhos , mas quando vieram se materializaram em minha frente três seres de vestes brancas, cabelos loiros e olhos azuis, eles eram altos e usavam uma roupa branca e pareciam usar braceletes, eles tinham os olhos um pouco mais maiores que o normal, eles eram meio ovais como no formato de uma bola futebol americano, quando eles se materializaram esses serem recuaram na hora e fugiram, um deles pegou minha mão e trouxe na casa de minha mãe, vi meu pai sentado no sofá da sala extremante bêbado meio que cochilando e tinham dois seres de forma de fumaça um de cada lado dele, então esse ser falou em meu pensamento, eleve seu pensamento em seu Deus e deseje que ele se liberte , e prontamente olhando meu pai desejei em meu pensamento que não mais queria vê-lo daquela forma e uma luz piscou na sala e aqueles seres esfumaçados se retiraram e então o ser me trouxe de volta ao meu quarto na casa de minha tia e me mandou repousar em meu corpo, não passado ali umas três semanas meu pai me chamou para conversar e nós nos acertamos, e ele teve forças para fazer o tratamento de se libertar da dependência do álcool e foi forte, fez o tratamento e o maior tratamento que ele teve foi dentro dele ao auto afirmar que não deveria mais levar álcool na boca e até hoje ele não o fez, pra mim ele é um grande vencedor e exemplo de garra e superação. Mas então voltando meu namoro com Fabiana estava indo bem, nos conhecendo bem, foi muita luta para conseguirmos nos casar e assim podermos ficarmos juntos, passamos por muitas barreiras, eu com 22 e ela com 20 anos, ela também era membro da igreja mórmon, mas como eu não se firmava, tínhamos temporadas, mas nos afastávamos também. Eu trabalhava de auxiliar de limpeza num campus de uma universidade de Uberlândia, fiquei lá por 11 meses e sai, mas nesse período não conseguia arrumar trabalho por não ser qualificado e não ter nenhuma profissão. Morávamos numa meia agua num bairro um pouco distante de onde fora criado, o Luizote de Freitas.
  16. 16. Mas o aluguel venceu e não tínhamos dinheiro, Fabiana estava desempregada e gravida de uma menininha que viria, então pela misericórdia de meus pais eles me cederão uns cômodos de comercio que tem na frente da casa deles pra nós morarmos. Então mudamos e arrumei um trabalho de atendente numa empresa de call center , o salário era muito pouco e lembro que minha mãe tão feliz pela chegada de sua neta que seria a primeira fez todo o enxoval e comprou o bercinho do bebe e a cômoda, como sou eternamente grata a minha mãe pela ajuda, nossa filha nasceu com saúde e linda, mas a vida foi seguindo, Fabiana e eu ora íamos na igreja e outrora afastávamos, era difícil estar lá, não conseguíamos como se algo nos puxasse pra fora, algum mórmon que estiver lendo esse livro vai falar era o inimigo te tirando da igreja pra você não ter uma família eterna. Mas depois descobri que não era isso não!!! Então veio Michael William o meu caçula, ele veio para abençoar ainda mais minha vida. Nesse período não estávamos frequentes na igreja, ele desenvolveu um refluxo tão grande que nossa, ele só fedia vomitado, ele tinha ferridinhas como uma alergia forte no pescoço por causa do ácido do estomago que vinha no liquido do refluxo, ele vivia adoecendo com bronquites e tinha a asma que eu também tenho. Levávamos nos médicos e eles mandaram fazer exames mais complexos e chegaram a conclusão de que o grau do refluxo era o mais forte, e que ele tinha que ser operado, mas eu não queria que meu filho fosse operado de forma nenhuma, ele era tão lindo, mas uma outra pessoa muito boa da igreja e meu amigo tinha um filho passando por situação semelhante, e me doía saber que nossos filhos iriam ter que passar por isso. Esse meu amigo era um mórmon exemplar, nunca afastou o pé pra fora da igreja um só momento, ele fez tudo que a igreja ordenava e mandava, ele cumpria tudo sem pensar duas vezes e eu era hora quente hora frio mas ele não, então um dia vendo meu bebe dormindo no berço e minha esposa já dormia mais a Marcelle, vi meu filho tão inocente dormindo, meu coração se encheu de amor e pedi a Deus por ele, ele recebia tantas bênçãos de portadores do sacerdócio de melquesedeque que vinham em minha casa, a igreja ensinava tanto que o sacerdócio é o único poder de Deus na face da terra, a única autoridade a agir em nome de Deus, mas essa autoridade não estava agindo nem a meu favor e nem a favor de meu amigo, esse poder estava falho, quando algo dá errado no mormonismo a desculpa pelo fracasso é que foi a vontade de Deus e que assim o homem não pode fazer nada. Então conheci um pastor de uma denominação cristã, o homem era bravo no falar, parecia doido, ele disse assim: - Pai seu filho vai se curar, o senhor tem fé em Deus? e eu disse sim, ele disse vai e compra uma lata de azeite e me traz amanhã. No mormonismo o único azeite aceito para unção é o de oliva extra virgem, se não for esse Deus não aceita, então peguei o único dinheiro que tinha e só dava para comprar aquele azeite composto que tem mais óleo vegetal que azeite de oliva, mas era o único que meu dinheiro dava para comprar, se Deus ama mesmo as pessoas eu pensava ele não vai ligar para isso. Levei até ele e ele colocou à lata de forma agressiva até sua testa e disse: - Se eu sou de Deus esse menino vai curar porque Deus vai agir através desse azeite.
  17. 17. Ele berrou bem alto que me assustei, mas se era pela saúde do meu filho estava valendo. Depositei toda minha fé. Quando meu filho acordava eu corria e colocava uma gota de azeite na testa dele e dizia: Jesus Cristo vai te curar e eu te abençoo em nome de Jesus Cristo amém. Não fiz todo aquele ritual pomposo regado a palavras previamente ditas, foi muito simples. Quando ele acordava e ia dormir eu fazia isso, agora pergunto a vocês, qual dos filhos foi pro bisturi? O meu não. Os médicos não queriam aceitar, quando minha esposa disse que o menino estava curando por Deus a pediatra deu gargalhada e disse que era impossível e minha esposa veio até triste com o deboche da medica e eu disse para não ligar e ela assim o fez e meu filho se curou graças a Jesus Cristo e sua misericórdia. A igreja que aquele pastor estava servindo não tinha esse poder mesmo porque ele nem mais nela congrega, mas aquele homem, aquele ser individual de uma fé monstruosa e de uma espiritualidade gigantesca me fez acreditar e aconteceu. Então nós voltamos pra Igreja porque tínhamos o habito, fomos muito novos pra ela e ela era sempre a nossa referência. Então comecei a estudar os livros, eu li Jesus o Cristo, uma obra maravilhosa e um assombro, milagre do perdão e etc. São livros básicos, comprei 3 livros dito muito forte de doutrinas chamado doutrinas de salvação. Li eles várias vezes com muita maturidade e te digo que é muito bom para um mórmon, mas queria mais e mais. Lembro que um dia li no livro doutrinas de salvação que era enfático em dizer, que os alienígenas não são feios e tem a cabeça Grande com olhos enormes e boquinha pequena, e são sim filhos de Deus na forma humana, está bem depois a gente fala sobre isso novamente. Isso me fez pensar, que ele não poderia saber da existência deles, mas se eles se gabam de saberem de tudo do universo e da criação, que o próprio Jesus Cristo os visitam, então pensei que tem alguma coisa falha ai e que talvez não seja verdade o que eles dizem e eles sabem de Deus tanto quanto qualquer um, porque hoje Deus se tornou um monte de suposição para cada um, hoje cada um cria Deus conforme sua própria imagem, seu gosto, as religiões em geral criam o Deus conforme seu gostos, seus ideais, sua preferência de raça, cor e etc. Um exemplo, na igreja Mórmon seria o último lugar para os negros estarem e também as mulheres, o racismo foi muito forte na igreja, que Deus é esse que da ´´ SEU PODER `` somente para os homens brancos por mais de um século somado mais décadas dizendo que Deus não aceitava ainda os Negros para possuírem o Sacerdócio, os Negros tinham prestígios de escravos de dentro da igreja, eles iriam lá, assistiriam as reuniões, pagariam seus dízimos, mas não receberiam o Sacerdócio. Típico racismo Americano, mas como o mundo evolui e todos prestam atenção as tendências, a Igreja mórmon teve que evoluir seu modo de pensar e como o racismo era algo muito horrível e eles eram tão racistas, que demoraram mesmo com o fim da escravidão eles demoraram a aceitar a ideia de dar o Sacerdócio ao Homem Negro que tanto serviu essa igreja, já imaginaram se até hoje o`` DEUS ´´ inventado por eles não tivesse engolido o orgulho Americano e não tivesse dado seu poder aos Negros? Com certeza a igreja seria esmagada pela opinião pública e critica mundial como a Igreja mais racista do mundo sendo quase preconceituosa como a ku klux klan, não sairia a mata-los, mas trataria os como um sub-raça, mas eles são muito inteligentes e bem assessorados por Deus de gravatas e logo corrigiriam isso para se adequarem a um pensamento mais humano de igualdade. Uma jogada de mestre. Sobre as mulheres é uma forma humilhante como a mulher é tratada e considerada dentro do Mormonismo, a poligamia não acabou, antes o homem poderia ter várias mulheres, que
  18. 18. decepção quando estudei e descobri que Joseph Smith tinha 22 esposas e dentre elas adolescentes de 15 e 16 anos, nossa minha filha tem 12 anos e meu Deus ela é uma criança, vejo uma moça de 15 e 16 a até 17 como criança, ele combinado com seu pais que fazia cerimonias de selamento no templo, combinavam escondido de sua esposa Emma os selamentos escondidos dele com as adolescentes no templo. Nossa isso é muito triste, por ai se ve o interesse somente do homem acima de qualquer coisa. Como os relatos mórmons mostram o quão infeliz foi a mulher Emma Smith, os profetas mórmons junto com suas lideranças passam uma imagem, se analisado sem defender dogmas de um bando de homens pedófilos, e ainda o mais triste é que se escondiam atrás de um `` DEUS ´´ INVENTADO POR ELES, NA QUAL DEFENDIA TOTALMENTE OS INTERESSES DOS HOMENS TORNANDO AS MULHERES COMO QUE OBJETOS, é triste ver as mulheres tão maltratas de forma disfarçadas por eles, são tratadas única exclusivamente por objetos e nada mais. A mulher mórmon é muito injustiçada e muitas que sabem aceitam devido a lavagem cerebral, mas se elas parassem para pensar e analisar do modo logico elas tratariam logo de sair dessa humilhação, porque só os homens podem ter muitas esposas? Porque não a mulher não pode ter vários maridos? Só os homens? Machismo puro! Ai eles vêm com uma explicação bastante criativa e convincente da vida pré-mortal, nossa tudo muito bem pensado, mas porem sem lógica e só estando totalmente imergido na lavagem cerebral deles para acreditar em tanta fantasia. Quando um homem perde sua esposa e esse é selado ele pode ser casar de novo. E se essa esposa morrer ele poderá continuar se casando e se selando e no final quando ele morrer as esposas serão dele no céu. Mas se a mulher morrer ela não pode selar mais, se ela já for selada. Que machismo gigantesco comparado em igualdade aos Árabes e suas mulheres. Que pena das esposas deles. O pir é que eles não estudam a verdadeira história da igreja, eles só estudam o que a liderança aconselha, a liderança mórmon morre de medo que os membros estudem a verdade, tem relatos de livros, jornais, publicações da história de Utah, é só eles lerem e estudar, temos que ser imparcial, temos que conhecer os dois lados da moeda. Imagina se um juiz fosse dar seu veredito apenas ouvindo um lado, ou de acusação, ou de defesa, seria uma decisão louca. É isso que eles fazem, eles induzem seus membros a apenas verem o lado deles não dando o inexistente livre arbítrio a seus seguidores para analisarem de pontos diferente, e quando um membro tenta sair, eles logo usam a artimanha da lavagem cerebral de que a pessoa está entrando em apostasia e que o Diabo ou melhor o inimigo que é assim como eles o tratam, que o inimigo está cegando a pessoa e assim ela está condenada a perder a tão sonhada exaltação e a chance de um dia virar DEUSES E DEUSAS. Mas bem, eu e minha esposa frequentávamos a igreja, ora uma temporada firme, ora afastados, mas quando estávamos afastados nãos éramos diferentes, nós não fumamos, não gostamos de bebidas alcoólicas, nem de café gostamos, não gostamos do gosto forte do liquido, eu não bebia café antes mesmo de me tornar mórmon. Mas como sempre fui muito pesquisador e estudioso no quesito mórmon, estudava demais, enquanto estava afastado estava lendo o livro de mórmon com manuais, lendo os livros que ninguém lê, estudava discursos de doutrinas profundas que missionários recebiam de seus presidentes de missões e me davam, estudava tudo, queria ser um PHD em doutrina mórmon, tanto que achava isso muito bom pro meu progresso. E defendia tanto a doutrina mórmon que se alguém se opusesse eu seria capaz até de sair no braço em defesa da igreja. Sempre tive um ótimo relacionamento com missionários, sempre fazia grandes amizades com eles, eles sempre vieram em minha casa, mesmo não estando frequentando, conheci pessoas maravilhosas e outros não.
  19. 19. Mas um dia já me achando o tal em conhecimento mórmon e digo com toda certeza que sabia muito da doutrina, mas algo muito forte não me deixava seguir frequentemente como as pessoas conseguiam seguir todos os domingos roboticamente indo nas reuniões, me aborrecia muito mesmo. Mas um dia conversando de doutrinas profundas com um dos missionários, ele me disse que a igreja estava lançando uma série de livros que se chamava os diários de Joseph Smith e que lá falava dos habitantes da Lua. Aquilo foi um baque tão grande no meus ser que eu perdi o chão, mexeu muito comigo, isso foi em 2007, eu fiquei extasiado e disse: - Habitantes da Lua, ele fala disso? - Eu nunca ouvi falar de habitantes da Lua. - Nossa é Fantástico. Como não tinha internet fui logo na Lan House pesquisar sobre esses livros, mas iria sair e com certeza não teria a chance de tê-los, então foi onde forças do universo meu direcionaram para a obra mais forte do mormonismo, uma coleção de livros já retirados do público mórmon propositalmente para manter as pessoas em cativeiro chamado Journal of Discourses, esses livros eram a compilação dos discursos de conferências na era inicial da igreja, são muito forte o que se pode encontrar neles, tem que estar preparado demais , porque não foi fácil ler os livros e discursos profundos e aceitar, sempre tinha que me destruir e refazer por dentro, sempre estava me reconstruindo porque quando me fazia, então vinham novas informações e logo tinha que me refazer, foi muito dolorido mas já tinha amadurecido muito mesmo e agora iria dar outro passo maior ainda. Bom como falo Inglês consegui as copias desses livros em PDF, parecia que algo estava me direcionando para esse caminho. Após conseguir comecei a estuda-lo, nossa foi muito forte, nada se comparava a eles, deixava tudo que tinha lido parecer como historinha de dormir para crianças, foram dois anos de profundo estudo, nessa época estava bem firma na igreja porem depois de 1 anos e 2 meses firme dei uma afastada e fiquei uns 3 meses sem ir e logo voltei onde fiquei mais de ano firma junto com minha família. Nossa! Era tanta informação maravilhosa que acabei descobrindo outros livros da igreja e um se chamava THE SEERS (os videntes), e foram outros vindo, esses livros que a maioria dos mórmons desconhecem pelo menos aqui no Brasil, eles estão na biblioteca da igreja em Salt Lake City. Esse livro falava de coisas que nossa nem mesmo o papa sonha, pensava eu, nossa os membros não conhecem o Deus que servem, nossa se muita gente saber o que está escrito aqui não vão nem querer saber da igreja, mas estava estudando firmemente e esse conhecimento te traz uma certa arrogância, o mormonismo te cria uma falsa humildade, todos são arrogantes ao extremo, é a religião do ego, do melhor, do mais poderoso, dos exclusivos de Deus.
  20. 20. Mas me achava o detentor do poder e do conhecimento, pobre de mim que não sabia o que viria na minha na minha vida mais pra frente. Bom um dia fui taxado de apostata por ensinar a algumas pessoas certos ensinamento Mórmons que eles escondiam dos membros, quando falo eles eu digo a liderança geral da igreja lá nos Estados Unidos. Num belo dia encontrei um site chamado investigações SUD, lá tinham muitas informações muito fortes da igreja, a pessoa que disponibilizou essas informações estava fazendo campanha contra a igreja, mas mesmo assim fui verificando, ficava com raiva do que eu via, mas era muito interessante, tudo era verdade sobre a igreja mórmon, tinham a referências e tudo, acreditava só no que queria e era conveniente pra mim em defesa da igreja, mas as informações lá eram fortes demais e ficavam na minha mente, e como o pior cego é aquele que não quer enxergar ficava defendendo a igreja . Mas em 2008 meu pai perdeu sua mãe, uma pessoa amável, doce, calma, ela era Portuguesa, pra ele foi um grande baque, ela era o pilar da família dele, tudo era em torno dela, pessoa de uma índole ímpar, mas ela se foi, fez a passagem para o outro lado. Bem 8 meses depois tive uma experiência que foi muito clara, me via saindo de meu corpo e indo a um lugar de muita paz, nesse lugar parecia uma vila de casas coloridas e de muito verde, muitos jardins , um lugar muito agradável de se estar, quando me surpreendi em vê-la vindo ao meu encontro, ela parecia mais jovem, seus cabelos não eram brancos e sua pele parecia muito mais jovem, ele veio e não me abraçou nada disso, ela me olhou e disse para que eu fala-se para meu pai que ela estava bem e que estava junto dos parentes dela, ela estava séria e nem sequer me deu um sorriso, nós andamos um pouco e meus olhos olharam para algo muito diferente de onde estávamos, vi como que um abismo e não conseguia olhar e ver lá embaixo porque existiam nuvens muito escuras e negras que tampavam minha visão, esse lugar me passavam a impressão de ser um lugar muito obscuro, ela me olhou com um ar como que de quem repreendendo e me dizendo para não entrar lá que lá não era bom. Então me pediu que fosse embora, então já me vi acordado dentro de meu corpo, isso era 2 horas da manhã quando olhei para o relógio na sala. Fui tomar agua e fui dormir. Mas não contei para meu Pai, ele é muito cético e jamais acreditaria, ele nem acredita nas coisas que falo, então um dia ela falara para ele pessoalmente. Mas antes da passagem dela já havia perdido minha avó Maria com que tive muita afinidade e convívio, minha avó não foi uma pessoa fácil, ela tinha muitos defeitos, amava se fazer de vítima, mentia muito para as pessoas, enganava as pessoas, fazia as pessoas sofrerem muito principalmente os filhos, ela já chegou até dar meu tio pros outros embora depois voltou para busca-lo, era muito irresponsável, passava a perna nas pessoas, tinha uma índole muito ruim, mas muito mesmo, digam seus filhos. Amava o espiritismo Umbandista, amava as entidades, falava que quando morressem iriam vir buscar ela para leva-la. Minha avó tinha muitos pecados pesado para prestar conta em sua vida. A morte dela foi muito triste, ficou muito doente e sofreu bastante. Mas depois de 1 ano da morte dela eu me vi novamente fora do corpo, e me vi num lugar isolado sem movimento, era uma estrada, uma pista de rodovia numa região isolada no meio de um nada, andava a esmo, parecia que algo me conduzia, fui andando muito nessa estrada de asfalto igual as que temos aqui, mas era de um asfalto bem lisinho e não tinha marcações nele, fui andando e logo vi um lugar como que um trilha larga mas de um mato muito alto e
  21. 21. seco, esse mato era mais alto que eu, devia ter mais ou menos uns 2 metros, então fui fortemente levado a entrar nessa trilha e a segui-la, não sentia medo algum, de forma alguma, continuei seguindo adentro a longa distância, parecia andar mais de quilometro quando de repente avisto uma arvore enorme, parecia com uma mangueira gigante, mas não era uma mangueira mas me lembrava, embaixo não existia mato, somente a folhagem que caia dessa árvore, tinha um barraco pequeno de madeiras velhas, nesse barraco entrei em vi minha vó Maria deitada num colchão velho, ela estava apenas com um pano que cobria seu órgão sexual, mas no mais podia vê-la por completo, ela não estava em si parecia estar em transe, seu olhar parecia olhar para um infinito bem distante, vi dois seres enfumaçados um de cada lado dela, esses seres e nem ela pareciam me ver, eles ficavam lá do lado dela estáticos sem movimentos e ela olhava para algo no vazio, parecia em transe. Seu olhar era distante, fiquei parado olhando ela. Reparei que em seu corpo a pele estava roxa pra preto como que podre. No seu corpo saiam bichos como que larvas enormes e quando elas saiam um liquido esverdeado amarelado como que pus saia depois, seu corpo estava tomado, ela parecia uma pessoa com o corpo todo podre, mas seu rosto estava idêntico de quando ela morreu, mas ela estava parecendo que em transe. Fiquei um bom tempo observando ela, queria que ela pudesse me ver mas isso era em vão, fiquei aliviado porque aqueles seres de fumaça também não me viam. Mas não sentia medo. Só ficava lá observando tudo aquilo. Então sai de lá e fiz todo o caminho reverso até pegar aquela estrada sem fim e andei bastante até acordar em minha cama e eram 3 horas da madrugada. Cheguei a relatar para alguns amigos mórmons minhas experiências e nem queiram saber a reação deles, bom deixa pra lá, sabia que estava experimentando experiências fora do corpo, era induzido de alguma forma a isso, mas estava consciente. Estava indo firme na igreja mórmon, começava a dar aulas para o quórum dos Sacerdócio aos domingos, eu passava muita falta financeira, não parava em trabalho, se não fosse minha mãe não sei como seria, meus pais foram muito, mas muito importantes no bem estar de minha família, meus sogros também sempre ajudando, mas na igreja encontrei uma pessoas que devo muita obrigação que é o Jarbas, homem de coração maior que sua pessoa que me ajudou muito, trouxe já muito mantimento para mim e minha família, homem muito bom. Recebi muita ajuda dos Mórmons, o programa de ajuda deles é muito bom, eles ajudam muito, é uma igreja solidaria a dor e necessidade alheia. Sempre tinha sido uma pessoa que olhava as coisas das pessoas e ficava sonhando em poder ter, sonhava mas as dificuldades financeiras eram gigantes e mais uma vez reitero que não conseguia firmar nos meus trabalhos, seja por falta de responsabilidade ou imaturidade, tinha uma família para cuidar. Era um verdadeiro pedinte, mas tenho que levantar as mãos para o céus e agradecer a esposa que tenho, porque sem ela, sem seu apoio, sem sua ajuda eu não seria nada, morávamos num cômodo de porta pra rua, o telhado de telha Eternit, muito calor, parecia uma sauna, tinha que ficar com a mangueira jogando agua no telhado para esfriar para tornar lá dentro habitável, todo mundo que passava poderia ver lá dentro, privacidade zero, meus filhos tinham o passeio por quintal para brincar, no frio lá virava o polo norte, como era difícil nossa vida, lá estava essa mulher, esse anjo, essa benção insistindo em ficar do meu lado e firme me apoiando nessa jornada.
  22. 22. Um ano após ter tido aquela experiência com minha avó Maria, voltei a ter outra experiência com ela, nessa experiência me via num lugar escuro, nublado, o cenário parecia como que de guerra, tinha entulhos de prédios caídos no chão, poças de água suja, tinha muitos gritos em massa, as pessoas estavam sujas, com roupas rasgadas, como que parecendo que estavam sentindo muitas dores, elas pareciam loucas psicologicamente falando. Então andei entre elas, algumas me olhavam, via seus olhos me acompanhando e outras não pareciam me ver, mas comecei a subir num prédio caído de forma que parecia uma montanha de destroços e avistei uma senhora de cabelos brancos de costas e um vestidinho florido, me lembrava minha vó Maria, e quando eu chego perto dela, ela se vira e era minha vó, ela sorriu e me abraçou, ela estava lucida, ela me falou: - Meu neto, você tem que ir embora daqui, aqui não é lugar para você ficar, diz pra sua mãe , sua tia Suzy que eu estou bem, estou melhorando, diz para elas que estou bem e agora sai daqui e quando olhei vi algumas pessoas se arrastando subindo em minha direção como que querendo me agarrar e num piscar de olhos como que num relâmpago eu me vi na minha casa, então decidi não voltar pro corpo, sai pra fora da casa e sentei me na calçada e olhei para o céu e tive uma surpresa, o céu estava limpo, e olhando para o céu fiquei encantado com o que vi, nossa era lindo demais, muito diferente do céu a noite que vemos, pude ver um céu mais estrelado, vi planetas muito próximos da terra, aquela cena era surreal, parecia fantasia, era lindo demais, puder ver dois planetas gigantes bem próximos da terra, não existia a lua, bom parecia para mim não existir, os planetas eram muito belo, as estrelas muito brilhantes, foi um choque em minha alma. Mas um choque maravilhoso, mas um desses planetas era majestoso, ele tinha uma cor rosa avermelhado, ele era uma mistura dos dois, ele tinha um anel gigantesco semelhante a saturno, ele era lindo demais, ele estava muito próximo da terra, ele tomava grande parte da visão dos céus. Majestoso, ao seu lado tinha um planeta de um azul neon grande, esse era apena um orbi normal sem anel, tinham muitos outros pequenos planetas muito luminosos, nossa como estava feliz, uma felicidade que nunca havia experimentado aqui na terra, minha alma se enchera de emoção e felicidade jamais sentida aqui. Fiquei mais ou menos umas 2 horas em êxtase com essa visão angelical, e me dizia como o criador é magnifico. Então quando me dei conta acabará de acordar ao lado de minha esposa as 6 da manhã. A vida sempre continuou, assim os dias foram se passando, estava indo na igreja e vivendo como todas as pessoas com seus percalços na vida, foi se então seguindo, a família por parte de minha mãe sempre foi complicada, o orgulho é algo muito destruidor na família dela, o orgulho e a falta de amor entre os seus. Gostavam muito de coisas que destruíam a alma e o espirito, um grande problema era o apego as religiões espiritas de baixa vibração e primitivas, eles tinham muito apego por elas e eu fanático no mormonismo e suas crenças. Mas minha tia Lúcia ficou muito doente espiritualmente e isso se refletiu em seu corpo e organismo, seu filho se envolveu no mundo das drogas e do crime e como sabemos onde isso leva ele foi assassinado e depois de 10 dias ela se enforcou vindo a óbito, mas uma coisa que existia entre eu ele ela era um grande apego muito próximo de mãe e filho, ela era uma tia que eu tinha um imenso amor, foi triste ver a decadência dela, gostaria de poder ter tido como ajuda-la mas sinto que falhei, quando ela se enforcou ela ainda ficou internada na UTI por alguns dias até ter óbito confirmado e nesse período ela me procurou dizendo que estava sentindo muitas dores no umbigo dela e que ela estava fraca demais e disse que tinha morrido, isso foi 4 dias antes de se confirmar pelos médicos o óbito dela.
  23. 23. Ela estava assustada e com os olhos arregalados e me dizia com a mão em cima de seu umbigo meio que ajoelhada e gemidos de dores: - Marcelo Eu Morri! Eu Morri! Mori! Então não vi mais ela e depois de 4 dias os medico deram o óbito dela. Já se passaram 5 anos de sua morte e ela ainda está doente e não se recuperou, seu espirito, se comporta da mesma forma que ela se comportava no auge da doença, ela está ainda da mesma forma, e da última vez que fui lá eu a vi morando em um lugar que me lembra uma favela muito precária, ela estava morando em um barraco de madeira velho, o lugar é bem precário. Espero que um dia ela se recupere e volte para o processo de aprendizado dela. O que mais me entristece que sua filha mais velha depois de 22 tentativas de suicídio conseguiu o que tanto queria no último mês 07/2015. Peço ao criador que tenha misericórdia dela e auxilie ela no processo de consciência do que ela fez. Mas tendo todas essas experiências ainda firme e convicto no mormonismo, contava essas experiências para minha mãe e ela me dizia que eu deveria procurar estudar o espiritismo de Kardec e procurar orientação de médios espiritas que pudessem me ajudar a entender melhor o que acontecia comigo, nossa eu virava o bicho, falava que tudo era do inimigo, que Chico Xavier e todos os espiritas eram do inimigo, que eu pertencia a única e verdadeira Igreja na face da terra, e que eu tinha o sacerdócio de melquezedeque, que eu tinha a verdade e a luz do meu lado, que a igreja me fazia feliz, mas vejam se pode , lá eu era taxado de doido, mentiroso, fantasioso, e mesmo assim dentro de minha lavagem cerebral e cegueira era o melhor lugar para se estar, vê se pode. Da até pena de mim! Quando você se torna esclarecido de algo, suas palavras se tornam mais claras, você não fica se policiando dizendo na sua cabeça, isso não pode porque não estão preparados. Você já solta a verdade e pronto, a verdade deve ser dita! Esconder as coisas não é de Deus, o oculto não é de Deus. Então eles tinham medo de eu ensinar, porquê poderia sair algo fora da programação e quando percebi isso não quis mais seguir ensinando. Eu afastava porque eu não era compreendido e muitas das vezes ridicularizado, algumas pessoas falavam de mim pelos cantos, eles não tinham repostas para mim e um dos motivos de ficar estudando tanto as doutrinas profundas e procurando saber de tudo era para ver se minhas perguntas das coisas que aconteciam comigo eram verdadeiras. Nossa porque a visão dos espíritos nunca acabou, lá dentro da igreja, nas casas das pessoas, nos lugares eu avistava muito, mas queria ser normal como todo mundo, não entendia porque isso acontecia comigo, queria respostas claras, queria saber, queria saber, meus Deus alguém me responda por favor! Mas não vinham as respostas, e minhas saídas do corpo eram mais frequentes, comecei a ir em lugares que seria impossível descrever aqui, me sentia muito feliz quando estava nesses lugares, cheguei a ir em lugares que sabia que aquilo não era na terra, lugares com pessoas um pouco diferente. Eram maravilhosos os lugares. Mas uma coisa me intrigava porquê nunca vi um Diabo ou demônios como as religiões pregam, isso me deixava em dúvidas.
  24. 24. Mas um dia algo aconteceu que mudaria minha vida, eu sempre fui muito inteligente mas porem de raciocínio confuso, eu estava dormindo e de repente me lembro de ver três pequenos seres do lado de minha cama, um segurava minha cabeça virando ela levemente para seu lado enquanto outro manipulava alguma coisa em minha cabeça, sentia nada, parecia estar anestesiado ou abobado, mas consciente do que eu via, era muito claro pra mim. Acordei no outro dia me sentindo estranho, passei a ter interesses que antes não tinha, eu nem acreditava nesse ser de cabeça grandes e olhos grandes e boca pequenininha, e de baixa estatura. Lembram quando disse que o líder mórmon disse que os Aliens não eram assim? Pois é, eu acreditava fielmente nisso e pra mim essa experiência foi muito forte e me pôs confuso demais porque eu sabia o que tinha acontecido comigo e sabia que aquilo não era sonho porque eu acordei diferente e tinha algumas faculdades a mais em mim que desconhecia. Mas até então fiquei com muito medo porque não conseguia aceitar em minha vida a existência de seres tão feios sendo superiores ao homem criado por Deus a sua semelhança. Para mim era insano, era fora da lógica, então aquilo começou a corromper minha programação mental que havia sido construído dentro do Mormonismo a anos. Então comecei a me interessar demais por informática e comecei a estudar e aprendi bem rapidinho, estudei muito e aprendi a ser de forma bem avançada um técnico na área de informática, passei a ser menos fantasioso em fé religiosa e ser mais obvio, mais logico, mais sensato deixando o fanatismo e a ilusão de lado, passei a me perguntar mais o porquê das coisas e a pesquisar. Uma das minhas frustações de adolescentes foi não ter conseguido aprender a tocar contra baixo embora tenha tentado muito e feito aula com amigos músicos e de uma hora para outra as coisas passaram a ser logicas e ter mais sentido e aprendi a tocar bem o contra baixo de forma rápida mas com muito estudo e tudo aprendi sozinho, assistindo cursos pela internet e baixando apostilas e foi assim que as coisas foram fluindo e acontecendo, meu entendimento era mais claro e fazia mais sentido as coisas para mim, antes era tudo tão confuso e por isso tomei 5 bombas na escola. Sei que ali naquela experiência aconteceu algo diferente em mim. Mas a maior mudança dentro de mim foi espiritual e afetou muito a minha vida, surgiu um interesse extremamente gigantesco dentro de mim por UFOLOGIA, então comecei a estudar tudo, vídeos, palestras, livros, me dediquei nos últimos 4 anos somente a UFOLOGIA e consegui filtrar muitas coisas boas e também ruins. Um certo dia três seres se apresentaram a mim, uma mulher e dois homens sendo um deles o que falou comigo enquanto os outros ficaram calados, ele se apresentou, disse me que era meu mentor espiritual, poderíamos dizer popularmente anjo da guarda, disse que era responsável por mim e disse que iria me conduzir em muitas coisas relacionadas a minha vida, ele não se apresentou com um nome, só me disse que era meu mentor espiritual e que estava comigo desde o meu nascimento. Seu aspecto era de 1,85 de altura, estatura forte, usa uma roupa creme claro, sua vestimenta de cima se parece com uma roupa indiana ou japonesa para chinesa, é diferente, seus olhos são grandes mas na forma de uma bola de futebol americano, naquele desenho, ele tem os olhos castanhos escuros, seus cabelos são de cor castanho escuro, curto e partidos de lado, ele é de pele morena clara, não é branco, é mais um
  25. 25. pouco pigmentado, seu rosto é longo de queijo mais pontudo meio quadrado, ele se mostrou pra mim e disse que me guiaria o meu eu interior. Ele desprogramou minha mente das insanidades do mormonismo e de tudo que tinha visto. Me ensinou a ver a beleza em todas e as coisas, tem me mostrado a amar os animais, antes eu detestava os animais, era muito desamoroso, me ensinou a respeitar a natureza e todas as formas que nela habitam, me mostrou que diabo, demônios nada são do que invenção do homem, me ensinou que todos estamos aqui para nos evoluirmos e assim aprendermos. Me ensinou as leis Karmicas, me ensinou sobre os espíritos, me ensinou sobre a reencarnação e suas etapas, agora pesem eu deixar de crer em tudo que acreditava e olha só eu falando e defendendo a reencarnação, como pode, foi uma mudança muito grande. Me ajudou a desenvolver mais meus dons, sei que tenho muito a aprender, só estou pegando agora a longa estrada para começar a seguir um caminho longo e gigantesco. No mormonismo é ensinado que os animais não são prole de Deus e sim criação, os humanos são prole e sendo filhos são participantes do plano de salvação. Mas meu mentor espiritual me pediu para não mais me alimentar de carne e me disse que o peso de se alimentar de carne é o mesmo peso do que se alimentar seres humanos mortos. O peso é o mesmo. Me disse que é um atraso violento se alimentar de seres animais de carne, me pediu para não mais fazer esse consumo. Me explicou que esse Deus que a terra adora, esse ser em forma de homem, não existe, disse me que isso foi invenção de homens maus intencionados e que isso arrasta a humanidade num estado de ignorância, e cegueira mental muito grande. Uma vez um amigo meu que servia como missionário me disse sobre os alienígenas conhecidos como greys, vocês não poderiam imaginar como Elder Jensen ouviu asneiras de mim, é até engraçado, eu falando que aquilo era demônio transformado naquela forma para enganar as pessoas, meu pai que ignorância era a minha, quando olho para o passado sinto dó de mim. Sinto dó das pessoas que ainda estão nesse estado de ignorância e cegueira tanto mental como espiritual. Mas um dia as pessoas vão acordar. Eu tenho muito o que aprender, só estou começando a engatinhar, mas um dia entenderei toda a minha missão, e hoje posso dizer embora não seja Kardecista, amo muito Chico Xavier. Se todo ser humano se preocupasse em imita-lo 10 % com certeza esse planeta ascenderia a uma dimensão superior, Chico Xavier foi um Grande exemplo para a humanidade, assim como Gandhi, assim como Buda, assim como Krishna, e como meu maior herói e ídolo, Jesus Cristo meu Senhor e meu mestre, e ignorantes são as pessoas que pensam que eles são concorrentes da fé da raça humana, são seres evoluídos que vieram aqui para ajudar a humanidade a ascender para um nível de consciência superior junto com o todo, não esse Deus homem dos homens, Deus esse que é uma ilusão e não existe e sim o criador do cosmos e toda a vida que nele há. Meu intuito aqui não é ofender fé de ninguém, não é achar ninguém inferior mas compartilhar minhas experiências de vida e se alguém puder tirar algum proveito fico feliz, tenho tantas experiências para escrever que seriam mais de 100 páginas mas meu mentor espiritual me disse que só isso já está bom.
  26. 26. Que aqueles que lerem esse pequeno relato, seus corações sejam cheio de amor e paz! Muita paz a todos. Marcelo Marins. Email: mdmarins@yahoo.com.br https://www.facebook.com/mdmarins

×