2 Ano narrativa de ficção

390 visualizações

Publicada em

Narrativa

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

2 Ano narrativa de ficção

  1. 1. A narrativa de ficçãoA narrativa de ficção Prof. Marcelo DeusdeditProf. Marcelo Deusdedit
  2. 2. A narrativaA narrativa narrativa fato ou acontecimento narrador personagens espaço tempo não ficcional – mundo real ficcional – mundo imaginário Realidade e ficção nas narrativasRealidade e ficção nas narrativas
  3. 3. O ciclo narrativoO ciclo narrativo situação inicial – personagens apresentados numa determinada situação temporal e espacial desenvolvimento – conflito, ação desenvolvida até o clímax e desfecho situação final – personagens apresentados numa nova situação, mudança em relação ao início Realidade e ficção nas narrativasRealidade e ficção nas narrativas
  4. 4. A ficção – do realismo ao fantásticoA ficção – do realismo ao fantástico • Aristóteles: “arte é imitação” – o imitar faz parte da natureza humana e os homens sentem prazer nisso. • Narrativa ficcional – simulação de uma situação possível, inventada ou recriada pelo autor a partir da realidade. • Ficcionismo – é construído a partir de elementos da realidade, abrangendo narrativas que vão desde o universo mais fantástico até o universo mais realista. Realidade e ficção nas narrativasRealidade e ficção nas narrativas
  5. 5. Verossimilhança interna e externaVerossimilhança interna e externa Verossimilhança interna Verossimilhança externa Identificação com a realidade, com o que o senso comum julga possível, provável. Coerência interna dos fatos ficcionais dentro da própria narrativa. Realidade e ficção nas narrativasRealidade e ficção nas narrativas
  6. 6. autor narrador • ser real • ser parcial ou totalmente fictício • responsável pela criação e construção da narrativa • voz, criada pelo autor, que relata os acontecimentos • podem viver em tempo e espaço diferentes um do outro, ter caráter e pensamento divergentes, assemelhar-se em maior ou menor escala ou, ainda, em nada Realidade e ficção nas narrativasRealidade e ficção nas narrativas
  7. 7. O narrador – um personagem?O narrador – um personagem? Narrador-protagonista narra os acontecimentos e também os vivencia; é personagem principal da ação; narrativa marcada pelo subjetivismo, filtrada pelo protagonista narração em 1ª pessoa Narrador-coadjuvante narra os acontecimentos e participa deles, mas como personagem secundário narração em 1ª pessoa Narrador-espectador narra os acontecimentos mas não participa deles; narrativa marcada por maior objetividade narração em 3ª pessoa Realidade e ficção nas narrativasRealidade e ficção nas narrativas
  8. 8. As vozesAs vozes Discurso direto Discurso indireto Discurso indireto livre – Que crepúsculo fez hoje! – disse-lhes eu, ansioso de comunicação. E ria, de um jeito sombrio e triste; depois pediu-me que não referisse a ninguém o que se passara entre nós; (...) (...) Onde estava o pão? O padeiro respondeu que não havia farinha. Onde estava então ela? (...) • falas reproduzidas integral e literalmente, geralmente introduzidas por travessão e acompanhadas por um verbo de elocução (dizer, falar, responder, perguntar etc.) • falas reproduzidas em sua totalidade com palavras do próprio narrador, caracterizando o falante de maneira menos viva e próxima da realidade que no discurso direto • discurso indireto intercalado com discurso direto, sem as marcas típicas de ambos, com o intuito de dar à narrativa fluência e vivacidade textuais QUINTANA.Mário. Prosa e verso. 2ª. Ed. Porto Alegre: Globo, 1980. p-56 ASSIS .Ma chado de, Memórias póstumas de Brás Cubas. São Paulo: Scipione, 1994 PAIVA , Garcia de. Os agricultores arrancam paralelepípedos. São Paulo: Ática, 1986 Realidade e ficção nas narrativasRealidade e ficção nas narrativas
  9. 9. 9
  10. 10. A estrutura da narrativaA estrutura da narrativa foco narrativo como enredo o quê personagens quem espaço onde tempo quando
  11. 11. Foco narrativoFoco narrativo • de terceira pessoa: o narrador não participa ativamente dos acontecimentos – maior objetividade. narrador onisciente conhece toda a história e os pensamentos dos personagens narrador observador não conhece toda a história, apenas relata os fatos que acontecem • de primeira pessoa: narrador-protagonista ou narrador- coadjuvante – maior subjetividade. A estrutura da narrativaA estrutura da narrativa
  12. 12. EnredoEnredo É a própria trama da narrativa, na qual sempre surge um conflito. A estrutura da narrativaA estrutura da narrativa
  13. 13. PersonagensPersonagens pessoas com características reais ou imaginárias ou personificação de animais, ideias, forças da natureza ou representação de tipos humanos – personagens caricaturais principais secundários protagonista antagonista A estrutura da narrativaA estrutura da narrativa
  14. 14. EspaçoEspaço Lugar onde ocorre a ação do enredo, geralmente marcado por sequências descritivas na narrativa. sentido estrito: espaço geográfico sentido translato espaço social espaço psicológico A estrutura da narrativaA estrutura da narrativa
  15. 15. TempoTempo cronológico: medido pela natureza ou por mecanismos de medição temporal psicológico: não é racionalmente mensurável, pois pertence ao mundo interior do personagem – um minuto pode durar dez anos e vice-versa. brincadeiras temporais história – acontecimentos em ordem cronológica relato – forma de apresentar os acontecimentos • Relato em ordem cronológica: história e relato coincidem – expectativa em relação ao final • Relato não cronológico: história e relato não coincidem – expectativa em relação a outras partes da narrativa • Retrospectivas ou antecipações: remissão a momentos passados (flashback) ou momentos futuros. • Aceleração ou duração temporal: manipulação do tempo cronológico no relato pelas impressões das personagens ou valorizações do narrador. A estrutura da narrativaA estrutura da narrativa
  16. 16. O homem inventor de histórias Mito Narração sobre a origem de alguma coisa.  Em tempos primordiais, tentando explicar o sentido do mundo e das coisas, o homem criou o mito. Principal fonte dos poetas épicos. A narrativa moderna
  17. 17. O homem inventor de histórias Lendas Narrativa para exaltar feitos e atitudes de heróis humanos.  Paralelamente, outras narrativas foram criadas pelo homem. Fábulas Narrativa com caráter moralizante. Canções de gesta Narrativa em versos sobre guerras e conquistas de um povo. A narrativa moderna
  18. 18. O homem inventor de histórias Novelas de cavalaria Narrativa com ideal dos cavaleiros medievais.  Paralelamente, outras narrativas foram criadas pelo homem. Romance Narrativa de ficção. O romance moderno, tal qual é conhecido hoje, é fruto da ascensão da burguesia ao poder político e econômico, no final do século XVIII e início do século XIX. A narrativa moderna
  19. 19. 19 • Dependendo da estrutura, da forma e da extensão, as principais manifestações narrativas são: O romance A novela O Conto Representações da vida comum, de um mundo mais individualizado e particularizado. A narrativa moderna
  20. 20. 20 O romance Tem a função de reconstruir, recriar o mundo. Podemos ter romances: de costumes; psicológico; policial; regionalista; indianista; de cavalaria; histórico; etc. O Conto É a mais breve das narrativas, centrada em um episódio de vida. Recorte da realidade ficcional. A narrativa moderna
  21. 21. 21 O conto Unidade de impressão encanto medo tipo de compactação desconcerto elementos da narrativa surpresa recursos linguísticos A narrativa moderna
  22. 22. 22 Contos e contistas clássicos da literatura mundial Século X Século XV e XVI Século XIX Giovanni Bocaccio Geoffrey Chaucer Edgar Allan Poe As mil e uma noites Decameron Os contos de Canterbury vários contos de suspense e horror A narrativa moderna

×