Sistema colonial portugues aula 1

11.601 visualizações

Publicada em

0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
11.601
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
173
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
127
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Sistema colonial portugues aula 1

  1. 1. Prof. Marcelo Boia
  2. 2. Introdução <ul><li>Por cerca de 30 anos (1500-1530), a Coroa portuguesa não desenvolveu um projeto de colonização da Terra Brasilis. </li></ul><ul><li>As terras brasileiras não ofereciam, de acordo com as práticas mercantilistas, possibilidades imediatas da montagem do sistema colonial. </li></ul><ul><li>As atividades mercantis com a Índia (Vasco da Gama – 1498) apresentavam possibilidades reais de lucros imediatos. </li></ul><ul><li>A extração sistemática e predatória do pau-brasil foi a tônica num primeiro momento. </li></ul>
  3. 4. A montagem do sistema colonial
  4. 7. A organização administrativa <ul><li>Organização inicialmente descentralizada, por meio do sistema de Capitanias Hereditárias ou donatárias . </li></ul><ul><li>O território foi dividido em 15 parcelas lineares de, aproximadamente, 50 léguas (300 Km), do litoral ao limite do Tordesilhas. </li></ul><ul><li>As terras eram concedidas à pequena nobreza interessada na exploração. </li></ul><ul><li>Dois documentos regulamentavam o processo: Cartas de doação e os Forais . </li></ul><ul><li>Em 1548, substitui-se a descentralização pela centralização política através da criação do Governo-geral , encarregado de prover apoio e coordenação às capitanias. </li></ul>
  5. 9. A organização administrativa Governo Geral Provedor-Mor Cobrança de Impostos Ouvidor-Mor Aplicação de justiça Capitão-Mor- da-Costa Defesa da colônia
  6. 10. <ul><li>* A criação do governo-geral não implicou no fim das capitanias. </li></ul><ul><li>* Em 1554, estabelece-se a Capitania da Bahia de Todos os Santos como a sede do governo (Salvador). </li></ul><ul><li>* Salvador passa a ser a primeira Capitania real, marcando o início do processo crescente de centralização e transformação das capitanias hereditárias em capitanias reais. </li></ul>
  7. 11. Características do sistema colonial implantado <ul><li>* O caráter de complementaridade. </li></ul><ul><li>* A organização da produção em larga escala e baixo custo. </li></ul><ul><li>* A estruturação do processo colonizador com base no “pacto colonial”. </li></ul><ul><li>* O caráter monocultor da agricultura de exportação, dependente de investimentos e financiamentos externos. </li></ul><ul><li>* A proibição da instalação de manufaturas. </li></ul><ul><li>* O “exclusivo comercial”. </li></ul>
  8. 12. A agromanufatura do açúcar <ul><li>* A efetiva implantação do sistema colonial se deu com a agromanufatura do açúcar, principalmente devido: </li></ul><ul><li>A grande margem de lucro oferecida pelo mercado europeu; </li></ul><ul><li>Ausência de concorrentes e experiência anterior dos portugueses no cultivo da cana-de-açúcar; </li></ul><ul><li>Participação do capital holandês, presente não financiamento da montagem dos engenhos; </li></ul><ul><li>A qualidade do solo e as condições climáticas favoráveis. </li></ul>
  9. 13. <ul><li>Estrutura tipo plantation . </li></ul><ul><li>Compreendia dois setores produtivos: o agrícola e o manufatureiro. </li></ul><ul><li>O setor agrícola : </li></ul><ul><ul><li>Um setor escravista, dominante, produtor da cana; </li></ul></ul><ul><ul><li>Um setor produtor de alimentos, que abastecia os trabalhadores, a chamada “ brecha camponesa ”. </li></ul></ul><ul><li>O setor manufatureiro envolvia inúmeras atividades no sentido de transformação da cana-de-açúcar. </li></ul>
  10. 14. <ul><li>* Apesar de escravista, alguns autores consideram as atividades econômicas desenvolvidas no engenho como manufatureiras devido: </li></ul><ul><li>Divisão – inclusive sexual – do trabalho; </li></ul><ul><li>Existência de atividades especializadas; </li></ul><ul><li>Dissociação entre os produtores diretos e o produto final; </li></ul><ul><li>Produção visando o abastecimento de um mercado crescente; </li></ul><ul><li>Produto final como resultado do trabalho coletivo dos cativos. </li></ul>
  11. 15. A pecuária no Brasil Colônia: sertão nordestino <ul><li>Oriundos das ilhas portuguesas do Atlântico, o gado, inicialmente, era usado como meio de transporte e de tração para os engenhos. </li></ul><ul><li>Com a expansão dos rebanhos, o governo português se viu na obrigação de proibir a criação de gado numa extensão de 10 léguas, preservando a área litorânea. </li></ul><ul><li>Seguindo o curso dos rios São Francisco e Parnaíba, a pecuária rapidamente se expandiu devido aos seguintes fatores: </li></ul><ul><ul><li>Incorporação de áreas de condições naturais adversas; </li></ul></ul><ul><ul><li>Interiorização do processo colonizado; </li></ul></ul><ul><ul><li>Desenvolvimento de um expressivo comércio interno; </li></ul></ul><ul><ul><li>Utilização, predominante, de mão-de-obra livre, o que contribui para o desenvolvimento de uma renda interna; </li></ul></ul><ul><ul><li>Características de remuneração. </li></ul></ul>
  12. 16. A pecuária no Brasil Colônia: extremo sul <ul><li>Expansão se dá no século XVIII, pela capitania de São Pedro (RS). </li></ul><ul><li>Expansão implica ruptura com Tordesilhas e ocupação das terras supostamente espanholas. </li></ul><ul><li>1680: ocupação do Rio da Prata e incentivo à vinda de famílias açorianas para o povoamento. </li></ul><ul><li>O auge da criação de gado se dá na segunda metade do séc. XVIII, quando a “indústria do charque” passa a abastecer a região mineradora. </li></ul><ul><li>Assim como no sertão nordestino, a pecuária no extremo sul repetiu a estrutura latifundiária e escravista. </li></ul>

×