SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 24
BARROCO
E
GREGÓRIO DE MATOS E GUERRA
Técnica literária barroca
• FEÍSMO
Gosto pelas cenas cruéis e sangrentas;
Espetáculo trágico;
Desinformação pelo exagero;
Características estilísticas
• Inclinação ao hiperbólico (culto ao exagero e
excêntricidades;
• Obscurantismo;
• Repetições e jogos de palavras;
• Paradoxos; antíteses; oxímoros;
• Rebuscamento vocabular (ornamentação da
linguagem);
Religiosidade x Erotismo
Culto ao sensorialismo - cultismo
Conhecimento e apreciação do mundo através
dos sentidos
Culto a razão - conceptismo
Antíteses e Paradoxos
• Fugacidade da vida X medo da morte
• Claro X escuro
• Deus X diabo
• Céu X Inferno
• Vida X morte
• Sensação X Razão
Pessimismo
“No suor do teu rosto comerás o teu pão, até
que te tornes à terra; porque dela foste
tomado; porquanto és pó e em pó te
tornarás." Gênesis 3:19
Atitude Lúdica: Muitos textos Barrocos parecem
bastante pobres, sem conteúdo certo, sem
mensagem; o artista Barroco estava mais
preocupado em exibir o que sabia, com uma
linguagem sobrecarregada de trocadilhos e
sutilezas e imagens insólitas. O Artista Barroco
não diz o que tem de ser dito, ele somente
sugere através de imagens, como por exemplo,
Sangue é o “rubi do corpo”; Lágrima é o cristal
dos olhos. Usa as figuras semânticas, sintáticas e
sonoras. É muitas vezes estéril pesado e artificial.
Por isso umas boas partes da crítica chamavam-
na de “Arte do mau gosto”.
(UNIV. CAXIAS DO SUL) Escolha a alternativa que
completa de forma correta a frase abaixo:
A linguagem ______, o paradoxo, ________ e o
registro das impressões sensoriais são recursos
lingüísticos presentes na poesia ________.
a) simples; a antítese; parnasiana.
b) rebuscada; a antítese; barroca.
c) objetiva; a metáfora; simbolista.
d) subjetiva; o verso livre; romântica.
e) detalhada; o subjetivismo; simbolista.
b) rebuscada; a antítese; barroca.
Com referência ao Barroco, todas as alternativas são corretas,
exceto:
a) O Barroco estabelece contradições entre espírito e
carne, alma e corpo, morte e vida.
b) O homem centra suas preocupações em seu próprio ser,
tendo em mira seu aprimoramento, com base na cultura
greco-latina.
c) O Barroco apresenta, como característica marcante, o
espírito de tensão, conflito entre tendências opostas: de
um lado, o teocentrismo medieval e, de outro, o
antropocentrismo renascentista.
d) A arte barroca é vinculada à Contra-Reforma.
e) O barroco caracteriza-se pela sintaxe obscura, uso de
hipérbole e de metáforas.
b) O homem centra suas preocupações em
seu próprio ser, tendo em mira seu
aprimoramento, com base na cultura greco-
latina.
Gregório de Matos – O Boca do
Inferno
Jurista, cristão, pai de um filho bastardo e uma
filha legítima, viúvo, casado pela segunda vez,
“exilado” em Angola, participante de
rebeliões, não tem publicação em vida e até
hoje não se pode comprovar sua autoria
legítima dos poemas a ele atribuídos.
O poeta da crítica
Seus poemas atacam:
Padres, freiras, frades, judeus, cristãos-novos,
usurários, militares, comerciantes, juízes,
nobres, mulatos, negras.
(VUNESP) Leia o poema a seguir e responda:
Ardor em firme coração nascido;
pranto por belos olhos derramado;
incêndio em mares de água disfarçado;
rio de neve em fogo convertido:
tu, que em um peito abrasas escondido;
tu, que em um rosto corres desatado;
quando fogo, em cristais aprisionado;
quando crista, em chamas derretido.
Se és fogo, como passas brandamente,
se és fogo, como queimas com porfia?
Mas ai, que andou Amor em ti prudente!
Pois para temperar a tirania,
como quis que aqui fosse a neve ardente,
permitiu parecesse a chama fria.
O texto pertencente a Gregório de Matos e apresenta todas seguintes
características:
a) Trocadilhos, predomínio de metonímias e de símiles, a dualidade
temática da sensualidade e do refreamento, antíteses claras dispostas
em ordem direta.
b) Sintaxe segundo a ordem lógica do Classicismo, a qual o autor
buscava imitar, predomínio das metáforas e das antíteses, temática da
fugacidade do tempo e da vida.
c) Dualidade temática da sensualidade e do refreamento, construção
sintática por simétrica por simetrias sucessivas, predomínio figurativo
das metáforas e pares antitéticos que tendem para o paradoxo.
d) Temática naturalista, assimetria total de construção, ordem direta
predominando sobre a ordem inversa, imagens que prenunciam o
Romantismo.
e) Verificação clássica, temática neoclássica, sintaxe preciosista
evidente no uso das síntese, dos anacolutos e das alegorias, construção
assimétrica.
c) Dualidade temática da sensualidade e do
refreamento, construção sintática por
simétrica por simetrias sucessivas, predomínio
figurativo das metáforas e pares antitéticos
que tendem para o paradoxo.
À INSTABILIDADE DAS COUSAS DO MUNDO
Nasce o Sol, e não dura mais que um dia,
Depois da Luz se segue a noite escura,
Em tristes sombras morre a formosura,
Em continuas tristezas a alegrias,
Porém, se acaba o Sol, por que nascia?
Se é tão formosa a Luz, por que não dura?
Como a beleza assim se transfigura?
Como o gosto, da pena assim se fia?
Mas no Sol, e na Luz falte a firmeza,
Na formosura não se dê constância,
E na alegria, sinta-se triste.
Começa o Mundo enfim pela ignorância
A firmeza somente na inconstância.
No texto predominaram as imagens:
a) olfativas;
b) gustativas;
c) auditivas;
d) táteis;
e) visuais.
A idéia central do texto é:
a) a duração efêmera de todas as realidades do
mundo;
b) a grandeza de Deus e a pequenez humana;
c) os contrastes da vida;
d) a falsidade das aparências;
e) a duração prolongada do sofrimento
Qual é o elemento barroco mais característico
da 1ª estrofe?
a) disposição antitética da frase;
b) cultismo;
c) estrutura bimembre;
d) concepção teocênctrica;
e) estrutura correlativa, disseminativa e
recoletiva.
e) visuais.
a) a duração efêmera de todas as realidades do
mundo;
a) disposição antitética da frase;

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Lileana moura franco_de_sa
Lileana moura franco_de_saLileana moura franco_de_sa
Lileana moura franco_de_sa
Gladis Maia
 
Faces poéticas de gregório de matos
Faces poéticas de gregório de matosFaces poéticas de gregório de matos
Faces poéticas de gregório de matos
ma.no.el.ne.ves
 
Texto11 P7
Texto11 P7Texto11 P7
Texto11 P7
renatotf
 
O realismo e o naturalismo no brasil
O realismo e o naturalismo no brasilO realismo e o naturalismo no brasil
O realismo e o naturalismo no brasil
hipolitus
 

Mais procurados (20)

áLvaro de campos
áLvaro de camposáLvaro de campos
áLvaro de campos
 
Lileana moura franco_de_sa
Lileana moura franco_de_saLileana moura franco_de_sa
Lileana moura franco_de_sa
 
Realismo ok
Realismo okRealismo ok
Realismo ok
 
Augusto
AugustoAugusto
Augusto
 
Faces poéticas de gregório de matos
Faces poéticas de gregório de matosFaces poéticas de gregório de matos
Faces poéticas de gregório de matos
 
Aula 14 eça de queiroz e o realismo
Aula 14   eça de queiroz e o realismoAula 14   eça de queiroz e o realismo
Aula 14 eça de queiroz e o realismo
 
Augusto Dos Anjos
Augusto Dos AnjosAugusto Dos Anjos
Augusto Dos Anjos
 
Revisando o barroco, 02
Revisando o barroco, 02Revisando o barroco, 02
Revisando o barroco, 02
 
Eu e outras poesias
Eu e outras poesiasEu e outras poesias
Eu e outras poesias
 
Augusto dos Anjos
Augusto dos AnjosAugusto dos Anjos
Augusto dos Anjos
 
Texto11 P7
Texto11 P7Texto11 P7
Texto11 P7
 
O realismo e o naturalismo no brasil
O realismo e o naturalismo no brasilO realismo e o naturalismo no brasil
O realismo e o naturalismo no brasil
 
Linguagensrevisão
LinguagensrevisãoLinguagensrevisão
Linguagensrevisão
 
Aula 13 realismo - naturalismo em portugal
Aula 13   realismo - naturalismo em portugalAula 13   realismo - naturalismo em portugal
Aula 13 realismo - naturalismo em portugal
 
Escolas Finisseculares
Escolas FinissecularesEscolas Finisseculares
Escolas Finisseculares
 
Literatura
LiteraturaLiteratura
Literatura
 
Heterónimos de Fernando Pessoa
Heterónimos de Fernando PessoaHeterónimos de Fernando Pessoa
Heterónimos de Fernando Pessoa
 
Augusto dos anjos aluno
Augusto dos anjos alunoAugusto dos anjos aluno
Augusto dos anjos aluno
 
Aula 09 romantismo
Aula 09   romantismoAula 09   romantismo
Aula 09 romantismo
 
Álvaro de Campos
Álvaro de CamposÁlvaro de Campos
Álvaro de Campos
 

Destaque

Padre AntóNio Vieira A VocaçãO
Padre AntóNio Vieira   A VocaçãOPadre AntóNio Vieira   A VocaçãO
Padre AntóNio Vieira A VocaçãO
Sandra Alves
 
Sermão de Santo António aos Peixes - Tópicos para estudo
Sermão de Santo António aos Peixes - Tópicos para estudoSermão de Santo António aos Peixes - Tópicos para estudo
Sermão de Santo António aos Peixes - Tópicos para estudo
Margarida Tomaz
 
Capítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António VieiraCapítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Alexandra Madail
 
Gregório de Matos Guerra
Gregório de Matos GuerraGregório de Matos Guerra
Gregório de Matos Guerra
aluna1f
 
Capítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António VieiraCapítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Alexandra Madail
 
A Vida do Padre António Vieira
A Vida do Padre António VieiraA Vida do Padre António Vieira
A Vida do Padre António Vieira
Sandra Alves
 
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António VieiraCapítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Alexandra Madail
 

Destaque (17)

Padre AntóNio Vieira A VocaçãO
Padre AntóNio Vieira   A VocaçãOPadre AntóNio Vieira   A VocaçãO
Padre AntóNio Vieira A VocaçãO
 
Gregório
 Gregório Gregório
Gregório
 
Sermão de Santo António aos Peixes - Tópicos para estudo
Sermão de Santo António aos Peixes - Tópicos para estudoSermão de Santo António aos Peixes - Tópicos para estudo
Sermão de Santo António aos Peixes - Tópicos para estudo
 
Gregório de Matos
Gregório de MatosGregório de Matos
Gregório de Matos
 
Capítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António VieiraCapítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
 
Gregório de Matos Guerra
Gregório de Matos GuerraGregório de Matos Guerra
Gregório de Matos Guerra
 
Capítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António VieiraCapítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
 
padre antónio vieira
padre antónio vieirapadre antónio vieira
padre antónio vieira
 
Padre António Vieira
Padre António VieiraPadre António Vieira
Padre António Vieira
 
Barroco 2.0
Barroco 2.0Barroco 2.0
Barroco 2.0
 
Gregório de matos
Gregório de matosGregório de matos
Gregório de matos
 
A Vida do Padre António Vieira
A Vida do Padre António VieiraA Vida do Padre António Vieira
A Vida do Padre António Vieira
 
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António VieiraCapítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
 
Contexto histórico padre antónio vieira
Contexto histórico padre antónio vieiraContexto histórico padre antónio vieira
Contexto histórico padre antónio vieira
 
Barroco - Literatura.
Barroco - Literatura.Barroco - Literatura.
Barroco - Literatura.
 
Sermão de Santo António aos Peixes - Cap. II e III
Sermão de Santo António aos Peixes - Cap. II e IIISermão de Santo António aos Peixes - Cap. II e III
Sermão de Santo António aos Peixes - Cap. II e III
 
À instabilidade das cousas do mundo - Gregório de Matos Guerra
À instabilidade das cousas do mundo - Gregório de Matos GuerraÀ instabilidade das cousas do mundo - Gregório de Matos Guerra
À instabilidade das cousas do mundo - Gregório de Matos Guerra
 

Semelhante a Barroco

Trovadorismo ao barroco power point (1)
Trovadorismo ao barroco   power point (1)Trovadorismo ao barroco   power point (1)
Trovadorismo ao barroco power point (1)
Gustavo Cuin
 
20 questões de literatura segundo trimestre
20 questões de literatura segundo trimestre20 questões de literatura segundo trimestre
20 questões de literatura segundo trimestre
Paulo Klein
 
Simulado de literatura brasileira
Simulado de literatura brasileiraSimulado de literatura brasileira
Simulado de literatura brasileira
Jesrayne Nascimento
 

Semelhante a Barroco (20)

Literatura
LiteraturaLiteratura
Literatura
 
Barroco
BarrocoBarroco
Barroco
 
Literatura.ppt
Literatura.pptLiteratura.ppt
Literatura.ppt
 
Bocage
BocageBocage
Bocage
 
Trovadorismo ao barroco power point (1)
Trovadorismo ao barroco   power point (1)Trovadorismo ao barroco   power point (1)
Trovadorismo ao barroco power point (1)
 
Resumão da escola literária BARROCO SLIDE
Resumão da escola literária BARROCO SLIDEResumão da escola literária BARROCO SLIDE
Resumão da escola literária BARROCO SLIDE
 
Barroco aula
Barroco aulaBarroco aula
Barroco aula
 
Barroco.pptx
Barroco.pptxBarroco.pptx
Barroco.pptx
 
Questões - Quinhentismo, Barroco e Arcadismo
Questões - Quinhentismo, Barroco e ArcadismoQuestões - Quinhentismo, Barroco e Arcadismo
Questões - Quinhentismo, Barroco e Arcadismo
 
Prova de literatura 4ª unidade
Prova de literatura 4ª unidadeProva de literatura 4ª unidade
Prova de literatura 4ª unidade
 
Características do barroco português slide
Características do barroco português slideCaracterísticas do barroco português slide
Características do barroco português slide
 
20 questões de literatura segundo trimestre
20 questões de literatura segundo trimestre20 questões de literatura segundo trimestre
20 questões de literatura segundo trimestre
 
Barroco literatura
Barroco literatura Barroco literatura
Barroco literatura
 
Simulado de literatura brasileira
Simulado de literatura brasileiraSimulado de literatura brasileira
Simulado de literatura brasileira
 
Eja etapa VII - Literatura_Barroco no Brasil
Eja   etapa VII - Literatura_Barroco no BrasilEja   etapa VII - Literatura_Barroco no Brasil
Eja etapa VII - Literatura_Barroco no Brasil
 
REALISMO.ppt
REALISMO.pptREALISMO.ppt
REALISMO.ppt
 
4 exercicios barroco-literatura_portugues
4   exercicios barroco-literatura_portugues4   exercicios barroco-literatura_portugues
4 exercicios barroco-literatura_portugues
 
Barroco e arcadismo
Barroco e arcadismoBarroco e arcadismo
Barroco e arcadismo
 
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIASLITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
 
Gregório de Mattos. O grande poeta brasileiro
Gregório de Mattos. O grande poeta brasileiroGregório de Mattos. O grande poeta brasileiro
Gregório de Mattos. O grande poeta brasileiro
 

Último

História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
GisellySobral
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
profbrunogeo95
 

Último (20)

QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de língua
 
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
 
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigasPeça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
 
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptAs teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
O que é literatura - Marisa Lajolo com.pdf
O que é literatura - Marisa Lajolo com.pdfO que é literatura - Marisa Lajolo com.pdf
O que é literatura - Marisa Lajolo com.pdf
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
 

Barroco

  • 2. Técnica literária barroca • FEÍSMO Gosto pelas cenas cruéis e sangrentas; Espetáculo trágico; Desinformação pelo exagero;
  • 3. Características estilísticas • Inclinação ao hiperbólico (culto ao exagero e excêntricidades; • Obscurantismo; • Repetições e jogos de palavras; • Paradoxos; antíteses; oxímoros; • Rebuscamento vocabular (ornamentação da linguagem);
  • 5. Culto ao sensorialismo - cultismo Conhecimento e apreciação do mundo através dos sentidos
  • 6. Culto a razão - conceptismo
  • 7.
  • 8. Antíteses e Paradoxos • Fugacidade da vida X medo da morte • Claro X escuro • Deus X diabo • Céu X Inferno • Vida X morte • Sensação X Razão
  • 9. Pessimismo “No suor do teu rosto comerás o teu pão, até que te tornes à terra; porque dela foste tomado; porquanto és pó e em pó te tornarás." Gênesis 3:19
  • 10. Atitude Lúdica: Muitos textos Barrocos parecem bastante pobres, sem conteúdo certo, sem mensagem; o artista Barroco estava mais preocupado em exibir o que sabia, com uma linguagem sobrecarregada de trocadilhos e sutilezas e imagens insólitas. O Artista Barroco não diz o que tem de ser dito, ele somente sugere através de imagens, como por exemplo, Sangue é o “rubi do corpo”; Lágrima é o cristal dos olhos. Usa as figuras semânticas, sintáticas e sonoras. É muitas vezes estéril pesado e artificial. Por isso umas boas partes da crítica chamavam- na de “Arte do mau gosto”.
  • 11. (UNIV. CAXIAS DO SUL) Escolha a alternativa que completa de forma correta a frase abaixo: A linguagem ______, o paradoxo, ________ e o registro das impressões sensoriais são recursos lingüísticos presentes na poesia ________. a) simples; a antítese; parnasiana. b) rebuscada; a antítese; barroca. c) objetiva; a metáfora; simbolista. d) subjetiva; o verso livre; romântica. e) detalhada; o subjetivismo; simbolista.
  • 12. b) rebuscada; a antítese; barroca.
  • 13. Com referência ao Barroco, todas as alternativas são corretas, exceto: a) O Barroco estabelece contradições entre espírito e carne, alma e corpo, morte e vida. b) O homem centra suas preocupações em seu próprio ser, tendo em mira seu aprimoramento, com base na cultura greco-latina. c) O Barroco apresenta, como característica marcante, o espírito de tensão, conflito entre tendências opostas: de um lado, o teocentrismo medieval e, de outro, o antropocentrismo renascentista. d) A arte barroca é vinculada à Contra-Reforma. e) O barroco caracteriza-se pela sintaxe obscura, uso de hipérbole e de metáforas.
  • 14. b) O homem centra suas preocupações em seu próprio ser, tendo em mira seu aprimoramento, com base na cultura greco- latina.
  • 15.
  • 16. Gregório de Matos – O Boca do Inferno Jurista, cristão, pai de um filho bastardo e uma filha legítima, viúvo, casado pela segunda vez, “exilado” em Angola, participante de rebeliões, não tem publicação em vida e até hoje não se pode comprovar sua autoria legítima dos poemas a ele atribuídos.
  • 17. O poeta da crítica Seus poemas atacam: Padres, freiras, frades, judeus, cristãos-novos, usurários, militares, comerciantes, juízes, nobres, mulatos, negras.
  • 18. (VUNESP) Leia o poema a seguir e responda: Ardor em firme coração nascido; pranto por belos olhos derramado; incêndio em mares de água disfarçado; rio de neve em fogo convertido: tu, que em um peito abrasas escondido; tu, que em um rosto corres desatado; quando fogo, em cristais aprisionado; quando crista, em chamas derretido. Se és fogo, como passas brandamente, se és fogo, como queimas com porfia? Mas ai, que andou Amor em ti prudente! Pois para temperar a tirania, como quis que aqui fosse a neve ardente, permitiu parecesse a chama fria.
  • 19. O texto pertencente a Gregório de Matos e apresenta todas seguintes características: a) Trocadilhos, predomínio de metonímias e de símiles, a dualidade temática da sensualidade e do refreamento, antíteses claras dispostas em ordem direta. b) Sintaxe segundo a ordem lógica do Classicismo, a qual o autor buscava imitar, predomínio das metáforas e das antíteses, temática da fugacidade do tempo e da vida. c) Dualidade temática da sensualidade e do refreamento, construção sintática por simétrica por simetrias sucessivas, predomínio figurativo das metáforas e pares antitéticos que tendem para o paradoxo. d) Temática naturalista, assimetria total de construção, ordem direta predominando sobre a ordem inversa, imagens que prenunciam o Romantismo. e) Verificação clássica, temática neoclássica, sintaxe preciosista evidente no uso das síntese, dos anacolutos e das alegorias, construção assimétrica.
  • 20. c) Dualidade temática da sensualidade e do refreamento, construção sintática por simétrica por simetrias sucessivas, predomínio figurativo das metáforas e pares antitéticos que tendem para o paradoxo.
  • 21. À INSTABILIDADE DAS COUSAS DO MUNDO Nasce o Sol, e não dura mais que um dia, Depois da Luz se segue a noite escura, Em tristes sombras morre a formosura, Em continuas tristezas a alegrias, Porém, se acaba o Sol, por que nascia? Se é tão formosa a Luz, por que não dura? Como a beleza assim se transfigura? Como o gosto, da pena assim se fia? Mas no Sol, e na Luz falte a firmeza, Na formosura não se dê constância, E na alegria, sinta-se triste. Começa o Mundo enfim pela ignorância A firmeza somente na inconstância.
  • 22. No texto predominaram as imagens: a) olfativas; b) gustativas; c) auditivas; d) táteis; e) visuais. A idéia central do texto é: a) a duração efêmera de todas as realidades do mundo; b) a grandeza de Deus e a pequenez humana; c) os contrastes da vida; d) a falsidade das aparências; e) a duração prolongada do sofrimento
  • 23. Qual é o elemento barroco mais característico da 1ª estrofe? a) disposição antitética da frase; b) cultismo; c) estrutura bimembre; d) concepção teocênctrica; e) estrutura correlativa, disseminativa e recoletiva.
  • 24. e) visuais. a) a duração efêmera de todas as realidades do mundo; a) disposição antitética da frase;