Livro de Daniel cap 12

1.597 visualizações

Publicada em

Livro do Profeta Daniel, comentado verso a verso.

Publicada em: Espiritual
0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.597
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
90
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Livro de Daniel cap 12

  1. 1. 12:1 E naquele tempo se levantará Miguel, o grande príncipe, que se levanta a favor dos filhos do teu povo, e haverá um tempo de angústia, qual nunca houve, desde que houve nação até àquele tempo; mas naquele tempo livrar-se-á o teu povo, todo aquele que for achado escrito no livro. É importante notar que os capítulos 10, 11 e 12 constituem uma visão, não três. Acabamos de estudar a algumas estratégias do anticristo. Todas as grandes profecias de Daniel e Apocalipse revelam o fato de que o papado será o ator principal na cena de encerramento do Conflito dos Séculos. Tudo isso terminará quando o poder papal acabar com a
  2. 2. 12:1 E naquele tempo se levantará Miguel, o grande príncipe, que se levanta a favor dos filhos do teu povo, e haverá um tempo de angústia, qual nunca houve, desde que houve nação até àquele tempo; mas naquele tempo livrar-se-á o teu povo, todo aquele que for achado escrito no livro. Comparando os passagens, encontramos a chave para a interpretação dessa expressão se levantará Miguel “Eis que ainda três reis se levantarão na Pérsia.” Daniel 11:2 “Depois se levantará um rei poderoso, que reinará com grande domínio e fará o que
  3. 3. se levantará Miguel Na profecia de Daniel 11, “levantar-se” significa tomar poder ou governar. Quando a trajetória do anticristo terminar, Miguel haverá terminado Sua obra mediadora no santuário celestial e tomará o reino que a Ele pertence. “o reino do mundo se tornou de nosso Senhor e do seu Cristo, e Ele reinará pelos séculos dos séculos” Apoc 11:15).Quando a mediação de Cristo cessar e o Espírito de Deus for afastado dos homens, então todos os encarcerados poderes das trevas cairão com indestrutível fúria sobre o mundo. 12:1 E naquele tempo se levantará Miguel, o grande príncipe, que se levanta a favor dos filhos do teu povo, e haverá um tempo de angústia, qual nunca houve, desde que houve nação até àquele tempo; mas naquele tempo livrar-se-á o teu povo, todo aquele que for achado escrito no livro. se levantará Miguel tempo de angústia
  4. 4. 12:1 E naquele tempo se levantará Miguel, o grande príncipe, que se levanta a favor dos filhos do teu povo, e haverá um tempo de angústia, qual nunca houve, desde que houve nação até àquele tempo; mas naquele tempo livrar-se-á o teu povo, todo aquele que for achado escrito no livro. Que grande consolação, saber-se que nesta grande controvérsia, o desfecho não está em dúvida. A salvação está garantida, confirmada na cruz pela morte dolorosa de Jesus. Quem será salvo? Certamente no Livro da Vida. É neste livro que estarão escritos os nomes de todos os salvos. Por favor, faça o impossível para que seu nome ali esteja escrito, e permaneça para sempre. mas naquele tempo livrar-se-á o teu povo todo aquele que for achado escrito no livro
  5. 5. 12:2 E muitos dos que dormem no pó da terra ressuscitarão, uns para vida eterna, e outros para vergonha e desprezo eterno. O sono é uma expressão utilizada 54 vezes na bíblia para significar a morte. O sono tranqüilo, indelével , gostoso, de alguém que durante o dia despendeu bastante energia, além de refazer suas forças, fá-lo-á levantar-ser disposto, sem que tenha noção exata das horas que mediaram o anoitecer e alvorecer. Assim é o sono da morte. dormem no pó ressuscitarão, uns para vida eterna Está é a primeira ressurreição (Apoc 20:5), a ressurreição dos salvos, aqueles que tem o nome escrito no Livro da Vida. Eles estavam dormindo o sono da morte, agora, sob a potente voz de Deus, se levantam da sepultura completamente transformados, incorruptíveis, e sobem pelas mãos dos anjos a encontrar o Senhor nos ares ( I Tess 4:17).
  6. 6. 12:2 E muitos dos que dormem no pó da terra ressuscitarão, uns para vida eterna, e outros para vergonha e desprezo eterno. Esta é a segunda ressurreição, a ressurreição dos ímpios. Levantar-se-ão das sepulturas onde foram colocados, sejam em cemitérios, rios ,mares ou outros lugares. Levantarão , contemplarão a Cidade Santa descendo do Céu, cercada de todos os anjos e todos os salvos dentro dela. Jesus acima dos muros da cidade, sentado em Seu trono branco.Então de toda as partes da Terra, marcham em direção aos remidos . Cercam a cidade. O tempo corre. Os ímpios, possuídos de ódio mortal avançam para destruir os salvos, porém, cai fogo do céu e os consomem completamente e este fogo purificará toda a Terra para ser tornar a eterna morada dos salvos. Outros para vergonha e desprezo eterno
  7. 7. 12:3 Os que forem sábios, pois, resplandecerão como o fulgor do firmamento; e os que a muitos ensinam a justiça, como as estrelas sempre e eternamente. “Os que ensinam” verdadeiramente tem discernimento das coisas de Deus. Se dão conta de que, em virtude desse mesmo feito, essas coisas devem ser compartilhadas com outros. A sabedoria divina o guia para que seja professor dessa sabedoria para outros. Os que forem sábios Nós estamos estudando com humildade, no desejo sincero de descobrir a vontade de Deus para a nossa vida. Se nesta pesquisa descobrimos a verdade, é nosso deve vivê-la, “resplandecendo como o fulgor do firmamento”, e mais que tudo apresentá-la aos outros para
  8. 8. 12:4 E tu, Daniel, encerra estas palavras e sela este livro, até ao fim do tempo; muitos correrão de uma parte para outra, e o conhecimento se multiplicará. Esta instrução não se aplica a todo o livro do Daniel, porque uma parte da mensagem foi compreendida e desse modo foi uma bênção para os crentes durante séculos. Aplica-se, antes, aquela parte da profecia de Daniel referente aos últimos dias. Até que chegasse esse tempo não se poderia proclamar uma mensagem apoiada no cumprimento destas profecias encerra estas palavras e sela este livro até ao fim do tempo Não há duvida que este é o tempo que inicia-se com o final dos 1.260 anos de Daniel 7:25.
  9. 9. 12:4 E tu, Daniel, encerra estas palavras e sela este livro, até ao fim do tempo; muitos correrão de uma parte para outra, e o conhecimento se multiplicará. Muitos intérpretes acreditam que “shûṭ”, palavra original, é usada aqui, em um sentido metafórico para descrever uma fervente investigação da Bíblia, com o resultado de que haverá um aumenta de conhecimento sobre as profecias do livro do Daniel. correrão
  10. 10. 12:4 E tu, Daniel, encerra estas palavras e sela este livro, até ao fim do tempo; muitos correrão de uma parte para outra, e o conhecimento se multiplicará. No final do século XVIII ao começo do XIX despertou um novo interesse nas profecias do Daniel e Apocalipse em vários lugares do mundo muito distantes entre si. O estudo destas profecias difundiu muito a crença de que a segunda vinda de Cristo estava perto. Numerosos expositores na Inglaterra, José Wolff no Meio Oriente, Manuel Lacunza na América do Sul e Guilherme Miller nos Estados Unidos, junto com uma hoste de outros estudantes das profecias, apoiando-se em seu estudo das conhecimento se multiplicará
  11. 11. 12:5 Então eu, Daniel, olhei, e eis que estavam em pé outros dois, um deste lado, à beira do rio, e o outro do outro lado, à beira do rio. Aqui aparecem dois seres celestiais mais que se unem com o que já esteve narrando a profecia ao Daniel. Alguns sugerem que possivelmente fossem os outros dois
  12. 12. 12:6 E ele disse ao homem vestido de linho, que estava sobre as águas do rio: Quando será o fim destas maravilhas? Daniel tinha visto este Ser celestial ao começo de sua visão (cap. 10: 5-6). homem vestido de linho A referência incidental que Daniel faz ao "rio" (vers. 5) e ao "varão vestido de linho", sem fazer uma identificação mais plena, sugere vividamente que o cap. 10, onde se
  13. 13. 12:6 E ele disse ao homem vestido de linho, que estava sobre as águas do rio: Quando será o fim destas maravilhas? Quando será o fim O anjo aqui formula a pergunta tácita que deve ter embargado a mente de Daniel. A grande aflição do profeta era a rápida e completa restauração de os judeus (ver com. Daniel. 10: 2). É verdade que o decreto do Ciro já havia sido promulgado (Esd. 1: 1; cf. Daniel. 10: 1), mas ficava muito por fazer. Depois do complexo relato das vicissitudes futuras pelas que passaria o povo de Deus, é natural que o profeta estivesse ansioso de saber até quando continuariam "estas maravilhas" e quando seria cumprida a promessa de que seria "libertado" seu "povo" (Daniel. 12: 1). Daniel não compreendeu
  14. 14. 12:7 E ouvi o homem vestido de linho, que estava sobre as águas do rio, o qual levantou ao céu a sua mão direita e a sua mão esquerda, e jurou por aquele que vive eternamente que isso seria para um tempo, tempos e metade do tempo, e quando tiverem acabado de espalhar o poder do povo santo, todas estas coisas serão cumpridas. O levantar ambas as mãos indicava que se acrescentavam à declaração a máxima solenidade e garantia. levantou ao céu a sua mão direita e a sua mão esquerda que isso seria para um tempo, tempos e metade do tempo O período de tempo mencionado aqui é visto repetidas vezes em Daniel e Apocalipse. Ele se refere aos 1.260 anos da supremacia papal e á opressão ao povo de Deus.
  15. 15. 12:8 Eu, pois, ouvi, mas não entendi; por isso eu disse: Senhor meu, qual será o fim destas coisas? No versículo introdução desta visão (cap. 10: 1), Daniel diz que "teve inteligência na visão". Durante o curso da visão o anjo o assegurou ao profeta que tinha vindo para lhe fazer "saber" (cap. 10: 14). A revelação que seguiu foi dada em uma linguagem literal. Agora, depois de haver-se introduzido o fator tempo dos 1.260 anos, como resposta a seu pergunta: "Até quando?", Daniel confessou, "mas não entendi". Paresse pois que a parte da visão que Daniel não compreendeu foi a que se relaciona com o fator tempo. Estava orando pela pronta restauração do templo (com. cap. 10: 2), um não entendi
  16. 16. 12:8 Eu, pois, ouvi, mas não entendi; por isso eu disse: Senhor meu, qual será o fim destas coisas? Embora já lhe tinha mandado que selasse esta parte da revelação (vers. 4), o ancião profeta estava ainda desejoso de saber mais de seu significado. qual será o fim destas coisas
  17. 17. 12:9 E ele disse: Vai, Daniel, porque estas palavras estão fechadas e seladas até ao tempo do fim. Não lhe permitiu ao venerável vidente e servo de Deus que soubesse o significado completo das revelações que tinha registrado. Todo o significado só seria apreciado pelos que teriam que ver o cumprimento histórico dessas profecias, Vai
  18. 18. 12:9 E ele disse: Vai, Daniel, porque estas palavras estão fechadas e seladas até ao tempo do fim. estas palavras estão fechadas e seladas até ao tempo do fim
  19. 19. 12:10 Muitos serão purificados, e embranquecidos, e provados; mas os ímpios procederão impiamente, e nenhum dos ímpios entenderá, mas os sábios entenderão. Enquanto que o homem não pode, pelos seu próprio poder, purificar-se, pode mostrar na sua vida o fato de que Deus o tem purificado. Muitos serão purificados os sábios entenderão Deus esta garantindo que aqueles que no tempo do fim, estudarem diligentemente, com coração, sinceridade e devoção, entenderão as mensagens de Deus para o seu tempo.
  20. 20. 12:11 E desde o tempo em que o sacrifício contínuo for tirado, e posta a abominação desoladora, haverá mil duzentos e noventa dias. O significado de “contínuo" se refere ao contínuo ministério sacerdotal de Cristo no santuário celestial (Heb. 7: 25; 1 Juan 2: 1) e à verdadeira adoração de Cristo na era evangélica; suprimir o "contínuo" representa a substituição feita pelo papado da união voluntária de todos os crentes em Cristo pela união obrigatória com uma igreja visível; a substituição de Cristo como cabeça invisível da igreja pela autoridade de uma cabeça visível; a substituição do acesso direto a Cristo para todos os crentes por uma hierarquia sacerdotal; a substituição da salvação pela fé em Cristo por um sistema de salvação mediante obra ordenadas pela igreja, e muito especialmente a substituição da obra mediadora de Cristo sacrifício contínuo
  21. 21. 12:11 E desde o tempo em que o sacrifício contínuo for tirado, e posta a abominação desoladora, haverá mil duzentos e noventa dias. No ano 476 d.C , chegava ao fim os Césares, de Roma. O papado surgiu das ruinas do império romano. Nos anos 503-508, consolidava a posição religiosa da apostasia papal. A obra mediadora de Cristo em favor de Seu povo no santuário Celestial, foi substituída pelo sacerdócio romano, na figura de seu pontífice máximo. As prerrogativas exclusivas de Cristo – Mediador e Intercessor (I Tim 2:5), foram usurpadas pelo Papa. Abria-se o caminho para a chamada “abominação assoladora”. O papado contava com o apoio eclesiástico. No Sínodo (Concílio de Assembléia de Padres) de 503 d.C, em Roma, o Papa foi declarado o substituto de Deus não podendo ser julgado por pessoa alguma. Este concílio ficou conhecido como “Sínodo Palmaris” (Sínodo das Palmas) e foi convocado posta a abominação desoladora
  22. 22. 12:11 E desde o tempo em que o sacrifício contínuo for tirado, e posta a abominação desoladora, haverá mil duzentos e noventa dias. Em 533 d.C, o Papa é declarado cabeça de todas as igrejas e corretor de hereges através de um decreto do imperador bizantino Justiniano. Em 538 d.C foi expulso de Roma o último poder opositor do papado – os Ostrogodos. Com sua queda desenvolveu-se notadamente a posta a abominação desoladora
  23. 23. 12:11 E desde o tempo em que o sacrifício contínuo for tirado, e posta a abominação desoladora, haverá mil duzentos e noventa dias. Aqui, um novo período profético é introduzido. O começo desse período não é claramente definido. É simplesmente dito que é um “tempo em que o sacrifico diário for tirado e posta a abominação desoladora”. Alguns comentarista sugerem que, embora a abominação desoladora fosse estabelecida plenamente em 538 d.c – início dos 1260 anos -, um importante evento, ocorrido 30 anos antes, preparou o caminho para o que aconteceu em 538, a aliança de Clóvis, novo convertido ao cristianismo, com o bispo de Roma em 508 d.C, - haverá mil duzentos e noventa dias
  24. 24. 12:12 Bem-aventurado o que espera e chega até mil trezentos e trinta e cinco dias. Bem-aventurado até mil trezentos e trinta e cinco dias Temos aqui outro período, o qual é 45 dias, ou anos, mais longo do que o anterior. Quando começa esse período? Embora não haja uma indicação direta, deve haver alguma conexão ente esse período e o de 1.290 dias do verso anterior. Se os dois períodos começam ao mesmo tempo – em 508 d.C, esse período termina em
  25. 25. 12:12 Bem-aventurado o que espera e chega até mil trezentos e trinta e cinco dias. Se olharmos para o ano de 1843, veremos o notável cumprimento da profecia na grande proclamação da segunda vinda de Cristo. Neste ano, aconteceu a impressionante culminação de toda a luz que foram derramada nos assuntos proféticos até aquele tempo. Uma proclamação abalou o mundo e houve um espírito de reavivamento e despertamento sem paralelo. Quase ao mesmo tempo, 700 ministros da igreja da Inglaterra cheios do poder do Espírito santo, foram inspirados a proclamar esse mesma até mil trezentos e trinta e cinco dias
  26. 26. INÍCIO 508 d.C 1260 anos Pregação sobre a volta de Jesus Aliança de Clóvis com o Papa 538 d.C Ultima tribo ariana é expulsa de Roma FINAL 1843 d.C 1798 d.C Término Supremacia Papal 1290 anos 1335 anos
  27. 27. 12:13 Tu, porém, vai até ao fim; porque descansarás, e te levantarás na tua herança, no fim dos dias. A obra de Daniel estava completa. Por duas vezes , ele fora informado por um mensageiro do céu que ele era muito amado. Agora, a mensagem profética que ele recebera, estava escrita. Deus está dizendo: “Enrola o livro, pões apena de lado, pois a revelação terminou”. Ele realizou sua obra. Chegou a hora de descansar. Depois de mais de 70 anos de fiel serviço na cortes de Babilônia e Susã, ele repousou e descansa na sepultura, até descansarás
  28. 28. 12:13 Tu, porém, vai até ao fim; porque descansarás, e te levantarás na tua herança, no fim dos dias. O cumprimento das profecias do Daniel devia alcançar até um futuro longínquo. Daniel devia descansar na tumba, mas " até o tempo do fim”, no período final da história deste mundo, permitiria a Daniel ocupar outra vez sua sorte e lugar. levantarás na tua herança “o tempo chegou para Daniel estar na sua sorte. O tempo chegou para que a luz proporcione ir pelo mundo como nunca antes. Se aqueles para que o Senhor tem feito tanto caminharem na luz, o seu conhecimento de Cristo e das profecias relativas a ele aumentarão grandemente
  29. 29. Bibliografia usada neste Estudo:

×