HOMOFOBIA NO iBIRAPUERA

197 visualizações

Publicada em

Trabalho realizado na EEI Dr. Reinaldo Ribeiro da Silva

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
197
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

HOMOFOBIA NO iBIRAPUERA

  1. 1. Fot onovel aFot onovel a Tema: Homof obi a
  2. 2. Um casal de l ésbi casUm casal de l ésbi cas conver samconver sam sent adas num cant o dosent adas num cant o do par que. El as r esol vempar que. El as r esol vem passear na pont e. . .passear na pont e. . .
  3. 3. At é que el as se dão cont aAt é que el as se dão cont a de que não sabem comode que não sabem como chegar à pont e. Resol vemchegar à pont e. Resol vem per gunt ar par a gr upo deper gunt ar par a gr upo de gar ot os que est avam al i porgar ot os que est avam al i por per t o. . .per t o. . .
  4. 4. Os meni nos, ao per ceber emOs meni nos, ao per ceber em que se t r at ava de um casalque se t r at ava de um casal de l ésbi cas, começam ade l ésbi cas, começam a t i r ar sar r o del as. . .t i r ar sar r o del as. . .
  5. 5. At é que um del es dá umAt é que um del es dá um empur r ão em uma das meni nasempur r ão em uma das meni nas e f al a que não quer f i care f al a que não quer f i car no mesmo ambi ent e que el as,no mesmo ambi ent e que el as, poi s acr edi t a quepoi s acr edi t a que homossexual i smo é a “ doençahomossexual i smo é a “ doença da humani dade” . . .da humani dade” . . .
  6. 6. Uma del as sai cor r endo e aUma del as sai cor r endo e a out r a vai at r ás. . .out r a vai at r ás. . .
  7. 7. El a sent a embai xo de umEl a sent a embai xo de um ár vor e e começa a chor ar . . .ár vor e e começa a chor ar . . .
  8. 8. Sua namor ada a al cança eSua namor ada a al cança e começa a conver sar . . .começa a conver sar . . .
  9. 9. El a desabaf a di zendo queEl a desabaf a di zendo que est á cansada de ser t r at adaest á cansada de ser t r at ada desse j ei t o. . .desse j ei t o. . .
  10. 10. Sua namor ada per gunt a seSua namor ada per gunt a se acha mel hor t er mi nar aacha mel hor t er mi nar a r el ação e r essal t a quer el ação e r essal t a que apesar de t odos osapesar de t odos os coment ár i os ou qual quercoment ár i os ou qual quer coi sa, el as se amam ecoi sa, el as se amam e dever i am f ocar só no amordever i am f ocar só no amor que sent em uma pel aque sent em uma pel a out r a. . .out r a. . .
  11. 11. El as se abr açam. . .
  12. 12. Depoi s desse di a el asDepoi s desse di a el as per ceber am que não i mpor t aper ceber am que não i mpor t a o quant o f ossem al vos deo quant o f ossem al vos de coment ár i os mal vados ou decoment ár i os mal vados ou de ol har es r ancor osos ou at éol har es r ancor osos ou at é de agr essões, mas sempr ede agr essões, mas sempr e t er i am uma a out r a. . .t er i am uma a out r a. . .
  13. 13. O amor del as er a mai s f or t eO amor del as er a mai s f or t e e mai s i mpor t ant e quee mai s i mpor t ant e que qual quer coi sa que ouvi ssemqual quer coi sa que ouvi ssem ou t i vessem que passar !ou t i vessem que passar !
  14. 14. FIMFIM ““ Há pessoas que consegui mos amar , amar eHá pessoas que consegui mos amar , amar e amar . Não i mpor t a o que acont eça”amar . Não i mpor t a o que acont eça”

×