JULIANA GULKA E MANUELA DA FONSECA DeCS Descritores em Ciências  da Saúde Universidade Federal de Santa  Catarina Centro d...
Página Inicial
I. Aspectos Gerais <ul><li>A área de abrangência do tesauro é Saúde (Medicina). </li></ul><ul><li>A introdução (clicando e...
<ul><li>Índice Hierárquico </li></ul><ul><li>Índice Alfabético </li></ul>O tesauro é apresentado em três modos: alfabético...
Como consultar o tesauro <ul><li>Clica-se em  “Consulta ao  DeCS ”. </li></ul><ul><li>A seta indica o ponto de interrogaçã...
II. Questões específicas <ul><li>Terminologia:  </li></ul><ul><li>Possui tanto descritor simples quanto composto (fisiolog...
Fisiologia: Descritor simples, portanto, de uma só palavra.
Fisiologia comparada: Descritor composto, portanto, com duas (ou mais) palavras.
Não-descritores: Você faz a pesquisa sobre “Vírus da Influenza C” e o resultado já aparece como o descritor (Influenzaviru...
Qualificadores em lista:
Notas explicativas <ul><li>O  DeCS  apresenta suas notas explicativas separadas em “Definição” e “Nota de Indexação”, send...
Relações Semânticas entre os Conceitos: <ul><li>Apresenta relação de equivalência (ou identidade): lista os sinônimos (não...
Importante: <ul><li>TODAS as relações mostradas a seguir são mais facilmente identificadas quando se clica na CATEGORIA do...
<ul><li>Relação de identidade: apresenta os não-descritores em lista como “sinônimos” na página do termo descritor. </li><...
<ul><li>Pele: gênero </li></ul><ul><li>Derme: espécie </li></ul><ul><li>(após clicar na categoria de “pele” ou “derme”) </...
Relação direta e indireta <ul><li>Clicando na categoria C18.452.394.750 do termo “Diabetes Mellitus”, encontramos a tela a...
Relação Associativa: processo/agente <ul><li>Como o tesauro é da área de Medicina, tomamos a doença da  Dengue  como um “p...
Relação do tipo PARTITIVA (todo/parte) <ul><li>A relação partitiva é utilizada para sistemas e órgãos do corpo. </li></ul>...
APESAR DO DECS UTILIZAR UMA APRESENTAÇÃO EXTREMAMENTE FORA DO PADRÃO, O QUE DIFICULTOU UM POUCO A NOSSA NAVEGAÇÃO, ELE TEM...
“ OCORRÊNCIA” <ul><li>O  DeCS  apresenta, em maior parte dos seus termos, o link &quot;Ocorrência na BVS&quot;, que mostra...
Manuela Soares da Fonseca Juliana Aparecida Gulka Florianópolis, 3 de maio de 2010.
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Análise de tesauro - DeCS

2.816 visualizações

Publicada em

Análise de tesauro para a disciplina de Linguagens Documentárias - terceira fase, 2010, UFSC.

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

Análise de tesauro - DeCS

  1. 1. JULIANA GULKA E MANUELA DA FONSECA DeCS Descritores em Ciências da Saúde Universidade Federal de Santa Catarina Centro de Ciências da Educação Curso de Biblioteconomia CIN 5009 – Linguagens Documentárias Lígia Café Disponível em: <http://decs.bvs.br>. Acesso em: 26 abr 2010.
  2. 2. Página Inicial
  3. 3. I. Aspectos Gerais <ul><li>A área de abrangência do tesauro é Saúde (Medicina). </li></ul><ul><li>A introdução (clicando em “Sobre o DeCS ”) apresenta as origens do DeCS , a estrutura, números e a atualização programada. </li></ul><ul><li>Não existe possibilidade de propor termos. </li></ul><ul><li>É vinculado à BIREME – Biblioteca Regional de Medicina. </li></ul>
  4. 4. <ul><li>Índice Hierárquico </li></ul><ul><li>Índice Alfabético </li></ul>O tesauro é apresentado em três modos: alfabético-estruturado, hierárquico e permutado.
  5. 5. Como consultar o tesauro <ul><li>Clica-se em “Consulta ao DeCS ”. </li></ul><ul><li>A seta indica o ponto de interrogação acima do campo de pesquisa que linka um artigo na Acta Cirúrgica Brasileira. Esse artigo mostra como realizar a pesquisa de modo eficiente, pois acompanha o usuário tela por tela e abrange todos os pormenores da pesquisa. </li></ul><ul><li>Obs: o link “Serviço de apoio ao usuário” contém somente informações de contato. </li></ul>
  6. 6. II. Questões específicas <ul><li>Terminologia: </li></ul><ul><li>Possui tanto descritor simples quanto composto (fisiologia e fisiologia comparada). </li></ul><ul><li>Apresenta seus não-descritores diferentemente: os chama de sinônimos (vírus da influenza C). </li></ul><ul><li>Os qualificadores, por sua vez, ficam em uma lista abaixo das notas explicativas (anatomia). </li></ul>
  7. 7. Fisiologia: Descritor simples, portanto, de uma só palavra.
  8. 8. Fisiologia comparada: Descritor composto, portanto, com duas (ou mais) palavras.
  9. 9. Não-descritores: Você faz a pesquisa sobre “Vírus da Influenza C” e o resultado já aparece como o descritor (Influenzavirus C), apresentando o termo pesquisado como SINÔNIMO do resultado da busca.
  10. 10. Qualificadores em lista:
  11. 11. Notas explicativas <ul><li>O DeCS apresenta suas notas explicativas separadas em “Definição” e “Nota de Indexação”, sendo a primeira uma definição do termo e a segunda utilizada para mostrar o modo correto de indexar o termo. As notas aparecem somente se há necessidade. </li></ul><ul><li>Obs: não apresenta lista de identificadores ou especificadores. </li></ul>
  12. 12. Relações Semânticas entre os Conceitos: <ul><li>Apresenta relação de equivalência (ou identidade): lista os sinônimos (não-descritores) no termo descritor, conforme visto com o Vírus da Influenza C. </li></ul><ul><li>Possui relação hierárquica de gênero/espécie (pele/derme), relações diretas (doenças/doenças do sistema endócrino) e indiretas (doenças/doenças do sistema endócrino/diabetes mellitus) e relação associativa (dengue/aedes). </li></ul><ul><li>Sendo um tesauro da área da saúde, claramente tem relações hierárquicas do tipo partitiva (todo/parte), como em regiões do corpo/abdome, dorso, cabeça, etc. </li></ul>
  13. 13. Importante: <ul><li>TODAS as relações mostradas a seguir são mais facilmente identificadas quando se clica na CATEGORIA do descritor em questão. </li></ul><ul><li>O DeCS tem alguns links para chegar ao termo no campo “Definição”, porém não em todos: “pele” possui link para “derme” e “derme” não possui link para “pele”. Por isso preferimos utilizar esse modo. </li></ul>
  14. 14. <ul><li>Relação de identidade: apresenta os não-descritores em lista como “sinônimos” na página do termo descritor. </li></ul>
  15. 15. <ul><li>Pele: gênero </li></ul><ul><li>Derme: espécie </li></ul><ul><li>(após clicar na categoria de “pele” ou “derme”) </li></ul>
  16. 16. Relação direta e indireta <ul><li>Clicando na categoria C18.452.394.750 do termo “Diabetes Mellitus”, encontramos a tela a seguir. </li></ul><ul><li>Temos aqui: </li></ul><ul><li>TG Doenças , TE1 Doenças do Sistema Endócrino , TE2 Doenças das Glândulas Supra-Renais , TE3 Doenças Ósseas Endócrinas , TE4 Diabetes Mellitus . </li></ul><ul><li>Direta: TG Doenças e TE1 Doenças do Sistema Endócrino ; </li></ul><ul><li>Indireta: TG Doenças e TE4 Diabetes Mellitus . </li></ul>
  17. 17. Relação Associativa: processo/agente <ul><li>Como o tesauro é da área de Medicina, tomamos a doença da Dengue como um “processo” e o mosquito Aedes como o agente. </li></ul><ul><li>Nesse caso, por não serem equivalentes nem formarem uma hierarquia, são termos relacionados. </li></ul>
  18. 18. Relação do tipo PARTITIVA (todo/parte) <ul><li>A relação partitiva é utilizada para sistemas e órgãos do corpo. </li></ul><ul><li>Nesse caso: </li></ul><ul><li>TGP Regiões do Corpo </li></ul><ul><li>TEP Abdome, Dorso, Mama, Extremidades, Cabeça, Pescoço, Pelve, Períneo, Tórax e Vísceras </li></ul>
  19. 19. APESAR DO DECS UTILIZAR UMA APRESENTAÇÃO EXTREMAMENTE FORA DO PADRÃO, O QUE DIFICULTOU UM POUCO A NOSSA NAVEGAÇÃO, ELE TEM UMA INTERFACE DE FÁCIL ACESSO AO USUÁRIO. O DESIGN DA PÁGINA PECA POR NÃO OCUPAR TODO O MONITOR. ESSE ESPAÇO PODERIA CONTER IMAGENS, O QUE NÃO APARECE NO DECS, OU ATÉ MESMO VÍDEOS E LINKS. FALTA AINDA UM MODO PARA PROPOR TERMOS E MELHORIAS MAIS QUALIFICADO QUE O FORMULÁRIO DE CONTATO. RECEBEMOS A INFORMAÇÃO DE QUE COSTUMAVA TER, PORÉM FOI RETIRADO DO AR SEM EXPLICAÇÃO. Outras informações importantes
  20. 20. “ OCORRÊNCIA” <ul><li>O DeCS apresenta, em maior parte dos seus termos, o link &quot;Ocorrência na BVS&quot;, que mostra quantas vezes o descritor foi utilizado em várias bases de dados. </li></ul>
  21. 21. Manuela Soares da Fonseca Juliana Aparecida Gulka Florianópolis, 3 de maio de 2010.

×