A diversidade cultural e social
nos filmes de Alejandro González Iñárritu
João Paulo Palú1
Resumo
O cinema e as outras míd...
O que se mostra diferente no cinema de Inarritú e seu roteirista é a preocupação
por personagens marginalizados que de alg...
Outro acidente automobilístico muda a vida dos personagens de 21 Gramas,
aqui, a vida confortável da classe média alta é r...
título pode ser entendido pelo amor dos personagens por cães, como um da raça
rottweiler chamado no filme de Cofi ou ainda...
As conseqüências do acidente na vida dos personagens têm caminhos diversos
como, por exemplo, o casal formado pela modelo ...
Lançado em 2003, o título do filme se refere aos 21 gramas de massa corporal
que supostamente uma pessoa perde ao morrer, ...
Em Amores Brutos, os envolvidos no acidente passavam por momentos
distintos, enquanto a modelo estava feliz pelo seu suces...
Por fim há a personagem Cristina Peck que parece questionar o espectador se ele
não faria o mesmo que ela ao ver sua famíl...
Babel tem como tema central os problemas de comunicação não somente entre
pessoas que falam diferentes idiomas mas também ...
O guia turístico marroquino faz o que está ao seu alcance e se compadece com a
situação do casal, quando um médico examina...
A história da adolescente japonesa se liga as outras pois o rifle pertencia a seu
pai, com quem não se entende, que o deu ...
torno do que um dia pode vir a ser “o cinema de Iñárritu” como hoje temos o cinema de
Hitchcock ou o de Glauber Rocha.
Ess...
longe as telenovelas, principal produto ficcional latino-americano, seguem estrutura
narrativa parecida.
Deixando a parte ...
aspecto que traga verossimilhança à narrativa e o som segue o mesmo estilo,
trabalhando com ruídos e sujeiras comuns em ce...
SALEM, Rodrigo. 21 gramas. Revista SET. São Paulo: Ed. Peixes, n. 199, p. 64, jan.
2004.
1
João Paulo Palú – Professor do ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

A diversidade cultural e social

152 visualizações

Publicada em

Análise da filmografia de A. Itaúrrita

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
152
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A diversidade cultural e social

  1. 1. A diversidade cultural e social nos filmes de Alejandro González Iñárritu João Paulo Palú1 Resumo O cinema e as outras mídias em geral se ressentem na atualidade de uma apresentação e discussão maior de temas pertinentes à sociedade, como, por exemplo, a diversidade cultural e a discriminação social. O diretor mexicano Alejandro González Iñárritu responsável pelos filmes Amores Brutos (2000), 21 Gramas (2003) e Babel (2006) é um dos poucos que investe em temas polêmicos e não o faz como estratégia de auto- promoção, seu cinema contempla principalmente os marginalizados e discriminados pela sociedade. Este trabalho pretende analisar os três filmes lançados pelo cineasta e mostrar a diversidade de temáticas exploradas por cada um deles bem como os pontos que têm em comum que denotam mais uma persistência em tratar de questões caras a um determinado autor, do que simples acomodação em torno de um mesmo tema ou fórmula. É ainda intenção do trabalho analisar as qualidades estéticas dos filmes que vêm se somar aos temas abordados, na tentativa de identificar um cineasta com uma curta, porém promissora carreira cinematográfica. Palavras-chave: Alejandro González Iñárritu, cinema, diversidade, marginalização, narrativa não-linear. Introdução O diretor mexicano Alejandro González Iñárritu (43) lançou em 2006 seu terceiro longa-metragem intitulado Babel (2006) que conta 4 diferentes histórias ligadas por um acontecimento aparentemente banal, um caçador japonês que, em férias no Marrocos, presenteia seu guia com um rifle de caça. A partir desse fato, a vida de uma família de criadores de cabra no Marrocos, um casal de americanos em férias no Marrocos, uma japonesa surda-muda em Tóquio e duas crianças norte-americanas com sua babá mexicana na fronteira México-EUA vão estabelecer uma ligação contada de maneira fragmentada por Iñárritu. A ligação de diferentes personagens através de um fato em comum e a sua posterior repercussão é marca registrada desse cineasta que também é o diretor de Amores Brutos (2000) e 21 Gramas (2003). Para elaborar seus roteiros e filmes, o diretor conta com a colaboração do roteirista mexicano Guillermo Arriaga, parceria que de acordo com a mídia especializada terminou, após ambos anunciarem o rompimento depois de Babel. Terminada ou não a parceria entre Iñárritu e Arriaga, o que se pode ver em seus três filmes é uma preocupação em retratar diferentes pontos de vista e personagens que dificilmente são vistos nas telas de cinema.
  2. 2. O que se mostra diferente no cinema de Inarritú e seu roteirista é a preocupação por personagens marginalizados que de alguma maneira são colocados, ou se colocam, em situações de tensão social frente a personagens de classes sociais mais privilegiadas e como essa segregação social se reflete nas ações dos personagens. Deve-se destacar a estética similar dos filmes cujas histórias são contadas de maneira não-linear onde passado, presente e futuro se misturam em uma linha temporal que permite ao espectador entender fatos e atitudes de personagens antes mesmo deles acontecerem. Não se pode afirmar que sua temática ou estética são totalmente revolucionárias na arte cinematográfica, basta citar dois grandes filmes da década de 90 como Short Cuts – Cenas da Vida (1993) de Robert Altman e Pulp Fiction – Tempo de Violência (1994) de Quentin Tarantino que adotam estruturas semelhantes, porém, se pode assegurar que ambas não são usadas de maneira vazia, elas tem um propósito bem definido, as histórias se mostram atuais, e a maneira “hipertextual” em que se apresentam é o retrato do início do século XXI. Em cada um dos três filmes temos personagens centrais com algum tipo de discriminação social, em Amores Brutos há um ex-guerrilheiro comunista transformado em matador de aluguel que perambula pelas ruas da cidade do México recolhendo material para ser reciclado, seus únicos amigos são um bando de cães vira-latas. Em 21 Gramas temos o ex-condenado e ex-alcoólatra que se converteu a uma religião evangélica mas que acaba provocando um acidente que destrói uma família e em Babel há a empregada doméstica, uma mexicana trabalhando ilegalmente nos EUA e ainda uma família de criadores de cabra em inóspitas montanhas do Marrocos. Outro fator constantemente presente na filmografia de Iñarritú é misturar personagens de mundos diferentes através de uma tragédia e então, mostrar os distintos desdobramentos dessa na vida de cada um, de acordo com sua condição social. O diretor parece sempre querer dizer que os personagens que mais sofrem são aqueles que têm uma vida econômica mais tranqüila, os marginalizados, apesar de sofrerem carregam dentro de si algum tipo de gene que os predispõe a enfrentar os problemas melhor do que os personagens de classes mais altas. Amores Brutos apresenta uma modelo rica e famosa que namora um publicitário de meia-idade que deixa a família para morar com ela, no entanto, essa modelo se envolve em um acidente automobilístico que a deixa gravemente ferida e cicatrizada, sua vida de glamour, portanto, terminou.
  3. 3. Outro acidente automobilístico muda a vida dos personagens de 21 Gramas, aqui, a vida confortável da classe média alta é representada por uma ex-viciada em drogas que ao se casar com um bem-sucedido arquiteto e ter duas filhas, deixa para trás sua vida pregressa para depois retomá-la, ao se ver sozinha com a morte de toda família. Em Babel o acidente de carros é substituído por uma bala perdida disparada por um menino marroquino que testa o rifle comprado pelo pai, a bala acerta um ônibus de turistas que excursiona pelas montanhas do país. A personagem atingida é uma norte-americana que tenta reconstruir seu casamento com o marido após a perda de um bebê, ela se vê entre a vida e a morte em lugar desconhecido, onde as pessoas teoricamente mais próximas, os outros turistas do ônibus, pretendem seguir viagem com medo de também sofrerem um atentado, que julga-se, tratar de um ato terrorista. O terceiro grupo de personagens dos filmes de Inarritú também sofre com a discriminação, agora não tanto de ordem econômica, mas de outra natureza, em Babel há uma adolescente japonesa que por ser surda-muda é rejeitada pelos garotos de sua idade, ela é também rejeitada pelas próprias colegas por ser a única virgem do grupo. 21 Gramas traz um professor de matemática que necessita urgentemente de um transplante de coração, o diretor mexicano chama aqui a atenção para os milhões de enfermos que de uma maneira ou de outra dependem de um sistema de saúde que mesmo no país mais rico do mundo, os EUA, se apresenta ineficiente. A violência contra a mulher é mostrada em Amores Brutos através da personagem que procura fugir da violência do marido com o auxílio do cunhado, que também é seu amante. A violência aqui ainda encontra outra faceta na clandestina briga de cães em que o rapaz usa seu cão para ganhar dinheiro e fugir com a mulher do irmão. Através desse breve relato das personagens e suas tramas se percebe que o cinema de Iñarritú é rico em temas atuais procurando mostrar personagens que fazem parte da vida social mesmo que muitas vezes ignorados por grande parte da sociedade. Uma análise mais detalhada de cada um dos filmes em separado se mostra importante, tendo-se a certeza de que o tema não se esgotará, mas com a esperança de que despertará futuras contribuições e diferentes visões das apresentadas neste trabalho. Amores Brutos O título brasileiro do filme lançado em 2000 fica aquém do impacto de seu título original em espanhol Amores Perros, que pode ser traduzido como Amores Cães, tal
  4. 4. título pode ser entendido pelo amor dos personagens por cães, como um da raça rottweiler chamado no filme de Cofi ou ainda um outro da raça poodle, chamado Richi. Os “amores cães” podem ainda ser interpretados como o amor de certos personagens que “sofrem como cães” a partir do momento em que um terrível acidente automobilístico acontece, mudando e entrelaçando seus destinos. O acidente é o ponto de partida para uma narrativa criada pelo diretor Alejandro González Iñárritu e o roteirista Guillermo Arriaga onde três histórias distintas acompanham personagens que vivem em mundos diferentes e acabam por se influenciar. A trama se passa na Cidade do México, país mais populoso da América Latina, cenário perfeito para se falar de desigualdades sociais, o acidente, ocorre quando o jovem Octavio (Gael García Bernal), decide fugir com a mulher de seu irmão, Susana (Vanessa Bauche), usando seu cão rottweiller Cofi em uma rinha de cães para ganhar algum dinheiro. O plano acaba não dando certo pois o cão leva um tiro de outro dono de cachorro, obrigando Octavio a sair pelas ruas da cidade desgovernadamente e bater no carro de Valeria (Goya Toledo), seus planos são frustrados e ele tem que enfrentar o irmão, o descontentamento de Susana por sua incompetência, e ainda a perda do cão após o acidente. Valeria é uma modelo que tem uma vida completamente distinta de Octavio, porém, ela também tem uma paixão por cães pois é dona da poodle Richi, aqui a analogia é clara, enquanto o cão rottweiller, forte e feroz, pertence a um jovem à beira da marginalidade, a cadela poodle, pequena e delicada, é propriedade de uma personagem que representa uma alta classe social. A modelo se envolve no acidente no momento em que está mudando para seu novo apartamento onde pretende morar com Daniel (Álvaro Guerrero) um publicitário de meia-idade que abandona esposa e filhas para viver com Valeria. O terceiro arco dessa história é Chivo (Emilio Echevarría), um ex-guerrilheiro comunista que sobrevive como catador de papel e ainda atua como matador de aluguel, ele assiste ao acidente enquanto investiga os hábitos de sua próxima vítima. Dono de vários cães de rua, Chivo vê o rottweiller ferido e o socorre levando-o para sua casa, o assassino frio que não sente nenhuma compaixão por suas vítimas resgata o cachorro e faz de sua recuperação uma possibilidade de redenção própria.
  5. 5. As conseqüências do acidente na vida dos personagens têm caminhos diversos como, por exemplo, o casal formado pela modelo e o publicitário que arrepende-se de ter deixado a família ao ver sua vida com Valeria se tornar um drama após o acidente. A modelo se vê confinada a uma cadeira de rodas e passa a ter contato com o mundo da janela do apartamento, o que ela vê então é uma grande ironia, um outdoor com sua imagem nos tempos de fama e sucesso, mas isso não é o pior que lhe acontece. Seu sofrimento aumenta quando sua cadela de estimação fica presa no assoalho do apartamento ao perseguir ratos, a modelo desesperada pela perda da poodle não tem outra solução senão arrebentar quase completamente o chão em busca do animal. A prisão da cadela no chão é a metáfora da prisão imposta a Valeria que passa a experimentar um sentimento novo, de cerceamento de seus direitos de ir e vir, pois passa a depender de outros para realizar as tarefas mais simples, o diretor transforma uma personagem até antipática em uma deficiente física, chamando a atenção para tantos outros deficientes que não tem uma vida digna, com o mínimo de direitos garantidos. Outra personagem que se sente aprisionado só que interiormente é Chivo que teve que renunciar à sua família para se tornar guerrilheiro comunista e depois, quando a família, principalmente a filha, não o aceitou de volta, passou a viver pelas ruas da grande cidade e ter como única companhia um bando de cães. Chivo começa a se libertar de sua prisão após pegar o cão que estava no acidente e cuidar dele, passa então a questionar sua vida como matador de aluguel, refletindo se deve ou não realizar o próximo serviço para o qual foi contratado, é quando começa a se aproximar de sua filha que no final lhe abre uma possibilidade de reconciliação. Em seu primeiro filme, o diretor mexicano mostra personagens que sofrem e que não se recuperam inteiramente de seus sofrimentos, no entanto, não se pode acusá- lo de ser partidário do conhecido dramalhão mexicano, pelo contrário, Iñárritu constrói dramas que são reais e tem razão para isso, não precisa cair em fórmulas fáceis e apelativas. 21 Gramas O segundo filme de Iñarritú pode ser considerado a sua estréia internacional pois é falado em inglês, foi produzido pelo estúdio norte-americano Universal e conta com atores do primeiro escalão hollywoodiano como Sean Penn, Naomi Watts e ainda o mexicano Benicio Del Toro.
  6. 6. Lançado em 2003, o título do filme se refere aos 21 gramas de massa corporal que supostamente uma pessoa perde ao morrer, enquanto cientistas apresentam explicações racionais para tal acontecimento, muitas religiões acreditam ser este o “peso da alma”. O diretor mexicano segue a definição dos que acreditam numa vida após a morte e discute nesse filme questões de culpa, redenção, perdão e como em seu primeiro filme, mostra ao espectador personagens de algum modo marginalizados pela sociedade. O ponto de mudança na vida dos personagens também acontece após um acidente automobilístico como em Amores Brutos, aqui, no entanto, o acidente é causado por um ex-presidiário Jack Jordan (Benicio Del Toro) que vive trabalhando para sua igreja. Os envolvidos no acidente também são diferentes do primeiro filme, aqui a perda é maior pois duas meninas e seu pai são atropelados e vem a falecer deixando a mãe e esposa Cristina Peck.(Naomi Watts) completamente desamparada. Ela, que antes de casar e formar uma família era viciada em drogas, fraqueja diante de tal situação e passa a consumí-las novamente, o “beneficiado” com o acidente que em Amores Brutos foi o ex-guerrilheiro e matador de aluguel que ficou com o cão rottweiller, em 21 Gramas é o professor de matemática Paul Rivers (Sean Penn) que recebe o coração do marido de Cristina em um transplante que o livra da morte. Após receber um novo coração, Paul fica curioso em saber a quem pertencera anteriormente, ele contrata um detetive e acaba se envolvendo com Cristina, a esposa do homem que lhe doou o coração, não sem antes passar por uma crise com sua esposa Mary (Charlotte Gainsbourg) que o ajudou durante seu período convalescente querendo até ter um filho seu por meio de inseminação artificial. A narrativa mais uma vez é não-linear, assiste-se, por exemplo, a uma cena que ocorreu meses antes de outra, a linha temporal é formada pelo espectador lentamente de acordo com o contato que ele tem com o sofrimento e a angústia dos personagens, o que pode ser uma faca de dois-gumes pois pode tanto atiçar a curiosidade quanto inutilizar uma cena pois já se sabe de antemão sua conclusão. É interessante notar que aqueles que mais sofrem com o acidente viviam vidas felizes antes, Cristina tinha se recuperado das drogas e levava uma vida de classe- média, Jack reconstruiu sua vida na prisão ao ter contato com uma religião e pregava o evangelho.
  7. 7. Em Amores Brutos, os envolvidos no acidente passavam por momentos distintos, enquanto a modelo estava feliz pelo seu sucesso, sua casa e seu amante, o jovem encontrava-se em uma situação-limite pois teve que usar seu para conseguir dinheiro e fugir com a cunhada. Jack representa ainda uma classe de pessoas que por terem passado por uma prisão ficam para sempre estigmatizadas em qualquer sociedade, ele é despedido do clube onde trabalhava carregando tacos de golfe pela reclamação dos associados em ver suas tatuagens. Aqui, o diretor mexicano focaliza pessoas que são freqüentemente retratadas pela mídia de maneira unidimensional, bandidos que se convertem a uma religião e se transformam em fanáticos religiosos. Graças ao excelente trabalho de Del Toro, o personagem Jack não pode ser visto somente por esse ângulo. Fica evidente que Jack é um sujeito que luta constantemente contra seus problemas sociais (ex-presidiário) e emocionais (ex-alcoólatra) ele é visto aconselhando um jovem sobre o futuro, carrega a Bíblia para onde vai mas ao mesmo tempo se orgulha de sua caminhonete equipada ganha numa rifa, presente de Jesus, acredita. Vemos o personagem como um ser humano comum com defeitos e qualidades e que após o acidente do qual fugiu sem prestar socorro, passa a carregar um sentimento de culpa e questionar se Deus o abandonou depois de tanto esforço em pregar seus ensinamentos, fica dividido entre esconder o acidente ou se entregar. Jack então confessa o “crime” que cometeu e vai para a cadeia, lá tenta se suicidar, mostrando-se determinado a pagar pelo mau que cometeu, quando é solto por falta de provas decide ir morar em um motel longe da família. Outro personagem característico da filmografia de Iñárritu é Paul Rivers, é difícil assistir filmes em que um doente terminal é um dos personagens principais, o personagem interpretado por Sean Penn, diferente dos personagens Cristina e Jack parece ser o único a procurar uma dor ao invés de ficar feliz pelo transplante, pesa sobre ele um sentimento de culpa misturado a um sentimento de gratidão por carregar o coração que um dia pertenceu ao marido de Cristina. Ao mesmo tempo em que carrega essa culpa e gratidão, Paul não hesita em abandonar a esposa para ficar com Cristina, o espectador não sabe se sente pena ou raiva do personagem, que, como qualquer ser humano que cria em si todo tipo de contradição.
  8. 8. Por fim há a personagem Cristina Peck que parece questionar o espectador se ele não faria o mesmo que ela ao ver sua família morta, até onde a vida continua para alguém que perdeu aquilo que a mantinha longe de seus maiores problemas, as drogas. Sua única maneira de continuar a viver é para descobrir quem a privou de sua felicidade e se vingar, para isso, não pensa duas vezes em usar Paul que está apaixonado por ela para cometer um crime. Paul, no entanto, não consegue matar Jack, no último momento ele apenas dispara a arma e manda Jack desaparecer da região, Cristina analisando o revólver e vendo que faltam balas pergunta se Paul o matou e ele, mentindo, diz que sim. Jack acha a possibilidade de pagar pelo crime e vai até o quarto de motel onde Cristina e Paul estão hospedados, lá pede para Paul matá-lo mas ele não consegue, Cristina irada, começa a bater em Jack com tudo o que encontra pela frente até que Paul dispara a arma contra si mesmo. Jack e Cristina socorrem Paul que morre no hospital, ela também descobre, ao doar sangue, que está grávida, já Jack ao se ver tão perto da morte retorna para sua família, o filme acaba com Cristina renovada pela gravidez que lhe trará nova razão para viver. Iñárritu não julga seus personagens e pede o mesmo para o público, ele mostra como mesmo aqueles que a sociedade veladamente ou não despreza, devem ser vistos antes como seres humanos que precisam ser entendidos, seus atos não são gratuitos, algo os levou a fazer o que fazem, e, por pior que sejam os acontecimentos, há sempre espaço para um recomeço. Babel O mais recente filme de Alejandro G. Iñárritu foi lançado em 2006 e concorreu a diversas categorias do Oscar 2007, entre elas, melhor filme e melhor diretor. O roteiro, como Amores Brutos e 21 Gramas foi escrito pelo diretor e o roteirista Arriaga. O título do filme se refere à famosa Torre de Babel citada no primeiro livro bíblico, o Gênesis, onde no capítulo 11 tentou-se construir uma torre que chegasse até os céus. Deus, irado com tal pretensão do ser humano fez com que cada um começasse a falar uma língua diferente criando desentendimento entre os homens, impedido a conclusão da torre.
  9. 9. Babel tem como tema central os problemas de comunicação não somente entre pessoas que falam diferentes idiomas mas também entre diferentes culturas e ainda entre pessoas que falam o mesmo idioma mas que não conseguem se entender. É o caso dos personagens Richard (Brad Pitt) e Susan (Cate Blanchett) que viajando Marrocos tentam reconstruir um casamento abalado após a morte de um dos filhos ainda bebê, numa parada do ônibus de turismo que os leva entre as montanhas marroquinas, Susan pergunta ao marido o motivo de tal viagem, por que foram tão longe para resolver um problema conjugal. Paralelamente ao drama do casal americano, o espectador conhece os outros arcos que compõem o filme, mais uma vez, roteirista e diretor lançam mão de uma narrativa não-linear que aos poucos vai fazendo sentido e conectando suas peças. Há a família marroquina que mora nas montanhas pastoreando cabras, ela é o ponto de partida do filme e a responsável pelo fato que muda a vida de todos os personagens, temos o pai da família que compra o rifle de outro camponês, o filho mais novo e mais esperto que o filho mais velho, a mãe dos meninos e a irmã, responsável por despertar no irmão mais novo seus primeiros desejos sexuais. Os outros dois fios desse novelo são a adolescente japonesa surda-muda que além dos problemas típicos da idade sente a falta da mãe que se suicidou e é discriminada pelas colegas por não ter tido relações sexuais com nenhum homem ainda e, finalmente, a babá mexicana que trabalha ilegalmente nos EUA cuidando dos filhos do casal Richard e Susan e que, sem opção, leva as crianças ao México para não perder o casamento do filho. Diferente dos acidentes de seus dois filmes anteriores, em Babel, Iñárritu usa um outro acontecimento para iniciar a narrativa, o rifle dos marroquinos acerta a americana Susan que estava no ônibus de turismo e a deixa à beira da morte O tiro disparado pelo menino mais novo é também um acidente, pois ele e o irmão estão testando o rifle que o pai lhes deu para defender as cabras de coiotes e acabam disparando contra o ônibus que viaja em uma estrada distante de onde estão, assustados escondem do pai o fato. O tiro que acerta Susan desencadeia o segmento mais interessante do filme, onde o título Babel se encaixa perfeitamente, pois Richard fica impotente de socorrer sua esposa em um lugar inóspito e os turistas que viajam com ele, teoricamente as pessoas mais próximas, ficam assustadas e querem deixá-los numa vila e voltar para um local seguro com o ônibus.
  10. 10. O guia turístico marroquino faz o que está ao seu alcance e se compadece com a situação do casal, quando um médico examina Susan e diz que a situação é grave, o guia não traduz exatamente o que está acontecendo, mas Richard exige a verdade desesperando-se com a possibilidade de perder a esposa. Uma interessante questão levantada pelo filme é que o tiro que acerta Susan se transforma em um ato terrorista de proporções mundiais, Iñárritu toca num ponto central do mundo ocidental pós 11 de setembro onde o medo e o inimigo estão sempre presentes na vida das pessoas. Se fosse no mundo real, quem não garantiria que a repercussão do fato mostrado pelo filme não seria o mesmo, a imprensa ocidental levantadas suspeitas sobre o mundo árabe e superdimensionando uma notícia, no filme, o socorro demora a chegar pois o consulado norte-americano se encarrega de enviar um helicóptero para resgatar sua cidadã por temer que uma ambulância marroquina não prestaria o devido socorro. O tiro disparado no Marrocos que acerta uma americana acaba influenciando os planos de uma mexicana nos EUA, Amélia (Adriana Barraza) é uma imigrante ilegal que pretende ir ao México participar do casamento do filho mas que devido ao problema com o casal norte-americano, tem que levar as crianças para o México. No casamento tudo corre bem, as crianças se encantam por estar em um mundo novo de que só ouviram falar (não muito bem), pelos pais, elas participam da festa, brincam com outras crianças mexicanas, o problema está no retorno aos EUA. O sobrinho da babá (Gael Garcia Bernal) é o encarregado de levá-los de volta para casa, o problema acontece na fronteira México-EUA quando um policial impede que eles entrem nos EUA por não terem os documentos autorizando o transporte das crianças, com medo de ser preso, o sobrinho resolve fugir com o carro deixando babá e crianças no meio do deserto. Após passar a noite e uma parte do dia perambulando pelo deserto, a babá é encontrada por um policial que a prende e resgata as crianças, no interrogatório, ela recebe uma dura do policial que diz para ela nunca mais voltar a entrar nos EUA, muito abalada, ela quer saber o estado das crianças que ajudou a criar desde o nascimento. O diretor mexicano expõe aqui com toda propriedade uma situação muito familiar aos mexicanos e também aos brasileiros, que é o sonho de viver nos EUA, de um lado há o povo marginalizado que luta por uma vida melhor em outro país e de outro aqueles que expulsam do país quem os incomoda.
  11. 11. A história da adolescente japonesa se liga as outras pois o rifle pertencia a seu pai, com quem não se entende, que o deu a um marroquino quando foi lá caçar, esse marroquino posteriormente vende a arma que desencadeia todos os dramas do filme. Como já comentado, a adolescente é surda-muda e se sente excluída do convívio social pois quando se aproxima de meninos estes a desprezam devido à sua deficiência. Mais uma vez Iñárritu toca em questões sociais que muitas vezes passam longe da grande mídia e da sociedade. Se em Amores Brutos a modelo fica paralítica, aqui a surda-muda mostra a dificuldade que essas pessoas tem de levar uma vida normal principalmente pelo fato da grande maioria da sociedade não saber lidar com os diferentes tipos de deficiências. Desesperada por não se sentir desejada por ninguém, ela resolve se entregar a um policial que quer esclarecer a origem da arma que atingiu a norte-americana, para isso ela o chama em seu apartamento e aparece nua diante dele, o policial percebendo a instabilidade emocional da moça pede para ela se cobrir e tenta confortá-la. O policial vai embora mas fica claro que uma relação amorosa entre ambos está estabelecida, o pai ao voltar do trabalho encontra com o policial que lhe pergunta sobre a arma e este confirma que a deu ao guia marroquino, ao chegar em casa, vê a filha na varanda e a abraça, gesto que se conclui, não fazia há muito tempo. Voltando ao Marrocos, os meninos contam ao pai o que fizeram por verem que a polícia está atrás deles, não sabendo o que fazer, tentam fugir quando a polícia ao pensar que se trata de perigosos terroristas abre fogo contra o pai e os dois meninos. O pior acontece para o menino mais velho que acaba levando um tiro e morre, o mais novo, desesperado por ver o irmão se entrega e pede aos policiais que o prendem e salvem o irmão, ele confessa ter sido o autor do disparo que atingiu a americana. A americana, a vítima, após sofrer muito é resgata e sobrevive, o agressor, o árabe é punido com a morte, com Babel o diretor mexicano apresenta um filme que mais do que mostrar a falta de comunicação entre os povos, fala da intolerância, da desumanização das relações entre as pessoas, da exploração e de como é difícil ser diferente no mundo atual. Conclusão Três filmes na carreira de um diretor ainda não constituem o que geralmente se chama de “obra”, mas é um bom indício de onde essa carreira pode chegar, Alejandro G. Iñárritu apresenta traços de um diretor preocupado em evoluir, filme após filme, em
  12. 12. torno do que um dia pode vir a ser “o cinema de Iñárritu” como hoje temos o cinema de Hitchcock ou o de Glauber Rocha. Esse trabalho dá uma pequena pista de que o mexicano parece estar no caminho certo ao tentar, através da análise de seus três filmes, identificar pontos estéticos e temáticos em comum, questões que reunidas e analisadas levam o espectador que se depara com Amores Brutos, 21 Gramas ou Babel a perceber que se tratam de filmes de um mesmo diretor. Não se pode esquecer que os três filmes tiveram como roteirista creditado, Guillermo Arriaga que, segundo informações colhidas em revistas especializadas não fará parte dos projetos futuros de Iñárritu, portanto, somente um quarto filme sem sua colaboração pode dimensionar o seu potencial peso na filmografia analisada. É sabido que o roteiro de um filme não é o filme, ótimos roteiros nas mãos de diretores menos capazes se convertem em filmes medíocres, bem como roteiros fracos nas mãos de pessoas talentosas se transformam em grandes filmes. Este trabalho reconhece a importância do roteirista na elaboração dos filmes mas leva em conta novamente informações da imprensa de que Iñárritu é participante ativo na criação dos personagens e tramas de seus filmes, portanto o sucesso ou fracasso deles se deve mais ao seu trabalho como “Iñárritu diretor” do que como “Iñárritu roteirista”. Deve-se destacar as críticas e elogios recebidos pelos filmes, as primeiras dizem que Iñárritu teria descoberto uma fórmula para realizar filmes e a repete sempre, mudando personagens e situações que no fundo são os mesmos em todos os filmes. Essas críticas entendem como fórmula a maneira não-linear e fragmentada da narrativa dos filmes, onde cenas aparentemente soltas se encontram no final ou ainda, um acontecimento em comum que afeta todos os personagens de alguma maneira. Algumas críticas ressaltam que uma história não-linear é um modo de esconder possíveis “furos” no roteiro e, propositadamente, confundir o espectador que então julga o filme de maneira positiva ressaltando qualidades que ele não possui. Seguramente se pode afirmar que a narrativa fragmentada é uma escolha consciente do diretor, mas tal recurso não é usado apenas para confundir o espectador ou chocá-lo, parece ter mais relação com o tipo de filme que se quer fazer, ou melhor, o tipo de história se quer contar. Os filmes do diretor mexicano contam com várias histórias ou “arcos”, onde diversos núcleos de personagens se desenvolvem podendo ou não se cruzar, há, como já citado nesse trabalho, vários filmes que adotam essa narrativa; indo um pouco mais
  13. 13. longe as telenovelas, principal produto ficcional latino-americano, seguem estrutura narrativa parecida. Deixando a parte “literária” de lado, deve-se destacar no cinema de Iñárritu os recursos cinematográficos utilizados para desenvolver o filme, como montagem, enquadramento, som, luz, interpretação, entre outros. Em qualquer um de seus três filmes o mexicano contou com excelentes atores como em Amores Brutos onde trabalhou com atores mais conhecidos no México, destacando-se Emilio Echevarría intérprete do ex-guerrilheiro que cuida do rottweiler e Gael Garcia Bernal, jovem e talentoso ator que interpretou Octavio, hoje em Hollywood. Tanto 21 Gramas quanto Babel, rodados em inglês, trazem em seus elencos atores mundialmente conhecidos como Sean Penn, Brad Pitt e Naomi Watts o que atesta o prestígio alcançado por Iñárritu após seu primeiro filme, tais estrelas gostam de alternar papéis em filmes mais comerciais com projetos mais densos e que os desafiem enquanto atores o que sempre pode levá-los a receber prêmios. A montagem do filme está diretamente ligada ao que o diretor quer transmitir a seu público; mais de um teórico já atestou que cinema é montagem, (Andrew, 1989,p. 52) e os três filmes aqui analisados se apóiam sobremaneira em sua montagem. Já se discutiu as características da narrativa fragmentada, a montagem bem realizada vem confirmar as qualidades de um roteiro bem amarrado, onde o espectador se mantém interessado o tempo todo, é preciso, no entanto, cuidado para não revelar mais do que o necessário e comprometer o trabalho todo. Tal questão foi levantada na análise do filme 21 Gramas que em determinados momentos trazia uma cena que mais à frente influenciava o desenvolvimento de uma outra, “estragando” o caráter de ineditismo de uma seqüência. Tais problemas são mais comuns nesse filme que nos outros dois, em Amores Brutos a montagem se mostra instintiva certamente por se tratar do primeiro filme do diretor, já Babel é montado com ações intercaladas a maioria no tempo presente. Os enquadramentos e os aspectos técnicos como luz e som podem ser vistos como utilizados para trazer uma maior sensação de realismo ao espectador, a câmera geralmente anda solta entre os personagens, ela não assume um ponto de vista estático mas procura fazer parte do interior da ação que se desenvolve. A luz geralmente busca ser a mais natural possível, “estourada” durante cenas diurnas e difusa em noturnas, sempre com a intenção de funcionar como mais um
  14. 14. aspecto que traga verossimilhança à narrativa e o som segue o mesmo estilo, trabalhando com ruídos e sujeiras comuns em cenas captadas fora de estúdio. Os filmes dirigidos por Alejandro González Iñárritu apresentam temas incômodos e problemas sociais os mais diversos, eles estão representados tanto em personagens discriminados e marginalizados quanto no próprio ambiente das histórias. Em Amores Brutos a Cidade do México pode ser considerada uma personagem do filme, pois tem grande influência sobre a vida dos outros personagens, ela se apresenta uma metrópole rica na história da modelo e seu amante e pobre e miserável na do ex-guerrilheiro, o diretor conseguiu extrair duas facetas da cidade que se evitam mas que acabam sempre se misturando. Ainda no filme de estréia de Iñárritu, há temas como a violência doméstica contra a mulher, a discriminação contra ex-presidiários, este último também presente em 21 Gramas que agrega outros temas como o uso de drogas, o problema das pessoas que dependem de um transplante de órgão para continuar a viver, o diretor, apesar de tocar em temas fortes, nunca apela para a emoção fácil, apenas expõe pontos de vista. Já Babel trata de questões como a discriminação contra imigrantes personificada na babá mexicana, o preconceito contra árabes travestido em medo de terroristas e ainda as dificuldades de interação social de uma pessoa surda-muda. Ao apresentar tantas questões polêmicas e infelizmente pouco discutidas, os filmes de Iñárritu dão visibilidade para tais temas e contribuem na formação de uma sociedade mais aberta ao diálogo e ao respeito das mais diferentes correntes ideológicas, religiosas e econômicas, tais filmes porém, estão em falta na cinematografia mundial. Referências bibliográficas MARTIN, Marcel. A linguagem cinematográfica. Trad. Flávio P. Vieira & Teresinha A. Pereira. Belo Horizonte, Editora Itatiaia, 1963. ANDREW, J. Dudley. As principais teorias do cinema. Trad. Teresa Ottoni. Rio de Janeiro, Jorge Zahar Editor, 1989. MATTELART, Armand. Diversidade Cultural e Mundialização. São Paulo, Parábola Editorial, 2005. VANOYE, Francis & GOLIOT-LÉTÉ, Anne. Ensaio sobre a análise fílmica. Trad. Marina Appenzeler. Campinas, Papirus Editora, 1994 GORDIRRO, André. ...Presente ... Revista SET. São Paulo: Ed. Peixes, n. 234, p. 34- 35, dez. 2006
  15. 15. SALEM, Rodrigo. 21 gramas. Revista SET. São Paulo: Ed. Peixes, n. 199, p. 64, jan. 2004. 1 João Paulo Palú – Professor do Centro Universitário Senac – Campus Águas de São Pedro. Graduado em Comunicação Social – Radialismo e Televisão pela Universidade Metodista de Piracicaba e mestrando em Comunicação da Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação da Universidade Estadual Paulista (Unesp) - Campus de Bauru.

×