CãO Como NóS

4.514 visualizações

Publicada em

1 comentário
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.514
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
39
Comentários
1
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

CãO Como NóS

  1. 1. CÃO COMO NÓS APRESENTAÇÃO DO LIVRO DE PORTUGUÊS
  2. 2. O autor deste texto é o dono do cão, e o pai da família. Ou seja, o autor, que também é narrador deste livro, faz parte da história. Este livro fala do cão de Manuel Alegre, o Kurika. Kurika, sentia-se muito feliz quando estava com os seus donos. Era exibicionista e não gostava de obedecer ás ordens que os donos lhe davam. Kurika não era mais novo na família, ele foi para casa de Manuel Alegre antes de o novo elemento da família nascer. Kurika era um herói para a filha do meio de Manuel Alegre, pois tinha salvado o seu dono, de morrer no rio, enquanto pescava. E sempre que Manuel Alegre ralhava com Kurika por ele fazer asneiras, a filha do meio, defendia o cão, e relembrava o pai que Kurika o tinha salvo de morrer afogado no rio. Quando o pai de Manuel alegre morreu, Kurika correu a casa toda. Manuel alegre e a família achavam que ele sentia uma presença que a família fisicamente já não sentia. Kurika foi envelhecendo e toda a família sabia que o dia da sua morte estava a chegar. Kurika, adoeceu, e teve pela primeira vez um ataque, que foi fortíssimo. Teve convulsões, tentava levantar-se e voltava a cair, esperneava-se e revirava os olhos.
  3. 3. Levaram Kurika a clínica veterinária. A família fez um grande luto. Quase ninguém comia, choravam a todo o tempo e o Manuel Alegre não saia da porta de clínica. Finalmente o cão saiu do veterinário, mas nunca voltou a ser o mesmo. Kurika estava cada vez mais velho. Todos sabiam que estava na altura de ele morrer mas Kurika não se queria render à morte. Sucederam-se outros ataques, outras corridas para o veterinário, outros lutos antecipados. E Kurika recusava-se a morrer! Em Fevereiro o cão começou a andar ás voltas sobre si mesmo. Estava tonto e não se conseguia aguentar em pé. Começou a ir contra tudo. Tiveram de o levar para a clínica. Por fim, Kurika tinha dado o braço a torcer à morte. Kurika morreu. Toda a família chorou imenso e sentiam um enorme vazio em casa. Manuel Alegre diz que ao escrever este livro, “Cão Como Nós”, ainda sentia Kurika deitado ao lado dos seus pés, como sempre fazia enquanto era vivo. Manuel Alegre e toda a família dizem que ainda continuam a sentir Kurika lá em casa, mas doutra maneira Kurika ficou para sempre no coração de todos!
  4. 4. Obrigada pela vossa atenção! Trabalho realizado por: - Ana Cláudia, nº2, 7ºc

×